Fidel Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Fidel" redireciona para este artigo. Para o instrumento musical, veja Fidel (instrumento musical).
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 7 de dezembro de 2016.

Fidel Castro
Chegada de Fidel Castro a Washington, DC em 15 de abril de 1959.
15º Presidente de Cuba Cuba
Período 2 de dezembro de 1976
a 24 de fevereiro de 2008[1]
Antecessor(a) Osvaldo Dorticós Torrado
Sucessor(a) Raúl Castro
Primeiro-ministro de Cuba Cuba
Período 16 de fevereiro de 1959
a 2 de dezembro de 1976
Antecessor(a) José Miró Cardona
Sucessor(a) Raúl Castro
Primeiro-Secretário do Partido Comunista de Cuba
Período 3 de outubro de 1965
a 19 de abril de 2011
Vida
Nascimento 13 de agosto de 1926
Birán (Holguín)
Morte 25 de novembro de 2016 (90 anos)[2]
Havana, Cuba[2]
Prole Fidel Ángel Castro Diaz-Balart
Alina Fernández-Revuelta
Alexis Castro-Soto
Alejandro Castro-Soto
Antonio Castro-Soto
Angel Castro-Soto
Alex Castro-Soto
Jorge Angel Castro
Francisca Pupo
Dados pessoais
Cônjuge Mirta Diaz-Balart (1948–1955)
Dalia Soto del Valle (1980–2016)
Partido Partido Comunista
Profissão Advogado
Assinatura Assinatura de Fidel Castro

Fidel Alejandro Castro Ruz, (Speaker Icon.svg audio) (Birán, 13 de agosto de 1926  — Havana, 25 de novembro de 2016[2]) ou, simplesmente, Fidel Castro, foi um político e revolucionário cubano que governou a República de Cuba como primeiro-ministro de 1959 a 1976 e depois como presidente de 1976 a 2008. Politicamente, era nacionalista e marxista-leninista. Ele também serviu como primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba de 1961 até 2011. Sob sua administração, Cuba tornou-se um Estado socialista autoritário unipartidário; a indústria e os negócios foram nacionalizados e reformas socialistas foram implementadas em toda a sociedade.[3] Castro morreu em Havana na noite de 25 de novembro de 2016, aos 90 anos.[2]

Nascido em Birán como filho de um rico fazendeiro, Castro adotou a política anti-imperialista de esquerda enquanto estudava direito na Universidade de Havana. Depois de participar de rebeliões contra os governos de direita na República Dominicana e na Colômbia, planejou a derrubada do presidente cubano Fulgencio Batista, lançando um ataque fracassado ao Quartel Moncada em 1953. Depois de um ano de prisão, viajou para o México onde formou um grupo revolucionário, o Movimento 26 de Julho, com seu irmão Raúl Castro e Che Guevara. Voltando a Cuba, Castro assumiu um papel fundamental na Revolução Cubana, liderando o movimento em uma guerra de guerrilha contra as forças de Batista na Serra Maestra. Após a derrota de Batista em 1959, Castro assumiu o poder militar e político como primeiro-ministro de Cuba. Os Estados Unidos ficaram alarmados com as relações amistosas de Castro com a União Soviética e tentaram sem êxito removê-lo através de assassinato, bloqueio econômico e contrarrevolução, incluindo a invasão da Baía dos Porcos em 1961. Contra essas ameaças, Castro formou uma aliança com os soviéticos e permitiu que eles colocassem armas nucleares na ilha, o que provocou a Crise dos Mísseis de Cuba - um incidente determinante da Guerra Fria - em 1962.

Adotando um modelo marxista-leninista de desenvolvimento, Castro converteu Cuba em uma ditadura socialista sob comando do Partido Comunista, o primeiro no hemisfério ocidental. As reformas introduziram o planejamento econômico central e levaram Cuba a alcançar índices elevados de desenvolvimento humano e social, como a menor taxa de mortalidade infantil da América,[4] além da erradicação do analfabetismo[5] e da desnutrição infantil.[6] No entanto, tais avanços sociais foram acompanhados pelo controle estatal, com a supressão da liberdade de imprensa e de expressão[7][8] e pela inibição da dissidência interna. No exterior, Castro apoiou grupos anti-imperialistas revolucionários, apoiando o estabelecimento de governos marxistas no Chile, Nicarágua e Grenada, além de enviar tropas para ajudar os aliados na Guerra do Yom Kipur, da Guerra Etío-Somali e da Guerra Civil Angolana. Essas ações, aliadas à liderança de Castro no Movimento Não Alinhado de 1979 a 1983 e ao internacionalismo médico cubano, melhoraram a imagem de Cuba no cenário mundial e conquistaram um grande respeito no mundo em desenvolvimento. Após a dissolução da União Soviética em 1991, Castro levou Cuba ao seu "Período Especial" e abraçou ideias ambientalistas e antiglobalização. Na década de 2000 ele forjou alianças na "onda rosa" da América Latina e assinou a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América. Em 2006, transferiu suas responsabilidades para o vice-presidente e irmão Raúl Castro, que assumiu formalmente a presidência em 2008.[9][10]

Castro era uma figura mundial controversa e divisiva. Ele foi condecorado com vários prêmios internacionais[11] e seus partidários o elogiam por ter sido um defensor do socialismo, do anti-imperialismo e do humanitarismo, cujo regime revolucionário garantiu a independência de Cuba do imperialismo estadunidense. Por outro lado, os críticos o classificam como um ditador totalitário cuja administração cometeu múltiplos abusos ao direitos humanos,[12][13][14] causou um êxodo de mais de um milhão de cubanos e o empobrecimento da economia do país. Através de suas ações e seus escritos, ele influenciou significativamente a política de vários indivíduos e grupos em todo o mundo.

Biografia

Infância e estudos

Carta escrita em inglês por Fidel Castro aos 12 anos para o presidente estadunidense Franklin D. Roosevelt enquanto estudava no Colégio de Dolores, em Santiago de Cuba.

