Implantação da República Portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Implantação da República
Ilustração alusiva à Proclamação da República Portuguesa a 5 de outubro de 1910
Localização  Portugal
Data De 2 de Outubro a 5 de Outubro de 1910
Resultado Fim da Monarquia Constitucional
Implantação de um regime republicano em Portugal
Implantação da República Portuguesa - Introdução

A Implantação da República Portuguesa foi o resultado de uma revolução organizada pelo Partido Republicano Português, iniciada no dia 2 e vitoriosa na madrugada do dia 5 de outubro de 1910, que destituiu a monarquia constitucional e implantou um regime republicano em Portugal.

A subjugação do país aos interesses coloniais britânicos[1] , os gastos da família real[2] , o poder da igreja, a instabilidade política e social, o sistema de alternância de dois partidos no poder (os progressistas e os regeneradores), a ditadura de João Franco[3] , a aparente incapacidade de acompanhar a evolução dos tempos e se adaptar à modernidade — tudo contribuiu para um inexorável processo de erosão da monarquia[4] portuguesa do qual os defensores da república, particularmente o Partido Republicano, souberam tirar o melhor proveito[5] . Por contraponto, o partido republicano apresentava-se como o único que tinha um programa capaz de devolver ao país o prestígio perdido e colocar Portugal na senda do progresso.[6]

Após a relutância do exército em combater os cerca de dois mil soldados e marinheiros revoltosos entre 3 e 4 de outubro de 1910, a República foi proclamada às 9 horas da manhã do dia seguinte da varanda dos Paços do Concelho de Lisboa[7] . Após a revolução, um governo provisório chefiado por Teófilo Braga dirigiu os destinos do país até à aprovação da Constituição de 1911 que deu início à Primeira República.[8] Entre outras mudanças, com a implantação da república, foram substituídos os símbolos nacionais: o hino nacional e a bandeira[9] [10] .

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O ultimatum britânico e o 31 de janeiro[editar | editar código-fonte]

Implantação da República PortuguesaAntecedentes - O ultimatum britânico e o 31 de janeiro
O Mapa Cor-de-Rosa, que originou o ultimato britânico de 1890

A 11 de janeiro de 1890 o governo britânico de Lord Salisbury enviou ao governo português um ultimato[11] , na forma de "Memorando", exigindo a retirada das forças militares portuguesas chefiadas pelo major Serpa Pinto do território compreendido entre as colónias de Angola e Moçambique (nos actuais Zimbabwe e Zâmbia), zona reivindicada por Portugal ao abrigo do Mapa Cor-de-Rosa[12] .

A pronta cedência portuguesa às exigências britânicas foi vista como uma humilhação nacional por amplas franjas da população e das elites[13] , iniciando-se um profundo movimento de descontentamento em relação ao novo rei de Portugal, D. Carlos, à família real e à instituição da monarquia, vistos como responsáveis pelo alegado processo de decadência nacional. A situação agravou-se com a severa crise financeira ocorrida entre 1890-1891, quando as remessas dos emigrantes no Brasil cairam 80% com a chamada crise do encilhamento[14] na sequência da proclamação da república no Brasil dois meses antes,[15] , acontecimento que era seguido com apreensão pelo governo monárquico[16] e com júbilo pelos defensores da república em Portugal.[17] [18] Os republicanos souberam capitalizar este descontentamento, iniciando um crescimento e alargamento da sua base social de apoio que acabaria por culminar no derrube do regime[19] .

Placa evocativa na Rua de 31 de Janeiro, no Porto.

Em 14 de Janeiro o governo progressista caiu e o líder regenerador António de Serpa Pimentel foi nomeado para formar novo governo.[20] Os progressistas passaram então a atacar o rei D. Carlos, votando em candidatos republicanos nas eleições de março desse ano, contestando o acordo colonial então assinado com os britânicos.[14] Alimentando um ambiente de quase insurreição, a 23 de março de 1890, António José de Almeida, na época estudante da Universidade de Coimbra e, mais tarde, Presidente da República, publicou um artigo com o título "Bragança, o último"[21] , que seria considerado calunioso para o rei e o levaria à prisão.

A 1 de abril de 1890, o velho explorador Silva Porto imolou-se envolto numa bandeira portuguesa no Kuito, em Angola, após negociações falhadas com os locais, sob ordens de Paiva Couceiro, o que atribuiu ao ultimatum. A morte do que fora um dos rostos da exploração interior africana gerou uma onda de comoção nacional[22] e o seu funeral foi seguido por uma multidão no Porto.[23] [24] A 11 de abril foi posto à venda o Finis Patriae de Guerra Junqueiro, ridicularizando a figura do rei[25] .

Na cidade do Porto, no dia 31 de janeiro de 1891, registou-se um levantamento militar contra a monarquia constituído principalmente por sargentos e praças[26] . Os revoltosos, que tinham como hino uma canção de cariz patriótico composta em reação ao ultimato britânico, "A Portuguesa",[27] tomaram os Paços do Concelho, de cuja varanda, o jornalista e político republicano Augusto Manuel Alves da Veiga proclamou a implantação da república em Portugal e hasteou uma bandeira vermelha e verde, pertencente ao Centro Democrático Federal[28] . O movimento foi, pouco depois, sufocado por um destacamento da guarda municipal que se manteve fiel ao governo, resultando 12 mortos e 40 feridos. Os revoltosos capturados foram julgados, tendo 250 sido condenados a penas entre os 18 meses e os 15 anos de degredo em África[29] . "A Portuguesa" foi proibida.

Embora tendo fracassado, a revolta de 31 de janeiro de 1891 foi a primeira grande ameaça sentida pelo regime monárquico e um prenúncio do que viria a suceder quase duas décadas mais tarde[30] .

O Partido Republicano Português[editar | editar código-fonte]

Implantação da República Portuguesa O pensamento e a ciência são republicanos, porque o génio criador vive de liberdade e só a República pode ser verdadeiramente livre [...]. O trabalho e a indústria são republicanos, porque a actividade criadora quer segurança e estabilidade e só a República [...] é estável e segura [...]. A República é, no Estado, liberdade [...]; na indústria, produção; no trabalho, segurança; na nação, força e independência. Para todos, riqueza; para todos, igualdade; para todos, luz." Implantação da República Portuguesa

 — Antero de Quental, in República, 11-05-1870[31]

O movimento revolucionário de 5 de outubro de 1910 deu-se na sequência da ação doutrinária e política que, desde que foi criado em 1876, o Partido Republicano Português (PRP) foi desenvolvendo, com o objetivo de derrubar o regime monárquico.[32]

Ao fazer depender o renascimento nacional do fim da monarquia, o Partido Republicano conseguiu demarcar-se do Partido Socialista Português, que defendia a colaboração com o regime em troca de regalias para a classe operária, e atraiu em torno de si a simpatia dos descontentes.[32]

Deste modo, os desentendimentos dentro do partido acabaram por residir mais em questões de estratégia política do que ideológica. O rumo ideológico do republicanismo português já fora traçado muito antes, pelas obras de José Félix Henriques Nogueira, pouco se alterando ao longo dos anos, exceto em termos de adaptação posterior à realidade do país. Para isso contribuíram as obras de Teófilo Braga que tentou concretizar as ideias descentralizadoras e federalistas, abandonando o caráter socialista em prol dos aspetos democráticos. Esta mudança visou, também, cativar a pequena e média burguesia, que se tornou uma das principais bases de militância republicana. Nas eleições de 13 de outubro de 1878 o PRP conseguiu eleger o seu primeiro deputado, José Joaquim Rodrigues de Freitas, pelo Porto.[33]

Pretendeu-se, também, que o derrube da monarquia tivesse uma mística messiânica, unificadora, nacional e acima de interesses particulares das diversas classes sociais.[34] Esta panaceia que deveria curar, de uma vez, todos os males da Nação, reconduzindo-a à glória, foi acentuando cada vez mais duas vertentes fundamentais: o nacionalismo e o colonialismo. Desta combinação resultou o definitivo abandono do iberismo, patente nas primeiras teses republicanas de José Félix Henriques Nogueira[35] , identificando-se os monárquicos e a monarquia com antipatriotismo e cedência aos interesses estrangeiros. Outra forte componente da ideologia republicana foi o acentuado anticlericalismo[36] , devido à teorização de Teófilo Braga, que identificou a religião como um empecilho ao progresso e responsável pelo atraso científico de Portugal, em oposição aos republicanos, vanguarda identificada com a ciência, o progresso e o bem-estar.[37]

Azedo Gneco discursando num comício republicano em Lisboa.

As questões ideológicas não eram, como se viu, fundamentais na estratégia dos republicanos: para a maioria dos seus simpatizantes, que nem sequer conhecia os textos dos principais manifestos, bastava ser contra a monarquia, contra a Igreja e contra a corrupção política dos partidos tradicionais. Esta falta de preocupação ideológica não quer dizer que o partido não se preocupasse com a divulgação dos seus princípios. A ação de divulgação mais eficaz foi a propaganda feita através dos seus comícios e manifestações populares e de jornais como A Voz Pública, no Porto, e O Mundo (a partir de 1900) e A Luta (a partir de 1906), em Lisboa.[1]

A propaganda republicana foi sabendo tirar partido de alguns factos históricos de repercussão popular. As comemorações do terceiro centenário da morte de Luís de Camões, em 1880, e o Ultimatum britânico, em 1890, por exemplo, foram amplamente aproveitadas, apresentando-se os republicanos como os verdadeiros representantes dos mais puros sentimentos nacionais e das aspirações populares.[32]

O terceiro centenário de Camões foi comemorado com grandes cerimónias: um cortejo cívico que percorreu as ruas de Lisboa, no meio de grande entusiasmo popular e, também, a trasladação dos restos mortais de Camões e de Vasco da Gama para o Mosteiro dos Jerónimos[38] . As luminárias e o ar de festa nacional que caraterizaram as comemorações complementaram o quadro de exaltação patriótica. A ideia das comemorações camonianas partira da Sociedade de Geografia de Lisboa, mas a execução foi confiada a uma comissão constituída por, entre outros, Teófilo Braga, Ramalho Ortigão, Batalha Reis, Magalhães Lima e Pinheiro Chagas, figuras cimeiras do Partido Republicano.[39]

Para além de Rodrigues de Freitas, também Manuel de Arriaga, José Elias Garcia, Zófimo Consiglieri Pedroso, José Maria Latino Coelho, Bernardino Pereira Pinheiro, Eduardo de Abreu, Francisco Teixeira de Queirós, José Jacinto Nunes e Francisco Gomes da Silva foram eleitos deputados, representando o PRP em diversas sessões legislativas entre 1884 e 1894. Desta data e até 1900 não houve representação parlamentar republicana. Nesta fase, em que esteve afastado do parlamento, o partido empenhou-se na sua organização interna.[1]

Após um período de grande repressão ao PRP, o movimento republicano pôde entrar novamente na corrida às legislativas em 1900, elegendo quatro deputados: Afonso Costa, Alexandre Braga, António José de Almeida e João Duarte de Meneses.[1]

O regicídio de 1908[editar | editar código-fonte]

Reconstituição anónima do Regicídio publicada no jornal "Folha Volante".

