Guerra Civil Iraquiana (2011–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra atual
Este artigo ou seção é sobre um conflito armado recente ou ainda em andamento.
A informação apresentada pode mudar rapidamente
Guerra Civil do Iraque
(2011-presente)
Parte da(o) Guerra ao Terror
Iraq war map.png
Situação atual:
  Áreas controladas pelo Governo iraquiano
  Áreas controladas pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL)
  Áreas controladas pelos curdos iraquianos
Período 18 de dezembro de 2011 - presente
Local Iraque (especialmente região norte, oeste e central)
Situação Em andamento
  • Ressurgimento da insurgência, liderada pelo EIIL e por grupos ligados a al-Qaeda, após a retirada das tropas americanas do Iraque;
  • Grupos islamitas retomam ações violentas contra alvos do governo e contra rivais;
  • Racha entre sunitas e xiitas reacendem violência sectária;
  • Milícias extremistas do Estado Islâmico lançaram, em 2014, uma pesada ofensiva em direção a Bagdá. Várias cidades na região norte são tomadas pelos insurgentes;
  • Potências ocidentais da OTAN, lideradas pelos Estados Unidos, iniciam uma campanha aérea de bombardeios contra o EIIL no Iraque e na Síria;
Participantes do conflito
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL)

Flag of the Ba'ath Party.svg Movimento baathista

Flag of Iraq (1991-2004).svg Exército Livre do Iraque


Flag of Ansar al-Islam.svg Ansar al-Islam
Exército Mujahideen
Ansar al-Sunnah


Diversos outros grupos sunitas de insurgentes

Apoio:
Arábia Saudita (suspostamente)[21][22][23]

Facções xiitas:

Iraque Forças de Mobilização Popular
Shiism arabic blue.PNG Grupos Especiais:


Diversos outros grupos xiitas de insurgentes

Apoio:
 Irão[24]

Iraque Governo Iraquiano

(Forças de Operações Especiais Iraquianas)

 Irão

 Síria[2][3]
Apoio:

Flag of Kurdistan.svg Curdistão iraquiano

Rojava
PKK[5]
PJAK[6]


Coalizão internacional:

Líderes
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Abu Bakr al-Baghdadi
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Abu Fatima al-Jaheishi
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Abu Ala al-Afri
Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg Abu Suleiman al-Naser
Flag of Ansar al-Islam.svg Abu Hashim al Ibrahim
Flag of Jihad.svg Ismail Jubouri

Flag of the Ba'ath Party.svg Izzat Ibrahim ad-Douri[25]
Flag of the Ba'ath Party.svg Mohammed Younis al-Ahmed

Flag of Promised Day Brigades.svg Muqtada al-Sadr
Qais al-Khazali
Akram al-Kabi
Abu Mustafa al-Sheibani
Abu Mahdi al-Muhandis
Wathiq al-Battat (prisioneiro)[26]
Iraque Flag of Kurdistan.svg Fuad Masum
Iraque Flag of Kurdistan.svg Jalal Talabani
Iraque Haider Al-Abadi
Iraque Nouri al-Maliki

Iraque Babaker Shawkat B. Zebari
Iraque Ahmad Abu Risha
Flag of Kurdistan.svg Massoud Barzani

Forças
EIIL: 50 000[27]
- 100 000 combatentes[28]
(estimativas; real número desconhecido)

Exército Naqshbandi:
1 500[29] - 5 000[30]
Exército Islâmico no Iraque: 10 400 (2007)[31]
Al-Qaeda: 1 000 -
2 000[32]

Grupos especiais:
7 000[33]
Exército Mahdi:
5 000[34]
Brigada Badr:
10 000[35]
Forças de segurança iraquianas:
600 000[36]
Milícias aliadas:
~ 30 000[37]
Empresas privadas:
~7 000[38][39]
Forças estrangeiras:
5 000 militares americanos[40]
600 militares canadenses[41]
(além de centenas de tropas de outros países da OTAN)

Milícias curdas:
200 000 combatentes[42]

Guerrilheiros do EIIL:
+ 22 632 mortos e 5 841 capturados
[43][44][45]
Forças de segurança iraquianas e milícias:
11 426 mortos e 11 601 feridos
[43][46][47]
Guerrilheiros curdos:
+ 1 500 mortos e + 8 000 feridos[48]
Perdas civis:
~ 37 497 mortos
(segundo o governo iraquiano, entre 2014 - 2016)[43]
Perdas totais:
53 361 – 72 056 fatalidades
(segundo o governo iraquiano, entre 2013 e 2016)[43]

Guerra Civil Iraquiana[49] é uma guerra assimétrica iniciada por diversos grupos iraquianos e jihadistas contra o governo central iraquiano. Os eventos que levaram a este conflito começaram logo após a invasão do país por forças anglo-americanas em 2003. A estimativa do total de pessoas mortas durante o período da ocupação estrangeira (2003-2011) diverge de fonte para fonte, com os números variando de 150 000 a até 500 000 fatalidades.[50] Entre 2007 e 2009, a violência caiu drasticamente de intensidade. A insurgência voltou com toda a intensidade após a retirada das tropas americanas em 2011, com o conflito sectário e religioso também voltando à tona, levando a mais uma brutal onda de violência. Atentados com carros bombas, emboscadas e ações armadas em larga escala acabaram se tornando muito mais frequentes, ameaçando desestabilizar o governo iraquiano.[51] Grupos sunitas, contrários a administração do país (controlada por xiitas, que são a maioria da população), lançaram-se em diversas ofensivas pontuais para tentar lentamente minar as autoridades de Bagdá que, apesar de receber apoio logístico e militar dos americanos, não tinha mais a alternativa de pedir auxílio direto dos exércitos dos Estados Unidos.[52]

