Conflito no Curdistão sírio (2012–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com um conflito armado recente ou ainda em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 16 de abril de 2018.)
Warfare current.svg
Conflito no Curdistão sírio
Parte da(o) Guerra Civil Síria
PYD checkpoint Afrin Syria.png
Data 19 de Julho de 2012 – em andamento
Local Curdistão sírio, Síria
Desfecho Em andamento
  • Aparecimento, de facto, de uma região autónoma controlada pelas forças, conhecida por Rojava (oficialmente Federação Democrática do Norte da Síria)
  • Expansão do território controlado pelas forças curdas a regiões de maioria árabe, como Manbij e Raqqa
  • A República Árabe Síria mantêm controlo sobre a cidade de Qamlishi, que se tornou um enclave
  • Intervenção da Turquia, que dando apoio ao Exército Nacional Sírio, expulsou os curdos de Afrîn, um dos maiores bastiões dos curdos
Combatentes
Flag of Syrian Kurdistan.svg Rojava

Flag of Kurdistan Workers' Party.svg Partido dos Trabalhadores do Curdistão
International Freedom Battalion original banner.svg Batalhão Internacional da Liberdade

Flag of Kurdistan.svg Conselho Nacional Curdo

Apoio:
Flag of Kurdistan.svg Curdistão iraquiano
 Estados Unidos
 Reino Unido
 França
 Alemanha
 Rússia (até 2017)
 Síria (até 2016)

Síria República Árabe Síria

InfoboxHez.PNG Hezbollah
Milícias pró-governo e anti-FDS/YPG:
Síria Resistência Popular de Raqqa
Síria Movimento da Resistência Popular de Hasakah
Apoio:
 Rússia
 Irão

Flag of Syria (1932-1958; 1961-1963).svg Exército Nacional Sírio


 Turquia (desde 2016)

Turquia Lobos Cinzentos


Flag of Jabhat al-Nusra.jpgFlag of Jabhat Fatah al-Sham.svg Frente al-Nusra
Flag of Jihad.svg Diversos grupos e mujahedeen alinhados com al-Nusra


Estado Islâmico do Iraque e do Levante Estado Islâmico do Iraque e do Levante (em guerra contra todos os outros envolvidos)

Forças
Flag of Syrian Kurdistan.svgFlag of Syrian Democratic Forces.svg 50.000 a 55.000 Síria 8.000 a 12.000 Flag of Syria (1932-1958; 1961-1963).svg 10.000 a 25.000
Turquia 6.000
17.215 – 17.241 mortos[1]
~500.000 refugiados

A revolta curda na Síria ou conflito no Curdistão sírio é um conflito armado que está ocorrendo atualmente na Síria por parte da população curda desse país contra o governo de Bashar al-Assad e contra grupos jihadistas que atuam no seu território, no contexto da Guerra Civil Síria.

Durante a Guerra Civil Síria, os curdos têm, principalmente, permanecido em neutralidade, mas os militantes curdos se enfrentaram esporadicamente com as forças do governo sírio e com o Exército Livre Sírio sobre o controle no norte e nordeste da Síria.[2][3]

Ao fim de 2013, facções extremistas começaram a combater tanto militantes da oposição, quanto soldados do governo sírio. O grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante lançou-se então em várias ofensivas e tomou enormes porções de territórios no Iraque e na Síria. Em meados de 2014, começaram a lançar ataques em larga escala contra o Curdistão iraquiano e sírio. Na Síria, os combates deixaram centenas de mortos e ondas de milhares de refugiados. Aviões dos Estados Unidos e de nações árabes lançaram ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico na região curda. A violência na região se intensificou e a situação humanitária se deteriorou.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Curdistão sírio

Os curdos compõem nove por cento da população da Síria ou 2 milhões de pessoas. O governo considera o nordeste do país, onde vivem muitos curdos de importância estratégica, porque contém uma grande porcentagem de suprimentos de petróleo do país.[5]

Distúrbios de Qamishli[editar | editar código-fonte]

Desde 2004, várias rebeliões em áreas curdas da Síria levaram ao aumento da tensão. Em 2004, ocorreram tumultos contra o governo em uma cidade do nordeste do país, Al-Qamishli. Durante uma caótica partida de futebol, algumas pessoas agitavam bandeiras curdas, e o jogo se transformou em um conflito político. Na repressão que se seguiu por parte da polícia e confrontos entre curdos e grupos árabes, pelo menos 30 pessoas foram mortas com algumas reivindicações que indicam um número de vítimas de cerca de 100 pessoas. Confrontos ocasionais entre manifestantes curdos e as forças do governo têm ocorrido desde então.[6][7]

