Fome de 1958-1961 na China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Grande Fome Chinesa (em chinês tradicional: 三年大饑荒; chinês simplificado: 三年大饥荒; "três anos de fome") foi um período da história da República Popular da China (RPC) que se caracterizou por uma fome generalizada entre os anos 1959 e 1961.[1][2][3][4][5] Alguns pesquisadores também incluíram os anos de 1958 ou 1962.[5][6][7][8] A Grande Fome Chinesa é amplamente considerada como a fome mais mortal e um dos maiores desastres provocados pelo homem na história da humanidade, com um número estimado de mortes que varia de 15 a 55 milhões.[2][3][4][9][10][11][12][13][14]

Os principais fatores que contribuíram para a fome foram as políticas do "Grande Salto Adiante (1958 a 1962)" e as "comunas populares".[2][3][4][5][10][12] Na Conferência dos Sete Mil Quadros no início de 1962, Liu Shaoqi, o segundo presidente da China, atribuiu formalmente 30% da fome a desastres naturais e 70% a erros cometidos pelo homem ("三分天灾, 七分人祸").[15][16] Após o lançamento de "Reformas e Abertura", o Partido Comunista da China (PCC) declarou oficialmente em junho de 1981 que a fome se devia principalmente aos erros do Grande Salto Adiante e também da "Campanha Antidireitista" , além de alguns desastres naturais e da "ruptura sino-soviética".[1][17][18]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

A Grande Fome Chinesa (em chinês tradicional: 三年大饑荒; chinês simplificado: 三年大饥荒; pinyin: Sānnián dà jīhuāng) foi o período de fome na República Popular da China entre 1959 e 1961. Mas o ano de 1958 ou 1962 também é contado por alguns pesquisadores. Nome oficial (governo chinês):[1][17]

  • Antes de junho de 1981, "Três anos de desastres naturais" (chinês tradicional: 三年自然災害; chinês simplificado: 三年自然灾害; pinyin: Sānnián zìrán zāihài).
  • Depois de junho de 1981, "Três anos de dificuldade" (chinês simplificado: 三年困难时期; chinês tradicional: 三年困難時期; pinyin: Sānnián kùnnán shíqī).

Severidade da fome[editar | editar código-fonte]

Queda na produção[editar | editar código-fonte]

De acordo com o livro estatístico chinês de 1984, a colheita caiu de 200 milhões de toneladas em 1958 para 143,5 milhões toneladas em 1960.[19][20] A produção de grãos da China caiu 15% em 1959 comparado com 1958; logo após ocorreu uma nova queda 15% em 1960.[21][22] Não houve melhora até 1962, quando o Grande Salto Adiante foi encerrado.[21]

Número de mortos[editar | editar código-fonte]

Taxa de natalidade e mortalidade na China.

Devido a falta de comida e o incentivo ao casamento neste período do tempo, a população era de aproximadamente 658,590,000 e 1961, algo como 14,580,000 menos de 1959.[23] A taxa de nascimentos caiu de 2,922% em 1958 para 2,089% em 1960, enquanto a taxa de mortes subiu de 1,198% em 1958 para 2,543% em 1960, a médias dos números para 1962-1965 era de 4% e 1% respectivamente.

Mudança populacional na China.

Os relatórios oficiais de mortes mostram um dramático aumento em um número de províncias e vilas. Na província de Sichuan, a mais populosa província da China, por exemplo, o governo reportou 7 milhões de mortes de uma média populacional de 70 milhões durante 1958-1961, uma morte para cada sete pessoas; no condado de Huaibin, província de Henan, o governo reportou 102 mil mortes de uma população de 378 mil em 1960.[24][25] A nível nacional, as estatísticas oficiais implicam 10 milhões de "mortes anormais", a maioria resultado de fome.[26]

Especialistas acreditam que o número de mortes reportado pelo governo seja seriamente reduzido. Muitos professores e acadêmicos estimam que o número de "mortes anormais" esteja entre 15 milhões a 55 milhões. Alguns analistas ocidentais como Patricia Buckley Ebrey estimam que de 20 a 40 milhões de pessoas morreram de fome causado por políticas ruins do governo e desastres naturais.

