Copa do Mundo FIFA de 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sports icon.png
Este artigo ou seção contém informações sobre um evento desportivo que ainda não ocorreu.
É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente à medida que novas informações estiverem disponíveis.
Copa do Mundo FIFA de 2018
2018 FIFA World Cup / Чемпионат мира по футболу 2018
Russia 2018
FIFA World Cup 2018.png
Logomarca oficial da competição.
Dados
Participantes 32
Organização FIFA
Anfitrião  Rússia
Período 14 de junho15 de julho
Gol(o)s Não disponível
◄◄ Brasil 2014 Soccerball.svg Catar 2022 ►►

A Copa do Mundo FIFA de 2018 ou Campeonato Mundial de Futebol FIFA de 2018 será a vigésima primeira edição deste evento esportivo, um torneio internacional de futebol masculino organizado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA), que ocorrerá na Rússia, anfitriã da competição pela primeira vez.[1] Com onze cidades-sede, o campeonato será disputado entre 14 de junho e 15 de julho. A edição de 2018 será a primeira realizada no Leste Europeu e a décima primeira realizada na Europa, depois de a Alemanha ter sediado o torneio pela última vez no continente em 2006.

Esta edição da Copa do Mundo, juntamente com a Universíada de Verão de 2013 e os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, que também foram realizados em território russo, são os primeiros eventos esportivos de importância mundial realizados no país desde os Jogos Olímpicos de Verão de 1980. A FIFA escolheu o país por causa do aumento do interesse da população russa no futebol, graças a investimentos financeiros no esporte, do aumento da importância da Primeira Liga Russa e a migração de jogadores estrangeiros para o país, além da ascensão econômica da Rússia após a dissolução da União Soviética em 1991. Os outros países que se candidataram à sede da competição foram a Inglaterra e as candidaturas conjuntas de Holanda/Bélgica e Portugal/Espanha. A Rússia pretende construir 11 estádios em suas principais cidades da parte europeia do país.

O governo russo pretende entregar todas as obras para a Copa do Mundo da FIFA 2018 um ano antes do torneio.[2] Joseph Blatter, ex-presidente da FIFA, afirmou que as organizações estão mais avançadas em comparação com as obras do Brasil, que sediou a edição anterior.[3] Em 28 de março de 2017, a seleção brasileira foi a primeira seleção além do país-sede, Rússia, a se classificar para a Copa do Mundo de 2018.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Candidatura[editar | editar código-fonte]

Anúncio de vitória da Rússia como país-anfitrião do evento.

A Rússia anunciou o seu interesse em organizar a Copa do Mundo FIFA, no ínício do ano de 2009 e conseguiu inscrever sua postulação a tempo.[5]. O então primeiro-ministro Vladimir Putin afirmou oficialmente o interesse e nomeou um antigo ministro dos esportes para ser presidente do então Comitê de Candidatura. De acordo com o governo federal da Rússia, o país podia gastar mais de US$ 10 bilhões de dólares para organizar o evento.[6][7] 14 cidades estavam incluídas na candidatura e estariam divididas em quatro clusters: o cluster norte centralizado em São Petersburgo, o cluster central centralizado em Moscou, a parte sul centralizada em Sóchi e a parte do rio Volga. Apenas uma cidade estaria na Rússia asiática: Ecaterimburgo. As outras cidades serão: Rostov do Don, Iaroslavl, Nijni Novgorod, Cazã, Saransk, Samara, Sóchi e Volgogrado.[8] O país não possui um estádio com mínimo capacidade para 80.000 pessoas, mas o Estádio Luzhniki em Moscou,que é considerado um estádio de elite pela UEFA, tem uma capacidade para 78 mil e será ampliado para o evento. Um aspecto positivo da candidatura eram as infraestruturas que estarão disponíveis após os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 e da Universíada de Verão de 2013.[9]

Logotipo da candidatura russa.