Discriminação estatal[editar | editar código-fonte]

O sentimento antigoverno está presente entre a população curda há muito tempo. O governo sírio não reconhece oficialmente a existência de curdos na Síria e vários curdos foram destituídos de sua cidadania e foram registrados como estrangeiros. A língua e cultura curdas também têm sido suprimidas. No entanto, o governo tentou resolver esses problemas em 2011, concedendo uma cidadania a todos os curdos, mas apenas uma estimativa de 6.000 a 150.000 curdos apátridas foram dadas nacionalidade e regulamentações mais discriminatórias, incluindo a proibição de ensino curdo, ainda estão nos livros.[8]

Revolta síria[editar | editar código-fonte]

Os curdos participaram nos estágios iniciais da revolta síria em menor número do que os seus homólogos sírios árabes. Isso é explicado como devido à aprovação turca à oposição e a representação curda no Conselho Nacional Sírio [9] "O regime tentou neutralizar curdos", disse Hassan Saleh, líder curdo do Partido Yekiti. "Nas áreas curdas, as pessoas não estão sendo reprimidas como nas áreas árabes. Mas os ativistas estão sendo presos".[10] De acordo com Ariel Zirulnick do Christian Science Monitor , o governo Assad "conseguiu convencer muitos dos curdos e os cristãos da Síria que, sem a mão de ferro de um líder simpático para as ameaças representadas as minorias, eles podem ter o mesmo destino" que as minorias no Líbano e no Iraque.[11]

Curdos e a oposição[editar | editar código-fonte]

Partidários do Partido da União Democrática em um funeral de um morador local que morreu lutando na Turquia.

O Movimento Nacional dos Partidos Curdos na Síria, que consiste em doze partidos curdos da Síria, boicotaram uma cúpula da oposição síria em Antalya, Turquia, em 31 de maio de 2011, afirmando que "tal encontro realizado na Turquia só poderia ser prejudicial para os curdos da Síria, porque a Turquia é contra as aspirações dos curdos, e não apenas no que diz respeito ao norte do Curdistão, mas em todas as quatro partes do Curdistão, incluindo a região curda da Síria." O representante do partido esquerdista curdo, Saleh Kado, afirmou que "nós, os curdos na Síria, não confiamos na Turquia ou nas suas políticas, e foi por isso que decidimos boicotar a cúpula".[12]

Durante a cúpula de agosto em Istambul, que levou à criação do Conselho Nacional Sírio, apenas dois dos partidos do Movimento Nacional dos Partidos Curdos da Síria, o Partido União Curda e o Partido Liberdade Curda, participaram do encontro. O líder curdo, Shelal Gado, indicou a razão pela qual não participou: foi a de que "a Turquia é contra os curdos... em todas as partes do mundo" e que "se a Turquia não dá direitos aos seus 25 milhões de curdos, como poderá defender os direitos do povo sírio e os curdos de lá?" Abdulbaqi Yusuf, representando o Partido Liberdade Curda, no entanto, afirmou que o seu partido não sentiu nenhuma pressão turca durante a reunião e participou para representar as demandas curdas.[13]

Em 7 de outubro de 2011, o proeminente ativista dos direitos curdos, Mashaal Tammo, foi assassinado quando homens armados e mascarados invadiram seu apartamento; com o governo sírio sendo responsabilizado por sua morte. Pelo menos 20 civis também foram mortos durante a repressão das manifestações em todo o país.[14] Em 20 de setembro, o político curdo Mahmoud Wali foi assassinado por homens armados e mascarados na cidade de Ras al-Ayn.[15]

Politicamente desalinhado[editar | editar código-fonte]

O presidente do Partido da União Democrática, Salih Muslim Muhammad, afirmou que a falta de participação ocorreu devido a uma decisão tática, explicando que: "Não é uma trégua de facto entre os curdos e o governo. As forças de segurança estão sobrecarregadas ao longo das províncias árabes da Síria por enfrentar os manifestantes, e não podem permitir a abertura de uma segunda frente no Curdistão sírio. De nosso lado, precisamos que o exército fique longe. Nosso partido está ocupado estabelecendo organizações, comitês, capazes de assumir o lugar da administração do Ba'ath no momento do colapso do regime".[16]