Milícias armadas dentro do Iraque se fortaleceram e ganharam novos recrutas durante seu envolvimento na Guerra Civil Síria. O grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (também conhecido pelas siglas EIIL ou ISIS, do inglês Islamic State in Iraq and Syria ou, ainda, ISIL, de Islamic State in Iraq and the Levant) se tornou a maior força de combate dos extremistas e uma das facções mais influentes e violentas da região. A luta para derrubar o regime do presidente da Síria, Bashar al-Assad (apoiado pelos xiitas), aumentou a rixa entre as duas vertentes do islamismo e intensificou o conflito sectário em toda a região.[53]

Em junho de 2014, grupos fundamentalistas, encabeçados pelo EIIL, iniciaram uma nova e grande ofensiva no Iraque, focando na parte norte, centro e oeste do país. Eles rapidamente tomaram diversas cidades, como Mossul e Tikrit, e tinham planos de marchar até a capital, Bagdá.[54] Centenas de pessoas teriam morrido nos combates. O grupo soltou diversos presos de cadeias locais e capturaram dezenas de armas. O objetivo dos insurgentes é construir um grande califado islâmico englobando uma enorme área da região e por isso impõem uma visão estrita da lei islâmica nos territórios que ocupam.[55] As autoridades iraquianas foram acusadas de incompetência para lidar com o ressurgente problema. Muitos soldados teriam se recusado a lutar e recuaram, frente aos avanços dos rebeldes islamitas. O governo posteriormente tentou reagir, se reagrupando e convocando tropas para futuras operações militares contra os jihadistas.[56] Diante da escalada da violência e ameaça de desestabilização do Iraque e da região do Curdistão, os Estados Unidos e vários países da OTAN lançaram, no começo de agosto, uma campanha de bombardeio aéreo contra alvos dos militantes do EIIL.[57]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Guerra do Iraque e Insurgência iraquiana

Antes da invasão do Iraque, existia uma insurgência sunita na zona curda iraquiana representada pelo Ansar Al Islam na região protegida pelos americanos desde a Guerra do Golfo.[58] Desde dezembro de 2013, perto de dois anos após a saída das forças estrangeiras de ocupação do Iraque, combates violentos vinham ocorrendo entre tribos, as forças de segurança e o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL). As lutas mais sangrentas aconteciam na região noroeste. Em janeiro de 2014, militantes do EIIL assumiram o controle de cidades como Faluja e Ramadi,[59] conquistando assim boa parte da província de Al-Anbar. Tentando retaliar, o exército iraquiano lançou várias ofensivas visando retomar o controle da região. Antes das batalhas começarem, o primeiro-ministro do país, Nouri al-Maliki, deu um discurso controverso onde afirmou que a campanha militar era uma continuação da antiga luta sectária entre "os seguidores de Hussein e os de Yazid", em referência a uma importante batalha para os xiitas no século 7, alienando assim ainda mais a população sunita em Anbar, que até aquele momento havia demonstrado simpatia pelo governo.[60]

Os avanços do EIIL também eram extensos na vizinha Síria, onde eles conseguiram recrutar pessoal e, acima de tudo, pegar várias armas,[61] fortalecendo ainda mais sua posição.[62] No começo de junho de 2014, os insurgentes começaram uma avanço efetivo nas regiões central e setentrional do Iraque. Até então, seus avanços na província de Anbar já era extensos, controlando Faluja e Garmah, além de partes de Hadita, Jurf Al Sakhar, Anah, Abu Ghraib e várias vilas pela região. Fortalecidos e bem armados, sua ofensiva chegou aos arredores de Bagdá.[63]

Combates no norte do Iraque e escalada do conflito[editar | editar código-fonte]

No começo de junho de 2014, O EIIL lançou várias ofensivas no norte e no oeste do Iraque. Os ataques eram encabeçados por grupos insurgentes sunitas iraquianos contra o governo majoritariamente xiita do país e que resultaram na tomada de importantes cidades da região norte. Entre 9 e 10 de junho, o grupo armado jihadista wahabista Estado Islâmico do Iraque, juntamente com vários militantes sunitas leais ao antigo governo de Saddam Hussein (ligado ao facção iraquiana do Partido Baath)[64] e tribos contrárias ao atual governo, tomaram o controle de Mossul, a terceira maior cidade do país.[65][66][67] Em 11 de junho, Tikrit caiu nas mãos dos insurgentes.[68][69]

À medida que as forças governamentais iraquianas fugiam para o sul, as forças curdas preenchiam o vazio, ocupando parte dos territórios disputados entre o Iraque e o Curdistão. O parlamentar curdo Shoresh Haji expressou seu desejo de que "a liderança curda não perca esta oportunidade de ouro para que as terras curdas nos territórios disputados voltem ao controle curdo".[70][71] Os observadores internacionais interpretaram a mobilização curda como o último sinal da "crescente anarquia" reinante no Iraque.[72]