  • Uma equipe de pesquisa da Academia Chinesa de Ciências concluiu em 1989 que pelo menos 15 milhões de pessoas morreram de desnutrição.[27]
  • Li Chengrui (李成瑞), ex-ministro do Escritório Nacional de Estatísticas da China, estimou 22 milhões de mortes (1998).[28][29] Sua estimativa foi baseada na estimativa (27 milhões de mortes[7][30]) do demógrafo americano Ansley J. Coale, e na estimativa (17 milhões de mortes) de Jiang Zhenghua (蒋正华), ex-vice-presidente do "Comitê Permanente de o Congresso Nacional do Povo".[28][31]
  • Judith Banister, Diretora de Demografia Global do Conference Board, estimou 30 milhões de "mortes em excesso" de 1958-1961.[4][32]
  • Yang Jisheng (杨继绳), jornalista sênior da "Agência de Notícias Xinhua", concluiu que houve 36 milhões de mortes devido à fome.[2][6][10]
  • Liao Gailong (廖盖隆), ex-vice-diretor da Unidade de Pesquisa de História do Partido Comunista da China, relatou 40 milhões de mortes "não naturais" devido à fome.[27][33]
  • Chen Yizi (陈一谘), um ex-alto funcionário chinês e um dos principais conselheiros do ex-secretário-geral do PCC Zhao Ziyang, concluiu que 43 milhões de pessoas morreram devido à fome.[13][34]
  • Frank Dikötter, professor de Humanidades na Universidade de Hong Kong, estimou que pelo menos 45 milhões de pessoas morreram.[8][35][36] Em particular, ele estimou que pelo menos 2,5 milhões de pessoas foram espancadas e torturadas até a morte (respondendo por 6% -8% do total de mortes).[8][35][37]
  • Yu Xiguang (余习广), um historiador chinês independente e ex-instrutor da "Escola do Partido Central do Partido Comunista da China", estimou que 55 milhões de pessoas morreram devido à fome.[13][14][38] Sua conclusão foi baseada em pesquisas de arquivos de duas décadas.[13]

As estimativas variam largamente por causa dos dados imprecisos, graças as tentativas do governo de esconder a situação atual, todos os dados relacionados eram classificados como extremamente confidenciais até a década de 1980.[39][40] Devido às implicações políticas não prazerosas, algumas pessoas negam a validade de qualquer destas estimativas baseadas na "falta de um confiável censo nacional".

Causas[editar | editar código-fonte]

Grande Salto Adiante[editar | editar código-fonte]

Cantina dentro de uma comuna popular. O slogan na parede diz "Coma de graça, trabalhe duro".

Durante o Grande Salto Adiante, a agricultura foi organizada em comunidades (comuna popular) e o cultivo de terra privado foi proibido.[41] Esta coletivização forçada reduziu tremendamente os incentivos para os camponeses trabalharem corretamente.[41] Produção de ferro e aço foram identificados como requerimento chave para o progresso econômico. Milhões de camponeses foram ordenados a se distanciarem do trabalho agrário e se juntarem na produção de ferro e aço.[42]

Técnicas agrícolas[editar | editar código-fonte]

Junto com a coletivização, o governo central decretou varias mudanças nas técnicas agrárias baseadas nas idéias do pseudo-cientista Russo Trofim Lysenko.[43] Uma dessas idéias era o plantio denso, onde a densidade das plantações era inicialmente triplicadas e subsequente, duplicada novamente. A teoria era que plantas da mesma espécie não competem entre si. Na pratica elas competem, o que causou um péssimo crescimento da lavoura, e baixas colheitas.[43]

Outra política baseada nas idéias de um colega de Lysenko, Teventy Maltsev, encorajava os camponeses por toda a China a plantar profundamente no solo, de 1 a 2 metros.[43] Eles acreditavam que o solo mais fértil está bem ao fundo da terra, permitindo raízes mais fortes crescerem. Porém, pedras, solo e areia eram jogadas em cima, enterrando a plantação.[43]

O pardal-montês foi o alvo mais notável da Campanha das Quatro Pragas.