A 1 de fevereiro de 1908, quando regressavam a Lisboa vindos de Vila Viçosa, no Alentejo, onde haviam passado a temporada de caça, o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro Luís Filipe foram assassinados em plena Praça do Comércio[40] .

O atentado ficou a dever-se ao progressivo desgaste do sistema político português, vigente desde a Regeneração[41] , em grande parte devido à erosão política originada pela alternância de dois partidos no poder: o Progressista e o Regenerador. O rei, como árbitro do sistema político, papel que lhe era atribuído pela Constituição, havia designado João Franco para o lugar de presidente do Conselho de Ministros (chefe do governo)[42] . Este, dissidente do Partido Regenerador, conseguiu convencer o rei a encerrar o parlamento para poder implementar uma série de medidas com vista à moralização da vida política[43] [41] . Com esta decisão acirrou-se toda a oposição, não só apenas a republicana, mas também a monárquica, liderada pelos políticos rivais de Franco que o acusavam de governar em ditadura[43] . Os acontecimentos acabaram por se precipitar na sequência da questão dos adiantamentos à Casa Real (regularização das dívidas régias ao Estado) e da assinatura do decreto de 30 de janeiro de 1908 que previa o degredo nas colónias, sem julgamento, aos envolvidos numa intentona republicana fracassada ocorrida dois dias antes, o Golpe do Elevador da Biblioteca[44] .

Implantação da República Portuguesa Vi um homem de barba preta [...] abrir a capa e tirar uma carabina [...]. Quando [o] vi [...] apontar sobre a carruagem percebi bem, infelizmente, o que era. Meu Deus, que horror o que então se passou! Logo depois do Buíça ter feito fogo [...] começou uma perfeita fuzilada, como numa batida às feras! Aquele Terreiro do Paço estava deserto, nenhuma providência! Isso é que me custa mais a perdoar ao João Franco... Implantação da República Portuguesa

 — D. Manuel II[45]

A família real encontrava-se então no Paço Ducal de Vila Viçosa[44] , mas os acontecimentos levaram o rei D. Carlos a antecipar o regresso a Lisboa, tomando o comboio na estação de Vila Viçosa na manhã do dia 1 de fevereiro. A comitiva régia chegou ao Barreiro ao final da tarde, onde, para atravessar o Tejo, tomou o vapor D. Luís, desembarcando no Terreiro do Paço, em Lisboa, por volta das 17 horas[46] . Apesar do clima de grande tensão, o rei optou por seguir em carruagem aberta, com uma reduzida escolta, para demonstrar normalidade[44] . Enquanto saudavam a multidão presente na praça, a carruagem foi atingida por vários disparos. Um tiro de carabina atravessou o pescoço do rei[46] , matando-o imediatamente[44] . Seguiram-se vários disparos, sendo que o príncipe real conseguiu ainda alvejar um dos atacantes, sendo em seguida atingido na face por um outro disparo[44] . A rainha, de pé, defendia-se com o ramo de flores que lhe fora oferecido, fustigando um dos atacantes, que subira o estribo da carruagem, gritando "Infames! Infames!".[14] O infante D. Manuel foi também atingido num braço.[14] Dois dos regicidas, Manuel Buíça, professor primário, e Alfredo Costa, empregado do comércio e editor, foram mortos no local. Outros fugiram. A carruagem entrou no Arsenal da Marinha, onde se verificou o óbito do rei e do herdeiro ao trono.[14]

Após o atentado, o governo de João Franco foi demitido e foi lançado um rigoroso inquérito que, ao longo dos dois anos seguintes, veio a apurar que o atentado fora cometido por membros da Carbonária[47] . O processo de investigação estava já concluído nas vésperas do 5 de outubro de 1910. Entretanto, tinham sido descobertos mais suspeitos de envolvimento direto, sendo que alguns estavam refugiados no Brasil e em França e dois, pelo menos, tinham sido mortos pela própria Carbonária[48] .

A Europa ficou chocada com este atentado, uma vez que D. Carlos era muito estimado pelos restantes chefes de estado europeus[49] . O regicídio de 1908 acabou por abreviar o fim da monarquia ao colocar no trono o jovem D. Manuel II e lançando os partidos monárquicos uns contra os outros[40] .

A agonia da monarquia[editar | editar código-fonte]

Implantação da República Portuguesa As suas demonstrações de força [dos republicanos] nas ruas de Lisboa — por exemplo, a de 2 de Agosto de 1909, que reuniu cinquenta mil pessoas, numa disciplina impressionante — fazem eco aos tumultos organizados na Assembleia por alguns deputados republicanos. Foi na noite desse dia 2 de Agosto que compreendi que a coroa estava em jogo: quando o rei, com razão ou sem ela, é contestado ou rejeitado por uma parte da opinião, deixa de conseguir cumprir o seu papel unificador. Implantação da República Portuguesa

 — Amélia de Orleães[50]

Devido à sua tenra idade (18 anos) e à forma trágica e sangrenta como alcançou o trono, D. Manuel II auferiu inicialmente de uma simpatia generalizada[51] . O jovem rei começou por nomear um governo de consenso, presidido pelo almirante Francisco Joaquim Ferreira do Amaral. Este governo de acalmação, como ficou conhecido, apesar de lograr acalmar momentaneamente os ânimos, teve duração breve.[52] A situação política rapidamente voltou a degradar-se, tendo-se sucedido sete governos em dois anos. Os partidos monárquicos voltaram às costumeiras questiúnculas e divisões, fragmentando-se, enquanto o Partido Republicano continuava a ganhar terreno. Nas eleições de 5 de abril de 1908, a última legislativa na vigência da monarquia, foram eleitos sete deputados, entre os quais Estêvão de Vasconcelos, Feio Terenas e Manuel de Brito Camacho. Nas eleições de 28 de agosto de 1910 o partido teve um resultado arrasador, elegendo 14 deputados, dez deles por Lisboa[53] .

No entanto, apesar dos evidentes êxitos eleitorais alcançados pelo movimento republicano, o setor mais revolucionário do partido advogava a luta armada como melhor meio de tomar o poder a curto prazo. Foi esta fação que saiu vitoriosa do congresso do partido realizado em Setúbal entre 23 e 25 de abril de 1909[54] . O diretório, composto pelos moderados Teófilo Braga, Basílio Teles, Eusébio Leão, José Cupertino Ribeiro e José Relvas, recebeu do congresso o mandato imperativo de fazer a revolução. As funções logísticas de preparação da intentona foram confiadas a elementos mais radicais. O comité civil era formado por Afonso Costa, João Chagas e António José de Almeida, enquanto que o almirante Cândido dos Reis liderava o comité militar[55] . António José de Almeida ficou encarregue da organização das sociedades secretas, como a Carbonária — em cuja chefia se integrava o comissário naval António Machado Santos[56] —, a Maçonaria[57] e a "Junta Liberal", dirigida por Miguel Bombarda. A este eminente médico ficou a dever-se uma importante ação de propaganda republicana junto do meio burguês e que trouxe muitos simpatizantes à causa republicana[58] .

O período entre o congresso de 1909 e a eclosão da revolução foi marcado por uma grande instabilidade e agitação política e social[59] , com várias ameaças de sublevação pondo a revolução em risco devido à impaciência do pessoal da marinha, chefiado por Machado Santos, que estava disposto a todos os riscos.[60]

A revolta[editar | editar código-fonte]

A 3 de outubro de 1910 estalou a revolta republicana que já se avizinhava no contexto da instabilidade política[61] . Embora muitos envolvidos se tenham esquivado à participação — chegando mesmo a parecer que a revolta tinha falhado — esta acabou por suceder graças à incapacidade de resposta do governo, que não conseguiu reunir tropas que dominassem os cerca de duzentos revolucionários que na Rotunda resistiam de armas na mão[62] .

Os primeiros movimentos dos revolucionários[editar | editar código-fonte]

O primeiro-ministro Teixeira de Sousa

No verão de 1910 Lisboa fervilhava de boatos e várias vezes foi o presidente do Conselho de Ministros (primeiro-ministro) Teixeira de Sousa, avisado de golpes iminentes[63] . A revolução não foi exceção: o golpe era esperado pelo governo[64] , que a 3 de outubro deu ordem para que todas as tropas da guarnição da cidade ficassem de prevenção. Após o jantar oferecido em honra de D. Manuel II pelo presidente brasileiro Hermes da Fonseca, então em visita de Estado a Portugal[65] , o monarca recolheu-se ao Paço das Necessidades, enquanto seu tio e herdeiro jurado da coroa, o infante D. Afonso, seguia para a Cidadela de Cascais[66] .

Após o assassinato de Miguel Bombarda, baleado por um dos seus pacientes[64] [67] , os chefes republicanos reuniram-se de urgência na noite de dia 3[68] . Alguns oficiais foram contra, dada a prevenção das forças militares, mas o almirante Cândido dos Reis insistiu para que se continuasse, sendo-lhe atribuída a frase: "A Revolução não será adiada: sigam-me, se quiserem. Havendo um só que cumpra o seu dever, esse único serei eu."[69] [70]

Revoltosos concentram-se na Rotunda.

