Buffalo Bills

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Buffalo Bill.
Buffalo Bills
Temporada da NFL de 2018
Fundado em 1960
Joga em Buffalo
Base em New Era Field, Orchard Park, Nova Iorque
Buffalo Bills wordmark
Wordmark
Afiliações na liga/conferência
Uniforme atual
Cores Azul, Vermelho, Branco

              

Mascote Billy Buffalo
Pessoas-chave
Chairman Terrence Pegula
General manager Doug Whaley
Treinador principal Sean McDermott
História do time
  • Buffalo Bills (1960–presente)
Campeonatos
Títulos da liga (2)
Campeonatos de conferência (4)
  • AFC: 1990, 1991, 1992, 1993
Campeonatos de divisão (10)
  • AFL Leste: 1964, 1965, 1966
  • AFC Leste: 1980, 1988, 1989, 1990, 1991, 1993, 1995
Aparições em playoffs (17)
  • AFL: 1963, 1964, 1965, 1966
  • NFL: 1974, 1980, 1981, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1995, 1996, 1998, 1999, 2017
Estádios
Antigo(s) Nome(s):
Rich Stadium (1973–1998)
Ralph Wilson Stadium (1999–2016)

O Buffalo Bills é um time profissional de futebol americano da cidade de Buffalo, Nova Iorque fundado em 1960 que disputa a NFL, o time faz parte da divisão Leste da conferência AFC.

Os Bills jogam no estádio New Era Field, com 71,608 lugares e localizado na cidade de Orchard Park. É o único time a jogar suas partidas no Estado de Nova Iorque já que New York Giants e New York Jets jogam suas partidas no MetLife Stadium no estado de Nova Jérsia.

O time foi bicampeão da American Football League antes desta se fundir com a NFL. Os Bills são a única equipe a vencer quatro títulos de conferência consecutivos e são a única equipe da NFL a perder quatro jogos consecutivos no Super Bowl.

A equipe pertenceu a Ralph Wilson desde a fundação da equipe em 1960, até sua morte em 2014, aos 95 anos. Após sua morte, o espólio de Wilson chegou a um acordo para vender a equipe a Terry e Kim Pegula.[1]

Os Bills possuía a maior seca de playoff em qualquer um dos quatro principais esportes profissionais da América do Norte: eles não se classificaram para jogar nos playoffs da NFL de 1999 a 2017 e foram a última equipe da NFL (e última equipe nas principais ligas esportivas profissionais da América do Norte) a competir nos playoffs no século XXI.[2][3]

O Buffalo também conseguiu a maior virada da história da NFL, que aconteceu no jogo Wild Card de 1993 da AFC onde após estar perdendo por 35-3 do Houston Oilers (hoje Tennessee Titans) no intervalo, conseguiu virar para 38-41 na prorrogação.

História[editar | editar código-fonte]

O Bills começou no futebol americano profissional em 1960 como membro fundador da American Football League liderada pelo treinador Buster Ramsey e ingressou na NFL como parte da fusão AFL-NFL em 1970.[4] Os Bills venceram dois títulos consecutivos da American Football League em 1964 e 1965 , mas o clube ainda não ganhou um título da NFL.

Uma vez que a fusão AFL-NFL entrou em vigor, os Bills tornou-se o segundo time da NFL a representar a cidade; eles seguiram o Buffalo All-Americans, um membro fundador da liga. Buffalo tinha sido deixado de fora do campeonato desde que os All-Americans (até então renomeados Bisons) foram dissolvidos em 1929; os Bills eram a terceira equipe não-NFL profissional a competir na cidade antes da fusão, primeiro foi os Indians/Tigers no início dos anos 1940 e uma equipe anterior chamada Bills, originalmente Bisons, no final da década de 1940 na All-America Football Conference (AAFC).

