Malema (distrito)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Malema
  Distrito  
Localização
Localização do distrito em Moçambique
Localização do distrito em Moçambique
País  Moçambique
Província Nampula
Administração
Capital Malema
Postos administrativos Chuhulo, Malema e Mutuali
Características geográficas
Área total 6 122 km²
População total (2017) 213 011 hab.
Densidade 34,8 hab./km²
Fuso horário EAT (UTC+3)

Malema é um distrito da província de Nampula, em Moçambique, com sede na vila de Malema. Tem limite, a norte com os distritos de Nipepe e Maúa ambos da província de Niassa, a noroeste com o distrito de Metarica também da província de Niassa, a oeste com o distrito de Cuamba ainda da província de Niassa, a sul com os distritos de Gurúè e Alto Molócue da província da Zambézia, e a este com os distritos de Ribaué e Lalaua.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O distrito tem uma área de 6 082 km², com um relevo acidentado e altitudes que variam entre os 300 e os 1 800 metros e solos de origem metamórfica. O ponto mais alto é o Monte Murripa com 1 870 m. O distrito tem um clima tropical húmido. Dos numeroso cursos de água do distrito importa salientar o rio Malema, um rio perene e que dá o nome ao distrito e à sua capital. Outro rio importante é o Nalumo, na região de Mutuali e que também é um afluente do Lúrio, rio que forma o limite norte e oeste do distrito e que também é um limite entre as províncias de Nampula e Niassa.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A génese do distrito de Malema começa com a ocupação colonial do então distrito de Moçambique (actual província de Nampula) em 1906. Assim, as primeiras estruturas administrativas foram de natureza militar. Até 1914, a região interior da província constituía a Capitania da Macuana Interior. Com a progressão da conquista, foi formada, nesse ano, a Capitania-Mor do Alto Lúrio, que incluía, desde 1912, o Posto Militar de Entre-Rios (Malema). A capitania-mor foi extinta em 1917, tendo sido criados, em sua substituição, vários comandos militares, entre os quais o Comando Militar de Malema. Com a conclusão da conquista militar, os comandos militares foram transformados em circunscrições civis, nascendo então a Circunscrição de Malema.[2] Em Agosto de 1913 foi estabelecido o Posto Militar de Mutuali (actual posto administrativo), parte do Comando Militar de Malema.[3] Estas estruturas administrativas substituíram unidades políticas locais, sendo que alguns dos chefes macuas conhecidos da região de Malema eram Avarra, Malaia, Macalia, Muimela, Namecuna, e Mutala.[2]

A Guerra Civil que assolou o país a partir de 1977 acabou por atingir o distrito em 1984, quando decorreram as primeira acções militares dos guerrilheiros da RENAMO. Estas atingiram primeiramente o posto administrativo de Mutali, mas acabaram por afectar todo o distrito, a partir de algumas bases criadas pela RENAMO no distrito. A vila de Malema foi atacada e ocupada pela RENAMO durante três dias em Fevereiro de 1987 e continuou a ser atacada esporadicamente até Novembro de 1988. No entanto, os principais alvos da guerrilha eram as infraestruturas, especialmente a ferrovia que cruza o distrito e as aldeias comunais criadas pelo governo. Além da destruição física, o conflito causou a movimentação da população rural em busca de refugio em locais mais seguros, especialmente na vila de Malema e seus arredores.[3]

Com o alvor da independência, as circunscrições foram transformadas em concelhos pelo Decreto nº 59/74 de 27 de Julho e finalmente através do Decreto-lei nº 6/75 de 18 de Janeiro os concelhos passam a denominar-se distritos, formando-se então o Distrito de Malema.[4]

Demografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com os resultados finais do Censo de 2017, o distrito tem 213 011 habitantes[5] numa área de 6 082 km²,[6] o que resulta numa densidade populacional de 35 habitantes por km². A população registada no último censo representa um aumento de 26% em relação aos 169 079 habitantes contabilizados no Censo de 2007.[7]

