Revolução Cultural Chinesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procuram a revolução comunista de 1949, veja Revolução Chinesa.

A Revolução Cultural (chinês tradicional: 文化大革命, chinês simplificado: 文化大革命, pinyin: wénhuà dàgémìng), formalmente a Grande Revolução Cultural Proletária (chinês tradicional: 無產階級文化大革命, chinês simplificado: 无产阶级文化大革命, pinyin: wúchǎnjiējí wénhuà dàgémìng), foi um movimento sociopolítico na China a partir de 1966 até 1976. Lançado por Mao Tsé-Tung, Presidente do Partido Comunista da China (PCC), seu objetivo declarado era preservar o comunismo chinês purgando os restos de elementos capitalistas e tradicionais da sociedade chinesa, e reimpor o Pensamento Mao Tsé-Tung (conhecido fora da China como Maoísmo) como a ideologia dominante no PCC. A Revolução marcou o retorno de Mao à posição central de poder na China após um período de liderança menos radical para se recuperar dos fracassos do Grande Salto para a Frente, que contribuiu para a Grande Fome Chinesa apenas cinco anos antes.

A Revolução Cultural danificou a economia e a cultura tradicional da China, com um número estimado de mortos variando de centenas de milhares a 20 milhões.[1][2][3][4][5][6] Começando com o "Agosto Vermelho" de Pequim, massacres ocorreram na China continental, incluindo o Massacre de Quancim (canibalismo humano em grande escala também ocorreu[7][8]), o Incidente da Mongólia Interior, o Caso de espionagem de Zhao Jianmin e assim por diante.[9][10] Dezenas de milhões de pessoas foram perseguidas, muitas das quais eram membros das "Cinco Categorias Negras" e suas famílias.[10][11][12] Figuras notáveis ​​como Liu Shaoqi (o segundo presidente da China), Peng Dehuai e He Long foram perseguidos até a morte.[13][14] No final de 1978, Deng Xiaoping se tornou o novo líder supremo da China e lançou o programa "Boluan Fanzheng" para corrigir os erros da Revolução Cultural.[15][16] Em 1981, o Partido Comunista Chinês considerou oficialmente a Revolução Cultural o "retrocesso mais severo" desde a fundação da República Popular da China em 1949.[17]

História[editar | editar código-fonte]

Estágio inicial: movimento de massa (1966–68)[editar | editar código-fonte]

Em uma parede da Universidade Fudan em Xangai: "Defenda o Comitê Central do Partido com sangue e vida! Defenda o presidente Mao com sangue e vida!".

Lançando o movimento em maio de 1966 com a ajuda do Grupo da Revolução Cultural, Mao logo convocou os jovens a " bombardear a sede " e proclamou que "rebelar-se é justificado". Para eliminar seus rivais dentro do PCC e nas escolas, fábricas e instituições governamentais, Mao acusou que elementos burgueses se infiltraram no governo e na sociedade com o objetivo de restaurar o capitalismo. Ele insistiu que os revisionistas fossem removidos por meio da violenta luta de classes, à qual os jovens da China, assim como os trabalhadores urbanos, responderam formando Guardas Vermelhos e " grupos rebeldes " em todo o país. regularmente e obter o poder dos governos locais e ramos do PCC, eventualmente estabelecendo os comitês revolucionários em 1967. Os grupos muitas vezes se dividem em facções rivais, no entanto, envolvendo-se em 'lutas violentas' (chinês simplificado :武斗; chinês tradicional :武鬥; pinyin: wǔdòu), para o qual o Exército de Libertação Popular teve de ser enviado para restaurar a ordem.

Fase de Lin Biao (1969-1971)[editar | editar código-fonte]

Tendo compilado uma seleção dos ditos de Mao no Pequeno Livro Vermelho, que se tornou um texto sagrado para o culto à personalidade de Mao, Lin Biao, vice-presidente do PCC, foi inscrito na constituição como o sucessor de Mao. Em 1969, Mao sugeriu o fim da Revolução Cultural. No entanto, a fase ativa da Revolução duraria pelo menos até 1971, quando Lin Biao, acusado de um golpe fracassado contra Mao, fugiu e morreu em um acidente de avião.[18][19] Nessa etapa, o Exército de Libertação Popular ganha papel de destaque no país.[20]

Fase da Gangue dos Quatro (1972-1976)[editar | editar código-fonte]

Em 1972, a Gangue dos Quatro subiu ao poder e a Revolução Cultural continuou. Os membros da gangue são: Jiang Qing (a esposa de Mao Zedong), Zhang Chunqiao, Yao Wenyuan e Wang Hongwen.[21] Campanhas políticas como "Criticar Lin, Criticar Confúcio" foram realizadas. Após a morte de Mao e a prisão do Gangue dos Quatro em 1976, a Revolução Cultural finalmente chegou ao fim.