O líder sênior do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Cemil Bayik, declarou em novembro de 2011 que se a Turquia fosse intervir na região curda da Síria, o PKK lutaria do lado curdo. O ramo sírio do PKK alegou no mesmo mês que estava envolvido na orientação dos curdos participantes da revolta.[17] Murat Karayilan, chefe militar comandante do PKK, ameaçou transformar todas as áreas curdas na Turquia em uma zona de guerra se forças turcas entrarem na área curda da Síria.[18]

Até 10 de março de 2012, 40 das 10.553 vítimas durante a revolta síria (representando aproximadamente 0,38% das vítimas) ocorreram no principalmente curda do Distrito de Al Hasakah, embora o distrito abrigasse cerca de 7% da população da Síria.[19][20] Em 10 de junho de 2012, o Conselho Nacional Sírio, um grande de grupo oposição, anunciou Abdulbaset Sieda, de etnia curda, como seu novo líder.[21]

Acordo de Erbil[editar | editar código-fonte]

Em 22 de julho de 2012, Serê Kaniyê (Ra's al-'Ayn) (imagem acima) e uma série de outras cidades habitadas por curdos do nordeste da Síria foram capturadas pelas Unidades de Proteção Populares.

Os protestos contra o governo estavam em andamento nas áreas habitadas por curdos da Síria desde março de 2011, como uma parte mais ampla da revolta síria, mas os confrontos iniciaram depois que a oposição do Partido da União Democrática Curda (PYD) e do Conselho Nacional Curdo (KNC) assinaram um acordo de sete pontos em 11 de junho de 2012 em Arbil sob os auspícios do presidente do Curdistão iraquiano, Massoud Barzani. Este acordo, no entanto, não conseguiu ser implementado e assim um novo acordo de cooperação entre ambas as partes foi assinado em 12 de julho, que viu a criação do Supremo Comitê Curdo como um corpo governante de todos os territórios controlados pelos curdos.[22][23][24]

Cidades habitadas por curdos capturadas[editar | editar código-fonte]

As recém-criadas Unidades de Proteção Populares (YPG) invadiram a cidade de Ayn al-Arab (em curdo: Kobanê) em 19 de julho, seguido pela captura de Amuda (em curdo: Amûdê) e Afrîn (em curdo: Efrîn) em 20 de julho [25] O KNC e o PYD posteriormente formaram um conselho de liderança conjunta para conduzir as cidades capturadas. As cidades caíram sem grandes confrontos, as forças de segurança sírias se retiraram sem maior resistência.[25] O exército sírio retirou-se para lutar em outro lugar.[26]

As forças da YPG continuaram com seu avanço e em 21 de julho capturaram Al-Malikiyah (em curdo: Dêrika Hemko), que está localizada a 10 quilômetros da fronteira com a Turquia.[27] Os rebeldes, no momento também destinavam capturar Qamishli, a maior cidade da Síria com uma maioria curda.[28] No mesmo dia, o governo sírio atacou uma patrulha de membros curdos do YPG e feriu um combatente[29] No dia seguinte, foi relatado que forças curdas estavam ainda lutando por Al-Malikiyah (em curdo: Dêrika Hemko), onde um jovem ativista curdo foi morto depois que as forças de segurança do governo abriram fogo contra os manifestantes. O YPG também assumiu o controle sobre as cidades de Ra's al-'Ayn (em curdo: Serê Kaniyê) e Al-Darbasiyah (em curdo: Dirbêsî), após as unidades de segurança e de política retirarem-se dessas áreas, seguindo por um ultimato emitido pelos curdos. No mesmo dia, confrontos eclodiram em Qamishli entre o YPG e as forças do governo em que um combatente curdo foi morto e dois ficaram feridos, juntamente com um oficial do governo.[30]

A facilidade com que forças curdas capturaram as cidades e o recuo das tropas do governo foi especulado por ser devido ao governo chegar a um acordo com os curdos para que as forças militares da área pudessem ser liberadas para participar na luta contra as forças de oposição no resto do país.[31] Em 24 de julho, o PYD anunciou que forças de segurança sírias retiraram-se da pequena cidade com 16 mil curdos de Al-Ma'bada (em curdo: Girkê Legê), localizada entre Al-Malikiyah e as fronteiras turcas. As forças do YPG posteriormente assumiram o controle de todas as instituições do governo.[32]

Áreas habitadas por curdos autogovernadas[editar | editar código-fonte]

Em 2 de agosto, o Comitê Nacional de Coordenação para a Mudança Democrática anunciou que cidades de maioria curda na Síria, com a exceção de Qamishli e Hasaka, já não eram mais controladas pelas forças do governo e agora estavam sendo governadas por partidos políticos curdos.[33] Em Qamishli, as forças militares do governo e da polícia permaneceram em seus quartéis e as autoridades do governo da cidade permitiram que a bandeira curda fosse hasteada.[34]