População do distrito de Malema[8][7][5]
1997 2007 2017
128 732 169 079 213 011

O distrito é habitado maioritariamente pelo grupo étnico macua, cuja língua era materna de 63% da população em 1997.[1] A religião dominante em 2012 era a católica seguida por 46,3% da população, com uma minoria substancial de evangélicos (15,6%) e 18,1% sem religião.[6]

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

O distrito está dividido em três postos administrativos: Chuhulo, Malema e Mutuali, compostos pelas seguintes localidades:[1]

  • Posto Administrativo de Chuhulo:
    • Chuhulo
  • Posto Administrativo de Malema:
    • Malema
    • Muralelo
    • Nataleia
    • Nioce
  • Posto Administrativo de Mutuali:
    • Mutuali
    • Chipaca

Economia[editar | editar código-fonte]

A actividade económica dominante no distrito é a agricultura, envolvendo a quase totalidade da população (94%), com apenas 2% da população activa no sector secundário e 4% no terciário.[1] A maior parte da produção agrícola é de sequeiro para auto-sustento, mas existem pequenos sistemas de irrigação que permitem a produção arícola ao longo de todo o ano, granjeando ao distrito o título de "celeiro" da província de Nampula.[9] Comercialmente, são cultivados o tabaco[10] e o algodão. As principais culturas alimentícias são: mandioca, a principal, mais a milho, mapira e feijão. O distrito tem vastos recursos florestais, nomeadamente as espécies umbila, chanfuta, pau-preto e umbaia. A sector industrial é limitado, limitando-se ao processamento de algodão e a unidades moageiras.[1]

De acordo com o Inquérito Agrário Integrado de 2020, o distrito produziu o seguinte nas culturas selecionadas:[11]

Cultura Produção
(toneladas)
Milho 17 241
Feijão 2 110
Soja 228
Arroz 106

O mesmo inquérito arrolou 1 275 cabeças de gado bovino.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «Perfil do Distrito de Malema» (PDF). Ministério da Administração Estatal. 2005. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  2. a b Medeiros, Eduardo da Conceição (1997). História de Cabo Delgado e do Niassa, c. 1836-1929. Maputo: [s.n.] pp. 132–136 
  3. a b Malache, Adriano Manuel (Outubro de 1995). «Pós-guerra e recuperação económica no distrito de Malema». Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique. Boletim do Arquivo Histórico de Moçambique, nº 19: 111-123. Consultado em 10 de novembro de 2014 
  4. «Divisão Territorial e Toponímia, Documento de Trabalho nº 1» (PDF). Assembleia da República, Commissão de Agricultura, Desenvolvimento Regional, Administração Pública e Poder Local. 1996. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  5. a b «QUADRO 3. POPULAÇÃO POR IDADE, SEGUNDO ÁREA DE RESIDÊNCIA, DISTRITO E SEXO. PROVÍNCIA DE NAMPULA, 2017». Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  6. a b «Estatísticas do Distrito de Malema» (PDF). INE. Novembro de 2012. Consultado em 12 de novembro de 2021 
  7. a b «INDICADORES SOCIO-DEMOGRÁFICOS DISTRITAIS». Instituto Nacional de Estatística. 2012. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  8. «II Recenseamento Geral da População e Habitação, 1997, Resultados Definitivos» (PDF). Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 2 de março de 2022 
  9. «O Impacto da Exploração Florestal no Desenvolvimento das Comunidades Locais nas Áreas de Exploração dos Recursos Faunísticos na Província de Nampula» (PDF). OMRE. Julho de 2014. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  10. «Falta de Mercado Inquieta Produtores de Tabaco em Nampula». Diário Económico. 26 de abril de 2021. Consultado em 18 de novembro de 2021 
  11. «Inquérito Agrário Integrado 2020 - Marco Estatístico» (PDF). Direcção de Planificação e Políticas (DPP), Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural. 2021. Consultado em 18 de novembro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Moçambique, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.