Claude Joseph Vernet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Claude Joseph Vernet
Nascimento Claude Joseph Vernet
14 de agosto de 1714
Avinhão
Morte 3 de dezembro de 1789 (75 anos)
Paris
Cidadania França
Progenitores
  • Antoine Vernet
Filho(s) Carle Vernet, Full-Length, Marguerite Émilie Chalgrin
Irmão(s) Jean-Antoine Vernet
Ocupação pintor, gravador, litógrafo
Obras destacadas A Cascata em Tivoli

Claude Joseph Vernet (Avinhão, 14 de agosto de 1714Paris, 3 de dezembro de 1789) foi um pintor, desenhista e gravurista francês. À sua época, Vernet foi o mais famoso pintor de paisagens.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Claude Joseph Vernet era filho do pintor decorativo Antoine Vernet, de quem também recebeu as primeiras lições artísticas. Através da mediação do pai, Vernet mais tarde tornou-se aluno do pintor Louis René de Vialy em Aix-en-Provence. Lá o Marquês de Caudon, Joseph de Seytres, notou-o e apoiou-o com uma bolsa generosa. Isso permitiu a Vernet ir a Roma em 1734 aos 20 anos e estudar com os pintores de marinha Bernardino Fergioni e Adrien Manglard por um tempo. Em 1743, Vernet tornou-se membro titular da Accademia di San Luca.

Dois anos depois, Vernet casou-se com Virginia Parker, uma inglesa em Roma, filha de um capitão da marinha papal. Mediante o Marquês de Marigny, o diretor dos Bâtiments du Roi, o rei francês Luís XV. Vernet para a corte francesa em 1753. Vernet deveria pintar os portos mais importantes da França e, com essas 24 vistas, representar "a potência marítima da França". Vernet tornou-se membro da Académie royale de peinture et de sculpture em Paris e trabalhou quase exclusivamente na comissão real. Em 1763, ele havia concluído 15 pinturas. Nesse ano ele se estabeleceu em Paris e começou a criar obras para outros membros da nobreza francesa.

A filha de Vernet, Marguerite Émilie, casou-se com o arquiteto Jean-François Chalgrin. Seu filho Antoine Charles Horace Vernet e seu neto Horace Vernet também eram pintores. Ele era um membro da Loja Maçônica Parisiense Les Neufs Sœurs. Com quase 75 anos de idade, o pintor Claude Joseph Vernet morreu em 3 de dezembro de 1789 em Paris.[2][3][4]

Trabalho[editar | editar código-fonte]

As paisagens marítimas de Vernet costumam ter como tema cenas de tempestades e naufrágios. Eles transmitem a experiência do sublime, a força terrível e avassaladora da natureza. Para ganhar ele mesmo essa experiência, o pintor se amarrou ao mastro de um navio durante uma tempestade no mar, segundo a lenda.[5][6]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Levey 1998, p. 198
  2. «Marina di Anzio». Accademia di San Luca. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  3. «Vernet». Treccani. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  4. Greater London Council, Joseph Vernet, Philip Conisbee (1976). Claude-Joseph Vernet, 1714-1789. [S.l.]: The Council; University of Michigan. pp. 1728;1739;1747 
  5. "Vernet, (Claude-)Joseph." Encyclopædia Britannica. Ultimate Reference Suite. Chicago; 2009.
  6. Levey, Michael. Pintura e escultura na França. Cosac Naify Edições, 1998. ISBN 8586374091

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Claude Joseph Vernet