Seleção de Futebol dos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Estados Unidos
Crest of the United States Soccer Federation.png
Alcunhas?  Yankees (Ianques)
The Stars & Stripes (As Estrelas e Faixas)
The Red, White & Blue (A Vermelha, Branca e Azul)
Associação Federação de Futebol dos Estados Unidos
Confederação CONCACAF
Material desportivo?  Estados Unidos Nike
Treinador Estados Unidos Gregg Berhalter
Capitão Tyler Adams
Mais participações Cobi Jones (164)
Melhor marcador?  Landon Donovan (57)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção de Futebol dos Estados Unidos, cujo acrônimo oficial é USMNT,[2] representa os Estados Unidos da América internacionalmente em competições futebolísticas. Ela é controlada pela Federação de Futebol dos Estados Unidos e compete pela CONCACAF (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe). A equipe está classificada como a 27ª melhor do mundo no Ranking Mundial da FIFA e é uma das melhores seleções da CONCACAF.

A equipe melhor finalizou na Copa do Mundo no torneio inaugural de 1930, onde terminou em terceiro. Mas recentemente, terminou em quarto lugar na Copa América de 1995, alcançou as quartas de final da Copa do Mundo de 2002 e levou o segundo lugar na Copa das Confederações de 2009. Os Estados Unidos conquistou a Copa Ouro da CONCACAF seis vezes em treze torneios, inclusive é o atual campeão. Equipes de futebol dos EUA também levaram prata e bronze nos Jogos Olímpicos de 1904.

A seleção masculina compete na Copa do Mundo e na Copa das Confederações, além da Copa Ouro da CONCACAF e outras competições por convite. Até a década de 1990, a seleção dos Estados Unidos foi considerada uma das equipes mais fracas do mundo. Destaques antes da última fase do século XX foram: terminar em terceiro na primeira Copa do Mundo; depois, classificar-se para a Copa do Mundo FIFA de 1934 e retirando-se em 1938, participando depois em 1950, causando uma virada, derrotando a Inglaterra por 1-0 na sua quarta partida de grupo. Depois de 1950, os EUA não se classificou para a Copa do Mundo novamente até 1990.

Após a Copa do Mundo FIFA de 1990, os EUA se classificaram automaticamente como anfitriões da Copa do Mundo de 1994, perdendo para o Brasil nas oitavas-de-final. A partir de então, a equipe se classificou para todas as Copas do Mundo até a Copa do Mundo FIFA de 2018, sendo desclassificados nas eliminatórias. Na etapa regional, a seleção também melhorou, com um recorde até 2009 de alcançar a final da Copa Ouro da CONCACAF bienal oito vezes desde 1989, ganhando quatro, em 1991, 2002, 2005 e 2007. Como vencedores da Copa Ouro de 2007, eles também avançaram para a final da edição de 2009 da Copa das Confederações da FIFA, perdendo para o Brasil na final. Em 2017 a seleção dos Estados Unidos perdeu para Trinidad e Tobago por 2-1, não indo para a Copa Do Mundo na Rússia em 2018.

Em dezembro de 2018, o atual treinador Gregg Berhalter foi anunciado. Em seu inicio de trabalho como treinador da Seleção, Gregg Berhalter obteve vitórias contra Panamá, Costa Rica, Equador; mas perdeu para a Venezuela e Jamaica, todos em amistosos. Iniciando sua participação na Copa Ouro da CONCACAF de 2019, os EUA ficaram num grupo com Guiana, Trindad e Tobago e Panamá. Obtendo 100% de aproveitamento na fase de grupos, mas perdeu a final contra o México.[3]

Na Copa de 2022 no Catar, o time foi eliminado nas oitavas de final para a seleção holandesa, perdendo o jogo por 3 a 1.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Décadas de 1880 a 1940[editar | editar código-fonte]

A primeira equipe oficial de futebol dos EUA, em 1916

Em 1884, Estados Unidos e Canadá jogaram em Newark, Nova Jérsei, tornando-o o primeiro jogo internacional realizado fora do Reino Unido;[5] os canadenses venceram a partida por 1-0. No ano seguinte, uma partida no mesmo local, resultou na vitória dos EUA, depois de marcar o único gol do jogo. Trinta anos depois, os Estados Unidos desempenhou a sua primeira partida oficial internacional sob os auspícios da Federação de Futebol dos Estados Unidos contra a Suécia em Estocolmo, em que os EUA venceu por 3-2, com gols de Dick Spalding, e Charles Ellis.

Os EUA ganharam a prata e duas medalhas de bronze no futebol masculino nos Jogos Olímpicos de Verão de 1904, realizados em St. Louis, Missouri. O torneio apresentou apenas três equipes: Galt FC, do Canadá, e Christian Brothers College e St. Rose Parish, dos Estados Unidos. Galt derrotou ambas as equipes dos Estados Unidos, ganhando o ouro. Christian Brothers derrotou St. Rose em um terceiro jogo depois de dois empates sem gols.

