National Football League

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
National Football League
Temporada ou competição atual:
AmericanFootball current event.svg Temporada de 2019
National Football League
Esporte Futebol americano
Fundada 20 de agosto de 1920[1]
CEO Roger Goodell
Temporada inaugural 1920
País(es)  Estados Unidos
Continente América do Norte
Equipes 32
Atual campeão New England Patriots (6 títulos)
Maior campeão Green Bay Packers (13 títulos)
Site oficial NFL.com

A National Football League (NFL) é a liga esportiva profissional de futebol americano dos Estados Unidos. Consiste de 32 times, divididos igualmente entre duas conferências: a National Football Conference (NFC) e a American Football Conference (AFC). A NFL é uma das quatro grandes ligas esportivas profissionais estadunidenses e é o principal expoente do futebol americano no mundo.[2] Sua temporada regular é jogada por dezessete semanas, de setembro a dezembro, com cada time jogando dezesseis partidas e tendo uma semana de folga. Após a conclusão da temporada regulamentar, seis times de cada conferência (quatro campeões de divisão e dois times de repescagem) avançam para os playoffs, em uma competição de morte súbita culminando na grande final, o Super Bowl, que normalmente é disputado no primeiro domingo de fevereiro e coloca frente a frente os campões da NFC e da AFC.

A NFL foi formada na década de 1920 como a American Professional Football Association (APFA) antes de mudar seu nome e passar a ser conhecida como National Football League (ou Liga Nacional de Futebol [Americano]) em 1922. A NFL não era a única liga de futebol americano nos Estados Unidos e durante a década de 1960 nutriu uma rivalidade com a American Football League (AFL). Devido a inflação dos salários dos jogadores e outras questões (majoritariamente financeiras e de competitividade), as duas ligas rivais decidiram iniciar um processo de fusão, que começou em 1966, com o primeiro Super Bowl, uma partida entre os campeões de cada liga; a fusão foi completada em 1970.[3]

Atualmente, a NFL é a liga esportiva com a maior média de público (67 591 por jogo) do mundo,[4] além de ser também a mais rica.[5] Desde a década de 1990, a NFL ainda é a liga esportiva mais popular dos Estados Unidos, líder em público, audiência na TV e lucros angariados.[6] O Super Bowl é um dos eventos entre clubes esportivos com maior audiência no mundo[7] e a final do campeonato é o evento mais assistido na televisão americana, com uma forte audiência mundial também.[8] A direção executiva da NFL fica a cargo do seu comissário, eleito pelos trinta e dois donos de times, que tem a autoridade de governar o dia-dia da administração da liga.

O time da NFL com mais títulos é o Green Bay Packers com treze (nove antes da fusão com a AFL e quatro troféus de campeão do Super Bowl); já os times com mais anéis de campeão do Super Bowl são o Pittsburgh Steelers e o New England Patriots, com seis cada. O atual campeão da liga são os Patriots, que derrotaram o Los Angeles Rams no Super Bowl LIII. Em termos financeiros, em 2016, o time mais rico era o Dallas Cowboys, com valor de mercado estimado em mais de US$ 4 bilhões de dólares (sendo a marca esportiva mais valiosa do mundo), segundo a revista Forbes.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do futebol americano

Fundação e crescimento[editar | editar código-fonte]

Em 20 de agosto de 1920, um encontro foi feito com representantes dos times Akron Pros, Canton Bulldogs, Cleveland Indians, Rock Island Independents e Dayton Triangles em Canton, Ohio.[9] Essa reunião resultou na criação da American Professional Football Conference (APFC, ou "Conferência Profissional de Futebol Americano"), um grupo que, de acordo com o jornal Canton Evening Repository, tinha o objetivo de "aumentar o padrão de profisisonalismo do futebol [americano] de todas as formas possíveis, eliminando brigas por jogadores entre clubes rivais e assegurar uma maior cooperação na formação dos calendários de jogos".[10] Outra reunião aconteceu em 17 de setembro de 1920 e resultou na liga se renomeando American Professional Football Association (APFA, ou "Associação Profissional de Futebol Americano").[10] A liga contratou o atleta Jim Thorpe como seu primeiro presidente. Neste momento, a APFA possuía 14 times. Apenas dois desses times, o Decatur Staleys (atualmente o Chicago Bears) e o Chicago Cardinals (atualmente o Arizona Cardinals), permanecem na NFL até os dias atuais.[11]

Pôster do Akron Pros, campeões da primeira temporada em 1920.