Processo de escolha[editar | editar código-fonte]

A eleição da sede da copa do mundo de 2018 aconteceu em 2 de dezembro de 2010. Rússia poderá ser retirada como anfitriã se opor a FIFA ou em casos parecidos. Para a Copa de 2018, somente países europeus (Bélgica/Países Baixos, Inglaterra, e Portugal/Espanha) foram os candidatos para o evento. No mesmo dia, em outra votação, dessa vez para a Copa do Mundo FIFA de 2022, que será realizada no Catar.

Vinte e dois membros do Comitê Executivo da FIFA tiveram direito a voto. Uma maioria absoluta de 12 votos foi necessária para a definição de cada país-sede.

XXI Copa do Mundo FIFA de 2018
Congresso Ordinário da FIFA
2 de dezembro de 2010, em Zurique, Suíça.
2018 FIFA World Cup bidding countries.svg
Legenda:
  País vencedor.
  Eliminado na votação.
  Desistiu de sediar.
Países candidatos 1ª Rodada[st] 2ª Rodada[nd]
 Rússia 9 13
Flag of Spain.svg Espanha e  Portugal 7 7
 Bélgica e  Países Baixos 4 2
 Inglaterra 2
  • st. ^ Como não houve maioria absoluta, a Inglaterra foi eliminada por ter o menor número de votos.
  • nd. ^ A Rússia foi eleita quando obteve o maior número de votos absolutos.

Eliminatórias[editar | editar código-fonte]

  País qualificado para a Copa do Mundo
  País pode se qualificar
  País não se qualificou com jogos ainda a jogar
  País não se qualificou
  País impedido pela FIFA de disputar as eliminatórias
  País não é membro FIFA

Trinta e duas seleções participam na competição, e a russa não precisou disputar eliminatórias por ser a anfitriã. A distribuição das vagas pelas confederações continentais foi divulgada pelo Comitê Executivo da FIFA em maio de 2015, sem alterações em relação à edição anterior. A princípio a União das Federações Europeias de Futebol (UEFA) reiterava mais uma vaga para o continente europeu, porém a FIFA não cedeu e manteve inalterada a divisão das vagas até a edição seguinte no Qatar. Assim, continuaram treze vagas para a UEFA (sem incluir a vaga da anfitriã Rússia), cinco para a CAF, quatro para a CONMEBOL, quatro para a AFC e três para a CONCACAF. Alem disso, a repescagem intercontinental ocorre entre uma seleção da AFC e da CONCACAF e outra entre uma da CONMEBOL e da OFC, que não possui vaga garantida direta ao mundial.

Sorteio[editar | editar código-fonte]

Sorteio das eliminatórias, realizado no Konstantinovsky Palace, em São Petesburgo.

O sorteio de qualificação para a Copa de 2018 foi realizado no Konstantinovsky Palace, em São Petesburgo, no dia 25 de julho de 2015. Como país anfitrião, a Rússia se qualifica automaticamente para o torneio.[10][11][12]

Pela primeira vez, todas as 209 nações filiadas à FIFA inscreveram-se para participar das eliminatórias, porém as seleções de Zimbábue e Indonésia não puderam participar das disputas devido a problemas envolvendo as federações de ambos os países e a FIFA.[13] Estas eliminatórias também marcam a estreia do Kosovo, de Gibraltar, do Butão e do Sudão do Sul nas eliminatórias.[14]

A cerimônia de sorteio das eliminatórias definiu os grupos e confrontos de todas as regiões.

