Coalizão militar no Iraque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A "coalizão da boa-vontade" nomeada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, em 2003.

Em novembro de 2002, o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em visita à Europa para uma cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), declarou que "se o presidente iraquiano Saddam Hussein optar por não se desarmar, os Estados Unidos vão liderar uma coalizão de boa-vontade para desarmá-lo".[1]

A administração Bush reuniu países que apoiaram, militarmente ou verbalmente, a invasão de 2003 e a subsequente presença da coalizão militar no Iraque após a invasão. A lista original lançada em março de 2003 incluía 46 membros.[2] Em abril de 2003, a lista foi atualizada para incluir 49 países, apesar de ter sido reduzida para 48 depois da Costa Rica se opor à sua inclusão. Dos 48 países da lista, três contribuíram com tropas para as forças de invasão (o Reino Unido, Austrália e Polônia) e 37 países forneceram tropas para apoiar as operações militares após o fim da invasão.

A lista de membros da coalizão fornecida pela Casa Branca incluía várias nações que não tinham a intenção de participar em operações militares reais. Algumas delas, como Ilhas Marshall, Micronésia, Palau e Ilhas Salomão, sequer têm exércitos permanentes. No entanto, através do Tratado de Livre Associação, os cidadãos das Ilhas Marshall, Palau e dos Estados Federados da Micronésia tem as garantias nacionais dos norte-americanos e, portanto, estão autorizados a servir nas Forças Armadas dos Estados Unidos. Os membros dessas nações insulares tinham implantado uma força combinada do Pacífico, composta por unidades guamesas, havaianas e samoanas. Eles foram enviados duas vezes ao Iraque. O governo de um país, as Ilhas Salomão, listado pela Casa Branca como um membro da coalizão, aparentemente não tinha conhecimento sobre tal associação e prontamente a negou.[3]

Em agosto de 2009, todos os membros não norte-americanos da coalizão se retiraram do Iraque.[4] Como resultado, a "Força Multinacional do Iraque" foi rebatizada e reorganizada para as "Forças dos Estados Unidos no Iraque" em 1 de janeiro de 2010, pondo fim oficialmente à coalização militar.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Bush: Join 'coalition of willing'». CNN. 20 de novembro de 2002. Consultado em 30 de abril de 2010 
  2. Althaus, Scott; Leetaru, Kalev (25 de novembro de 2008). «Airbrushing History, American Style». University of Illinois Cline Center for Democracy. Consultado em 2 de fevereiro de 2011 
  3. Perrott, A.: Coalition of the Willing? Not us, say Solomon islanders. The New Zealand Herald, March 27, 2003..
  4. 9010 DoD report, June 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Coalizão militar no Iraque
Ícone de esboço Este artigo sobre os Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.