A equipe dos EUA que disputou a Copa do Mundo de 1930 e terminou em 3º lugar

Na Copa do Mundo FIFA de 1930, os EUA terminaram em terceiro, batendo a Bélgica por 3-0 no Estádio Gran Parque Central em Montevidéu, Uruguai. A partida ocorreu simultaneamente com uma outra em outra parte da cidade nos Estádio Pocitos, onde a França derrotou o México.[6]

No próximo jogo, os Estados Unidos ganharam uma vitória por 3-0 sobre o Paraguai. Por muitos anos, a FIFA creditou Bert Patenaude com os primeiro e terceiro gols e seu companheiro de equipe Tom Florie com o segundo. Outras fontes descrevem o segundo gol como tendo sido marcado por Patenaude ou pelo paraguaio Ramon Gonzales. Em novembro de 2006, a FIFA anunciou que havia aceitado evidências de "vários historiadores e fãs de futebol" que Patenaude marcou os três gols, e foi assim a primeira pessoa a marcar um hat-trick em um torneio de Copa do Mundo.[7]

Tendo alcançado as semifinais com as duas vitórias, o lado americano perdeu de 6-1 para a Argentina. Usando os registros gerais do torneio, a FIFA creditou os EUA com um terceiro lugar, à frente do companheiro semifinalista Iugoslávia. É o melhor resultado de qualquer equipe de fora da CONMEBOL e da UEFA, as confederações sul-americana e europeia, respectivamente.

Devido a FIFA não querer interferência com a recém-fundada Copa do Mundo, nenhum torneio oficial foi a campo no Jogos Olímpicos de Verão de 1932. A FIFA afirmou que o torneio não seria popular nos Estados Unidos, por isso não teria custo suficiente para auxiliar na execução do torneio durante tempos difíceis na economia. Como resultado, um torneio informal foi organizado incluindo rivais locais com os Estados Unidos terminando em primeiro, seguido por México e Canadá. O Torneio Olímpico foi restabelecido nos Jogos Olímpicos de Verão de 1936.

Décadas de 1950 a 1970[editar | editar código-fonte]

A Copa do Mundo FIFA de 1950 foi a primeira aparição em Copas dos Estados Unidos desde 1934. Os EUA perderam sua primeira partida por 3-1 contra a Espanha, mas depois venceu por 1-0 contra a Inglaterra no Estádio Independência, na cidade de Belo Horizonte. O resultado é considerado uma das maiores viradas na história do esporte. Meses antes da famosa derrota da Copa do Mundo para os EUA, a Inglaterra tinha batido o "resto da Europa" por 6-1 em uma partida de exibição. Sports Illustrated e Soccer Digest chamam a virada da Copa do Mundo pelos americanos em 1950 de "Milagre na Grama", uma referência ao Milagre no Gelo.[8][9] No terceiro jogo dos EUA na Copa de 1950, uma derrota para o Chile por um placar de 5-2, os EUA foram eliminados do torneio. Os Estados Unidos fariam outra aparição nas Finais da Copa do Mundo FIFA 40 anos depois.

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Após o entusiasmo causado pela criação e ascensão da North American Soccer League em 1970, parecia que a seleção masculina dos EUA logo se tornaria uma força poderosa no mundo do futebol. Tais esperanças não foram realizadas, entretanto, e os Estados Unidos não foram considerados um forte lado nesta época. De 1981 a 1983, apenas dois jogos internacionais foram disputados.[10]

Para fornecer um programa para a seleção mais estável e renovar o interesse na NASL, a U.S. Soccer introduziu a seleção na liga para a temporada de 1983 como Team America. Esta equipe não tinha a continuidade e a regularidade da formação que os clubes convencionais desfrutavam, e muitos jogadores não estavam dispostos a jogar na equipe, e sim em seus próprios clubes. Embaraçosamente, a Team America terminou a temporada na parte inferior da liga. Reconhecendo que não atingiu os seus objetivos, a U.S. Soccer cancelou esta experiência, e a seleção foi retirada da NASL.[11]

A U.S. Soccer tomou a decisão de trazer os Jogos Olímpicos de Verão de 1984 a Los Angeles, Califórnia, e a Copa do Mundo FIFA de 1986 como meio de reconstruir a seleção e sua base de fãs. O Comitê Olímpico Internacional providenciou o que parecia ser um grande impulso para a chance dos Estados Unidos de avançar da fase de grupos, quando declarou que as equipes olímpicas de fora da Europa e América do Sul poderiam encher o campo com equipes seniores, se os jogadores veteranos nunca tivessem jogado uma Copa do Mundo, incluindo os profissionais. U.S. Soccer imediatamente reorganizou sua lista de Olímpicos, cortando muitos jogadores colegiais e substituindo-os por profissionais. Apesar disso, os EUA terminaram com uma vitória, um empate e uma derrota e não conseguiram fazer o segundo turno.

No final de 1984, a NASL cedeu e não havia nenhuma liga de futebol sênior operando nos Estados Unidos. Como resultado, muitos dos melhores jogadores americanos, como John Kerr, Paul Caligiuri, Eric Eichmann e Bruce Murray, se transferiram para o exterior, principalmente para a Europa.

Os Estados Unidos fizeram oferta para sediar a Copa do Mundo de 1986 depois da Colômbia se retirar devido a preocupações econômicas. No entanto, o México derrotou os EUA e Canadá para sediar o torneio, apesar das preocupações que o torneio teria que ser transferido novamente por causa de um grande terremoto que atingiu o México, pouco antes do torneio.