Machado Santos já havia passado à ação e nem esteve na reunião. Este dirigiu-se ao aquartelamento do Regimento de Infantaria 16[71] , onde um cabo revolucionário provocara o levantamento da maior parte da guarnição: um comandante e um capitão que se tentaram opor foram mortos a tiro. Entrando no quartel com umas dezenas de carbonários, o comissário naval seguiu depois com cerca de 100 praças para o Regimento de Artilharia 1[72] , onde o capitão Afonso Palla e alguns sargentos, introduzindo alguns civis no quartel, já haviam tomado a secretaria, prendendo os oficiais que se recusaram a aderir[73] . Com a chegada de Machado Santos formaram-se duas colunas, que ficaram sob o comando dos capitães Sá Cardoso e Palla. A primeira marchou ao encontro aos regimentos Infantaria 2 e Caçadores 2, que deviam também estar sublevados, para seguir para Alcântara onde deveriam apoiar o quartel de marinheiros. No percurso, cruzou-se com um destacamento da Guarda Municipal, pelo que procurou outro caminho. Depois de alguns confrontos com a polícia e civis, encontrou a coluna comandada por Palla e avançaram para a Rotunda, onde se entrincheiraram cerca das 5 horas da manhã. Compunha-se a força aí estacionada de 200 a 300 praças do Regimento de Artilharia 1, 50 a 60 praças de Infantaria 16 e cerca de 200 populares. Os capitães Sá Cardoso e Palla e o comissário naval Machado Santos, estavam entre os 9 oficiais no comando[74] .

Entretanto, o tenente Ladislau Parreira e alguns oficias e civis introduziram-se no Quartel do Corpo de Marinheiros de Alcântara à uma hora da madrugada e conseguiram armar-se, sublevar a guarnição e aprisionar os comandantes, tendo um destes ficado ferido[75] . Pretendia-se com esta ação impedir a saída do esquadrão de cavalaria da Guarda Municipal, o que foi conseguido[76] . Para isto era necessário no entanto o apoio, em armas e homens, dos 3 navios de guerra ancorados no Tejo. Nestes o tenente Mendes Cabeçadas havia tomado o comando da tripulação sublevada do "Adamastor",[77] enquanto a tripulação revoltada do "São Rafael" esperava um oficial para a comandar.

Pelas 7 da manhã Ladislau Parreira, sendo informado por populares da situação, despachou o segundo-tenente Tito de Morais para tomar o comando do "São Rafael", com ordens para que ambos os navios reforçassem a guarnição do quartel. Quando se soube que no "D. Carlos I" a tripulação se encontrava sublevada mas os oficiais se haviam entrincheirado, saíram do "São Rafael" o tenente Carlos da Maia com alguns marinheiros e civis. Após algum tiroteio, de que resultaram feridos o comandante do navio e um tenente, os oficiais renderam-se ficando o "D. Carlos I" também na mão dos republicanos[75] .

O Cruzador português Dom Carlos I pintado por Giovanni Battista Castagneto

Foi a última unidade a juntar-se aos revoltosos que contava assim com parte do regimento de Artilharia 16 e de Artilharia 1, o corpo de marinheiros e os três navios citados. A marinha aderira em massa como esperado, mas muitos dos quartéis considerados simpatizantes não. Assim, os republicanos, somavam cerca de 400 homens na Rotunda, mas cerca de 1000 a 1500 em Alcântara, contando com as tripulações dos navios, além de se terem conseguido apoderar da artilharia da cidade, com a maioria das munições, ao que juntava a artilharia dos navios. Estavam ocupadas a Rotunda e Alcântara, mas a revolução ainda não estava decidida e os principais dirigentes ainda não haviam aparecido[74] .

Mesmo assim, a princípio os acontecimentos não decorreram a favor dos revoltosos. O sinal de três tiros de canhão — que deveria ser o aviso para civis e militares avançarem — não resultou. Apenas um tiro foi ouvido e o almirante Cândido dos Reis, que esperava o sinal para tomar o comando dos navios, foi informado por oficiais que tudo falhara e retirou-se para casa da irmã. Ao amanhecer seria encontrado morto numa azinhaga em Arroios. Desesperado, suicidara-se com um tiro na cabeça[75] .

Entretanto, na Rotunda, o aparente sossego da cidade desalentava de tal maneira os revoltosos que os oficiais acharam melhor desistir. Sá Cardoso, Palla e os outros oficiais retiraram-se para suas casas, mas Machado Santos ficou e assumiu o comando[75] . Esta decisão seria fundamental para o sucesso da revolução.

As forças do governo[editar | editar código-fonte]

A guarnição militar de Lisboa era constituída por quatro regimentos de infantaria, dois de cavalaria e dois batalhões de caçadores, com um total teórico de 6.982 efetivos. Mas, na prática, com os destacamentos militares colocados em funções de vigia e policiamento, nomeadamente nas fábricas do Barreiro devido ao surto grevista e à agitação sindicalista que se verificava desde setembro[78] .

Já desde o ano anterior que as forças governamentais dispunham de um plano de ação, elaborado por ordem do comandante militar de Lisboa, general Manuel Rafael Gorjão Henriques[79] . Quando, no fim da tarde de dia 3, o presidente do Conselho de Ministros Teixeira de Sousa o informou da eminência de uma revolução, foi logo dada ordem de prevenção às guarnições na cidade e chamadas de Santarém as unidades Artilharia 3 e Caçadores 6, e de Tomar, a de Infantaria 15[72] .

Assim que houve notícia do começo da revolta, o plano foi posto em prática: os regimentos de Infantaria 1, Infantaria 2, Caçadores 2 e Cavalaria 2, mais a bataria de Queluz, seguiram para o Paço das Necessidades para proteger a pessoa do rei, enquanto Infantaria 5 e Caçadores 5 marcharam para o Rossio, com a missão de proteger o quartel-general[75] .

Quanto às forças policiais a guarda municipal foi, de acordo com o plano, distribuída pela cidade para proteger pontos estratégicos como a Estação do Rossio, a Fábrica de Gás, a Casa da Moeda, a estação dos correios no Rossio, o quartel do Carmo, o depósito de munições de Beirolas e a casa do presidente do Conselho de Ministros enquanto lá esteve reunido o governo. Da guarda fiscal (total de 1.397 efetivos) há poucas informações, apenas que alguns soldados estiveram com as tropas no Rossio. A polícia civil (total de 1.200 efetivos) ficou nas esquadras. Esta inação retirara, portanto, cerca de 2.600 efetivos às forças do governo[74] .

Os combates[editar | editar código-fonte]

Revoltosos carbonários na Rotunda.

O facto de terem alinhado, do lado monárquico, algumas unidades cujas simpatias estavam com os republicanos (de tal maneira que estes esperavam que se tivessem também sublevado) conjugado com o abandono, do lado dos revoltosos, do plano de acção original, optando-se pelo entrincheiramento na Rotunda e em Alcântara, levou a que durante todo o dia 4 a situação se mantivesse num impasse, correndo pela cidade os mais variados boatos acerca de vitórias e derrotas[74] .

Assim que se teve notícia da concentração de revoltosos na Rotunda, o comando militar da cidade organizou um destacamento para os atacar. Formavam essa coluna, sob o comando do coronel Alfredo Albuquerque, unidades retiradas da proteção do Palácio das Necessidades: Infantaria 2, Cavalaria 2 e a bateria móvel de Queluz. Desta última fazia parte o herói das guerras coloniais, Henrique Mitchell de Paiva Couceiro. A coluna avançou até perto da Penitenciária onde assumiu posições de combate[75] . Antes de estas estarem concluídas, no entanto, foram atacados por revoltosos. O ataque foi repelido, mas a custo de alguns feridos, vários animais de carga mortos e da debandada de cerca de metade da infantaria. Paiva Couceiro respondeu ao fogo com os canhões e a infantaria que restava durante três quartos de hora, ordenando um ataque que foi levado a cabo por cerca de 30 soldados, mas que foi repelido com algumas baixas. Continuando com o fogo, ordenou novo ataque, mas apenas conseguiu que cerca de 20 praças o acompanhassem. Achando ter chegado o momento ideal para o assalto ao quartel de Artilharia 1, Paiva Couceiro pediu reforços ao comando da divisão apenas para receber a desconcertante ordem para retirar[80] .

Em escala em Lisboa, o presidente brasileiro eleito Hermes da Fonseca testemunhou a revolução a bordo do couraçado São Paulo.

Entretanto havia-se formado uma coluna com o propósito de atacar simultaneamente os revoltosos na Rotunda, mas tal não chegou a ocorrer, porque foi dada ordem de retirar. A coluna chegou ao Rossio, ao fim da tarde, sem sequer ter combatido. Tal inação não se deveu a qualquer incompetência do seu comandante, o general António Carvalhal, pois como ficou provado no dia seguinte ao ser nomeado chefe da Divisão Militar pelo governo republicano, as suas lealdades eram outras[74] .

Os reforços da província, esperados pelo governo ao longo de todo o dia 4, nunca chegaram. Apenas as unidades já mencionadas e chamadas aquando das medidas preventivas é que receberam as ordens de marcha. Desde o início da revolução que os carbonários tinham desligado os fios telegráficos impedindo assim as mensagens de chegarem às unidades de fora de Lisboa[75] . Além disso, na posse de informação acerca das unidades alertadas, os revolucionários tinham cortado as linhas férreas[81] pelo que, obrigadas a marchar, estas nunca chegariam a tempo. Da Margem Sul, mais próxima, também era improvável a chegada de reforços, visto que os navios revoltosos dominavam o rio[82] .

Ao final do dia a situação era difícil para as forças monárquicas: os navios sublevados tinham estacionado junto ao Terreiro do Paço e o cruzador "São Rafael" fez fogo sobre os edifícios dos ministérios[83] [84] , perante o olhar atónito do corpo diplomático brasileiro, a bordo do couraçado "São Paulo" no qual viajava o presidente eleito Hermes da Fonseca[85] .

Este bombardeamento minou o moral das forças no Rossio, que se julgavam entre dois fogos, nomeadamente Rotunda e Alcântara[74] .