Foi relatado em agosto, que os curdos no norte da Síria haviam estabelecido comitês locais e postos de controle para fiscalizar carros. A fronteira entre o nordeste da Síria e o Iraque não era mais ocupada pelas forças do governo. Os curdos afirmaram que defenderiam suas cidades, caso as forças do governo ou da oposição tentassem controlá-las. Em algumas áreas de Qamishli, postos de controle do governo ainda estavam ativos, no entanto, o curdos negaram uma cooperação com o governo da Síria e afirmaram que as tropas permaneceram em seus postos com a esperança de evitar um confronto militar.[35] No mesmo mês, o Exército Livre Sírio bombardeou com sucesso o centro de inteligência do governo na cidade.[36]

Desde a retirada das forças militares e de segurança, a cidade de Ayn al-Arab (Kobanê) tem sofrido com a falta de comida e combustível. A situação também se agravou por causa do afluxo de refugiados de Alepo.[37] Por causa da pobreza de Ayn al-Arab, moradores da cidade teriam supostamente começado a produzir cannabis (maconha), cujo transporte leva a uma sentença de prisão rigorosa pelas leis do governo. Alguns moradores, no entanto, expressaram dúvidas de que a prática surgiu recentemente, enquanto outros consideraram uma conspiração instigada pelos turcos para minar a soberania local dos curdos.[38]

Em 6 de setembro, ativistas curdos informaram que 21 civis foram mortos no bairro curdo de Sheikh Maqsud em Alepo, quando o exército sírio bombardeou uma mesquita local e seus arredores. Apesar de o distrito ser neutro durante a Batalha de Alepo, livres de confrontos entre as forças do governo e do ELS, os moradores locais acreditam que o distrito foi bombardeado como retaliação por abrigar civis contrários ao governo de outras partes da cidade. Em um comunicado divulgado logo após as mortes, os curdos pelas Unidades de Proteção Populares prometeram retaliar.[39] Alguns dias mais tarde, as forças curdas mataram três soldados em Afrin (em curdo: Efrîn) e capturaram vários outros soldados do governo em Ayn al-Arab (em curdo: Kobanê) e Al-Malikiyah (em curdo: Dêrika Hemko), para onde se dirigiam as forças de segurança remanescentes do governo. Também foi relatado que o governo começou a armar tribos árabes em torno Qamishli, em preparação para um possível confronto com forças curdas, que ainda não controla completamente a cidade.[40]

Pelo menos oito soldados do governo foram mortos e 15 ficaram feridos por um carro-bomba no distrito de al-Gharibi de Qamishli em 30 de setembro. A explosão tinha como alvo a filial da Segurança Política.[41]

Racha com islamitas e intensificação dos combates[editar | editar código-fonte]

Em 2013, viu-se um crescente racha entre militantes curdos e membros de organizações fundamentalistas radicais, como a Jabhat al-Nusra.[42] Em algumas cidades, na região nordeste da Síria, combates foram reportados entre os dois grupos.[43] Também foram denunciados sequestros e massacres perpetrados por milicianos islâmicos contra a população curda. Segundo matéria do canal televisivo de notícias iraniana Press TV e a agência estatal de noticias síria, SANA, em 6 de agosto, 450 pessoas (incluindo 120 crianças) foram executadas por homens da al-Nusra.[44] A informação não pode ser verificada de forma independente.[44]

Ao fim de outubro de 2013, militantes curdos assumiram o controle da estratégica cidade de Yarubiya, na fronteira entre a Síria e o Iraque. Segundo relatos, a província de Al Hasakah também passou para o controle curdo, após três dias de violentos combates contra grupos ligados a Al Qaeda. A escalada da violência na fronteira sírio-iraquiana entre fundamentalistas radicais e combatentes curdos tem se tornado generalizado.[45]

Uma explosão resultante do combate em Kobanê.