Consequências[editar | editar código-fonte]

Crise humanitária[editar | editar código-fonte]

Número de mortos[editar | editar código-fonte]

Uma sessão de luta de Xi Zhongxun, o pai de Xi Jinping (setembro de 1967). A imagem mostra que Xi Zhongxun foi rotulado como um "elemento anti-Partido". No entanto, desde o final de 2012, Xi Jinping e seus aliados tentaram "minimizar" o desastre da Revolução Cultural e reverteram muitas reformas desde o período Boluan Fanzheng, gerando preocupações com uma nova Revolução Cultural.[22][23][24]

As mortes estimadas devido à Revolução Cultural variam muito, de centenas de milhares a 20 milhões.[1][2][3][4][5][6] A cifra exata daqueles que foram perseguidos ou morreram durante a Revolução Cultural, entretanto, pode nunca ser conhecida, uma vez que muitas mortes não foram relatadas ou foram ativamente encobertas pela polícia ou autoridades locais.[25] O rompimento da barragem Banqiao em 1975, uma das maiores catástrofes tecnológicas do mundo, também ocorreu durante a Revolução Cultural. Até 240 000 pessoas morreram devido ao acidente.[26][27][28]

Massacres e canibalismo[editar | editar código-fonte]

Começando com o Agosto Vermelho de Pequim, massacres ocorreram na China continental.[9] Esses massacres foram liderados e organizados principalmente por comitês revolucionários locais, ramos do Partido Comunista, milícias e até mesmo militares.[10][34] A maioria das vítimas nos massacres eram membros das Cinco Categorias Negras, bem como seus filhos, ou membros dos "grupos rebeldes (造反派)".[10][34] Estudiosos chineses estimam que pelo menos 300 000 pessoas morreram nesses massacres.[35][36]

Conflitos de facção[editar | editar código-fonte]

Cemitério da Revolução Cultural em Xunquim. Pelo menos 1 700 pessoas foram mortas durante o violento confronto de facções, com 400 a 500 delas enterradas neste cemitério.[39]

As Lutas Violentas, ou Wudou (武斗), foram conflitos faccionais (principalmente entre os Guardas Vermelhos e "grupos rebeldes") que começaram em Xangai e se espalharam por outras áreas da China em 1967. Isso levou o país à guerra civil.[10][40] As armas usadas nos conflitos incluíram cerca de 18,77 milhões de armas (algumas afirmam 1,877 milhões[41]), 2,72 milhões de granadas, 14.828 canhões, milhões de outras munições e até carros blindados, bem como tanques.[10] Lutas violentas notáveis ​​incluem as batalhas em Xunquim, em Sujuão e em Xuzhou.[10][12][42] Os pesquisadores apontaram que o número de mortos em lutas violentas em todo o país varia de 300 000 a 500 000.[10][43][44]

Expurgos políticos[editar | editar código-fonte]

Mao Tsé-Tung, Lin Biao e os Guardas Vermelhos (novembro de 1966).

Enquanto isso, dezenas de milhões de pessoas foram perseguidas: altos funcionários, principalmente o presidente chinês Liu Shaoqi, junto com Deng Xiaoping, Peng Dehuai e He Long, foram expurgados ou exilados; milhões foram acusados ​​de serem membros das Cinco Categorias Negras (Proprietários; Agricultores ricos camponeses; Contrarrevolucionários; Maus influenciadores e Direitistas), sofrendo humilhação pública, prisão, tortura, trabalho forçado, confisco de propriedade e, às vezes, execução ou assédio em suicídio.

Acadêmicos e educação[editar | editar código-fonte]

Intelectuais foram considerados o "Nono Velho Fedorento" e foram amplamente perseguidos - estudiosos e cientistas notáveis ​​como Lao She, Fu Lei, Yao Tongbin e Zhao Jiuzhang foram mortos ou cometeram suicídio. Escolas e universidades foram fechadas com os exames de admissão cancelados. Mais de 10 milhões de jovens intelectuais urbanos foram enviados ao campo na Campanha de Envio ao Campo.