A saída do rei de Lisboa[editar | editar código-fonte]

Depois do banquete com Hermes da Fonseca, D. Manuel II regressara ao Paço das Necessidades, ficando na companhia de alguns oficiais. Jogavam bridge[86] quando os revolucionários começaram a bombardear o local[87] . O rei tentou telefonar, mas encontrou a linha cortada, conseguindo apenas informar a rainha-mãe, no Palácio da Pena, acerca da situação. Pouco depois chegaram unidades realistas que conseguem repelir os ataques dos revolucionários, embora as balas atingissem as janelas.

Cerca das nove horas o rei recebeu um telefonema do presidente do Conselho, aconselhando-o a procurar refúgio em Mafra ou Sintra, dado que os revoltosos ameaçavam bombardear o Paço das Necessidades. D. Manuel II recusou-se a partir, dizendo no entanto aos presentes: "Vão vocês se quiserem, eu fico. Desde que a constituição não me marca outro papel senão o de me deixar matar, cumpri-lo-ei."[88]

Com a chegada da bateria móvel de Queluz, as peças foram dispostas nos jardins do palácio de forma a poderem bombardear o revoltado quartel dos marinheiros, que ficava a escassos 100 metros do paço. No entanto, antes de poder começar, o comandante da bateria recebeu ordem de cancelar o bombardeamento e juntar-se às forças que saiam do paço, integradas na coluna que iria atacar os revoltosos na Artilharia 1 e na Rotunda. Cerca do meio-dia os cruzadores "Adamastor" e "São Rafael", que desde há uma hora haviam fundeado em frente ao quartel dos marinheiros, começaram a bombardear o Paço das Necessidades, o que desmoralizou as forças monárquicas aí presentes. O rei refugiou-se numa pequena casa no parque do palácio de onde conseguiu telefonar a Teixeira de Sousa[86] , pois os revolucionários apenas haviam cortado as linhas de telefone especiais do estado mas não as da rede geral. Ordenou ao primeiro-ministro que mandasse para as Necessidades a bateria de Queluz para impedir o desembarque dos marinheiros, mas este retorquiu-lhe que a ação principal se passava na Rotunda e que todas as tropas eram aí necessárias. Tendo em conta que as tropas disponíveis não eram suficientes para cercar os revoltosos na Rotunda, o ministro fez ver ao rei a conveniência de se retirar para Sintra ou Mafra de forma a libertar as forças estacionadas no Paço para sua proteção e que eram necessárias na Rotunda[86] .

Às duas da tarde as viaturas com o D. Manuel II e seus assessores partiram do palácio em direção a Mafra, onde a Escola Prática de Infantaria disporia de forças suficientes para proteger o soberano. Logo ao início da Estrada de Benfica o rei libertou o esquadrão da guarda municipal que o escoltava para que viessem ajudar os seus companheiros a lutar contra os revolucionários. A comitiva chegou sem problemas a Mafra cerca das quatro da tarde, mas aí depararam com um problema: devido às férias, não se encontravam na Escola Prática mais do que 100 praças, ao invés das 800 que seria de esperar e o comandante, coronel Pinto da Rocha, afirmou não dispor de meios para proteger o rei[89] . Entretanto, chegou de Lisboa o Conselheiro João de Azevedo Coutinho que aconselhou o rei a chamar a Mafra as rainhas D. Amélia e D. Maria Pia (respectivamente a mãe e a avó do rei) que estavam nos Palácios da Pena e da Vila, em Sintra, e a preparar-se para seguir para o Porto, para aí organizar a resistência[75] .

Em Lisboa, a saída do rei não trouxera grandes vantagens pois as tropas assim libertas, apesar de receberem repetidas ordens do quartel-general para marcharem para o Rossio para impedirem a concentração de artilharia revoltosa em Alcântara, a maioria desobedeceu[74] .

O triunfo da revolução[editar | editar código-fonte]

Marcha com a bandeira da Carbonária na Rotunda em 5 de outubro de 1910.

À noite do dia 4 a moral encontrava-se baixa entre as tropas monárquicas estacionadas no Rossio, devido ao perigo constante de serem bombardeadas pelas forças navais e nem as baterias de Couceiro, aí colocadas estrategicamente, traziam conforto. No quartel-general discutia-se a melhor posição para bombardear a Rotunda. Às três da manhã, Paiva Couceiro partiu com a bateria móvel, escoltado por um esquadrão da guarda municipal, e instalou-se no Jardim de Castro Guimarães, no Torel, aguardando a madrugada[74] . Quando as forças da Rotunda começaram a disparar sobre o Rossio, revelando a sua posição, Paiva Couceiro abriu fogo provocando baixas e semeando a confusão entre os revoltosos. O bombardeamento prosseguiu com vantagem para os monárquicos, mas às oito da manhã Paiva Couceiro recebeu ordem para cessar-fogo, pois iria haver um armistício de uma hora[90] .

Entretanto no Rossio, depois de Paiva Couceiro ter saído com a bateria, o moral das tropas monárquicas, julgando-se desamparadas, piorou ainda mais, devido às ameaças de bombardeamento por parte das forças navais[91] . Infantaria 5 e alguns elementos de Caçadores 5 garantiram que não se oporiam ao desembarque de marinheiros. Face a esta confraternização com o inimigo, os comandantes destas formações dirigiram-se então ao quartel-general onde foram surpreendidos pela notícia do armistício.

Implantação da República Portuguesa Proclamada por importantes forças do exército, por toda a armada e auxiliada pelo concurso popular, a República tem hoje o seu primeiro dia de História. A marcha dos acontecimentos, até à hora em que escrevemos, permite alimentar toda a esperança de um definido triunfo. [...] Não se faz ideia do entusiasmo que corre na cidade. O povo está verdadeiramente louco de satisfação. Pode dizer-se que toda a população de Lisboa está na rua vitoriando a república. Implantação da República Portuguesa

 — Jornal O Mundo, 5 de outubro de 1910[92]

O novo representante alemão, chegado na antevéspera, instalara-se no Hotel Avenida Palace, lugar de residência de muitos outros estrangeiros. A proximidade do edifício da zona dos combates não o poupou a estragos. Perante este perigo, o diplomata tomou a resolução de intervir. Dirigiu-se ao quartel-general e pediu ao general Gorjão Henriques um cessar-fogo que lhe permitisse evacuar os cidadãos estrangeiros. Sem comunicar ao governo, e talvez na esperança de ganhar tempo para a chegada dos reforços da província, o general acede[93] .

O diplomata alemão, acompanhado de um ordenança com a bandeira branca, dirige-se à Rotunda para acertar o armistício com os revoltosos. Mas eis que estes, vendo a bandeira branca, julgaram que a força opositora se rendia, pelo que saem entusiasticamente das fileiras e juntam-se ao povo, que sai das ruas laterais e se junta numa grande aglomeração gritando vivas à república[80] . Na Rotunda, Machado Santos a principio não aceita o armistício, mas perante os protestos do diplomata acede. De seguida, e vendo o maciço apoio popular à revolta nas ruas, temerariamente dirige-se ao quartel-general, acompanhado de muitos populares (aos quais se haveriam de juntar os oficiais que abandonaram as posições na Rotunda).

Proclamação da república por José Relvas

A situação no Rossio, com a saída dos populares à rua era muito confusa, mas já favorável aos republicanos, dado o evidente apoio popular. Machado Santos confronta o general Gorjão Henriques com o facto consumado e convida-o a manter-se no comando da divisão mas este recusa. Machado Santos entrega assim o comando ao general António Carvalhal que sabia ser republicano. Pouco depois, pelas 9 horas da manhã, era proclamada a república por José Relvas[94] , na varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, após o que foi nomeado um Governo Provisório, presidido por membros do Partido Republicano Português, com o fito de governar a nação até que fosse aprovada uma nova Lei Fundamental.

A revolução saldou-se em algumas dezenas de baixas. O número rigoroso não é conhecido, mas sabe-se que, até ao dia 6 de outubro, tinham dado entrada na morgue 37 vítimas mortais da revolução. Vários feridos recorreram a hospitais e postos de socorros da cidade, alguns deles vindo, mais tarde, a falecer. Por exemplo, dos 78 feridos que deram entrada no Hospital de São José, 14 faleceram nos dias seguintes[95] .

O embarque da família real para o exílio[editar | editar código-fonte]

Ericeira, de onde a família real partiu, a bordo do iate real "Amélia".

Em Mafra, na manhã do dia 5 de outubro, o rei procurava um modo de chegar ao Porto, ação muito difícil de levar a cabo por terra dada a quase inexistência de uma escolta e os inúmeros núcleos de revolucionários espalhados pelo país. Cerca do meio-dia era entregue ao presidente da câmara municipal de Mafra a comunicação do novo governador civil, ordenando que se arvorasse a bandeira republicana. Pouco depois o comandante da Escola Prática de Infantaria recebe também um telegrama do seu novo comandante informando-o da nova situação política[66] . A posição da família real tornava-se precária.

A solução aparece quando chega a notícia de que o iate real "Amélia" fundeara ali perto, na Ericeira[66] . Às duas da manhã o iate havia recolhido da Cidadela de Cascais o tio e herdeiro ao trono, D. Afonso, e sabendo o rei em Mafra, havia rumado à Ericeira por ser o ancoradouro mais próximo[66] . Tendo a confirmação da proclamação da república e o perigo próximo da sua prisão, D. Manuel II decide embarcar com vista a dirigir-se ao Porto[66] . A família real e alguns acompanhantes dirigiram-se à Ericeira de onde, por meio de dois barcos de pesca e perante os olhares curiosos dos populares embarcaram no iate real[96] .

