Nike, Inc.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nike, Inc.
Logo Swoosh da Nike
Sede mundial da Nike em Beaverton
Empresa de capital aberto
Slogan Just Do It
Cotação
Atividade Calçados e Equipamentos esportivos
Género Incorporation
Fundação 25 de janeiro de 1964 (58 anos) (Blue Ribbon Sports)
1971 (51 anos) (Nike, Inc.)
Sede Beaverton, Estados Unidos
Área(s) servida(s) Mundo
Pessoas-chave John Donahoe (CEO)
Mark Parker (Presidente)
Empregados c. 79 100 (2022)[1]
Produtos Tênis, roupas, acessórios
Subsidiárias Converse
Ativos Aumento US$ 40.32 bilhões (2022)[1]
Lucro Aumento US$ 6.05 bilhões (2022)[1]
LAJIR Aumento US$ 6.86 bilhões (2022)[1]
Faturamento Aumento US$ 46.71 bilhões (2022)[1]
Website oficial nike.com

Nike, Inc. é uma empresa estadunidense de calçados, roupas, e acessórios fundada em 1972 por Bill Bowerman e Philip Knight. A sua sede fica em Beaverton, no estado de Oregon, nos Estados Unidos. Em 2016, foi considerada a marca de roupas mais valiosa do mundo, segundo o ranking BrandZ da consultoria Millward Brown, avaliada em 37.472 bilhões de dólares.[2]

Em 2021,a marca foi avaliada em US$ 42 bilhões segundo o levantamento Best Global Brands. O valor é 24% maior que o ano anterior.[3] No ano seguinte (2022), a empresa ficou em décimo lugar do ranking das marcas mais valiosas do mundo, da Interbrand. À época do levantamento, a empresa havia alcançado US$ 50,2 bilhões de valor estimado de marca.[4]

A empresa patrocina grandes nomes como Cristiano Ronaldo, Kylian Mbappé, Eden Hazard, Kevin De Bruyne, Virgil van Dijk, Alisson Becker, Kyrie Irving, Rafael Nadal, Serena Williams, LeBron James e Mo Farah. A marca é também responsável pelo estabelecimento da linha Air Jordan (criada em parceria com a estrela do basquete Michael Jordan). A Nike é ainda muito conhecida pelo seus tênis feitos em colaboração com outras marcas como mais recentemente a Off-White, liderada por Virgil Abloh. Entre os seus modelos mais conhecidos estão os da linha Air Max, como os Air Max 1,[5] Air Max 90,[6] ou Air Max 95.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Modelo de chuteira produzido pela Nike.

A empresa tirou o seu nome da deusa grega da vitória, Nice. O famoso logótipo da empresa, é um desenho gráfico criado por Carolyn Davidson em 1971 e vendido por apenas US$ 35,00. Philip Knigth queria um logo que representasse aspecto de velocidade, a asa da deusa grega da vitória e que mostrasse uma empresa que queria chegar ao topo. Portland State University.[8][9]

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Colin Kaepernick[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2018, a Nike anunciou que havia contratado o ex-quarterback de futebol americano Colin Kaepernick, conhecido por sua controversa decisão de se ajoelhar durante o jogo do hino nacional dos EUA, para uma campanha publicitária de longo prazo. De acordo com Charles Robinson, do Yahoo! Sports, Kaepernick e Nike concordaram com um novo contrato, apesar do fato de Kaepernick estar com a empresa desde 2011 e afirmar que "o interesse de outras empresas de calçados" participa do novo contrato. Robinson disse que o contrato é um "amplo aval", onde Kaepernick terá sua própria linha de marca, incluindo sapatos, camisas, camisetas e muito mais. De acordo com Robinson, Kaepernick assinou um contrato de "estrela" que o coloca no nível de um "jogador de primeira linha da NFL" no valor de milhões por ano, mais royalties. Em resposta, algumas pessoas atearam fogo em suas próprias roupas e sapatos da marca Nike ou cortaram o logotipo da Nike, e a Ordem Fraterna de Polícia chamou o anúncio de "insulto"; outros, como LeBron James, Serena Williams, e a Associação Nacional de Polícia Negra, elogiaram a Nike por sua campanha. O College of the Ozarks removeu a Nike de todos os seus uniformes esportivos em resposta.

Durante a semana seguinte, o preço das ações da Nike caiu 2,2%, mesmo quando os pedidos on-line de produtos da Nike aumentaram 27% em comparação com o ano anterior. Nos três meses seguintes, a Nike relatou um aumento nas vendas.

Em julho de 2019, a Nike lançou um sapato com uma bandeira de Betsy Ross chamada Air Max 1 Quick Strike Fourth of July de tênis. Os treinadores foram projetados para comemorar o Dia da Independência. O modelo foi posteriormente retirado depois que Colin Kaepernick disse à marca que ele e outros acharam a bandeira ofensiva por causa de sua associação com a escravidão.