Embora a liga não tenha mantido uma tabela oficial para sua temporada inaugural em 1920 e o calendário de jogos incluía times que nem estavam na liga, a APFA deu ao Akron Pros o título de campeão devido a sua campanha de 8–0–3 (8 vitórias, 0 derrotas e 3 empates).[12] O primeiro evento aconteceu em 26 de setembro de 1920 quando o Rock Island Independents derrotou o St. Paul Ideals (não filiado a liga) por 48 a 0 no estádio Douglas Park.[9][13] Em 3 de outubro, a primeira semana completa da liga foi jogada.[14][15] A temporada seguinte viu o Chicago Staleys se tornando campeão sobre o Buffalo All-Americans, mas o título não veio sem controvérsia.[16] Em 24 de junho de 1922, a APFA mudou formalmente seu nome para National Football League (NFL, ou "Liga Nacional de Futebol [Americano]").[17][18]

Em 1932, a temporada terminou com o Chicago Bears (6–1–6) e o Portsmouth Spartans (6–1–4) empatando em primeiro lugar na tabela da liga.[19] Neste período, os times eram ranqueados numa única tabela e a equipe com o maior percentual de vitórias (não incluindo empates, que não contavam na tabela de classificação) quando a temporada era declarada encerrada pela liga; a única forma de desempate era se duas equipes jogassem duas vezes em uma temporada, o resultado do segundo jogo determinaria o título (esta foi a fonte da controvérsia de 1921 também). Este método era usado desde 1920, mas tal situação nunca tinha acontecido com dois times empatados na liderança da tabela. A liga então determinou um jogo de playoff entre Chicago e Portsmouth para decidir o campeão da temporada. A partida aconteceria no Wrigley Field, na cidade de Chicago, e contaria como um jogo de temporada regular mas a combinação de neve e frio fez com que a partida fosse transferida para o Chicago Stadium, que era fechado mas não tinha as dimensões padrão de um campo de futebol americano, de acordo com as regulamentações. Jogando sob regras alteradas, os Bears venceram o jogo por 9 a 0 e se consagraram campeões daquele ano. O interesse do público neste tipo de de facto "final de campeonato", fez com que a NFL, em 1933, dividi-se em duas divisões com um jogo de decisão entre os campeões de divisão.[20] A temporada de 1934 também marcou a primeira de doze temporadas onde afro-americanos estiveram ausentes da liga. Este banimento para jogadores negros só foi encerrado em 1946, após pressão pública, e coincidiu com a remoção de um banimento similar na Major League Baseball.[21]

A NFL era a principal liga de futebol americano dos Estados Unidos; contudo outras ligas surgiram entre as décadas de 1930 e 1940. Muitas delas sumiam com a mesma velocidade que apareciam, mas outras conseguiam durar algum tempo. Entre estas ligas rivais estavam as American Football Leagues (várias tiveram nomes similares) e a All-America Football Conference (AAFC), além de várias ligas regionais de diferentes calibres. Atualmente, três times traçam suas origens até ligas rivais da NFL deste período, incluindo o Los Angeles Rams (que surgiu em 1936 na American Football League), o Cleveland Browns e o San Francisco 49ers (sendo estes dois antigos membros da AAFC). Na década de 1950, a NFL tinha um efetivo monopólio sobre o futebol americano profissional nos Estados Unidos; sua única "competição" era com o futebol canadense, quando surgiu a Canadian Football League (CFL) em 1958, mas estas ligas nunca rivalizaram diretamente.

