Bahrein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arrows-move.svg
Em 12 de janeiro de 2016 foi proposta a renomeação deste artigo para Barém/Barein. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: O título deste artigo viola a convenção de nomenclatura da Wikipédia que estabelece o uso das formas históricas da língua portuguesa atestadas pelas fontes lexicográficas (a forma Bahrein não se encontra atestada em nenhuma fonte lexicográfica lusófona fiável; Barém é a forma atestada pelas fontes lexicográficas oficiais de Portugal e Brasil; Barein/Bareine é a forma brasileira preferencial segundo Houaiss e Aurélio, mas não é utilizada em Portugal - fontes)
مَمْلَكَةُ البَحْرَين
(Mamlakat al-Baḥrayn)

Reino do Bahrein
Bandeira do Bahrein
Brasão de armas do Bahrein
Bandeira Brasão de armas
Hino nacional: Bahrainona
Gentílico: bareinita[1] [2] , baremita[3] [4] , baremense[5] , baremês[6] [7]

Localização do Barém

Localização do Bahrein (a verde) na Ásia (a cinzento).
Capital Manama
Cidade mais populosa Manama
Língua oficial Árabe e inglês
Governo Monarquia constitucional
 - Rei Hamad bin Isa al-Khalifa
 - Príncipe Herdeiro Salman bin Hamad bin Isa Al Khalifa
 - Primeiro-ministro Khalifa bin Salman al-Khalifa
Independência do Reino Unido 
 - Data (declarada) 14 de Agosto de 1971 
Área  
 - Total 750 km² (184.º)
População  
 - Estimativa de 2009 1 095 870 hab. (n/a.º)
 - Densidade 1 189,5 hab./km² (7.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 61,555 bilhões*[8]  
 - Per capita US$ 51 393[8]  
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 34,045 bilhões*[8]  
 - Per capita US$ 28 424[8]  
IDH (2014) 0,824 (45.º) – muito elevado[9]
Moeda Dinar bareinita (BHR)
Fuso horário UTC (UTC+3)
Org. internacionais Liga Árabe, ONU, Conselho de Cooperação do Golfo
Cód. ISO BHR
Cód. Internet .bh
Cód. telef. +973

Mapa do Barém

Bahrein[10] , Barém [11] [12] [13] [10] [14] [15] [16] [17] [18] , Barein[12] [2] [10] [17] ou Bareine[19] (em árabe: ‏البحرين Loudspeaker.svg? al-Baḥrayn) é um pequeno estado insular do Golfo Pérsico, com fronteiras marítimas com o Irão a nordeste, com o Catar a leste e com a Arábia Saudita a sudoeste. A sua capital é Manama. Os desertos, com sua esterilidade, cobrem mais de 30 ilhas componentes desse país árabe.

Na região do Golfo Pérsico, onde se situa o país, há muito se praticam atividades econômicas muito importantes, como o comércio e as comunicações. Mas, a continuidade do subdesenvolvimento do país perdurou até ser descoberto o petróleo, em 1932, na ilha mais importante, que em árabe também se chama "Bahrayn". Hoje em dia, o país tem um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano da região do Golfo.

O Barém foi um protetorado do Reino Unido entre 1861 e 1971, quando adquiriu sua independência.

Manama é a sede do governo, a cidade mais populosa e o principal centro comercial do país.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do país vem das palavras em língua árabe para "dois mares". A quais "dois mares" exatamente o nome do país se refere é tema que até a presente data gera debate. Alguns identificam os "dois mares" como as águas da baía nos dois lados da ilha. Outros acreditam que o nome se refere à posição do país como uma ilha do golfo pérsico, separada por "dois mares", o que a separa da Arábia ao sul e do Irã ao norte. Ainda há os que sugerem que o primeiro mar está em volta do país e o segundo "mar" metaforicamente representa a abundância natural de águas termais no interior da própria ilha.

Em português, a grafia mais tradicional para o nome do país é Barém[13] [10] [14] [15] [16] [17] [18] , encontrada já em Os Lusíadas de Luís de Camões[20] . No Brasil, acabou por tornar-se recentemente[21] muito difundida a forma homófona Barein[12] [2] [10] [17] (homófona à forma tradicional portuguesa, porém calcada nas transliterações francesa - Bahrain ou Bahrayn - ou inglesa - Bahreyn ou Bahrein - do topônimo).