  • AFC: 43 times competem por 4 vagas diretas para a Copa e 1 vaga para a repescagem intercontinental, que será disputada em jogos de ida e volta contra o 4º colocado das eliminatórias da CONCACAF
  • CAF: 52 times competem por 5 vagas diretas para a Copa;
  • CONCACAF: 35 times competem por três vagas diretas para a Copa e 1 vaga para a repescagem intercontinental, que será disputada em jogos de ida e volta contra o 5º colocado das eliminatórias asiáticas
  • CONMEBOL: 10 times competem por 4 vagas diretas para a Copa e 1 vaga para a repescagem intercontinental, que será disputada em jogos de ida e volta contra o vencedor da OFC
  • OFC: 11 times competem por uma vaga para a repescagem intercontinental, que será disputada em jogos de ida e volta contra o 5º colocado das eliminatórias da CONMEBOL
  • UEFA: 54 times competem por 13 vagas diretas para a Copa.

Seleções qualificadas[editar | editar código-fonte]

Confederação Seleção Classificada como Data em que a classificação foi assegurada Aparições em Copas do Mundo Aparições consecutivas Última aparição Melhor resultado anterior
UEFA
(12 vagas + país-sede)
Flag of Russia.svg Rússia País-sede 2 de outubro de 2010 10[a] 2 2014 Quarto lugar (1966)[a]
AFC
(4 vagas + 1)
Flag of Iran.svg Irã[15] Vencedor do grupo A 12 de junho de 2017 5 2 2014 Fase de grupos (1978, 1998, 2006, 2014)
CONMEBOL
(4 vagas + 1)
Brasil Brasil[16] Sem posição definida 29 de março de 2017 21 21 2014 Campeão (1958, 1962, 1970, 1994, 2002)

a. ^ Rússia participou de sete mundiais anteriores como União Soviética (1958–1990).

Sedes[editar | editar código-fonte]

A Rússia propôs as cidades de Kaliningrado, Kazan, Krasnodar, Moscou, Nizhny Novgorod, Rostov-on-Don, São Petersburgo, Samara, Saransk, Sóchi, Volgogrado, Yaroslavl, e Ecaterimburgo.[17] Todas as cidades estão localizados na Rússia Europeia, com exceção de Ecaterimburgo, que está localizada na Rússia Asiática, decisão que foi tomada para reduzir o tempo de viagem entre as sedes. Serão 11 cidades-sede e 12 estádios, uma cidade a mais que a exigência da FIFA. Desses 12 estádios, dois serão reformados e dez foram reconstruídos.[18]

Por questões de logística, a Rússia diminuiu o número de estádios de 16 para 14. A construção de um estádio em Podolsk,cidade próxima a Moscou, foi cancelada pelo governo regional por questões de custos. Já em Moscou, o Dynamo Stadium foi eliminado da lista, respeitando os estatutos do evento,assim permaneceram o tradicional Luzhniki e a nova Otkrytie Arena.As regras do evento,colocam que uma cidade no máximo tenha dois estádios.[19]

O anúncio oficial das cidades-sede foi feito em 29 de setembro de 2012. O número de cidades foi posteriormente reduzido para 11 e o número de estádios para 12, após as cidades de Krasnodar e Yaroslavl serem cortadas da lista.[20]

Em outubro de 2014, em sua primeira visita oficial à Rússia, a comissão de inspeção da FIFA e o coordenador do evento Chris Unger visitaram São Petersburgo, Sóchi, Cazã e Moscou e ficaram satisfeitos com o progresso dos estádios.[21]

Em 8 de outubro de 2015, a FIFA e o Comitê Organizador Local aprovaram os nomes oficiais dos estádios utilizados durante o torneio.[22]