Em 1947, foi realizado um concurso para mudar o nome dos Bisons, propriedade de James Breuil da Frontier Oil Company. O nome ganhador foi Bills, em homenagem ao famoso homem da fronteira ocidental, Buffalo Bill. Quando Buffalo se juntou a NFL em 1960, o nome Bills foi definitivamente adotado.[5]

Depois de quase falir em meados da década de 1980, a ajuda da NFL e uma série de escolhas de primeira rodada no draft, permitiram que os Bills se transformassem em um candidato ao título da NFL do final dos anos 80 até meados da década de 1990. em que a equipe venceu quatro campeonatos consecutivos da AFC; a equipe, no entanto, perdeu todos os quatro Super Bowls subsequentes, recordes em ambas as categorias que ainda permanecem.

A ascensão do rival de divisão New England Patriots com Tom Brady, juntamente com numerosas tentativas fracassadas de reconstrução nos anos 2000 e 2010, impediu que os Bills chegassem aos playoffs em dezessete temporadas consecutivas entre 2000 e 2016, uma seca de 17 anos que foi a mais longa em todos os principais esportes profissionais no momento. Essa seca foi quebrada quando os Bills garantiu um lugar no Wild Card em 31 de dezembro de 2017.

Em 8 de outubro de 2014, os proprietários Terry e Kim Pegula receberam aprovação unânime para adquirir os Bills durante as reuniões dos proprietários da NFL, tornando-se o segundo grupo de proprietários da equipe após o fundador da equipe, Ralph Wilson.[1]

Logos e uniformes[editar | editar código-fonte]

Logo dos Bills, 1962–1973

Os uniformes dos Bills nas duas primeiras temporadas foram baseados nos do Detroit Lions da época.[6]

As cores originais da equipe eram azul, prata e branco, e os capacetes eram prateados, sem listras. Não havia logotipo no capacete, que mostrava os números dos jogadores em cada lado.

Em 1962, o bisão vermelho foi designado como o logotipo e tomou o seu lugar em um capacete branco. Em 1962, as cores da equipe também mudaram para vermelho, branco e azul. A equipe mudou para camisas azuis com listras vermelhas e brancas "LSU" nos ombros. Os capacetes eram brancos com uma faixa central vermelha.

As camisas novamente tiveram uma mudança em 1964, quando as faixas nos ombros foram substituídas por um distintivo padrão de listras nas mangas, consistindo de quatro listras, duas listras internas mais grossas e duas listras externas mais finas, todas cercadas por tubulações vermelhas.

Em 1965, listras vermelhas e azuis foram colocadas nos capacetes.[7]

Os Bills introduziram as calças azuis usadas com as camisas brancas em 1973, o último ano do capacete de búfalo. A calça azul permaneceu até 1985. A máscara facial no capacete era azul de 1974 a 1986 antes de mudar para branco.

O logotipo do bisão em pé foi substituído por um bisão azul com uma faixa vermelha inclinada saindo de seu chifre. O novo emblema, que ainda é o principal usado pela franquia, foi projetado pelo designer aeroespacial Stevens Wright em 1974.[8][9]

Em 1984, a cor do capacete mudou de branco para vermelho, principalmente para ajudar Joe Ferguson, o quarterback dos Bills, a distingui-lo mais rapidamente de três de seus rivais, Baltimore Colts, Miami Dolphins e New England Patriots, que também usavam capacetes brancos naquele época. Ferguson disse: "Todos os times que jogamos tinham capacetes brancos na época. Nosso novo treinador Kay Stephenson só queria um contraste maior no campo, o que pode ajudar a encontrar um receptor no campo".[10] (Os Patriots agora usam um capacete prateado, os Colts foram realinhados para a AFC South, e os New York Jets, mudaram para os capacetes verdes após a temporada de 1977)

Em 2002, sob a direção do gerente geral Tom Donahoe, os uniformes dos Bills passaram por mudanças radicais. Um tom mais escuro de azul foi introduzido como a cor principal da camisa. Ambas as camisas azuis e brancas apresentavam painéis laterais vermelhos. As camisas brancas incluíam uma lista no ombro azul escura e números azuis reais. O capacete permaneceu vermelho com um azul marinho além de duas listras brancas e uma máscara facial branca. Um novo logotipo, um "B" estilizado composto de duas balas e uma cabeça de búfalo mais detalhada no topo, foi proposto e lançado (pode ser visto em alguns bonés que foram lançados para venda), mas a reação dos fãs levou a a equipe a manter o logotipo do bisão. O logotipo do capacete adotado em 1974 - um enorme bisão azul royal, com uma faixa vermelha, chifre branco e globo ocular - permaneceu inalterado.

