Ataques de novembro de 2015 em Paris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ataques de novembro de 2015 em Paris
Localização dos alvos dos ataques
Local Paris e Saint-Denis
 França,

1 : Arredores do Stade de France (Saint-Denis)
2 : Rua Bichat e Rua Alibert (restaurantes Le Petit Cambodge e Le Carillon)
3 : Rua de la Fontaine au Roi (restaurante Casa Nostra)
4 : Teatro Bataclan
5 : Rua de Charonne (restaurante La Belle Équipe)

Data 13 de novembro de 2015 (1 ano)
21h16 (hora local)
Tipo de ataque Assassinato em massa, ataque suicida e terrorismo
Arma(s)
Mortes 137 mortos (incluindo 130 vítimas[2] e 7 terroristas[3][4][5])
Feridos 352 (99 em estado crítico)[6]
Alvo(s) Desconhecido (presumidamente civis)
Responsável(is) Estado Islâmico[7][8]
Suspeito(s) 7 militantes com coletes explosivos; alguns com fuzis AK-47:[9][10]
Motivo Fundamentalismo islâmico; possível retaliação pela participação francesa na intervenção militar na Síria e no Iraque

Os ataques de novembro de 2015 em Paris foram uma série de atentados terroristas ocorridos na noite de 13 de novembro de 2015 em Paris e Saint-Denis, na França. Os ataques consistiriam de fuzilamentos em massa, atentados suicidas, explosões e uso de reféns. Ao todo, ocorreram três explosões separadas e seis fuzilamentos em massa, incluindo bombardeios perto do Stade de France no subúrbio ao norte de Saint-Denis.[14][15] O ataque mais mortal foi no teatro Bataclan, onde os terroristas fuzilaram várias pessoas e fizeram reféns até o início da madrugada de 14 de novembro.

Mais de 180 pessoas morreram (incluindo os 7 terroristas que perpetraram os ataques),[2] sendo 89 delas no teatro Bataclan.[3][16][17][18] Mais de 350 pessoas ficaram feridas pelos ataques,[3] incluindo 99 pessoas em estado grave.[4] Além das mortes de civis, oito terroristas foram mortos e as autoridades continuavam a procurar quaisquer cúmplices que permaneceram soltos.[3][4][19] O presidente francês, François Hollande decretou estado de emergência nacional no país, o primeiro estado de emergência declarado desde 2005,[20] e colocou controles temporários sobre as fronteiras francesas.[16] O primeiro toque de recolher desde 1944, também foi posto em prática, ordenando que as pessoas saíssem das ruas de Paris.[21]

Em 14 de novembro, o grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante assumiu a responsabilidade pelos ataques.[22] De acordo com o Wall Street Journal, os ataques foram motivados pelo Estado Islâmico como uma "retaliação" para o papel da França na intervenção militar na Síria e no Iraque.[23] Hollande também disse que os ataques foram organizados em território estrangeiro "pelo Estado Islâmico e com ajuda interna",[24] além de descrevê-los como "um ato de guerra". Pelo mundo, gestos de solidariedade e apoio aos franceses se tornaram comuns, especialmente pela mídia social.[25]

Os ataques foram os mais mortais que ocorreram na França desde a Segunda Guerra Mundial.[26][27] Eles também foram os mais mortais na União Europeia desde os atentados de 11 de março de 2004 em Madrid, na Espanha.[20] Os atentados aconteceram apenas um dia após outro ataque terrorista do Estado Islâmico em Beirute, no Líbano, que matou 43 pessoas, um dia após o assassinato de Jihadi John, um dos membros do Estado Islâmico,[28] e catorze dias após a queda do voo Kogalymavia 9268, que matou 217 passageiros e sete membros da tripulação e sobre o qual a filial do Estado Islâmico no Sinai assumiu a responsabilidade. Antes do ataque, a França estava em alerta máximo desde o Massacre do Charlie Hebdo, em janeiro de 2015, que matou dezessete pessoas, incluindo civis e policiais.[9]

Em 15 de novembro, dois dias após os atentados, a força aérea francesa lançou vários ataques aéreos retaliatórios (a Opération Chammal) contra alvos do grupo terrorista Estado Islâmico na região da cidade síria de Raqqa.[29] A 18 de novembro, Abdelhamid Abaaoud (um terrorista belga de origem marroquina) foi morto pela polícia parisiense. Ele era acusado de ser o principal mentor dos atentados. Várias outras prisões de suspeitos foram feitas e três colaboradores ligados a organizações jihadistas na França foram mortos em uma série de ações policiais subsequentes para encontrar os responsáveis pelos ataques.[30]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A Força Aérea da França tem estado envolvida na intervenção militar na Síria e no Iraque desde 19 de setembro de 2014, conhecida pelo codinome de Operação Chammal. Em outubro de 2015, o governo francês atacou alvos na Síria pela primeira vez.[31]

O país estava em estado de alerta para ameaças terroristas desde o Massacre do Charlie Hebdo, em janeiro de 2015.[9] A França também havia aumentado a segurança em antecipação da Convenção das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, programada para ser realizada em Paris de 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015. O país também tinha restaurado as verificações de fronteira uma semana antes dos ataques.[9] A sede do Charlie Hebdo fica no 11º arrondissement da cidade, onde também está o teatro Bataclan.[32]