Cultura e Religião[editar | editar código-fonte]

Os Guardas Vermelhos destruíram relíquias e artefatos históricos, bem como saquearam locais culturais e religiosos. Partindo do Agosto Vermelho de 1966, os Guardas Vermelhos começaram a destruir os "Quatro Velhos".[45]

Nova era após a Revolução Cultural[editar | editar código-fonte]

Em 1978, Deng Xiaoping se tornou o novo líder supremo da China e deu início ao programa "Boluan Fanzheng"; que significa literalmente "eliminar o caos e voltar ao normal"; que desmantelou gradualmente as políticas maoístas associadas à Revolução Cultural e trouxe o país de volta à ordem. Deng então deu início a uma nova fase da China, dando início ao histórico programa de Reformas e Abertura. Em 1981, o Partido Comunista da China declarou que a Revolução Cultural foi "responsável pelo revés mais severo e pelas perdas mais pesadas sofridas pelo Partido, pelo país e pelo povo desde a fundação da República Popular".[17][46]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Pye, Lucian W. (1986). «Reassessing the Cultural Revolution». The China Quarterly. 108 (108): 597–612. ISSN 0305-7410. JSTOR 653530. doi:10.1017/S0305741000037085 
  2. a b c «Remembering the dark days of China's Cultural Revolution». South China Morning Post 
  3. a b Strauss, Valerie; Southerl, Daniel (17 de julho de 1994). «HOW MANY DIED? NEW EVIDENCE SUGGESTS FAR HIGHER NUMBERS FOR THE VICTIMS OF MAO ZEDONG'S ERA». The Washington Post. ISSN 0190-8286. Consultado em 9 de maio de 2019 
  4. a b Foundation, World Peace. «China: the Cultural Revolution | Mass Atrocity Endings» 
  5. a b «A Brief Overview of China's Cultural Revolution». Encyclopædia Britannica 
  6. a b c «Source List and Detailed Death Tolls for the Primary Megadeaths of the Twentieth Century». Necrometrics 
  7. a b Kristof, Nicholas D. (6 de janeiro de 1993). «A Tale of Red Guards and Cannibals». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  8. a b Yan, Lebin. «我参与处理广西文革遗留问题». Yanhuang Chunqiu (em chinês). Consultado em 29 de novembro de 2019. Arquivado do original em 24 de novembro de 2020 
  9. a b Wang, Youqin (2001). «Student Attacks Against Teachers: The Revolution of 1966» (PDF). Universidade de Chicago. Cópia arquivada (PDF) em 17 de abril de 2020 
  10. a b c d e f g h i j k l m n Song, Yongyi (25 de agosto de 2011). «Chronology of Mass Killings during the Chinese Cultural Revolution (1966-1976)». Sciences Po (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2019 
  11. «Chinese HOLOCAUST MEMORIAL». Universidade de Chicago. Consultado em 21 de junho de 2021 
  12. a b Ramzy, Austin (14 de maio de 2016). «China's Cultural Revolution, Explained». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 21 de junho de 2021 
  13. Pantsov, Alexander V. (2009). «Liu Shaoqi (1898–1969)». American Cancer Society (em inglês): 1–2. ISBN 978-1-4051-9807-3. doi:10.1002/9781405198073.wbierp0919. Consultado em 21 de junho de 2021 
  14. «Peng Dehuai». Oxford Reference (em inglês). doi:10.1093/oi/authority.20110803100315122. Consultado em 21 de junho de 2021 
  15. Barmé, Geremie R. «History for the Masses». www.morningsun.org. Consultado em 21 de junho de 2021 
  16. «回首1978——历史在这里转折». Diário do Povo. Arquivado do original em 11 de maio de 2008 
  17. a b «关于建国以来党的若干历史问题的决议». The Central People's Government of the People's Republic of China (em chinês). Consultado em 23 de abril de 2020 
  18. Uhalley, Stephen; Qiu, Jin (1993). «The Lin Biao Incident: More Than Twenty Years Later». Pacific Affairs (3): 386–398. ISSN 0030-851X. doi:10.2307/2759617. Consultado em 21 de junho de 2021 
  19. Press, Stanford University. «The Culture of Power: The Lin Biao Incident in the Cultural Revolution | Jin Qiu Foreword by Elizabeth J. Perry». www.sup.org (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  20. «3 Lin Biao during the Cultural Revolution». Chinese Law & Government (2): 21–34. 1 de março de 1993. ISSN 0009-4609. doi:10.2753/CLG0009-4609260221. Consultado em 21 de junho de 2021 
  21. «Gang of Four Trial». University of Missouri - Kansas City. Consultado em 21 de junho de 2021 
