Camarilha dos Quatro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

História da República Popular da China

National Emblem of the People's Republic of China (2).svg

Era Mao Tse-tung (1949–1976)
Guerra Civil Chinesa
Revolução Comunista Chinesa
Anexação do Tibete
Guerra da Coreia
Zhen Fan
Campanhas Três-Anti/Cinco-Anti
Campanha das Cem Flores
Campanha Antidireitista
Grande Salto para Frente
Ruptura sino-soviética
Fome de 1958-1961 na China
Guerra sino-indiana
Revolução Cultural
Lin Biao
Bando dos Quatro
Criticar Lin, Criticar Confúcio
Protestos de Tian'anmen
Era Deng Xiaoping (1976–1989)
Abertura econômica da China
Quatro Modernizações
Guerra Sino-vietnamita
Massacre na Praça da Paz Celestial
Um país, dois sistemas
Reunificação Chinesa
China Atual
Distúrbios no Tibete em 2008
Sismo de Sichuan de 2008
Jogos Olímpicos de Verão
Distúrbios em Xinjiang

Ver Também:
História da China
História da ciência e tecnologia na China

Líderes Proeminentes
Mao - Deng - Jiang - Hu
Outros temas sobre a China
Cultura - Economia
Geografia - Política - Educação
Portal:China


A Camarilha dos Quatro (chinês tradicional: 四人幫, chinês simplificado: 四人帮, pinyin: Sìrén bāng; também chamada de Gangue dos Quatro ou Bando dos Quatro) é a designação atribuída a uma facção composta por quatro membros do Partido Comunista da China que ganharam proeminência no período de implementação da Grande Revolução Cultural Proletária (1966-1976): Jiang Qing (esposa de Mao Tse-tung), Zhang Chunqiao, Wang Hongwen e Yao Wenyuan.[1]

O grupo controlou os principais órgãos de poder do Partido Comunista durante os estágios finais da Revolução Cultural, embora permaneça incerto quais decisões eram tomadas por Mao e realizadas pela Gangue, e quais eram resultado do planejamento do grupo.

A Gangue dos Quatro e o general Lin Biao acabaram sendo classificados como as duas maiores "forças contrarrevolucionárias" da Revolução Cultural e foram oficialmente responsabilizados pelo governo chinês pelos maiores excessos cometidos durante os dez anos de agitação. Sua queda, em 6 de outubro de 1976, um mês após a morte de Mao, deu início a uma série de grande celebrações nas ruas de Pequim e marcou o fim de uma era de turbulência política na China.[2]

Os membros do Partido responsáveis por arquitetar o fim da Gangue dos Quatro, como o novo líder da China, Hua Guofeng, também ganharam proeminência durante os anos da Revolução Cultural, portanto não houve a princípio uma rejeição completa do processo. A crítica mais significante ao período veio somente depois, com o retorno do Deng Xiaoping no 11º Congresso Nacional do Partido Comunista da China[3] e a gradual perda de autoridade de Hua.[4]

O julgamento dos membros da Camarilha dos Quatro decorreu em 1980. Jiang Qing e Zhang Chunqiao foram condenados à pena de morte (penas comutada para prisão perpétua), enquanto Yao Wenyuan e Wang Hongwen condenados a vinte anos de prisão.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Revista História Viva - "Deng Xiaoping - O arquiteto do milagre chinês"
  2. Han Suyin. Eldest Son: Zhou Enlai and the Making of Modern China, 1898-1976. Página 413. New York: Kodansha America, 1995. 413
  3. «1977: Deng Xiaoping back in power» (em inglês). 22 de julho de 1977 
  4. «Hua Guofeng, Transitional Leader of China After Mao, Is Dead at 87». The New York Times (em inglês). 20 de agosto de 2008. ISSN 0362-4331 


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Camarilha dos Quatro