Castro nasceu fora do casamento na fazenda de seu pai em 13 de agosto de 1926.[15] Seu pai, Ángel Castro y Argiz, foi um migrante de Cuba a partir da Galiza, noroeste da Espanha.[16] Ele tinha se tornado um bem sucedido produtor de cana-de-açúcar na fazenda de Las Manacas, em Birán, Província do Oriente,[17] e depois do colapso do seu primeiro casamento, ele tomou sua serva doméstica, Lina Ruz González, como sua amante e mais tarde sua segunda esposa; juntos eles tiveram sete filhos, entre eles Fidel.[18] Com 6 anos de idade, Castro foi enviado para viver com seu professor, em Santiago de Cuba,[19] antes de ser batizado na Igreja Católica Romana aos 8 anos.[20] Ser batizado habilitou Fidel a estudar no colégio La Salle, em Santiago, onde regularmente se comportava mal, e por isso foi enviado ao financiamento privado, a escola jesuíta Dolores, em Santiago.[21] Em 1945 transferiu-se para o colégio jesuíta mais prestigiado, El Colegio de Belén, em Havana.[22] Embora ele tivesse um interesse em história, geografia e debatido em Belén, ele não se destacou academicamente, em vez disso dedicou boa parte de seu tempo a praticar esportes.[23]

Em 1945, Castro começou a estudar Direito na Universidade de Havana.[24] Admitindo que ele era "politicamente analfabeto", se envolveu em ativismo estudantil,[25] e a violenta cultura gangsterista dentro da universidade.[26] Apaixonado por anti-imperialismo e opondo-se a intervenção dos Estados Unidos no Caribe,[27] ele, sem sucesso, fez campanha para a presidência da Federação de Estudantes Universitários (Federación Estudiantíl Universitaria - FEU) com uma plataforma de "honestidade, decência e justiça".[28] Tornou-se crítico da corrupção e violência do governo do presidente Ramón Grau, com um discurso público sobre o assunto em novembro de 1946, que lhe valeu um lugar na primeira página de vários jornais.[29]

Em 1947, Castro entrou para o Partido Socialista do Povo Cubano (Partido Ortodoxo), fundado pelo político veterano Eduardo Chibás. Uma figura carismática, Chibás defendeu a justiça social, o governo honesto, e liberdade política, enquanto que o seu partido estava exposto a corrupção e exigia reformas. Apesar de Chibás perder a eleição, Castro permaneceu empenhado em trabalhar em seu nome.[30] A violência estudantil em Grau logo se intensificou empregando líderes de gangues como policiais, e Castro logo recebeu uma ameaça de morte instando-o a deixar a universidade; recusando-se, começou a carregar uma arma e a cercar-se de amigos armados.[31] Nos anos posteriores dissidentes anti-Castro o acusaram de cometer assassinatos relacionados com gangues na época, mas isto permanecem sem comprovação.[32]

Início da carreira política

Fidel Castro preso em 1953 após o assalto ao Quartel Moncada.
Bandeira do Movimento 26 de Julho criado em 1955 por um grupo de nacionalistas cubanos entre os quais Fidel Castro.

Depois de graduado, dedicou-se de modo especial à defesa dos opositores ao governo, trabalhadores e sindicatos, denunciou as corrupções e atos ilegais do governo de Carlos Prío através do diário Alerta e das emissoras Radio Álvarez e COCO e se vinculou estreitamente ao Partido do Povo Cubano (Ortodoxo) que era liderado por Eduardo Chibás, partido pelo qual seria candidato a Representante nas eleições de 1952. O golpe de estado em 10 de março de 1952 por Fulgencio Batista, ao qual Fidel condenou no diário La Palabra e pretendeu levar aos tribunais, o convenceu da necessidade de buscar novas formas de ação para transformar a sociedade cubana.[carece de fontes?]

Nos dias que se seguiram ao golpe, imprimiu em mimeógrafo e distribuiu clandestinamente sua denúncia. Uniu-se a jovens que editavam o periódico mimeografado clandestino, Son los Mismos, sugeriu a troca de seu nome pelo de El Acusador e foi coeditor desse novo órgão, onde assinou seus trabalhos apenas com seu segundo nome, Alejandro. Este mesmo pseudônimo utilizaria mais tarde em suas correspondências e mensagens.[carece de fontes?]

Daquele grupo sairia o núcleo inicial de jovens que sob seu comando atacariam de assalto ao Quartel Moncada em Santiago de Cuba e de Céspedes, (Bayamo) em 26 de julho de 1953 e fundaria depois o Movimento Revolucionário 26 de Julho (M-26-7).[carece de fontes?]

A história me absolverá

Ver artigo principal: A História me Absolverá

No julgamento que se seguiu pelas ações, assumiu sua própria defesa e defendeu o direito dos povos de lutarem contra a tirania. Condenado a quinze anos de prisão, começou a cumprir a pena na prisão de Boniato (Santiago de Cuba) e depois foi transferido ao Presídio Modelo (Isla de Pinos), onde reelaborou sua auto-defesa que levou o nome de A História me Absolverá, e teve sua primeira publicação e distribuição clandestinas em 1954 e desde então foi editada numerosas vezes em Cuba, como em muitos outros países e traduzido nos mais diversos idiomas.[carece de fontes?]

Anistia

Após ser anistiado em maio de 1955 graças a um amplo movimento popular, ocorreu uma intensa tarefa periodística de caráter político através do diário La Calle e do semanário Bohemia e em aparições radio-auditivas e televisivas enquanto estruturava o movimento 26 de julho em escala nacional e internacional.[carece de fontes?]

Novo exílio no México

Porém, ao começarem a censurar seus artigos e cerrar as vias e meios legais de expressão de suas ideias, decidiu seguir, apenas dois meses depois ao seu exílio no México onde trabalhou na preparação dos homens que o acompanhariam em seu intento de iniciar a luta insurrecional em Cuba, participou em atividades políticas, escreveu o Manifesto número um do Movimento 26 de Julho ao povo de Cuba que circulou clandestinamente na Ilha e firmou, com José Antonio Echeverría, presidente da FEU, o Pacto do México a favor da unidade das forças que se opunham à ditadura de Fulgencio Batista.[carece de fontes?]