No último jogo das eliminatórias, os EUA precisavam apenas de um empate contra a Costa Rica, a quem os EUA tinham derrotado por 3-0 nos Jogos Olímpicos no ano anterior, a fim de alcançar o grupo final das eliminatórias, contra Honduras e Canadá. A U.S. Soccer agendou a partida para ser jogada em El Camino College, em Torrance, Califórnia, uma área com muitos imigrantes costarriquenhos, e comercializou o jogo quase que exclusivamente para a comunidade da Costa Rica, oferecendo danças folclóricas da Costa Rica como intervalo de entretenimento.[12] Um gol aos 35 minutos de Evaristo Coronado deu a vitória a para a Costa Rica e impediu os Estados Unidos de alcançar a sua quarta Copa do Mundo.[13]

Em 1988, a U.S. Soccer tentou re-implementar o conceito da seleção como clube, oferecendo contratos aos jogadores da seleção, a fim de construir uma equipe internacional, com uma espécie de caráter de clube, enquanto emprestando-os para seus times, poupando a U.S. Soccer de gastar com seus salários. Isso trouxe muitos veteranos importantes de volta à equipe, enquanto o sucesso da NASL uma década antes havia criado um influxo de talentos. Assim, a U.S. Soccer procurou estabelecer uma fundação mais estável para a participação na Copa do Mundo de 1990 do que as que já existiam em torneios anteriores.

Década de 1990: o renascimento do futebol dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Para a Copa do Mundo FIFA de 1990 na Itália, dois dos jogadores mais experientes da equipe, Rick Davis e Hugo Perez, estavam se recuperando de ferimentos graves e indisponíveis para a seleção, e o técnico Bob Gansler selecionou muitos jogadores inexperientes e recém-formados. Os EUA perderam os três jogos da fase de grupos, para a Tchecoslováquia, Itália e Áustria.

Em março de 1991, os Estados Unidos venceu a Copa América do Norte, empatando com o México em 2-2 e derrotando o Canadá por 2-0. Esta foi seguida em maio por uma vitória por 1-0 sobre o Uruguai na Série Mundial de Futebol. A seleção foi então invicta para a Copa Ouro da CONCACAF de 1991, derrotando o México por 2-0 na semifinal e Honduras por 4-3 nos pênaltis após o empate em 0-0 na final. Em 1992, os EUA continuaram a sua série de sucessos, tendo a U.S. Cup com vitórias sobre a Irlanda e Portugal, seguidas por um empate com a Itália.

Em 1989, a FIFA nomeou os Estados Unidos como anfitrião da Copa de 1994, mas o fez sob críticas internacionais significativas por causa da fraqueza percebida da seleção e a falta de uma liga profissional. Esta crítica diminuiu um pouco quando uma vitória por 1-0 contra Trinidad e Tobago, a primeira vitória dos EUA fora de casa quase dois anos, no último jogo do Campeonato da CONCACAF de 1989, os Estados Unidos ganhou a sua primeira aparição em uma Copa do Mundo em 40 anos.

Tendo classificado-se automaticamente como anfitrião da Copa do Mundo de 1994, os EUA abriram o torneio com um empate em 1-1 contra a Suíça no Pontiac Silverdome, nos subúrbios de Detroit, o primeiro jogo de Copa do Mundo a ser jogado em recinto fechado. No seu segundo jogo, os EUA enfrentam a Colômbia, a então quarto lugar no mundo, no Rose Bowl. Ajudado por um gol contra do zagueiro Andrés Escobar, os Estados Unidos venceram por 2-1[14] (Escobar foi assassinado em seu país de origem, possivelmente em represália por este erro).[15] Apesar de uma derrota de 1-0 para a Romênia em seu último jogo do grupo, os EUA chegaram à fase eliminatória, pela primeira vez desde 1930. Nas oitavas-de-final, os EUA perderam por 1-0 para o eventual campeão Brasil.[16]

Na Copa de 1998 na França, a equipe perdeu os três jogos do grupo, 2-0 para a Alemanha, 2-1 para o Irã e 2-0 para a Iugoslávia, e assim terminou em último lugar em seu grupo e em 32ª numa gama de 32 equipes. O técnico Steve Sampson recebeu grande parte da culpa pelo desempenho como resultado da abrupta redução do capitão da equipe, John Harkes, a quem Sampson ironicamente havia chamado de "Capitão para a Vida" pouco antes, bem como vários outros jogadores que foram fundamentais no esforço das eliminatórias.[17] Surgiu um boato em fevereiro de 2010, que Sampson removeu Harkes da equipe devido a Harkes supostamente ter um caso com a mulher do companheiro Eric Wynalda.[18]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Ciclo da Copa do Mundo de 2002[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos ganharam a Copa Ouro da CONCACAF de 2002, pondo o melhor desempenho da equipe desde 1930 na Copa de 2002, onde a equipe dos EUA alcançou às quartas-de-final. A equipe chegou à fase eliminatória depois de um recorde de 1-1-1 na fase de grupos. Tudo começou com uma surpreendente vitória de 3-2 sobre Portugal, seguido por um empate em 1-1 com a co-anfitriã e a eventual quarto lugar, a Coreia do Sul. Em seguida, perdeu sua terceira e última partida por 3-1 para a Polônia, mas ainda se classificou para a segunda rodada, quando Park Ji-Sung, da Coreia do Sul, surpreendeu Portugal com o gol da vitória.

Isso preparou o terreno para um confronto da segunda rodada com os tradicionais rivais continentais, o México. Embora as equipes tenham jogado muitas vezes tanto em amistosos quanto em eliminatórias, mas nunca tinham se enfrentado em uma Copa do Mundo. Os EUA ganharam o jogo por 2-0. Brian McBride abriu o placar logo no início do jogo e Landon Donovan marcou o segundo gol de cabeça de um cruzamento de Eddie Lewis. Eles avançaram para as quartas de final, onde eles se encontraram com a Alemanha. A equipe perdeu por 1-0, depois de ter sido negado um pênalti quando Torsten Frings segurou a bola para impedir um gol de Gregg Berhalter. Alemanha terminou como vice-campeã, perdendo para o Brasil na final.[19]

Ciclo da Copa do Mundo de 2006[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos foram à Copa ao vencer a sua terceira Copa Ouro, e a segunda seguida, em 2005.

