Estado da Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estado Português da Índia)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o tipo de subdivisão administrativa indiana, veja Subdivisões da Índia.
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Estado da Índia

Índia Portuguesa

Colónia portuguesa
Província ultramarina portuguesa

1505 — 1961 
Bandeira de Portugal   Brasão da Índia Portuguesa
Bandeira de Portugal Brasão da Índia Portuguesa
Map of Portuguese India.png
Evolução da Índia Portuguesa
Continente Ásia
Capitais Cochim (1505-1530)
Goa (1530-1843)
Nova Goa(1843-1961)

Língua oficial português
Outros idiomas concani
Religiões hinduísmocatolicismoislão
Moeda rupia da Índia Portuguesa
escudo da Índia Portuguesa

Forma de governo administração colonial
Governador do Estado da Índia ou vice-rei
•  1505–1509   Francisco de Almeida (primeiro)
•  1958-1961   Vassalo e Silva (último)

História  
•  20 de maio de 1498   Chegada de Vasco da Gama a Calecute
•  1505   Ocupação da ilha de Angediva por Francisco de Almeida
•  1961   Anexação pela Índia
Estados antecessores e sucessores
  Índia
Flag of India.svg

O Estado da Índia ou Índia Portuguesa foi um Estado ultramarino português, fundado em 1505, seis anos após a descoberta da rota entre Portugal e o subcontinente indiano, com vista a servir de referência administrativa para uma cadeia de fortificações, feitorias e colónias ultramarinas. O primeiro vice-rei foi D. Francisco de Almeida, que estabeleceu o seu governo em Cochim. Os governadores subsequentes não receberam o título de vice-rei.

Em 1530, a capital do Estado da Índia foi transferida para Goa e, antes do século XVIII, o governador português ali estabelecido exercia sua autoridade em todas as possessões portuguesas no oceano Índico, desde a monção[necessário esclarecer] do cabo da Boa Esperança, a oeste, passando pelas Ilhas Molucas, Macau e Nagasáqui (esta não formalmente parte dos domínios portugueses) ao leste. Em 1752, Moçambique passou a ter um governo próprio e, em 1844, foi a vez dos territórios de Macau, Solor e Timor, restringindo a autoridade do governador do Estado da Índia às possessões portuguesas na costa do Malabar, assim permanecendo até 1961.

Antes da independência da Índia, ocorrida em 1947, os territórios portugueses restringiam-se a Goa, Damão, Diu, e Dadrá e Nagar-Aveli. Portugal perdeu o controlo efetivo dos enclaves de Dadrá e Nagar-Aveli em 1954 e, finalmente, o resto dos territórios do subcontinente indiano em dezembro de 1961, quando foram tomados por uma operação militar indiana. Apesar da tomada pela Índia dos territórios portugueses no subcontinente, Portugal reconheceu oficialmente o controlo indiano somente em 1975, após a Revolução de 25 de Abril e da queda do Estado Novo.

A Índia Portuguesa existiu entre 1505 a 1961, sofrendo variações geográficas ao longo de seus mais de quatro séculos de existência.

Os primeiros contactos (1415-1505)[editar | editar código-fonte]

As navegações: Reconhecimento da costa ocidental africana[editar | editar código-fonte]

A expansão portuguesa teve início quando a armada portuguesa, encabeçada pelo rei D. João I em pessoa, aporta e toma a cidade portuária de Ceuta, em 21 de agosto de 1415. Portugal, assim, além do primeiro estado europeu formado, foi também o primeiro a extrapolar os limites do continente europeu. As causas que levaram à ocupação de Ceuta foram sobretudo de natureza estratégica, uma vez que Ceuta era uma cidade importante para o controlo das rotas marítimas entre o mar Mediterrâneo e o oceano Atlântico, por meio do controlo do Estreito de Gibraltar)[1]. A partir de 1415, os portugueses entraram em África, assegurando uma presença contínua por mais de 550 anos.

Dom Henrique, popularmente conhecido como Infante de Sagres ou O Navegador, foi um infante português e a mais importante figura do início da Era dos Descobrimentos

A Era das Descobertas, cujas origens remontam à segunda e terceira décadas do século XV, está principalmente associada ao terceiro filho de D. João I, o Infante D. Henrique. A sua posição como membro da família real, Protetor da Ordem de Cristo desde 1420, permitiu-lhe amealhar um grande capital, necessário para as viagens marítimas, com o objetivo de importar diretamente o primeiro carregamento de escravos para o Reino de Portugal, comércio que, em 1441, era claramente deficitário. Além de ter de contornar as margens áridas do atual Saara Ocidental, os assentamentos instalados em Marrocos não permitiam o desenvolvimento permanente da colonização ou do comércio, assim como estreitaram as relações iniciais entre as expedições guerreiras e as ambições portuguesas.[2]

Após a desastrosa derrota em Tânger em 1437, causada em grande parte por erros táticos do Infante D. Henrique,[3] o foco passou a estar na procura de novas fontes de ouro e prata.