O grupo Estado Islâmico e suas filiais têm reivindicado a responsabilidade por vários ataques mortais nas semanas que antecederam os ataques. Em 12 de novembro de 2015, um duplo atentado suicida em Beirute, no Líbano, matou 43 pessoas. Em 31 de outubro de 2015, o voo Kogalymavia 9268, que transportava passageiros russos caiu no Sinai, no Egito, matando 224 pessoas. A célula do Sinai do Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pela queda da aeronave. Além disso, durante o dia dos ataques, o carrasco do Estado Islâmico conhecido como Jihadi John foi morto por um ataque de drones dos Estados Unidos[33] e forças curdas tinham vencido a batalha de Sinjar contra grupos extremistas.[34]

Ataques[editar | editar código-fonte]

13 de novembro:

  • 21:16 – Primeiro ataque suicida perto do Stade de France.[35]
  • 21:20 – Tiroteio na rua Bichat.[36]
  • 21:30 – Segundo ataque suicida perto do Stade de France.[35]
  • 21:45 – Quatro terroristas entram ao Bataclan e começam a disparar.
  • 21:50 – Tiroteio na rua de Charonne.[35]
  • 21:53 – Terceiro ataque suicida perto do Stade de France.[35]
  • 22:00 – Tomada de reféns no Bataclan.[37]

14 de novembro:

  • 00:58 – Ataque policial ao Bataclan.[35]

No total, aconteceram sete ataques distintos,[38] compreendendo três explosões e seis fuzilamentos.[39][40] As explosões ocorreram perto do Stade de France, enquanto os tiroteios foram relatados nas imediações das ruas Alibert, Fontaine-au-Roi, Charonne, do teatro Bataclan no Boulevard Voltaire, da Avenue de la République e no Boulevard Beaumarchais.[32][41]

Rue de la Fontaine-au-Roi[editar | editar código-fonte]

Tiros foram disparados contra o terraço de La Casa Nostra, um restaurante de comida italiana na rue de la Fontaine-au-Roi, ao sul da rue Bichat, por um homem empunhando uma metralhadora.[42] O procurador de Paris informou que cinco pessoas foram mortas e oito ficaram feridas.[16] Uma testemunha ocular relatou que as pessoas estavam sendo mortas por um atirador em "rajadas de três ou quatro tiros."[43]

Rue de Charonne[editar | editar código-fonte]

Dois atiradores dispararam durante vários minutos no terraço do La Belle Équipe, um restaurante na rue de Charonne no 11º arrondissement, antes de regressar ao seu carro e fugir.[42] A polícia confirmou que 18 pessoas foram mortas por homens armados que abriram fogo em direção aos terraços ao ar livre do restaurante.[16][44]

Boulevard Voltaire[editar | editar código-fonte]

Outro atirador detonou seu colete suicida na Boulevard Voltaire, nas proximidades do teatro Bataclan.[9]

Ruas Bichat e Alibert[editar | editar código-fonte]

Homenagem às vítimas mortas no restaurante Le Petit Cambodge, na rua Bichat

Os primeiros ataques ocorreram nas ruas Bichat e Alibert, perto do Canal Saint-Martin, no 10º arrondissement. Os terroristas dispararam contra as pessoas que estavam na parte externa do café Le Carillon.[45] Eles então cruzaram a rua Bichat e atacaram o Le Petit Cambodge, um restaurante de culinária cambojana. De acordo com a polícia francesa, onze pessoas foram mortas no restaurante[16] e uma testemunha disse que um dos atiradores gritou "Allahu akbar".[46]

Os terroristas supostamente fugiram em um ou dois veículos após a tiroteios.[47] Um dos veículos tinha uma placa de identificação da Bélgica.[48] Médicos e enfermeiros do Hôpital Saint-Louis, que fica nas proximidades, estavam no Le Carillon quando os ataques ocorreram e forneceram atendimento de emergência aos feridos.[48]

Explosões nos arredores do Stade de France[editar | editar código-fonte]

Três explosões ocorreram perto do Stade de France, no subúrbio de Saint-Denis, resultando em pelo menos cinco mortes.[9] As explosões aconteceram às 21:17, 21:30 e 21:53 (horário local). Pelo menos 10 pessoas foram feridas ou mortas em uma explosão em um bar perto do estádio às 21:30, cerca de 20 minutos após o início de um jogo de futebol entre as seleções da França e a Alemanha, onde o presidente francês François Hollande estava.[17][49]

O primeiro terrorista detonou seu cinto de explosivos ao tentar entrar pelo Portão J do estádio, matando pelo menos três torcedores.[50] Hollande foi evacuado com segurança durante o intervalo.[15][16] O presidente se reuniu com o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve para coordenar uma resposta à situação de emergência.[19] Duas das explosões foram ouvidas durante a transmissão televisiva ao vivo da partida, mas os jogadores e o público não foram informados sobre o perigo até o fim do jogo.[9][47] Após a partida, os torcedores foram levados para o campo para aguardar a evacuação, enquanto a polícia monitorava todas as saídas ao redor do local.[9]

Fontes de segurança confirmaram que todas as três explosões foram atentados suicidas.[9] O Wall Street Journal informou que pelo menos um dos atiradores tinha um ingresso para o jogo de futebol, mas foi impedido de entrar no estádio na verificação de segurança, no momento em que ele detonou seu colete de explosivos. Os ataques ocorreram apenas sete meses antes da França ser escolhida como a sede do Campeonato Europeu de Futebol de 2016.[51]