Entre 9 e 10 de junho de 2014, o grupo jihadista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) tomou o controle da cidade Mossul, capital da província de Nínive e segunda maior cidade do Iraque. Estima-se que cerca de 500.000 residentes tenham fugido.[73] No dia seguinte, Tikrit, cidade natal de Saladino e de Saddam Hussein, também foi tomada. Prédios do governo foram queimados e centenas de detentos foram libertados das cadeias. Duas divisões do exército iraquiano abandonaram os postos, não oferecendo resistência à invasão. Enormes quantidades de armamentos e milhões de dólares deixados para atrás pelo governo foram capturados pelos insurgentes.[74] A maior refinaria de petróleo do Iraque, em Baiji, foi atacada.[75] Foi reportado que Atheel al-Nujaifi, o então governador da província de Nínive, fugiu de Mossul antes do ataque.[74]

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante avisou as mulheres cristãs de Mossul para usarem hijab. O marido de uma mulher assíria foi sequestrado e ameaçado de morte caso sua mulher não usasse o véu. Uma igreja armênia, perto do Hospital Al-Salaam, foi bombardeada. Uma estátua do poeta árabe, filho de cristãos, Abu Tammam, foi destruída. O grupo também ameaçou destruir outros sítios arqueológicos. Na Síria, os combatentes atacaram sítios arqueológicos e destruíram objetos de aproximadamente 3.000 mil anos.[76]

Os cristãos foram obrigados a se livrar de símbolos de sua fé, e as mulheres precisam cobrir o rosto com o nicabe. "Somos tão poucos agora e nos tornamos muito vulneráveis", diz alguém. O número de cristãos no Iraque passou de 1,5 milhão, em 2003, para cerca de 35 mil, em 2014, principalmente por causa da emigração em massa, depois da queda de Saddam Hussein.[77]

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante teria cortado o suprimento de eletricidade e água, obrigando os assírios a comprar água a preços abusivos. Em Tikrit, o serviço de Internet tornou-se esporádico (menos de uma hora por dia) e limitado ao Google e ao correio eletrônico.[carece de fontes?]

Segundo algumas fontes, um ataque frontal desses insurgentes a Bagdá seria improvável porque eles estariam em menor número. No entanto, segundo alguns, pode haver muitas "células dormentes" (jihadistas infiltrados entre os habitantes da capital), que poderiam atacar a qualquer momento.[78][79] Enquanto isso, o EIIL continuava seus ataques pelo país, tomando parte da região de fronteira com a Jordânia e combatendo com as tropas do governo por posições estratégicas no centro do Iraque. Combates particularmente violentos aconteciam perto de refinarias de petróleo ao norte da cidade de Baiji, a menos de 210 km da capital iraquiana. O município de Dhuluiya, que fica a 100 km de Bagdá, teria sido tomado em 12 de junho pelos insurgentes, enquanto eles prosseguiam suas ofensivas rumo ao sul, em áreas controladas por xiitas.[80] A 20 de junho, os islamitas tomaram uma antiga instalação de fabricação de armas químicas em Al-Muthanna.[81]

As áreas abandonadas pelo exército iraquiano passaram a ser controladas pelos curdos, que só tendem a aumentar seu domínio do norte do Iraque diante do caos reinante.[82][83]

Nos últimos dias de junho de 2014, o exército iraquiano iniciou uma pesada ofensiva na região norte do país, mirando especialmente a cidade de Tikrit.[84] Apesar de progressos estarem sendo reportados no município, o EIIL esboçava feroz resistência ao avanço das forças armadas do Iraque. No dia 3 de julho, o governo do país anunciou que a cidade de Awja havia sido recapturada e afirmou também ter ganhado terreno em outras frentes.[85]

Frente a instabilidade no Iraque, os curdos anunciaram que um referendo popular por independência seria feito "em questão de meses". O governo iraquiano em Bagdá rejeitou essa possibilidade, e a Turquia também expressou preocupações com relação a isso. Desde a década de 90, o Curdistão Iraquiano é uma região autônoma e se governa praticamente sozinho.[86]

Ao fim de julho, a batalha por Tikrit lentamente se encerrava com as forças iraquianas sendo obrigadas a se retirar para posições mais defensivas ao sul. Ao mesmo tempo que o EIIL estava a apenas 100 km da capital Bagdá, eles não conseguiam avançar mais do que isso, tão pouco o governo conseguia expulsa-los dos territórios que estavam ocupando.[87] Mais ao norte, os islamitas preparavam ofensivas contra os territórios próximos do Curdistão Iraquiano. Progressos foram reportados na província de Ninawa, com milicianos assumindo controle de cidades como Tal Kaif, Bartela e Karamlesh. Segundo relatos de moradores, combatentes do Estado Islâmico avançavam sem enfrentar muita oposição, já que as forças de segurança preferiam evitar o combate para salvar a própria vida. A cidade de Qaraqosh (também chamada de Bakhdida), que fica ao sudoeste de Mossul, foi tomada pelos insurgentes. O município é considerado a maior cidade cristã do Iraque.[88] Cidadãos locais afirmaram que os jihadistas deram um ultimato aos habitantes da região: "fujam, se convertam [ao islã], ou morram". Mais de 200 mil pessoas optaram por fugir do caminho do avanço dos guerrilheiros. A ofensiva do EIIL continuou, com as forças de segurança fazendo poucos progressos, enquanto o Califado se fortalecia. Os curdos, por outro lado, conseguiam montar defesas mais coesas e se mostraram mais eficientes enfrentando os islamitas.[89] Mesmo assim, forças do Estado Islâmico ainda conseguiram tomar um importante poço de petróleo de Ain Zalah, no começo de agosto. Apesar da resistência imposta pelos militantes da Peshmerga, os jihadistas conseguiram capturar pelo menos três cidades curdas em uma rápida ofensiva no norte iraquiano.[90]