Na década de 1450, D. Henrique arquitetou um plano para chegar às fabulosas riquezas da Índia, em particular às especiarias, inicialmente designando uma região na África Oriental, na região da atual Etiópia.[4]. A ideia de estabelecer contactos com a verdadeira Índia teve origem em D. Afonso V, cerca de 1470, [5] sendo depois aperfeiçoada através da elaboração de um admirável projeto liderado por seu filho D. João II, cognominado o "Príncipe Perfeito", na década de 1480.[6] [7] D. João II tentou encontrar uma conexão com Oriente, tanto por terra como por mar. O seu emissário, Pêro da Covilhã, foi bem sucedido entre 1488 e 1489, vendo com os próprios olhos a riqueza comercial do Oriente. Até ao final do ano de 1493 atingiu a Abissínia, considerada ser governada (.. ou seja, Negus, isto é, o Rei dos Reis) a partir do segundo trimestre do século XIV por Preste João.

O acesso efetivo à Ásia, efetivamente só podia ser assegurado pelo mar, cabendo a decisão final ao sucessor de D. João II, D. Manuel. Este primeiro teve de superar a relutância dos patrocinadores em Lisboa em relação a um empreendimento de risco, exigindo uma concentração de forças no comércio nos bancos costeiros da África Ocidental. Em última análise, no entanto, apesar da oposição do Conselho Real, enviou em 1497 uma frota liderada por Vasco da Gama um pouco mais para sul,[8] com o claro objetivo de chegar à Índia.

A viagem de Vasco da Gama como marco[editar | editar código-fonte]

Ver também: Vasco da Gama

O primeiro contacto português com a Índia deu-se a 20 de maio de 1498, quando Vasco da Gama atracou em Calecute. Após alguns conflitos com os mercadores árabes que detinham o monopólio das especiarias através de rotas terrestres, Vasco da Gama conseguiu assegurar uma carta de concessão para as trocas comerciais com o Samorim, o governador de Calecute. Aí deixou alguns portugueses que estabeleceram um porto comercial.

Chegada de Vasco da Gama a Calecute, Índia, a 20 de maio de 1498

Mas, os portugueses foram incapazes de pagar os direitos aduaneiros prescritos e preço de seus bens em ouro[9].

Mais tarde, funcionários de Calecute detiveram temporariamente agentes de Vasco da Gama como garantia de pagamento. Isso, no entanto, irritou Gama, que levou alguns nativos e dezesseis pescadores com ele pela força[A]. No entanto, a expedição de Vasco da Gama foi bem sucedida além de qualquer expectativa razoável, levando em carga que era de sessenta vezes o custo da expedição.

Pedro Álvares Cabral e o estabelecimento da primeira feitoria portuguesa[editar | editar código-fonte]

A frota de Pedro Álvares Cabral chegou a Calecute em 13 de setembro de 1500.[10][11][12] Cabral obteve êxito nas negociações com o samorim (título dado ao governante de Calecute) e obteve autorização para instalar uma feitoria e um armazém na cidade-estado.[13] Na esperança de melhorar ainda mais as relações, Cabral despachou seus homens em várias missões militares a pedido do Samorim.[14] No entanto, em 16[15] ou 17[16] de dezembro, a feitoria sofreu um ataque de surpresa por cerca de 300[15] (de acordo com outros relatos, talvez até milhares)[13] árabes muçulmanos e indianos hindus. Apesar da defesa desesperada dos besteiros, mais de 50 portugueses foram mortos.[B][14][15] Os defensores restantes se retiraram para os navios, alguns a nado. Pensando que o ataque fora resultado de incitação não-autorizada de comerciantes árabes invejosos, Cabral esperou 24 horas para obter uma explicação do governante de Calecute, mas nenhum pedido de desculpas foi apresentado.[14][16][17]

Os portugueses ficaram indignados com o ataque à feitoria e com a morte de seus companheiros e atacaram 10 navios mercantes dos árabes ancorados no porto. Mataram cerca de 600 tripulantes[14] e confiscaram o carregamento antes de incendiar os navios.[16][17] Cabral também ordenou que seus navios bombardeassem Calecute por um dia inteiro em represália à violação do acordo.[16][17] O massacre foi atribuído, em parte, à animosidade portuguesa em relação aos muçulmanos, resultante de séculos de conflitos com os mouros na Península Ibérica e no norte da África.[18] Além disso, os portugueses estavam determinados a dominar o comércio de especiarias e não tinham a intenção de permitir que a concorrência florescesse. Os árabes também não tinham interesse em permitir que os portugueses quebrassem seu monopólio sobre as especiarias. Os portugueses haviam começado por insistir em que lhes fosse dado tratamento preferencial em todos os aspectos do comércio. A carta de D. Manuel I entregue por Cabral ao governante de Calecute — traduzida pelos intérpretes árabes deste — pedia a exclusão dos comerciantes árabes. Os comerciantes muçulmanos, acreditando que estavam prestes a perder suas oportunidades comerciais e sua forma de subsistência,[19] teriam tentado colocar o governante hindu contra os portugueses. Portugueses e árabes eram muito desconfiados uns dos outros, em cada ação.[20]