Massacre do teatro Bataclan[editar | editar código-fonte]

No teatro Bataclan, no Boulevard Voltaire no 11º arrondissement, os terroristas abriram fogo contra o público de 1.500 pessoas que assistiam ao espetáculo da banda de rock estadunidense Eagles of Death Metal.[15][16] Após cerca de uma hora de concerto, quatro homens vestidos de preto e segurando fuzis AK-47 entraram no salão.[9]

O teatro Bataclan em 2009

Testemunhas ouviram gritos de "Allahu akbar" pouco antes dos extremistas fuzilarem a multidão de maneira calma e metótica.[9][52] Uma das testemunhas disse que viu indivíduos armados entrarem no Bataclan, sendo que dois ou três homens sem máscaras dispararam indiscriminadamente contra a plateia.[3] O ataque durou cerca de 20 minutos, sendo que outras testemunhas relataram que os agressores também lançaram granadas contra a multidão.[52] A repórter de rádio Julien Pearce, que assistia ao concerto, descreveu os agressores à CNN como calmos e determinados, sendo que recarregaram suas armas três ou quatro vezes.[52]

Por volta das 22h, os homens começaram a fazer reféns, conforme a polícia reunia suas equipes do lado de fora da sala de concertos.[52] Entre 60 e 100 reféns foram levados.[16][32] Os membros da banda escaparam sem ferimentos.[53] Uma testemunha que escapou do ataque disse a um jornalista que havia cinco ou seis atiradores e que eles mencionaram a Síria.[3][54] Uma das vítimas afirmou que um dos atiradores gritou: "Isso é por causa de todo o mal feito por Hollande contra todos os muçulmanos do mundo."[55][56] Houve mais ataques registrados contra a polícia e os socorristas que chegaram ao local depois de relatos iniciais de fuzilamentos dentro do teatro.[57] Um dos terroristas no Bataclan também tinha explosivos, de acordo com um oficial da polícia que estava cena do crime.[3]

Por volta das 00:15, a polícia iniciou um ataque ao teatro após relatos de que os atiradores tinham começado a matar os reféns.[9][52] O cerco terminou às 00:58.[58] Os relatórios policiais iniciais indicaram que 100 pessoas foram mortas no teatro;[3][19] no entanto, o número foi posteriormente revisado para 87.[16] Quatro terroristas morreram, três deles ao detonar seus coletes suicidas.[3][9][52] O quarto foi atingido por tiros da polícia e seu colete explodiu quando ele caiu.[9] O bairro inteiro ao redor da área foi fechado depois dos ataques.[59] Os proprietários do edifício, que são judeus, afirmaram que o teatro já tinha sido ameaçado antes.[60][61][62]

Responsáveis[editar | editar código-fonte]

Polícia francesa colhendo evidências no Bataclan no dia seguinte ao ataque

O presidente Hollande afirmou em 14 de novembro que os ataques foram organizados em território estrangeiro pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante com a ajuda interna; o grupo terrorista assumiu a autoria dos atentados no mesmo dia.[24] Passaportes sírios e egípcios teriam sido encontrados perto dos corpos de dois dos autores em dois locais atacados.[63] Segundo o procurador público de Paris, François Molins, sete extremistas foram mortos, embora as autoridades continuem a procurar os atiradores do restaurante.[10] Os atiradores vestiam coletes suicidas com o explosivo TATP.[64]

Todo o território francês foi colocado em alerta máximo após os ataques
  • Três atacaram o teatro Bataclan vestindo roupas pretas e usando fuzis AK-47.[9] Dois se mataram ao explodir seus coletes suicidas durante o confronto policial no teatro. O terceiro foi morto por tiros da polícia pouco antes de seu colete ser detonado.[9]
  • Três homens-bomba detonaram seus coletes perto do Stade de France. Um passaporte sírio foi encontrado em um dos homens-bomba, de acordo com a polícia francesa. A autenticidade do passaporte foi questionada e muitos analistas apontaram que passaportes sírios falsos podem ser facilmente obtidos.[65] O Ministro da Proteção do Cidadão na Grécia, Nikos Toskas, anunciou que um dos titulares de passaportes sírios tinham passado por Leros em outubro, mas os documentos e impressões digitais ainda devem ser comparados para determinar se ele realmente passou pelo território grego, ou se conseguiu o passaporte ao longo do caminho.[66] No entanto, um oficial de inteligência do governo dos Estados Unidos disse que o passaporte não tinha um número válido e a fotografia não coincidia com o nome, o que sugere que pode ser uma farsa.[67] Também foi relatado que um passaporte egípcio foi encontrado perto do corpo de outro homem-bomba.[68]
  • O sétimo terrorista detonou seu colete no boulevard Voltaire, perto do teatro Bataclan.[9]

Um dos atiradores foi identificado como um jihadista que tinha voltado da Síria para cometer atos terroristas.[69] Outro era um extremista francês, nascido em 21 de novembro de 1985 no subúrbio de Courcouronnes, cerca de 32 km ao sul de Paris. Ele tinha uma ficha criminal desde 2004 e foi marcado como um extremista islâmico em 2010, mas nunca chegou a ser preso.[13][64] A mídia francesa identificou este atacante como Ismaël Omar Mostefai, descrito como um "jovem pai com raízes argelinas."[70][71][72] Um segundo atirador foi encontrado com um passaporte de um homem sírio que tinha nascido em 1980. O homem no passaporte não era conhecido pela polícia francesa.[64] Pelo menos um indivíduo com uma possível ligação com os ataques tinham entrado na União Europeia através da Grécia como um refugiado sírio em outubro, mas a polícia grega não descarta que o passaporte possa ter mudado de mãos antes dos ataques.[73] O Ministério do Interior da Sérvia declarou que as características do homem correspondiam com as de um suspeito de terrorismo, identificado pelas autoridades sérvias como Ahmed Almuhamed.[74] Um outro homem foi identificado como Abbdulakbak B.[75]