Em novembro de 2013, grupos curdos afirmaram ter assumido o controle de ao menos vinte e três cidades do norte do país, a maioria destas estava em mãos de jihadistas ligados a facções extremistas como a Al-Qaeda.[46] Em janeiro de 2014, a Al Qaeda retomou o controle das cidades curdas de Tal Barak e de Tall Hamis, na província setentrional de Al-Hasakah.[47]

Em meados de 2014, militantes do grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ou EIIL), enquanto conquistavam vastas porções de território no Iraque e na Síria, lançou diversas ofensivas contra o Curdistão sírio. Em setembro daquele ano, mais de 130 mil pessoas fugiram de suas casas, frente o avanço dos fundamentalistas. Os combates na região acabaram se intensificando nas semanas seguintes.[48]

Em setembro de 2014, o EIIL lançou uma série de ataques contra a região do Curdistão na Síria. Na cidade de Kobanê, na fronteira turco-síria, centenas de guerrilheiros islamitas e combatentes curdos (apoiados por militantes da oposição síria) iniciaram uma intensa e sangrenta luta pelo controle desta estratégica região. As forças do Estado Islâmico reportaram consistentes avanços, apesar da avião militar dos Estados Unidos ter iniciado uma grande companha aérea contra os fundamentalistas. A batalha pela cidade ganhou assim enormes proporções, enquanto milhares de pessoas fugiram em busca de segurança.[49] Ao fim de janeiro de 2015, os militantes do Estado Islâmico recuaram de Kobanê, mas a luta nas regiões vizinhas continuava.[50]

Diferente dos seus aliados da oposição síria, os curdos conseguiam (embora sofressem muitas perdas no processo) segurar suas linhas de frente de forma eficiente e até passaram a ofensiva contra o Estado Islâmico em diversas oportunidades. Em junho de 2015, por exemplo, eles retomaram dos jihadistas extremistas a importante cidade de Tell Abyad, próxima a fronteira curda.[51] Ao mesmo tempo, combates esporádicos contra o regime de Bashar al-Assad continuavam. Na cidade de Qamishli, várias posições do governo foram tomadas pelos curdos.[52]

Expansão do território controlado pelas forças curdas[editar | editar código-fonte]

A partir de 2015, as forças curdas começaram a colaborar com diversas milícias que estavam ligadas ao Exército Livre da Síria, como o Exército dos Revolucionários, a Brigada Democrático do Norte e a Frente dos Revolucionários de Raqqa, dando origem a um novo grupo: as Forças Democráticas Sírias[53]. As FDS tornaram-se o principal recipiente da ajuda militar dos Estados Unidos durante a Guerra Civil Síria, eclipsando o Exército Livre da Síria, muito devido à efectividade das suas forças e às suas vitórias contra o Estado Islâmico[54]. Com a criação das FDS, as forças curdas expandiram-se no território sírio, conquistando a cidade de Al-Hawl (primeira operação das FDS)[55] e território nas proximidades de Raqqa (então capital do EI). Em 2016 e 2017, as FDS continuaram a alargar a sua área territorial, fortemente apoiados pela coligação liderada pelos Estados Unidos, conquistando a cidade de Manbij[56]e diverso território no leste da Síria e a norte de Raqqa[57]. No final de 2017, as milícias curdas conseguiram assumir o controlo sobre Raqqa[58], Tabqa[59], os vastos campos de petróleo na Síria oriental[60] e chegando à fronteira com o Iraque. O crescimento territorial das FDS levou a um aumento de tensões com o governo de Bashar al-Assad, que acusam os curdos de serem separatistas e de traição pelo seu alinhamento com Estados Unidos[61]. A Rússia, que chegou a colaborar com os curdos na sua luta contra o EI, também tem criticado as FDS, acusando-as de acolher antigos membros do EIIL nas suas fileiras[62][63]. No entanto, a Turquia tornou-se a principal crítica das forças curdas e preocupada com o seu crescimento territorial, acusando as forças curdas sírias serem "satélites" do Partido dos Trabalhadores do Curdistão[64]. O governo turco também criticou a alegada perseguição das forças curdas em relação às populações árabes[65], bem como o apoio dos EUA às forças curdas, mostrando-se a sua total oposição à criação de uma Forças de Segurança da Fronteira Síria, liderada pelas forças curdas e supervisionada pela coligação liderada pelos americanos[66].

Intervenção turca contra os curdos na Síria[editar | editar código-fonte]

Após anos de tensões entre as forças turcas e as milícias curdas, o Exército Nacional Sírio e as Forças Armadas da Turquia iniciaram uma operação militar contra a região de Afrîn, controlada pelas forças curdas desde do início da Guerra Síria[67]. Após meses de duros combates, Afrin foi conquistada pelas forças turcas e seus aliadas em março de 2018, que assim marcou o fim de 6 anos de controlo curdo sobre a cidade[68]. O governo turco prometeu alargar a sua ofensiva contra posições curdas, tendo no seu objectivo, a conquista das cidades de Tal Rifaat e Manbij[69][70].