Os portugueses perceberam que "eram poucos em número e que aqueles que viriam à Índia nas frotas futuras também estariam sempre em desvantagem numérica; então esta traição deveria ser punida de forma tão decisiva que os portugueses fossem temidos e respeitados no futuro. Era a sua artilharia superior que lhes permitiria realizar esse objetivo". Assim sendo, os portugueses estabeleceram um precedente para o comportamento dos exploradores europeus na Ásia durante os séculos seguintes.[21]

Vasco da Gama partiu para a Índia com 15 navios e 800 homens, que chegam em Calecute em 30 de outubro de 1502, onde o governante estava disposto a assinar um tratado. Gama desta vez fez uma chamada para expulsar todos os muçulmanos (árabes) de Calecute, o que foi veementemente rejeitado. Ele bombardeou a cidade e capturou vários navios de arroz[22]. Ele voltou a Portugal em setembro 1503.

Formação de Estado da Índia (1505-1515)[editar | editar código-fonte]

O estado da Índia foi constituído em 1505 com a nomeação do primeiro vice-rei, D. Francisco de Almeida, inicialmente estabelecido em Cochim, seis anos após a descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama. Em 1510 recebeu nome oficial de Estado da Índia, devido a expansão territorial efetuada por Afonso de Albuquerque, que conquistou Goa tornando-a a sede da presença portuguesa no subcontinente indiano.

Francisco de Almeida[editar | editar código-fonte]

Em 25 de março 1505, Francisco de Almeida foi nomeado vice-rei da Índia , com a condição de criar quatro fortes na costa sudoeste da Índia: em Ilha de Angediva, Cananor, Cochim e Coulão [C].

Em 13 de setembro, Francisco de Almeida chegou a Ilha de Angediva, onde ele imediatamente iniciou a construção do Forte de Angediva[23]. Em 23 de outubro, com a permissão do governante amigável Cananor, ele começou a construir a Fortaleza de Santo Ângelo de Cananor, deixando Lourenço de Brito no comando com 150 homens e dois navios[23]

Francisco de Almeida, em seguida, chegou a Cochim em 31 de outubro de 1505 com apenas 8 navios[23]. Lá, ele aprendeu que os comerciantes portugueses em Coulão haviam sido mortos. Ele decidiu enviar seu filho Lourenço de Almeida com 6 navios, que destruíram 27 Calecute. Navios no porto de Coulão[23] Almeida fixou residência em Cochim. Ele reforçou as fortificações portuguesas da Fortaleza de Cochim.

O Samorim preparou uma grande frota de 200 navios para se opor aos portugueses, mas em março 1506 Lourenço de Almeida (filho de Francisco de Almeida) foi vitorioso em uma batalha de mar na entrada do porto de Cananor, sendo a Batalha de Cananor, um revés importante para a frota do Samorim. Então Lourenço de Almeida explorou as águas costeiras ao sul de Colombo, no que é hoje Sri Lanka. Em Cananor, no entanto, um novo governante, hostil ao Português e amigável ao Samorim, atacaram a guarnição portuguesa, levando ao Cerco de Cananor.

Em 1507 a missão de Almeida foi reforçada pela chegada da esquadra de Tristão da Cunha. A esquadra de Afonso de Albuquerque tinha, no entanto, separa-se da de Cunha na África Oriental e foi conquistando territórios de forma independente no Golfo Pérsico para o oeste.

Em março 1508 uma esquadra portuguesa, sob o comando de Lourenço de Almeida foi atacada por um combinado na Batalha de Chaul. Lourenço de Almeida perdeu a vida depois de uma briga feroz nesta batalha. A resistência de Mamluk foi, no entanto, a ser definitivamente derrotada na Batalha de Diu.

Afonso de Albuquerque[editar | editar código-fonte]

Em 1510, o almirante Afonso de Albuquerque derrotou os sultões de Bijapur, numa disputa entre a soberania do território de Timayya, o que levaria ao estabelecimento dos portugueses na Goa. Goa tornava-se, assim, o centro do governo da Índia e o local de residência do vice-rei da Índia.

A era florescente (1515-1580)[editar | editar código-fonte]

Novas e Velhas Conquistas

Entretanto, os portugueses conquistavam vários territórios aos sultões do Guzerate: Damão (ocupado em 1531, formalmente cedido em 1539), Salsete, Bombaim e Baçaím (ocupado a 1534) e Diu (cedido em 1535). Estas possessões tornaram-se a "Província do Norte" do Estado da Índia, estendendo-se por 100 km de costa desde Damão a Chaul. A província era governada a partir da fortaleza de Chaul.

Velhas Conquistas de Goa[editar | editar código-fonte]

As chamadas Velhas Conquistas correspondem ao grupo de quatro concelhos de Goa incorporados no Estado da Índia no século XVI, desde o início do domínio português[24].