Moscou (Moscovo) São Petersburgo Kaliningrado
Estádio Luzhniki Otkrytie Arena
(Estádio Spartak)
Estádio Krestovsky
(Estádio de São Petersburgo)
Estádio de Kaliningrado
Capacidade: 81,000
(reformado)
Capacidade: 45,360
(novo)
Capacidade: 68,134
(reconstruído)
Capacidade: 35,212
(novo)
Стадион Лужники (29 марта 2017) · 26.jpg Stadium Spartak in Moscow.jpg RUS-2016-Aerial-SPB-Krestovsky Stadium 01.jpg Kaliningrad-stadium-march-2017-0001.jpg
Cazã Nizhny Novgorod
Kazan Arena
(existente)
Estádio de Nizhny Novgorod
Capacidade: 45.105[23]
(existente)
Capacidade: 44.899
(novo)
RubinKazanNewStadium.png Nizhny novogrod strielka arena.jpg
Samara Volgogrado
Cosmos Arena
(Arena de Samara)
Arena Volgogrado
(reconstruído)
Capacidade: 44.918
(novo)
Capacidade: 45.015
(novo)
Самара Арена Апрель2.png Construction of Volgograd Arena outside 01.jpg
Saransk Rostov do Don Sóchi Ecaterimburgo
Arena Mordovia Arena Rostov Estádio Olímpico de Fisht
(Estádio Fisht)
Estádio Central
(Arena de Ecaterimburgo)
Capacidade: 45.015
(novo)
Capacidade: 43.702
(novo)
Capacidade: 47.659
(existente)
Capacidade: 44.130
(reformado)
Mordovia-Arena stadium(building).jpg Rostov Arena 21.05.2017.jpg Fisht Stadium.jpg EstadioCentral2017-01-26.jpg

Fase de grupos[editar | editar código-fonte]

Sorteio[editar | editar código-fonte]

O sorteio final para a fase de grupos ocorrerá em 1 de dezembro de 2017, em Moscou.[24]

Equipes classificadas para as oitavas-de-final
Equipes eliminadas na primeira fase

Fase final[editar | editar código-fonte]

Esquema[editar | editar código-fonte]

Oitavas de final Quartas de final Semifinais Final
                           
30 de junho - Sóchi            
  Flag of None.svg 1° A  
6 de julho - Níjni Novgorod
  Flag of None.svg 2° B    
  Flag of None.svg  
30 de junho - Cazã
    Flag of None.svg    
  Flag of None.svg 1° C  
10 de julho - São Petersburgo
  Flag of None.svg 2° D    
  Flag of None.svg  
2 de julho - Samara
    Flag of None.svg    
  Flag of None.svg 1° E  
6 de julho - Cazã
  Flag of None.svg 2° F    
  Flag of None.svg  
2 de julho - Rostov do Don
    Flag of None.svg    
  Flag of None.svg 1° G  
15 de julho - Moscou (Luzhniki)
  Flag of None.svg 2° H    
  Flag of None.svg  
1 de julho - Moscou (Luzhniki)
    Flag of None.svg  
  Flag of None.svg 1° B  
7 de julho - Sóchi
  Flag of None.svg 2° A    
  Flag of None.svg  
1 de julho - Níjni Novgorod
    Flag of None.svg    
  Flag of None.svg 1° D  
11 de julho - Moscou (Luzhniki)
  Flag of None.svg 2° C    
  Flag of None.svg  
3 de julho - São Petersburgo
    Flag of None.svg     Terceiro lugar
  Flag of None.svg 1° F  
7 de julho - Samara 14 de julho - São Petersburgo
  Flag of None.svg 2° E    
  Flag of None.svg     Flag of None.svg  
3 de julho - Moscou (Spartak)
    Flag of None.svg       Flag of None.svg  
  Flag of None.svg 1° H  
  Flag of None.svg 2° G    

Oitavas de final[editar | editar código-fonte]

30 de junho C1 Flag of None.svg OF1 Flag of None.svg D2 Kazan Arena, Kazan
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

30 de junho A1 Flag of None.svg OF2 Flag of None.svg B2 Estádio Olímpico de Fisht, Sóchi
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

1 de julho B1 Flag of None.svg OF3 Flag of None.svg A2 Estádio Lujniki, Moscou
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

1 de julho D1 Flag of None.svg OF4 Flag of None.svg C2 Estádio de Nizhny Novgorod, Nizhny Novgorod
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

2 de julho E1 Flag of None.svg OF5 Flag of None.svg F2 Cosmos Arena, Samara
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