Cidades sob controle curdo[editar | editar código-fonte]

Desde Janeiro de 2013, as seguintes cidades estavam sob controle curdo:

  1. Afrin (Efrîn)[71]
  2. Al-Darbasiyah (Dirbêsî)[30]
  3. Al‑Jawadiyah (Çil Axa)[72]
  4. Al-Ma'bada (Girkê Legê)[32]
  5. Al-Malikiyah (Dêrika Hemko)[71]
  6. Al-Qahtaniyah (Tirbespî)[73]
  7. Ali Kuz (Aali Kôz)[74]
  8. Ashrafiyeh (Eşrefiye, distrito de Alepo)[75]
  9. Amuda (Amûdê)[71]
  10. Ayn al-Arab (Kobanê)[71]
  11. Ain Diwar (Eyndîwer)[76]
  12. Jindires (Cindirês)[73]
  13. Qamishli (Qamişlo)[77][78]
  14. Rajo (Raco)[79]
  15. Ra's al-'Ayn (Serêkanî)[71]
  16. Sheikh Maqsoud (Şêx Meqsûd, distrito de Alepo)[75]
  17. Tel Adas (Girzîro)[80][81]
  18. Tel Tamer (Tal Tamir)[77]

Segundo o Jerusalem Post, o PYD controla a cidade de Afrin juntamente com suas 360 aldeias vizinhas.[82]

