Capitão (futebol)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A braçadeira de capitão oficial da FIFA.

O capitão de uma equipe de futebol é um membro do time escolhido para ser seu líder.

Geralmente, este é um jogador experiente e com boa caracterização com o clube, com o restante da equipe e com os torcedores. A única função prevista pelo capitão nas regras do futebol é participar do sorteio de campo, mas geralmente o capitão tem a função de dirigir a equipe dentro de campo e de conversar com o árbitro sobre as regras do jogo, não tendo obrigatoriedade de falar outros idiomas. No caso da equipe se tornar campeã de um determinado torneio, como a Copa do Mundo FIFA, cabe ao capitão também a função de levantar o troféu.

O capitão é sempre identificado por uma faixa colocada no braço e por cima do uniforme.

Capitães campeões em Copas do Mundo[editar | editar código-fonte]

Uruguai[editar | editar código-fonte]

Raúl com o troféu da Copa do Mundo de 1930.

Apesar de se tornar uma tradição em futuras edições, o primeiro troféu de Copa do Mundo não foi entregue ao capitão da Seleção. Em 1930, após o Uruguai bater a Argentina na decisão, José Nasazzi, o líder da equipe, não recebeu o troféu de Jules Rimet e sim o presidente da Associação Uruguaia, Raúl Jude.[1]

A segunda final do Uruguai aconteceu em 1950. Disputada no Brasil, a seleção enfrentou os anfitriões em um momento histórico em Copas do Mundo. Após uma virada histórica, os uruguaios frustraram o sonho de quase 200 mil brasileiros que estavam no Maracanã assistindo a decisão. O dia foi tão soturno para os torcedores da Amarelinha que o evento foi conhecido como Maracanaço.[2] Obdulio Varela, o capitão do Uruguai na ocasião, foi o primeiro jogador a levantar uma taça de Copa do Mundo no local que é conhecido como o Templo do Futebol.[3]

Itália[editar | editar código-fonte]

Meazza recebendo o troféu da Copa do Mundo de 1938.

Em 1934, o goleiro Gianpiero Combi foi escolhido capitão e ajudou a equipe a liderar sua campanha até a final contra a Tchecoslováquia. Apesar de Gianpiero ter levado o primeiro gol do jogo, os italianos viraram a partida rapidamente e garantiram o primeiro troféu da história do país. Assim, eles também viraram a primeira Seleção a vencer uma Edição de Copa do Mundo jogando em seu próprio território.[4]

Quatro anos depois, em 1938, o lendário Giuseppe Meazza foi o comandante da Itália que chegou à decisão diante a Hungria de György Sárosi. Apesar do capitão adversário, o já referido Sárosi, ter marcado um gol no jogo, os italianos souberam resistir aos húngaros e levaram a taça pela segunda vez consecutiva. O próximo mundial só ocorreria em 1950, pois as edições de 1942 e 1946 foram canceladas graças a Segunda Guerra Mundial.[5]

Cannavaro com o troféu da Copa do Mundo em 2006.

Sobre as conquistas consecutivas, e a Segunda Guerra Mundial, o líder fascista Benito Mussolini foi uma das figuras políticas que mais utilizou do pretexto da competição para realizar propagandas pró-fascismo na Itália. Na final de 1938, o ditador enviou telegramas aos jogadores de seu país que continham a frase "Vencer ou Morrer!". [6]

A Itália só iria conquistar seu terceiro troféu em 1982. Na ocasião, o goleiro Dino Zoff teve o trabalho de parar o ataque alemão e conseguiu ajudar no tri de sua Seleção após uma vitória segura por 3 a 1.[7]

Após mais de duas décadas, os italianos puderam reconquistar o mundo em 2006. No jogo decisivo, Fabio Cannavaro esteve a frente do elenco que venceu a França nas penalidades e conquistou o tetracampeonato. Com isso, a Azzurra tornou-se a primeira seleção europeia a conquistar quatro títulos mundiais.[8]

O desempenho de Fabio foi tão exímio naquela temporada que o jogador foi condecorado como o Melhor Jogador do Mundo de 2006, após receber a Bola de Ouro.[9]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Depois de ficarem de fora da Copa do Mundo de 1950, após a sua participação na Segunda Guerra Mundial, a Alemanha retornou a competição em 1954.[10] Todavia, com a divisão nacional que havia no país em decorrência da Guerra Fria, apenas a Alemanha Ocidental conseguiu disputar a decisão após resultados favoráveis no decorrer dos jogos.[11][12]