2 de julho G1 Flag of None.svg OF6 Flag of None.svg H2 Rostov Arena, Rostov do Don
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

3 de julho F1 Flag of None.svg OF7 Flag of None.svg E2 Estádio Krestovsky, São Petesburgo
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

3 de julho H1 Flag of None.svg OF8 Flag of None.svg G2 Otkrytie Arena, Moscou
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

Quartas de final[editar | editar código-fonte]

6 de julho OF2 Flag of None.svg QF1 Flag of None.svg OF1 Estádio de Nizhny Novgorod, Nizhny Novgorod
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

6 de julho OF5 Flag of None.svg QF2 Flag of None.svg OF6 Kazan Arena, Kazan
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

7 de julho OF7 Flag of None.svg QF3 Flag of None.svg OF8 Cosmos Arena, Samara
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

7 de julho OF3 Flag of None.svg QF4 Flag of None.svg OF4 Estádio Olímpico de Fisht, Sóchi
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

Semifinais[editar | editar código-fonte]

10 de julho QF1 Flag of None.svg SF1 Flag of None.svg QF2 Estádio Krestovsky, São Petesburgo
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

11 de julho QF3 Flag of None.svg SF2 Flag of None.svg QF4 Estádio Lujniki, Moscou
21:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

Disputa pelo terceiro lugar[editar | editar código-fonte]

14 de julho Perdedor da SF1 Flag of None.svg TH1 Flag of None.svg Perdedor da SF2 Estádio Krestovsky, São Petesburgo
17:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

Final[editar | editar código-fonte]

15 de julho SF1 Flag of None.svg FI1 Flag of None.svg SF2 Estádio Lujniki, Moscou
18:00 (UTC+3)
Árbitro: Flag of None.svgND

Premiação[editar | editar código-fonte]

Copa do Mundo FIFA de 2018
Flag of None.svg
'A definir'
Campeão
(?º título)

Publicidade[editar | editar código-fonte]

Mascote[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Zabivaka

A seleção do mascote da Copa do Mundo FIFA de 2018 ocorreu em fevereiro de 2016 com uma decisão da própria FIFA. Na disputa para ser mascote da Copa, estavam as seguintes opções: o Lobo, o Gato e o Tigre-siberiano. Os desenhos finalistas foram feitos pelas estudantes Ekaterina Bocharova, Valeria Taburenko e Sofia Podlesnykh. Outros candidatos também concorreram, como a fênix, o leopardo siberiano, o urso, um extraterrestre, um robô e um cosmonauta.[25][26][27] A questão da preservação ambiental, simbolizada nos mascotes, começou a ser uma preocupação das comissões organizadoras dos torneios desde a Copa do Mundo FIFA de 2010, quando um leopardo, espécie que sofre com a caça predatória na África do Sul, batizado de Zakumi, foi o mascote da competição.[28] Em 21 de outubro de 2016 o ex-jogador Ronaldo, lança o mascote junto ao Comite Organizador Fifa 2018, [29] que foi denominado Zabivaka, lobo que em russo significa "aquele que marca um gol".[30]

Direitos de transmissão[editar | editar código-fonte]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Tal como aconteceu com os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, a escolha da Rússia como anfitrião foi questionada, pelo alto nível de racismo no futebol russo[52][53] e a discriminação contra pessoas LGBT na sociedade russa em geral.[54][55] O envolvimento russo na Guerra Civil no Leste da Ucrânia também provocou reclamações de alguns políticos dos Estados Unidos e do Reino Unido para que o torneio fosse transferido para outro lugar, particularmente após a anexação da Crimeia à Federação Russa.[56][57] O então presidente da FIFA, Sepp Blatter, disse: "A Copa do Mundo recebeu e votou na Rússia e estamos seguindo nosso trabalho".[58]

Devido à crise financeira na economia russa, o orçamento para os preparativos foi reduzido algumas vezes. Em junho de 2015, um decreto governamental reduziu o orçamento em 560 milhões de dólares, totalizando 11,8 bilhões de dólares gastos no evento.[59]

