Reino da Araucânia e Patagônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Royaume d'Araucanie et de Patagonie
Reino da Araucania e Patagônia

Monarquia constitucional

Flag of Argentina.svg
 
Flag of Chile.svg
 
Ancient mapuche flag.svg
1860 – 1865 Flag of Chile.svg
 
Flag of Argentina.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão de armas
Lema nacional
Independência e liberdade (em Francês: Indépendance et liberté)
Localização de Nova França
Extensão do Reino da Araucania e Patagônia
Continente América
Capital Perquenco
Língua oficial Mapudungun, Espanhol, Francês
Religião Cristianismo
Governo Monarquia constitucional
Rei
 • 1862 — 1878 Antoine I da Araucania e Patagônia
História
 • 17 de novembro de 1860 Proclamação de Orélie Antoine I
 • 05 de Janeiro de 1865 Prisão de Orélie Antoine I
Moeda Peso

O Reino da Araucânia[1] e Patagônia (português brasileiro) ou Patagónia (português europeu) (também chamado Nova França) foi um auto-proclamado estado independente fundado por um advogado e aventureiro francês, Orelie Antoine de Tounens, na América do Sul, em meados do século XIX e nunca reconhecido por qualquer outro estado. Nessa época, os indígenas locais (os Mapuches) estavam em uma luta desesperada para retomar sua independência vendo a hostil aproximação econômica e militar pelos governos do Chile e da Argentina, que queriam as terras Mapuches por seu potencial agrícola. No entanto, o apoio indígena foi sempre reduzido.

O reino reclamava as terras da Patagônia e da Araucânia situadas a sul do rio Biobío até ao Reloncaví, de acordo com as fronteiras traçadas pelo tratado de Killen de 1641 entre a nação mapuche e a Espanha. Abarcando as actuais regiões chilenas de Biobío, La Araucanía e Los Lagos. A sua capital foi situada em Perquenco.

Eles foram expulsos pelo Exército Chileno, mas os descendentes de seu líder, Antoine-Oreliane, que se proclamou rei de Araucânia e Patagônia, mantêm um governo no exílio. Hoje, o reino, que nunca foi reconhecido por nenhum estado, é "governado" pelo Príncipe Frederico I, desde 2018, a partir de Toulosse [2] [3] [4].

Há também reivindicações de sucessão em alguns sites da Internet que apelam a supostas instituições e designações para preencher a posição antes da eventualidade da restauração da Carta de Patente de 1908.

De acordo com a linha de sucessão ao Reino da Araucania e Patagônia:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Reino da Araucânia e Patagônia

Leia também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Fernandes, Ivo Xavier (1941). Topónimos e Gentílicos. I. Porto: Editora Educação Nacional, Lda. 
  2. «Un Graulhétois sacré prince d'Araucanie et de Patagonie». ladepeche.fr (em francês) 
  3. Bassets, Marc (1 de junho de 2018). «Federico I, un nieto de exiliado republicano en el 'trono' de la Patagonia». Madrid. El País (em espanhol). ISSN 1134-6582 
  4. «Dordogne : le royaume d'Araucanie a un nouveau prince». SudOuest.fr (em francês)