Reino Árabe da Síria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Reino Árabe da Síria
المملكة العربية السورية (Árabe)
al-Mamlakah al-‘Arabīyah as-Sūrīyah
Flags of France and the UK.png
1918 – 1920 Flag of the State of Aleppo.svg
 
Flag of the State of Damascus.svg
 
Flag of Jabal ad-Druze (state).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Síria
Livro da Independência da Síria (ذكرى استقلال سوريا), mostrando as fronteiras declaradas do Reino da Síria. Declara a data da Declaração de Independência de 8 de Março de 1920.
Continente Ásia
Capital Damasco
Língua oficial Árabe
Governo Monarquia constitucional
Rei Faiçal I
Primeiro-Ministro
 • 1918 - 1920 Rida al-Rikabi
 • 1920 Hashim al-Atassi
Período histórico Entre-guerras
 • 1918 Coroação de Faiçal I
 • 23 de Julho de 1920 Batalha de Maysalun
 • 24 de Julho de 1920 Cerco de Damasco
Moeda Libra síria
Atualmente parte de  Israel
 Jordânia
 Líbano
 Palestina
 Síria
 Turquia

O Reino Árabe da Síria (Árabe: المملكة العربية السورية, al-Mamlakah al-'Arabīyah as-Sūrīyah) era um estado autoproclamado e não reconhecido que existiu apenas por pouco mais de quatro meses, de 8 de Março a 24 de Julho de 1920.[1][2] É considerado pelos nacionalistas Árabes como o segundo estado Árabe moderno depois do Reino de Hejaz. Durante sua breve existência, o reino foi liderado pelo filho do Xarife Hussein bin Ali, Faiçal bin Hussein. Apesar de suas reivindicações ao território da Grande Síria, o governo de Faiçal controlava uma área limitada e dependia da Grã-Bretanha que, junto com a França, geralmente se opunha à ideia de uma Grande Síria e se recusava a reconhecer o reino.[3] O reino rendeu-se às forças Francesas em 24 de Julho de 1920.

Fundações[editar | editar código-fonte]

Ver também: Revolta Árabe

A Revolta Árabe e a Correspondência Hussein-McMahon são fatores cruciais nas fundações do Reino Árabe da Síria. Na Correspondência McMahon-Hussein, as promessas de um Reino Árabe foram feitas pelos britânicos em troca de uma revolta Árabe contra os Otomanos.[4]:209–215 Enquanto as promessas de independência estavam a ser feitas pelos britânicos, acordos separados estavam a ser feitos, incluindo o Acordo Sykes-Picot com os Franceses. Por fim, a implementação do Acordo Sykes-Picot levaria ao enfraquecimento e destruição do Reino Árabe da Síria. Apesar do significado da Revolta Árabe para os países árabes modernos formados em seu rastro, na época havia significativa desconfiança e até mesmo oposição à ideia de um Reino Árabe ou uma série de Reinos Árabes.

Isso se deve em parte à forte influência dos Franceses e Britânicos em compelir a revolta e o estabelecimento do que é considerado pelos padrões modernos estados fantoches.[5]:185–191 Os críticos afirmam que esse envolvimento de poderes estrangeiros na entrega de grandes somas de dinheiro e apoio militar para estabelecer um império que seria liderado por aspirantes imperiais, em vez de nacionalistas Árabes legítimos, é a principal causa da falta de duração da maioria dos primeiros reinos Hachemitas (Reino do Hejaz e Reino do Iraque)). Os críticos prosseguem afirmando que era um anátema para muitos Árabes que a família do Xarife de Meca, os Hashemitas, pudesse tomar o controle do sultão Otomano, com quem sua lealdade havia permanecido por séculos.[5]:187

Governo Constitucional Árabe[editar | editar código-fonte]

Perto do final da Primeira Guerra Mundial, a Força Expedicionária Egípcia Britânica sob o comando de Edmund Allenby capturou Damasco em 30 de Setembro de 1918. Pouco depois, em 3 de Outubro, Faiçal entrou na cidade.[4]:30 [6] O júbilo seria de curta duração, pois Faiçal logo ficaria ciente do acordo Sykes-Picot. Faiçal chegou a esperar um reino Árabe independente em nome de seu pai, mas logo foi informado da divisão do território e como a Síria caiu sob o poder protetor francês. Faiçal obviamente não apreciou essa traição dos Britânicos, mas encontrou a certeza de que o acordo seria trabalhado em uma data posterior, quando a guerra terminasse. Ele provavelmente esperava que, nessa altura, os Britânicos tivessem mudado o seu apoio às pretensões francesas na Síria.