Eleição[editar | editar código-fonte]

As alegações de corrupção nos processos de licitação para as Copas do Mundo de 2018 e 2022 causaram ameaças da The Football Association da Inglaterra para boicotar o torneio.[60] A FIFA nomeou Michael J. Garcia, advogado dos Estados Unidos, para investigar e produzir um relatório (o Relatório Garcia) sobre as alegações de corrupção. Embora o relatório nunca tenha sido publicado, a FIFA divulgou um resumo de 42 páginas de suas descobertas, conforme determinado pelo juiz alemão Hans-Joachim Eckert. O resumo de Eckert livra a Rússia e o Qatar de qualquer irregularidade, mas foi denunciado pelos críticos como parcial.[61] Garcia criticou o resumo como sendo "materialmente incompleto" com "representações errôneas e conclusões dos fatos" e apelou ao Comitê de Recurso da FIFA.[62][63] O comitê se recusou a ouvir seu recurso, então Garcia renunciou em protesto contra a conduta da FIFA, citando uma "falta de liderança" e falta de confiança na independência de Eckert.[64]

Em 3 de junho de 2015, o FBI confirmou que as autoridades federais estavam investigando os processos de licitação e adjudicação para as Copas do Mundo de 2018 e 2022.[65][66] Em uma entrevista publicada em 7 de junho de 2015, Domenico Scala, chefe do Comitê de Auditoria e Cumprimento da FIFA, declarou que "deveria haver evidências de que as eleições do Qatar e da Rússia aconteceram apenas por causa de votos comprados, então os escolhas poderiam ser canceladas".[67][68]

Direitos humanos e trabalhistas[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2017, a organização Human Rights Watch, que zela pela defesa dos direitos humanos, denunciou a Fifa através de um relatório de 34 páginas chamado "Cartão Vermelho: Exploração de Trabalhadores da Construção nas sedes da Copa do Mundo na Rússia" por "não ter cumprido plenamente" com seu compromisso de desenvolver uma força-tarefa de supervisão das condições trabalhistas dos operários que atuam na construção dos diferentes estádios que abrigarão a próxima edição da Copa Confederações 2017 e a Copa do Mundo de 2018. O relatório foi redigido a partir das respostas obtidas através de 42 entrevistas a trabalhadores russos e estrangeiros locados nas obras dos estádios de Moscou, São Petersburgo, Kaliningrado, Rostov, Sochi e Ecaterimburgo para os dois eventos esportivos. Entre o núcleo de trabalhadores encontravam-se emigrantes de países da Ásia Central, da Bielorrússia e da Ucrânia.[69]