Preparação da revolução

O irmão de Fidel, Raúl Castro, junto com Che Guevara na Serra Maestra em 1958.

Em 1955 viajou aos Estados Unidos em busca de apoio dos emigrados cubanos neste país. Pronunciou discursos em Nova York e Miami. Ao fim de novembro de 1956, partiu do porto mexicano de Tuxpan, a bordo do Iate Granma, com várias dezenas de combatentes e em 2 de dezembro desembarcaram na praia Las Coloradas, próxima a Niquero (Oriente), e se abrigaram em Sierra Maestra onde permaneceu por mais de dois anos à frente do Exército Rebelde Cubano, do qual era comandante-em-chefe.[carece de fontes?]

Neste ínterim, desenhou e guiou a tática e a estratégia da luta contra a ditadura batistiana, financiada e apoiada pela unidade de ação das forças opositoras revolucionárias. Comandou diversos combates que culminaram em vitórias de suas tropas, orientou a criação de novas frentes guerrilheiras em Oriente e Las Villas, trabalhou na preparação de leis fundamentais que deveriam promulgar-se uma vez alcançada a vitória e divulgou suas ideias nacional e internacionalmente, através de meios improvisados na própria Sierra Maestra como o periódico El Cubano Libre, a emissora Radio Rebelde - ainda atuante - e mediante entrevistas realizadas por periodistas cubanos e estrangeiros.[carece de fontes?]

Pós-revolução

Fidel Castro assina o termo de posse como Primeiro Ministro de Cuba em 16 de fevereiro de 1959.

Depois do desmonte do regime ditatorial pela fuga de Batista em 1 de janeiro de 1959, convocou generais para consolidar a vitória da Revolução e marchou até Havana, onde entrou em 8 de janeiro. O Governo revolucionário instaurado o designou primeiramente Comandante em Chefe de todas as forças armadas e depois, em meados de fevereiro, Primeiro Ministro.[carece de fontes?]

Fidel Castro visitou, após a vitória, os Estados Unidos.[33] A URSS deu apoio econômico e militar ao novo governo de Castro, comprando a maioria do açúcar cubano. A partir de então, Cuba passou a sofrer um embargo econômico por parte dos Estados Unidos. A este respeito Fidel Castro disse:

Nuestro pueblo heroico ha luchado 44 años desde una pequeña isla del Caribe a pocas millas de la más poderosa potencia imperial que ha conocido la humanidad. Con ello ha escrito una página sin precedentes en la historia. Nunca el mundo vio tan desigual lucha.
Discurso de 1 de maio de 2003, em Havana.
Nosso povo heróico lutou 44 anos desde uma pequena ilha do Caribe, a poucas milhas da mais poderosa potência imperial que a humanidade já conheceu. Com ele escreveu uma página sem precedentes na história. Nunca o mundo viu uma luta tão desigual.
Che Guevara e Fidel fotografados por Alberto Korda em 1961

Imediatamente começou a impulsionar a criação de um novo aparato estatal, escreveu leis a favor dos setores mais desfavorecidos, entre essas leis encontra-se a lei de Reforma Agrária, que firmou ainda em Sierra Maestra em 17 de maio. Também fundou órgãos de novo tipo como o Instituto Nacional de Reforma Agrária (INRA, do qual foi seu primeiro presidente) e instituições culturais como a Imprensa Nacional de Cuba e o Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográfica (ICAIC). O anúncio de sua renúncia ao cargo de primeiro-ministro em meados de julho de 1959 pelos obstáculos colocados pelo presidente Manuel Urrutia às leis e medidas revolucionárias, motivou uma massiva exigência popular para que se reincorporasse ao mesmo e forçou a renúncia do presidente.[carece de fontes?]

Em 26 de julho retomou o cargo. A partir de então pode levar adiante, desde os primeiros anos posteriores ao triunfo da Revolução, medidas e atividades de grande envergadura para o desenvolvimento ulterior do pais em todas as ordens, como a nacionalização de empresas estrangeiras, a Reforma Urbana, o desenvolvimento da indústria nacional e a diversificação agrícola, a campanha de alfabetização, a nacionalização e gratuitidade do ensino em todos os níveis, a eliminação da saúde pública privada e do desporte profissional, a melhoria das condições de vida dos setores mais populares, o estabelecimento de vínculos com nações de todo o mundo e todos os sistemas sociais de governo, a incorporação de Cuba ao Movimento de Países Não Alinhados, a definição de uma política exterior independente, e a declaração do caráter socialista da revolução em abril de 1961.[carece de fontes?]

Conseguiu, ademais, a unidade das forças revolucionárias e anti-imperialistas do país em organizações massivas como a Associação de Jovens Rebeldes (ARJ), os Comitês de Defesa da Revolução (CDR), as Milícias Nacionais Revolucionárias (MRN), a União de Pioneiros de Cuba (UCP), a Federação de Mulheres Cubanas (FMC) e outras de caráter mais seletivo e político. Escreveu textos fundamentais da história contemporânea de Cuba e da América Latina como os da Primeira (1960) e Segunda (1962) Declaração de Havana. Em abril de 1961 dirigiu pessoalmente as tropas que derrotaram a invasão mercenária em Playa Girón, financiada e organizada pelos Estados Unidos.[carece de fontes?]

Fidel Castro discursando em Havana, 1978, imagem por Marcelo Montecino.

Sua intervenção em uma reunião com escritores e artistas na Biblioteca Nacional José Martí em junho de 1961, publicada depois sob o título Palavras aos Intelectuais, definiu aspectos da política cultural da Revolução ainda vigentes e facilitou a realização, em agosto deste mesmo ano, do Primeiro Congresso Nacional de Escritores e Artistas de Cuba.[carece de fontes?] Foi membro do conselho de direção de Cuba Socialista (1961-1967). Desde outubro de 1965, quando o PURCS tomou o nome de Partido Comunista de Cuba, (PCC), têm sido membro de seu Comitê Central e seu Primeiro Ministro.[carece de fontes?]

