Escola Prática de Infantaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Escola Prática de Infantaria
País  Portugal
Estado Desativada
Corporação Exército Português
Subordinação Comando da Instrução e Doutrina
Missão Formação de infantaria
Sigla EPI
Criação 1890
Extinção 2013
Lema Ad unum
Sede
Quartel Convento de Mafra
Concelho Mafra

A Escola Prática de Infantaria (EPI) MHTEMHAMHL era um estabelecimento de ensino do exército português, cujo objetivo é a formação de tropas na arma de infantaria. Este estabelecimento estava instalado em parte do edifício do Convento de Mafra, na vila de Mafra.

Foi criada em 1890 e desativada em 2013, passando as suas funções para a Escola das Armas.

História[editar | editar código-fonte]

A origem da Escola Prática de Infantaria remonta ao período da terceira invasão francesa, quando o marechal William Carr Beresford cria o Depósito de Recrutas de Infantaria no Convento de Mafra, em 1809. Anos mais tarde, em 1841, o mesmo convento recebe diversas unidades militares, desde caçadores, infantaria, artilharia, lanceiros e cavalaria. O Depósito Geral seria encerrado em 1860, depois de aí terem falecido 94 recrutas devido a uma doença do foro infecto-contagioso.[1] Em 1887, o ministro da Guerra, visconde de São Januário, cria oficialmente a Escola Prática de Infantaria e Cavalaria, por carta de lei de 22 de Agosto, reunindo numa mesma escola a formação para as armas de infantaria e cavalaria. No ano seguinte, é criada a primeira carreira de tiro em Portugal.

Em 1890, os cursos de infantaria e de cavalaria são separados, ficando a escola de Mafra com a instrução de infantaria e a designação de "Escola Prática de Infantaria". Esta separação teve por objetivo a especialização dos oficiais saídos da Escola do Exército na arma de infantaria; o regulamento que separou as duas especialidades, também criará as secções tiro, esgrima e ginástica. Mais tarde, em 1902, é criada a Escola Central de Sargentos.

A designação da EPI é alterada para "Escola de Tiro da Infantaria", em 1911. Em 1926, é reestabelecida a anterior designação de "Escola Prática de Infantaria".

A Escola Prática de Infantaria esteve presente em momentos de destaque na história de Portugal, dos quais se destaca a preparação das tropas para a Guerra Colonial Portuguesa e a participação na Revolução do 25 de Abril de 1974.[2] [3]

A Escola Prática de Infantaria foi desativada a 1 de outubro de 2013, na sequência de unificar as diversas escolas práticas das armas do Exército numa única Escola das Armas.

Publicações da Escola Prática de Infantaria[editar | editar código-fonte]

  • Newsletter da Escola Prática de Infantaria[4]
  • Edições da Revista Azimute[4]

Comandantes da EPI[editar | editar código-fonte]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

A bandeira da Escola Prática de Infantaria foi:

A Escola Prática de Infantaria foi:

Referências

  1. Informação em Guia do Concelho de Mafra
  2. Cronologia na página "25 de Abril"
  3. Relatório da EPI sobre a participação no 25 de Abril
  4. a b «Publicações da Escola Prática de Infantaria». Sitio oficial do Exército Português. 
  5. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Bandeira da Escola Prática de Infantaria". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2013-05-24. 
  6. «Ordem do Mérito Militar». Resultado da busca de "Escola Prática de Infantaria". Secretaria-Geral do Exército (Brasil). Consultado em 2013-05-26. 
  7. a b c «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Escola Prática de Infantaria". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2013-05-26. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.