Lá, o capitão Fritz Walter pôde contemplar o primeiro troféu de um país que outrora havia sido assolado pela Guerra. Após uma surpreendente virada diante a Hungria de Ferenc Puskás, os alemães derrotaram seus adversários em solo suíço e retornaram para seu país dividido com seu primeiro troféu mundial.[12]

Walter havia participado da Segunda Guerra mundial do lado dos nazistas, pois havia sido convocado em 1942 para defender o seu país. Contudo, após o final do Conflito, o jogador foi feito prisioneiro dos russos e foi mandado para o leste do país, onde esperava-se que ele morresse. Nesse trajeto, o jogador contraiu malária e teve de se recuperar em um campo detenção na Ucrânia. Foi nesse local que o futuro capitão alemão foi salvo por um soldado húngaro. O militar contou aos russos que Fritz não era alemão, mas sim austríaco. Desse modo, o exército soviético liberou o atleta que iria fazer história com a sua Seleção nacional.[13]

O jogador ficou tão popular após a conquista que tornou-se o capitão honorário da Seleção e teve seu nome eternizado em um estádio que recebera o seu nome.[13]

O elenco Alemão campeão da Copa de 1974 (Franz Beckenbauer com a Taça nas mãos).

Em 1974, a Alemanha Ocidental conseguiu levantar o troféu de campeã novamente. O embate na final era forte, Franz Beckenbauer iria encontrar-se com Johan Cruijff. Os dois capitães eram uma das principais figuras futebolísticas dos anos 70.[14][15]

No entanto, mesmo com a Holanda saindo na frente no placar, os alemães viraram o jogo e conquistaram o título na cidade de Munique, ou seja, na parte Ocidental da Alemanha.[14]

Franz foi o primeiro jogador a levantar a Taça em seu novo formato. Antes, o objeto era feito para representar Nice (a deusa da vitória), e era chamado de Taça Jules Rimet. Após a mudança de visual, que agora se assemelhava a figuras humanas carregando o Planeta Terra, o troféu foi simplesmente chamado de "Troféu da Copa do Mundo da FIFA".[14]

Em 1990, o Kaiser, como era chamado Beckenbauer, foi novamente campeão do mundo. Todavia, fizera a campanha inteira como treinador. Quem liderou a equipe foi Lothar Matthäus, que viu a Alemanha Ocidental conquistar mais um troféu para si.[16]

Lahm, o capitão da Alemanha em 2014, com o troféu de Campeão.

Apesar de ainda haver uma divisão, o Muro de Berlim havia sido demolido um ano antes e haveria uma reunificação entre os lados Oriental e Ocidental, mas isso só ocorreu um mês depois da final da competição. Unidos em um só, a Alemanha passou a ser considerada tricampeã. [17][18]

No ano de 2014, 40 anos após o primeiro título, foi a primeira vez que os alemães puderam conquistar uma Copa do Mundo de maneira unificada. Repetindo o adversário de 1990, a Alemanha derrotou a Argentina e foi a vez de Philipp Lahm comemorar com o troféu dourado. Ele foi o segundo jogador a ganhar a taça dessa competição no Maracanã.[19]

Brasil[editar | editar código-fonte]

O primeiro capitão brasileiro a levantar o troféu foi Bellini.[20] Em 1958, após vencerem a Suécia, o zagueiro eternizou a maneira de se levantar o objeto dourado: erguê-la sob a cabeça. O gesto foi tão memorável que os capitães seguintes repetiram o movimento no momento da comemoração.[21]

Bellini com a Taça da Copa do Mundo de 1958, conquistada na Suécia.

Após ele, um novo capitão surge em 1962: Mauro Ramos. A escolha de Mauro como líder se deveu ao fato de Bellini, o titular, ter sido substituído em três jogos durante as preparações para Copa do Mundo. Com o Brasil vencendo todas essas partias, o substituto do zagueiro anterior firmou-se no elenco. Em outra versão, dita pelo próprio Mauro, o jogador conta que reclamou sua titularidade, pois voltaria para casa caso não conseguisse o posto.[22]

Zagallo (com a mão na Taça) e Carlos Alberto comemorando o título da Copa do Mundo, em solo brasileiro, no ano de 1970.

