Guerra franco-síria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guerra Franco-Síria, Período entreguerras
Maysaloun2.jpg
Soldados Sírios em Maysalun, 1920
Data março de 1920[1][2][3][4]25 de julho de 1920
Local Reino Árabe da Síria
Desfecho Vitória francesa: estabelecimento do Mandato Francês da Síria
O Rei Faisal expulso para o Mandato do Iraque
Beligerantes
 França
Reino Árabe da Síria
  • Milícias Árabes
Comandantes
Terceira República Francesa Henri Gouraud
Terceira República Francesa Mariano Goybet
Rei Faiçal
Yusuf al-'Azma

Milicias Árabes:

Forças
70,000 homens[5]
5,000 mortos

A Guerra Franco-Síria ocorreu durante 1920 entre os governantes Hachemitas do recém-criado Reino Árabe da Síria e a França. Durante uma série de confrontos, que tiveram o seu clímax na Batalha de Maysalun, as forças francesas derrotaram as forças do monarca hachemita Rei Faiçal e seus partidários, entrando em Damasco em 24 de Julho de 1920. Um novo governo pró-francês foi declarado na Síria em 25 de Julho, liderado por 'Alaa al-Din al-Darubi.[7] e eventualmente a Síria foi dividida em vários estados clientes sob o Mandato Francês da Síria e do Líbano. O governo Britânico, preocupado com sua posição no novo mandato no Iraque, concordou em declarar o fugitivo Faisal como o novo rei do Iraque.

Origens[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolta Árabe

Perto do fim da Primeira Guerra Mundial, as forças Expedicionárias Egípcias de Edmund Allenby capturaram Damasco em 30 de Setembro de 1918, e pouco depois em 3 de Outubro de 1918, o governante hachemita Faiçal também entrou em Damasco, nos estágios finais da Revolta Árabe contra os Otomanos Em 5 de Outubro de 1919, com a permissão do general Allenby, Faiçal anunciou o estabelecimento de um governo constitucional Árabe em Damasco.

Após a implementação do Acordo Sykes-Picot de 1916, que dividiu os remanescentes ocupados do Império Otomano entre a França e a Grã-Bretanha, a administração militar francesa foi estabelecida no Levante. O General Henri Gouraud foi nomeado representante do governo Francês no Oriente Médio e comandante do Exército Francês do Levante, centrado na Síria.

Embora os eventos sido conhecidos na Europa e acabassem por transformar o Reino Árabe da Síria em um mandato francês, também catalisaria as sociedades nacionalistas sírias como a al-Fatat (a Sociedade Árabe Jovem) a se preparar para um congresso nacional. Essas sociedades nacionalistas sírias defendiam a completa independência de um Reino Árabe, unindo o mundo árabe sob o governante Hachemita Faiçal. A primeira sessão oficial do Congresso Sírio foi realizada em 3 de Junho de 1919 e o membro da al-Fatat Hashim al-Atassi foi eleito o seu presidente.[8] Em 25 de Junho, a Comissão King-Crane chegou a Damasco para uma enxurrada de panfletos que diziam "Independência ou Morte". Em 2 de Julho de 1919, o Congresso sírio aprovou uma série de resoluções relativas à formação da Síria como uma monarquia constitucional completamente independente, com Faiçal como rei, pedindo a ajuda dos Estados Unidos e a recusa de quaisquer direitos reivindicados pelos Franceses.[8] As esperanças de Faiçal de que ou os britânicos ou americanos viessem em seu auxílio e interviessem contra os franceses rapidamente desapareceram com o que muitos consideram o catalisador decisivo para a criação e a destruição do Reino Árabe da Síria: o Acordo Anglo-Francês. O acordo Anglo-Francês previa a retirada das tropas Britânicas da Síria e sinalizava o fim do envolvimento militar Britânico na Síria.

Eventualmente, Faiçal seria forçado a entrar em negociações com Clemenceau em Janeiro de 1920, estipulando que os Franceses sustentariam a existência do estado sírio e não estacionariam tropas na Síria enquanto o governo Francês permanecesse como o único governo que fornecesse conselheiros, conselheiros e especialistas técnicos.[9] As notícias desse compromisso não agradavam aos partidários veementemente anti-Franceses e independentes de Faisal que imediatamente pressionaram Faiçal a reverter o seu compromisso com a França, o que ele fez.

Cronologia de guerra[editar | editar código-fonte]

Revoltas em todo o país[editar | editar código-fonte]

Mapa do Reino Árabe da Síria, declarado em 8 de Março de 1920
Ver também: Revolta de Hananu

No rescaldo das negociações de Clemenceau em Janeiro de 1920, ataques violentos contra forças francesas ocorreram esporadicamente na Síria e efetivamente o Congresso sírio reuniu-se em Março de 1920 para declarar Faiçal o rei da Síria, bem como para estabelecer oficialmente o Reino Árabe da Síria. Hashim al-Atassi como primeiro-ministro. Um independente Reino Árabe da Síria foi proclamado em Damasco em 8 de Março de 1920, em uma aparente disputa com os Franceses sobre a natureza de seu governo.