Uma vez a bordo, o rei escreveu ao primeiro-ministro:

Cquote1.svg Meu caro Teixeira de Sousa, Forçado pelas circunstâncias vejo-me obrigado a embarcar no yacht real "Amélia". Sou português e sê-lo-ei sempre. Tenho a convicção de ter sempre cumprido o meu dever de Rei em todas as circunstâncias e de ter posto o meu coração e a minha vida ao serviço do meu País. Espero que ele, convicto dos meus direitos e da minha dedicação, o saberá reconhecer! Viva Portugal! Dê a esta carta a publicidade que puder. Cquote2.svg
D. Manuel II[97]

Depois de garantir que a carta chegaria ao seu destino, o rei fez saber que queria ir para o Porto. Reuniu-se um conselho com o soberano, os oficiais e parte da comitiva. O comandante João Agnelo Velez Caldeira Castelo Branco e o imediato João Jorge Moreira de Sá opuseram-se à opinião do soberano, alegando que se o Porto não os recebesse o navio dificilmente teria combustível para chegar a outro ancoradouro. Perante a insistência de D. Manuel II, o imediato argumentou que levavam a bordo toda a família real, pelo que era o seu primeiro dever salvar essas vidas. O porto de destino escolhido foi Gibraltar. Aí tomou conhecimento que também o Porto tinha aderido à causa republicana. D. Manuel ordenou que o navio, por ser propriedade do Estado português, voltasse a Lisboa. O rei deposto, no entanto, viveria o resto dos seus dias no exílio[98] .

Os primeiros passos da República[editar | editar código-fonte]

Atuação do Governo Provisório[editar | editar código-fonte]

No dia 6 de outubro de 1910, o Diário do Governo anunciava: "Ao Povo Português — Constituição do Governo Provisório da República — Hoje, 5 de outubro de 1910, às onze horas da manhã, foi proclamada a República de Portugal na sala nobre dos Paços do Município de Lisboa, depois de terminado o movimento da Revolução Nacional. Constituiu-se, imediatamente o Governo Provisório: Presidência, Dr. Joaquim Teófilo Braga. Interior, Dr. António José de Almeida. Justiça, Dr. Afonso Costa. Fazenda, Basílio Teles. Guerra, António Xavier Correia Barreto. Marinha, Amaro Justiniano de Azevedo Gomes. Estrangeiros, Dr. Bernardino Luís Machado Guimarães. Obras Públicas, Dr. António Luís Gomes."[99]

Por decreto de 8 de outubro o Governo Provisório determinara a nova nomenclatura dos ministérios, sendo as modificações mais importantes as que atingiram os do Reino, da Fazenda e das Obras Públicas, que passaram a denominar-se, respectivamente, do Interior, das Finanças e do Fomento[100] . No entanto, Basílio Teles recusou, nem chegando sequer a tomar posse da pasta para que fora nomeado, sendo, no dia 12, substituído por José Relvas[101] . Em 22 de novembro, Brito Camacho entrou também para o governo, na vaga aberta pela saída de António Luís Gomes, nomeado embaixador de Portugal no Rio de Janeiro[102] .

Implantação da República Portuguesa Os ministros [do Governo Provisório], inspirando-se num alto sentimento patriótico, procuraram sempre traduzir em suas medidas as mais altas e mais instantes aspirações do velho Partido Republicano, em termos de conciliar os interesses permanentes da sociedade com a nova ordem de coisas, inevitavelmente derivada do facto da revolução. Implantação da República Portuguesa

 — Teófilo Braga, 21-06-1911[103]

Durante o tempo que esteve em funções, o Governo Provisório tomou uma série de medidas importantes e que tiveram um efeito duradouro. Para apaziguar os ânimos e reparar as vítimas da monarquia, foi concedida uma ampla amnistia para crimes contra a segurança do Estado, contra a religião, de desobediência, de uso de armas proibidas, etc.[104] A Igreja Católica ressentiu-se bastante das medidas tomadas pelo Governo Provisório. Entre estas destacam-se a expulsão da Companhia de Jesus e das ordens do clero regular, o encerramento dos conventos, a proibição do ensino religioso nas escolas, a abolição do juramento religioso nas cerimónias civis e a laicização do Estado pela separação entre a Igreja e o Estado. Foi institucionalizado o divórcio[105] e a legalidade dos casamentos civis, a igualdade de direitos no casamento entre homem e mulher, a regularização jurídica dos filhos naturais[106] ; a protecção à infância e aos idosos, a reformulação das leis da imprensa, a extinção dos títulos nobiliárquicos e o reconhecimento do direito à greve[107] . O Governo Provisório optou, ainda, pela extinção das então guardas municipais de Lisboa e do Porto, substituídas por um novo corpo público de defesa da ordem, a Guarda Nacional Republicana. Para as colónias, criou-se legislação com vista a conceder autonomia às províncias ultramarinas, condição necessária ao seu desenvolvimento. Entretanto, foram alterados também os símbolos nacionais — a bandeira e o hino —, foi adotada uma nova unidade monetária — o escudo, a equivaler a mil réis[108] — e até a ortografia da língua portuguesa foi simplificada e devidamente regulamentada, através da Reforma Ortográfica de 1911[109] .

O Governo Provisório gozou de amplos poderes até à abertura oficial da Assembleia Nacional Constituinte, em 19 de junho de 1911, na sequência das eleições de 28 de maio desse ano[110] . Nesse momento, o presidente do Governo Provisório, Teófilo Braga, entregou à Assembleia Nacional Constituinte os poderes que lhe haviam sido conferidos a 5 de outubro de 1910. No entanto, a Assembleia aprovou por aclamação a proposta apresentada ao congresso pelo seu presidente Anselmo Braamcamp Freire: "A Assembleia Nacional Constituinte confirma, até ulterior deliberação, as funções do Poder Executivo ao Governo Provisório da República".

Dois meses mais tarde, com a aprovação da Constituição Política da República Portuguesa e a eleição do primeiro presidente constitucional da RepúblicaManuel de Arriaga —, a 24 de agosto, o Governo Provisório apresentou a sua demissão, que foi aceite a 3 de setembro de 1911 pelo presidente da república, pondo fim a um mandato de mais de 10 meses[111] . Começava a Primeira República.

Alteração dos símbolos nacionais[editar | editar código-fonte]

Com a implantação da República, os símbolos nacionais foram modificados. Por decreto datado de 15 de outubro de 1910 do Governo Provisório, foi nomeada uma comissão encarregada de os criar.[112] A modificação dos símbolos nacionais, segundo o historiador Nuno Severiano Teixeira, surgiu da dificuldade que os Republicanos enfrentaram para representar a República:

Cquote1.svg Na monarquia o rei tem um corpo físico e portanto é uma pessoa reconhecível e reconhecida pelos cidadãos. Mas a república é uma ideia abstracta. Cquote2.svg
Nuno Severiano Teixeira[10]

A bandeira[editar | editar código-fonte]

Bandeira da República Portuguesa.

Em relação à bandeira, existiam duas tendências: uma de manter as cores azul e branca, tradicional das bandeiras portuguesas, e outra de usar cores "mais republicanas": verde e vermelho[10] . A proposta da comissão sofreu várias alterações, sendo o desenho final retangular, com os dois quintos próximos da haste com a cor verde e os três quintos, do lado do batente, com a cor vermelha[113] [114] . A cor verde foi escolhida por ser a "cor da esperança", enquanto o vermelho é uma cor "combativa, quente, viril, por excelência". Na união das duas cores, o escudo das armas nacionais orlado a branco, sobre a esfera armilar manuelina[115] . O projeto da bandeira foi aprovado pelo Governo Provisório por um voto a 29 de novembro de 1910. No dia 1 de dezembro foi celebrada a Festa da Bandeira, frente à Câmara Municipal de Lisboa.[9] A Assembleia Nacional Constituinte promulgou a escolha da bandeira em 19 de junho de 1911.[116]

O hino nacional[editar | editar código-fonte]

Wikisource-logo.svg Veja também o texto original d'A Portuguesa no Wikisource.

Em 19 de Junho de 1911 a Assembleia Nacional Constituinte proclamou "A Portuguesa" como hino nacional[117] [118] em substituição do Hymno da Carta, anterior hino nacional desde Maio de 1834, inscrevendo-a como símbolo nacional na Constituição portuguesa de 1911. A Portuguesa fora composta em 1890, com música de Alfredo Keil e letra de Henrique Lopes de Mendonça[27] , em reação ao Ultimatum inglês[119] . Nasceu como uma canção de cariz patriótico e foi utilizada, com uma letra ligeiramente diferente, como a marcha dos revoltosos de 31 de Janeiro de 1891[120] na tentativa falhada de golpe de Estado que pretendia implantar a república em Portugal, razão pela qual o regime monárquico a proibiu[119] .

Embora proclamada hino nacional em 1911, só em 4 de setembro de 1957[121] foi aprovada a versão oficial que é hoje tocada em cerimónias nacionais civis ou militares e aquando da visita de chefes de estado estrangeiros, após ser ouvido o hino da nação representada.[27] [9]

O busto[editar | editar código-fonte]

PRT025.JPG
Duas versões do busto em moedas da República Portuguesa: de Francisco dos Santos, em cima; de José Simões de Almeida, em baixo.[122]
Duas versões do busto em moedas da República Portuguesa: de Francisco dos Santos, em cima; de José Simões de Almeida, em baixo.[122]

O busto oficial da República foi escolhido num concurso nacional promovido pela Câmara Municipal de Lisboa em 1911[123] , do qual participaram nove escultores[124] [125] [123] . É da autoria de Francisco dos Santos[126] e está atualmente exposto na Câmara Municipal, estando o gesso original no Centro Cultural Casapiano, uma vez que Francisco dos Santos fora aluno da Casa Pia de Lisboa. Existe no entanto, outro busto que foi adotado como o rosto da República, da autoria de José Simões de Almeida e criado em 1908[127] . O seu original encontra-se na Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos.[9] A modelo para este busto foi Ilda Pulga, uma jovem trabalhadora do comércio do Chiado.[128] [129] Segundo o jornalista António Valdemar, que quando se tornou presidente da Academia Nacional de Belas-Artes mandou o escultor João Duarte restaurar o busto original que se encontrava numa arrecadação da instituição:

Cquote1.svg O Simões achou piada à cara da rapariga e convidou-a para ser modelo. A mãe disse que autorizava mas com duas condições: que ela própria estivesse presente nas sessões e que a filha não se despisse. Cquote2.svg
António Valdemar[10]

O busto mostra a República com um barrete frígio, influência da Revolução Francesa[127] . O busto de Simões foi logo adotado pela Maçonaria, foi usado nos funerais de Miguel Bombarda e de Cândido dos Reis, mas aquando do concurso oficial, apesar de ser bastante popular, ficou em segundo lugar para o busto de Francisco dos Santos.[10]

Separação entre o Estado e a Igreja[editar | editar código-fonte]

Afonso Costa, em 1904, um dos promotores das leis de separação do Estado e Igreja.