Os concelhos das Velhas Conquistas são:

Vista de Goa em 1509, in Braun e Hogenberg, 1600

A influência portuguesa no Japão, Ceilão, e da costa leste da África[editar | editar código-fonte]

O Império Português atingiu proporções gigantescas, com base no desenvolvimento do comércio (negociava-se praticamente tudo), e a cooperação muito bem sucedida entre a Coroa e a Cruz, por meio da Evangelização. Sua influência se estendia, neste contexto, desde a costa do Brasil, no oeste, às ilhas Molucas, no leste. Em 1557 o imperador chinês arrendou Macau aos portugueses por causa da ajuda destes na luta chinesa contra os piratas japoneses e da restrição, imposta pela China, do comércio direto com Japão (de 1549 a 1550), onde os primeiros marinheiros portugueses chegaram por volta do ano 1542–1543, inaugurando o comércio intermediado pelos portugueses, usando a carraca, entre os dois países do Extremo Oriente.

Incursões piratas japonesas do século XVI

Os conflitos entre japoneses e chineses se acirram durante a Dinastia Ming. Em 1479, o vice-presidente do Ministério da Guerra queimou os registros do tribunal que documentavam as viagens de Zheng He; esse foi um dos muitos eventos que sinalizavam a mudança chinesa na política externa.[25] As leis navais que foram implementadas restringiam os navios a um pequeno tamanho; o declínio da marinha Ming permitiu o crescimento da pirataria ao longo da costa chinesa.[26] Piratas japoneses - ou wokou – começaram a saquear navios chineses e comunidades costeiras, apesar de grande parte da pirataria ter sido realizada por chineses nativos.[26]

Em vez de montar um contra-ataque, as autoridades Ming optaram por encerrar as instalações costeiras e matar os piratas de fome; todo o comércio exterior teve de ser realizado pelo Estado, por missões tributárias formais.[26] Estas políticas eram conhecidos como as leis hai jin, que instituíam uma proibição rigorosa da atividade privada marítima até a abolição formal, em 1567.[26] Neste período de controlo estatal, o comércio exterior com o Japão foi realizado exclusivamente pelo porto de Ningbo, o comércio com as Filipinas exclusivamente em Fuzhou, e com a Indonésia exclusivamente em Cantão.[27] Depois disso os japoneses só foram autorizados no porto uma vez a cada dez anos, e eram autorizados a levar um máximo de trezentos homens em dois navios; estas leis chinesas encorajaram muitas pessoas a empenharem-se na comercialização ilegal do comércio e na generalização do contrabando.[27]

Imagem de uma carraca portuguesa.

Os portugueses, na rota entre Macau e Nagasáqui, depois dos anos 1549 - 1639, carregavam seda e ouro chineses, bem como prata e cobre japoneses, o que se tornou uma fonte regular de renda para os portugueses e para Coroa, que estavam entre as mais altas de toda a área de influência portuguesa na Ásia. Por meio dessa rota para o Japão seguiam também armas de fogo europeias, o que contribuiu largamente para a unificação do Japão, já que tinham acesso a apenas uma parte da sociedade japonesa. Porém, em última análise, esse comércio de armas voltou-se contra os portugueses, que foram expulsos do Japão entre 1638 e 1639. [28]

O alcance máximo da influência portuguesa em Ceilão (atual Sri Lanka

Com alguma reserva, pode ser aplicado ao Império Português na Ásia o conceito de talassocracia, ou seja, o domínio exercido pelo controlo das rotas marítimas, enquanto a dominação territorial foi implementada em poucos lugares, em pequenas extensões [29]. As áreas no entorno de Goa, foram conquistadas até 1543, sendo chamadas de velhas conquistas, juntamente com o Centro da “Província do Norte”, em Baçaim, o Ceilão e a bacia do rio Zambeze na África Oriental.

Exploradores portugueses, liderados por D. Lourenço de Almeida, chegaram pela primeira vez no atual Sri Lanka em 1505. Durante a sua primeira visita, eles fizeram um tratado com o rei de Kotte, Parakramabahu VIII, que lhes permitiu negociar a safra de canela, que ficava ao longo das áreas costeiras da ilha, inclusive nas ilhas de Colombo.[30] Como parte do tratado, foi dada aos portugueses plena autoridade sobre a costa, em troca da promessa de proteger a costa contra invasores. Eles foram autorizados a estabelecer um posto comercial em Colombo.[30] Dentro de um curto espaço de tempo, no entanto, que, em seguida, resultou na expulsão dos habitantes muçulmanos de Colombo, começou-se a construir um forte na localidade em 1517.[30]

