Correio da Manhã (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Correio da Manhã
Razão social Sociedade anônima
Periodicidade Diário
Formato Tabloide
Sede Rua Luciana Stegagno Picchio 3, Lisboa
Preço € 0,90
Fundação 19 de março de 1979 (37 anos)
Fundador(es) Vítor Direito
Proprietário Cofina S.A.
Pertence a Cofina Media
Director Octávio Ribeiro
Editor Paulo João Santos
Idioma português
Circulação 105.519 diariamente em media (2015)
Página oficial www.cmjornal.xl.pt/

O Correio da Manhã é um jornal generalista diário português, líder de mercado em Portugal, com mais de 110 mil exemplares vendidos por dia. O Correio da Manhã foi fundado em 1979 por Vítor Direito e adquirido pela Cofina em 2000.[1] Iniciou a sua publicação em 19 de março de 1979. Tal como os tabloides ingleses, é caracterizado por suas notícias de caráter sensacionalista[carece de fontes?].

História[editar | editar código-fonte]

O Correio da Manhã recuperou o nome de um jornal que foi destruído na Primeira República por publicar ideais monárquicos.[2]

O facto de ser publicado também ao domingo, o que os outros jornais naquela época não faziam, contribuiu para a implantação do novo título.[1] A partir de 22 de Novembro de 1981 começam a publicar uma revista de carácter generalista, o Correio de Domingo, com 32 páginas a cores.[1] Em Novembro de 1991, Agostinho Azevedo, até então chefe de redacção, é nomeado director, passando Vítor Direito a ocupar o cargo de Presidente director-geral.[1] Em 15 de novembro de 2000, a holding Cofina compra a Presslivre, a empresa proprietária do título Correio da Manhã. João Marcelino, anterior director do jornal desportivo Record, do mesmo grupo, é nomeado director do Correio da Manhã em 14 de Dezembro de 2002. O Correio da Manhã é dirigido por Octávio Ribeiro desde 24 de Fevereiro de 2007.

Contém três revistas distribuídas gratuitamente à sexta-feira, ao sábado e ao domingo respectivamente: a Correio TV, a Vidas e o Correio de Domingo. A partir do dia 1 de Junho de 2009, o jornal começou a adotar as novas normas ortográficas na secção de opinião da autoria do escritor Francisco José Viegas.[3]

É o jornal que mais vende em Portugal, com mais de 40% da quota de mercado dos diários, actualmente em media de 105.519 exemplares diariamente (janeiro – agosto 2015).[4] O jornal lançou em março de 2013 um canal generalista em parceria com o Meo.[5] José Carlos Castro é o diretor-adjunto do Correio da Manhã e do CMTV.

Referências

  1. a b c d «História do jornal». Correio da Manhã (Portugal). 
  2. As Incursões Monárquicas (1911-1912), por Carlos Branco Morais, revista do Centro de Estudos Regionais, Viana do Castelo, Janeiro de 2013, nota pág. 16
  3. «Acordo Ortográfico já amanhã (1 de junho) no Correio da Manhã». Correio da Manhã (Portugal). 
  4. Correio da Manhã consolida liderança, cmjornal.xl.pt, recuperado em 30 de outubro 2015
  5. «“Correio da Manhã” lança canal generalista em 2013». Propagandista Social. Propagandistasocial.com. Consultado em 7 de julho de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Correio da Manhã (Portugal)
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.