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do Bahrein

As ilhas de Bahrein foram sempre compradas, vendidas e cobiçadas desde a Antiguidade, principalmente devido à sua posição geoestratégica privilegiada na região do Golfo. De 1521 a 1602, o país foi ocupado pelos portugueses. Em 1602 e com a ajuda dos ingleses as ilhas foram tomadas pelo Império Safávida tornando-se uma base estratégica e militar muito importante. Ahmad bin Khalifa, um príncipe oriundo da Arábia Saudita, conquistou as ilhas e obteve a sua independência do Império Afsharida em 1783. Vários tratados forçados, feitos no século XIX, determinaram que o arquipélago se transformasse num protetorado militar e comercial britânico. O Bahrein conseguiu novamente a independência (saindo da situação colonial de protetorado ocupado militarmente) em 1971 e transformou-se em emirado.

Em 1973 foi promulgada uma constituição que estabeleceu o regime monárquico tradicional e criou um sistema bicameral de conselhos, um conselho consultivo e um conselho dos representantes.

Em Fevereiro de 2011 eclodiu uma importante onda de protestos no país, em sintonia com os protestos no mundo árabe em 2010-2011.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Geografia do Bahrein
Pôr-do-sol no Bahrein.

O Bahrein é um arquipélago de trinta e cinco ilhas e ilhotas que fica no Golfo Pérsico, a leste da Arábia Saudita e a noroeste do Qatar, das trinta e cinco ilhas apenas, três são habitadas: Barein, Umm Nassam e Al Muharraq. A maior das ilhas é a dhkle Bahrein, com 16 km de extensão no sentido leste-oeste e 48 km no sentido norte-sul. A ilha principal é unida às pequenas ilhas de Muharraq e Sitra por uma estrada. Em 1986 uma ponte que liga Bahrein à Arábia Saudita foi inaugurada. A superfície total do país é de 692 km².

A altitude máxima no arquipélago barenita é a colina de Jabal Dukhan, com 130m, e que fica na ilha principal. O clima no país é árido, com temperaturas elevadas no verão, superando uma média de 28 °C, e moderadas no inverno, com média de 21 °C. As precipitações de chuvas não passam oitenta milímetros anuais, e se concentram no inverno. A escassez de água não impediu que as ilhas tenham algumas culturas de irrigação em torno dos mananciais na costa norte do país. O arquipélago possui cerca de 200 espécies vegetais. A fauna é formada por mamíferos, como a gazela, a lebre e o mangusto.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Demografia do Bahrein

Política[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Política do Bahrein
Rei Hamad bin Isa Al Khalifa do Bahrein.

O Bahrein é uma monarquia constitucional com um primeiro-ministro e um gabinete integralmente apontados pelo Monarca.

O atual primeiro-ministro (que é o mesmo desde 1971), bem como a totalidade do gabinete são da família real.

Esse estado tem órgãos bicamerais compostos por um conselho consultivo e um conselho dos representantes. Na teoria esses dois conselhos deveriam equilibrar-se, mas, na prática, o primeiro tem completa ascendência sobre o segundo, gerando algumas tensões entre a maioria da população que se opõe à monarquia governante e à minoria que a apoia. É interessante observar que no Bahrein a maioria da população (70%) é xiita, mas a família reinante Al Khalifa é sunita; todavia o Bahrein é um país relativamente estável e com poucos conflitos religiosos entre as duas vertentes muçulmanas

Símbolos nacionais[editar | editar código-fonte]

A bandeira nacional é formada por um pano vermelho, com uma faixa vertical de cor branca ao lado. A cor branca representa a trégua feita com os países vizinhos. A borda desta faixa, que separa as cores, tem forma de serra dentada de cinco pontas, representando os pilares do islão.

O brasão de armas foi desenhado nos anos 1930 pelo Conselheiro britânico do Rei do Bahrein (então o emir). O escudo contém o mesmo desenho encontrado na bandeira nacional com um escudo no centro. Consiste em um campo de gules com una franja dentada (com seis pontas) de prata, situada com o chefe. Ao redor do escudo apresentam-se lambrequíns de gules e prata que o decoram.

"Bahrainona" (Nosso Bahrein) é o hino nacional do Bahrein. Foi adoptado em 1971. A letra é de Mohamed Sudqi Ayyash (1925-), mas o autor da música é desconhecido.

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

O reino possui uma pequena, mas bem equipada força militar, denominada Forças de Defesa do Bahrein, totalizando cerca de 13.000 militares. O comandante supremo das forças armadas do Bahrein é o rei Hamad bin Isa Al Khalifa.[22]

O governo do Bahrein possui relações estreitas com os Estados Unidos, tendo assinado um acordo de cooperação militar, em 1991, que permitiu a instalação de uma frota naval norte-americana no país.[23]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Províncias do país.
Ver artigo principal: Subdivisões do Bahrein
Municipalidades

Antes de 3 de Julho de 2002, o Bahrein, encontrava-se dividido em doze municipalidades, estas eram administradas a partir da capital Manama e, posteriormente, transformaram-se em províncias.