Na Copa de 2006, depois de terminar no topo das eliminatórias da CONCACAF, os EUA foram postos no Grupo E, juntamente com a República Tcheca, Itália e Gana. Os Estados Unidos abriram seu torneio com uma derrota de 3-0 à República Tcheca. A equipe, então, empatou em 1-1 contra a Itália, graças a um gol contra de Zaccardo[20], acabando por ser o único adversário, juntamente com a França, que o lado italiano não conseguiu derrotar no torneio, a França e a Itália empataram em 1-1 e a Azurra ganhou nos pênaltis[21]. Os Estados Unidos foram, em seguida, eliminados do torneio, quando foram derrotados por 2-1 por Gana em seu último jogo do grupo.

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Ciclo da Copa do Mundo de 2010[editar | editar código-fonte]

Depois de não conseguir manter o seu sucesso de 2002 no Mundial de 2006, Bruce Arena foi substituído por seu assistente e técnico do Chivas USA, Bob Bradley, cujo reinado começou com quatro vitórias e um empate em amistosos que antecederam a Copa Ouro de 2007, organizada pelos Estados Unidos.

Os EUA ganharam todos os seus três jogos da fase de grupos, contra a Guatemala, Trinidad e Tobago e El Salvador. Com uma vitória por 2-1 sobre o Panamá nas quartas-de-final, os EUA avançaram para enfrentar o Canadá nas semifinais, vencendo por 2-1. No final, os Estados Unidos vieram para bater o México por 2-1 na final.[22]

A decepcionante campanha da equipe na Copa América de 2007 terminou depois de três derrotas na fase de grupos, para a Argentina, Paraguai e Colômbia. A decisão da U.S. Soccer por em campo o que muitos consideravam uma equipe de segunda categoria foi questionada pelos fãs e pela imprensa.

Uma das marcas da passagem de Bradley como técnico da seleção tinha sido a sua vontade de por um grande número de jogadores, muitos deles pela primeira vez. Esta prática tem sido elogiada por aqueles que querem ver um plantel de jogadores mais diverso para a seleção, assim como criticado por aqueles que esperam por mais consistência e liderança dos jogadores principais. Isto coincidiu com muitos jovens jogadores americanos como Freddy Adu, Jozy Altidore, Clint Dempsey, Maurice Edu, Brad Guzan, Eddie Johnson e Michael Parkhurst fazerem suas primeiras transferências da MLS para os clubes europeus, o que significa que os jogadores americanos estão ganhando mais experiência no mais alto nível dos clube e do futebol internacional do que em qualquer outro momento na história da equipe.

Para a Copa das Confederações de 2009, os EUA foram postos no Grupo B, com Brasil, Egito e Itália. Depois de perder de 3-1 para a Itália e de 3-0 para o Brasil, os Estados Unidos fizeram um retorno improvável para terminar em segundo no grupo e chegar à semifinal no segundo critério de desempate, gols marcados, tendo marcado quatro gols contra três da Itália. Isto foi conseguido no último dia da fase de grupo, quando os Estados Unidos derrotou o Egito por 3-0 e o Brasil derrotou a Itália também por 3-0.[23]

Clint Dempsey com os EUA em 2011.

Nas semifinais, os EUA derrotaram a Espanha por 2-0. Na época, a Espanha estava no topo do Ranking Mundial da FIFA e estava em uma corrida recorde de 15 vitórias consecutivas e 35 jogos invicta (um registro compartilhado com o Brasil). Com a vitória, os Estados Unidos avançaram para sua primeira final em um torneio masculino da FIFA; no entanto, a equipe perdeu por 3-2 para o Brasil depois de liderar por 2-0 no primeiro tempo.[24]

Apenas alguns dias após o final da Copa das Confederações, os Estados Unidos sediou a Copa Ouro de 2009, e foi posto no Grupo B, com Granada, Haiti e Honduras. Devido ao fato de que os EUA haviam jogado apenas na Copa das Confederações e ainda tinham metade de sua campanha das eliminatórias para Copa do Mundo, Bob Bradley escolheu uma equipe que consistia principalmente de reservas que nunca tinham realmente jogado juntos e foi criticado por selecionar uma "Equipe B" para o torneio continental. Os EUA começaram a fase de grupo com duas vitórias, sobre Granada e Honduras, e venceu o grupo com um empate contra o Haiti.

Nas quartas, os Estados Unidos derrotou o Panamá por 2-1 após a prorrogação. Nas semifinais, os EUA enfrentaram Honduras pela segunda vez no torneio, e pela terceira vez em menos de dois meses. Os Estados Unidos venceram Honduras por 2-0 e avançaram para a terceira final de Copa Ouro consecutiva, onde a equipe enfrentou o México em uma revanche da final da Copa Ouro de 2007. Os Estados Unidos foram derrotados pelo México por 5-0, entregando a sua marca de 58 jogos sem perder contra adversários da CONCACAF em solo estadunidense. Foi também a primeira derrota em casa para o México desde 1999.

Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010[editar | editar código-fonte]

Artigos principais: Copa do Mundo FIFA de 2010, Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2010 - América do Norte, Central e Caribe, Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2010 - América do Norte, Central e Caribe (quarta fase)
Equipe Pts J V E D GP GC SG
Flag of the United States.svg Estados Unidos 20 10 6 2 2 19 13 +6
Flag of Mexico.svg México 19 10 6 1 3 18 12 +6
Flag of Honduras.svg Honduras 16 10 5 1 4 17 11 +6
Flag of Costa Rica (state).svg Costa Rica 16 10 5 1 4 15 15 0
Flag of El Salvador.svg El Salvador 8 10 2 2 6 9 15 -6
Trindade e Tobago Trindade e Tobago 6 10 1 3 6 10 5 -5
  CRC SLV USA HON MEX TRI
Costa Rica 1–0 3–1 2–0 0–3 4–0
El Salvador 1–0 2–2 0–1 2–1 2–2
Estados Unidos 2–2 2–1 2–1 2–0 3–0
Honduras 4–0 1–0 2–3 3–1 4–1
México 2–0 4–1 2–1 1–0 2–1
Trinidad e Tobago 3–1 1–0 0–1 4–2 3–2

Os EUA ganharam sete das oito partidas, contra Barbados, Cuba, Guatemala e Trinidad e Tobago na segunda e terceira rodadas das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Isto classificou os Estados Unidos para a Quarta Rodada, ou Hexagonal, contra a Costa Rica, El Salvador, Honduras, México e Trinidad e Tobago.

Os EUA começaram a Quarta Rodada derrotando o México por 2-0, uma vitória que se estendeu aos Estados Unidos a gama invicta contra o México em solo estadunidense por 11 partidas. Seis semanas depois, na segunda partida da Quarta Rodada, os Estados Unidos fizeram um rally final para ganhar um empate de 2-2 fora de casa com El Salvador. Quatro dias depois, Jozy Altidore se tornou o mais jovem jogador dos EUA a marcar um hat-trick, e levar os Estados Unidos a uma vitória de 3-0 sobre Trinidad e Tobago. Após outra pausa de seis semanas nas eliminatórias, os EUA viajou para a Costa Rica, onde foram derrotados por 3-1. Os Estados Unidos se recuperaram três dias depois, quando derrotou Honduras por 2-1. Quando as eliminatórias foram retomadas perto do fim do verão de 2009, os Estados Unidos sofreram uma derrota por 2-1 para o México no Estádio Azteca. Poucas semanas depois, os Estados Unidos derrotaram El Salvador por 2-1 em casa depois de estar perdendo por 1-0. Na semana seguinte, os EUA venceram Trinidad e Tobago por 1-0. Em 10 de outubro de 2009, os Estados Unidos garantiram a classificação para a Copa do Mundo com uma vitória por 3-2 sobre Honduras. Quatro dias depois, os EUA garantiram o primeiro lugar na Quarta Rodada com um empate em 2-2 dramático contra a Costa Rica.

Copa do Mundo FIFA de 2010[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Copa do Mundo FIFA de 2010 - Grupo C
Pos. Seleção Pts J V E D GP GC SG
1 Flag of the United States.svg Estados Unidos 5 3 1 2 0 4 3 +1
2 Flag of England.svg Inglaterra 5 3 1 2 0 2 1 +1
3 Flag of Slovenia.svg Eslovênia 4 3 1 1 1 3 3 0
4 Flag of Algeria.svg Argélia 1 3 0 1 2 0 2 –2

Depois de empatar partidas contra a Inglaterra (1-1) e Eslovênia (2-2), os EUA derrotaram a Argélia por meio de um gol nos acréscimos e, assim, venceu o Grupo C, a 1ª vez que os EUA ganhou o seu grupo de Copa do Mundo desde 1930. Nas oitavas-de-final, os EUA perderam para Gana, com Gana mais uma vez vencendo por 2-1, resultando na eliminação dos EUA da Copa do Mundo.[25]

Em 13 de julho, a FIFA lançou o seu ranking pós-torneio das equipes da Copa do Mundo e os EUA terminaram em 12º lugar. Este acabamento estava um ponto acima do companheiro do Grupo C, Inglaterra, e dois acima do rival da CONCACAF, México.

Ciclo da Copa do Mundo de 2014[editar | editar código-fonte]

A equipe dos EUA que disputou uma partida amistosa contra a Bélgica, em 2013

Como resultado de seu desempenho durante o ciclo de quatro ano anterior, Bob Bradley assinou uma extensão de contrato de quatro anos no início de setembro de 2010, embora rumores surgiram de que Bradley tinha renunciado e que, como em 2006, o ex-treinador da Alemanha Jürgen Klinsmann seria contratado para gerenciar a equipe. No entanto, esses rumores eram infundados, e Bradley foi oficialmente re-assinado por EUA Soccer. Antes de sua reeleição, Bradley e a equipe dos EUA tem o curso de ciclo com uma derrota 2-0 para o Brasil no Estádio Meadowlands. Em preparação para a Copa Ouro da CONCACAF 2011, os EUA jogou três amistosos, um empate 1-1 com a Argentina, uma perda de 1-0 para o Paraguai, e uma perda embaraçoso 4-0 para a Espanha.

Os Estados Unidos sediaram a Copa Ouro de 2011, e foi posto no Grupo C com Canadá, Panamá e Guadalupe. Os EUA avançaram da fase de grupos com duas vitórias, sobre Guadalupe e Canadá. No entanto, os EUA perderam para o Panamá por 2-1 na segunda partida da fase de grupos. Esta foi a primeira derrota dos EUA em um jogo da fase de grupo da Copa Ouro, e sua primeira derrota para o Panamá. Nas quartas de final, os Estados Unidos derrotaram a Jamaica por 2-0. Nas semifinais, os EUA vingaram sua derrota na fase de grupos com uma vitória por 1-0 sobre o Panamá, e avançaram para a sua quarta final consecutiva da Copa Ouro, onde a equipe enfrentou o México em uma revanche da final da Copa Ouro de 2009. Os Estados Unidos foram derrotados pelo México por 4-2, apesar de liderar por 2-0, estendendo série de vitórias do México contra os EUA a três partidas.

