Guerra Civil Afegã (1992–1996)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde agosto de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Guerra Civil Afegã (1992-1996)
Parte da(o) Guerra Civil do Afeganistão
Kabul during civial war of fundamentalists 1993-2.jpg
Cabul em ruínas após combates entre as forças governistas e os mujahidins
Período 30 de abril de 199227 de setembro de 1996
Local Afeganistão
Resultado O governo do Estado Islâmico Afegão é derrubado do poder. Seus líderes fogem e formam a chamada Aliança do Norte. Os fundamentalistas do Taliban tomam Cabul em setembro de 1996 e se tornam o de facto governo afegão (embora não reconhecido internacionalmente); A guerra civil continuaria, embora em menor escala, até 2001.
Participantes do conflito
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Estado Islâmico do Afeganistão

Apoiado por:

Hezbi Islami.svg Hezb-i Islami (até 1994)

Apoiado por:


Junbish-i Milli
(janeiro - agosto de 1994)
Apoiado por:


Diversos grupos e milícias

Flag of Taliban.svg Talibã

Apoiado por:


Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Al-Qaeda

Líderes
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Burhanuddin Rabbani
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Ahmad Shah Massoud
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Hussain Anwari
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Sibghatullah Mojaddedi
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Abdul Haq
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Abdul Rasul Sayyaf
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Abdul Ali Mazari
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Karim Khalili
Flag of Afghanistan (1992–2001).svg Abdul Rashid Dostum
Hezbi Islami.svg Gulbuddin Hekmatyar

Abdul Ali Mazari
Karim Khalili


Abdul Rashid Dostum


Gul Agha Sherzai

Flag of Taliban.svg Mohammed Omar
Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Osama bin Laden
Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Ayman al-Zawahiri
Número de combatentes mortos incerto (presume-se muito alto)

Estima-se que pelo menos 50 mil civis morreram[1]

A fase da Guerra Civil do Afeganistão que durou de 1992 a 1996 começou com a renúncia do presidente comunista Mohammad Najibullah. Isso permitiu a entrada dos grupos de mujahidins em Cabul. O que se viu a seguir foi uma grande guerra entre as várias facções e etnias para decidir quem iria tomar o poder. Em determinado momento, a capital Cabul e o resto do país estavam divididos em vários fragmentos, dominados por diversos grupos.

Entre abril de 1992 e maio de 1993, havia uma aliança entre as forças da Sura-e Nezar, liderada por Ahmad Shah Massoud, com o General Abdul Rashid Dostum, que liderava forças oriundas do norte do país e o Hezb-e Wahda, que agrupa militantes xiitas. Do outro lado, havia a outra aliança liderada pelo Hezb-e Islami (Partido do Islã), que agrupava militantes oriundos do sul do país liderados por Gulbuddin Hekmatyar.

A partir de maio de 1993, passou a existir uma nova configuração das alianças: de um lado a Shura-e Nezar, todos os comandantes pertencentes à Jamiat-e Islami (Sociedade do Islã), incluindo Ismael Khan, que governava a Província de Herat e outros grupos menores; do outro lado as forças lideradas pelo General Abdul Rashid Dostum, o Hezb-e Islami e o Hezb-e Wahdat, que agrupava militantes xiitas.

Embora não tenha havido nenhuma autoridade central efetiva no período compreendido a partir de abril de 1992, os líderes das principais facções em guerra ocupavam cargos em um governo dividido e ineficaz. Gulbuddin Hekmatyar foi o primeiro-ministro até o final de 1994 e Borhannudin Rabbani do Jamiat-e Islami era o Presidente do Estado Islâmico do Afeganistão. Durante a maior parte de 1994 uma aliança de grupos mujahideen liderados pela Jamiat-e Islami manteve o controle da maior parte de Cabul, e a aliança de oposição liderada pelo Hezb-e Islami controlava outras partes da capital. Outros grupos, aliados a um dos blocos principais, controlavam o resto do país; onde existiam estruturas quase-governamentais.

A partir de fevereiro de 1995, surge uma nova força política, conhecida como o Taleban (estudantes religiosos), que rapidamente tomou o controle de nove das 30 províncias do Afeganistão. Alguns observadores acreditavam que o Taliban era apoiado pelo Paquistão e pela Arábia Saudita. Uma de suas conquistas mais significativas, foi a captura, em fevereiro de 1995, da sede do Hezb-e Islami em Charasyab, ao sul de Cabul[2].

Essa etapa da guerra civil só foi terminada quando o Taliban, uma organização extremista, assumiu o controle de facto de mais da metade do Afeganistão (incluindo a própria capital Cabul), conquistada em 27 de setembro de 1996.[3] [4]

Em 1996, os fundamentalistas do Taliban formaram um novo regime chamado de Emirado Islâmico do Afeganistão que, embora não reconhecido internacionalmente, exercia a real autoridade sobre boa parte do território afegão, impondo à população uma visão estrita da Charia, lei islâmica, nas regiões que controlavam. O governo deposto fugiu para o norte e formou uma frente de resistência aos extremistas que dominavam a nação, chamada de Aliança do Norte, na província de Jowzjan, que fica na fronteira tríplice entre o Afeganistão, Turcomenistão e o Uzbequistão.[5]

Crimes de Guerra[editar | editar código-fonte]

O Projeto Justiça para o Afeganistão, destaca os seguintes incidentes dentre os possíveis crimes de guerra que deveriam ser investigados durante o período compreendido entre 1992 e 1996:

Referências

  1. "Reflection of RAWA sit-in in some Pakistani newspapers". Página acessada em 9 de junho de 2014.
  2. DOCUMENT - WOMEN IN AFGHANISTAN: A HUMAN RIGHTS CATASTROPHE, em inglês, acesso em 31 de outubro de 2014.
  3. «Blood-Stained Hands, Past Atrocities in Kabul and Afghanistan's Legacy of Impunity». Human Rights Watch 
  4. Complete 911 Timeline, em inglês, acesso em 02 de novembro de 2014.
  5. Amin Saikal. Modern Afghanistan: A History of Struggle and Survival 2006 ed. [S.l.]: I.B. Tauris & Co Ltd., London New York. p. 215. ISBN 1-85043-437-9 
  6. Amnesty would jeopardize national reconciliation and security, em inglês, acesso em 19 de outubro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre um conflito armado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre o Afeganistão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.