Dois caças F-A-18F americanos decolando do deque do porta-aviões USS Carl Vinson, em outubro de 2014, para bombardear alvos do Estado Islâmico no Iraque.
Imagem de aviões F/A-18 americanos bombardeando posições de artilharia do Estado Islâmico, em agosto de 2014.

No anoitecer do dia 7 de agosto de 2014, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, autorizou ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico no Iraque. O objetivo seria proteger o pessoal americano naquele país, incluindo conselheiros militares. Enquanto isso, o governo iraquiano e seus aliados curdos lutavam uma batalha feroz para tentar deter os avanços do EIIL, especialmente no norte do país.[91][92] No dia 10 do mesmo mês, em meio as incursões aéreas americanas no Iraque, as forças da Peshmerga lançaram vários contra-ataques contra os islamitas. Segundo o general curdo, Shirko Fatih, os importantes vilarejos de Makhmour e al-Gweir, que ficam perto da vital cidade de Arbil, foram tomados. Já no dia 18 de agosto fontes americanas afirmaram que tropas curdas, com apoio de forças especiais iraquianas e aeronaves dos Estados Unidos, conseguiram reconquistar uma importante represa as margens do rio tigre, nas cercanias da cidade de Mossul.[93] Enquanto isso, várias nações do mundo condenaram as ações dos extremistas. A União Europeia afirmou que os massacres perpetrados pelos combatentes do Estado Islâmico eram "crimes de guerra".[94]

No fim de agosto, as ofensivas do EIIL começaram a perder força após aumento nos bombardeios feitos pela força aérea dos Estados Unidos e também devido aos contra-ataques dos curdos e do governo iraquiano. Nesse meio tempo, o jornalista americano James Foley, que havia sido raptado pelos extremistas na Síria, foi executado no Iraque. Sua morte foi filmada pelos rebeldes. O episódio trouxe mais condenação da comunidade internacional.[95] Segundo o Pentágono, forças especiais americanas tentaram libertar Foley mas a operação terminou em um fracasso. Este teria sido o primeiro combate terrestre travado entre soldados dos Estados Unidos e membros do Estado Islâmico.[96] Os americanos então expandiram seus ataques na região norte do Iraque. No dia 31, tropas iraquianas romperam o cerco dos jihadistas a cidade de Amerli. Durante esta operação, aviões estadunidenses atacaram alvos dos insurgentes, ao mesmo tempo que lançaram ajuda humanitária para os civis da região. A operação teve apoio logístico da Austrália e do Reino Unido.[97]

No começo de setembro de 2014, o presidente americano Barack Obama ordenou uma expansão na campanha de bombardeios no Iraque. Ele também autorizou ataques aéreos contra a Síria, que vive sua própria guerra interna. Segundo o presidente, foram mais de 160 surtidas aéreas americanas contra alvos dos extremistas em território iraquiano apenas no mês de agosto. Vários países da Europa e do mundo árabe anunciaram que apoiariam os americanos, enviando armas aos oponentes do Estado Islâmico. Enquanto isso, próximo a Bagdá, posições do EIIL foram bombardeadas por aviões dos Estados Unidos. Nas frentes de batalha pelo país, os combates se intensificavam sem que nenhum lado conseguisse uma vitória significativa sobre o outro.[98][99] No dia 19 do mesmo mês, aviões franceses lançaram bombas contra alvos do Estado Islâmico no nordeste do Iraque. Assim, a França se tornava o segundo país ocidental (junto com os Estados Unidos) a iniciar uma campanha de bombardeios contra o EIIL.[12] Dias depois, o Reino Unido se juntou a coalizão, participando das incursões aéreas, enquanto no solo o Estado Islâmico conseguia manter suas posições nas frentes de batalha.[14] No começo de outubro, a Turquia se juntou a coalizão da OTAN, após os combates na tríplice fronteira turca-síria-iraquiana se intensificaram, assim como a crise humanitária na região.[20] Mesmo com os bombardeios, os militantes do EIIL conseguiram retomar seus avanços rumo ao sul, aproximando-se da capital Bagdá.[100] No começo de novembro, após semanas de retrocessos e impasses, as forças de segurança iraquianas lentamente conseguiam se firmar nos campos de batalha e tentaram lentamente recuperar o terreno perdido. Em uma ofensiva bem sucedida, as tropas do governo do Iraque conseguiram retomar a estratégica cidade de Beiji (que fica a 250 km a norte da capital iraquiana e possui uma enorme refinaria de petróleo) das mãos dos extremistas do Estado Islâmico.[101]