Seguindo a lista, em 1970, Carlos Alberto Torres garantiu o tricampeonato para Seleção Canarinho após fechar a goleada de 4 a 1 diante a Itália (liderada por Giacinto Facchetti). Esse seu momento foi tão marcante na sua carreira que ele ficou conhecido para sempre como O Capita e Capitão do Tri.[23] Carlos não foi o primeiro capitão a fazer um gol em uma final de Copa do Mundo, mas foi o primeiro a fazer isso e sair com o título.[5][24][25]

Carlos alega ter sido o responsável por inventar outro gesto muito famoso, e replicado, na história das Copas. O brasileiro beijou o objeto momento antes de ter colocado ele sob a cabeça e marcou uma nova maneira de se comemorar um título.[26]

Como o Brasil havia sido a primeira Seleção a levar a Taça Jules Rimet por três vezes, a Delegação brasileira pôde levar o troféu original consigo de volta para casa. Contudo, o objeto foi roubado em 1983 e nunca mais foi recuperado.[27]

A exemplo da Itália, os oficiais brasileiros também utilizaram da conquista da Copa do Mundo de 1970 como uma propaganda política. Após retornarem ao país de origem, os jogadores brasileiros foram para o Palácio da Alvorada e foram recebidos por Emílio Médici (descendente de italianos), o presidente do Brasil durante a Ditadura Militar.[28]

Dunga com o troféu da Copa do Mundo em 2007. Ao seu lado, o Presidente Lula.

Para conquistar o tetracampeonato, Dunga liderou a equipe até a final contra a Itália, em 1994, e chegou a acertar a última cobrança brasileira naquela disputa por pênaltis. O jogador ajudou a Seleção a sair de um jejum de 24 anos sem um troféu de Copa do Mundo.[29]

Após a conquista do tetra, a Seleção Brasileira tratou de homenagear um dos maiores ídolos brasileiros da Fórmula 1. 50 dias antes da Amarelinha estrear na Copa, Ayrton Senna havia falecido em um acidente fatal no dia 1º de maio de 1994. Por isso, os atletas brasileiros se uniram para homenagear o piloto com uma faixa.[30][31]

O goleiro do tetra, Taffarel, afirmou que, após a morte de Senna, os atletas se reuniram para "vencer a Copa" por ele. O arqueiro também disse que a espírito que tiveram na competição foi dado por Ayrton.[31] A música tema da Seleção Brasileira naquela edição foi justamente a mesma usada nas vitórias do piloto na Fórmula 1.[30]

Em 2002, por conta de uma lesão do capitão Emerson em um treinamento,[32] coube a Cafu liderar a Seleção Brasileira até a decisão contra a Alemanha de Oliver Kahn. Depois do apito final, o Brasil conquistou o pentacampeonato após terem chegado em três finais consecutivas (1994, 1998 e 2002). Naquele momento histórico, o líder brasileiro proferiu uma frase que também ficou marcada para si: "Regina, eu te amo!", Regina era sua esposa na época. Além disse, o defensor usava uma camisa com os dizeres "100% Jardim Irene". [33][34]

Inglaterra[editar | editar código-fonte]

Bobby e a Rainha em 1966.

Em solo inglês, a Inglaterra conseguiu chegar na decisão pela primeira vez em 1966. Após uma grande campanha na Fase de Grupos, os ingleses chegaram à partida final contra a Alemanha Ocidental e fizeram um jogo intenso. Após empate em tempo normal, os anfitriões conseguiram superar o adversário e Bobby Moore recebeu a taça de campeão diretamente da Rainha Elizabeth II.[35]

Dois anos antes de sagrar-se campeão, Bobby havia vencido um câncer no testículo. E após a vitória, o jogador tornou-se um dos atletas mais lendários de seu país.[35] Em 2007, ele ganhou uma estátua que está atualmente na frente de Wembley, no mesmo estádio que ele levantou seu troféu.[36]

Argentina[editar | editar código-fonte]

Em 1978, a Argentina conseguiu conquistar o seu primeiro troféu mundial. Após derrotarem a vice-campeã da Copa do Mundo anterior na prorrogação, Daniel Passarella pôde se tornar o primeiro argentino a levantar a Taça como Campeão do Mundo.[37]

Em 1986, a seleção sul-americana pôde de novo conquistar o Mundo. Após um jogo muito duro, que culminou em seis cartões amarelos no jogo, Diego Maradona foi condecorado com o troféu mais cobiçado por vencerem a Alemanha Ocidental pelo placar de 3 a 2.[38]

Maradona com o troféu da Copa de 1986.