A decisão da Nike de retirar o produto recebeu críticas do governador republicano do Arizona, Doug Ducey, e do senador republicano do Texas Ted Cruz. A decisão da Nike foi elogiada por outros devido ao uso da bandeira por nacionalistas brancos, mas o Centro de Extremismo da Liga Anti-Difamação se recusou a adicionar a bandeira ao seu banco de dados de "símbolos de ódio".

Em fevereiro de 2022, uma pesquisa realizada pela Kids Corp, empresa de marketing mostrou a Nike como uma das marcas favoritas entre as crianças e adolescentes brasileiros. O levantamento teve ao todo 10 mil entrevistados.[10]

Fornecimento e patrocínio[editar | editar código-fonte]

A Nike é a maior empresa em venda de material desportivo do mundo, porém, fica em segundo lugar, atrás da sua rival alemã Adidas na distribuição de produtos do futebol. A Nike patrocina várias equipes europeias, tais como: Barcelona, Liverpool, Chelsea, Internazionale, Paris Saint-Germain, Atlético de Madrid e outros. Em Portugal, patrocina a Seleção Portuguesa de Futebol e as equipes do Sporting, Estoril Praia, Marítimo, Rio Ave e Santa Clara. Também patrocina os clubes brasileiros: Corinthians, Red Bull Bragantino, Red Bull Brasil e Desportivo Brasil, além da Seleção Brasileira de Futebol.

Seleções[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

África do Sul
Alemanha
Andorra
Argentina
Áustria
Azerbaijão
Bélgica
Brasil
Bulgária
Cazaquistão
China
Chipre
Colômbia
Dinamarca
Emirados Árabes Unidos
Eslováquia
Eslovênia
Espanha
Estados Unidos
Estônia
Finlândia
França
Grécia
Holanda
Hong Kong
Hungria
Inglaterra
Irlanda
Irlanda do Norte
Islândia
Israel
Itália
Japão
Letônia
Lituânia
México
Noruega
Peru
Polônia
Portugal
República Tcheca
Romênia
Rússia
Sérvia
Suécia
Suiça
Taiti
Turcomenistão
Turquia
Ucrânia

Franquias da NBA[editar | editar código-fonte]

Clubes de eSports[editar | editar código-fonte]

  • Brasil FURIA Esports[30][31]
  • China Todos os times da LPL
  • Coreia do Sul T1

Parceria[editar | editar código-fonte]

Loja da Nike em Osaka, no Japão.

A Nike em 2006 fez um feito para concorrer com as suas rivais Adidas, Mizuno e Asics: lançou o Nike+ para concorrer com o Adidas 1.1.[carece de fontes?] Para isso, foi firmada uma parceria com a Apple Inc., usando seu modelo mais popular de iPod, o iPod Nano.[carece de fontes?] O aparelho monitora as passadas e o desempenho do usuário e os registra no computador para que possam ser comparados.[carece de fontes?] Além disso, a Nike, introduziu uma linha de camisas projetadas com bolsos especiais na manga ou no tronco com as dimensões do pequeno aparelho da Apple.[carece de fontes?] Entretanto para concorrer com a dobradinha, no início de 2008 a Samsung e a Adidas se uniram para criar o primeiro rival da tecnologia Nike+iPod, que permite aos seus usuários integrar seu calçado ao seu tocador portátil na hora de fazer exercícios e avaliar seu desempenho.[carece de fontes?] A resposta da Samsung foi batizada de miCoach, um sistema que combina o telefone chamico com um monitor de batimento cardíaco e um sensor que dá respostas precisas sobre atividades físicas.[carece de fontes?] Será permitido transmitir dados para o website, o que ajudará no planejamento de exercícios.[carece de fontes?] A Sony Ericsson também passou a equipar sua linha Walkman (W) com acelerômetros e aplicativos em prol de monitorar as passadas de seus usuários.[carece de fontes?] Para manter a competitividade ante os concorrentes, a Nike e a Apple lançaram uma pulseira chamada Nike+ SportBand, na qual a presença de um iPod Nano se faz desnecessária, além de uma opção mais em conta.[carece de fontes?]

Críticas[editar | editar código-fonte]

A Nike já foi criticada por explorar os trabalhadores em países como Indonésia, Paraguai, Índia, Turquia e México.[32] A companhia é objeto de muitas críticas pelas condições de trabalho precárias e a exploração de mão de obra barata empregada em outros países sem legislação trabalhista adequada e com incentivos fiscais onde seus produtos são manufaturados. Fontes dessas críticas incluem o livro Sem Logo de Naomi Klein e os documentários de Michael Moore e de Nicollas Brian. Max Barry ironizou a reputação da companhia através de críticas em seu romance Eu S/A (Jennifer Government em inglês), na qual um executivo da Nike imoral é o vilão da história responsável pelo financiamento do golpe militar de 1964, no Brasil.[33] A empresa também enfrentou críticas quando pediu imunidade a um processo de propaganda enganosa na Califórnia baseado no fato de que ela gozava dos direitos da Primeira Emenda, como se a corporação fosse um ser humano.[carece de fontes?] A disputa chegou até a Suprema Corte norte-americana (Nike v. Kasky), mas foi mandada de volta aos tribunais da Califórnia sem significativas resoluções e subsequentemente foi decidida fora do tribunal.[carece de fontes?]