Campanha das Quatro Pragas[editar | editar código-fonte]

Na Campanha das Quatro Pragas, os cidadãos foram chamados a destruir os pardais e outras aves selvagens que comiam as sementes das colheitas, a fim de proteger os campos.[44][45] Essa campanha fracassou e resultou no aumento da população de insetos, o que impactou negativamente a produção agrícola.[44]

Ilusão de superabundância[editar | editar código-fonte]

A partir de 1957, o Partido Comunista Chinês começou a relatar uma produção excessiva de grãos por causa da pressão de seus superiores.[46][47] No entanto, a produção real de grãos em toda a China diminuiu de 1957 a 1961.[46][47] Por exemplo:

  • Na província de Sichuan, embora os grãos coletados estivessem diminuindo de 1958 a 1961, os números informados ao governo central continuaram aumentando.[48]
  • Em Gansu, a produção de grãos diminuiu 4.273.000 toneladas de 1957 a 1961.[49]

Esta série de eventos resultou em uma "ilusão de superabundância" (浮夸风), e o Partido acreditava que tinha um excesso de grãos.[50] Pelo contrário, os rendimentos das colheitas foram inferiores à média.[46][47] Por exemplo, Pequim acreditava que "em 1960 os celeiros estatais teriam 50 bilhões de jin de grãos", quando na verdade continham 12,7 bilhões de jin.[51]

Mais políticas do governo central[editar | editar código-fonte]

De acordo com o trabalho do ganhador do premio Nobel, economista e especialista em fomes em massa, Amartya Sen, a maioria das fomes em massa não se resultam somente da baixa produção de alimentos, mas também da distribuição ineficiente, juntamente com a falta de informação e muitas vezes informação incorreta, que estendem o problema.[52][53] No caso das fomes chinesas, a população urbana tinha direitos protegidos para uma certa quantidade de grãos. Oficiais locais do interior mentiam inflando os níveis de produção no papel que suas comunidades tinham conseguido, em resposta a nova organização econômica, porem os camponeses locais eram abandonados com um resíduo muito inferior a cota.[54][55]

Desastres naturais[editar | editar código-fonte]

O primeiro-ministro Zhou Enlai (centro da frente) visitou a "Ponte do Rio Amarelo Luokou" durante a enchente de 1958 no Rio Amarelo.

Até o início dos anos 1980, o governo chinês usava o nome "Três anos de desastres naturais" e afirmava que a fome era em grande parte o resultado de uma série de desastres naturais.[56] Em 1958, ocorreu uma inundação notável do rio Amarelo que afetou parte da província de Henan e da província de Shandong.[57][58][59][60] Em julho de 1958, a enchente do Rio Amarelo afetou 741.000 pessoas em 1.708 aldeias e inundou mais de 3,04 milhões de "mu" (mais de meio milhão de acres) de campos cultivados.[59] O governo declarou uma "vitória sobre o dilúvio" após enviar uma equipe de resgate de mais de 2 milhões de pessoas.[57][59] O historiador Frank Dikötter argumentou que a maioria das inundações durante a fome não se deveu a um clima incomum, mas a enormes sistemas de irrigação mal planejados que fizeram parte do Grande Salto Adiante.[8]

Touve divergências sobre a importância da seca e das inundações que causaram a Grande Fome.[3][10][12] De acordo com dados publicados da Academia Chinesa de Ciências Meteorológicas (中国气象科学研究院), a seca em 1960 não foi incomum e sua severidade foi considerada apenas "leve" em comparação com a de outros anos - foi menos grave do que em 1955, 1963, 1965–1967 e assim por diante.[61] Xue Muqiao (薛暮桥), então chefe do Escritório Nacional de Estatísticas da China, teria dito em 1958 que "damos todos os números que os escalões superiores desejam" para exagerar os desastres naturais e aliviar a responsabilidade oficial pelas mortes causadas pela fome.[62] Yang Jisheng (杨继绳) afirmou que investigou outras fontes, incluindo um arquivo não governamental de dados meteorológicos de 350 estações meteorológicas em toda a China, e as secas, inundações e temperaturas durante 1958–1961 seguiram os padrões típicos na China.[62] Alguns estudiosos também apontaram que:[63]

Muitos observadores estrangeiros achavam que esses relatórios de quebras de safra relacionadas ao clima foram elaborados para encobrir fatores políticos que levaram ao mau desempenho agrícola. Eles também suspeitaram que as autoridades locais tendiam a exagerar esses relatórios para obter mais assistência do estado ou redução de impostos. Claramente, o clima contribuiu para a queda terrível na produção, mas é impossível avaliar em que medida.

