Conflito no Delta do Níger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com um conflito armado recente ou ainda em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 14 de agosto de 2017.)
Warfare current.svg
Conflito no Delta do Níger
NigerDeltaStates.png
Mapa da Nigéria numericamente mostrando estados normalmente considerados parte da região do Delta do Níger: 1. Abia, 2. Akwa Ibom, 3. Bayelsa, 4. Cross River, 5. Delta, 6. Edo, 7 Imo, 8. Ondo, 9. Rivers
Data 2003 – presente
Local Delta do Níger, Nigeria
Desfecho Em andamento
Combatentes
Flag of Nigeria.svg Governo da Nigéria Movimento para a Emancipação do Delta do Níger;
Força Popular de Voluntários do Delta do Níger
Conselho Revolucionário Misto
Vigilante do Delta do Níger
Principais líderes
Flag of Nigeria.svg Olusegun Obasanjo
Flag of Nigeria.svg Umaru Yar'Adua
Flag of Nigeria.svg Goodluck Jonathan
Flag of Nigeria.svg Muhammadu Buhari
Desconhecido;
Alhaji Mujahid Dokubo-Asari
Ateke Tom
Forças
150 000 soldados 15 000 militantes Desconhecido

O conflito no Delta do Níger é uma série de confrontos e conflitos étnico-políticos originados no início dos anos noventa na área do Delta do Níger, na Nigéria, e que continua até os dias atuais. A causa reside nos interesses econômicos e nas tensões entre as corporações multinacionais produtoras de petróleo, o governo nigeriano e vários grupos étnicos da região que se sentiram enganados e explorados, em especial os grupos Ogoni e Ijaw, apoiados por grupos paramilitares. Os conflitos políticos e étnicos continuaram ao longo da década de 1990, apesar da conversão para a democracia na Nigéria, com a eleição do governo de Olusegun Obasanjo em 1999. A concorrência pela riqueza do petróleo tem alimentado a violência entre inúmeros grupos étnicos, levando a militarização de quase toda a região que foi ocupada pelas milícias tribais, pelo exército nigeriano e as forças policiais (incluindo paramilitares da Mobile Police, MOPOL). Vítimas de crimes ligados ao conflito têm medo e quase sempre evitam buscar a justiça com ações judiciais devido a crescente impunidade penal para os indivíduos responsáveis por graves violações dos direitos humanos, [o que] criou um ciclo devastador dos conflitos e a violência cada vez maior" [1]

Referências