Assim mesmo, ao constituir-se a Assembleia Nacional do Poder Popular em 1977, esta o elegeu Presidente dos Conselhos de Estado e Ministros, cargos nos quais tem sido ratificado desde então. Por suas responsabilidades a frente do PCC, o Estado e o Governo cubanos tem sido o principal orientador e impulsor das estratégias de desenvolvimento do país em todos os sentidos, assim como o arquiteto da política internacional da Revolução Cubana.[carece de fontes?]

Relações mundiais

Fidel Castro na Assembleia Geral da ONU, em 22 de setembro de 1960.

A partir de 1959 viajou a uma infinidade de países da América Latina, Europa, África e América do Norte, para representar Cuba em congressos e conferências dos mais diversos tipos e organizações, assim como em outras atividades oficiais e visitas amistosas. Em 1959 foi ao Brasil, onde foi recebido pelo presidente Juscelino Kubitschek. Anteriormente já havia se encontrado com o deputado Jânio Quadros (que depois viria a ser presidente do Brasil).[carece de fontes?]

Foi durante a era Castro que houve oferecimento de tratamento gratuito de mais de 124 mil vítimas do acidente nuclear de Chernobil[34], participação direta na luta pelo fim do Apartheid na África do Sul[35], treinamento de médicos do Timor-Leste[36], entre outros.

Em 2012, o jornal alemão Die Welt noticiou que, no contexto na Crise dos Mísseis de Cuba, diante dos riscos de uma possível invasão à ilha, Fidel Castro teria contratado antigos soldados nazis das SS para treinar os militares cubanos. A partir da repercussão da matéria, o Jornal de Noticias informa que os serviços secretos alemães teriam como certa a presença em Cuba de pelo menos dois dos quatro membros das SS convidados pelo regime de Fidel Castro, que teriam ido para Cuba ganhar salários quatro vezes superiores ao que um alemão médio auferia naquela época[37]. Ainda, segundo a mesma fonte, no mesmo ano Fidel Castro teria tentado comprar armamento belga através de intermediários da extrema-direita alemã.[carece de fontes?]

Em 13 de março de 1995, Fidel faz sua primeira visita à França, a uma potência ocidental desde a revolução de 1959. Na ocasião, Fidel declarou que a visita significava o fim do apartheid imposto a Cuba pelo Ocidente e atacou o bloqueio comercial imposto pelos Estados Unidos há mais de três décadas.[38]

Castro e o ex-presidente do Brasil Lula da Silva (na esquerda) em 2003.

De especial significado foi sua presença nas cúpulas do Movimento de Países Não-Alinhados. Documentos políticos, discursos, intervenções, artigos e entrevistas suas têm sido difundidos em livros próprios ou compilações, em filmes e nos mais importantes órgãos de imprensa escrita e emissoras de rádio e televisão de Cuba e de todo o mundo. Em 1961 foi-lhe atribuído o Prêmio Lênin da Paz.[carece de fontes?]

Várias universidades da Europa e América Latina lhe conferiram o título de Doctor Honoris Causa. Recebeu também múltiplas condecorações por seu labor em prol das relações com outros países, assim como o Prêmio Mijail Sholojov outorgado pela União de Escritores da Rússia em 1995.[carece de fontes?]

Fidel esteve Portugal, pela primeira vez, em outubro de 1998 durante a VIII Cimeira Ibero-Americana, realizada no Porto, e rapidamente se tornaria a personagem central do encontro. Em Matosinhos, num comício-festa de solidariedade com o povo cubano, Fidel terá feito "o mais longo discurso político algumas vez proferido" em terras portuguesas: foi um improviso que durou duas horas e meia. E ouviu de José Saramago, que acabava de ser galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, as seguintes palavras: "Cuba dá-nos todos os dias uma lição de coragem. Cuba vive mais firme do que uma rocha, porque uma rocha desgasta-se, mas, até agora, a vontade do povo cubano não se desgastou." A presença de Fidel no Porto daria mais força ao protesto de rua contra o bloqueio norte-americano à ilha, num dos dias da cimeira. À frente da manifestação seguiam, entre outros, Vasco Gonçalves, Rosa Coutinho e Mário Tomé. Em maio de 2001, o presidente cubano voltou a Portugal, mas a visita resume-se a uma passagem discreta por Lisboa.[39]

Transferência inédita e retirada de poder

Em 26 de julho de 2006, Fidel Castro ia a bordo de um avião que fazia a viagem entre as cidades cubanas de Holguín e Havana quando teve uma primeira hemorragia relacionada com a doença nos intestinos que o afastou da vida pública.[carece de fontes?]

Não havia nenhum médico a bordo do avião, por isso o aparelho aterrou de emergência para que Fidel Castro fosse hospitalizado. A doença do líder histórico cubano foi então considerada segredo de Estado, mas foram mobilizados os melhores médicos e quatro meses depois, o médico espanhol José Luis Garcia Sabrido, chefe de cirurgia do hospital Gregório Marañón em Madrid, viajou até Cuba para acompanhar a situação[40].

Fidel Castro diante da estátua de José Martí, em Havana, 2003. Fidel Castro se retirou do poder em 2008 por problemas de saúde.

Em 1 de agosto de 2006, Fidel Castro delegou em caráter provisório, por conta de uma doença intestinal que, segundo o próprio, seria grave,[41] suas funções de comandante supremo das Forças Armadas, secretário-geral do Partido Comunista de Cuba e de presidente do Conselho de Estado (cargo máximo da República Cubana) ao seu irmão Raúl Castro, Ministro da Defesa. Inúmeras críticas surgiram, e em outubro de 2006 a imprensa mundial afirmou que ele teria câncer,[42] fato não confirmado.[carece de fontes?]

