Praça do Comércio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Terreiro do Paço redireciona para este artigo. Para a estação de metropolitano, veja Estação Terreiro do Paço.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Abril de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Praça do Comércio
Arco do Triunfo Português.jpg
Arco da Rua Augusta


Freguesia(s): Santa Maria Maior
Antiga(s) freguesia(s): São Nicolau e Madalena
Lugar, Bairro: Baixa Pombalina
Ruas Afluentes: Avenida Infante Dom Henrique
Avenida da Ribeira das Naus
Rua da Alfândega
Rua do Arsenal
Rua do Ouro (Rua Áurea)
Rua Augusta
Rua da Prata
Homenageado(s): Burguesia mercantil
Designação anterior: Terreiro do Paço
Estatua de Don José I, Plaza del Comercio, Lisboa, Portugal, 2012-05-12, DD 03.JPG
Estátua de D. José I na Praça do Comércio e Arco Triunfal da Rua Augusta.
Toponímia de Lisboa
Praça do Comércio está localizado em: Lisboa
Praça do Comércio
Localização da Praça do Comércio (Terreiro do Paço) em Lisboa

A Praça do Comércio, mais conhecida por Terreiro do Paço, é uma praça da Baixa de Lisboa situada junto ao rio Tejo, na zona que foi o local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos e que hoje está parcialmente ocupada por alguns departamentos governamentais. É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² (180m x 200m).

Já foi considerada o centro do Governo do País.

Em 1511, o rei D. Manuel I transferiu a sua residência do Castelo de São Jorge para este local junto ao rio. O Paço da Ribeira, bem como a sua biblioteca de 70 000 volumes, foram destruídos pelo terramoto de 1755. Na reconstrução, coordenada por Eugénio dos Santos, a praça tornou-se no elemento fundamental do plano do Marquês de Pombal.

Os edifícios que envolvem a praça foram, durante décadas, utilizados por diferentes ministérios e outras instituições públicas. Hoje a sua utilização está dividida entre departamentos governamentais, atividades culturais e promocionais, hotéis, restaurantes e cafés.

É num dos edifícios da praça que se encontra o famoso café Martinho da Arcada, o mais antigo de Lisboa, e um dos preferidos de Fernando Pessoa.

Após a Revolução de 1910 os edifícios foram pintados a cor-de-rosa. Contudo, voltaram recentemente à sua cor original, o amarelo. O lado sul, com as suas duas torres quadradas, está virado para o Tejo.

Foi durante muito tempo a entrada nobre de Lisboa e, nos degraus de mármore do Cais das Colunas, vindos do rio, desembarcaram e foram recebidos chefes de estado e outras figuras de destaque.

No centro da praça, vê-se a estátua equestre D. José, erigida em 1775 por Joaquim Machado de Castro, o principal escultor português do século XVIII.

No lado norte da praça, encontra-se o Arco Triunfal da Rua Augusta, a entrada para a Baixa.

A área serviu como parque de estacionamento até à década de 1990, mas hoje este vasto espaço é usado para eventos culturais e espectáculos.

Acontecimentos históricos.[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de dezembro de 1640 a antiga praça assistiu ao fim da União Ibérica com a prisão da Duquesa de Mântua e a morte do secretário de estado Miguel de Vasconcelos que foi atirado de uma janela do palácio para o Terreiro.

No terramoto de 1755, onde hoje se encontram os edifícios que constituem o Terreiro do Paço, existia o Palácio Real, em cuja biblioteca estavam guardados 70 mil volumes e centenas de obras de arte, incluindo pinturas de Ticiano, Rubens e Correggio. Tudo foi destruído. O precioso Arquivo Real com documentos relativos à exploração oceânica, entre os quais, por exemplo numerosas cartas do descobrimento do Brasil e outros documentos antigos também foram perdidos.

A 1 de fevereiro de 1908, o rei D. Carlos e o seu filho, o Príncipe Real D. Luís Filipe foram assassinados quando passavam na praça.

Na Revolução de 1910, a praça assistiu ao desembarque da Marinha no Cais das Colunas para ocupar locais estratégicos da cidade. A 5 de Outubro de 1910, numa praça junto ao terreiro foi proclamada a República.

A 18 de fevereiro de 1957, a rainha Isabel II do Reino Unido desembarcou no Cais das Colunas, na sua visita a Portugal.

Durante o regime do Estado Novo, alguns dos discursos do Presidente do Conselho, Oliveira Salazar foram proferidos à janela dos ministérios.

No dia 25 de abril de 1974 a praça assistiu a um dos episódios da revolução que derrubou o governo de Marcello Caetano e o Estado Novo.

No dia 11 de maio de 2010 o Papa Bento XVI celebrou uma missa na praça com cerca de 280 mil pessoas a assistir.

Em 2016, a praça voltou a receber as comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades que aqui não se realizavam desde o fim do Estado Novo.

Imagens históricas[editar | editar código-fonte]

Terreiro do Paço em 1575
Terreiro do Paço em 1662]], por Dirk Stoop
Terreiro do Paço em 1740
Terreiro do Paço - Ala Norte e Nascente
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Praça do Comércio
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.