Em 14 de novembro, um carro usado nos ataques foi parado na fronteira Bélgica-França e seus três ocupantes foram presos. Mais três pessoas foram detidas na Bélgica.[76] Três equipes de terroristas executaram os ataques, de acordo com o promotor de Paris. Eles coletes explosivos com detonadores idênticos.[77] Um terrorista tinha oito passagens pela prisão, mas não tinha sido ligado ao terrorismo.[77] Um homem de 51 anos de idade de Montenegro foi preso uma semana antes na Alemanha, em 5 de novembro, quando a polícia encontrou revólveres, granadas e explosivos em seu carro. As possíveis ligações entre este caso e o Estado Islâmico na França estão sendo investigadas.[78] Um outro carro abandonado perto do teatro Bataclan foi identificado como tendo uma multa de estacionamento emitida em Molenbeek-Saint-Jean, um distrito de Bruxelas, na Bélgica.[79]

Terroristas[editar | editar código-fonte]

Os terroristas identificados como participantes dos atentados são:[80][81]

  • Abdelhamid Abaaoud - atacou os bares e restaurantes, indicado como o líder dos atentados (morto)
  • Salah Abdeslam - levou terroristas ao Bataclan, indicado como o responsável pela logística dos terroristas
  • Brahim Abdeslam - atacou os bares e restaurantes (morto)
  • Ismael Omar Mostefai - atacou o Bataclan (morto)
  • Mohamed Abrini - fugiu dos locais de ataques
  • Samy Amimour - atacou o Bataclan (morto)
  • Bilal Hadfi - atacou o Stade de France (morto)
  • Ahmad Al-Mohammad (identidade não confirmada) - atacou o Stade de France (morto)
  • Fued Mohamed Aggad - atacou o Stade de France (morto)

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

O presidente Hollande emitiu uma declaração pedindo ao povo francês que permaneça forte em face de tais incidentes.[82][83] Ele também visitou o teatro Bataclan e prometeu lutar "sem piedade" contra o terrorismo.[44] As autoridades exortaram os habitantes de Paris a ficar dentro de casa para sua própria segurança.[16][47][84] Hollande também cancelou sua viagem para a cúpula do G20 na cidade de Antalya, na Turquia, por causa dos atentados, mas enviou representantes.[85] Em 14 de novembro, o governo francês anunciou três dias de luto nacional.[86]

Em resposta aos ataques, a França foi colocada sob estado de emergência nacional pela primeira vez desde 2005,[20] suas fronteiras foram temporariamente fechadas e 1.500 soldados foram chamados para ajudar a polícia a manter a ordem em Paris.[9][47][87] O "plano branco" (Île de France) e o "plano vermelho" (global), dois planos de contingência para situações de emergência, foram imediatamente ativados.[88][89][90] Paris declarou seu primeiro toque de recolher em 70 anos, desde a Segunda Guerra Mundial.[91]

Voos com destino e saindo do Aeroporto Charles de Gaulle e do Aeroporto de Paris-Orly foram principalmente afetados.[15] A American Airlines atrasou voos para Paris até novo aviso.[92] Muitas estações do Metrô de Paris, nos 10.º e 11º arrondissements, foram fechadas por causa dos ataques.[47][93]

Todas as escolas públicas e universidades parisienses foram fechadas no dia seguinte.[94] Os eventos esportivos que ocorreriam na França no fim de semana de 14 e 15 novembro foram adiados/anulados.[95][96] A Disneyland Paris fechou seus parques, pela primeira vez na história, em solidariedade com aqueles que morreram nos ataques; o parque temático tinha operado diariamente desde a sua abertura, em 1992.[97] A Torre Eiffel, um marco parisiense visitado por 20 mil pessoas por dia, foi fechada por tempo indeterminado.[3]

Sete pessoas foram distinguidos, em 23 de janeiro de 2016, com a Medalha de Bronze da Cidade de Paris por terem ajudado a socorrer as vítimas do ataque terrorista ao Bataclan. Três dos homenageados são portugueses.[98]

Internacional[editar | editar código-fonte]

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu conjuntamente com o presidente francês François Hollande, a reforçar a cooperação bilateral contra o terrorismo, na sequência de atentados em Paris.[99] Obama chamou de "ultrajantes" os atentados e que essas ações são "ataques a toda a humanidade". O presidente, pronunciando-se diretamente da Casa Branca, lembrou dos atentados de 11 de setembro de 2001 ao dizer que os americanos sabem como os franceses estão se sentindo.[100] A antena da torre do World Trade Center ficará iluminada por vários dias nas cores azul, branco e vermelho, em referência à bandeira francesa. Andrew Cuomo, governador de Nova Iorque, afirmou que este "[é um gesto de] solidariedade para com o povo de França, tal como eles fizeram conosco nos nossos tempos de tragédia", numa alusão ao 11 de setembro de 2001.[99]