Os combates no final de 2014 foram brutais. Mesmo com os Estados Unidos, a França e o Reino Unido intensificando suas surtidas aéreas em território iraquiano e sírio, o Estado Islâmico mantinha-se firme nas linhas de combate, retrocedendo muito pouco. O exército do Iraque, contudo, tentou renovar suas ofensivas no começo de 2015 e após violentos confrontos, libertaram a província de Dijalah, no leste, ao fim de janeiro. Mais de 1 600 pessoas teriam morrido nesta luta. Os combates por toda a região se intensificaram logo depois.[102]

No começo de 2015, o governo do Iraque e milicianos xiitas locais lançaram uma série de ofensivas no norte, apoiados pelas potências ocidentais e pelo Irã. O objetivo seria abrir caminho até Tikrit e eventualmente avançar sobre Mossul. Uma parte importante dos ataques iniciais incluía liberar as regiões próximas a Bagdá, que ainda estavam tomadas por militantes ligados ao Estado Islâmico (EI). Apesar dos sucessos iniciais, as batalhas ficavam mais ferozes conforme avanços eram feitos e pesadas baixas em ambos os lados eram reportadas.[103] Finalmente, em meados de abril, Tikrit foi oficialmente libertada pelo exército iraquiano. Eles contaram com suporte crucial de milícias locais e de militares iranianos, além do apoio aéreo ocidental.[104] Ainda assim, o EI conseguiu se manter na ofensiva em algumas frentes no Iraque. Em meados de maio, a cidade de Ramadi, capital da importante província de Anbar e que fica a 100 quilômetros a oeste de Bagdá, foi tomada pelos combatentes do Estado Islâmico.[105]

Forças do governo iraquiano avançando por Fallujah, em junho de 2016.

Ao fim de 2015, com os contra-ataques do governo iraquiano nas regiões centrais do país não dando tanto resultado, os curdos decidiram apertar suas ofensivas no norte, em especial na província de Ninawa. Em meados de novembro, após semanas de combates nas redondezas, a importante cidade de Sinjar foi tomada pelos combatentes da Peshmerga.[106] Então, ao fim de dezembro de 2015, em uma das batalhas mais importantes do ano, o centro e várias áreas chave da estratégica cidade de Ramadi foram reconquistadas por forças iraquianas, apoiadas por aviões da coalizão ocidental liderada pelos Estados Unidos. O avanço foi lento e a batalha intensa, atrasada também por uso extensivo de minas e bombas improvisadas (além de outras armadilhas) por parte de militantes do Estado Islâmico. Alguns bolsões de resistência permaneceram, mas o governo central em Bagdá afirmou que esta seria uma das vitórias mais importantes do conflito até então.[107] Para tentar reaver esta vital região, dias mais tarde, combatentes do EI lançaram um grande contra-ataque na direção central de Ramadi, mas fracassaram.[108]

No começo de 2016, a situação no centro do Iraque se estabilizou remotamente. As potências ocidentais intensificaram seus ataques aéreos e o exército iraquiano prosseguiu com suas ofensivas rumo ao norte. A estratégica cidade de Faluja, nas margens do rio Eufrates, começou a ser cercada em fevereiro. Combates violentos e atentados a bomba se intensificaram por todo o triângulo sunita neste período.[109] No município de Al-Hillah, por exemplo, uma bomba explodiu matando mais de 60 pessoas entre civis e militares iraquianos.[110] Já em Iskandariya um atentado suicida feito pelo Estado Islâmico matou mais 40 pessoas.[111]

Soldados iraquianos combatendo militantes do Estado Islâmico (ISIS) em Al Tarab, perto de Mossul, em março de 2017.

Entre maio e junho de 2016, o exército iraquiano e suas milícias lançaram uma pesada ofensiva na província Anbar, tomando as cidades de Faluja e Al-Karmah e também liberando vilas vizinhas e cruciais estradas locais. A batalha na região foi intensa, em uma área controlada pela minoria sunita, muito importante estrategicamente na região central do Iraque, sendo estas derrotas algumas das mais significativas (desde a reconquista de Ramadi) infligidas ao Estado Islâmico (EI) naquele período da guerra. As forças do governo então continuaram suas ofensivas rumo ao norte, em direção a Mossul, a maior cidade iraquiana ainda em mãos dos terroristas do EI. A força tarefa encabeçada por países da OTAN, compostas primordialmente por aeronaves americanas, britânicas e francesas, participaram nas batalhas em Al-Anbar, desempenhando uma crucial função. Denúncias de revanchismo de milícias xiitas leais ao governo central em Bagdá contra a população sunita foram feitas por grupos de direitos humanos. Saques, assassinatos e estupros foram reportados como acontecendo de forma desenfreada em áreas onde as lutas haviam terminado. Enquanto isso, combates violentos continuavam a acontecer na região norte do Iraque. Vários atentados a bomba perpetrados por militantes do EI contra cidades sob controle do governo também foram reportados no começo de segundo semestre de 2016, deixando centenas de mortos.[112]