Províncias
Ver artigo principal: Lista de províncias do Bahrein

O Bahrein está dividido em cinco províncias:

  1. Capital
  2. Central
  3. Muharraq
  4. Norte
  5. Sul

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia do Bahrein
Manama, capital e maior cidade do país.

A produção e o refinamento de petróleo responde a aproximadamente por 60% das exportações, 60% dos rendimentos do governo local e 30% do PIB. Com uma rede desenvolvida de transporte e comunicação, Bahrein sedia diversas firmas multinacionais com negócios no Golfo[24] .

Em 1932, foi descoberto petróleo em Awali, no centro da ilha de Bahrein. A extração do óleo era controlada por petrolíferas norte-americanas, mas passou em grande parte para a administração da BAPCO (Bahrein Petroleum Company). A extração de gás natural e petróleo adquiriu fundamental importância ao país. O arquipélago se tornou centro produtor e ponto de refinação e embarque do óleo cru vindo da Arábia Saudita, que o envia por um oleoduto submarino.

Com a renda do petróleo, diversos projetos industriais em outros segmentos estão em andamento, nas áreas de cimento, alumínio e construção naval. As antigas atividades piratas dos nativos foram substituídas pelo tráfego de frota mercante moderna. O desenvolvimento das atividades bancárias e de serviços transformou Bahrein num dos principais centros financeiros e comerciais do Médio Oriente. Esta situação é exemplificada por uma moderna rede de comunicações e pelo aeroporto internacional situado na ilha de Muharraq.

O uso das águas subterrâneas possibilita a prática da horticultura, porém, em quantidade insuficiente para atender toda a população. A tradicional coleta de ostras perolíferas quase desapareceu, em detrimento da menor rentabilidade que a cultura oferece perante a competição das pérolas cultivadas.

Entretanto, o desemprego, especialmente entre os jovens, e a deterioração dos lençóis subterrâneos de água são as principais preocupações nacionais a longo prazo.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cultura do Bahrein

A cultura do Bahrein é predominantemente árabe, além de ser islâmica, sendo muito semelhante à dos seus vizinhos da região do Golfo Pérsico. Nos últimos dois séculos, o Bahrein tornou-se, em grande parte uma nação cosmopolita, hospedando pessoas de uma variedade de lugares como a Índia, Paquistão, Irã, Egito, Malásia, além de países do Ocidente. Embora a religião oficial seja o Islã, o país é tolerante com outras religiões; igrejas católicas e ortodoxas, templos hindus, bem como uma sinagoga judaica estão presentes na ilha.

Feriados
Data Nome em português Nome local Observações

Referências

  1. http://www.priberam.pt/DLPO/bareinita
  2. a b c Almanaque Abril, ed.2010
  3. http://www.priberam.pt/DLPO/baremita
  4. http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/baremita
  5. http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/baremense
  6. http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/baremês
  7. Dicionário Aurélio, 6ªed.
  8. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), : (Outubro de 2014). "World Economic Outlook Database". Consult. 29 de outubro de 2014. 
  9. "Human Development Report 2015" (PDF) (em inglês). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 14 de dezembro de 2015. Consult. 24 de dezembro de 2015. 
  10. a b c d e Dicionário Aurélio, 6ª ed, tabela de países: traz o nome do país como Bahrein/Barém/Barein
  11. Vocabulário Onomástico da Academia Brasileira de Letras, 1999 (Lista de nomes de países e cidades na modalidade oficial da Língua Portuguesa no Brasil)
  12. a b c Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (versão digital, acesso em 27 de fevereiro de 2015) traz bareinita, baremês, baremense e baremita, indicando-as como gentílicos de Barém ou Barein
  13. a b "Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (dos oito países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa)". 
  14. a b Código de Redacção Interinstitucional da União Europeia
  15. a b Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Porto Editora (disponível na Infopédia)
  16. a b Fernandes, Ivo Xavier. Topónimos e Gentílicos. Porto: Editora Educação Nacional, Lda., 1941. vol. I.
  17. a b c d "Dicionário Priberam (se estiver selecionado português europeu, dá "Barém"; se estiver selecionado português brasileiro, dá "Barein")". 
  18. a b Os Lusíadas, de Luís de Camões: em mais de uma estrofe da obra, Camões menciona o país, exclusivamente sob a grafia Barém. Vide estrofe 41 do Canto X.
  19. Ministério das Relações Exteriores (Brasil)
  20. "Os Lusíadas, canto X". 
  21. Ciberdúvidas/ISCTE-IUL. "Ainda Barém, Barein e Bareine - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa". ciberduvidas.iscte-iul.pt. Consult. 2015-09-11. 
  22. Forças de Defesa do Bahrein
  23. Quinta Frota dos Estados Unidos
  24. Bahrain expected to bustle Arabian Business, 1 February 2007 (em inglês)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Bahrein