Uma medida controversa do Governo provisório foi a separação entre o Estado e a Igreja.[130] O laicismo começou a ser discutido em Portugal ainda no século XIX, aquando das Conferências do Casino em 1871, promovidas por Antero de Quental. O movimento republicano associava a Igreja Católica à Monarquia, e opunha-se à sua influência na sociedade portuguesa. A laicização da República constava como uma das principais ações a tomar no ideário e programa político do Partido Republicano e da Maçonaria. Em 1 de fevereiro de 1908, após o regicídio, foi redigido um decreto contra os jesuítas por iniciativa do governo, que julgava poder salvar o regime atacando a Igreja, mas este nunca chegou a ser assinado pelo rei D. Manuel II. Logo após a implantação da República, em 8 de outubro de 1910, o ministro da Justiça, Afonso Costa reinstaura as leis do Marquês de Pombal contra os jesuítas, e as de Joaquim António de Aguiar em relação às ordens religiosas.[131] [132] Os bens e propriedade da igreja são arrolados e incorporados no estado. O juramento religioso e outros previstos nos estatutos da Universidade de Coimbra são abolidos, e as matrículas no primeiro ano da Faculdade de Teologia são anuladas, sendo também extintas as cadeiras de direito canónico e suprimido o ensino da doutrina cristã. Os feriados religiosos passam a ser dias de trabalho, mantendo-se no entanto o domingo como dia de descanso, por razões laborais. Além disso, as forças armadas são proibidas de participar em solenidades religiosas. Foram, ainda, aprovadas leis do divórcio e da família que consideravam o casamento como um "contrato puramente civil".[133] [134]

Alguns bispos foram perseguidos, expulsos ou suspensos das suas atividades no decurso da laicização. Em reação aos vários decretos antieclesiásticos, os bispos portugueses lançaram uma pastoral coletiva defendendo a doutrina da igreja, mas a sua leitura foi proibida pelo governo. Apesar disso, alguns prelados continuaram a divulgar o texto, entre eles o bispo do Porto, António Barroso, o que levou o ministro Afonso Costa a chamá-lo a Lisboa e a destituí-lo das suas funções eclesiásticas.[133]

O culminar da laicização deu-se com a aprovação da Lei de Separação do Estado e da Igreja, de 20 de abril de 1911,[135] com uma aceitação grande por parte das classes populares e intelectuais. A lei apenas foi promulgada pela Assembleia em 1914, mas a sua implementação foi imediata após a publicação do decreto.[130] A Igreja portuguesa tentou ainda reagir, classificando a lei de "injustiça, opressão, espoliação e ludíbrio", mas sem sucesso. Afonso Costa previra, mesmo, a erradicação do Catolicismo no espaço de três gerações.[136] A aplicação da lei começou em 1 de julho de 1911, com a criação de uma "Comissão Central".[137] Os hábitos talares estavam proibidos, mas o ministro da Justiça interino da altura, Bernardino Machado, intimou os párocos a ministrarem os seus sacramentos. Alguns bispos continuaram a ser perseguidos, como o bispo da Guarda, Manuel Vieira de Matos, ou o patriarca de Lisboa, António Mendes Belo.[133]

Reconhecimento internacional[editar | editar código-fonte]

Bernardino Machado chefiou a pasta dos estrangeiros no Governo Provisório.

Uma das primeiras grandes preocupações do novo regime republicano foi ser reconhecido pelas restantes nações. Em 1910, a grande maioria dos Estados europeus eram monarquias. Apenas a França, a Suíça e San Marino eram repúblicas. Por isso, o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Governo Provisório, chefiado por Bernardino Machado, orientou a sua pasta segundo critérios de extrema prudência[138] , levando-o, logo no dia 9 de outubro de 1910, a comunicar aos representantes diplomáticos em Portugal que o Governo Provisório honraria todos os compromissos internacionais assumidos pelo anterior regime[139] .

Como o marechal Hermes da Fonseca presenciou pessoalmente todo o processo de transição de regime, tendo chegado a Portugal em visita oficial quando o país ainda era uma monarquia e saído já na república[140] , não foi de estranhar que tenha sido o Brasil o primeiro país a reconhecer de jure o novo regime político português. A 22 de outubro o governo brasileiro faz chegar os votos "que o Brasil inteiro faz pela felicidade da nobre Nação Portuguesa e do seu Governo e pela prosperidade da nova República"[141] . No dia seguinte, seria a vez da Argentina; a 29 a Nicarágua; a 31 o Uruguai[141]  ; a 16 e 29 de novembro, a Guatemala e a Costa Rica; o Peru e o Chile a 5 e a 19 de dezembro; a Venezuela a 23 de fevereiro de 1911; o Panamá a 17 de março[142] . Em junho de 1911 foi a vez dos Estados Unidos[143] .

Pouco mais de um mês tinha passado da revolução, quando, a 10 de novembro de 1910, o governo britânico reconheceu de facto a República portuguesa, manifestando "o mais vivo desejo de S.M. Britânica de conservar-se em relações amigáveis" com Portugal[144] . Idêntica posição foi, também, manifestada pelos governos espanhol, francês e italiano[144] . No entanto, reconhecimentos de jure do novo regime só surgiram após a aprovação da Constituição e da eleição do presidente da República. A República Francesa foi a primeira a fazê-lo a 24 de agosto de 1911[145] , dia da eleição do primeiro presidente da República Portuguesa. Só a 11 de setembro o Reino Unido fez o seu reconhecimento, acompanhado da Alemanha, do Império Austro-Húngaro[146] , da Dinamarca, da Espanha, da Itália e da Suécia. Seguiram-se a 12, a Bélgica, a Holanda e a Noruega; a 13 a China e o Japão; a 15 a Grécia; a 30 a Rússia[147] ; a 23 de outubro a Roménia; a 23 de novembro a Turquia; a 21 de dezembro o Mónaco; e a 28 de fevereiro de 1912 o Reino do Sião. Em virtude da tensão criada entre a jovem República e a Igreja Católica, as relações com a Santa Sé ficaram suspensas, não procedendo a cúria romana ao reconhecimento da República Portuguesa até 29 de junho de 1919[142] .

Fontes e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AA. VV. A Maçonaria e a Implantação da República: Documentos Inéditos (Simões Raposo/Carvalhão Duarte) (em português). Lisboa: Grémio Lusitano e Fundação Mário Soares, 2009. ISBN 9789728885212
  • AA. VV. Revolta Militar no Porto em 31 de Janeiro de 1891: Os Conselhos de Guerra o Respectivas Sentenças (em português). Porto: -, 1891.
  • ABREU, Jorge de. A Revolução Portugueza: O 5 de Outubro (Lisboa 1910) (em português). Lisboa: Casa Alfredo David, 1912. (eBook)
  • AMARAL, Augusto Ferreira do. A Aclamação e D. Manuel II (em português). Lisboa: -, 1966.
  • ARAÚJO, António de. Jesuítas e Antijesuítas no Portugal Republicano (em português). Lisboa: Roma Editora, 2008. ISBN 9789728490515
  • BERN, Stéphane. Eu, Amélia, Última Rainha de Portugal (em português). Porto: Livraria Civilização Editora, 1999. ISBN 9789722615457
  • BREYNER, Tomás de Melo. Diário de um Monárquico, 1908-1910 (em português). Porto: -, 1993.
  • CATROGA, Fernando. "Anticlericalismo y librepensamiento masónicos en Portugal", in J. A. Ferrer Benimeli (org.), Masoneria, Revolución y Reacción. Alicante, 1990, p. 113 ss.
  • CATROGA, Fernando. O Republicanismo em Portugal: Da Formação ao 5 de Outubro (em português). Lisboa: Casa das Letras, 2010. ISBN 9789724619835
  • CHAGAS, João. Cartas Políticas (em português). Lisboa: -, 1910.
  • DIAS, João Alves. "A República e a Maçonaria (O recrutamento maçónico na eclosão da República Portuguesa)", in Nova História, n.° 2, Dezembro 1984, pp. 31-73.
  • FERREIRA, David. História Política da I República Portuguesa (em português). Lisboa: Livros Horizonte, 1981. ISBN 9789722404860
  • FERREIRA, David. "Outubro de 1910, 5 de" in Joel Serrão (dir.) Dicionário de História de Portugal. Porto, Livraria Figueirinhas, 1985, vol. IV, pp. 500-504 ISBN 0020000223512
  • MARQUES, A. H. de Oliveira. Guia de História da Primeira República Portuguesa (em português). Lisboa: Editorial Estampa, 1981.
  • MARQUES, A. H. de Oliveira. A Maçonaria em Portugal (em português). Lisboa: Gradiva, 1998. ISBN 9726626447
  • MARQUES, A. H. de Oliveira (org.) "Portugal da Monarquia para a República, 1900-1930" in Joel Serrão e Oliveira Marques (orgs.) Nova História de Portugal. Lisboa, Presença, vol. XI, 1991. ISBN 9722314203
  • MARTINS, Rocha. D. Manuel II: História do seu Reinado e da Implantação da República (em português). Lisboa: edição do autor, 1931-1933.
  • MATEUS, Abel. Economia Portuguesa: Crescimento no Contexto Internacional (1910-1998) (em português). 3.ª ed. Lisboa: Verbo, 2006. ISBN 9722219219
  • MOURA, Maria Lúcia Brito. A Guerra Religiosa na Primeira República (em português). Lisboa: Editorial Notícias, 2004. ISBN 9789724615622
  • PROENÇA, Maria Cândida. D. Manuel II: Colecção "Reis de Portugal" (em português). Lisboa: Círculo de Leitores, 2006. ISBN 9724236595
  • RAMOS, Rui. D. Carlos: Colecção "Reis de Portugal" (em português). Lisboa: Círculo de Leitores, 2006. ISBN 9724235874
  • RAMOS, Rui. João Franco e o Fracasso do Reformismo Liberal (1884-1908) (em português). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2001. ISBN 9726710782
  • RAMOS, Rui. "Para uma História política da cidadania em Portugal" in Análise Social, Vol. 39, n.° 172. Lisboa, 2004, pp. 547-569. ISSN 00032573
  • RAMOS, Rui. "A Revolução Republicana Portuguesa de 1910-1911: uma reinterpretação" in Pedro Oliveira e Fernando Martins (orgs.) As Revoluções Contemporâneas. Actas do XII Curso de Verão do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 2004, pp. 71-105.
  • RAMOS, Rui. "A Segunda Fundação" in J. Mattoso (dir.) História de Portugal. Lisboa: Editorial Estampa, vol. 6, 2001. ISBN 9723316293
  • RELVAS, José. Memórias Políticas (em português). Lisboa: Terra Livre, 1977. 2 vol.
  • SEABRA, João. O Estado e a Igreja em Portugal no Início do Século XX: A Lei da Separação de 1911 (em português). Lisboa: Principia, 2009. ISBN 9789898131577
  • VALENTE, Vasco Pulido. O Poder e o Povo: a Revolução de 1910 (em português). 5.ª ed. Lisboa: Gradiva, 2004. ISBN 972662665X
  • VENTURA, António. A Carbonária em Portugal, 1897-1910 (em português). Lisboa: Livros Horizonte, 2008. ISBN 9789722415873
  • VILLARES, Artur. As Congregações Religiosas em Portugal (1901-1926) (em português). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. ISBN 972311027X