Em 19 de fevereiro de 2008, Castro anunciou ao jornal do Partido Comunista, o Granma, que não se recandidataria ao cargo de presidente de Cuba, cinco dias antes de o seu mandato terminar.[1]

O poder passou em definitivo para as mãos de seu irmão Raúl Castro após Fidel Castro decidir retirar-se do poder em 24 de fevereiro de 2008, após o parlamento definir a nova cúpula governamental.[1] Cinco dias depois, Fidel anunciou que não aceitaria novamente, se eleito, o cargo de Chefe de Estado. Em uma mensagem publicada no jornal oficial Granma, ele escreveu e assinou:

Ele também escreveu que estaria traindo sua consciência ocupando uma responsabilidade que requer uma mobilidade que não estaria mais em condições físicas de exercer. Mesmo com a renúncia de Castro, o ex-presidente americano, George Bush, não retirou as sanções americanas impostas a Cuba. Fidel Castro disse que continuará escrevendo sua coluna no jornal cubano e não pode continuar no poder por insuficiência em sua saúde. Ele permaneceu como membro do parlamento após a sua eleição como um dos 31 membros do Conselho de Estado. Também manteve o cargo de primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba.[carece de fontes?]

Vida pessoal

Família

Genealogia de Fidel Castro

Com sua primeira esposa, Mirta Díaz Balart, Fidel Castro tem um filho chamado Fidel "Fidelito" Castro Díaz-Balart. Mirta e Fidel divorciaram-se em 1955, tendo ela se casado novamente e, após uma temporada em Madrid, teria voltado a residir em Havana para viver com Fidelito e sua família.[44] Fidelito cresceu em Cuba e por um período dirigiu a comissão para a energia atômica do país, tendo sido retirado do posto por seu pai.[45]

Fidel tem outros cinco filhos com sua segunda esposa, Dalia Soto del Valle: Alexis, Alexander, Alejandro, Antonio e Ángel.[45]

Durante seu casamento com Mirta, Fidel teve uma amante, Naty Revuelta, que lhe deu uma filha, Alina Fernández-Revuelta,[45] que deixou Cuba em 1993 fazendo-se passar por uma turista espanhola[46] e pediu asilo nos Estados Unidos, onde tem sido uma ferrenha crítica das ações políticas de seu pai.

Uma irmã de Fidel, Juanita Castro, vive nos Estados Unidos desde o início da década de 1960, tendo sido retratada num documentário de Andy Warhol em 1965.[47] Juanita disse, em Outubro de 2009, que trabalhou para a CIA de 1961 até sua saída de Cuba.[48][49] [50]

No total, pelo menos seis membros de sua família vivem nos Estados Unidos, no bairro de Little Havana em Miami: sua irmã,[48] duas filhas [51] e três de seus netos, que levam, em geral, uma vida longe da mídia.

Patrimônio

Em julho de 2014 foi publicado o livro "A vida Secreta de Fidel", escrito por Juan Reinaldo Sanchez um ex-guarda-costas de Fidel. Sanchez, que fora preso em Cuba e acusado de traição exilou-se nos Estados Unidos em 2008, onde conheceu o jornalista francês Axel Gyldén que o ajudaria a escrever o livro.[52] O autor afirma que Fidel nunca abandonou o capitalismo e cita entre seus bens algumas extravagâncias como a posse de uma ilha particular, uma reserva pessoal de caça, uma marina com quatro iates de alto luxo, um barco de pesca e pelo menos 20 residências igualmente recheadas de conforto. O livro ainda afirma que Fidel teria um enorme aquário cheio de golfinhos e tartarugas, que gosta de exibir a familiares e a amigos mais próximos.[53]

Fidel Castro em 2009

Em 2005 a revista Forbes especulou que o patrimônio de Fidel Castro atingiria aproximadamente 550 milhões de dólares. A Forbes chegou a esse número pela soma do patrimônio das empresas estatais do governo de Cuba. Com essa fortuna acumulada, especulou a revista, ele teria alcançado o décimo lugar na categoria "governantes e membros da realeza mais ricos do mundo".[54]

A Forbes disse à BBC que, para estimar a presumível fortuna de Fidel, calculou o valor de mercado de várias empresas estatais cubanas, e atribuiu um percentual do valor assim obtido ao patrimônio pessoal de Fidel Castro. Um porta voz da revista confirmou à BBC que a revista não tem nenhuma prova de que Fidel Castro tenha contas bancárias no exterior, embora a revista mantenha que Fidel teria "uma fortuna".[55]

Tais dados foram negados por Fidel no ano seguinte, ao considerar a notícia como uma infâmia com o objetivo de desprestigiar a revolução cubana "anular Cuba e pintar Castro como um ladrão".[56] Na oportunidade, Fidel Castro desafiou:

Fidel ainda alegou que a revista estaria ligada aos serviços de inteligência dos Estados Unidos, e afirmou que o próprio presidente Ronald Reagan teria nomeado o editor da revista para o cargo de coordenador das transmissões de rádio da Voz da América dirigidas à União Soviética durante a Guerra Fria.[55] Ainda, segundo Fidel, muitos meios de comunicação, por todo o mundo, estariam buscando, "de maneira suja e baixa, desprestigiar a Revolução, anular Cuba e pintar Castro como um ladrão".[carece de fontes?]

Morte

Ver artigo principal: Morte de Fidel Castro

Fidel Castro morreu em Havana na noite de 25 de novembro de 2016, aos 90 anos.[2] A morte do líder cubano foi anunciada pela TV estatal cubana. Castro morreu às 22h29 e o corpo do ex-presidente de Cuba será cremado, "atendendo a seus pedidos", informou Raúl Castro, na TV estatal. A última vez que Fidel havia sido visto publicamente foi em 15 de novembro, quando recebeu o presidente do Vietnã, Tran Dai Quang.[57] O governo de Cuba decretou nove dias de luto nacional pela morte do líder da Revolução Cubana e anunciou que o funeral de Fidel ocorrerá no dia 4 de dezembro, no cemitério Santa Ifigenia, na cidade de Santiago de Cuba.[58]

Reações

A notícia da morte de Fidel Castro gerou reações variadas de personalidades e líderes mundiais.[59]

O presidente Raúl Castro anunciou na televisão estatal: "O comandante-em-chefe da revolução cubana morreu esta noite às 22h29."[60] E no final de seu pronunciamento disse: "¡Hasta la victoria siempre!"[61] A opositora Yoani Sánchez afirmou que Castro deixou "um país em ruínas onde os jovens não desejam viver."[62]

O presidente russo Vladimir Putin descreveu Fidel como o "símbolo de uma era" e afirmou que o líder cubano estaria sempre "no coração do povo russo".[63]

Em nota, Michel Temer, presidente do Brasil, afirmou que "Fidel Castro foi um líder de convicções. Marcou a segunda metade do século XX com a defesa firme das ideias em que acreditava."[64] Ainda no Brasil, políticos de centro e de esquerda celebraram o legado do líder cubano. O senador Cristovam Buarque declarou que "ele foi o herói da minha geração na América Latina: tanto como líder de revolução, quanto como líder da resistência às forças imperialistas, e sobretudo como líder de um governo comprometido com a justiça social, sem perder o vigor transformador." [65].