A conquista também rendeu homenagens aos argentinos que foram mortos pelos ingleses na Guerra das Malvinas (ocorrido em 1982). As seleções tiveram a oportunidade de se enfrentarem naquela Copa e na partida Diego marcou dois gols, sendo um deles um tento irregular, pois foi marcado com a mão, mas não assinalado pelo árbitro. O lance ficou conhecido como La Mano de Dios (a mão de Deus).[39]

Em 2022, os argentinos puderam conquistar o mundo pela terceira vez. Liderados pelo craque Lionel Messi, a seleção argentina derrotou a França, a atual campeã, com uma performance irretocável do capitão. Messi marcou dois gols no tempo normal e converteu suas cobranças na penalidade e pôde dar o título mais almejado pela população local.[40][41]

Messi foi campeão em 2022 após ter perdido a final da Copa em 2014.

Após a vitória, Messi conseguiu conquistar mais uma Bola de Ouro em sua carreira. Além disso, sua foto com o troféu da Competição tornou-se a imagem mais curtida da história do Instagram.[42]

França[editar | editar código-fonte]

A Seleção Francesa conseguiu conquistar o seu primeiro título em 1998. Na partida contra o Brasil, Didier Deschamps comandou seu país para derrotar o time liderado por Dunga, que havia sido campeão em 1994[29], e puderam conquistar o seu título mundial após vencerem por 3 a 0.[43]

Seguindo o exemplo de Franz Beckenbauer, Deschamps esteve novamente participando da campanha vitoriosa da França na Copa de 2018. No entanto, fizera o papel de técnico, bem como o Kaiser outrora.[16] Em campo, o goleiro Hugo Lloris chegou a levar dois gols, mas teve a honra de levantar o troféu dourado ao apito final depois de ver seu país derrotar a Croácia por 4 a 2.[44]

A diversidade ética e racial da França na Copa do Mundo de 2018.

A seleção francesa, nas duas primeiras conquistas, foi marcada pela forte presença de jogadores naturalizados. Além de atletas nascidos na França, haviam muitos africanos, americanos e até árabes presentes nos esquadrões campeões.[45] Por conta disso, muitos franceses eram preconceituosos com os atletas que possuíam uma origem diferente da local.[46][45][47]

Deschamps já havia se colocado contra as manifestações racistas de torcedores franceses[48], mas foi acusado por Karim Benzema, atleta de origem argelina, a não convocá-lo para Seleção por conta de uma pressão que adeptos xenofóbicos faziam em relação a ele.[47]

Espanha[editar | editar código-fonte]

Iker (beijando a Taça) comemorando com seus companheiros a conquista da Copa de 2010.

A Furia conseguiu conquistar seu primeiro título em 2010. Durante a partida final na África do Sul, os espanhóis bateram a Holanda na prorrogação e Iker Casillas, além de não ter levado nenhum gol, foi o goleiro responsável por levantar o troféu da competição de futebol mais importante do Mundo.[49][50]

Sobre a final, Iker tratou de salientar a importância do esporte e como ele pode fazer com que determinados assuntos delicados sejam "esquecidos" por conta do sucesso de sua seleção na Copa:[51]