Esta ação foi imediatamente repudiada pelos britânicos e franceses e a Conferência de San Remo foi convocada pela Liga das Nações em Abril de 1920 para estabelecer explicitamente o mandato dos franceses sobre a Síria. Em pouco tempo, a guerra dos nacionalistas Árabes-Sírios com os franceses se tornou numa campanha devastadora para o novo proclamado Reino Árabe da Síria. Vários incidentes violentos na região iniciados por milícias árabes, como a Batalha de Tel Hai, levaram a mais apoio internacional dos Franceses.

Tendo a Liga das Nações dado o Mandato Francês da Síria como planejado, o General Francês Gouraud emitiu um ultimato ao governo Sírio para desmantelar suas tropas e se submeter ao controle francês. Preocupado com os resultados de uma longa batalha sangrenta com os Franceses, o próprio Rei Faiçal rendeu-se em 14 de Julho de 1920,[8] mas a sua mensagem não chegou ao general e ao ministro da Defesa do Rei Faiçal, Yusuf al-'Azma, que ignorando o rei, liderou um exército paraa Maysalun para defender o Reino Árabe Sírio do avanço Francês. O governo Hachemita de Damasco submeteu-se relutantemente ao ultimato francês e dissolveu as suas tropas.

Batalha de Maysalun[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha de Maysalun

Apesar da aceitação pelo Rei Faiçal do ultimato da França, Yusuf al-'Azma recusou-se a ceder. Ele reuniu um pequeno corpo de soldados e civis desbaratados, mal armados em relação ao bem equipado exército francês profissional e os levou a Maysalun. Embora ele não tivesse ilusões sobre o resultado da batalha, al-'Azma queria deixar claro que a Síria não se renderia sem lutar, a fim de negar qualquer legitimidade à ocupação Francesa. A Batalha de Maysalun resultou numa derrota esmagadora da Síria. As forças francesas sob o comando do General Mariano Goybet derrotaram facilmente as forças sírias. Yusuf al-'Azma foi morto na batalha.

Fase Final[editar | editar código-fonte]

Prémio aos veteranos franceses - a lei de medalha Cilícia Levante 18 de Julho de 1922
Ver artigo principal: Cerco de Damasco (1920)

A fase final da guerra ocorreu em 24 de Julho de 1920, quando as forças francesas entraram em Damasco sem qualquer resistência. No dia seguinte, o Reino Árabe da Síria foi abolido e o governo francês foi oficialmente reinstalado.

Rescaldo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Mandato para a Síria e o Líbano

Após a conferência de San Remo e a derrota da monarquia de curta duração do Rei Faiçal na Síria, na Batalha de Maysalun, o general Francês Henri Gouraud estabeleceu a administração civil no território. A região do mandato foi subdividida em seis estados. Eles eram os estados de Damasco (1920), Estado de Alepo (1920), Estado Alauíta (1920), Jabal al-Druze (1921), o autónomo Sanjaco de Alexandreta (1921) (atual Hatay) e o Estado do Grande Líbano (1920), que se tornou mais tarde o país moderno do Líbano.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. "The Franco-Syrian War of 1920 Participants: France vs. Syrians Dates: March, 1920, to August 7, 1920 Battle-Related Deaths: France—3,500; Syria—unknown; Where Fought: Middle East Initiator: France." [1]
  2. Peretz "In the meantime in 1919 Faisal's Arab force began to clash with French troops. In March 1920, the Syrian congress in Damascus directly challenged France by proclaiming Syria- including Lebanon, Palestine and Transjordan - independent and offering Faisal the crown... both sides immediately began to prepare for war." [2]
  3. Benny Morris. Victims. the date of the first attack of Arabs against French interest on March, 1st.
  4. Tom Segev in One Palestine. Complete. the date of the first attack of Arabs against French interest on March, 1st.
  5. a b Caroline Camille Attié: Struggle in the Levant: Lebanon in the 1950s, I.B.Tauris, 2004, ISBN 1860644678, page 15-16.
  6. a b Tauber E. The Formation of Modern Syria and Iraq. p.22
  7. Eliezer Tauber The Formation of Modern Syria and Iraq. p.37
  8. a b c Eliezer Tauber. The Formation of Modern Syria and Iraq. Frank Cass and Co. Ltd. Portland, Oregon. 1995.
  9. Elie Kedourie. England and the Middle East: The Destruction of the Ottoman Empire 1914-1921. Mansell Publishing Limited. London, England. 1987.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]