Referências

  1. [1][2][3][4][5][6][7][8][9][10][11], [12] Arquivado em 14 de novembro de 2012 no Wayback Machine.
  2. «Kurdish Syria: From cultural to armed revolution». Egypt Independent 
  3. «The Kurds: Hedging their Syrian bets». The Economist 
  4. "Cidade curda na Síria é bombardeada após avanço jihadista". Página acessada em 30 de setembro de 2014.
  5. «CIA – The World Factbook». CIA. Consultado em 16 de fevereiro de 2012 
  6. Brandon, James (21 de fevereiro de 2007). «The PKK and Syria's Kurds». Washington, DC: The Jamestown Foundation. Terrorism Monitor. 5 (3). Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  7. Isseroff, Ami (24 de março de 2004). «Kurdish agony – the forgotten massacre of Qamishlo». MideastWeb. Consultado em 16 de fevereiro de 2012 
  8. «Minority Kurds struggle for recognition in Syrian revolt». The Daily Star Lebanon. 31 de março de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  9. Weiss, Michael (16 de novembro de 2011). «New Republic: Will Kurds Determine Syria's Fate?». NPR. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  10. Erlich, Reese (27 de outubro de 2011). «In Syria, Kurds Split Over Support for Assad Regime». Pulitzer Center on Crisis Reporting. Consultado em 16 de fevereiro de 2012 
  11. Zirulnick, Ariel. «Who backs Syria's Assad? Top 4 sources of support». The Christian Science Monitor. Consultado em 2 de novembro de 2011 
  12. Furuhashi, Yoshie (29 de maio de 2011). «Syrian Kurdish Parties Boycott Syrian Opposition Conference in Antalya, Turkey». Monthly Review. Consultado em 13 de novembro de 2011 
  13. «Most Syrian Kurdish Parties Boycott Opposition Gathering». Rudaw. 29 de agosto de 2011. Consultado em 13 de novembro de 2011 
  14. «Syria security forces 'open fire at Kurd's funeral'». BBC News. 27 de julho de 2012. Consultado em 1 de fevereiro de 2012 
  15. «Prominent Kurdish activist Mahmoud Wali, known as Abu Ghandi, gunned down in northeast Syria, activists say». AlJazeera. 21 de setembro de 2012. Consultado em 29 de setembro de 2012 
  16. Bruneau, Eric (13 de novembro de 2011). «Kurdish Leader: We Oppose Foreign Intervention in Syria». Rudaw. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  17. «Syria's Kurds: are they about to join the uprising against Assad?». Kurdish Globe. Consultado em 13 de novembro de 2011 
  18. «End to Turkey's Kurdish conflict fades from sight». The Daily Star Lebanon. 23 de março de 2012. Consultado em 30 de julho de 2012 
  19. «عدد الشهداء الموثقين 22444 شهيد في 500 يوم لغاية تاريخ 29/7/2012». syrianshuhada.com/. syrianshuhada.com/. Consultado em 30 de julho de 2012 
  20. «Syria: Administrative Divisions (population and area)». World Gazetteer: Syria. Consultado em 30 de julho de 2012. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2013 
  21. «Syrian Forces Shell Cities as Opposition Picks Leader». New York Times. 10 de junho de 2012. Consultado em 30 de julho de 2012 
  22. «Syrian Kurds Try to Maintain Unity». Rudaw. 17 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  23. «Syria: Massive protests in Qamishli, Homs». CNTV. 19 de maio de 2011. Consultado em 27 de julho de 2012 
  24. «Syrian Kurdish Official: Now Kurds are in Charge of their Fate». Rudaw. 27 de julho de 2012. Consultado em 30 de julho de 2012 
  25. a b «More Kurdish Cities Liberated As Syrian Army Withdraws from Area». Rudaw. 20 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  26. http://mobile.reuters.com/article/idUSBRE8A619520121107?irpc=932
  27. «City of Derik taken by Kurds in Northeast Syria». Firat news. 21 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  28. «Ban: Syrian regime 'failed to protect civilians'». CNN. 22 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  29. «Clashes between Kurds and Syrian army in the Kurdish city of Qamişlo, Western Kurdistan». Ekurd.net. 21 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  30. a b «Armed Kurds Surround Syrian Security Forces in Qamishli». Rudaw. 22 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  31. «Fighting in Syria indicates Bashar Assad's end isn't imminent». Charlotteobserver.com. 23 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  32. a b «Girke Lege Becomes Sixth Kurdish City Liberated in Syria». Rudaw. 24 de julho de 2012. Consultado em 27 de julho de 2012 
  33. «PYD Press Release: A call for support and protection of the peaceful establishment, the self-governed Syrian Kurdish region | هيئة التنسيق الوطنية لقوى التغيير الديمقراطي». Syrianncb.org. 24 de fevereiro de 2012. Consultado em 20 de agosto de 2012 
  34. «Syria – News». Peter Clifford Online. Consultado em 20 de agosto de 2012 
  35. «Kurds take control in Syria's northeast». Syria Live Blog. Al Jazeera English. 12 de agosto de 2012. Consultado em 10 de fevereiro de 2013 
  36. «Explosion at intelligence center in Qamishli, Syrian Kurdistan». Ekurd.net. Consultado em 20 de agosto de 2012 
  37. «Kurdish Town in Syria Facing Serious Food Shortages». Rudaw. 2 de setembro de 2012. Consultado em 2 de setembro de 2012 
  38. «Poverty Leading to Marijuana Farms in Kobane». Rudaw. 24 de agosto de 2012. Consultado em 2 de setembro de 2012 
  39. Abdulmajid, Adib (8 de setembro de 2012). «Deadly Attack Claims Many Lives in Aleppo's Kurdish Sector». Rudaw. Consultado em 10 de fevereiro de 2013 