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, escreveu numa rede social: "Fidel Castro está morto!"[66] e posteriormente o classificou como "um ditador brutal".[67] Barack Obama, presidente dos Estados Unidos nos momentos finais de seu mandato, foi neutro ao comunicar que "a história registrará e julgará o enorme impacto dessa figura singular no povo e no mundo ao seu redor".[68]

O presidente francês, François Hollande, relembrou os abusos de direitos humanos em Cuba, mas também destacou a defesa de Fidel Castro contra pressões externas, em especial o embargo econômico norte-americano, classificado como “inaceitável”.[69]

O presidente sul-africano Jacob Zuma saudou Cuba e agradeceu a Fidel pela “ajuda na luta contra o apartheid”, regime que imperou na África do Sul por décadas e que tratava negros como cidadãos de segunda classe[69].

O Papa Francisco, chefe de estado do Vaticano que mais se empenhou em apaziguar as relações de Cuba com os Estados Unidos, fez um pronunciamento sentido em telegrama enviado ao irmão de Fidel, Raúl Castro: "ao receber a triste notícia do falecimento do seu querido irmão, (...) expresso os meus sentimentos de pesar".[70]

Garry Kasparov, presidente do Human Rights Foundation, afirmou: "Fidel Castro foi um dos muitos monstros do século XX."[71]

Logo após o anúncio da morte, exilados cubanos e cubano-americanos, contrários ao regime de Castro em Cuba, comemoraram a morte do ex-presidente nas ruas do bairro de Little Havana em Miami.[72]

Críticas

Opositores

Mais informações: Alpha 66

Milhares de cubanos deixaram o país durante e depois da revolução que levou Fidel Castro ao poder, fosse por razões políticas ou econômicas. Após 35 anos da instalação do governo revolucionário, estima-se que cerca de 32 000 cubanos deixaram a ilha em direção aos Estados Unidos.[73] De acordo com o jornal francês L'Humanité, a cada ano, 20.000 cubanos solicitam vistos de permanência em solo norte-americano.[74] Milhares deles envolveram-se em menor ou maior grau em organizações apoiadas pelo governo dos EUA, a fim de derrubar ou pelo menos para desafiar o seu governo mas, as ações violentas dos anos 1960 falharam. Jacobo Machover estima em várias centenas de milhares o número de adversários de Fidel Castro.[75]

Em 23 de Abril de 2003, membros do grupo Repórteres sem Fronteiras (RSF), acompanhados por um repórter do jornal 20 minutes, do cineasta Romain Goupil, da escritora Zoé Valdés e do filósofo e colunista Pascal Bruckner manifestaram-se em frente da embaixada de Cuba em Paris contra a condenação de 78 cubanos acusados ​​de "conspiração". Eles bloquearam as entradas com correntes e cadeados e confrontaram o pessoal da embaixada[76][77][78][79]

Dissidentes cubanos entraram com uma queixa perante o Supremo Tribunal da Espanha, a mais alta corte da justiça espanhola, em 14 de Outubro de 2005, acusando de Fidel Castro de genocídio, crimes contra a humanidade, tortura e terrorismo.[carece de fontes?]

Presos políticos

Opositores afirmam que presos políticos morrem em prisões cubanas,[80] dentre os quais o mais famoso é o poeta católico Pedro Luis Boitel. Muitos escritores também foram perseguidos durante suas vidas sem poder sair livremente Cuba como o homossexual Reinaldo Arenas (que conseguiu fugir de Cuba, mas suicidou-se nos Estados Unidos), José Lezama Lima e Virgilio Piñera. No entanto, segundo a Anistia Internacional, a repressão continua a ser muito forte: "Durante 2006, houve um aumento do assédio do público e intimidação dos críticos do regime e dissidentes políticos por grupos semi-oficiais em operações chamado de "repúdio". Atos de repúdio ou manifestações de partidários do governo contra de dissidentes políticos ou críticos do regime aumentaram.[81]

Alegadamente muitas prisões são feitas fundamentadas em uma suposta "periculosidade social", definida como uma "propensão a cometer um delito". Nestas medidas de prisão preventiva os termos embriaguez, toxicodependência seriam frequentemente aplicados aos opositores [82] podendo resultar em condenações criminais.[carece de fontes?]

De acordo com um relatório publicado em 10 de janeiro de 2005 por a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional, ainda existem 294 presos políticos em Cuba, contra 317 no início de 2004. De acordo com o relatório, em 2004, pelo menos 21 pessoas foram presas por razões políticas. Ele também lembrou que o governo cubano continua a negar o acesso a prisões ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha e a Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos.[carece de fontes?]