Copa Capitão Seleção
1930   José Nasazzi   Uruguai Uruguai
1934   Gianpiero Combi   Itália Itália
1938   Giuseppe Meazza   Itália Itália
1950   Obdulio Varela   Uruguai Uruguai
1954   Fritz Walter   Alemanha Alemanha Ocidental
1958   Bellini   Brasil Brasil
1962   Mauro   Brasil Brasil
1966   Bobby Moore   Inglaterra Inglaterra
1970   Carlos Alberto Torres   Brasil Brasil
1974   Franz Beckenbauer   Alemanha Alemanha Ocidental
1978   Daniel Passarella   Argentina Argentina
1982   Dino Zoff   Itália Itália
1986   Diego Maradona   Argentina Argentina
1990   Lothar Matthäus   Alemanha Alemanha
1994   Dunga   Brasil Brasil
1998   Didier Deschamps   França França
2002   Cafu   Brasil Brasil
2006   Fabio Cannavaro   Itália Itália
2010   Iker Casillas   Espanha Espanha
2014   Philipp Lahm   Alemanha Alemanha
2018   Hugo Lloris   França França
2022   Lionel Messi   Argentina Argentina

Recordes[editar | editar código-fonte]

Rogério Ceni é o jogador que mais vezes usou a braçadeira de capitão por um mesmo clube. Em 982 oportunidades, o goleiro do São Paulo conseguiu ser o líder de sua equipe em uma época muito vitoriosa do tricolor.[52]

Ver também[editar | editar código-fonte]