Os portugueses logo perceberam que o controlo do Sri Lanka era necessário para a proteção de seus estabelecimentos no litoral da Índia, e eles começaram a manipular os governantes do reino de Kotte para ganhar o controlo da área. Depois de explorar as rivalidades dentro da família real, os portugueses assumiram o controlo de uma grande área do reino, e o rei cingalês Mayadunne estabeleceu um novo reino em Sitawaka, um domínio no reino Kotte.[30] Em pouco tempo ele anexou a maior parte do reino de Kotte e forçou os portugueses a recuar para Colombo, que foi repetidamente assediada por Mayadunne e os reis posteriores do Sitawaka, forçando-os a buscar reforço de sua base principal em Goa, na Índia.[30] Após a queda do reino em 1593, os portugueses foram capazes de estabelecer o controlo total sobre a zona costeira, tendo Colombo como sua capital.[30][31] Esta parte de Colombo ainda é conhecido como Fort e abriga o palácio presidencial e a maioria dos hotéis cinco estrelas da cidade. A área fora da região do Fort é conhecida como Pettah e é um centro comercial.[30] Houve um crescimento de influência portuguesa no Ceilão depois de restaurar a força em Colombo em 1554, levando à absorção do reino local do Kotte (1580), após o qual o monarca Português foi proclamado rei do Ceilão (1597), a liquidação do reino rival - cingaleses Sítávaky (1594), e Tamil JAPÃO (Jaffna) (1619 - 1621), e o controlo de fato de grande áreas do norte, oeste e sul da ilha. Porém, apesar das tentativas da administração portuguesa na Índia de considerar a possibilidade de transferir o seu centro de Goia para o Ceilão na virada dos séculos XVI e XVII com a subjugação montanha reino Kandy, no entanto, a ideia morreu na Batalha de Randeniwela, perto de Vellavaya (1630) [32].

O declínio do poder Português (1580-1669): Guerra global[editar | editar código-fonte]

Bombaim foi cedida ao Reino Unido em 1661 como dote do casamento entre a Infanta Catarina de Bragança, Princesa da Beira, e o rei Carlos II de Inglaterra. A maioria da província foi, entretanto, perdida para os maratas até 1739. Portugal apoderou-se de Dadrá e Nagar-Aveli em 1779.

Reorganização, estabilização e declínio (1669-1961)[editar | editar código-fonte]

Novas conquistas de Goa[editar | editar código-fonte]

Entre 1713 e 1788 a superfície de Goa triplica com a incorporação das Novas Conquistas. As designadas Novas Conquistas correspondem ao grupo de sete concelhos de Goa, ao sul, ao norte e a leste, que foram acrescentados ao Estado da Índia em pleno século XVIII, mais de 200 anos depois do início do domínio português[24].

Mapa de Goa, in Histoire générale des Voyages, de la Harpe, 1750

Os concelhos das Novas Conquistas foram:

Inconfidência de Goa (1787)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conjuração dos Pintos

A Inconfidência de Goa, também chamada Conjuração dos Pintos, foi uma tentativa de derrubar o regime português em Goa, no Estado da Índia, em 1787.

Vários clérigos e militares, naturais da região, sentiam-se discriminados nas promoções de suas carreiras, por motivos raciais. O grupo dos conspiradores era liderado pelo padre José António Gonçalves de Divar, e incluía o nome de José Custódio Faria (depois conhecido como "Abade Faria").

Denunciada, a conspiração foi exemplarmente reprimida pelas autoridades portuguesas. O padre Divar conseguiu escapar e viria a morrer em Bengala. O Abade Faria escapou para a França, onde alcançaria a fama. Dos demais implicados, a maioria dos religiosos foi mantida em detenção nos calabouços da Fortaleza de São Julião da Barra, em Portugal, durante muitos anos, sem qualquer julgamento oficial e aberto. Os leigos, após um inquérito sumário, foram julgados por "alta traição" e condenados à morte na forca, sendo os seus corpos esquartejados.

Em termos de historiografia o episódio foi estudado no século XIX pelo erudito Joaquim Heliodoro da Cunha Rivara.

Mudança da capital (1843)[editar | editar código-fonte]

Em 1843 a capital é mudada para Pangim, então renomeada "Nova Goa", quando se tornou oficialmente a sede administrativa da Índia Portuguesa, em substituição a cidade de Goa (atualmente Velha Goa), embora o vice-rei já morasse lá desde 1 de dezembro de 1759. Antes de se mudar para a cidade, o vice-rei remodelou a fortaleza do Idalcão, transformando-a num palácio.

Territórios portugueses no subcontinente indiano[editar | editar código-fonte]

Territórios do Império Português e outras potências europeias na Índia

Inicialmente o rei D. Manuel I de Portugal tentou a distribuição do poder por três Governadores com áreas de jurisdição distintas, contudo o cargo foi centralizado por Afonso de Albuquerque, que se tornou plenipotenciário, e assim permaneceu.

Durante dois séculos abrangeu todas as possessões portuguesas no Índico; só em 1752 Moçambique passou a dispor de governo próprio (com a criação do Estado da África Oriental) e, em 1844, o Estado da Índia deixou também de administrar os territórios de Macau, Solor e Timor, vendo-se assim confinado ao Malabar.

Entre estes territórios, incluíam-se:

e ainda:

Portugal detinha os direitos sobre vários enclaves na costa indiana, cuja posse datava da época dos Descobrimentos, logo após a ligação marítima ter sido estabelecida por Vasco da Gama.

Independência da Índia e relações com Portugal (1947-1961 / 1974)[editar | editar código-fonte]

Após a independência indiana concedida pelos britânicos, em 1947, Portugal recusou-se a aceder ao pedido da Índia para rescindir a sua posse. No entanto, a atitude era condenada pela Assembleia das Nações Unidas, que se pronunciou a favor da Índia.

Proposta de Bandeira do Estado Português da Índia

Em 1954, Portugal perdia os primeiros territórios ultramarinos: Dadrá e Nagar-Haveli. A Índia impediu Portugal de deslocar militares para a sua defesa, acabando por anexar formalmente os enclaves em agosto de 1961.