Em 1960, surgiu a quarta versão da American Football League (AFL). Ao contrário de outras ligas, esta conseguiu se firmar e assim a AFL começou a prosperar e se popularizar, conseguindo rivalizar agora diretamente com a NFL, acertando contratos lucrativos com a televisão e disputando com a NFL o direito por jogadores free agent e escolhas no draft universitário. Quando a rivalidade começou a trazer certos prejuízos para as ligas (principalmente devido a competição por atletas que levou a uma inflação de salários), as duas ligas rivais começaram a negociar uma fusão, acertada em 8 de junho de 1966, se tornando efetiva e completada em 1970. Nesse meio tempo, as duas ligas estabeleceram um draft em comum e uma final de campeonato, em campo neutro, para ver qual dos campeões de cada liga era realmente "o melhor time dos Estados Unidos". O jogo, chamado de Super Bowl, viu quatro edições antes da fusão ser concretizada e atraiu enorme interesse do público. Times da NFL venceram a primeira e segunda edições do grande jogo, enquanto a AFL ganhou a terceira e quarta edições.[22] Após a fusão das ligas, a NFL se reorganizou em duas conferências: a National Football Conference (NFC), formada em maioria por times da antiga NFL pré-fusão, e a American Football Conference (AFC), consistida principalmente por equipes da antiga AFL e três times da NFL pré-fusão.[23]

A fusão da NFL e a AFL foi extremamente bem sucedida e levou a uma explosão em popularidade do futebol americano nos Estados Unidos. Atualmente, a NFL é considerada a liga esportiva mais popular na América do Norte; muito deste crescimento é atribuído ao trabalho do comissário Pete Rozelle, que comandou a liga de 1960 a 1989. O número de público da NFL subiu de três milhões no começo da década de 1960 para dezessete milhões no final dos anos 80 e o Super Bowl XXIII chegou a atrair um público estimado de mais de 400 milhões de pessoas. A liga também estabeleceu a NFL Properties, em 1963, para lidar com questões de licenciamento e merchandising; com o passar dos anos, passou a ser uma das facetas da liga que mais gerava dinheiro, com lucros anuais estimados em bilhões. O mandato de Rozelle também viu a criação da NFL Charities, para angariar dinheiro para caridade, e uma parceria foi firmada com a United Way.[24] Paul Tagliabue foi eleito comissário para suceder Rozelle; ficou a frente da liga por dezessete anos, até sair em 2006. Seu mandado viu uma continuação do crescimento de popularidade da NFL, com a audiência milionária levando a contratos de direitos de transmissão ficando cada vez maiores, além da adição de quatro novos times,[25] e iniciativas para aumentar a diversidade racial na liga, atraindo minorias para servir como atletas ou em funções administrativas.[26] O atual comissário da NFL, Roger Goodell, focou seus esforços em tentar tornar o esporte mais seguro, com aumento de regulamentações no jogo, como tornando ilegal vários tipos de tackles, punindo jogadores (com multas e suspensões) que violassem as regras da liga.[27] Essas ações aconteceram após estudos mostrarem o efeito prolongado das pancadas recebidas pelos atletas, principalmente as concussões.[28]

Desenvolvimento da temporada regular e dos playoffs[editar | editar código-fonte]

De 1920 a 1934, a NFL não tinha um número fixo de partidas que um time iria jogar, estipulando apenas um número mínimo. A liga passou a estipular doze jogos de temporada regular por cada time a partir de 1935, reduzindo dois anos depois para onze partidas e depois para dez em 1943 (esta última alteração devido a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial). Com a conclusão da guerra, em 1945, o número de jogos numa temporada retornou para onze já em 1946 e para doze em 1947. A NFL elevou este número novamente em 1961 para quatorze, que seria mantido até 1978, quando a liga adotou o atual formato de temporada com dezesseis jogos.[29] Recentemente, a NFL tem estudado aumentar o número de partidas por ano para dezoito, mas a associação de jogadores, a National Football League Players Association (NFLPA), resiste a ideia.[30]

Os Broncos e os Panthers se enfrentando no Super Bowl 50, em 2016.

A NFL operou num sistema de duas conferências entre 1933 a 1966, com o campeão de cada conferência se enfrentando no NFL Championship Game. Se dois times empatavam na liderança da conferência, era feito um playoff desempate para determinar quem avançaria para a final. Em 1967, a NFL expandiu seu quadro de quinze times para dezesseis. Ao invés de equilibrar o número de times por conferência com a expansão do New Orleans Saints, a liga decidiu realinhar as conferências e dividi-las em duas divisões de quatro times em cada. Os quatro campeões de divisão avançariam para os playoffs, com duas rodadas.[31] Entre 1960 e 1969, a liga tinha o "Playoff Bowl", que efetivamente definia o terceiro colocado do campeonato, entre as duas equipes que foram derrotadas na final de conferência. A partida, considerada mais um jogo de exibição, foi abandonada em 1970 pois muitos a consideravam um "jogo entre perdedores".[32]

Após os times da AFL serem absorvidos pela NFL em 1970, a liga se dividiu em duas conferências fixas, com três divisões cada. A liga expandida, agora com vinte e seis equipes,[23] também expandiu sua pós-temporada, aceitando oito times, sendo os três campeões de divisão de cada conferência e um time de repescagem (wild card), que era o time de melhor campanha sem ser um campeão de divisão, de cada conferência. Em 1978, a NFL adicionou um segundo time de repescagem por conferência, elevando para dez o número de equipes que se classificavam por ano para os playoffs, e mais dois times de repescagem foram adicionados em 1990, trazendo o número de classificados para doze, tudo isso para acomodar mais times que eram aceitos na liga. Em 2002, a NFL passou a ter 32 times, levando a um realinhamento de sua tabela, mudando a estrutura das divisões (que agora passaram a ser quatro em cada conferência). Com cada campeão de divisão se classificando, o número de times de repescagem que se classificavam para a pós-temporada se reduziu de três para dois (por conferência).[33]

Estrutura corporativa[editar | editar código-fonte]

O atual comissário (presidente) da NFL, Roger Goodell.

Em um nível corporativo, a National Football League se considera uma associação comercial feita e financiada por seus 32 times membros.[34] Até 2015, a liga era uma associação sem fins lucrativos não incorporada.[35] A seção 501(c)(6) da Lei de Receitas dá isenção tributária federal para "ligas de negócios, câmaras de comércio, conselhos imobiliárias, conselhos de negócios ou ligas profissionais de futebol americano (administrando ou não um fundo de pensão para os seus jogadores), não organizadas para obter lucro ou que não tenha parte da sua receita para beneficiar acionistas privados ou indivíduos".[36] Em contraste, cada time individualmente (exceto o Green Bay Packers, que é uma organização sem fins lucrativos[37]) está sujeito a pagar impostos federais (e os estaduais também) pois eles são organizações que visam o lucro.[38]

Em 2015, a NFL abriu mão da isenção tributária a qual tinha direito após sofrer críticas por parte do público; em uma carta aos donos dos clubes, o comissário Roger Goodell afirmou que tudo isso era uma "distração", dizendo: "o efeito do status de empresa não tributada que a liga tinha foram descaracterizados repetidas vezes nos últimos anos... Cada dólar das receitas geradas através de contratos com a televisão, acordos de licenciamento, patrocínios, venda de ingressos e outros meios são ganhos pelos 32 clubes e são passíveis de taxação. Isso continuará sendo o caso mesmo quando o escritório da liga e o Conselho de Administração emitir os retornos como entidades taxáveis e a mudança de status não fará diferença material nos nossos negócios". Como resultado, a liga pode dever em torno de US$ 10 milhões de dólares em imposto de renda por ano, mas agora não é mais obrigada a divulgar os salários dos seus oficiais executivos.[39]

A liga possui três oficiais definidos: o comissário, o secretário e o tesoureiro. Cada conferência tem seu oficial executivo, o presidente, que é uma posição honorária com poucos poderes e possui basicamente deveres cerimoniais.

O comissário, a figura de mais alto poder administrativo dentro da liga, deve ser eleito por dois terços ou por 18 votos dos donos de times da liga, enquanto o presidente das conferências é eleito por voto de três-quartos ou dez membros da conferência.[40] O comissário aponta o secretário e o tesoureiro e tem ampla autoridade para arbitrar questões entre clubes, jogadores, treinadores e empregados em geral. Ele é o "principal oficial executivo"[41] da NFL e tem autoridade para contratar empregados, negociar contratos de televisão, disciplinar indivíduos que são membros de clubes ou empregados da NFL, se violarem as leis da liga ou cometeram "conduta prejudicial ao bem-estar da liga ou ao futebol [americano] profissional".[41] O comissário pode, em evento de comportamento prejudicial por alguém associado a liga, suspender indivíduos, emitir multas de até US$ 500 000 dólares, cancelar contratos com a liga e premiar ou retirar dos times escolhas do draft.[41]