Em 29 de julho de 2011, Jürgen Klinsmann foi nomeado por Sunil Gulati o sucessor de Bradley como técnico da seleção estadunidense. Sua primeira partida, um amistoso contra o México, em 10 de agosto de 2011, terminou em um empate em 1-1. Os Estados Unidos viajaram para a Europa em novembro e perderam por 1-0 para a França antes de vir com uma vitória por 3-2 frente à Eslovénia. Apesar de Jürgen Klinsmann nos seus 6 primeiros jogos ter acumulado 4 derrotas e 1 empate, ele conseguiu calar os críticos conquistando vitórias importantes, como o jogo do dia 29 de fevereiro de 2012 em que os EUA venceram a Itália em território rival por 1x0 ou a vitória do dia 15 de agosto de 2012 sobre o México por 1x0 no místico Estádio Azteca.A vitória foi a primeira dos ianques em solo mexicano. ao derrotar o México em setembro, os EUA garantiram uma vaga na Copa do Mundo de 2014.

O técnico alemão Jürgen Klinsmann surpreendeu o mundo do futebol americano ao convocar cinco "americanos Jürgen" - alemães mestiços nascidos e treinados profissionalmente na Alemanha - para a seleção na Copa.[26] Os EUA foram sorteados para o Grupo G, junto com Gana, Alemanha e Portugal. Os EUA se vingaram dos ganenses, vencendo por 2–1.[27] Eles empataram seu segundo jogo do grupo contra Portugal por 2–2. No jogo final da fase de grupos, os EUA caíram para a Alemanha por 1 a 0, mas passaram para a fase eliminatória devido ao saldo de gols. Esta foi a primeira vez que a equipe fez duas viagens consecutivas para a fase de mata-mata da Copa do Mundo FIFA. Nas oitavas de final, os EUA perderam por 2 a 1 para a Bélgica na prorrogação, apesar do goleiro Tim Howard ter feito um recorde na Copa do Mundo de 15 defesas durante a partida.[28]

Não classificação para a Copa de 2018[editar | editar código-fonte]

Após uma derrota por 2 a 1 para Trinidad e Tobago em 10 de outubro de 2017, os EUA não conseguiram se classificar para a Copa do Mundo de 2018, perdendo o torneio pela primeira vez desde 1986.[29] Muitos especialistas e analistas consideraram este o pior resultado e pior desempenho da história da seleção.[30]

Sob Berhalter, a equipe perdeu na final da Copa Ouro de 2019 por 1 a 0 contra o México, negando-lhes a chance de se tornarem campeões consecutivos. Durante a pandemia de coronavírus, um influxo de novos jovens talentos começou a se transformar em uma série de jogadores que jogam nos principais clubes europeus, com Christian Pulisic, Weston McKennie, Tyler Adams, Yunus Musah, Brendan Aaronson, Sergiño Dest e Gio Reyna sendo alguns dos os nomes mais notáveis. Este novo grupo venceu a primeira Liga das Nações da CONCACAF em 2021 com uma vitória clássica por 3–2 contra o México na final. Um time totalmente diferente também venceu a Copa Ouro contra o México no final daquele verão. Com uma vitória amistosa por 1 a 0 sobre a Bósnia e Herzegovina em 18 de dezembro de 2021, a equipe estabeleceu um recorde do programa de vitórias em um ano, com 17 vitórias, 2 derrotas e 3 empates.[31] O grupo jovem tem sido amplamente descrito como a geração de ouro da América.[32]

Copa de 2022 no Catar[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos se classificaram para a Copa do Mundo de 2022 ao terminar em terceiro na rodada final de qualificação. A campanha de qualificação incluiu uma invencibilidade em casa e um empate fora para o México no Estádio Azteca.[33]

Em junho de 2018, a Copa do Mundo FIFA 2026 foi concedida aos Estados Unidos, Canadá e México, dando a todos os três países a qualificação automática.[34]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Continentais
Competição Títulos Anos
CONCACAF - Gold Cup.svg Copa Ouro 7 1991, 2002, 2005, 2007, 2013, 2017, 2021
Cup silver NA.png Liga das Nações da CONCACAF 1 2019–20

Outras conquistas[editar | editar código-fonte]

Competições[editar | editar código-fonte]

Registro de Copas do Mundo FIFA[editar | editar código-fonte]

Registro de Copas do Mundo FIFA
Ano Rodada Posição J V E D GF GC
Uruguai 1930 Terceiro-Lugar 3 2 0 1 7 6
Reino de Itália 1934 Oitavas de Final 16º 1 0 0 1 1 7
França 1938 Desistiu
Brasil 1950 Primeira-Fase 10º 3 1 0 2 4 8
Suíça 1954 Não se classificou
Suécia 1958
Chile 1962
Inglaterra 1966
México 1970
Alemanha 1974
Argentina 1978
Espanha 1982
México 1986
Itália 1990 Primeira-Fase 23º 3 0 0 3 2 8
Estados Unidos 1994 Oitavas de Final 14º 4 1 1 2 3 4
França 1998 Primeira-Fase 32º 3 0 0 3 1 5
Coreia do SulJapão 2002 Quartas de Final 5 2 1 2 7 7
Alemanha 2006 Primeira-Fase 25º 3 0 1 2 2 6
África do Sul 2010 Oitavas de Final 12º 4 1 2 1 5 5
Brasil 2014 Oitavas de Final 15º 4 1 1 2 5 6
Rússia 2018 Não se classificou
Catar 2022 Oitavas de Final 4 1 2 1 3 4
CanadáEstados UnidosMéxico 2026 Classificado
Total 0 Título 10/20 31 8 6 19 34 62