Protesto de apoio em Hong Kong, China
Manifestação de apoio na National Gallery, em Londres
Tchecos expressam solidariedade na embaixada francesa em Praga

A chanceler Angela Merkel mostrou-se chocada com os atentados afirmando que "nestas horas o meu pensamento está com as vítimas destes ataques evidentemente terroristas, com os seus familiares e com todos os habitantes de Paris".[101]

O presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva enviou um telegrama ao presidente francês em que demonstra grande consternação pelos ataques terroristas.[101] "Foi com grande consternação que tomei conhecimento dos hediondos ataques terroristas, hoje, em Paris, e da perda trágica de um elevado número de vidas", refere Aníbal Cavaco Silva, na mensagem dirigida na sexta-feira ao seu homólogo francês e divulgada no 'site' da Presidência da República. "Peço-lhe que aceite, Senhor Presidente, a expressão da minha elevada consideração e estima pessoal".[101] Também o primeiro-ministro português na altura, Pedro Passos Coelho, e o líder da oposição António Costa enviaram mensagens ao presidente francês condenando os ataques, mostrando condolências e solidariedade à França.[101]

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, escreveu ao presidente Hollande expressando sua crença de que os ataques eram "um ultraje contra a França e contra a Europa como um todo" e afirmou que a União Europeia está em solidariedade com o povo francês.[102] Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, condenou os ataques, dizendo: "Neste momento terrível nossos pensamentos e simpatia estão com as famílias e amigos das vítimas, em conjunto com as autoridades francesas e com todos os cidadãos franceses [...] Ontem , Paris foi brutalmente agredida pela segunda vez em menos de um ano. Os terroristas queriam atingir o núcleo da civilização ocidental, os seus valores e seu povo. [...] No entanto, a Europa está unida na luta contra o terrorismo, em nossa determinação para rastrear as redes e todos aqueles que contribuíram para organizar esses atos terríveis e trazê-los à justiça. Nosso compromisso de defender os nossos valores de liberdade, igualdade, democracia e do Estado de direito está tão forte como sempre."[103]

O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL), Ernesto Samper, disse que "o terrorismo é uma epidemia global que deve ser combatida com a solidariedade universal com as vítimas". Em um comunicado, a organização diz que a América do Sul expressa sua "consternação com esta barbárie" que aconteceu em Paris e oferece "solidariedade" para com o povo francês.[104] A presidente Dilma Rousseff enviou uma carta de solidariedade a Hollande após ataques, além de ter utilizado o Twitter para se manifestar, dizendo: "Devemos combater sem trégua os atos hediondos cometidos em Paris. Reitero minha solidariedade ao presidente @FHollande e ao povo francês."[105]

dilma, o secretário-geral das Nações Unidas, condenou os ataques em Paris, ao classificá-los como "desprezíveis" e afirmar que confiava as autoridades francesas para trazer os responsáveis à justiça. Ban também estendeu suas condolências às famílias das vítimas e desejou uma rápida recuperação para aqueles que foram feridos. Em um comunicado separado, os 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas também condenaram os ataques "bárbaros e covardes" contra civis.[106]

Após os ataques, várias estruturas ao redor do mundo foram iluminadas com as cores da bandeira francesa, como o One World Trade Center, em Nova Iorque; a Tower Bridge,[107] o Estádio de Wembley[108] e a London Eye,[109] em Londres; o Centro Cívico de São Francisco, na Califórnia;[110] a Torre CN, em Toronto;[111] o Portão de Brandemburgo, em Berlim;[112] a Ópera de Sydney;[113] o CenturyLink Field, em Seattle;[114] El Ángel de la Independencia, na Cidade do México;[115] a Torre Pérola Oriental, em Xangai;[116] a Torre de Kuala Lumpur;[117] o Palácio da Cultura e Ciência, em Varsóvia;[118] o Matenadaran, em Erevan;[119] a prefeitura de Atenas,[120] o Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre,[121] o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro,[122] a Torre de Belém e o edifício da Câmara Municipal, em Lisboa [123] e o Teatro Rivoli, no Porto.[124]