Finalmente, em meados de outubro de 2016, o exército iraquiano, tropas curdas e milícias islamitas, apoiados por aviões da OTAN (encabeçados por Estados Unidos, França e Reino Unido) lançaram uma grande ofensiva terrestre para retomar a estratégica região de Mossul, a maior cidade em mãos do Estado Islâmico no Iraque, sendo o principal reduto do grupo no país. A batalha foi intensa, com grandes combates sendo reportados que poderiam ser os mais significativo de toda a guerra.[113]

Referências

  1. "Iran’s special forces rush in to help floundering ally". Página acessada em 26 de junho de 2014.
  2. Syria pounds ISIS bases in coordination with Iraq. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  3. a b Iraqi PM welcomes Syria air strike on border crossing. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  4. Iraqi PM Nouri Maliki: Russian jets will turn tide. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  5. «YNK: PKK and YPG are fighting in Şengal and Rabia against ISIS». 6 de agosto de 2014 
  6. «Kurdish PKK Forces Gather to Retake Mahmur Camp and Shingal». Kurdistan Tribute. 8 de agosto de 2014 
  7. «Christians in Iraq Forming Militia to Defend, and Possibly Retake, Ancestral Lands». Site 
  8. Motlagh, Jason. «Iraqi Christians under threat yet again». Gulf News 
  9. «Dwekh Nawsha- An Assyrian Fighting Force in Iraq». Aymenn Jawad al-Tamimi. 6 de novembro de 2014 
  10. "Iraq crisis: Barack Obama sends in US troops as Isis insurgency worsens". Página acessada em 26 de junho de 2014.
  11. "Obama authorises renewed airstrikes in Iraq". Página acessada em 11 de agosto de 2014.
  12. a b "France launches first air strikes on IS in Iraq". Página acessada em 19 de setembro de 2014.
  13. "French FM in Iraq to boost aid efforts". Página acessada em 11 de agosto de 2014.
  14. a b "Iraq air strikes: RAF Tornado jets begin first combat mission against Isis". Página de 27 de setembro de 2014.
  15. a b c d "Seven Countries to sell weapons to Kurds". Página acessada em 19 de setembro de 2014.
  16. "Australian RAAF plane successfully delivers an ammunition drop to Kurds fighting terrorists in northern Iraq". Página acessada em 3 de setembro de 2014.
  17. "Enhedslisten støtter dansk våbenfly til kurdere i Irak". Página acessada em 19 de setembro de 2014.
  18. "Dutch to send fighter jets to strike at IS in Iraq". Página acessada em 24 de setembro de 2014.
  19. "WH: Turkey to join coalition against ISIS". Página de 27 de setembro de 2014.
  20. a b "Turkey Approves Military Operations in Iraq, Syria". Página acessada em 2 de outubro de 2014.
  21. The Battle for Iraq Is a Saudi War on Iran. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  22. America's Allies Are Funding ISIS - The Daily Beast. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  23. «'Thank God for the Saudis': ISIS, Iraq, and the Lessons of Blowback». The Atlantic. 23 de junho de 2014 
  24. Iran Offers Iraq ‘Everything it Needs’ to Fight ISIS. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  25. Iraq Crisis: Saddam Hussein's Generals Fighting with Jihadist ISIS Insurgency. Página acessada em 26 de junho de 2014.
  26. «Iraqi security forces arrest Shiite militia leader». The Daily Star. Consultado em 2 de janeiro de 2014 
  27. "Islamic State 'has 50,000 fighters in Syria'". Página acessada em 26 de julho de 2015.
  28. "ISIS has 100,000 fighters, growing fast - Iraqi govt adviser". Página acessada em 26 de julho de 2015.
  29. Knights, Michael (1 de julho de 2011). «The JRTN Movement and Iraq's Next Insurgency». Combating Terrorism Center at West Point 
  30. Colin Freeman (18 de maio de 2013). «Izzat Ibrahim al-Douri: the King of Clubs is back, and he may yet prove to be Saddam Hussein's trump card». The Telegraph 
  31. Daniel Cassman. «Islamic Army in Iraq | Mapping Militant Organizations». Stanford.edu. Consultado em 14 de stembro de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  32. Office of the Coordinator for Counterterrorism (31 de julho de 2012). «Country Reports on Terrorism 2011». U.S. Department of State 
  33. «June deadliest month for U.S. troops in 2 years». USA Today. Associated Press. 30 de maio de 2011 
  34. US officials name 3 Iraqi militias armed by Iran to kill Yanks
  35. Beehner, Lionel (9 de junho de 2005). «IRAQ: Militia Groups». Council on Foreign Relations 
  36. Collins, Chris (19 de agosto de 2007). «U.S. says Iranians train Iraqi insurgents». McClatchy Newspapers 
  37. «A Dark Side to Iraq 'Awakening' Groups». International Herald Tribune. www.military.com. 4 de janeiro de 2008. Consultado em 22 de abril de 2012 
