Anti-imperialismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

Anti-imperialismo refere-se a toda teoria, doutrina ou movimento de oposição a qualquer forma de imperialismo, ou seja, contrário à dependência política, econômica e cultural de um estado ou grupo de estados em relação a outro estado ou grupo de estados mais poderoso, mediante o uso de força militar ou qualquer outra forma de coerção.[1] Tal oposição é um corolário dos processos de descolonização, dos movimentos de libertação nacional e, em certa medida, do direito à autodeterminação dos povos.

Origens[editar | editar código-fonte]

Ainda sem usar os termos «imperialismo» e «anti-imperialismo», o pensamento anti-imperialista tem suas primeiras manifestações em fins do século XIX, quando a notável expansão do comércio e das finanças internacionais evidenciou a existência de novos mecanismos de dominação que não implicavam necessariamente as clássicas conquistas de anexação territorial.

Embora os primeiros protestos contra o colonialismo sejam do utilitarista inglês Jeremy Bentham, em seu manifesto Emancipai vossas colônias, de 1793,[2] a primeira presença de um pensamento anti-imperialista se verifica nos Estados Unidos, impulsionado pelo escritor Mark Twain, que, juntamente com um grupo de importantes intelectuais e políticos americanos, criou, em 1898, a Liga Americana Anti-Imperialista, sediada em Boston, inicialmente para combater a anexação das Filipinas pelos Estados Unidos.[3] O cubano José Martí pode ser considerado como o primeiro formulador de um pensamento anti-imperialista na América Latina, em grande medida por ter inspirado a luta pela independência de Cuba (1895–1898) do colonialismo espanhol e por por perceber a ascensão de novas formas de dominação que os Estados Unidos comçavam a desenvolver. Destacando a ideia de «nuestra América» em oposição à América anglo-saxã, Martí sustentava que os povos da América são tanto mais livres e prósperos quanto mais se afastassem dos Estados Unidos.[4] Em 1902 foi publicado Imperialismo: um estudo, de John A. Hobson, e, em 1916, Lênin escreveu sua célebre obra Imperialismo: Fase Superior do Capitalismo, que difundiu em todo o mundo a noção de imperialismo.

Retrato de José Martí.

A ideia ganhou força em 1917, com a publicação do livro Imperialismo: Fase Superior do Capitalismo, de Vladimir Ilitch Lenin. Diversas colônias aderiram à doutrina, principalmente após o término da Segunda Guerra mundial, quando os recursos das metrópoles europeias haviam se esgotado pelos combates, criando diversas desavenças ideológicas entre as colônias e suas metrópoles. A Organização das Nações Unidas condenava a adoção de campanhas militares como método de solucionar estas desavenças.[carece de fontes?] Entretanto, os conflitos armados não puderam ser evitados. Em 1946, a França desacatou as resoluções da ONU e iniciou uma campanha militar para reprimir os movimentos de independência na Indochina francesa. A campanha ficou conhecida como Guerra da Indochina. Em 1954, a França também organizou campanhas para reprimir a luta pela independência da Argélia. Em 1956, o Reino Unido aliado a Israel e à própria França, iniciou uma ofensiva contra o Egito, com o intuito de iniciar um processo de recolonização do país, que se tinha separado do Reino Unido em 1952. [carece de fontes?]

O apogeu do movimento surgiu nas décadas nas décadas de 1960 e 1970, com diversas guerras de independência acontecendo ao redor do mundo, como a do Vietnã, Zâmbia, Quênia, Congo, Togo, Níger, Tanzânia, Indonésia, Burkina Faso, dentre outros.[carece de fontes?]

Anti-imperialismo americano[editar | editar código-fonte]

Líderes revolucionários Che Guevara (esquerda) e Fidel Castro (direita) em 1961.

A primeira nação a acatar o movimento foi a Guatemala, em 1944, durante o período que ficou conhecido como "Dez ano de primavera" (Ver:História da Guatemala). A Argentina também mostrava-se afiliação ao movimento no governo de Perón (1946-1955). Na Bolívia, em 1952, o governo do militar Hugo Ballivián foi derrubado pelo MNR. Entretanto, nenhum deste eventos proporcionaram tanta influência do pensamento no continente quanto a Revolução Cubana, inspiradas pelos pensamentos, diversas facções armadas foram montadas em diversos países da América, como as FARCs, o ERP, a FSLN em Nicarágua, os MIRs, os Tupamaros do Uruguai, dentre outros. Atualmente, existem 3 países que se declaram como aderentes de tal corrente, sendo eles: Cuba, Venezuela e Bolívia[6]

Conceitos[editar | editar código-fonte]

Alguns conceitos relacionados com o anti-imperialismo são:[carece de fontes?]

  • Independência nacional e determinação nacional em qualquer assunto interno.

Referências

  1. O uso mais comum do termo "imperialismo" refere-se a relações econômicas e políticas entre países capitalistas avançados e países pobres. De fato, desde a Segunda Guerra Mundial, o termo se tornou sinônimo de opressão e exploração de países mais fracos e pobres por países mais poderosos. Muitos autores que apresentam tal interpretação citam Lênin como fonte, embora o próprio Lênin tenha criticado Kautsky por definir o imperialismo desse modo. Ver WEEKS, John. ''"Imperialism and World Market", in Tom Bottomore (ed.) A Dictionary of Marxist Thought. 2nd ed.. Blackwell, 1991, p. 252s
  2. JEREMY BENTHAM (1748-1832). (em inglês) Emancipate your colonies! [microform : an unpublished argument];
    (em espanhol) ¡Emancioad vuestras colonias! Fragmentos de la carta dirigida a la Convención Nacional de Francia (1793).
  3. TWAIN, Mark. Patriotas e traidores: Antiimperialismo, política e crítica social. Trad.: Paulo Cézar Castanheira. Organização e introdução: Maria Sílvia Betti. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003. Coleção Clássicos do Pensamento Radical.
  4. MARTÍ, José (1889). Nuestra América
  5. «Che Guevara Internet Archive - Message to the Tricontinental» (HTM). Tricontinental. Marxists.org. Primavera de 1967. Consultado em 25 de novembro de 2012 
  6. Evo Morales declara apoio a Hugo Chavez

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Griffiths, Martin, and Terry O'Callaghan, and Steven C. Roach 2008. International Relations: The Key Concepts. Second Edition. New York: Routledge.
  • Heywood, C. 2004. Political Theory: An Introduction New York: Palgrave MacMillan
  • Harrington, Fred H. "The Anti-Imperialist Movement in the United States, 1898-1900", Mississippi Valley Historical Review, Vol. 22, No. 2 (Sep., 1935), pp. 211–230 in JSTOR
  • Proudman, Mark F.. "Words for Scholars: The Semantics of 'Imperialism'". Journal of the Historical Society, September 2008, Vol. 8 Issue 3, p395-433

Ligações externas[editar | editar código-fonte]