Em 2005, o Bills reviveu o capacete de bisão em pé e uniforme de meados da década de 1960 como um uniforme retrô.

Os Bills geralmente usavam a combinação toda azul em casa e a combinação toda branca fora de casa quando não usavam os uniformes retrô. Eles pararam de usar azul sobre branco depois de 2006, enquanto o branco sobre azul não foi usado depois de 2007.

Para a temporada de 2011, os Bills revelou um novo design de uniforme, uma versão atualizada do design de 1975-83. Essa mudança inclui um retorno aos capacetes brancos com o logotipo "charging buffalo" e um retorno ao azul royal.[11]

Buffalo esporadicamente usava branco em casa na década de 1980. Em 6 de novembro de 2011, contra o New York Jets, os Bills usaram branco em casa pela primeira vez desde 1986. Desde 2011, os Bills usaram branco para um jogo em casa.

O uniforme dos Bills recebeu pequenas alterações como parte do novo contrato de uniformes da liga com a Nike.[12] Em 12 de novembro de 2015, o Bills e o New York Jets se tornaram as duas primeiras equipes a participar da iniciativa de uniformes Color Rush da NFL, com Buffalo usando uma combinação toda vermelha pela primeira vez na história da equipe.[13]

Um uso notável dos uniformes dos Bills fora do futebol americano foi no Campeonato Mundial Júnior de Hóquei no Gelo de 2018, quando o time de hóquei no gelo masculino dos Estados Unidos vestiu uniformes inspirados no Buffalo Bills em seu jogo contra o Canada em 29 de dezembro de 2017.[14]

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Os Bills têm rivalidades com seus três oponentes da AFC East e também tiveram rivalidades ocasionais ou históricas com outras equipes como Baltimore/Indianapolis Colts (um antigo rival divisional), Kansas City Chiefs, Houston Oilers/Tennessee Titans, Cleveland Browns e Dallas Cowboys. Eles também jogam um jogo anual de pré-temporada contra o Detroit Lions.

Rivais de Divisão[editar | editar código-fonte]

Miami Dolphins[editar | editar código-fonte]

Essa é considerada a rivalidade mais famosa de Buffalo. Embora os Bills e os Dolphins tenham se originado na American Football League, os Dolphins não começaram a jogar até 1966 como equipe de expansão, enquanto os Bills eram um dos oito times fundadores.

A rivalidade ganhou destaque quando os Dolphins venceram todos os confrontos contra os Bills nos anos 70, em um recorde de 20 vitórias consecutivas na NFL contra um único adversário.

Com a ascensão de Jim Kelly como o quarterback dos Buffalo e Dan Marino como quarterback dos Dolphins, a rivalidade ficou competitiva nas décadas de 1980 e 1990, com os Bills sendo dominantes na década de 1990.

As coisas se acalmaram após as aposentadorias de Kelly e Marino e a ascensão dos Patriots liderados por Belichick/Brady, mas Miami continua sendo uma feroz rival dos Bills, ficando em segundo lugar em uma recente pesquisa de principal rival de Buffalo.[15]

As duas equipes normalmente estão próximas na classificação da divisão. Miami lidera a série geral, 60-47-1, mas Buffalo tem a vantagem nos playoffs em 3-1.[16]

New England Patriots[editar | editar código-fonte]

A rivalidade com o New England Patriots começou quando ambas as equipes eram franquias originais na American Football League antes da fusão NFL-AFL. Após a ascensão do treinador Bill Belichick e do quarterback Tom Brady, os Patriots dominaram a AFC East.