  38. Miller, T. Christian (4 de julho de 2007). «Private contractors outnumber U.S. troops in Iraq». Los Angeles Times 
  39. Roberts, Michelle (24 de fevereiro de 2007). «Contractor deaths add up in Iraq». Deseret Morning News 
  40. "Battle for Mosul begins with gunfire and car bombs". Página acessada em 19 de outubro de 2016.
  41. "Canada: House of Commons approves combat mission against ISIS". Página acessada em 26 de julho de 2015.
  42. "Outgunned and untested for years, Kurdish peshmerga struggle". Página acessada em 26 de julho de 2015.
  43. a b c d «Iraq Government Casualty Figures via AFP (Google Docs)». Docs.google.com. Consultado em 31 de julho de 2014 
  44. «US Official: Airstrikes Killed 10,000 Islamic State Fighters». The Epoch Times. 3 de junho de 2015. Consultado em 26 de julho de 2015 
  45. «U.S led coalition airstrikes on Syria kill more than 2500 in the past 8 months». SOHR. 23 de maio de 2015. Consultado em 26 de julho de 2015 
  46. «احصائية رسمية: 1997 العدد الكلي لمفقودي مجزرتي سبايكر وبادوش». Rudaw. Consultado em 11 de junho de 2015 
  47. UN Casualty Figures for February 2015
  48. "The Kurds are starting to panic in the war against ISIS". Página acessada em 27 de julho de 2015.
  49. "As Iraq's civil war rages, is containing ISIS enough?". Página acessada em 25 de julho de 2015.
  50. "Iraq Death Toll Reaches 500,000 Since Start Of U.S.-Led Invasion, New Study Says". Página acessada em 13 de junho de 2014.
  51. «As bombs hit Baghdad, Iraq says about 69, 263 people killed between 2004 and 2011». Al Arabiya News. Consultado em 13 de junho de 2014 
  52. "Suicide bomber kills 32 at Baghdad funeral march". Página acessada em 13 de junho de 2014.
  53. Salem, Paul (29 de novembro de 2012). «INSIGHT: Iraq's Tensions Heightened by Syria Conflict». Middle East Voices (Voice of America). Consultado em 13 de junho de 2014 
  54. "Jihadistas iraquianos se aproximam de Bagdá em ofensiva devastadora". Página acessada em 13 de junho de 2014.
  55. "ISIS: The first terror group to build an Islamic state?". Página acessada em 13 de junho de 2014.
  56. "Governo iraquiano começa a aplicar novo plano para defender Bagdá"
  57. «"Obama autoriza ataques aéreos dos EUA no Iraque"». BBC Brasil. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  58. DIA, Special Analysis, July 31, 2002, cited in Postwar Findings about Iraq's WMD Programs and Links to Terrorism and How they Compare with Prewar Assessments, pg. 71.
  59. «Iraq's Fallujah falls to 'Qaeda-linked' militants». Daily Star. 4 de janeiro de 2014. Consultado em 10 de junho de 2014 
  60. Hassan, Hassan. «More Than ISIS, Iraq's Sunni Insurgency». Carnegie Endowment for International Peace. Consultado em 20 de junho de 2014 
  61. «Une province irakienne entière aux mains des jihadistes». Liberation. AFP. Consultado em 10 de junho de 2014 
  62. Fahim, Kareem; Al-Salhy, Suadad (10 de junho de 2014). «Sunni Militants Drive Iraqi Army Out of Mosul». The New York Times. Consultado em 10 de junho de 2014 
  63. «Iraq Update #42: Al-Qaeda in Iraq Patrols Fallujah; Aims for Ramadi, Mosul, Baghdad». Institute for the Study of War. Consultado em 5 de janeiro de 2014 
  64. "Iraqi Official: Sunni Insurgents, Baathists Fighting One Another". Página acessada em 23 de junho de 2014.
  65. Iraq: An all out sectarian war is looming. Saddam Hussein's former army fighting its way back - The Arab Daily News | The Arab Daily News
  66. «Iraq PM calls emergency after Mosul seized». Al Jazeera. 10 de junho de 2014 
  67. Sly, Liz; Ramadan, Ahmed (10 de junho de 2014). «Insurgents seize Iraqi city of Mosul as troops flee». The Washington Post 
  68. Radio Vaticana, ed. (24 de junho de 2014). «Iraque: ataque aéreo sobre Tikrit, pelo menos 7 mortos; para a TV iraquiana, foram mortos 40 membros da Isis» 
  69. «Iraqi Army Kills Civilians in Tikrit Airstrike, Say Residents». The Wall Street Journal. 22 de junho de 2014 
  70. Raseed, Ahmed; Coles, Isabella. «Obama warns of U.S. action as jihadists push on Baghdad». Reuters. Forças curdas iraquianas aproveitaram o caos para tomar o controle do centro petrolífero de Kirkuk, enquanto as tropas do governo liderado pelos xiitas abandonavam suas posições, alarmando os aliados de Bagdá - tanto no Ocidente quanto na potência regional xiita vizinha, o Irã (...) Os curdos há muito tempo sonham em tomar Kirkuk e suas enormes reservas de petróleo. Eles consideram a cidade, situada fora da sua região autônoma, como sua capital histórica, e unidades peshmerga já estavam presentes na região, em um difícil equilíbrio com as forças do governo. 
  71. Fall of Mosul: What's at stake for the Kurds?
  72. Kurdish Forces Take Control in Northern Iraqi City of Kirkuk