Monumentos com as cores da bandeira da França

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Paris attacks: More than 100 killed in gunfire and blasts, French media say». CNN. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  2. a b "Sobe para 130 o número de mortos nos atentados de Paris, diz França". Página acessada em 20 de novembro de 2015.
  3. a b c d e f g h i j «Paris attacks updates». BBC News 
  4. a b c Claire Phipps; Kevin Rawlinson (13 de novembro de 2015). «All attackers dead, police say, after shootings and explosions kill at least 150 in Paris – live updates». The Guardian. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  5. «Sobe para 132 o número de mortos em atentados». UOL. 15 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  6. "Paris terror attack: Everything we know on Friday afternoon". Página acessada em 20 de novembro de 2015.
  7. «O que se sabe sobre os ataques terroristas em Paris». UOL. 15 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  8. «Estado Islâmico reivindica ataques a Paris, e polícia conta mais de 100 mortos». EBC. 13 de novembro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Randolph, Eric and Simon Valmary (13 de novembro de 2015). «More than 120 people killed in Paris 'terror' attacks». Yahoo! News. Agence France-Presse. Consultado em 14 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2015 
  10. a b Claire Phipps (15 de novembro de 2015). «Paris attacker named as Ismaïl Omar Mostefai as investigation continues – live updates». The Guardian. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  11. «Trois des terroristes de Paris viendraient de Molenbeek: perquisitions et une arrestation sur place en ce moment». RTL. 14 de novembro de 2015 
  12. «#Paris Terror Attacks: Police issue WANTED notice for terror suspect Salah Abdeslam (26) and warn people not to approach him». Irish Independent. 15 de novembro de 2015 
  13. a b Elgot, Jessica; Phipps, Claire; Bucks, Jonathan (14 de novembro de 2015). «Paris attacks: Syrian who passed through Greece on refugee route one of Isis killers – live». The Guardian. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  14. «Soudain, l'une des bombes explose en plein match». 20 minutes (em francês). Consultado em 14 de novembro de 2015. On entend clairement, sur cette vidéo, la détonation de 21h16 
  15. a b c d Nossiter, Adam; Gladstone, Rick (13 de novembro de 2015). «Paris Attacks Kill More Than 100, Police Say; Border Controls Tightened». The New York Times. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  16. a b c d e f g h i j Rawlinson, Kevin (13 de novembro de 2015). «Fatal shootings and explosion reported in Paris – live». The Guardian. Consultado em 13 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2015 
  17. a b «Paris shootings: Casualties in city centre and explosion at the Stade de France». BBC News. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  18. «Paris shootings and explosions near the Stade de France kill 18». BBC News. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  19. a b c «At Least 35 Dead, More Than 100 Hostages Taken in Multiple Paris Attacks». Haaretz. 13 de novembro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  20. a b c Nossiter, Adam; Breeden, Aurelien; Clark, Nicola (14 de novembro de 2015). «Paris Attacks Were an 'Act of War' by ISIS, Hollande Says». The New York Times. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  21. «France's Hollande Orders Borders Closed, Paris Under First Mandatory Curfew Since 1944». The Huffington Post. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  22. «L'organisation État islamique revendique les attentats de Paris» (em francês). France 24. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  23. Dalton, Matthew; Varela, Thomas; Landauro, Inti (14 de novembro de 2015). «Paris Attacks Were an 'Act of War' by Islamic State, French President François Hollande Says». The Wall Street Journal. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  24. a b «Hollande says Paris attacks were 'act of war'». Thomson Reuters Foundation. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  25. «Paris attacks: Hollande blames Islamic State for 'act of war'». BBC News. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  26. Fraser, Isabelle; Henderson, Barney. «Paris shooting: terrorists attack French capital – as it happened on Friday Nov 13». The Telegraph. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  27. Slaughter, Graham. «Paris on edge: Recent terror attacks in France». CTV News. CTV news. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  28. Akbar, Jay (14 de novembro de 2015). «Was Paris terror revenge for Jihadi John? ISIS executioner's drone death may have accelerated attacks on France, experts say». Daily Mail 
  29. Rubin, Alissa. «France Strikes ISIS Targets in Syria in Retaliation for Attacks». The New York Times. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  30. Aurelien Breeden, Kimiko de Freytas-Tamura. «Chief Suspect in Paris Attacks Died in Raid, France Says». The New York Times. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  31. «Middle east – 'Terrorists have no passports,' French PM says of Syria air strikes». France 24 (em inglês). Google. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  32. a b c Goldstein, Sasha (13 de novembro de 2015). «At least 26 dead after explosion, shooting reported in Paris». NY Daily News. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  33. «'Jihadi John': high degree of certainty US airstrike killed Mohammed Emwazi, sources say». The Guardian. 14 de novembro de 2015 
  34. Jason Hanna and Ed Payne, CNN (13 de novembro de 2015). «Sinjar has been liberated from ISIS, Kurds say». CNN. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  35. a b c d e «Hollande: "Un acte de guerre commis par une armée terroriste"» (em francês). Le Figaro. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  36. «Scores killed in Paris terror attacks at six separate sites» (em inglês). USA Today. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  37. «Oito terroristas mortos nos ataques de Paris após atentados que mataram pelo menos 127 pessoas». Jornal da Noite. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  38. «EN DIRECT. Fusillades à Paris : assaut terminé au Bataclan». Le Point (em francês). Consultado em 14 de novembro de 2015 
  39. Ing, Nancy; Fieldstadt, Elisha (13 de novembro de 2015). «Dozens Dead, Hostages Held in Multiple Paris Attacks». NBC News. Associated Press. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  40. Shapiro, Emily (13 de novembro de 2015). «Several Dead After Explosions and Shootings in Paris». ABC News. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  41. «DEVELOPING STORY | Paris Attacked by Islamic Terrorists, 150+ Killed|IndraStra Global : Analysis, On The Dot». www.indrastra.com. plus.google.com/+IndrastraOfficial/. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  42. a b «Paris attacks: What we know». BBC News 
