Casa Pia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Casa Pia de Lisboa)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Casa Pia de Lisboa, I. P.

Coat of arms of Portugal.svg
Organização
Natureza jurídica Instituto público
Missão Promoção dos direitos e proteção das crianças e jovens
Dependência Governo de Portugal
Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social
Chefia Cristina Fangueiro,
presidente do conselho diretivo
Documentos institucionais Lei Orgânica da CPL, I. P.
Estatutos da CPL, I. P.
Localização
Jurisdição territorial Flag of Portugal.svg Portugal
Sede Lisboa
Histórico
Criação 3 de julho de 1780
Sítio na internet
www.casapia.pt

A Casa Pia MHCMHIPMB – formalmente Casa Pia de Lisboa, I. P. (CPL, I. P.) - é um organismo do Estado Português que tem por missão a promoção dos direitos e a proteção das crianças e dos jovens. Atualmente, a Casa Pia tem o estatuto de instituto público e funciona sob tutela do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social.

História[editar | editar código-fonte]

O aluno Raul d' Assumpção, do curso de sargentos da Casa Pia de Lisboa, prepara-se para montar uma bicicleta (1907).

A instituição remonta à fundação da Real Casa Pia de Lisboa (Lisboa, 3 de julho de 1780), por Pina Manique, intendente-geral da Polícia sob o reinado de Maria I de Portugal. Destinava-se à educação de órfãos e à recuperação, através do trabalho, de mendigos e vadios.

Edifício da antiga Real Casa Pia do Porto.

As oficinas da Casa Pia tornaram-se centros importantes de produção, fornecendo material para a Marinha Portuguesa e para o Exército Português, assim como centros de formação profissional: os mestres formados na Casa Pia por vezes regressavam à sua terra natal, a trabalhar e a ensinar a sua arte. Os educandos que se mostravam mais aptos recebiam uma educação complementar: escrituração comercial, francês, aritmética militar, desenho e farmacologia, esta última formação em laboratório especialmente criado para o efeito, e que fornecia remédios a farmácias. Os mais dotados ingressavam em estudos superiores: na Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, na Academia Real de Marinha, no estudo da Medicina em Londres e na Academia de Portugal em Roma.

No Porto, em 1792, foi criada a Real Casa Pia do Porto, segundos os moldes da congênere em Lisboa. A Casa Pia do Porto seria, no entanto, extinta em 1837.

No contexto da Guerra Peninsular, a Casa Pia de Lisboa foi encerrada com a ocupação do Castelo de São Jorge pelas tropas napoleónicas sob o comando de Jean-Andoche Junot. Foi reaberta em 1812 no Convento do Desterro apenas para a infância desvalida.

O governo liberal deu-lhe, em 1833, melhores instalações no mosteiro dos Jerónimos. Em 1834 iniciou o ensino e reabilitação de surdos.

Após a Implantação da República Portuguesa, ao ensino elementar, doméstico e de Artes e Ofícios, o novo regime acrescentou os ensinos agrícola e industrial.

Em 1942 a Casa Pia passou a integrar um conjunto de Colégios ficando disseminada por toda a cidade de Lisboa.

Tendo se destacado ao longo de sua história pelo seu ensino técnico-profissional, a intervenção com surdos e surdocegos é hoje uma das suas principais áreas de actuação.

Mantém ainda um museu, o "Museu do Centro Cultural Casapiano", destinado a preservar e narrar a sua secular história.

O escândalo da Casa Pia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Processo Casa Pia

Em 2002, Portugal foi abalado pelo escândalo da Casa Pia, alegado abuso sexual de menor, alunos e ex-alunos da instituição, por políticos e figuras destacadas da sociedade portuguesa e da comunicação social. Um grupo de ex-alunos da Casa Pia denunciaram as práticas pedófilas, homossexuais e de proxenetismo. O escândalo foi divulgado sobretudo pela jornalista Felícia Cabrita no semanário Expresso, dando origem a um longo processo judicial que ainda corre no tribunal de Lisboa.

Alunos ilustres[editar | editar código-fonte]

Condecorações[5][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. CM
  2. CM
  3. CM
  4. CM
  5. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Casa Pia". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 9 de abril de 2013 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.