Índia britânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


O termo Índia britânica é a denominação não-oficial para o domínio colonial do Império Britânico sobre o subcontinente indiano, aqui entendido como a área geográfica que inclui os territórios atuais de Índia, Paquistão, Bangladesh (ex-Paquistão Oriental) e Mianmar (antes chamado "Birmânia"). Pode ser designado também pelo termo Raj britânico, do hindustâni rāj, "reino". No tempo, corresponde a um período desde 1858, quando os direitos da Companhia Britânica das Índias Orientais foram transferidos para a coroa britânica, até 1947, ano em que o Reino Unido passou a soberania sobre aquele território para os recém-criados Índia e Paquistão.[1]

Do ponto de vista formal, o termo "Índia britânica" aplicava-se apenas às porções do subcontinente governadas diretamente pela administração britânica em Deli e, anteriormente, Calcutá. A maior parte do território do subcontinente sob influência britânica naquela época não era governada diretamente pelos britânicos: os chamados "Estados principescos" eram nominalmente independentes, governados pelos seus marajás, rajás, thakurs e nababos, quem reconheciam o monarca britânico como seu suserano feudal por meio de tratados.[2]

Áden passou a integrar a Índia britânica a partir de 1839; a Birmânia, a partir de 1886. Ambos tornaram-se colônias separadas do Império Britânico em 1937. Embora o Sri Lanka (antigo Ceilão) possa ser considerado parte do subcontinente indiano, não integrava a Índia britânica, pois era governado como uma colônia diretamente de Londres e não pelo vice-rei da Índia.

O Estado Português da Índia e a Índia Francesa eram formadas por pequenos enclaves costeiros governados por Portugal e França, respetivamente. Foram integrados à Índia após a independência indiana.

História[editar | editar código-fonte]

Robert Clive após a Batalha de Plassey. A batalha começou o domínio da Companhia das Índias Orientais na Índia.

Em 31 de dezembro de 1600, a Rainha Isabel I da Inglaterra outorgou uma carta real à Companhia Britânica das Índias Orientais para comerciar com o oriente. Os primeiros navios da companhia chegaram à Índia em 1608, aportando em Surate, no que é hoje Guzarate.

Quatro anos mais tarde, comerciantes ingleses derrotaram os portugueses numa batalha naval e com isso ganharam a simpatia do imperador mogol Jahangir. Em 1615, o Rei Jaime I enviou um embaixador à corte mogol, negociando-se então um tratado de comércio pelo qual a companhia poderia erguer postos comerciais na Índia em troca de bens europeus. A companhia comerciava itens como algodão, seda, salitre, índigo e chá.

Em meados do século XVII, a companhia havia estabelecido postos comerciais nas principais cidades indianas, como Bombaim, Calcutá e Madras, ademais da primeira feitoria em Surat, erguida em 1612. Em 1670, o Rei Carlos II outorgou à companhia o direito de adquirir território, formar um exército, cunhar moeda e exercer jurisdição em áreas sob seu controle.

No final do século XVII, a companhia havia se tornado um "país" no subcontinente indiano, com considerável poder militar, e administrava três "presidências" (administrações coloniais regionais).

Os britânicos estabeleceram uma base territorial no subcontinente pela primeira vez quando tropas financiadas pela companhia derrotaram o Nababo bengalês Siraj Ud Daulah na batalha de Plassey, em 1757. As riquezas bengalesas foram expropriadas, o comércio local foi monopolizado pela companhia e a Bengala tornou-se um protetorado sob controle direto britânico. A fome de 1769 a 1773, causada pela exigência de que os fazendeiros e artesãos bengaleses trabalhassem por remuneração irrisória, matou dez milhões de pessoas. Catástrofe semelhante ocorreu quase um século depois, depois que o Reino Unido estendeu o seu controle sobre o subcontinente, quando 40 milhões de indianos morreram de fome em meio ao colapso da indústria local.

Expansão territorial britânica[editar | editar código-fonte]

Em 1773, o parlamento britânico instituiu o cargo de governador-geral da Índia.

Na virada para o século XIX, o governador-geral Lorde Wellesley começou a expandir os domínios da companhia em grande escala, ao derrotar Tipu Sahib, anexar Mysore, na Índia meridional, e remover a influência francesa do subcontinente. Em meados daquele século, o governador Dalhousie lançou a expansão mais ambiciosa da companhia, ao derrotar os siques nas Guerras Anglo-Siques (o que lhe permitiu anexar o Panjabe) e subjugar a Birmânia na Segunda Guerra Anglo-Birmanesa. Dalhousie também tomou pequenos Estados principescos como Satara, Sambalpur, Jhansi e Nagpur, com base na chamada "doutrina da preempção", segundo a qual a companhia poderia anexar qualquer principado cujo governante morresse sem herdeiros do sexo masculino. A anexação de Oudh em 1856 foi a última aquisição territorial da companhia, pois o ano seguinte viu a eclosão da revolta dos sipaios.

A revolta dos sipaios[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolta dos Sipais
Rebeldes indianos sendo executados durante a Revolta dos Sipaios.