Rescaldo[editar | editar código-fonte]

Revolução Cultural[editar | editar código-fonte]

Em 1962, Liu Shaoqi, o segundo presidente da China, oficial atribuiu 30% da fome a "desastres naturais" e 70% a "erros cometidos pelo homem" (三分天灾, 七分人祸) durante a Conferência dos Sete Mil Quadros.[64] Durante a conferência, as políticas de Mao Tsé-Tung foram criticadas e ele assumiu um papel semi-aposentado depois, deixando responsabilidades futuras para Liu Shaoqi e Deng Xiaoping.[65] Uma série de reformas econômicas foi realizada por Liu e Deng e outros, incluindo políticas como "sanzi yibao (三自一包)", que permitia o mercado livre e a responsabilidade familiar pela produção agrícola.[66]

No entanto, a discordância entre Mao e Liu (e Deng) foi ficando cada vez maior.[64][65] Em 1963, Mao lançou o Campanha de Educação Socialista e, em 1966, lançou a Revolução Cultural. Durante a Revolução Cultural, Liu foi acusado de ser um "traidor" e agente inimigo por atribuir apenas 30% a calamidades naturais.[65][66][67] Liu foi espancado e teve negado remédio para diabetes e pneumonia; ele morreu em 1969.[65][66][67] Por outro lado, Deng foi acusado de ser um "caminho capitalista" durante a Revolução Cultural e foi expurgado duas vezes.[68]

Reforma e Abertura[editar | editar código-fonte]

Em 1977, Deng Xiaoping propôs pela primeira vez o programa de "Boluan Fanzheng" para corrigir os erros da Revolução Cultural.[69][70] No final de 1978, Deng tornou-se de fato o líder supremo da China e lançou o programa de "Reforma e Abertura".[71][72]