  40. «PYD Kills Syrian Soldiers in Revenge Attack». Rudaw. 10 de setembro de 2012. Consultado em 10 de setembro de 2012 
  41. «Assad forces killed in northeast car bomb». Syria Live Blog. Al Jazeera English. 30 de setembro de 2012. Consultado em 10 de fevereiro de 2013 
  42. «Syrian Kurdish Forces Surround Border Crossing». Al-Monitor. Consultado em 6 de agosto de 2013 
  43. «Syria Kurds expel jihadists, seize weapons». Fox News. Consultado em 6 de agosto de 2013 
  44. a b "450 Kurds Including 120 Children Killed in Syria". Página acessada em 8 de agosto de 2013.
  45. "Syria Kurdish fighters seize border post from Islamists". Página acessada em 27 de outubro de 2013.
  46. "Curdos dizem ter tomado controle de 23 localidades no norte da Síria". Página acessada em 6 de novembro de 2013.
  47. Jihadistas tomam duas cidades dos curdos no norte da Síria. Página acessada em 11 de janeiro de 2014.
  48. "Mais de 130 mil curdos da Síria fogem para Turquia, diz vice-premiê". Página acessada em 23 de setembro de 2014.
  49. "Estado Islâmico hasteia bandeira no leste de cidade curda sitiada na Síria". Página acessada em 6 de outubro de 2014.
  50. "Curdos expulsam Estado Islâmico de Kobani após batalha de quatro meses". Página acessada em 6 de fevereiro de 2015.
  51. "The Islamic State Just Lost Control of a Strategically Crucial Syrian Town". Página acessada em 15 de junho de 2015.
  52. "Kurdish security forces capture regime institutions in Syria’s Qamishli". Página acessada em 17 de julho de 2015.
  53. Al-Khalidi, Suleiman. «New Syrian rebel alliance formed, says weapons on the way». U.S. (em inglês) 
  54. «Syria's Kurds at the Center of America's Anti-Jihadi Strategy». Carnegie Middle East Center (em inglês) 
  55. Davison, John. «New U.S.-backed Syrian rebel alliance launches offensive against...». U.S. (em inglês) 
  56. «SDF captures ISIS's largest stronghold in Aleppo». AMN - Al-Masdar News | المصدر نيوز (em inglês). 12 de agosto de 2016 
  57. Editorial, Reuters. «U.S.-backed Syrian alliance launches new attack near Islamic State...». IN (em inglês) 
  58. «IS defeated in 'capital' Raqqa». BBC News (em inglês). 17 de outubro de 2017 
  59. «US-backed militia celebrates victory over IS at Syria's Tabqa». Middle East Eye (em inglês) 
  60. (www.dw.com), Deutsche Welle. «US-backed SDF captures Syria's largest oil field from 'Islamic State' | DW | 23.10.2017». DW.COM (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2018 
  61. Editorial, Reuters. «Syria's Assad calls U.S.-backed militias 'traitors'». U.S. (em inglês) 
  62. «Russia accuses YPG dominated SDF of giving ISIL amnesty». Hürriyet Daily News (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2018 
  63. «Russia's UN envoy says Daesh militants join SDF». Russia's UN envoy says Daesh militants join SDF (em turco). Consultado em 4 de abril de 2018 
  64. «PKK cannot fool Turkey by changing names: PM Yıldırım». Hürriyet Daily News (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2018 
  65. Kurdistan24. «Raqqa is Arab, should not be ruled by non-Arabs: Turkey». Kurdistan24 (em inglês) 
  66. Francis, Ellen. «Erdogan: we will 'strangle' U.S.-backed force in Syria». U.S. (em inglês) 
  67. «Erdogan: Operation in Syria's Afrin has begun». www.aljazeera.com. Consultado em 4 de abril de 2018 
  68. «Turkish forces and Free Syrian Army capture Afrin city». www.aljazeera.com. Consultado em 4 de abril de 2018 
  69. «Erdoğan: Tal Rifaat to be taken soon». Hürriyet Daily News (em inglês). Consultado em 4 de abril de 2018 
  70. Editorial, Reuters. «Turkey says will take action if militants do not leave Syria's Manbij». U.S. (em inglês) 
  71. a b c d e «Liberated Kurdish Cities in Syria Move into Next Phase». Rudaw. 25 de julho de 2012. Consultado em 28 de julho de 2012 
  72. «ENKS li Çil Axa li gel cemawerê xwe civiya». Rudaw (em curdo). 5 de setembro de 2012. Consultado em 9 de dezembro de 2012 
  73. a b «Tyrkisk avis: Kurdistan nr. 2 bliver dannet». Jiyan.dk (em dinamarquês). 22 de julho de 2012. Consultado em 28 de julho de 2012 
  74. «ندوة جماهيرية للمجلس الوطني الكردي في قرية آلة قوس». Ciwane Kurd (em árabe). Consultado em 5 de setembro de 2012 
  75. a b «SYRIA WITNESS: Aleppo Braces for Onslaught From Assad's 4th Brigade». Middle East Voices. 27 de julho de 2012. Consultado em 29 de julho de 2012 
  76. «A tough liberation for Syria's Kurds». CNN. 23 de agosto de 2012. Consultado em 9 de dezembro de 2012 
  77. a b «Kurds seize two towns in Syria's north-east». Gulfnews.com. 10 de novembro de 2012. Consultado em 10 de novembro de 2012 
  78. «Rebel groups work to contain Kurd-Arab, intra-Kurd tensions». Daily Star Lebanon. 1 de novembro de 2012. Consultado em 3 de novembro de 2012 
  79. «Qamişlo: Komeke ciwanan ya nêzîkî Yekîtî nîşandaneke leşkerî li dar dixe». Kurdwatch.org (em curdo). 29 de novembro de 2012. Consultado em 9 de dezembro de 2012 
  80. «Suriye ordusu YPG kuşatmasındaki Girzîro'yu bombaladı». Özgür Gündem (em turco). 20 de janeiro de 2013. Consultado em 20 de janeiro de 2013 
  81. «Girzîro'da 31 asker daha YPG'ye teslim oldu». ANF (em turco). 20 de janeiro de 2013. Consultado em 20 de janeiro de 2013 
  82. «Kurdish muscle flexing». Jerusalem Post. 14 de novembro de 2012. Consultado em 14 de novembro de 2012