  22. «Beijing Revises 'Correct' Version of Party History Ahead of Centenary». Radio Free Asia (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2021 
  23. Cole, J. Michael (22 de abril de 2021). «The Chinese Communist Party is playing dangerous games with history». iPolitics (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2021 
  24. «With whiffs of Cultural Revolution, Xi calls for struggle 50 times». Nikkei Asia (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2021 
  25. Wang, Youqin (15 de dezembro de 2007). «Finding a Place for the Victims: The Problem in Writing the History of the Cultural Revolution». China Perspectives (em francês) (2007/4). ISSN 2070-3449. doi:10.4000/chinaperspectives.2593. Consultado em 21 de junho de 2021 
  26. «1975年那个黑色八月(上)(史海钩沉)». Renmin Wang (em chinês). 20 de agosto de 2012. Consultado em 25 de março de 2020. Arquivado do original em 6 de maio de 2020 
  27. Xu, Yao; Zhang, Li Min; Jia, Jinsheng (2008). «Lessons from catastrophic dam failures in August 1975 in Zhumadian, China». Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong (em inglês). Consultado em 25 de março de 2020 
  28. «230,000 Died in a Dam Collapse That China Kept Secret for Years». OZY. 17 de fevereiro de 2019. Consultado em 16 de abril de 2021 
  29. «"四人帮"被粉碎后的怪事:"文革"之风仍在继续吹». Renmin Wang (em chinês). 30 de janeiro de 2011. Consultado em 29 de novembro de 2019. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  30. Rummel, R. J. (31 de dezembro de 2011). China's Bloody Century: Genocide and Mass Murder Since 1900 (em inglês). [S.l.]: Transaction Publishers. ISBN 978-1-4128-1400-3 
  31. Chang, Jung; Halliday, Jon (2005). Mao: The Unknown Story. [S.l.]: Knopf. ISBN 0679422714 
  32. Walder, Andrew G.; Su, Yang (março de 2003). «The Cultural Revolution in the Countryside: Scope, Timing and Human Impact». The China Quarterly (em inglês): 74–99. ISSN 1468-2648. doi:10.1017/S0009443903000068. Consultado em 21 de junho de 2021 
  33. Chirot, Daniel (5 de maio de 1996). Modern Tyrants: The Power and Prevalence of Evil in Our Age (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press 
  34. a b Su, Yang (21 de fevereiro de 2011). Collective Killings in Rural China during the Cultural Revolution (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-1-139-49246-1 
  35. Yang, Jisheng. 天地翻覆-中国文革大革命史. [S.l.]: 天地图书有限公司 
  36. Song, Yongyi (2002). 文革大屠杀 (Cultural Revolution Massacres). Hong Kong: 开放杂志出版社. ISBN 9789627934097 
  37. Song, Yongyi (25 de março de 2009). «The Dao County Massacre of 1967». Sciences Po (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  38. Yao, Shuping. «文革中江西瑞金的"民办枪毙"大屠杀!». Universidade Chinesa de Hong Kong (em chinês). Consultado em 7 de abril de 2020. Cópia arquivada em 17 de maio de 2021 
  39. Buckley, Chris (4 de abril de 2016). «Chaos of Cultural Revolution Echoes at a Lonely Cemetery, 50 Years Later». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  40. Phillips, Tom (11 de maio de 2016). «The Cultural Revolution: all you need to know about China's political convulsion». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  41. Yang, Jisheng (4 de julho de 2017). 天地翻覆: 中国文化大革命历史 (em chinês). [S.l.]: 天地图书 
  42. Buckley, Chris (4 de abril de 2016). «Chaos of Cultural Revolution Echoes at a Lonely Cemetery, 50 Years Later». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  43. Song, Yongyi. «文革中"非正常死亡"了多少人?». China in Perspective (em chinês). Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  44. Ding, Shu (8 de abril de 2016). «文革死亡人数统计为两百万人». Independent Chinese PEN Center (em chinês). Consultado em 22 de novembro de 2019 
  45. Sullivan, Lawrence R.; Liu-Sullivan, Nancy Y. (15 de janeiro de 2021). Historical Dictionary of Chinese Culture (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield 
  46. Sixth Plenary Session of the Eleventh Central Committee of the Communist Party of China. June 27, 1981. "Resolution on Certain Questions in the History of Our Party Since the Founding of the People's Republic of China." Resolution on CPC History (1949–81). Beijing: Foreign Languages Press. p. 32.
Ícone de esboço Este artigo sobre revolução é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.