A rivalidade Bills-Patriots em particular tornou-se desequilibrada com os Patriots tendo um recorde de 29-5 desde que Belichick se tornou treinador principal. Isso levou muitos fãs e jogadores nos anos 2000 e a substituir os Dolphins pelos Patriots como os mais odiados de Buffalo.[17] No geral, os Patriots lideram os confrontos, 72-43-1.[18]

A rivalidade também é notável, já que vários jogadores, incluindo Drew Bledsoe, Doug Flutie, Lawyer Milloy, Brandon Spikes, Scott Chandler, Chris Hogan, Mike Gillislee e Stephon Gilmore, jogaram pelas duas equipes em algum momento de suas carreiras.

New York Jets[editar | editar código-fonte]

Os Bills e os Jets representam o estado de Nova York, embora os Jets realmente joguem em East Rutherford, New Jersey. A rivalidade começou quando os Bills e os Jets eram times fundadores da AFL.

Essa rivalidade não é tão intensa quanto as rivalidades dos Bills com os Dolphins e os Patriots. Muitas vezes a rivalidade tornou-se caracterizada por jogos feios, mas teve um punhado de momentos competitivos e aqueceu brevemente quando o ex-treinador do Jets, Rex Ryan, se tornou treinador dos Bills por duas temporadas.

Buffalo lideram os confrontos, 61-54, incluindo uma vitória no playoff em 1981.[19]

Outras Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Kansas City Chiefs[editar | editar código-fonte]

Os Bills e os Chiefs também foram times originais na AFL e tiveram uma longa história um contra o outro, apesar de nunca estarem na mesma divisão. Essa rivalidade esquentou recentemente, com os Bills e Chiefs se enfrentando de 2008 a 2015, e novamente em 2017.

As equipes jogaram três jogos de playoffs entre eles, incluindo a Final da AFL que determinou o representante da AFL (posteriormente AFC) no primeiro Super Bowl, com o Kansas City vencendo e enfrentando o Green Bay Packers no Super Bowl I.

Buffalo atualmente lidera os confrontos, 26-21-1.[20]

Tennessee Titans[editar | editar código-fonte]

O Tennessee Titans, anteriormente Houston Oilers, era um rival de divisão antes da fusão NFL-AFL como parte da Divisão Leste da AFL. Os confrontos foram intensos na década de 1990, com o quarterback Warren Moon liderando os Oilers contra os Bills de Jim Kelly.

Momentos memoráveis nos playoffs entre as equipes incluem The Comeback, no qual o Bills, liderados por Frank Reich, superou um déficit de 35-3 para vencer os Oilers por 41-38 em 1992.[21]

Os Titans atualmente lideram os confrontos, 28-17.[22]

Cleveland Browns[editar | editar código-fonte]

Embora as duas equipes estejam em divisões diferentes e não tenham começado a jogar até 1972, as disputas entre os Bills e os Cleveland Browns ocasionalmente se aquecem devido à proximidade e semelhança entre as cidades de Buffalo e Cleveland.

Como a rivalidade entre os Bills-Jets, os Bills e Browns muitas vezes compartilham a má sorte e tiveram sua parcela de jogos feios, incluindo uma vitória dos Browns por 6-3 na qual o quarterback vencedor completou apenas 2 dos 17 passes.[23] No entanto, houve outras ocasiões em que ambas as equipes foram competitivas, como na década de 1980 e, mais recentemente, em 2007 e 2014.[24]

Os Browns lideram atualmente o confronto, 12-9, incluindo uma vitória nos playoffs em 1990.[25]

Jogadores Notaveis[editar | editar código-fonte]

Números aposentados[editar | editar código-fonte]

Os Buffalo Bills retiraram dois números na história da franquia: 12 para Jim Kelly e 78 para Bruce Smith. Apesar do fato de que os Bills só retiraram dois números na história da franquia, a equipe tem outros números que não são mais usados ou estão em utilização reduzida.

Números aposentados pelo Buffalo Bills
Número Jogador Posição Período
12 Jim Kelly QB 1986–96[26]
78 Bruce Smith DE 1985–99[27]
Extraoficialmente aposentado:
  • 32 O. J. Simpson, RB, 1969–1977
  • 34 Thurman Thomas, RB, 1988–1999; anteriormente usado por Cookie Gilchrist, RB, 1962–1964

Os Bills vão oficialmente aposentar o número 34 em homenagem a Thomas em 29 de outubro de 2018.[28]

Utilização reduzida:[29]
  • 44 Elbert Dubenion, WR, 1960–1968
  • 66 Billy Shaw, OG, 1961–1969
  • 83 Andre Reed, WR, 1985–1999 (Lee Evans III usou com permissão especial)

Desde os primeiros dias da equipe, o número 31 não deveria ser usado por nenhum outro jogador. Os Bills tinham artigos de papelaria e várias outras mercadorias da equipe mostrando um jogador correndo usando esse número e não deveria representar nenhuma pessoa específica, mas o "espírito da equipe". Nas primeiras três décadas de existência da equipe, o número 31 foi visto apenas uma vez: em 1969, quando o running back reserva Preston Ridlehuber danificou sua camisa 36 durante um jogo e lhe deram a camisa de número 31. O número 31 não foi usado novamente até 1990, quando James Williams o usou nas duas primeiras temporadas; Desde então, ele foi devolvido para a ultilização normal, com Dean Marlowe usando o número em 2018.

O número 1 também raramente foi usado, por razões nunca explicadas. O Kicker Mike Hollis, que jogou uma temporada no Bills em 2002, foi o último a usar o número.

Buffalo Bills Hall da Fama[editar | editar código-fonte]

Introdução No. Nome Posição Temporadas
1980 32 O. J. Simpson RB 1969–1977
1984 15 Jack Kemp QB 1962–1969
1985 Pat McGroder Contribuição

GM

1961–1983

1983

1987 70 Tom Sestak DT 1962–1968
1988 66 Billy Shaw OG 1961–1969
1989 Ralph C. Wilson Jr. DOno 1959–2014
1992 12 The 12th Man Fãs 1960–present
1993 44 Elbert Dubenion WR 1960–1968
1994 58 Mike Stratton LB 1962–1972
1995 12 Joe Ferguson QB 1973–1984
1996 Marv Levy Treinador

GM

1986–1997

2006–2007

1997 68 Joe DeLamielleure OG 1973–1979

1985

1998 20 Robert James CB 1969–1974
1999 Edward Abramoski Treinador 1960–1996
2000 61 Bob Kalsu G 1968
26 George Saimes S 1963–1969
2001 12 Jim Kelly QB 1986–1996
76 Fred Smerlas DT 1979–1989
2002 67 Kent Hull C 1986–1996
2003 56 Darryl Talley LB 1983–1994
2004 51 Jim Ritcher C/G 1980–1993
2005 34 Thurman Thomas RB 1988–1999
2006 83 Andre Reed WR 1985–1999
2007 89 Steve Tasker WR 1986–1997
2008 78 Bruce Smith DE 1985–1999
2010 24 Booker Edgerson DB 1962–1969
2011 90 Phil Hansen DE 1991–2001
2012 Bill Polian GM 1984–1992
2014 Van Miller Narrador 1960–1971

1977–2003

2015 Lou Saban Treinador 1962–1965

1972–1976

2017 34 Cookie Gilchrist RB 1962–1964

Pro Football Hall Of Fame[editar | editar código-fonte]

Jogadores
No. Nome Posição Temporadas Introdução
32 O. J. Simpson RB 1969–1977 1985
66 Billy Shaw OG 1961–1969 1999
12 Jim Kelly QB 1986–1996 2002
80 James Lofton WR 1989–1992 2003
68 Joe DeLamielleure OG 1973–1979

1985

2003
34 Thurman Thomas RB 1988–1999 2007
78 Bruce Smith DE 1985–1999 2009
83 Andre Reed WR 1985–1999 2014
81 Terrell Owens WR 2009 2018
Treinadores e Executivos
Nome Posição Temporadas Introdução
Marv Levy HC

GM

1986–1997

2006–2007

2001
Ralph Wilson Dono 1959–2014 2009
Bill Polian GM 1984–1992 2015

Rádio e Televisão[editar | editar código-fonte]

A Rede de Rádio Buffalo Bills é representada no WGR, AM 550 em Buffalo. John Murphy é o locutor atual da equipe; ele era o comentarista e com o tempo, conseguiu a posição de narrador depois que Van Miller se aposentou no final da temporada de 2003. Mark Kelso é o comentarista.

A rede de rádio Bills tem aproximadamente dezessete filiais no norte do estado de Nova York e uma afiliada, a CJCL 590AM (The Fan) em Toronto. A partir do início de 2012, ela é composta principalmente pela WGR, as estações irmãs da Entercom, WCMF (96,5 FM) e WROC-AM 950, em Rochester, e uma frota de estações AM e FM independentes em todo o estado de Nova York, de Jamestown a Albany.

Durante a pré-temporada, a maioria dos jogos é televisionada na afiliada da ABC da Buffalo, WKBW-TV canal 7. Em 2018, a equipe assinou um acordo com Nexstar Media Group para transmissão em toda a sua rede de estações (que inclui WJET-TV em Erie, WROC -TV em Rochester, WSYR-TV em Syracuse, WUTR em Utica, WETM-TV em Elmira e WIVT em Binghamton); como não poderia sair do acordo para realizar os jogos no WKBW em Buffalo, a WIVB-TV da Nexstar não se tornará a "casa dos Bills" oficial até 2020. O analista da CBS e ex-jogador das equipes especiais, Steve Tasker, é o comentarista nesses jogos; O repórter da WROC-TV, Thad Brown, é o repórter da linha lateral. Desde 2008, os jogos de pré-temporada foram transmitidos em alta definição.

Na temporada de 2016, de acordo com um novo contrato de direitos que cobre os direitos da equipe e da sua franquia irmã NHL, o Buffalo Sabres, a maioria dos programas relacionados à equipe, incluindo programação de estúdio e show do treinador, foi transferida para o MSG Western New York - uma joint venture da MSG e da propriedade da equipe. Os jogos de pré-temporada continuarão a ser transmitidos em simultâneo no WKBW.

No caso de jogos da temporada regular serem transmitidos pela ESPN, de acordo com as políticas de televisão da liga, uma estação local de também transmite o jogo. De 2014 a 2017, a WKBW-TV realizou os direitos de transmissão, tendo a estação reconquistado os direitos dos jogos a cabo depois que a WBBZ-TV deteve os direitos para 2012 e 2013.

Mascotes, líderes de torcida e banda[editar | editar código-fonte]

O mascote oficial dos Bills é Billy Buffalo, um bisão americano azul antropomórfico de dois metros de altura que usa a camisa "número" BB.

Os Bills atualmente não têm líderes de torcida, eles tiveram um esquadrão de líderes de torcida chamado Buffalo Jills de 1967 a 1985; De 1986 a 2013, a Jills operou como uma organização independente patrocinada por várias empresas. As Jills suspenderam as operações antes da temporada de 2014 devido a ações judiciais. Os Bills e os Jills estão atualmente envolvidos em uma batalha legal, na qual os Jills alegam que eles eram funcionários e estão buscando pagamento atrasado.[30]

Os Bills são uma das seis equipes da NFLa designar uma banda oficial ou uma bateria (os outros são: Baltimore Ravens, Washington Redskins, New York Jets, Carolina Panthers e Seattle Seahawks). Desde o último jogo da temporada de 2013, esta posição foi servida pelo Stampede Drumline, conhecido fora de Buffalo como Downbeat Percussion.[31] Os Bills também usaram as bandas marciais da Attica High School, da Universidade de Pittsburgh e da Universidade de Syracuse nos jogos em casa nos últimos anos.

Os Bills têm várias músicas associados a eles. Um deles é uma variação do hit "Shout", de Isley Brothers, gravado por Scott Kemper, que serviu como música promocional oficial dos Bills de 1987 a 1990. Foi oficialmente substituído em 2000 por "The Power of the Bills", embora "Shout" continue em uso. A canção de luta não oficial dos Bills, "Go Bills", foi escrita pelo treinador dos Bills, Marv Levy, em meados dos anos 90, em uma aposta amigável com seus jogadores, de que ele escreveria a música se o time ganhasse um jogo em particular.[32]

Torcedores[editar | editar código-fonte]

Os Back Bills são a torcida oficial do Buffalo Bills. Também notável é a Bills Mafia, uma torcida dos Bills organizada via Twitter a partir de 2010;[33] A frase "Bills Mafia" tinha crescido até 2017 para representar não oficialmente a ampla comunidade envolvendo a equipe, os jogadores que se juntam aos Bills falam frequentemente de se juntarem à Bills Mafia. Pessoas de fora frequentemente tratam a base de fãs dos Bills em termos depreciativos, especialmente desde a década de 2010, em parte por causa da cobertura negativa da imprensa sobre as travessuras mais loucas dos fãs.[34] Os Fãs têm sido notados tanto por seu comportamento barulhento quanto por sua generosidade; Depois que os Bills quebraram sua seca de 17 anos por causa de uma vitória do Cincinnati Bengals no último minuto, os fãs dos Bills arrecadaram fundos para as instituições de caridade dos jogadores dos Bengals, Andy Dalton e Tyler Boyd com dezenas de milhares de dólares como um gesto de agradecimento.[35]

Os fãs de Bills são particularmente conhecidos por usarem roupas esportivas com estampas de zebra Zubaz; Tanto é a associação entre os fãs de Bills e a Zubaz que, quando um revival da empresa abriu sua primeira loja de tijolo e argamassa, escolheu Western New York como seu primeiro local.[36]

Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

A rivalidade de Buffalo com o Miami Dolphins é referenciada no álbum de 1979 de Steve Martin, Comedy Is Not Pretty! na faixa "How To Meet A Girl". Na faixa, Martin simula conversas sobre futebol em uma festa, e um "partier" expressa a descrença de que Buffalo poderia derrotar Miami - na época do lançamento do álbum, os Dolphins haviam vencido 18 jogos seguidos contra os Bills.

Em 1996 no episódio de Arquivo X, "Musings of a Cigarette Smoking Man", o personagem-título, membro de uma obscura cabala do governo, afirma que o Buffalo Bills não vai ganhar um Super Bowl enquanto ele viver.

O ator Dean Cain foi brevemente um membro dos Bills. Por causa disso, as referências aos Bills apareceram na série de televisão Lois & Clark: As Novas Aventuras de Superman, na qual Caim interpretou o personagem-título. No primeiro episódio da quarta temporada, intitulado "Lord of the Flys", Clark pega um chapéu azul com o emblema Charging Buffalo no centro e o usa para ajudar a se disfarçar.

Em um episódio de abril de 2011 da série de televisão 30 Rock, intitulado "100", Jack Donaghy, personagem de Alec Baldwin, descobre que, em um futuro alternativo, ele não só seria mais rico e mais bem sucedido, mas também seria o dono de um "Time de futebol de Nova York." Mais tarde, ele se decepcionou ao saber que o time não é o New York Giants ou o New York Jets, mas o Buffalo Bills.

Os Bills são a equipe que ganha do Orlando Breakers, o time fictício da NFL que serve como foco da sitcom Coach nas últimas temporadas, nos playoffs.

Em um episódio de março de 2014 da série de TV, Family Guy, intitulado "3 Acts of God", Peter Griffin - juntamente com sua família e amigos - assiste a um jogo entre Buffalo Bills e New England Patriots no Gillette Stadium em Foxborough, Massachusetts, que os Bills vencem. O episódio também conta com os jogadores dos Bills, Mario Williams e C. J. Spiller, estrelando como eles mesmos.