Muitos adversários do regime foram presos, e um dos mais famosos é Armando Valladares que relatou suas experiências em "Against All Hope", condenado pelo uso de explosivos em Havana em 1960. Regis Debray, que foi enviado por François Mitterrand para a sua libertação, em 1980, escreveu mais tarde, que Armando Valladares tinha se passado por paralítico quando, na realidade, estava com a saúde perfeita.[83] Este último também ganhou mais tarde a cidadania americana e tornou-se embaixador de Ronald Reagan na ONU.[84]

Perseguição aos homossexuais

Fidel admitiu que seu governo perseguiu homossexuais nas décadas de 1960 e 1970. Na época, gays e lésbicas foram exonerados de cargos públicos, presos ou enviados a campos de trabalho forçado. Questionado sobre se o Partido Comunista ou alguma entidade específica foi responsável pela injustiça, Fidel negou, e se assumiu como único responsável.[85][86]

Ver também

Referências

  1. a b c Fidel Castro sai de cena - PortugalDiário.pt, 19 de fevereiro de 2008.
  2. a b c d e «Cuba's Fidel Castro, former president, dies aged 90». BBC. 26 de novembro de 2016. 
  3. «Fidel Castro confirmou que já não é dirigente do Partido Comunista». 
  4. Cuba registra taxa mais baixa da História de mortalidade infantil
  5. Bolívia é o terceiro país da América Latina a erradicar o analfabetismo
  6. UNICEF: Cuba free of child malnutrition
  7. "Freedom of the Press 2009", página 20. Freedom House
  8. "Democracy Index 2010"
  9. «Raúl Castro é confirmado novo chefe do Partido Comunista de Cuba com Machado Ventura como vice». O Globo. Consultado em 19/04/2011. 
  10. «Raul Castro to lead Cuba's Communist Party». CNN. Consultado em 19/04/2011. 
  11. Folha da Região. Fidel Castro recebe prêmio do Conselho Mundial da Paz, diz rádio cubana. Acesso em 30 de abril de 2011
  12. Cuba: La maquinaria abusiva de Fidel Castro se mantiene intacta - Human Rights Watch, 18 de fevereiro de 2008.
  13. Cuba: juicio viola el derecho de los disidentes a la libertad de expresión - Human Rights Watch, 21 de abril de 2004.
  14. En el primer aniversario de la ola represiva contra disidentes pacíficos en Cuba - Human Rights Watch, 17 de março de 2004.
  15. Bourne 1986, p. 14; Coltman 2003, p. 3; Castro and Ramonet 2009, pp. 23–24.
  16. Bourne 1986, pp. 14–15; Quirk 1993, pp. 7–8; Coltman 2003, pp. 1–2; Castro and Ramonet 2009, pp. 24–29.
  17. Bourne 1986, pp. 14–15; Quirk 1993, p. 4; Coltman 2003, p. 3; Castro and Ramonet 2009, pp. 24–29.
  18. Bourne 1986, pp. 16–17; Coltman 2003, p. 3; Castro and Ramonet 2009, pp. 31–32.
  19. Quirk 1993, p. 6; Coltman 2003, pp. 5–6; Castro and Ramonet 2009, pp. 45–48, 52–57.
  20. Bourne 1986, pp. 29–30; Coltman 2003, pp. 5–6; Castro and Ramonet 2009, pp. 59–60.
  21. Quirk 1993, p. 13; Coltman 2003, pp. 6–7; Castro and Ramonet 2009, pp. 64–67.
  22. Bourne 1986, pp. 14–15; Quirk 1993, p. 14; Coltman 2003, pp. 8–9.
  23. Quirk 1993, pp. 12–13,16–19; Coltman 2003, p. 9; Castro and Ramonet 2009, p. 68.
  24. Bourne 1986, p. 13; Quirk 1993, p. 19; Coltman 2003, p. 16; Castro and Ramonet 2009, pp. 91–92.
  25. Bourne 1986, pp. 9–10; Quirk 1993, pp. 20, 22; Coltman 2003, pp. 16–17; Castro and Ramonet 2009, pp. 91–93.
  26. Bourne 1986, pp. 34–35; Quirk 1993, p. 23; Coltman 2003, p. 18.
  27. Coltman 2003, p. 20.
  28. Bourne 1986, pp. 32–33; Coltman 2003, pp. 18–19.
  29. Bourne 1986, pp. 34–37,63; Coltman 2003, pp. 21–24.
  30. Bourne 1986, pp. 39–40; Quirk 1993, pp. 28–29; Coltman 2003, pp. 23–27; Castro and Ramonet 2009, pp. 83–85.
  31. Coltman 2003, pp. 27–28; Castro and Ramonet 2009, pp. 95–97.
  32. Bourne 1986, pp. 35–36, 54; Quirk 1993, pp. 25, 27; Coltman 2003, pp. 23–24,37–38, 46; Von Tunzelmann 2011, p. 39.
  33. Franqui, Carlos. "Fidel Castro's Trip to the United States" - in Family Portrait with Fidel. Random House, Nova York.
  34. |Chernobil continua chegando a Cuba
  35. Cuba and the South African anti-apartheid struggle
  36. Cuban infusion remains the lifeblood of Timor-Leste's health service
  37. «Fidel Castro recrutou nazis para o exército cubano». 
  38. "Livro do Ano 1996", pg. 23. Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda. São Paulo (1994).
  39. «Militares de Abril em Cuba e Fidel em Matosinhos». 
  40. «Doença de Fidel Castro começou com uma hemorragia a bordo de um avião». 
  41. Fidel Castro delega suas funções pela primeira vez. - Agência EFE, (in UOL News), 31 de julho de 2006.
  42. Fidel estaria recusando tratamento contra suposto câncer, diz jornal - O Globo, 8 de dezembro de 2006.
  43. EUA devem manter embargo contra Cuba, diz assessor de Bush - G1, 19 de fevereiro de 2008.
  44. Bardach, Ann Louise: Cuba Confidential. p. 67. "One knowledgable source claims that Mirta returned to Cuba in early 2002 and is now living with Fidelito and his family." ("Uma fonte com conhecimento alega que Mirta retornou a Cuba no início de 2002 e está vivendo atualmente com Fidelito e sua família.")
  45. a b c Anderson, Jon Lee. "Castro's Last Battle: Can the revolution outlive its leader?" The New Yorker, 31 de julho de 2006.
  46. «Cuba's first family not immune to political rift». Reuters (in Canada.com). 8 de agosto de 2006. Consultado em 10-8-2006.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)