Em 2011 a Nike foi acusada por ativistas de comprar materiais de fornecedores que poluem os rios da China com resíduos químicos perigosos à saúde humana e para o meio ambiente.[34]

Referências

  1. a b c d e «2022 Annual Report» (PDF). Nike, Inc. 21 de julho de 2022. Consultado em 4 de agosto de 2022 – via SEC 
  2. «Nike lidera ranking de marcas de roupa mais valiosas». Kantar Brasil Insights. 23 de junho de 2016. Consultado em 23 de junho de 2016 
  3. «Nike é a marca esportiva mais valiosa do mundo». MKT Esportivo. 22 de outubro de 2021. Consultado em 9 de maio de 2022 
  4. «Apple segue como marca mais valiosa do mundo; veja ranking». Valor Investe. Consultado em 12 de novembro de 2022 
  5. Furness, Joseph. «The Complete Nike Air Max Timeline». Farfetch 
  6. «Tudo Sobre os Air Max 90». Sneakers Love Portugal 
  7. «20 Things You Didn't Know About the Air Max 95 (em inglês)». Complex 
  8. Veja a origem dos nomes de empresas - Nike Portal BOL de Notícias (acessado em junho/2017)
  9. «Logos that became legends: Icons from the world of advertising». The Independent. London. 4 de janeiro de 2008. Consultado em 11 de fevereiro de 2010 
  10. «Adidas, Apple, Nike e Coca-Cola: marcas preferidas dos jovens, diz estudo». economia.uol.com.br. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  11. Dwiggins, Georgi (16 de outubro de 2012). «Nike partners with Football Federation Australia». sneakerreport.com. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  12. "Nike Unveils New Brasil National Team Jersey", TheOriginalWinger.com, 1 February 2011
  13. «Nike Football unveils Korea away national team kit». nikeinc.com. 23 de fevereiro de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  14. a b c d e "Nike football unveils national home kits", Nike.com, 16 April 2012
  15. "U.S. Men's and Women's National Teams Unveil New Nike Home Jersey", USSoccer.com, 16 April 2012
  16. «Nike and Finnish National Team announce partnership». nikeinc.com. 3 de abril de 2014. Consultado em 9 de fevereiro de 2015 
  17. «Nike and Hellenic Football Federation announce partnership». nikeinc.com. 10 de abril de 2013. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  18. «Nike unveils Hong Kong national team kits». nikeinc.com. 28 de maio de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  19. «Malaysia defends championship title in Nike's uniform». Nikeinc.com. 15 de novembro de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  20. «Nigeria To Wear Nike Kits Until 2018». footballfashion.org. 23 de abril de 2015. Consultado em 24 de abril de 2015 
  21. ByDavid Fischer (16 de abril de 2012). «Nike Football Unveils Nation Home Kits for Croatia, France, Netherlands, Poland and Portugal». highsnobiety.com. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  22. «Nike extend sponsorship of Singapore football until 2016, 18 November 2012». redsports.sg. 26 de novembro de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  23. «Nike Football unveils Turkey away national team kit». nikeinc.com. 27 de fevereiro de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  24. «Nike chega à Colômbia com Atlético Nacional». Máquina do Esporte. Consultado em 24 de Agosto de 2015 
  25. «Montpellier Nike 2011/12 Home and Away Kits / Maillots». footballfashion.org. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  26. «Ascoli Picchio, nel prossimo campionato sulle maglie il "baffo d'oro" Nike». picenotime. Consultado em 24 de Agosto de 2016 
  27. «Alianza Lima lucirá esta camiseta por todo el 2013». libero.pe. 2 de fevereiro de 2013. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  28. «Nike patrocina torneio no verão». Record. Consultado em 5 de Agosto de 2015 
  29. «Nike unveils Galatasaray FC kits for 2012-13». nikeinc.com. 18 de julho de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2013 
  30. «FURIA anuncia contrato de patrocínio histórico com a Nike por quatro anos». Sportv. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  31. «Furia Esports anuncia parceria com Nike». vs.com.br. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  32. Klein, Naomi (2003). Sem Logo. [S.l.]: Editora Record. ISBN 8501062626 
  33. Barry, Max (2005). Eu S/A. [S.l.]: Editora Record. ISBN 8501062626 
  34. «Greenpeace encontra resíduo tóxico em roupas de grife feitas na China». Folha de S.Paulo. 23 de agosto de 2011. Consultado em 17 de dezembro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons