Manutenção Militar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Manutenção Militar (MM) é um estabelecimento fabril e logístico do Exército Português.

Compete à MM fabricar ou gerir o abastecimento de viveres, combustíveis, lubrificantes e outros artigos para o Exército. Em segunda prioridade a MM apoia também as forças nacionais destacadas (FND) no exterior, os restantes ramos das Forças Armadas Portuguesas, as forças de segurança e a Autoridade Nacional de Protecção Civil. A MM assegura também o funcionamento das messes do Exército. Também compete à MM apoiar as família militar.

Organização[editar | editar código-fonte]

A Manutenção Militar é dirigida por um coronel de administração militar, dependente do Comando da Logística do Exército. Inclui:

  • Gabinete de Apoio;
  • Gabinete de Auditoria Interna;
  • Gabinete de Organização e Informática;
  • Gabinete de Coordenação do Controlo da Qualidade;
  • Gabinete de Apoio às Messes,
    • Messe de Oficiais de Caxias,
    • Messe de Oficiais de Évora,
    • Messe de Oficiais de Lisboa,
    • Messe de Oficiais de Pedrouços,
    • Messe de Oficiais do Porto,
    • Messe de Sargentos de Évora,
    • Messe de Sargentos de Lisboa,
    • Messe de Sargentos do Porto,
    • Messe Militar de Lagos;
  • Serviço de Contabilidade e Finanças;
  • Serviços Comerciais;
  • Serviços Gerais;
  • Serviços Gerais;
  • Sucursal do Porto,
    • Delegação de Coimbra,
  • Sucursal de Évora,
  • Sucursal do Entroncamento
    • Delegação de Santa Margarida;
  • Delegação do Funchal;
  • Delegação de Ponta Delgada.

História[editar | editar código-fonte]

A Manutenção Militar foi criada pelo Decreto de 11 de junho de 1897, sendo instalada no antigo Convento das Agostinhas em Lisboa. A sua origem, contudo, remonta a 1772, altura em que é atribuída ao Estado a responsabilidade pela alimentação militar. Em 1811 é criado o Comissariado de Víveres do Exército. Em 1861 é iniciado, a título experimental, o fabrico e fornecimento de pão ao Exército por administração direta do Estado. Em 1862 é criada a Padaria Militar, que virá a ser transformada na MM em 1897.

Em 1899, a MM abre a primeira sucursal fora de Lisboa, localizada em Coimbra. Posteriormente e até 1937, também serão criadas sucursais no Porto, Bragança, Elvas, Tavira, Viana do Castelo, Chaves, Régua, Viseu, Guarda e Entroncamento, além das delegações de Beja, Estremoz e Aljustrel. A MM passa assim a ter representações em quase todas as povoações onde existem guarnições militares significativas.

A abertura de representações nos vários pontos do continente é acompanhada por um forte desenvolvimento da capacidade industrial da MM. Em 1922, a MM demonstra essa capacidade ao participar na Exposição Internacional do Rio de Janeiro.

Em 1925 é inaugurada a Messe de Oficiais de Lisboa, a primeira da MM. Posteriormente virão a ser criadas as messes de oficiais de Caxias, Évora, Pedrouços e Porto, as messes de sargentos de Lisboa, Évora e Porto e a messe militar (mista para oficiais e sargentos) de Lagos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, é atribuída à MM a função de alimentar as tropas empenhadas em manobras militares bem como as enviadas como reforço para defesa das Ilhas e do Ultramar.

A partir de 1959, a MM começa a instalar-se no Ultramar Português. Até 1974 são criadas as sucursais de Luanda, Lourenço Marques, Guiné e Timor, as delegações de Nova Lisboa, Beira, Luso e Nampula, as messes de oficiais e sargentos de Luanda, Lourenço Marques e Nampula e as messes de oficiais de Nova Lisboa e Timor. Durante a Guerra do Ultramar, a MM é responsável pela alimentação dos enormes contingentes de tropas empenhados em combate.

Entretanto, a partir de 1961, são criados os supermercados militares destinados a apoiar as famílias dos militares.

Com o fim da Guerra do Ultramar, a independência dos territórios ultramarinos e a redução do efetivo militar, a MM é reorganizada e redimensionada de modo a adaptar-se à nova realidade.

Em 1994, a MM inicia a sua missão de apoiar logisticamente as forças nacionais destacadas em países estrangeiros, fornecendo-lhes abastecimentos das classes I (subsistências), III (combustíveis e lubrificantes) e VI (produtos pessoais).

Na sequência da comemoração do seu primeiro centenário, em 1997 a MM é condecorada com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos.

Referências[editar | editar código-fonte]