Referências

  1. a b c d Implantação da República. Infopédia. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  2. A Ditadura de João Franco e a autoria moral e política de D. Carlos. avenidadaliberdade.org. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  3. João Franco. Vidas Lusófonas. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  4. 1ª Republica - Dossier temático dirigido às Escolas. Rede Municipal de Bibliotecas Públicas do concelho de Palmela. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  5. 5 de Outubro de 1910: a trajectória do republicanismo. In-Devir. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  6. A este propósito ver Quental, Antero de. Prosas sócio-políticas: publicadas e apresentadas por Joel Serrão (em português). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982. 248 p. citado na secção "O Partido Republicano Português" deste artigo.
  7. Primeira República - Biografia de João de Canto e Castro. www.leme.pt. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  8. Constituição de 1911 - Infopédia. www.infopedia.pt. Página visitada em 9 de Setembro de 2010.
  9. a b c d Símbolos da República. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  10. a b c d e Um busto e um hino consensuais - e uma bandeira polémica. Público. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  11. Política: O Ultimato Inglês e o 31 de Janeiro de 1891. Soberania do Povo. Página visitada em 30 de Agosto de 2010.
  12. Ultimatum de 1890. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  13. Trinta e Um de Janeiro de 1891. Infopédia. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  14. a b c d e Ramos, Rui, «A «Vida Nova»», Círculo de Leitores, História de Portugal volume 6, 292, Julho de 1993. ISBN 972-42-0971-7
  15. CAVENDISH, Marshall. World and Its Peoples. [S.l.]: Marshall Cavendish, 2009. ISBN 0761478922
  16. Homem, Amadeu Carvalho, Armando Malheiro da Silva, Artur Cesar Isaia. Progresso e religião: a república no Brasil e em Portugal 1889-1910. [S.l.]: Imprensa da Univ. de Coimbra, 2007. ISBN 989807406X
  17. LIVERMORE, H. V.. Portugal: a traveller's history. [S.l.]: Boydell Press, 2004. ISBN 1843830639
  18. GALLAGHER, Tom. Portugal: a twentieth-century interpretation. [S.l.]: Manchester University Press ND, 1983. ISBN 071900876X
  19. Paulo Vicente. O 5 de Outubro de 1910: a trajectória do republicanismo. In-Devir. Página visitada em 27 de agosto de 2010. "O Partido Republicano [...] soube capitalizar em seu favor a crise económica que se abateu sobre o país e o descrédito em que se encontravam os partidos do rotativismo monárquico. Num tom violento e populista, desdobrava-se em violentas críticas ao rei e aos seus governos, que identificava com a «decadência nacional». Ao longo da década de 80 do século XIX, a expressão eleitoral do Partido Republicano foi crescendo e, com ela, cresceu também o clima de exaltação patriótica."
  20. página do Governo da República Portuguesa. Chefes do Governo desde 1821. 2009. Página visitada em 26 de setembro de 2010.
  21. Antigos Presidentes: António José de Almeida. Página Oficial da Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  22. Santos, Maria Emília Madeira. Silva Porto e os problemas da África portuguesa no século XIX: Série Separatas / Centro de Estudos de Cartografia Antiga (em português). Coimbra: Junta de Investigações Científicas do Ultramar, 1983. 27 p. vol. 149.
  23. Silva Porto: do Brasil a África (em português) (24 de fevereiro de 2008). Página visitada em 7 de maio de 2010.
  24. Pélissier, René. Campanhas coloniais de Portugal, 1844-1941. [S.l.]: Estampa, 2006. 27 p. ISBN 9723323052
  25. Nuno Severiano Teixeira. Política externa e política interna no Portugal de 1890: o Ultimatum Inglês. Análise Social - Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  26. A revolta de 31 de Janeiro de 1891. Livra Portugal. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  27. a b c Antecedentes históricos do Hino Nacional. Arquivo Histórico de Portugal. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  28. De fundo vermelho com um grande círculo verde ao centro, esta bandeira está hoje exposta no Museu Soares dos Reis, no Porto.
  29. 1891: Revolta militar de 31 de Janeiro, no Porto. Farol da Nossa Terra. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  30. Carlos Loures. 31 de Janeiro (Centenário da República). Página visitada em 4 de setembro de 2010. "O levantamento militar de 31 de Janeiro de 1891, no Porto, foi a primeira tentativa de derrube do regime monárquico pela força. Desde 1880, quando das comemorações do tricentenário de Camões, que, em crescendo, o ideal republicano e a capacidade de organização dos seus militantes, inclusive no seio das Forças Armadas, fazia prever uma rebelião. [...] Tendo fracassado no plano militar [...], o movimento de 31 de Janeiro foi, por assim dizer, uma vitória histórica, pois transformou-se numa data fetiche, num símbolo, para os republicanos que, dezanove anos depois triunfariam."
  31. Quental, Antero de. Prosas sócio-políticas: publicadas e apresentadas por Joel Serrão (em português). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982. 248 p.
  32. a b c Lourenço Pereira Coutinho. História do Partido Republicano Português - Parte I. Centenário da República - vamos fazer história!. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  33. Rodrigues de Freitas, Primeiro Deputado da República. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  34. "Ser republicano, por 1890, 1900 e 1910, queria dizer ser contra a Monarquia, contra a Igreja e os Jesuítas, contra a corrupção política e os partidos monárquicos. [...] A tendência geral era para se conceder à palavra República algo de carismático e místico, e para acreditar que bastaria a sua proclamação para libertar o País de toda a injustiça e de todos os males". A. H. de Oliveira Marques (coord.). "Portugal – Da Monarquia para a República" in Nova História de Portugal, Volume XI, Lisboa, Editorial Presença, 1991, p. 372. cit in Artur Ferreira Coimbra. Paiva Couceiro e a Contra-Revolução Monárquica (1910-1919). Braga, Universidade do Minho, 2000. pp. 13-14.
  35. Nogueira (José Félix Henriques). Portugal - Dicionário Histórico. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  36. Igreja e Estado. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  37. Teófilo Braga, em carta escrita na sua juventude, prefigura já um implacável anticlericalismo: "O padre há-de ser sempre uma sombra que se não dissipa nem à força de muita luz; envolve-nos, deixa-nos na solidão de nós mesmos, no tédio do vazio, quando a alegria transpira e ri lá fora por toda a parte; torna-nos pouco a pouco a vida um remorso, a esperança um nada impalpável, porque só no-la prometem para além da campa" Homem, A. Carvalho. A Ideia Republicana em Portugal: o Contributo de Teófilo Braga (em português). Coimbra: Minerva, 1989. 172 p. cit. in Queirós, Alírio. A Recepção de Freud em Portugal (em português). Coimbra: Universidade de Coimbra, 2009. 28 p.
  38. Vasco da Gama e Luís de Camões. Página visitada em 3 de setembro de 2010.
  39. O tricentenário de Camões. Página visitada em 3 de setembro de 2010.
  40. a b 1 de Fevereiro: O dia em que a Monarquia morreu. Mundo Portugues. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  41. a b Quais os motivos que estão na base do regicídio?. Departamento de Bibliotecas e Arquivos, da Câmara Municipal de Lisboa. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  42. João Franco. Portugal - Dicionário Histórico. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  43. a b Governo de João Franco. www.iscsp.utl.pt. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  44. a b c d e Do visconde de esgrima, as armas que mataram o rei.... A Bola. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  45. D. Manuel II. O Atentado de 1 de Fevereiro. Documentos. Associação Cívica República e Laicidade, pp. 3 e 4. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  46. a b Percurso histórico do Regicídio. Hemeroteca Digital. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  47. 4ª Dinastia D. Carlos – o “Martirizado” reinou de 1889 – a 1908. www.g-sat.net. Página visitada em 30 de agosto de 2010.
  48. Regicídio no Terreiro do Paço. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  49. "O atentado horrorizará a Europa e o mundo. O facto de não ser um acto isolado de um anarquista ou de um par de fanáticos, mas um conluio organizado, chocará particularmente a comunidade internacional. Imagens das campas dos regicidas cobertas de flores são publicadas na imprensa inglesa com o título «Lisbon's Shame» (A vergonha de Lisboa)." In NOBRE, Eduardo. "O regicídio de 1908" in revista Única, 2004, p. 40.
  50. Bern, Stéphane. Eu, Amélia, Última Rainha de Portugal (em português). Porto: Livraria Civilização Editora, 1999. 172 p.
  51. Proença, Maria Cândida. D. Manuel II: Colecção "Reis de Portugal" (em português). Lisboa: Círculo de Leitores, 2006. 100 p.
  52. D. Manuel II cit. em Saraiva, José Hermano. História de Portugal (em português). Lisboa: Publicações Alfa, 1983. 112 p. vol. 6..
  53. Governo de Acalmação. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  54. Congresso republicano. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  55. Cândido dos Reis. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  56. Instituições - Carbonária. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  57. Sobre o papel da Maçonaria ver A Maçonaria e a Implantação da República citada na bibliografia
  58. Miguel Bombarda. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  59. Instituições - Monarquia terminal. Almanaque da República. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  60. Ramos, Rui, «A «Vida Nova»», Círculo de Leitores, História de Portugal volume 6, p.380, Julho de 1993. ISBN 972-42-0971-7
  61. Afonso Costa - 5 de Outubro de 1910. www.citi.pt. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  62. 5 de Outubro de 1910. Olho Vivo. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  63. A revolução do 5 de Outubro de 1910. Tinta Fresca. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  64. a b Assassinato de Miguel Bombarda. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  65. Visita a Portugal do Presidente da República do Brasil, Marechal Hermes da Fonseca. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  66. a b c d e D. Manuel de Bragança parte para o exílio. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  67. O 5 de Outubro de 1910. Dia 3 Out.. Centenário da República. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  68. Quartel-general nos Banhos de S. Paulo. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  69. Reunião da Rua da Esperança. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  70. Relvas, José. Memórias Políticas (em português). Lisboa: Terra Livre, 1977. 112 p.