Registro de Copa das Confederações[editar | editar código-fonte]

Ano Rodada J V E D GF GC
Arábia Saudita 1992 Terceiro-Lugar 2 1 0 1 5 5
Arábia Saudita 1995 Não se classificou
Arábia Saudita 1997 Não se classificou
México 1999 Terceiro-Lugar 5 3 0 2 6 3
Coreia do Sul Japão 2001 Não se classificou
França 2003 Primeira-Fase 3 0 1 2 1 3
Alemanha 2005 Não se classificou
África do Sul 2009 Vice-Campeão 5 3 0 2 9 8
Brasil 2013 Não se classificou
Rússia 2017 Não se classificou
Total 0 título 15 7 1 7 21 19

Registro de Copa Ouro da CONCACAF[editar | editar código-fonte]

Ano Rodada J V E D GF GC
El Salvador 1963 Não se classificou
Guatemala 1965 Abandonou
Honduras 1967 Não se classificou
Costa Rica 1969 Não se classificou
Trindade e Tobago 1971 Não se classificou
Haiti 1973 Não se classificou
México 1977 Não se classificou
Honduras 1981 Não se classificou
1985 Primeira-Fase 4 2 1 1 4 3
1989 Vice-Campeão 8 4 3 1 6 3
Estados Unidos 1991 Campeão 5 4 1 0 10 3
México Estados Unidos1993 Vice-Campeão 5 4 0 1 5 5
Estados Unidos 1996 Terceiro-Lugar 4 3 0 1 8 3
Estados Unidos 1998 Vice-Campeão 4 3 0 1 6 2
Estados Unidos 2000 Quartas de Final 3 2 1 0 6 2
Estados Unidos 2002 Campeão 5 4 1 0 9 1
Estados Unidos2003 Terceiro-Lugar 5 4 0 1 12 3
Estados Unidos 2005 Campeão 6 4 2 0 11 3
Estados Unidos 2007 Campeão 6 6 0 0 13 3
Estados Unidos 2009 Vice-Campeão 6 4 1 1 12 8
Estados Unidos 2011 Vice-Campeão 6 4 0 2 9 6
Estados Unidos 2013 Campeão 6 6 0 0 20 4
Estados Unidos 2015 Semifinal 6 3 2 1 12 5
Estados Unidos 2017 Campeão 6 5 1 0 13 4
Costa RicaEstados UnidosJamaica 2019 Vice-Campeão 6 5 0 1 15 2
Estados Unidos 2021 Campeão 6 6 0 0 11 1
Total 7 títulos 97 73 13 11 182 61

Registro de Copa América[editar | editar código-fonte]

Registro de Copa América da CONMEBOL
Ano Rodada Posição J V E D GF GC
Equador 1993 Primeira-Fase 12º 3 0 1 2 3 6
Uruguai 1995 Semifinal 6 2 1 3 6 7
Venezuela 2007 Primeira-Fase 12º 3 0 0 3 2 8
Estados Unidos 2016 Semifinal 6 3 0 3 7 8
Total 0 Título 4/45 18 5 2 11 18 29

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Uniformes dos jogadores[editar | editar código-fonte]

  • Uniforme principal: Camisa branca, calção azul e meias brancas.
  • Uniforme reserva: Camisa azul, calção e meias azuis.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º uniforme

Fornecedor esportivo[editar | editar código-fonte]

Marca Período Notas
Alemanha Adidas[35] 1984–1994
Estados Unidos Nike 1995–presente O contrato se estende pelo menos até o final de 2022.[36]

Rivalidades internacionais[editar | editar código-fonte]

Derby Norte-Americano[editar | editar código-fonte]

A rivalidade entre México e Estados Unidos no futebol existe entre as equipes nacionais dos dois países, amplamente consideradas como as duas grandes potências da federação da CONCACAF. Partidas entre as duas nações muitas vezes atraem muita atenção da mídia, interesse do público e comentários em ambos os países, mas especialmente no México. Embora o primeiro jogo tenha sido disputado em 1934, a rivalidade não era considerada importante, até recentemente, com os jogos da Copa Ouro da CONCACAF.

Equipe Técnica[editar | editar código-fonte]

Cargo Nome
Técnico Estados Unidos Gregg Berhalter
Assistentes Técnicos Estados Unidos Alfonso Rosales
Estados Unidos Curt Onalfo
Estados Unidos Pat Noonan
Estados Unidos Vladimir Davids
Treinador de Goleiros Estados Unidos Matt Reis

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Os seguintes 26 jogadores foram convocados para a Copa do Mundo FIFA de 2022 no Qatar.