Em 5 de Outubro, com a permissão do General Allenby, Faiçal anunciou o estabelecimento de um governo constitucional Árabe totalmente independente.[4]:34 Faiçal anunciou que seria um governo árabe baseado na justiça e igualdade para todos os árabes, independentemente da religião.[7] Para grande desgosto do Primeiro-Ministro Francês, Georges Clemenceau, o estabelecimento de um estado Árabe semi-independente sem reconhecimento internacional e sob os auspícios dos Britânicos era desconcertante. Mesmo as garantias de Allenby de que todas as ações tomadas eram provisórias não diminuíram as tensões entre Britânicos, Franceses e Árabes. Para os nacionalistas Árabes e muitos dos Árabes que lutaram na Revolta Árabe, foi a realização de um longo e difícil objetivo.

Determinando o status[editar | editar código-fonte]

Proclamação de Faiçal I como Rei da Síria em 1920.

Depois da guerra, na Conferência de Paz de Paris de 1919, Faiçal pressionou pela independência Árabe. Na Conferência, os Aliados vitoriosos decidiram o que viria a ser das nações derrotadas das Potências Centrais, especialmente quem controlaria seus territórios, como as possessões do Oriente Médio do Império Otomano. O status das terras Árabes no Oriente Médio foi objeto de intensas negociações entre Franceses e Britânicos. Em Maio de 1919, os Primeiros-Ministros Franceses e Britânicos reuniram-se em Quai d'Orsay para decidir entre eles as suas respectivas reivindicações de territórios ou esferas de influência no Oriente Médio. A reunião decidiu que, em troca de uma garantia Britânica de um controle Francês na Síria, os britânicos receberiam um mandato sobre Mosul e Palestina.

Mais ou menos na mesma época, um compromisso Americano resultou em um acordo para estabelecer uma comissão para determinar os desejos dos habitantes. Embora inicialmente apoiassem a ideia, a Grã-Bretanha e a França acabaram por deixar a Comissão King-Crane de 1919 exclusivamente Americana.[5]:268 As conclusões da comissão, não publicadas até 1922 após a votação dos mandatos na Liga de Nações, indicaram forte apoio Árabe a um estado Árabe independente e oposição a uma presença Francesa.[8]

Criação[editar | editar código-fonte]

Emir Faiçal
Royal Standard do Rei da Síria
Moeda do Reino Arábe
Nota de um quarto de libra síria emitida em Beirute pelo Banco da Síria em 1919. O Banco da Síria foi depois renomeado para Banco da Síria e Grande Líbano e continuou a emitir moeda para a Síria e o Líbano até a década de 1950.

Esses eventos na Europa levaram as sociedades nacionalistas sírias, como al-Fatat (a Sociedade Árabe Jovem), a se prepararem para um congresso nacional. Essas sociedades nacionalistas Sírias defendiam a completa independência de um Reino Árabe que unisse os árabes sob o comando de Faiçal. A Comissão King-Crane encorajou os esforços para unificar e eleições precipitadas foram convocadas, incluindo representantes de todas as terras Árabes, incluindo a Palestina e o Líbano, embora as autoridades francesas tenham impedido a chegada de muitos dos seus representantes.[9]. A primeira sessão oficial do Congresso da Síria foi realizada em 3 de Junho de 1919 e o membro da al-Fatat Hashim al-Atassi foi eleito seu presidente.[10]:17

Quando a Comissão King-Crane chegou a Damasco em 25 de Junho de 1919, foi recebida com uma enxurrada de panfletos dizendo "Independência ou Morte". Em 2 de Julho, o Congresso Sírio aprovou uma série de resoluções pedindo uma monarquia constitucional completamente independente com Faiçal como rei, pedindo a ajuda dos Estados Unidos e rejeitando quaisquer direitos reivindicados pelos Franceses.[10]:19 Qualquer esperança que Faiçal possa ter tido de que os britânicos ou americanos teriam vindo em sua ajuda e contrariado os movimentos franceses se desvaneceu rapidamente, especialmente depois do acordo Anglo-Francês para a retirada das tropas Britânicas da Síria e do fim do governo militar Britânico na Síria.

Em Janeiro de 1920, Faiçal foi forçado a entrar em acordo com a França, que estipulava que a França apoiaria a existência do Estado sírio e não estacionaria tropas na Síria enquanto o governo Francês continuasse sendo o único governo a fornecer assessores, conselheiros e especialistas técnicos.[11]:167 A notícia deste compromisso não agradou aos defensores veementemente anti-Franceses e independentes que imediatamente pressionaram Faiçal a reverter o seu compromisso, o que ele fez. No rescaldo desta inversão, ocorreram violentos ataques contra forças Francesas e o Congresso sírio reuniu-se em Março de 1920 para declarar Faiçal o rei da Síria, bem como para estabelecer oficialmente o Reino Árabe da Síria com Hashim al-Atassi como primeiro-ministro e Yusuf al-'Azma como Ministro da Guerra e Chefe do Estado Maior.