O Tribunal de Haia decretou que «tanto o bloqueio como a posterior invasão dos territórios de Dadrá e Nagar-Aveli em 1954 tinha sido ilegal, e a Índia deveria devolver a Portugal a sua posse». A União Indiana chegou a tentar secretamente que Portugal retirasse a queixa, prometendo «esquecer» a questão de Goa por algum tempo. Mas como a Índia não estava disposta a renunciar a Goa, Portugal recusou o acordo"[33].

Em dezembro de 1961, a União Indiana invadia os territórios de Goa, Damão e Diu, e, no ano seguinte, a ilha de Angediva. No entanto, Salazar recusava-se a reconhecer a soberania indiana sobre os territórios, mantendo-os representados na Assembleia Nacional até 1974, altura em que se deu a Revolução de 25 de Abril de 1974. A partir de então, Portugal pôde restabelecer as relações diplomáticas com a Índia, começando pelo reconhecimento da soberania indiana sobre o antigo Estado Português da Índia. No entanto, aos seus habitantes que o pretendessem foi dada a possibilidade de manterem a cidadania portuguesa.

Até à independência da Índia em 1947 manteve Goa, Damão, Diu, Nagar Haveli e Dadrá. Perdeu estes dois últimos enclaves em 1954, e por fim as três restantes praças em dezembro de 1961, quando foram ocupadas pela União Indiana (embora Portugal só reconhecesse a ocupação após a Revolução de 25 de Abril, em 1974). Terminou assim, após quatro séculos e meio de domínio português, o Estado Português da Índia. Muitas vezes a Índia Portuguesa é referida como apenas Goa, já que esta foi, durante anos, a principal praça comercial.

Património da humanidade[editar | editar código-fonte]

A cidade de Velha Goa foi fundada no século XV pelos governantes muçulmanos do Sultanato de Bijapur como um porto às margens do rio Mandovi. A povoação foi tomada em 1510 por Afonso de Albuquerque, primeiro vice-rei da Índia, com a ajuda do corsário Timoja, permanecendo quase continuamente sob domínio português até ao século XX.

Igreja do Rosário, em estilo manuelino tardio, a mais antiga de Goa

Igrejas e Conventos de Velha Goa é o nome dado pela UNESCO para um conjunto de monumentos religiosos localizado em Goa Velha, no estado de Goa, na Índia, declarado Património Mundial em 1986. Goa foi a antiga capital das índias portuguesas e um centro de evangelização da Ásia a partir do século XVI. As justificativas de inclusão dos monumentos religiosos de Goa na lista de Património Mundial são[34]: 1) a influência dos monumentos na difusão de formas artísticas ocidentais - os estilos manuelino, maneirista e barroco - por toda a Ásia onde se estabeleceram missões católicas; 2) o valor do conjunto de monumentos de Goa como exemplo excepcional que ilustra o trabalho de evangelização e 3) o valor específico da presença na Basílica do Bom Jesus da tumba de Francisco Xavier, que ilustra um evento de importância mundial: a influência da religião católica na Ásia na Era Moderna.

Notas de rodapé[editar | editar código-fonte]

  1. ^ O incidente é mencionado por Camões em Os Lusíadas em que se afirma que o Samorin "não mostrou sinais de traição" e que, por outro lado, o comportamento de Vasco da Gama na execução de cinco homens que ele havia aprisionado a bordo de seus navios é indefensável.
  2. ^ Outras fontes fornecem números que variam entre 20 e 70 portugueses feridos ou assassinados.[17]
  3. ^ Francisco de Almeida deixou Portugal com uma frota de 22 navios com 1.500 homens. [23]

Referências

  1. Soares 1962, p. 526–528.
  2. Unali 2004, p. 206.
  3. Santos 1960, p. 69.
  4. Albuquerque 1994, p. 388.
  5. Thomaz 2009, p. 18.
  6. Costa 1992, p. 38.
  7. Thomaz 1998, p. 149–167.
  8. Thomaz 1998, p. 192.
  9. Narayanan 2006.
  10. Greenlee 1995, p. xxii.
  11. Diffie 1977, p. 194..
  12. Bueno 1998, p. 118.
  13. a b McClymont 1914, p. 27.
  14. a b c d Kurup 1997, p. 10.
  15. a b c Bueno 1998, p. 119.
  16. a b c d McClymont 1914, p. 28.
  17. a b c d Greenlee 1995, p. xxiii.
  18. Greenlee 1995, p. xxiv.
  19. Greenlee 1995, p. xxv.
  20. Greenlee 1995, p. xxvi.
  21. Greenlee 1995, p. xxiv, xxxiii.
  22. Sreedhara 1967, p. 152.
  23. a b c d e Logan 2004, p. 312.
  24. a b Pereira 1991, p. 10.
  25. Fairbank 2006, p. 138.
  26. a b c d Fairbank 2006, p. 139.
  27. a b Ebrey 1999, p. 211.
  28. Boxer 1977, p. 83-84.
  29. Pearson 1990, p. 91.
  30. a b c d e f g «EUROPEAN ENCROACHMENT AND DOMINANCE - Sri Lanka Table of Contents». Country Studies. 22 de outubro de 2007. Consultado em 18 de dezembro de 2013 
  31. Ross,, Russell R.; Savada, Andrea Matles (1990-08-14). Sri Lanka: A Country Study. Defence Dept., Army. pp. 360p. ISBN 978-0-16-024055-3.
  32. Codrington 1970, p. 98-114.
  33. O Ultimatum da União Indiana
  34. Relatório da UNESCO sobre Goa