  73. Iraq crisis: Islamists force 500,000 to flee Mosul. BBC, 11 de junho de 2014.
  74. a b ISIS Expands Control, Begins Persecuting Christians in Mosul. AINA News, 12 de junho de 2014.
  75. Iraq’s biggest oil refinery is on fire. How important is that?. Por Steven Mufson. The Washington Post, 18 de junho de 2014.
  76. ISIS Destroys Statue, Threatens to Destroy Archaeological Sites. AINA News, 19 de junho de 2014.
  77. Mosul Christians Out of the City for Good. Por Judit Neurink. AINA News, 20 de junho de 2014.
  78. ISIS Cuts Off Water, Electricity, Destroys Churches. AINA News, 18 de junho de 2014.
  79. A guerra civil chega a Bagdá. Os milicianos xiitas fazem um alarde com desfiles armados e postos de controle. Por Ángeles Espinosa. El País, 21 de junho de 2014.
  80. "Veja a progressão dos jihadistas desde a saída dos EUA do Iraque". Página acessada em 28 de junho de 2014.
  81. «Irak denuncia que terroristas tomaron un antiguo depósito de armas químicas». Russia Today. Consultado em 20 de julho de 2014 
  82. When the chaos passes Kurds will be the big winners. Por David Blair. Independent.ie, 19 de junho de 2014
  83. Assyrian, Yezidi and Shabak Villages Are Now Under Kurdish Control in North Iraq. AINA News, 14 de junho de 2014.
  84. «Iraq forces launch push for insurgent-held city». AOL.com. Consultado em 28 de junho de 2014 
  85. "ISIS losing ground in Iraq, gaining it in Syria". Página acessada em 5 de julho de 2014.
  86. Agence France Presse. «Kurdish Leader: We Will Vote For Independence Soon». Business Insider. Consultado em 5 de julho de 2014 
  87. "Iraqi forces withdraw from Tikrit after being dealt a blow by Islamic State". Página acessada em 7 de agosto de 2014.
  88. "Ofensiva jihadista provoca fuga de 100 mil cristãos no Iraque". Página acessada em 7 de agosto de 2014.
  89. "Isis takes Iraq’s largest Christian town as residents told – 'leave, convert or die'". Página acessada em 7 de agosto de 2014.
  90. «Islamic State grabs Iraqi dam, oilfield after defeating Kurds». 3 de agosto de 2014 
  91. "Obama autoriza ataques aéreos dos EUA no Iraque". Página acessada em 8 de agosto de 2014.
  92. "Iraquianos e curdos tentam conter avanço do Estado Islâmico". Página acessada em 8 de agosto de 2014.
  93. "Obama says Iraqi, Kurdish forces have recaptured Mosul Dam with US air support". Página acessada em 18 de agosto de 2014.
  94. "Kurdish forces retake 2 towns from ISIS in northern Iraq". Página acessada em 10 de agosto de 2014.
  95. «Video shows ISIS beheading U.S. journalist James Foley». CNN. Consultado em 31 de agosto de 2014 
  96. "Pentagon admits failure of operation to free Americans held by jihadists". Página acessada em 31 de agosto de 2014.
  97. "Exército do Iraque rompe cerco jihadista e entra em cidade dominada". Página acessada em 31 de agosto de 2014.
  98. "Estados Unidos vão liderar coalizão contra avanço do Estado Islâmico". Página acessada em 15 de setembro de 2014.
  99. "Avanço jihadista fez Estados Unidos voltarem a intervir no Iraque". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  100. "ISIS encroaches on ultimate prize in Iraq". Página acessada em 10 de outubro de 2014.
  101. "Iraq claims key victory over ISIS". Página acessada em 14 de novembro de 2014.
  102. "Forças iraquianas libertam província de Dijalah do Estado Islâmico". Página acessada em 26 de janeiro de 2015.
  103. "Forças iraquianas tentam cercar Estado Islâmico em Tikrit". Página acessada em 3 de março de 2015.
  104. "Lessons From the Second Battle of Tikrit: March 2-April 4 2015". Página acessada em 5 de maio de 2015.
  105. "Key Iraqi city falls to ISIS as police, military retreat". Página acessada em 17 de maio de 2015.
  106. "Battle for Sinjar: IS-held town in Iraq 'liberated'". BBC news. Página acessada em 15 de novembro de 2015.
  107. "Iraq: Military retakes Ramadi from ISIS". Página acessada em 28 de dezembro de 2015.
  108. "Isis launches huge counter-attack in key stronghold city of Ramadi days after it was ‘liberated’". Página acessada em 3 de janeiro de 2016.
  109. "Thousands face starvation in Iraq's Fallujah as siege tightens". Página acessada em 26 de março de 2016.
  110. "Suicide bomber kills at least 60 at checkpoint". Página acessada em 26 de março de 2016.
  111. "UN Chief Offers Condolences to Iraq After IS Stadium Bombing". Página acessada em 26 de março de 2016.
  112. "Iraqi troops pay heavy price for Fallujah victory". Página acessada em 3 de julho de 2016.
  113. "Iraque lança ofensiva para retomar Mossul do Estado Islâmico". Página acessada em 17 de outubro de 2016.

Ver também[editar | editar código-fonte]