  1. «Copa do Mundo de 1930» (PDF) 
  2. «"Façanha eterna": federação uruguaia relembra 70 anos do Maracanazo». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  3. Globo.com, GloboEsporte com /. «Euforia uruguaia reflete a história de um futebol que acordou após 60 anos». Gazeta do Povo. Consultado em 18 de abril de 2024 
  4. «Copa do Mundo 1934 - Itália | globoesporte.com». ge.globo.com. Consultado em 18 de abril de 2024 
  5. a b «Final da Copa de 1938, França: Resultado dos jogos - UOL Copa do Mundo». copadomundo.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  6. «Futebol e nazi-fascismo: Esporte serviu propaganda de Mussolini e Hitler». educacao.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  7. «Com a morte de Paolo Rossi, Azzurra campeã mundial em 1982 perde seu segundo herói». ge. 10 de dezembro de 2020. Consultado em 18 de abril de 2024 
  8. «Escola da prancheta: dos 23 campeões do mundo com a Itália em 2006, 11 viraram técnicos e um foi condenado à prisão; veja onde estão todos». ESPN.com. 22 de setembro de 2018. Consultado em 18 de abril de 2024 
  9. «Cannavaro desbanca Ronaldinho e leva Bola de Ouro - 27/11/2006 - UOL Esporte - Futebol». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  10. «O Capitão que sobreviveu a Guerra» 
  11. «Copa do Mundo 1950 - Brasil | globoesporte.com». ge.globo.com. Consultado em 18 de abril de 2024 
  12. a b «1954: Alemanha Ocidental vence sua primeira Copa do Mundo – DW – 04/07/2022». dw.com. Consultado em 18 de abril de 2024 
  13. a b «Lado B da Bola: O capitão que sobreviveu à guerra, venceu Puskas e reergueu a Alemanha». ESPN. Consultado em 18 de abril de 2024 
  14. a b c «Alemanha Ocidental na Copa de 1974» 
  15. «History of the World Cup: 1974 – Beckenbauer vs. Cruyff». www.sportsnet.ca (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2024 
  16. a b «Matthaus e a copa de 1990» 
  17. «EinigVtr - Vertrag zwischen der Bundesrepublik Deutschland und der Deutschen Demokratischen Republik über die Herstellung der Einheit Deutschlands». www.gesetze-im-internet.de. Consultado em 18 de abril de 2024 
  18. «A reunificação da Alemanha». RTP Ensina. Consultado em 18 de abril de 2024 
  19. efe. «Lahm celebra título alemão: "Era um sonho poder ter a taça nas minhas mãos"». Terra. Consultado em 18 de abril de 2024 
  20. «Primeiro capitão campeão pelo Brasil revoluciona o futebol 64 anos depois». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  21. «O gesto de erguer a taça, que Belini eternizou em 1958, surgiu do acaso». Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 18 de abril de 2024 
  22. «Capitão do bi ameaçou abandonar concentração se não fosse titular do Brasil». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  23. «Carlos Alberto Torres, legado» 
  24. «Melhores momentos: Alemanha 3 x 2 Hungria pela final da Copa do Mundo de 1954». ge. Consultado em 18 de abril de 2024 
  25. «50 anos do Tri: Brasil x Itália - Final da Copa do Mundo de 1970». Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 18 de abril de 2024 
  26. lance. «Legado do Capita! Veja outros jogadores que beijaram troféus». Terra. Consultado em 18 de abril de 2024 
  27. «:: Pernambuco.com - Diario ::». web.archive.org. 14 de julho de 2014. Consultado em 18 de abril de 2024 
  28. Pires, Breiller (7 de junho de 2020). «A seleção que 'presenteou' a ditadura com uma taça». El País Brasil (em espanhol). Consultado em 18 de abril de 2024 
  29. a b Nicolas, Anuar Sayed (17 de julho de 2020). «Há 26 anos, Brasil quebrava o jejum e conquistava a quarta Copa do Mundo». Gazeta Esportiva. Consultado em 18 de abril de 2024 
  30. a b «Por onde anda a faixa em homenagem a Senna que a seleção exibiu no tetra?». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  31. a b «Taffarel tem orgulho e ter vencido Copa por Senna.» 
  32. «Cafu revela pedido feito a Emerson após lesão que tirou volante da Copa». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  33. «Como 'arroz de festa' Cafu tem imagem forte, mesmo 20 anos depois do penta». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  34. «Pelé na Copa de 2002» 
  35. a b «Campeão do mundo em 1966, inglês Bobby Moore teve que vencer câncer antes do Mundial». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  36. «Estátua de Bobby Moore é inaugurada no novo Wembley - 11/05/2007 - UOL Esporte - Futebol». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  37. «Copa do Mundo 1978 - Argentina | globoesporte.com». ge.globo.com. Consultado em 18 de abril de 2024 
  38. RedeTV! (22 de junho de 2016). «Maradona relembra título da Copa de 1986: "Peço a Deus que exista um time igual aquele"». RedeTV! - Esportes (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2024 
  39. «La Mano de Dios». Wikipédia, a enciclopédia livre. 21 de janeiro de 2023. Consultado em 18 de abril de 2024 
  40. CNN, Da. «"Eu sabia que Deus ia me dar uma Copa do Mundo", diz Lionel Messi». CNN Brasil. Consultado em 18 de abril de 2024 
  41. bbcnewsbrasil. «Argentina ganha a Copa de 2022 e é tricampeã mundial». Terra. Consultado em 18 de abril de 2024 
  42. «Foto de Messi vira a mais curtida do Insta, mas 'ovo' quer posto de volta». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  43. «Copa do Mundo 1998 - França | globoesporte.com». ge.globo.com. Consultado em 18 de abril de 2024 
  44. Lance! (11 de dezembro de 2022). «Quem disputou e quanto foi a final da Copa do Mundo de 2018? - Lance!». Quem disputou e quanto foi a final da Copa do Mundo de 2018? - Lance!. Consultado em 18 de abril de 2024 
  45. a b «Os dois lados da migração: França tem 19 "gringos" na seleção e 29 nativos em outros países da Copa». ge. 14 de junho de 2018. Consultado em 18 de abril de 2024 
  46. «Mbappé, Dembélé e Tchouameni: Por que há tantos jogadores negros na França?». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  47. a b Globoesporte.comMadri, Por (31 de maio de 2016). «Benzema critica Deschamps: "Ele cedeu à pressão racista da França"». globoesporte.com. Consultado em 18 de abril de 2024 
  48. «Didier Deschamps sobre caso de racismo no PSG: "Inaceitável e intolerável"». www.uol.com.br. Consultado em 18 de abril de 2024 
  49. «Capitão Casillas celebra décima taça do Real: 'Maior que a Copa do Mundo'». ESPN. Consultado em 18 de abril de 2024 
  50. «Campeão da Copa de 2010, Iker Casillas anuncia aposentadoria». R7 Esporte. 4 de agosto de 2020. Consultado em 18 de abril de 2024 
  51. «Para Casillas, sucesso da Espanha na Copa faz país esquecer crise econômica». ESPN. Consultado em 18 de abril de 2024 
  52. Paulo, Por Carlos Augusto FerrariSão (20 de abril de 2014). «Rogério Ceni recebe três certificados do Guinness: jogos, gols e capitão». globoesporte.com. Consultado em 18 de abril de 2024