Em casos extremos, o comissário pode oferecer recomendações para o Comitê Executivo da NFL, incluindo "cancelamento ou confisco" do direito de franquia de um clube ou qualquer outra ação que ele julgar necessário.[41] O comissário também pode autorizar sanções ou banimentos da liga se indivíduos conectados a NFL terem feitos apostas em jogos ou falhado em notificar a liga de conspirações ou planos para agenciar jogos para apostas.[41] O atual comissário da liga é Roger Goodell, eleito em 2006 e sucedendo Paul Tagliabue, que havia se aposentado.[42]

De acordo com o economista Richard Wolff, a NFL redistribui suas receitas com todos os times da liga igualmente, um contraste com outras típicas estruturas de corporações. Ao redistribuir seus lucros com todas as equipes, a NFL garante que nenhum clube domine a liga através de lucros excessivos e exerça uma influência financeira indevida sobre o resto da entidade.[43]

Times[editar | editar código-fonte]

Jogo de 2006 válido pelos Playoffs da NFL entre os Jets e os Patriots.

A NFL consiste de 32 clubes divididos em duas conferências de dezesseis times cada. Cada conferência é dividida em quatro divisões com quatro equipes em cada. Durante a temporada regular, cada time deve ter, no máximo, 53 jogadores no elenco;[44] destes, 46 devem estar ativos (disponíveis) para jogar.[45] Cada equipe também deve ter pelo menos dez atletas no practice squad (time de treino). Um jogador só pode ficar no practice squad por, no máximo, três anos.[46]

Cada clube da NFL é uma franquia (no sentido de empresa), com autorização da liga para operar numa cidade. Esta "franquia" cobre todo o 'território' do clube (de 120 km do limite da cidade). Cada membro da NFL tem direitos exclusivos de organizar jogos de futebol americano profissionais dentro do seu 'território' e também detém direitos exclusivos de fazer propaganda e promover eventos ligados a sua marca dentro dos seus limites. Contudo, times muito próximos um do outro (como o caso do San Francisco 49ers e Oakland Raiders) só podem promover eventos dentro de suas cidades e regiões bem vizinhas; times que operam nos mesmos municípios (como as equipes em Nova Iorque e Los Angeles) ou no mesmo estado (como as equipes na Califórnia, Flórida e Texas) compartilham os direitos no território da cidade ou da 'área de marketing' do estado, respectivamente.[47]

Todos os times da NFL estão baseados nos Estados Unidos continental. Recentemente, a liga tem optado por promover-se no exterior, com partidas acontecendo, por exemplo, na Inglaterra, sendo que equipes como o Jacksonville Jaguars tem jogado com frequência no Estádio de Wembley de Londres, uma vez por ano, como parte da NFL International Series.[48] O Buffalo Bills também jogou pelo menos uma partida por ano no Rogers Centre, em Toronto, no Canadá, de 2008 a 2013. O México também já sediou jogos de temporada regular da NFL, como em 2005,[49] e 39 jogos de pré-temporada, entre 1986 e 2005.[50] Os Raiders e o Houston Texans jogaram, em novembro de 2016, no Estádio Azteca.[51]

De acordo com a Forbes, o Dallas Cowboys, avaliado em aproximadamente US$ 4 bilhões de dólares, é a franquia da NFL com o maior valor de mercado nos Estados Unidos e no mundo.[52] Além disso, todos os 32 times da NFL estão no Top 50 das equipes esportivas mais valiosas do mundo;[53] e quatorze dos donos de times Estão na lista da Forbes 400, mais do que qualquer outra organização esportiva.[54]

Jogo no Estádio de Wembley, em Londres, em 2010. Nas últimas décadas a NFL tem tentado expandir seu sucesso para outros países através da sua "Série Internacional".

Os 32 times da NFL estão organizados em oito divisões geográficas com quatro equipes em cada. Estas divisões estão divididas em duas conferências, a National Football Conference (NFC) e a American Football Conference (AFC). As duas conferências tem suas origens no período da criação do formato atual da liga, após a fusão da AFL com a NFL em 1970. Após a fusão, as duas ligas reorganizaram suas estruturas, com alguns times mudando de divisão e conferência para dar mais equilíbrio e garantir uma divisão igual de times por conferência.