  43. «Paris Attack Witness». The Guardian 
  44. a b Melander, Ingrid and Marine Pennetier (14 de novembro de 2015). «At least 120 dead in Paris attacks, Hollande declares emergency». Reuters. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  45. Stanglin, Doug (14 de novembro de 2015). «At least 46 dead in attacks in central Paris». USA Today. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  46. Simons, Jake Wallis; Stanton, Jenny (14 de novembro de 2015). «'I saw a hole in her face, and realised she'd been shot': Gunman dressed in black picked off terrified diners firing 'professional bursts' of shots in cafe shooting rampage – Machine gun wielding terrorist shouted 'Allahu Akbar' before opening fire». Daily Mail. Consultado em 14 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2015. The horror started with Kalashnikov-wielding fanatics attacking Cambodian restaurant Le Petit Cambodge and the bar-cafe Le Carillon on Rue Alibert. According to a woman who was in the Cambodian restaurant, a gunman shouted 'Allahu Akbar' (God is great in Arabic) before firing. 
  47. a b c d e «'It's a horror': Hollande orders French borders closed after Paris terror attack leaves at least 149 dead». National Post. 13 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  48. a b Le Monde, Editors (14 de novembro de 2015). «Rue Bichat : " On pensait que c'étaient des pétards. C'étaient des scènes de guerre "». Le Monde. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  49. Alter, Charlotte (13 de novembro de 2015). «Dozens Feared Dead in Night of Violence in Paris». Time. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  50. «Dramatic footage of man hit by suicide bomb shrapnel in Paris». Mail Online. Google. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  51. Robinson, Joshua; Landauro, Inti (14 de novembro de 2015). «Paris Attacks: Suicide Bomber Wearing an Explosive Vest Was Blocked From Entering Stade de France Soccer Venue». Wall Street Journal. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  52. a b c d e f Nossiter, Adam; Higgins, Andrew (13 de novembro de 2015). «'Scene of Carnage' Inside Sold-Out Paris Concert Hall». The New York Times. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  53. Singer for Eagles of Death Metal escapes Paris attack, abc7.com (Los Angeles). Acessado em 13 de novembro de 2015.
  54. Nossiter, Adam (13 de novembro de 2015). «Survivors of Hostage Siege Taken to Hospitals or Police Station». The New York Times. Paris, France. Consultado em 13 de novembro de 2015. one of them shouted, "What you are doing in Syria, you are going to pay for it now!" 
  55. Higgins, Andrew (13 de novembro de 2015). «This Is Because of all the Harm Done by Hollande to Muslims». The New York Times. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  56. «Paris shooting: Scores killed and injured after 'Kalashnikov and grenade attacks' across French capital with dozens of hostages taken – Further suggested links to Syria». The Daily Telegraph. "I clearly heard them say 'It's the fault of (French President Francois) Hollande, it's the fault of your president, he should not have intervened in Syria'. They also spoke about Iraq," said Pierre Janaszak 
  57. «Paris shooting: Several killed and injured after 'Kalashnikov and grenade attacks' across French capital». Daily Telegraph. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  58. «Attaques terroristes à Paris: des dizaines de morts, l'état d'urgence décrété». Le Figaro. Selon plusieurs sources concordantes, l'assaut est terminé au Bataclan. Selon BFM-TV, deux terroristes auraient été tués. 
  59. Shapiro, Emily (13 de novembro de 2015). «Paris Attacks: At Least 120 Dead After 'Terrorists' Stage Multiple Attacks and Take Hostages». ABC News. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  60. «Pourquoi le Bataclan est-il régulièrement visé ?». Le Point. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  61. «French mag: Bataclan an Islamist target due to Jewish owners». The Times of Israel. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  62. «Fransk magasin: - Bataclan har jødiske eiere». Aftenposten. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  63. «Paris concert gunman was French, known to have Islamist ties - source». Reuters. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  64. a b c Johnston, Chris; Quinn, Ben. «Paris attacks: person who hired car used in attacks has been arrested – live updates». the Guardian. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  65. Buchanan, Rose Troup (14 de novembro de 2015). «Paris terror attacks: Syrian passport found on body of suicide bomber at Stade de France». The Independent. Consultado em 14 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2015 
  66. «Holder of Syrian passport found near Paris gunman crossed Greece». Reuters 
  67. Malnick, Edward (15 de novembro de 2015). «Paris terror attack: Everything we know so far on Sunday afternoon». The Telegraph. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  68. «Paris concert gunman was French, known to have Islamist ties: source». Reuters. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  69. «Attentats de Paris : un des tireurs identifié». Le Figaro. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  70. «Paris attacks: Bataclan assailant named as Ismail Omar Mostefai». The Sydney Morning Herald 
  71. «Paris attacks were carried out by three groups tied to Islamic State, official says». The Washington Post. 14 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  72. «Ismaël Omar Mostefaï, l'un des kamikazes français du Bataclan». Le Monde. 15 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  73. «At least one man linked to Paris attacks registered as refugee in Greece: police». Yahoo News. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  74. «Paris terror attacks: Second terrorist named as Ahmed Almuhamed». news.com.au. 16 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  75. «Who Are Ismaël Omar Mostefai And Abbdulakbak B.? Paris Attackers Responsible For France Bombings, Shootings». International Business Times. 14 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  76. «Paris terror attacks: vigils held around the world as Parisians remain on edge – live updates». The Guardian. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  77. a b Mozingo, Joe; Serrano, Richard A.; Chu, Henry; Finnegan, Michael (14 de novembro de 2015). «As Paris reels from night of terror, investigators seek origin of attackers». Los Angeles Times. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  78. «Bavaria arrest raises suspicions about links to Paris attacks». DW.COM. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  79. «A discarded parking ticket in a car near the Bataclan leads detectives to Brussels». The Guardian. 15 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  80. «Bbc.com». BBC (em inglês). Consultado em 21 de março de 2016 
  81. «Quem são suspeitos e autores identificados dos atentados em Paris». Folha de S. Paulo (em inglês). Consultado em 21 de março de 2016 
  82. «President Hollande: France will overcome the terrorists». CNN. 13 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  83. Sharma, Swati (14 de novembro de 2015). «'It is horror': French President Hollande's remarks after Paris attacks». The Washington Post. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  84. «Attaques terroristes à Paris : une centaine de morts, l'état d'urgence décrété». Le Figaro. La Mairie de Paris appelle les habitants de la capitale à rester chez eux 
  85. «Hollande cancels trip to Turkey for G20 after attacks: presidency». Yahoo! News. Agence France-Presse. 13 de novembro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  86. Attentats : Hollande décrète "trois jours de deuil national", on europe1.fr (acessado em 14 de novembro de 2015)
  87. «Live updates: Attacks in Paris». The Washington Post. 13 de novembro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  88. «Paris déploie son " plan multi-attentats "». Radio Canada. Canadian Broadcasting Corporation. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  89. «Attaques simultanées à Paris: La Préfecture demande aux gens de "rester chez eux"». 20 Minutes. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  90. «Attaques à Paris : "Plan blanc" d'urgence et de crise à l'AP-HP». Europe 1. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  91. «France's Hollande Orders Borders Closed, Paris Under First Mandatory Curfew Since 1944». The Huffington Post. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  92. «American Airlines delays Paris flights». Reuters. 13 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  93. A-J.C. avec AFP. «Attaques à Paris : cinq lignes de métro coupées». europe1.fr. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  94. «Communiqué à l'issue du Conseil des ministres» (Nota de imprensa) (em francês). Elysee. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015. Les écoles, lycées et établissements scolaires et universitaires seront fermés ce samedi 
  95. «Sporting events in Paris called off in wake of terror attacks». Sky Sports 
  96. «ISU Grand Prix of Figure Skating Event in Bordeaux France cancelled». isu.org. International Skating Union. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  97. Keslassy, Elsa (14 de novembro de 2015). «Disneyland Paris Closed In The Wake of Terrorist Attack». Variety. Consultado em 14 de novembro de 2015 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  98. «Três portugueses vão receber Medalha da Cidade de Paris pela ajuda às vítimas dos atentados» 
  99. a b «Massacre em Paris faz 127 mortos». Correio da Manhã. Consultado em 14 de novembro de 2015]] 
  100. «Obama chama ataques em Paris de ultrajantes e oferece assistência à França». UOL. 13 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  101. a b c d Ramos, Graça Andrade (14 de novembro de 2015). «Europa e EUA reagem em choque aos ataques em Paris». RTP.pt. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  102. «Letter to President François Hollande of France from European Council President Donald Tusk on the attacks in Paris». europa.eu 
  103. «Schulz condemns the Paris terrorist attacks». europarl.europa.eu. The President of the European Parliament. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  104. «Comunicado Oficial de la Secretaria General de UNASUR». UNASUL. 13 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  105. Laís Alegretti (14 de novembro de 2015). «Dilma envia carta de solidariedade a Hollande após ataques, diz Planalto». G1. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  106. «UN condemns 'despicable' terrorist attacks in Paris». UN News Centre. United Nations. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  107. "Lord Mayor's show in London marks Paris attacks". BBC. 14 de novembro de 2015.
  108. Fernando, Gavin (14 de novembro de 2015). «Famous world landmarks are being lit up in red, white and blue in solidarity with France». Herald Sun. Melbourne, Australia. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  109. «Paris terror attack: Syrian passport found on attacker was used to seek asylum in Greece as one Briton confirmed dead». Telegraph.co.uk. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  110. «"San Francisco City Hall Lit Up In Remembrance Of Paris Terror Victims"» (em inglês). CBS. 13 de novembro de 2015. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  111. Nighswander, Matthew. «One World Trade Center Spire Glows in French Colors to Honor Paris». NBC News. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  112. «France vows to punish ISIS for Paris attacks that kill 127». wwlp.com. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  113. «Paris terror attacks: Sydney Opera House lit in show of solidarity». The Australian. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  114. «Seahawks light CenturyLink Field in French colors» 
  115. «Monumentos del DF se iluminan en solidaridad con Francia». La Jornada. 13 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  116. «上海地标东方明珠今晚亮起"法兰西色"-搜狐». mt.sohu.com. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  117. Ghazali, Rahmah (15 de novembro de 2015). «Paris attacks: KL Tower lights up in solidarity with France» (em inglês). The Star Online. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  118. «Pałac Kultury w barwach Francji, "Paris, Paris" na Narodowym». tvn24.pl 
  119. «Երեւանը սգում է Փարիզի հետ». Yerkir.am. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  120. «Αθήνα τρικολόρ, στο πλευρό του γαλλικού λαού». www.tovima.gr. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  121. http://globoesporte.globo.com/rs/futebol/noticia/2015/11/apos-atentados-beira-rio-e-iluminado-com-cores-da-bandeira-da-franca.html
  122. «Cristo Redentor é iluminado com cores da França em solidariedade». G1. 14 de novembro de 2015. Consultado em 14 de novembro de 2015 
  123. PENA P. (14 de Novembro de 2015). «Torre de Belém tricolor: a solidariedade portuguesa». Público. Consultado em 15 de Novembro de 2015 
  124. «Lisboa e Porto já vestem as cores de França para homenagear Paris - País - RTP Notícias». www.rtp.pt. Consultado em 15 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ataques de novembro de 2015 em Paris