Correio da Manhã (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Correio da Manhã (Portugal)
Periodicidade Diário
Proprietário Cofina S.A.
Fundador(es) Vítor Direito
Diretor Octávio Ribeiro
Fundação 19 de março de 1979 (36 anos)
Sede Av.ª S. João Crisóstomo 72, 2715-311, Avenidas Novas, Lisboa
Página oficial www.cmjornal.xl.pt/

O Correio da Manhã, recuperando o nome de um jornal que foi destruído na Primeira República por publicar ideais monárquicos[1] , é um diário matutino português, pertencente ao grupo Cofina e fundado por Vítor Direito.[2] Este mais recente, iniciou a sua publicação em 19 de Março de 1979. Tal como os tabloides ingleses, é caracterizado por suas notícias de caráter sensacionalista.

O facto de ser publicado também ao domingo, o que os outros jornais não faziam, contribuiu para a implantação do novo título.[2] A partir de 22 de Novembro de 1981 começam a publicar uma revista de carácter generalista, o Correio de Domingo, com 32 páginas a cores.[2]

Em Novembro de 1991, Agostinho Azevedo, até então chefe de redacção, é nomeado director, passando Vítor Direito a ocupar o cargo de Presidente director-geral.[2] Em 15 de novembro de 2000, a holding Cofina compra a Presslivre, a empresa proprietária do título Correio da Manhã. João Marcelino, anterior director do jornal desportivo Record, do mesmo grupo, é nomeado director do Correio da Manhã em 14 de Dezembro de 2002. O Correio da Manhã é dirigido por Octávio Ribeiro desde 24 de Fevereiro de 2007.

Contém três revistas distribuidas gratuitamente, à sexta-feira, ao sábado e ao domingo respectivamente, a Correio TV, a Vidas e o Correio de Domingo. A partir do dia 1 de Junho de 2009, o jornal começou a adotar as novas normas ortográficas na secção de opinião da autoria do escritor Francisco José Viegas[3]

É o jornal que mais vende em Portugal, com mais de 40% da quota de mercado dos diários, actualmente em media de 137 600 exemplares diariamente.[4] O jornal lançou em março de 2013 um canal generalista em parceria com o Meo.[5] José Carlos Castro é o Diretor-adjunto do Correio da Manhã e do CMTV.

Referências

  1. As Incursões Monárquicas (1911-1912), por Carlos Branco Morais, revista do Centro de Estudos Regionais, Viana do Castelo, Janeiro de 2013, nota pág. 16
  2. a b c d História do jornal Correio da Manhã (Portugal).
  3. Acordo Ortográfico já amanhã (1 de junho) no Correio da Manhã Correio da Manhã (Portugal).
  4. http://www.apct.pt/Analise_simples.php
  5. “Correio da Manhã” lança canal generalista em 2013 Propagandista Social Propagandistasocial.com. Visitado em 7 de julho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.