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Livros
  • Albuquerque, Luís de (1994). Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses. Lisboa: Caminho, Círculo de Leitores. ISBN 972-42-0834-6 
  • Andrada (undated). The Life of Dom John de Castro: The Fourth Vice Roy of India. Jacinto Freire de Andrada. Translated into English by Peter Wyche. (1664). Henry Herrington, New Exchange, London. Facsimile edition (1994) AES Reprint, New Delhi. ISBN 81-206-0900-X.(em inglês)
  • Azeredo, Carlos de (2004). Trabalhos e Dias de um Soldado do Império. Porto: Livraria Civilização Editora. ISBN 9789722621427 (em português)
  • Boxer, Charles Ralph (1977). Império Colonial Português. Lisboa: Edições 70. ISBN 972-44-0846-9 (em português)
  • Boxer, Charles Ralph (1980). Morskie imperium Holandii 1600–1800. Gdaňsk: Morskie. ISBN 9788321532332 (cs)
  • Boxer, Charles Ralph (1958). Portuguese and Dutch Colonial Rivalry 1641–1661 (em inglês). Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos 
  • Boxer, Charles Ralph (1988). Relações raciais no império colonial português 1415–1825 2ª ed. Porto: Afrontamento (em português)
  • Bueno, Eduardo (1998). A viagem do descobrimento. a verdadeira história da expedição de Cabral. Rio de Janeiro: Objetiva. ISBN 85-7302-202-7 (em português)
  • Codrington, Humphrey William (1970). A short history of Ceylon (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  • Costa, João Paulo Oliveira e; Rodrigues, Victor Luís Gaspar (1992). Portugal y Oriente. El Proyecto Indiano del Rey Juan. Madrid: Editorial MAPFRE. 349 páginas  (em espanhol)
  • Diffie, Bailey Wallys; Boyd C. Shafer; George Davison Winius (1977). Foundations of the Portuguese empire, 1415–1580 (em inglês). 1. Minneapolis: University of Minneapolis Press. ISBN 0-8166-0782-6 
  • Diffie, Bailey Wallys; George Davison Winius (1993). A fundação do império português 1415–1580. II. Lisboa: Vega. ISBN 92726993938 Verifique |isbn= (ajuda)  (em português)
  • Disney, Anthony R. (2009). A History of Portugal and the Portuguese Empire (em inglês). II. New York: Cambridge University Press. ISBN 9780521603973 
  • Ebrey, Patricia Buckley (1999). The Cambridge Illustrated History of China. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-66991-X 
  • Fairbank, John King; Merle Goldman (2006). China: A New History; Second Enlarged Edition (em inglês). [S.l.: s.n.] ISBN 0-674-01828-1  Texto "Cambridge" ignorado (ajuda); Texto "The Belknap Press of Harvard University Press" ignorado (ajuda);
  • Greenlee, William Brooks (1995). The voyage of Pedro Álvares Cabral to Brazil and India. from contemporary documents and narratives (em inglês). Nova Déli: J. Jetley 
  • Huygh, Edith; Huygh, François-Bernard (1997). Lovci koření na cestě do bájné Indie. Praha: Volvox Globator. ISBN 80-7207-108-4 (cs)
  • Klíma, Jan (2007). Dějiny Portugalska. Praha: NLN. ISBN 978-80-7106-903-4 (cs)
  • Klíma, Jan (2000). Dekolonizace portugalské koloniální říše. Hradec Králové: Gaudeamus (cs)
  • Klíma, Jan (2010). Portugalská Indie. Praha: Libri (cs)
  • Klíma, Jan (1995). Portugalská koloniální říše. Hradec Králové: Gaudeamus (cs)
  • Kurup, K. K. N. (1997). India's naval traditions. the role of Kunhali Marakkars (em inglês). Nova Déli: Northern Book Centre. ISBN 81-7211-083-9 
  • Logan, William (2004). Malabar Manual (em inglês). New Delhi: Asian Educational Services. ISBN 81-206-0447-4 
  • Malekandathil (2002). Portuguese Cochin and the Maritime Trade of India 1500–1663 (em inglês). New Dilli: [s.n.]  Texto "nome: Pius" ignorado (ajuda)
  • Mathew, K. M (1988). History of the Portuguese Navigation in India (em inglês). New Delhi: [s.n.] ISBN 81-7099-046-7 
  • Mathew, K. S. (ed.) (2003). Maritime Malabar and the Europeans 1500–1962 (em inglês). New Delhi: [s.n.] 
  • Monteiro, Armando da Silva Saturnino (1989). Batalhas e combates da marinha portuguesa (1139 - 1521) Volume 1, Livraria Sá da Costa Ed. ed. Lisboa: [s.n.] (em português)