Essa ação unilateral foi imediatamente repudiada pelos Britânicos e Franceses e a Conferência de San Remo foi convocada pelas Forças Aliadas em Abril de 1920 para finalizar a alocação dos mandatos da Liga das Nações no Oriente Médio. Isso foi, por sua vez, repudiado por Faiçal e seus apoiantes. Depois de meses de instabilidade e fracasso em cumprir as promessas aos Franceses, o comandante das forças francesas, General Henri Gouraud, deu um ultimato ao Rei Faiçal em 14 de Julho de 1920, declarando que ele se renderia ou lutaria.[10]:215

Dissolução[editar | editar código-fonte]

O General Yusuf al-Azma
Ver artigo principal: Guerra Franco-Síria

Preocupado com os resultados de uma longa luta sangrenta com os Franceses, o Rei Faiçal rendeu-se. No entanto, Yusuf al-'Azma, o ministro da defesa, ignorou a ordem do rei e liderou um pequeno exército para confrontar o avanço francês na Síria. Esse exército dependia principalmente de armas individuais e nada podia fazer contra a artilharia Francesa. Na Batalha de Maysalun, o exército Sírio foi facilmente derrotado pelos Franceses, com o General al-'Azma a ser morto durante a batalha. A perda levou ao cerco e captura de Damasco em 24 de Julho de 1920 e o Mandato Francês para a Síria e o Líbano foi posto em prática posteriormente.

Legado[editar | editar código-fonte]

Após se render às forças Francesas, Faiçal foi expulso da Síria e foi morar no Reino Unido em Agosto de 1920. Em Agosto de 1921, ele recebeu a coroa do Iraque sob o Mandato Britânico do Iraque.

Um governo pró-Francês sob a liderança de 'Alaa al-Din al-Darubi foi instalado um dia após a queda de Damasco, em 25 de Julho de 1920.[10]:37 Em 1 de Setembro de 1920, o General Gouraud dividiu o território do mandato Francês da Síria em vários estados menores como parte de um esquema Francês para tornar a Síria mais fácil de controlar.

O Reino, através de sua existência curta e tumultuada, seria um motivo de grande inspiração para movimentos posteriores de libertação Árabes. Seria a história muitas vezes repetida de um povo árabe saindo da sua ligação colonial apenas para ser castigado pelo seu fervor revolucionário e pela sua resistência aos poderes imperiais. O simbolismo da queda do Reino da Síria também transmitiu uma profunda desconfiança para com as potências Europeias, que eram vistas como mentirosas e opressoras.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Kuhn, Anthony John (15 de Abril de 2011). «Broken Promises:The French Expulsion of Emir Feisal and the Failed Struggle for Syrian Independence». Carnegie Mellon University/H&SS Senior Honors Thesis. 60 páginas 
  2. Antonius, George (1938). The Arab Awakening: The Story of the Arab National Movement Reprint ed. [S.l.]: H. Hamilton. p. 104. 492 páginas. ISBN 1626540861 
  3. Itamar Rabinovich, Symposium: The Greater-Syria Plan and the Palestine Problem in The Jerusalem Cathedra (1982), p. 262.
  4. a b c Zeine N. Zeine. Struggle for Arab Independence: Western Diplomacy and the Rise and Fall of Faisal's Kingdom in Syria. Caravan Books. Delmar, Nova Iorque. 1977.
  5. a b c Efraim Karsh and Inari Karsh. Empires of the Sand: The Struggle for Mastery in the Middle East 1789–1923. Harvard University Press. Cambridge, Massachusetts. 1999.
  6. John D. Grainger (2013). The Battle for Syria, 1918-1920. [S.l.]: Boydell Press. ISBN 978-1-84383-803-6 
  7. Ali A. Allawi (11 de Março de 2014). Faisal I of Iraq. [S.l.]: Yale University Press. pp. 154–. ISBN 978-0-300-19936-9 
  8. US Dept of State; International Boundary Study, Jordan – Syria Boundary, No. 94 – December 30, 1969, Pagina .10 «Archived copy» (PDF). Consultado em 28 de maio de 2018. Arquivado do original (PDF) em 27 de março de 2009  |archiveurl= e |arquivourl= redundantes (ajuda); |accessodata= e |acessodata= redundantes (ajuda); |deadurl= e |urlmorta= redundantes (ajuda)
  9. Rogan, Eugene (2012). The Arabs A History 3rd ed. New York: Basic Books. ISBN 9780465032488 
  10. a b c d Eliezer Tauber. The Formation of Modern Syria and Iraq. Frank Cass and Co. Ltd. Portland, Oregon. 1995. ISBN 978-0-7146-4105-8.
  11. Elie Kedourie. England and the Middle East: The Destruction of the Ottoman Empire 1914–1921. Mansell Publishing Limited. Londres, Inglaterra. 1987.
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.