  71. Machado Santos prepara o assalto a Infantaria 16. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  72. a b Medina, João. História de Portugal: Monarquia Constitucional (II) - A República (I) (em português). Amadora: Edita Ediclube, Edição e Promoção do Livro, 2004. 445 p. XX vol. vol. XII. ISBN 9727192713
  73. "Quartel de Compolide" in Da Conspiração ao 5 de Outubro de 1910
  74. a b c d e f g h David Ferreira, "Outubro de 1910, 5 de" in Joel Serrão (dir.) Dicionário de História de Portugal. Porto, Livraria Figueirinhas, 1985, vol. IV, pp. 500-504
  75. a b c d e f g h O 5 de Outubro de 1910. Dia 4 Out.. Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  76. "Quartel do Corpo de Marinheiros de Alcântara" in Da Conspiração ao 5 de Outubro de 1910
  77. ANTIGOS PRESIDENTES: Mendes Cabeçadas - Página Oficial da Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 2010-09-08.
  78. Alastra o surto de greves. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  79. David Ferreira, "Gorjão, Manuel Rafael (1846-1918)" in Joel Serrão (dir.) Dicionário de História de Portugal. Porto, Livraria Figueirinhas, 1985, vol. III, p. 133
  80. a b Amadeu Carvalho Homem. República: A revolução no seu "dia inicial". Público. Página visitada em 5 de setembro de 2010.
  81. Paiva Couceiro bombardeia a Rotunda e a Armada anuncia desembarque. Fundação Mário Soares. Página visitada em 15 de setembro de 2010.
  82. Cruzador D. Carlos passa-se para os republicanos. Fundação Mário Soares. Página visitada em 22 de setembro de 2010.
  83. Armada bombardeia o Rossio. Fundação Mário Soares. Página visitada em 22 de setembro de 2010.
  84. Cruzadores S. Rafael e Adamastor bombardeiam o Palácio das Necessidades. Fundação Mário Soares. Página visitada em 22 de setembro de 2010.
  85. Visita a Portugal do Presidente da República do Brasil, Marechal Hermes da Fonseca. Fundação Mário Soares. Página visitada em 22 de setembro de 2010.
  86. a b c O rei foge para Mafra. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  87. Ordem para o bombardeamento do Palácio das Necessidade. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  88. Martins, Rocha. D. Manuel II: História do seu Reinado e da Implantação da República (em português). Lisboa: edição do autor, 1931-1933. 521 p.
  89. Martínez, Pedro Soares. A República Portuguesa e as Relações Internacionais (1910-1926) (em português). Lisboa: Verbo, 2001. 40-41 p. ISBN 9722220349
  90. A noite de 4 para 5 de Outubro. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  91. Armada bombardeia o Rossio. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  92. Notícias da Proclamação da República em Portugal. Capim Margoso. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  93. Encarregado de negócios da Alemanha pede armistício e precipita a vitória republicana. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  94. José Relvas proclamou a República a 5 de Outubro de 1910. RTP. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  95. Vítimas da revolução. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  96. A juga do rei. Guia do concelho de Mafra. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  97. Martins, Rocha. op. cit.. [S.l.: s.n.]. 583 p.
  98. Serrão, Joaquim Veríssimo. História de Portugal: A Primeira República (1910-1926) (em português). Lisboa: Editorial Verbo, 1997. 39 p. vol. IX.
  99. Diário do Governo de 6 de outubro de 1910, cit. in David Ferreira, "Governo Provisório Republicano" in Dicionário de História de Portugal, direcção de Joel Serrão. Porto, Livraria Figueirinhas, 1985, vol. III, p. 142.
  100. Governo Provisório: de 5 de Outubro de 1910 a 3 de Setembro de 1911. 334 dias. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas - Universidade Técnica de Lisboa. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  101. Teófilo Braga, em entrevista ao jornal Dia de 2 de abril de 1913, referiu: "Esse sujeito [José Relvas], logo nos primeiros dias da revolução apresentou-se-nos no conselho de ministros e disse: 'Como o Basílio Teles não vem para as finanças, eu queria ficar no lugar dele.' Eu fiquei mesmo parado, a olhar para o Bernardino [Machado], pasmado do impudor. [...] Mas o homem depois tornou-se a impor [...], e ficou ministro das Finanças" in Carlos Consiglieri (org). Teófilo Braga e os republicanos. Lisboa, Vega, 1987
  102. Proclamação da República nos Paços do Concelho de Lisboa e anúncio do Governo Provisório. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  103. Teófilo Braga discursando perante a Assembleia Nacional Constituinte, cit. in David Ferreira, "Governo Provisório Republicano" in Dicionário de História de Portugal, direcção de Joel Serrão. Porto, Livraria Figueirinhas, 1985, vol. III, p. 144.
  104. Amnistia. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  105. Promulgada a Lei do Divórcio. Fundação Mário Soares. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  106. Leis da Família. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  107. Direito à greve. Fundação Mário Soares. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  108. Trigueiros, António Miguel. A grande história do escudo português (em português). Lisboa: Colecções Philae, 2003. 444 p.
  109. Uma revolução democrática ou a vitória de extremistas?. Público. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  110. Eleições de 1911 (28 de Maio). Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas - Universidade Técnica de Lisboa. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  111. Serrão, Joaquim Veríssimo. op. cit.. [S.l.: s.n.]. 141 p.
  112. Bandeira Nacional. Página Oficial da Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 27 de agosto de 2010.
  113. Evolução da bandeira nacional. Arquivo Histórico do Governo de Portugal. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  114. António Martins. Bandeira de Portugal. www.tuvalkin.web.pt. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  115. Bandeira Nacional. Arquivo Histórico do Governo de Portugal. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  116. Decreto que aprova a Bandeira Nacional. Arquivo Histórico do Governo de Portugal. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  117. Diário da Assembleia Nacional Constituinte - 1911. Assembleia da República. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  118. Decreto da Assembleia Nacional Constituinte de 19 de Junho. Página Oficial da Presidência da República Portuguesa (19 de junho de 1911). Página visitada em 26 de setembro de 2010.
  119. a b A Portuguesa (hino). Infopédia. Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  120. Hino Nacional. Página Oficial da Presidência da República Portuguesa (2010). Página visitada em 26 de setembro de 2010.
  121. Resolução do Conselho de Ministros. Diário da República (4 de setembro de 1957). Página visitada em 31 de agosto de 2010.
  122. Trigueiros. op. cit.. [S.l.: s.n.]. 93 e 139 p.
  123. a b Bustos da República. Correios de Portugal. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  124. A República começou por perder a cabeça a concurso -. Diário de Notícias. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  125. Busto da República não deve ser mudado, dizem escultores. Publico. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  126. Busto da República - Francisco dos Santos. Assembleia da República. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  127. a b Busto da República da autoria de Simões de Almeida (sobrinho). Assembleia da República. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  128. Vale a pena conhecer... a história do busto da República (Ilga Pulga). Chão de Areia. Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  129. Descendente de "musa" inspiradora do busto da República imagina que seria "mulher atrevida". publico.pt. Página visitada em 1 de agosto de 2010.
  130. a b lei de Separação do Estado e da Igreja - Infopédia. Página visitada em 2010-09-08.
  131. História em Portugal. Jesuítas. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  132. Governo Provisório. www.iscsp.utl.pt. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  133. a b c Separação da Igreja e do Estado em Portugal (I República). Infopédia. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  134. A Primeira República (1910-1926): Dossier temático dirigido às Escolas (em português). Palmela: Rede Municipal de Bibliotecas Públicas do Concelho de Palmela, 2009. 39 p.
  135. Aveiro e o seu Distrito - n.º 10 - dezembro de 1970. www.prof2000.pt. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  136. Página Oficial. Santuário de Fátima. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  137. Lei de Separação do Estado e da Igreja. Infopédia. Página visitada em 2 de setembro de 2010.
  138. Serra, João B. Portugal, 1910-1940: da República ao Estado Novo (em português). [S.l.: s.n.], 1997. 7-8 p.
  139. Comunicado de Bernardino Machado honrando todos os compromissos internacionais. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  140. Bernardino Machado apresenta cumprimentos de despedida ao Presidente eleito do Brasil. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  141. a b O Brasil reconhece a República Portuguesa. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  142. a b O Reconhecimento Internacional da República Portuguesa. Monarquia. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  143. EUA reconhecem a República. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  144. a b Governo britânico reconhece "de facto" a República portuguesa. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  145. A França reconhece "de jure" a República Portuguesa. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  146. A Grã-Bretanha reconhece "de jure" a República Portuguesa. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.
  147. Reconhecimento internacional. Fundação Mário Soares. Página visitada em 23 de setembro de 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações