Colonização francesa da América

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Colonização europeia
da América
Descoberta e exploração
Colonização alemã
Colonização curlandesa
Colonização dinamarquesa
Colonização escocesa
Colonização espanhola
Colonização francesa
Colonização galesa
Colonização inglesa
Colonização neerlandesa
Colonização portuguesa
Colonização russa
Colonização sueca
Colonização viquingue
Descolonização (Cronologia)
Cronologia
História da América
Carte de l'Amérique septentrionale et partie de la méridionale de Claude Bernou, 1681, mostrando as colónias francesas na América

O processo de colonização francesa da América iniciou-se no século XVI, no contexto das grandes navegações e da descoberta de novos territórios e rotas marítimas pelos europeus.

Seguindo-se a onda o rei Richard I , colonialista inaugurada por espanhóis e portugueses, franceses, ingleses e holandeses buscaram se instalar em regiões nas quais os primeiros colonizadores ainda não se estivessem estabelecidos, causando muitos conflitos e guerras entre os países colonizadores.

Os franceses conseguiram se fixar na América do Norte, nas regiões do Rio São Lourenço e dos Grandes Lagos. A partir de 1603, formaram as colônias de Terra Nova, Nova Escócia (Acádia) e Nova França (Canadá). Em 1608 foi fundada Québec e em 1643 Montreal. Em 1682 surgiu a cidade de Nova Orleans, localizada no vale no Rio Mississippi no Estado da Louisiana.

Assumiram o controle de algumas ilhas do Caribe (Hispaniola (República Dominicana e Haiti), Guadalupe, Martinica, Santa Lucia e Tobago) e de uma parte da América do Sul, que ficou conhecido como Guiana Francesa. As colônias comerciavam açúcar, peixe e frutas.

Para manter o controle das colônias, a Coroa francesa utilizou-se de autoridades locais. O povoamento foi pequeno, e as colônias acabaram servindo apenas como postos comerciais e estratégicos.

América do Norte[editar | editar código-fonte]

Assim como os portugueses e os espanhóis, os primeiros exploradores franceses que chegaram na região buscavam rotas paras as Índias e jazidas de metais preciosos. Em 1524, o rei da França enviou o explorador italiano Giovanni da Verrazano para explorar a região entre a Flórida e Terra Nova buscando um caminho para o Oceano Pacífico. Sem conseguir seu objetivo, ele contudo foi o primeiro europeu que a história oficial considera ter explorado a costa americana do Atlântico Norte (EUA e Canadá). Alguns acreditam que a Terra Nova foi descoberta em 1472 pelo navegador português João Vaz Corte Real, 20 anos antes de Cristóvão Colombo aportar na América.

Em 1534, Jacques Cartier fez a primeira das três viagens de exploração de Terra Nova e rio São Lourenço.

Em 1541, Cartier foi em busca do lendário Reino de Saguenay e fundou um povoado permanente no Rio São Lourenço. Em agosto de 1541 foi construído uma fortificação denominada Charlesbourg-Royal, depois abandonado, onde hoje fica Quebec. Cartie continuou a busca do lugar lendário e chegou ao rio Ottawa. Cartier voltou para a França em 1542.

Em 1562, o rei Carlos IX enviou Jean Ribault e um grupo de huguenotes (protestantes franceses) para fundar uma colônia no Norte da América. Eles exploraram o Rio St. Johns onde atualmente fica Jacksonville, Florida. O segundo em comando René Goulaine de Laudonnière fundou o Fort Caroline em 22 de junho de 1564. Em 1565 a Espanha através de Pedro Menéndez de Avilés fundou a colonia de St. Augustine a 60 km ao sul, ameaçando as forças francesas do Fort Caroline. Menéndez marchou com suas tropas e saqueou o Fort Caroline em 20 de setembro de 1565, assassinando muitos e fazendo com que a França abandonasse definitivamente a área.

Canadá e Grandes Lagos[editar | editar código-fonte]

No século XVI a França, que havia concentrado seus interesses no Canadá, fundou Tadoussac em 1599. Em 1608, Samuel de Champlain estabeleceu um posto comercial que deu origem a cidade de Quebec, que depois se tornaria a capital da Colônia Francesa do Norte da América. Em Quebec, Champlain foi forçado a se aliar a nativos contra o ataque dos índios iroqueses. A exploração dos Grandes Lagos prosseguiu e em 1634 Jean Nicolet chegou ao atual Wisconsin.

Em 1663, Louis XIV declarou a Nova França como uma colônia real. Foram enviadas embarcações contendo 775 mulheres para que se casassem com os assentados na região; a população na região começou a crescer e chegou a 85.000 pessoas em 1754.

Fora do domínio real, padres jesuítas e huguenotes continuaram a se estabelecer na região do rio Hudson e New York.

Louisiana[editar | editar código-fonte]

Trilhando caminhos abertos pelos exploradores Marquette e Jolliet e René-Robert Cavelier, os franceses viajaram pelo delta do Mississippi e em 1682 estabeleceram o território de Louisiana em homenagem a Luís XIV da França. Foram construídos postos comerciais e fortificações no novo território. Em 1684 foi construído o Forte Saint Louis, próximo a Victoria, Texas. Em 1699 a colônia de Louisiana já estava consolidada. Em 1718 foi fundada a cidade de New Orleans, futura capital da colônia. Em função dessa colonização, surgiram várias conflitos com os britânicos e nativos.

Fim da colônia francesa na América do Norte[editar | editar código-fonte]

Em 10 de fevereiro de 1763 foi assinado o Tratado de Paris, que dividiu o território francês entre britânicos e espanhóis. Durante as guerras napoleônicas, a França retomou algumas de suas possessões no Norte da América, após o Tratado de Santo Ildefonso (1796). Desinteressado pela área, Napoleão acabou vendendo o território da Louisiana para os EUA.

América do Sul[editar | editar código-fonte]

Entre 1555 ao 1567, huguenotes franceses sob a liderança do vice-almirante Nicolas Durand de Villegagnon, iniciaram aquilo que seria a futura colônia da França Antártica. Tentaram invadir o Brasil através da Guanabara (Rio de Janeiro), mas foram expulsos pelos nativos e por portugueses. Entre 1612 e 1615, tentaram novamente em São Luís no Maranhão.

A Guiana Francesa foi primeiro colonizada pelos franceses em 1604. De 1851 a 1951 foi o local em que se construiu a famigerada colônia penal da Ilha do Diabo (Île du Diable). Atualmente a Guiana continua sob o domínio da França.

Apesar de começarem a perder imensa costa que ia do nordeste da capitania de Itamaracá (depois denominada São Domingos e por fim Paraíba do Norte em diferenciação ao Paraíba do Meio em Alagoas e ao Paraíba do Sul em São Paulo) até as Guianas (portanto o nordeste sul-americano inteiro e partes do norte nas mãos de franceses, holandeses e ingleses) a partir de meados de 1585 com a fundação da primeira cidade ao norte de Salvador (que foi a única capital do Brasil com mais de 2 séculos seguidos com tal status) e vila de Olinda, os franceses foram a maior força europeia durante quase todo o século XVI na maior parte do nordeste sul-americano (na verdade até 1600 somente PB e o leste do RN haviam sido resgatados do domínio francês; do oeste do RN até o AP ainda eram de facto colônias francesas).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]