Até o inicio dos anos 1980, a instância do governo Chinês, refletida pelo nome "Três anos de desastres naturais", era de que a fome foi largamente resultado de uma série de desastres naturais acumulados com erros de planejamento.[56] Pesquisadores fora da China, porém, concordam que as massivas mudanças institucionais e políticas, graças ao Grande Salto Adiante foram os fatores chave na fome.[73] Após o lançamento de Reformas e Abertura, o Partido Comunista da China (PCC) declarou oficialmente em junho de 1981 que a fome se devia principalmente aos erros do Grande Salto Adiante e também da "Campanha Antidireitista" , além de alguns desastres naturais e da "ruptura sino-soviética".[1][17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «关于建国以来党的若干历史问题的决议». The Central People's Government of the People's Republic of China. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  2. a b c d «Folha de S.Paulo - Obra proibida relata a grande fome chinesa». Folha de S.Paulo. 14 de dezembro de 2008. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  3. a b c d Smil, Vaclav (18 de dezembro de 1999). «China's great famine: 40 years later». BMJ : British Medical Journal. 319 (7225): 1619–1621. ISSN 0959-8138. PMC 1127087Acessível livremente. PMID 10600969. doi:10.1136/bmj.319.7225.1619 
  4. a b c d MENG, XIN; QIAN, NANCY; YARED, PIERRE (2015). «The Institutional Causes of China's Great Famine, 1959–1961» (PDF). Review of Economic Studies. 82 (4): 1568–1611. doi:10.1093/restud/rdv016 
  5. a b c Kung, Kai‐sing; Lin, Yifu (2003). «The Causes of China's Great Leap Famine, 1959–1961». Economic Development and Cultural Change. 52 (1): 51–73. ISSN 0013-0079. JSTOR 10.1086/380584. doi:10.1086/380584 
  6. a b Yang Jisheng (30 de outubro de 2012). Tombstone: The Great Chinese Famine, 1958-1962. [S.l.]: Farrar, Straus and Giroux. p. 126. ISBN 978-0-374-27793-2 
  7. a b Ashton, Basil; Hill, Kenneth; Piazza, Alan; Zeitz, Robin (1984). «Famine in China, 1958-61». Population and Development Review. 10 (4): 613–645. ISSN 0098-7921. doi:10.2307/1973284 
  8. a b c d Dikötter, Frank (1 de outubro de 2010). Mao's Great Famine: The History of China's Most Devastating Catastrophe, 1958-1962 (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing USA 
  9. Gráda, Cormac Ó (2007). «Making Famine History». Journal of Economic Literature. 45 (1): 5–38. ISSN 0022-0515 
  10. a b c d Mirsky, Jonathan (7 de dezembro de 2012). «Unnatural Disaster». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  11. Hasell, Joe; Roser, Max (10 de outubro de 2013). «Famines». Our World in Data 
  12. a b c «China's Great Famine: A mission to expose the truth». Al Jazeera English. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  13. a b c d Wemheuer, Felix (2011). Dikötter, Frank, ed. «SITES OF HORROR: MAO'S GREAT FAMINE [with Response]». The China Journal (66): 155–164. ISSN 1324-9347 
  14. a b Yu, Xiguang (6 de maio de 2008). «大跃进 (Grande Salto Adiante)». Boxun 
  15. Sun, Zhonghua. «刘少奇"三分天灾,七分人祸"提法的由来». Diário do Povo (em chinês). Consultado em 21 de junho de 2020. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2020 
  16. Fathers, Michael (26 de outubro de 2012). «A Most Secret Tragedy». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 21 de maio de 2021 
  17. a b c «关于建国以来党的若干历史问题的决议». The National Audit Office of the People's Republic of China. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  18. Graziosi, Andrea (1 de agosto de 2017). «Political Famines in the USSR and China: A Comparative Analysis». Journal of Cold War Studies (3): 42–103. ISSN 1520-3972. doi:10.1162/JCWS_a_00744. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  19. «粮食总产量 全国1957,1958». National Bureau of Statistics of China. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  20. «粮食总产量 全国1960». National Bureau of Statistics of China. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  21. a b Lin, Justin Yifu; Yang, Dennis Tao (1 de janeiro de 2000). «Food Availability, Entitlements and the Chinese Famine of 1959–61». The Economic Journal (em inglês). 110 (460): 136–158. ISSN 0013-0133. doi:10.1111/1468-0297.00494 
  22. Shang, Changfeng (29 de junho de 2020). «三年经济困难时期的紧急救灾措施_政府改革_中国改革论坛网». www.chinareform.org.cn. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  23. «三年困难时期"代食品运动"出台记». Diário do Povo. 11 de outubro de 2017. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  24. Hong, Zhenkuai. «地方志中的大饥荒死亡数字». Yanhuang Chunqiu. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  25. Cao, Shuji (2005). 大饑荒 (em chinês). [S.l.]: 時代國際出版有限公司 
  26. Bei, Yuan. «对"三年困难时期"人口非正常死亡问题的若干解析». Diário do Povo. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  27. a b Hong, Zhenkuai. «有关大饥荒的新谬说(二)». Yanhuang Chunqiu. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  28. a b Yang, Jishen. «关于大饥荒年代人口损失的讨论». Yanhuang Chunqiu. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  29. Paine, Sarah C. M. (28 de janeiro de 2015). Nation Building, State Building, and Economic Development: Case Studies and Comparisons: Case Studies and Comparisons (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  30. Hilts, Philip J. (11 de julho de 1984). «Chinese Statistics Indicate Killing of Baby Girls Persists». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  31. Gráda, Cormac Ó (2013). Jisheng, Yang; Xun, Zhou, eds. «Great Leap, Great Famine: A Review Essay». Population and Development Review. 39 (2): 333–346. ISSN 0098-7921 
  32. Banister, Judith (1987). China's Changing Population (em inglês). [S.l.]: Stanford University Press 
  33. Veg, Sebastian (10 de janeiro de 2019). Popular Memories of the Mao Era: From Critical Debate to Reassessing History (em inglês). [S.l.]: Hong Kong University Press 
  34. Strauss, Valerie; Southerl, Daniel (17 de julho de 1994). «HOW MANY DIED? NEW EVIDENCE SUGGESTS FAR HIGHER NUMBERS FOR THE VICTIMS OF MAO ZEDONG'S ERA». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  35. a b Bianco, Lucien (30 de julho de 2011). «Frank Dikötter, Mao's Great Famine, The History of China's most devastating catastrophe, 1958-62. Londres, Berlin, New York, Bloomsbury, 2010.». China Perspectives (em inglês). 2011 (2011/2): 74–75. ISSN 2070-3449 
