Nampula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Nampula
  Cidade, município e distrito  
Mapa da província de Nampula com localização da cidade do mesmo nome
Mapa da província de Nampula com localização da cidade do mesmo nome
Nampula está localizado em: Moçambique
Nampula
Localização de Chimoio em Moçambique
Coordenadas 15° 7' S 39° 15' O
País  Moçambique
Província Nampula
Distrito Nampula
Fundação 1907
Cena urbana na cidade de Nampula.

Nampula é a cidade capital da província do mesmo nome, em Moçambique e é conhecida como a Capital do Norte. Está localizada no interior da província[1] e a sua população é, de acordo com o censo de 2017, de 743 125 habitantes.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade deriva do nome de um líder tradicional, M'phula ou Whampula.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade tem origem militar, uma característica que ainda hoje se mantém. Uma expedição militar portuguesa, chefiada pelo Major Neutel de Abreu acampou nas terras de Whampula a 7 de Fevereiro de 1907,[1] o que levou à construção do comando militar de Macuana. A povoação foi criada em 6 de Dezembro de 1919 tendo-se tornado a sede da Circunscrição Civil de Macuana em Junho de 1921[1]. A chegada do caminho de ferro, a partir do Lumbo, contribuiu para o desenvolvimento da povoação, que foi elevada a vila em 19 de Dezembro de 1934 e a cidade em 22 de Agosto de 1956[1]. Nampula torna-se o Quartel-General do exército português durante a guerra colonial, o qual, com a independência nacional, passou a Academia Militar Samora Machel.

Geografia e política[editar | editar código-fonte]

Administrativamente, a cidade de Nampula é um município, tendo um governo local eleito e é também, desde Dezembro de 2013, um distrito, uma unidade local do governo central.[3] A cidade está completamente rodeada (mas administrativamente separada) pelo distrito de Rapale. Na mesma data o posto administrativo de Anchilo foi transferido deste distrito para o de Nampula,[4] que se encontra dividido nos seguintes postos administrativos e sub-dividido em localidades [5]:

Administração[editar | editar código-fonte]

Desde a independência nacional a cidade teve vários administradores, tendo os dois últimos já sido eleitos presidentes do Conselho Municipal, estrutura autárquica instituída em 1998:

  • Aurélio das Neves
  • Germano José Joaquim
  • Francisco Joaquim de Lima
  • Narciso João Iondela
  • Ishaca Abdul Ali Baraca
  • Dionísio Cherewa
  • Castro Namuaca
  • Mahamudo Amurane (Assassinado em 4 de Outubro de 2017)[6]

Cultura e lazer[editar | editar código-fonte]

Patrimônio arquitetônico[editar | editar código-fonte]

Catedral Católica de Nampula.

Patrimônio cultural[editar | editar código-fonte]

Uma das principais manifestações culturais locais é a tradicional peregrinação ao Santuário de Santa Maria Mãe do Redentor do distrito de Meconta, promovida pela Arquidiocese de Nampula.[1]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

A cidade da Nampula tem como principal meio logístico os corredores rodoviários, sendo que a principal rodovia é a rodovia N1, qua a liga a Marrupula (sudoeste) e a Nacavala (leste). Outras rodovias importantes são a N13, que a liga a Rapale (oeste), e; a N104, que a liga a Nametil, (sudeste).

A cidade é atravessada pelo Caminho de Ferro de Nacala, que a liga ao porto de Nacala (leste) e ao Maláui, no oeste. Esta ferrovia é um importante meio de transporte de cargas e pessoas para os moradores de Nampula.

Outra estrutura logística importante é o Aeroporto Internacional de Nampula.

Educação[editar | editar código-fonte]

Na cidade de Nampula está a sede principal da Universidade Lúrio, onde albergam-se a Faculdade de Ciências da Saúde, a Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico, a UniLúrio Business School e a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Referências

  1. a b c d e Araújo, Manuel Mendes (2005) "Cidade de Nampula: a Rainha do Norte de Moçambique" in Finisterra, XL, 79, 2005, pp. 209-222 no site do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (Portugal) acessado a 15 de outubro de 2009
  2. http://www.ine.gov.mz/operacoes-estatisticas/censos/censo-2007/censo-2017/divulgacao-os-resultados-preliminares-iv-rgph-2017
  3. Lei nº 26/2013, publicada no Boletim da República nº 101, I Série, de 18 de Dezembro de 2013, pág. 1059-1061 (3)
  4. Lei nº 28/2013, publicada no Boletim da República nº 101, I Série, de 18 de Dezembro de 2013, pág. 1062
  5. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome ine.gov.mz
  6. «Mahamudo Amurane assassinado a tiro». Notícias. 5 de outubro de 2017. Consultado em 18 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]