Em maio de 1857, soldados nativos (hindus e muçulmanos) do exército da Índia britânica, conhecidos como sipaios, rebelaram-se em Meerut, marcharam sobre Délhi e ofereceram seus serviços ao imperador mogol Bahadur Shah II e o exigem que recupere seu trono; este se deixa envolver e torna-se o chefe declarado do levante. Assim, o norte e o centro da Índia mergulharam numa insurreição que durou um ano, dirigida contra a Companhia Britânica das Índias Orientais. Muitos regimentos nativos e reinos indianos juntaram-se à revolta, enquanto que outras unidades e reinos indianos apoiaram os britânicos.

Residência de um rico comerciante britânico na Índia em 1895.

Após sufocar a rebelião e retomar o controle da Índia, o governo britânico dissolveu a companhia e assumiu o governo direto da Índia. O imperador Bahadur Shah II foi julgado e condenado ao exílio em Rangum, e seus filhos, executados. A Rainha Vitória recebeu em 1877 o título de imperatriz da Índia.

Em Londres, criou-se o cargo de Secretário de Estado para a Índia. O governador-geral - chamado de vice-rei quando agia na qualidade de representante junto aos Estados principescos, que eram nominalmente soberanos -, sediado em Calcutá, passou a chefiar a administração da Índia britânica. Eram-lhe subordinados os governadores das províncias. O Serviço Civil da Índia foi, durante décadas, reservado aos britânicos, até que na década de 1910 admitiram-se alguns poucos indianos.

Em 1858, o vice-rei anunciou que os tratados anteriores celebrados com os Estados principescos seriam honrados, renunciando então à "doutrina da preempção". Cerca de 40 por cento do território indiano e 20 a 25 por cento da população permaneceram sob o controle dos 562 príncipes, com notável diversidade religiosa (muçulmanos, hindus, siques etc.) e étnica. Sua propensão à pompa e circunstância tornou-se proverbial (como atestam os sentidos figurados das palavras "marajá", "nababo" e "principesco" em português), enquanto que os seus territórios, que variavam em dimensões e riqueza, viram-se ultrapassados pelas transformações sociais e políticas que ocorreram em partes da Índia diretamente administradas pelos britânicos.

A Índia pós-1857 sofreu um período de calamidade sem precedentes com uma série de fomes: na segunda metade do século XIX, algo como 25 episódios de fome ocorreram em regiões como Tâmil Nadu, Biar e Bengala, causando entre 30 e 40 milhões de mortes. As fomes resultaram de secas naturais e de políticas econômicas e administrativas britânicas, como a transformação de terras agrícolas locais em latifúndios estrangeiros, restrições ao comércio interno, alta tributação de cidadãos indianos para financiar expedições malsucedidas no Afeganistão, medidas inflacionárias, e exportações de safras indianas de produtos básicos para o Reino Unido. A indústria local indiana também foi dizimada após a revolta de 1857. As fomes continuaram até a independência em 1947, como a Fome Bengalesa de 1943-44, que matou entre três e quatro milhões de indianos.

Primórdios do autogoverno[editar | editar código-fonte]

Datam do fim do século XIX as primeiras medidas britânicas para permitir maior envolvimento de indianos no governo do subcontinente, como o Indian Councils Act de 1892 e o Government of India Act de 1909, que colocaram indianos em cargos de aconselhamento ao vice-rei e de representação legislativa. Aos poucos, adotou-se o princípio eletivo para o preenchimento dos cargos legislativos centrais e provinciais, embora a elegibilidade fosse restrita às classes altas indianas. Entretanto, nem o governador-geral, nem os governadores provinciais passaram a ser responsáveis perante os legislativos locais.

Em 1885, formou-se o Partido do Congresso Nacional Indiano, para buscar ampliar a participação indiana no governo. Em 1906, criou-se a Liga Muçulmana, com objetivo similar.

Após a Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de coroação do Rei Jorge V como Imperador da Índia durante o Delhi Durbar de 1911.
Mapa do Império Britânico no seu auge, em 1919, com a Índia britânica destacada em violeta.

A importante contribuição da Índia aos esforços do Império Britânico durante a Primeira Guerra Mundial estimulou os indianos a exigir maior voz no governo. O Partido do Congresso Nacional Indiano e a Liga Muçulmana acordaram propor uma reforma constitucional que incluía o conceito de eleitorados separados e a exigência de autogoverno. Em 1919, o governo britânico ampliou a autoridade dos conselhos legislativos central e provinciais, mas o governador-geral continuou a ser responsável perante Londres apenas.

As reformas de 1919 não satisfizeram as exigências políticas indianas. Os britânicos reprimiram a oposição e reinstituíram as restrições à imprensa e ao movimento. Uma aparente violação das regras sobre ajuntamento de pessoas levou ao massacre de Jalianwala Bagh em Amritsar, em abril de 1919. Aquela tragédia galvanizou dirigentes políticos como Jawaharlal Nehru (1889–1964) e Mohandas Karamchand "Mahatma" Gandhi (1869–1948) e seus seguidores a pressionar por mudanças.

Em 1935, uma revisão da situação constitucional indiana manteve a separação dos eleitorados e estabeleceu a autonomia das províncias, transformando os conselhos legislativos em assembleias legislativas eleitas (apenas alguns poucos assentos continuaram a ser preenchidos mediante indicação), perante as quais eram responsáveis todos os ministros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Oxford English Dictionary, 3rd edition (June 2008), on-line edition (September 2011): "spec. In full British Raj. Direct rule in India by the British (1858–1947); this period of dominion."
  2. Kaul, Chandrika. «From Empire to Independence: The British Raj in India 1858–1947». Consultado em 3 de março de 2011