  36. Chai, May-Lee (1 de abril de 2012). «A Review of "Mao's Great Famine: The History of China's Most Devastating Catastrophe, 1958–1962"». Asian Affairs: An American Review. 39 (2): 127–128. ISSN 0092-7678. doi:10.1080/00927678.2012.681276 
  37. Chai, May-Lee (1 de abril de 2012). «A Review of "Mao's Great Famine: The History of China's Most Devastating Catastrophe, 1958–1962"». Asian Affairs: An American Review. 39 (2): 127–128. ISSN 0092-7678. doi:10.1080/00927678.2012.681276 
  38. Yu, Xiguang (2005). 大躍進・苦日子上書集 (em chinês). [S.l.]: 時代潮流出版社 
  39. «一段不容忽视的历史: 大饥荒». BBC News (em chinês). Consultado em 22 de abril de 2020 
  40. Chang, Gene Hsin; Wen, Guanzhong James (1997). «Communal Dining and the Chinese Famine of 1958–1961». Economic Development and Cultural Change. 46 (1): 1–34. ISSN 0013-0079. JSTOR 10.1086/452319. doi:10.1086/452319 
  41. a b «The Commune System (1950s) | Asia for Educators». Columbia University. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  42. «The Great Leap Forward Period in China, 1958-1960». www.sjsu.edu. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  43. a b c d Lynch, Michael (2008). The People's Republic of China, 1949–76 second ed. London: Hodder Education. p. 57 
  44. a b «Paved With Good Intentions: Mao Tse-Tung's "Four Pests" Disaster». Discover Magazine (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2020 
  45. «The Four Pests». National Library of Medicine. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  46. a b c Chen, Yixin (2009). «Cold War Competition and Food Production in China, 1957-1962». Agricultural History (1): 51–78. ISSN 0002-1482. Consultado em 1 de julho de 2021 
  47. a b c Bernstein, Thomas P. (1984). «Stalinism, Famine, and Chinese Peasants: Grain Procurements during the Great Leap Forward». Theory and Society (3): 339–377. ISSN 0304-2421. Consultado em 1 de julho de 2021 
  48. Yang Jisheng (30 de outubro de 2012). Tombstone: The Great Chinese Famine, 1958–1962. [S.l.]: Farrar, Straus and Giroux. p. 240. ISBN 978-0-374-27793-2 
  49. Yang, Jisheng (30 de outubro de 2012). Tombstone: The Great Chinese Famine, 1958-1962. [S.l.]: Farrar, Straus and Giroux. p. 126. ISBN 978-0-374-27793-2 
  50. Qin, Chengjie; Liang, Xiaoyun (2007). «毛泽东与大跃进时期的"浮夸风"». 燕山大学学报 (哲学社会科学版). 8 (4): 87–91 
  51. Kimberley Ens Manning; Felix Wemheuer; Gao Hua (1 de janeiro de 2011). «Food Augmentation Methods and Food Substitutes during the Great Famine». Eating Bitterness: New Perspectives on China's Great Leap Forward and Famine. [S.l.]: UBC Press. p. 177. ISBN 978-0-7748-5955-4 
  52. Sen, Amartya (18 de janeiro de 2001). Development as Freedom (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford 
  53. Hyun, Chang-Dae (18 de setembro de 2019). «The Great Leap Famine and Amartya Sen». Grand Valley Journal of History. 7 (1). ISSN 2381-4411 
  54. «中共功罪评说之八:大跃进和大饥荒饿死多少人?». Voice of America (em chinês). Consultado em 15 de agosto de 2020 
  55. Zhong, Wanquan (2003). «"浮夸风"导致大饥荒纪实---一个县报记者的手记» (PDF). 广东党史 
  56. a b Branigan, Tania (1 de janeiro de 2013). «China's Great Famine: the true story». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  57. a b «关于黄河、长江、淮河、永定河防御特大洪水方案的报告(摘要)_中国人大网». Congresso Nacional do Povo. Consultado em 23 de abril de 2020 
  58. «中国历史上的水灾有哪些?_中国网». China Internet Information Center (em chinês). Consultado em 22 de abril de 2020 
  59. a b c «1958年黄河大水灾纪实». newpaper.dahe.cn (em chinês). Consultado em 22 de abril de 2020 
  60. «历史上的五次黄河水灾». newpaper.dahe.cn (em chinês). Consultado em 22 de abril de 2020. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2019 
  61. «高素华: 1951~1990年全国降水量距平变化图». Yanhuang Chunqiu (炎黄春秋) (em chinês). Consultado em 22 de abril de 2020. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2019 
  62. a b Huang, Zheping. «Charted: China's Great Famine, according to Yang Jisheng, a journalist who lived through it». Quartz (em inglês). Consultado em 22 de abril de 2020. Cópia arquivada em 25 de maio de 2020 
  63. Ashton, Basil; Hill, Kenneth; Piazza, Alan; Zeitz, Robin (1984). «Famine in China, 1958-61». Population and Development Review (4): 613–645. ISSN 0098-7921. doi:10.2307/1973284. Consultado em 1 de julho de 2021 
  64. a b «刘少奇"三分天灾,七分人祸"提法的由来». Diário do Povo. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  65. a b c d «Three Chinese Leaders: Mao Zedong, Zhou Enlai, and Deng Xiaoping». afe.easia.columbia.edu. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  66. a b c «Liu Shaoqi (1898-1969)». Universidade Chinesa de Hong Kong. Consultado em 1 de julho de 2021 
  67. a b Dittmer, Lowell (1981). «Death and Transfiguration: Liu Shaoqi's Rehabilitation and Contemporary Chinese Politics». The Journal of Asian Studies. 40 (3): 455–479. JSTOR 2054551. doi:10.2307/2054551 
  68. Tyler, Patrick E. (20 de fevereiro de 1997). «Deng Xiaoping: A Political Wizard Who Put China on the Capitalist Road». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2021 
  69. Wang, Xiaoxuan (2020). Maoism and Grassroots Religion: The Communist Revolution and the Reinvention of Religious Life in China (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-006938-4 
  70. Shen, Baoxiang. «《亲历拨乱反正》:拨乱反正的日日夜夜». www.hybsl.cn (em chinês). Consultado em 29 de abril de 2020. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2021 
  71. «回首1978——历史在这里转折». Diário do Povo. Arquivado do original em 11 de maio de 2008 
  72. «40 years ago, Deng Xiaoping changed China — and the world». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 1 de julho de 2021 
  73. China: A Century of Revolution. Narr. Will Lyman. Ed. Howard Sharp. and Sue Williams Dir. (WinStar Home Entertainment, 1997); Demeny, Paul and Geoffrey McNicoll, Eds. "Famine in China". Encyclopedia of Population. vol. 1 (New York: Macmillan Reference USA, 2003) p. 388-390