  • McClymont, James Roxbury (1914). Pedraluarez Cabral (Pedro Alluarez de Gouvea). his progenitors, his life and his voyage to America and India (em inglês). Londres: Strangeways & Sons 
  • Narayanan, M.G.S. (2006). Calicut: The City of Truth (em inglês). Calecute: Calicut University Publications. ISBN 81-7748-104-5 
  • Newitt, Malyn (2005). A history of portuguese overseas expansion 1400–1668 (em inglês). Porto: Routledge. 320 páginas. ISBN 978-0415239790 
  • Newitt, Malyn (1997). História de Moçambique (impresso) Publicações Europa-América ed. Sintra: [s.n.] (em português)
  • Pearson, Michael Nayron (1990). Os portugueses na Índia. Lisboa: Teorema, Jornal. ISBN 972-695-100-3 (em português)
  • Pereira, A. B. de Bragança (1991). Etnografia da Índia Portuguesa. Nova Déli: Asian Educational Services. ISBN 812060640X (em português)
  • Santos, Domingos Maurício Gomes dos (1960). D. Duarte e as responsabilidades de Tanger (1433–1438) (impresso) Comissão Executiva do V Centenário da morte do Infante D. Henrique ed. Lisboa: [s.n.] (em português)
  • Schreiber, Hermann (1974). Mořeplavci, cestovatelé, objevitelé. 4000 let objevných cest (impresso). Praha: [s.n.] (cs)
  • Sreedhara Menon, A. (1967). Survey Of Kerala History (em inglês). Kerala: DCBooks 
  • Skřivan, Aleš; Křivský, Petr (1980). Moře, objevy, staletí. Praha: Mladá fronta (cs)
  • Strnad, Jaroslav; Filipský, Jan; Holman, Jaroslav; Vavoušková, Stanislava; Krása, Miloslav (2003). Dějiny Indie. Praha: NLN. ISBN 80-7106-493-9 (cs)
  • Subrahmanyam, Sanjay (1996). O império asiático português 1500–1700. Lisboa: Difel. ISBN 972-29-0328-4 (em português)
  • Tracy, James D. (1997). The Political Economy of Merchant Empires. State Power and World Trade, 1350–1750 (em inglês). New York: Cambridge University Press. ISBN 9780521574648 
  • Thomaz, Luís Filipe F. R. (1998). De Ceuta a Timor 2ª ed. Lisboa: Difel. 780 páginas. ISBN 9789722903080 (em português)
  • Trickett, P. (2007). Beyond Capricorn. How Portuguese adventurers discovered and mapped Australia and New Zealand 250 years before Captain Cook (em inglês). Adelaide: East Street Publications. 304 páginas. ISBN 9780975114599 
  • Unali, Anna (2004). Ceuta 1415 (impresso). Los Orígenes de la Expansión Europea en África. Ceuta: Archivo Central (Ceuta). Consultado em 12 de junho de 2015 (em espanhol)
  • Veen, Ernst van (2000). Decay or Defeat?. An Inquiry into the Portuguese Decline in Asia 1580–1645 (em inglês). Leiden: The Netherlands: Research School of Asian, African,and Amerindian Studies, Center for Non-Western Studies. 306 páginas. ISBN 9057890518 
Documentos
Periódicos
  • Soares, Torquato de Sousa (1962). «Algumas Observações sobre a Política Marroquina da Monarquia Portuguesa». Coimbra: Instituto de História Económica e Social. Revista Portuguesa de História (impresso). X: 526–528 (em português)
  • Boxer, Charles Ralph: A Note on Portuguese Reactions to the Revival of the Red Sea Spice Trade and the Rise of Atjeh 1540–1600, in: Journal of Southeast Asian History, 1969, s. 415–428(em inglês)
  • Boxer, Charles Ralph: A Portuguese Eldorado: Monomotapa and Mozambique, in: Geographical Magazine, sv. 33, č. 5, London 1960, s. 285(em inglês)
  • Emmer, Peter C.: The first global war: The Dutch versus Iberia in Asia, Africa and the New World 1590–1609, in: E-Journal of Portuguese history, 2003, sv. 1, č. 1, s. 6 Elektronická verze článku(em inglês)
  • Silva, Beatriz Basto da: Entre Goa e Macau – Rivalidade Luso-holandesa no século XVII, in: Boletim de Centro de Estudos Marítimos de Macau, 1989, č. 2, s. 86(em português)
  • Thomaz, Luís Filipe F. R. (2009). «D. Manuel, a Índia e o Brasil» (digital). São Paulo: USP. Revista de História (161): 13-57 (18). ISSN 0034-8309. Consultado em 12 de junho de 2015 (em português)
  • Thomaz, Luís Filipe: Estrutura política e administrativa do Estado da Índia no século XVI, in: II Seminário Internacional sobre a História Indo-Portuguesa, Lisboa 1985, s. 524(em português)
Portais na Web

Ver também[editar | editar código-fonte]