Robert Fisk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Robert Fisk
Nascimento 12 de julho de 1946 (73 anos)
Maidstone
Cidadania Reino Unido
Alma mater Trinity College, Dublin
Ocupação jornalista, historiador, escritor, correspondente de guerra
Prêmios Amnesty International UK Media Awards, Amnesty International UK Media Awards, Amnesty International UK Media Awards, Prêmio George Orwell, Doutor Honoris Causa da Universidade de St Andrews
Empregador Daily Express, The Times, The Independent
Página oficial
http://www.independent.co.uk/opinion/commentators/fisk/

Robert Fisk (Maidstone, Kent, 12 de julho de 1946) é um premiado jornalista inglês, correspondente no Oriente Médio do jornal britânico The Independent. Fisk vive em Beirute há mais de 25 anos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um ex-soldado britânico da Primeira Guerra Mundial, Robert Fisk estudou jornalismo na Inglaterra e Irlanda. Trabalhou como correspondente internacional na Irlanda - cobrindo os acontecimentos no Ulster - e Portugal. Em 1976, foi convidado por seu editor no The Times para substituir o correspondente do jornal no Oriente Médio. Fisk trabalhou para The Times até 1988, quando se mudou para The Independent - após uma discussão com seus editores sobre modificações feitas em seus artigos, sem seu consentimento.

Fisk cobriu a guerra civil do Líbano, iniciada em 1975; a invasão soviética do Afeganistão, em 1979; a guerra Irã-Iraque (1980-1988), a invasão israelense do Líbano, em 1982), a guerra civil na Argélia, as guerras dos Balcãs e a Primeira (1990-1991) e a Segunda Guerra do Golfo Pérsico, iniciada em 2003. Fisk notabiliza-se também pela cobertura ao conflito israelo-palestino. Ele é um defensor da causa palestina e do diálogo entre os países árabes, o Irã e Israel.

Considerado como um dos maiores especialistas nos conflitos do Oriente Médio, Fisk contribuiu para divulgar internacionalmente os massacres na guerra civil argelina e nos campos de refugiados de Sabra e Chatila, no Líbano; os assassinatos promovidos por Saddam Hussein, as represálias israelenses durante a Intifada palestina e as atividades ilegais do governo dos Estados Unidos no Afeganistão e no Iraque. Fisk também entrevistou Osama bin Laden, líder da rede terrorista Al-Qaeda (em 1993, no Sudão, em 1996 e em 1997, no Afeganistão).[1]

Robert Fisk é o correspondente estrangeiro britânico mais premiado. Recebeu o Prêmio Correspondente Internacional Britânico do Ano sete vezes (as últimas em 1995 e 1996). Também ganhou o Prêmio à Imprensa da Anistia Internacional no Reino Unido em 1998 e 2000.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • The Point of No Return: The Strike which Broke the British in Ulster (1975).
  • In Time of War: Ireland, Ulster and the Price of Neutrality, 1939-1945 (1982).
  • Pity the Nation: Lebanon at War (1990) (lançado no Brasil como Pobre Nação: As Guerras do Líbano no Século XX em 2007).
  • The Great War for Civilisation - The Conquest of the Middle East; (2005) (lançado no Brasil como A Grande Guerra pela Civilização em 2007).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.