  47. «The Internet Movie Database (IMDb) - The Life of Juanita Castro». 1965. Consultado em 5-8-2006. 
  48. a b Brasil Online Notícias - Juanita Castro, irmã de Fidel, era agente da CIA. Jean-Michel Caroit, 2 de Novembro de 2009, acessado em 14/01/2014.
  49. Le Point - La soeur de Fidel Castro, collaboratrice de la CIA? 26 de Outubro de 2006, (em francês), acessado em 14/01/2016.
  50. FIDEL E RAUL, MEUS IRMAOS: A HISTORIA SECRETA. Autora: Juanita Castro. Planeta do Brasil, 2011. ISBN 9788576656050 Adicionado em 14/01/2016.
  51. Ocnus - The Life and Loves of Fidel Castro. Christine Toomey, 28 de Dezembro de 2008, (em inglês), acessado em 14/01/2016.
  52. «Fidel Castro lived like a king in Cuba, book claims». Consultado em 29/10/2015. 
  53. «Ex-guarda-costas diz que Fidel tinha ilha, iates e mais de 20 casas». 
  54. Fidel diz que sua inclusão na lista dos mais ricos da "Forbes" é "infâmia" - Folha Online, 18 de março de 2005.
  55. a b EVANS, Stephen. Forbes insiste en la fortuna de Castro. BBC World, 17 de maio de 2006
  56. Ravsberg, Fernando. Castro le responde a Forbes. Havana: BBC Mundo, BBCMundo.com, 16 de maio de 2006
  57. Da redação (26 de novembro de 2016). «Morre aos 90 anos Fidel Castro, ex-presidente de Cuba». G1. Consultado em 26 de novembro de 2016. 
  58. «Funeral de Fidel Castro é marcado para 4 de dezembro». Jornal do Brasil. 26 de novembro de 2016. 
  59. The Washington Times - Fidel Castro’s death spurs mixed reactions from world leaders. Andrew Blake, 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  60. Presstv - Cuba’s Fidel Castro dies. 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  61. The Telegraph - Fidel Castro, Cuba's communist revolutionary, dead aged 90 - latest news, world's reaction, and what his death means for the county. 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  62. La Capital - Yoani Sánchez afirmó que Fidel dejó "un país en ruina donde los jóvenes no quieren vivir." 26 de Novembro de 2016, (em espanhol) Acessado em 26/11/2016.
  63. Politico.eu - Jean-Claude Juncker: Castro "a hero for many." Silvia Sciorilli Borrelli, 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  64. RedeTV - Líderes mundiais comentam morte de Fidel Castro. 26 de Novembro de 2016. Acessado em 26/11/2016.
  65. «Aliados e adversários concordam que ele... - Cristovam Buarque | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 2016-11-27. 
  66. The Guardian - Fidel Castro death: Donald Trump hopes for a free Cuba – as it happened. 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  67. «‘Um ditador brutal’, diz Donald Trump sobre Fidel Castro». Consultado em 3 de dezembro de 2016. 
  68. "Declarações de Obama e Trump geram dúvidas sobre relações entre EUA e Cuba". Agência Brasil.
  69. a b (2016-11-26) "Morte de Fidel Castro gera diferentes reações entre os líderes europeus" (em pt-BR). Jornal Nacional.
  70. Group, Global Media. (2016-11-26). "Papa Francisco reza por Fidel Castro" (em pt-PT). TSF Rádio Notícias.
  71. CNet - Twitter offers opposing tributes upon Fidel Castro's death. 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  72. Huffington Post - Fidel Castro’s Death Sparks Celebrations On Miami’s Streets. 26 de Novembro de 2016, (em inglês) Acessado em 26/11/2016.
  73. Libération - Quinze ans après, les «balseros» cubains rament toujours . Eric Landal, 14 de Outubro de 2009, (em francês), acessado em 14/01/2016.
  74. L'Humanité - Tranches de vie de balseros cubains. Françoise Escarpit, 30 de Outubro de 1999, (em francês), acessado em 14/01/2016.
  75. Jacobo Machover, "Cuba : la peur, l’exil et l’entre-deux", dans Raisons politiques, 3, 2001. Acessado em 14/01/2016.
  76. Cuba-Si Arquivo Acessado em 14/01/2016.
  77. Cuba-Si (Arquivo) Acessado em 14/01/2016.
  78. FDIH (Arquivo) Acessado em 14/01/2016.
  79. RSF (Arquivo) Acessado em 14/01/2016.
  80. Amnesty.org (Arquivo) Acessado em 14/01/2016.
  81. Amnesty.org Acessado em 14/01/2016.
  82. Relatorio AI (Arquivo) Acessado em 14/01/2016.
  83. Régis Debray, Les Masques, Gallimard, 1987, pág. 213. Acessado em 14/01/2016.
  84. Ignacio Ramonet, Fidel Castro: Biographie à deux voix. Éditions Fayard, Paris 2007, págs. 419-421 Acessado em 14/01/2016. Acessado em 14/01/2016.
  85. «Fidel admite que governo perseguiu gays em Cuba». Consultado em 3 de dezembro de 2016. 
  86. «Fidel admite responsabilidade na perseguição a homossexuais em Cuba». Consultado em 3 de dezembro de 2016. 

Bibliografia

  • Bourne, Peter G. (1986). Fidel: A Biography of Fidel Castro (em inglês) (Nova Iorque, NI: Dodd, Mead & Company). ISBN 978-0396085188. 
  • Coltman, Leycester (2003). The Real Fidel Castro (em inglês) (New Haven e Londres: Yale University Press). ISBN 978-0300107609. 
  • Quirk, Robert E. (1993). Fidel Castro (em inglês) (Nova Iorque e Londres: W.W. Norton & Company). ISBN 978-0393034851. 
  • Von Tunzelmann, Alex (2011). Red Heat: Conspiracy, Murder, and the Cold War in the Caribbean (Nova Iorque, NI: Henry Holt and Company). ISBN 978-0805090673. 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Precedido por
José Miró Cardona
Primeiro-Ministro de Cuba
19591976
Sucedido por
nenhum
Precedido por
Osvaldo Dorticós Torrado
Presidente da República
Presidente do Conselho de Estado da República de Cuba
19762008
Sucedido por
Raúl Castro