Atualizado até 9 de Novembro de 2022

Nome Posição Clube
Sean Johnson Goleiro Estados Unidos New York City
Matt Turner Goleiro Inglaterra Arsenal
Ethan Horvath Goleiro Inglaterra Luton Town
Cameron Carter-Vickers Zagueiro Escócia Celtic
Aaron Long Zagueiro Estados Unidos New York Red Bulls
Tim Ream Zagueiro Inglaterra Fulham
Walker Zimmerman Zagueiro Estados Unidos Nashville SC
Sergiño Dest Lateral-direito Itália Milan
Shaq Moore Lateral-direito Estados Unidos Nashville SC
Joe Scally Lateral-direito Alemanha Borussia Mönchengladbach
DeAndre Yedlin Lateral-direito Estados Unidos Inter Miami
Antonee Robinson Lateral-esquerdo Inglaterra Fulham
Kellyn Acosta Volante Estados Unidos Los Angeles FC
Tyler Adams Volante Inglaterra Leeds United
Luca de la Torre Meio-campo Espanha Celta de Vigo
Weston McKennie Meio-campo Itália Juventus
Yunus Musah Meio-campo Espanha Valencia
Cristian Roldán Meio-campo Estados Unidos Seattle Sounders
Brenden Aaronson Meia-ofensivo Inglaterra Leeds United
Giovanni Reyna Meia-ofensivo Alemanha Borussia Dortmund
Jordan Morris Ponta Estados Unidos Seattle Sounders
Christian Pulisic Ponta Inglaterra Chelsea
Jesús Ferreira Centroavante Estados Unidos FC Dallas
Josh Sargent Centroavante Inglaterra Norwich City
Timothy Weah Centroavante França Lille
Haji Wright Centroavante Turquia Antalyaspor
Gregg Berhalter Treinador


















Principais jogadores[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola» (em inglês). FIFA.com. 25 de agosto de 2022. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  2. Sports Illustrated. «USMNT to start 2018 World Cup qualifying in November of 2015» (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2015 
  3. «Dos Santos strike powers Mexico past U.S. in Final». web.archive.org. 25 de janeiro de 2021. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  4. «Jogo Holanda 3 x 1 Estados Unidos melhores momentos - Copa do Mundo da FIFA™, Oitavas de final - tempo real». ge. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  5. «/Project/USSF/2020 Article Images/04/MNT/MNTvMEX2TN». www.ussoccer.com (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  6. «Bert Patenaude, the forgotten hero who scored the first ever World Cup hat-trick». the Guardian (em inglês). 19 de julho de 2015. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  7. «Hat-Trick» (PDF). web.archive.org. 19 de novembro de 2006. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  8. «The Miracle on Grass». ESPN.co.uk. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  9. «USA shock England in 1950: The miracle on grass - FIFA.com». web.archive.org. 4 de julho de 2017. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  10. «The World Cup drought: US Soccer, 1950-1990». The Philly Soccer Page (em inglês). 10 de abril de 2014. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  11. Yannis, Alex (22 de abril de 1985). «U.S. SOCCER TEAM HINDERED». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  12. «CNNSI.com - Inside Game - Michael Lewis - Offside Remarks - CNNSI.com's Lewis: Learning from history - Friday November 10, 2000 07:29 PM». web.archive.org. 17 de junho de 2001. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  13. «World Cup 1986 Qualifying». www.rsssf.org. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  14. «CNNSI.com - Inside Game - Michael Lewis - Offside Remarks - CNNSI.com's Lewis: Escobar's memory lives on - Saturday July 01, 2000 02:07 PM». web.archive.org. 30 de abril de 2011. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  15. Clara, Por Victor CanedoSanta; EUA. «Escobar, 22 anos depois: Colômbia prepara homenagem contra os EUA». globoesporte.com. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  16. «tabela | copa do mundo 1994». ge. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  17. «Sampson destroyed U.S. unity with late changes to lineup». web.archive.org. 29 de março de 2006. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  18. «Coach: Alleged affair hurt '98 U.S. soccer team». ESPN.com (em inglês). 3 de fevereiro de 2010. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  19. «20 Years Later: Retracing the USMNT's 2002 World Cup Qualifying Run». www.ussoccer.com (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  20. «Ghana 2-1 USA» (em inglês). 22 de junho de 2006. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  21. «2006 FIFA World Cup Germany ™ - Matches - FIFA.com». web.archive.org. 24 de setembro de 2015. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  22. «U.S. continues dominance vs. Mexico in Gold Cup final - USATODAY.com». web.archive.org. 21 de agosto de 2014. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  23. «Egypt 0-3 USA» (em inglês). 21 de junho de 2009. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  24. «US 2-3 Brazil» (em inglês). 28 de junho de 2009. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  25. Goff, Steven (27 de junho de 2010). «USA vs. Ghana: In World Cup 2010, Americans eliminated by Ghana» (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  26. Manfred, Tony. «Why There Are So Many Germans On The US World Cup Team». Business Insider (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  27. «MLS News, Scores, & Standings». FOX Sports (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  28. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 1 de julho de 2016. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  29. Rogers, Martin. «U.S. men's national soccer team fails to qualify for 2018 World Cup». USA TODAY (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  30. Caley, Michael (11 de outubro de 2017). «The Worst Loss In The History Of U.S. Men's Soccer». FiveThirtyEight (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  31. «U.S. Men's National Team Defeat Bosnia and Herzegovina 1-0 to Set Record for Wins in a Calendar Year with 17». www.ussoccer.com (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  32. «USMNT golden generation? Why Pulisic, Reyna & Co. are on course to make a run at 2022 World Cup». ESPN.com (em inglês). 8 de dezembro de 2020. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  33. «The U.S. men's national soccer team qualifies for World Cup in Qatar». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  34. «Copa de 2026, com 48 seleções, será disputada nos EUA, México e Canadá». ge. Consultado em 3 de dezembro de 2022 
  35. «USMNT Jersey History». Soccer Over There 
  36. «Nike and U.S. Soccer renew long-term partnership that will extend relationship into fourth decade». U.S. Soccer. Chicago. 20 de dezembro de 2013. Consultado em 15 de fevereiro de 2017