Ahmad Shah Massoud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ahmad Shah MassoudCombatente Militar
Nome completo Ahmad Shah
Conhecido(a) por Leão de Panjshir
Nascimento 2 de setembro de 1953
Bazarak, Panjshir, Afeganistão
Morte 9 de setembro de 2001
Takhar, Afeganistão
Alma mater Universidade de Cabul
Serviço militar
País  Afeganistão
Anos de serviço 1978–2001
Condecorações Herói Nacional do Afeganistão  Afeganistão
Religião Islamismo (Sunni)

Ahmad Shah Massoud (em persa: احمد شاه مسعود) (Bazarak, c. 2 de setembro de 1953Takhar, 9 de setembro de 2001) foi um líder militar e político afegão da etnia tadjique.[1]

Massoud nasceu no vale do Panjshir, Afeganistão e formou-se em engenharia na Universidade de Kabul. Tornou-se o líder militar que articulou a expulsão do exército soviético do Afeganistão e ganhou o título de "Leão de Panjshir". Seus seguidores o chamam de "Amer Sahib e Shaheed", ou seja, "Nosso Comandante Martirizado".

Tornou-se Ministro da Defesa do Afeganistão em 1992 sob o governo do presidente Burhanuddin Rabbani. Durante o colapso do governo de Rabbani e a ascensão do regime dos Talibã, Massoud firmou-se como o líder militar da Frente da União Islâmica para a Salvação do Afeganistão, a Aliança do Norte. Sua oposição firme diante do crescente poder dos Talibã foi reconhecido pelo Ocidente, que via em Massoud a única força afegã capaz de enfrentar os fundamentalistas muçulmanos.[2] Em abril de 2001 viajou à Europa, onde pediu aos países europeus que pressionassem o Paquistão para que parassem de apoiar os Talibãs e e também que enviassem ajuda humanitária ao seu país.

Em 9 de setembro de 2001 Massoud foi assassinado após um ataque de dois homens-bomba da Al Qaeda por sua cumplicidade com Abdul Rasul Sayyaf, apenas dois dias antes dos ataques de 11 de Setembro de 2001. Os homens-bomba fingiram ser jornalistas e detonaram uma bomba escondida dentro de uma câmera usada para filmagens.[3] No ano seguinte foi nomeado "Herói Nacional" por ordem do presidente afegão Hamid Karzai.

Massoud era casado, pai de quatro filhas e um filho.

Referências

  1. https://www.google.com.br/#q=ahmad+shah+massoud+biography. Página acessada em 29 de novembro de 2015.
  2. http://www.telegraph.co.uk/news/obituaries/1340726/Ahmad-Shah-Massoud.html. Página acessada em 29 de novembro de 2015.
  3. http://www.afghan-web.com/bios/yest/asmasood.html. Página acessada em 29 de novembro de 2015.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ahmad Shah Massoud