Vários ex-jogadores de Buffalo Bills ganharam um cargos politicos após o término de suas carreiras, quase sempre como membros do Partido Republicano. O mais famoso deles foi o quarterback Jack Kemp, que foi eleito para a Câmara dos Representantes do Oeste de Nova York em 1971 - dois anos depois de terminar sua carreira e permanecer lá por quase duas décadas. O reserva de Kemp, Ed Rutkowski, serviu como executivo do condado de Erie de 1979 a 1987. O ex-tight end Jay Riemersma, o defensive tackle Fred Smerlas e o defensive end Phil Hansen concorreram ao Congresso, embora todos os três perderam ou desistiram. O quarterback Jim Kelly e o running back Thurman Thomas também foram mencionados como possíveis candidatos para cargos políticos, embora ambos tenham recusado todas as solicitações até o momento.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Bills sale to Terry, Kim Pegula unanimously approved». NFL.com (em inglês) 
  2. «Bills clinch first playoff spot since '99 with Ravens loss». NFL.com (em inglês) 
  3. «Bills End Their Playoff Drought, and Tears Flow» (em inglês) 
  4. «National Footbal League Franchise Histories - Football History | Pro Football Hall of Fame Official Site». www.profootballhof.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  5. «Franchise nicknames | Pro Football Hall of Fame Official Site». www.profootballhof.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  6. «A look back at Bills uniform changes». 15 de fevereiro de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  7. «Original AFL Decals». www.remembertheafl.com. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  8. «April 5 in Bills history: Charging Buffalo introduced as Bills logo». 16 de dezembro de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  9. «Uni Watch: The man behind the Bills' logo». ESPN.com (em inglês). 20 de setembro de 2013. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  10. «Untold uniform stories: Fergie behind helmet color change». 15 de fevereiro de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  11. «Fashion forward: Bills unveil brand-new uniforms for 2011». NFL.com (em inglês) 
  12. «Nike unveils new NFL uniforms». 13 de agosto de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  13. «Jets and Bills unveil 'Color Rush' unis Thursday». NFL.com (em inglês) 
  14. «USA Hockey unveils Bills-themed jersey for world junior outdoor game in Buffalo». The Buffalo News (em inglês). 14 de junho de 2017 
  15. «2017 Buffalo Bills Rivalry Survey». www.allcounted.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  16. «Buffalo Bills vs. Miami Dolphins Results | The Football Database». FootballDB.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  17. «Patriots named as Bills biggest rival». Buffalo Bills (em inglês) 
  18. «Buffalo Bills vs. New England Patriots Results | The Football Database». FootballDB.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  19. «Buffalo Bills vs. New York Jets Results | The Football Database». FootballDB.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  20. «Buffalo Bills vs. Kansas City Chiefs Results | The Football Database». FootballDB.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  21. «Bills vs. Titans Classic: The Comeback». Buffalo Rumblings 
  22. «Buffalo Bills vs. Tennessee Titans Results | The Football Database». FootballDB.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  23. «Browns Win Ugly, Beat Buffalo 6-3» (em inglês) 
  24. «Cleveland Browns vs. Buffalo Bills series has seen it all: A championship, a fired coach and blizzard». cleveland.com (em inglês) 
  25. «Cleveland Browns vs. Buffalo Bills Results | The Football Database». FootballDB.com (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  26. «The untouchable numbers». 16 de maio de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  27. «Bruce Smith humbled, appreciative as 78 is officially retired». 7 de maio de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  28. «Thurman Thomas' No. 34 to be retired by the Bills». 21 de maio de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  29. «The untouchable numbers». 16 de maio de 2018. Consultado em 12 de outubro de 2018. 
  30. «For Jills, something to cheer about: Judge rules they were employees». The Buffalo News (em inglês). 19 de maio de 2017 
  31. «Buffalo Bills drumline led by Jordan Elbridge family, friends (video)». syracuse.com (em inglês) 
  32. Mooshil, Maria. «10 more things to know about Bears fight song». chicagotribune.com (em inglês) 
  33. «What is #BillsMafia?». Bills Mafia -- #BillsMafia (em inglês) 
  34. «Brawls, Balls, and Beer: A Year at The Ralph with Bills Mafia». Sports (em inglês). 4 de janeiro de 2016 
  35. «Bengals QB Andy Dalton's foundation buys billboards to say 'thank you' to Bills fans». The Buffalo News (em inglês). 3 de janeiro de 2018 
  36. «Zubaz opens chain's first brick-and-mortar store at Fashion Outlets». The Buffalo News (em inglês). 16 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Buffalo Bills