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ashton, Basil, Kenneth Hill, Alan Piazza, Robin Zeitz, "Famine in China, 1958-61", Population and Development Review, Vol. 10, No. 4. (Dec., 1984), pp. 613–645.
  • Banister, J. "Analysis of recent data on the population of China", Population and Development, Vol.10, No.2, 1984.
  • Cao Shuji, The deaths of China's population and its contributing factors during 1959-1961. China's Population Science (Jan.2005) (In Chinese)
  • China Statistical Yearbook (1984), edited by State Statistical Bureau. China Statistical Publishing House, 1984.Page 83,141,190
  • China Statistical Yearbook (1991), edited by State Statistical Bureau. China Statistical Publishing House, 1991.
  • China Population Statistical Yearbook (1985), edited by State Statistical Bureau. China Statistical Bureau Publishing House, 1985.
  • Coale, Ansley J., Rapid population change in China, 1952-1982, National Academy Press, Washington, D.C., 1984.
  • Li Chengrui(李成瑞): Population Change Caused by The Great Leap Movement, Demographic Study, No.1, 1998 pp. 97–111
  • Jiang Zhenghua(蒋正华),Method and Result of China Population Dynamic Estimation, Academic Report of Xi'an University, 1986(3). pp46,84
  • Peng Xizhe, "Demographic Consequences of the Great Leap Forward in China's Provinces", Population and Development Review, Vol. 13, No.4. (Dec., 1987), pp. 639–670
  • Official Chinese statistics, shown as a graph.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]