Segundo o relatório, 17 trabalhadores morreram durante a construção dos estádios, com base em informação concedida pelo Sindicato Internacional de Trabalhadores da Construção e Madeira. Uma cifra que supera os 11 mortos durante as obras dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, realizados no Rio de Janeiro, no Brasil. O observatório de direitos humanos denunciou outras situações, como a falta de contratos registrados em muitos casos, dos atrasos no pagamento dos salários e na falta de proteções suficientes para a execução de alguns trabalhos em condições climáticas extremas, realizados em ambientes a -25 ºC. O relatório também denuncia a prisão do observador enviado pela HRW a Rússia para a elaboração do documento, que ficou detido em Volgogrado por mais de três horas, em abril.[69]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Rússia organiza Mundial 2018». Público. 2 de dezembro de 2010. Consultado em 2 de dezembro de 2010 
  2. Terra (19 de dezembro de 2014). «Copa de 2018 será disputada de 14 de junho a 15 de julho». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  3. Alexey Nikolsky (28 de outubro de 2014). «Fifa vê organização da Rússia "mais avançada que do Brasil"». Terra Brasil. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  4. «Brasil é o primeiro classificado para a Copa do Mundo de 2018». www.lance.com.br. Consultado em 29 de março de 2017 
  5. «Russia enters race to host 2018». BBC Sport. 20 de janeiro de 2009. Consultado em 15 de outubro de 2009 
  6. «Putin orders sports minister to prepare bid for 2018 World Cup». RIA Novosti. Moscou. 5 de maio de 2009 
  7. «Bid committee». Site oficial da candidatura. Outubro de 2009. Consultado em 15 de outubro de 2009 
  8. «Host cities». Site oficial da candidatura. Outubro de 2009. Consultado em 15 de outubro de 2009 
  9. «Russia ready to spend $10 bln on World Cup 2018 preparations». Abril de 2009. Consultado em 30 de dezembro de 2009 
  10. «FIFA World Cup™ Preliminary Draw: 1 week to go». FIFA.com. 18 de julho de 2015 
  11. «Organising Committee for the FIFA World Cup extends its responsibilities to cover 2018 and 2022». FIFA.com. 19 de março de 2013 
  12. «Konstantinovsky Palace to stage Preliminary Draw of the 2018 FIFA World Cup». FIFA.com. 10 de outubro de 2014 
  13. «Fifa desclassifica Indonésia nas Eliminatórias da Copa de 2018 e da Copa da Ásia». Estadão. Consultado em 11 de julho de 2016 
  14. «Novos membros da Fifa, Kosovo e Gibraltar vão disputar eliminatórias da Copa de 2018». ESPN. Consultado em 11 de julho de 2016 
  15. «Irã vence Uzbequistão e se classifica para a Copa do Mundo 2018». Globo Esporte. Consultado em 12 de junho de 2017 
  16. «Brasil é o primeiro classificado para a Copa do Mundo de 2018». Lance!. Consultado em 29 de março de 2017 
  17. «2018 FIFA World Cup Bid Evaluation Report: Russia» (PDF). FIFA. Consultado em 10 de dezembro de 2002 
  18. Marikar, Hafiz. «Russia to host next FIFA World Cup». Dailynews.lk. The Associated Newspapers of Ceylon Ltd. Consultado em 23 de julho de 2014 
  19. «Почему у России осталось только 14 стадионов к ЧМ-2018 – Известия (Why are there only 14 stadiums for the Russia 2018 World Cup)». Izvestia.ru. 7 de outubro de 2011. Consultado em 8 de outubro de 2011 
  20. «2018 FIFA World Cup™ to be played in 11 Host Cities». fifa.com. 29 de setembro de 2012. Consultado em 29 de setembro de 2012 
  21. Rogovitskiy, Dmitriy (21 de outubro de 2014). «Russia on track for World Cup 2018, say FIFA inspectors». Reuters. Consultado em 29 de outubro de 2014 
  22. «Stadium names for the 2018 FIFA World Cup Russia™ confirmed». FIFA.com. 8 de outubro de 2015 
  23. «Вместимость футбольного стадиона Казани к ЧМ могут увеличитьдо 60 тыс. мест» (em Russian). Tatar-inform.ru. 27 de dezembro de 2010. Consultado em 8 de outubro de 2011 
  24. «Final draw date for 2018 World Cup and 2017 Confederations Cup set». Welcome 2018. Consultado em 22 de outubro de 2016 
  25. «Rússia escolhe o mascote da Copa do Mundo de 2018». Sputnik News. 11 de fevereiro de 2016. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  26. «Comitê define opções para mascote da Copa de 2018: tigre, lobo ou gato». Globoesporte.com. 11 de fevereiro de 2016. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  27. «Rússia lança processo de votação popular do mascote da Copa do Mundo de 2018». ESPN. 23 de setembro de 2016. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  28. «Tatu-bola vai ser o mascote da Copa do Mundo de 2014». O Globo. 11 de março de 2012. Consultado em 29 de junho de 2012 
  29. «Ronaldo é escolhido pela Fifa para revelar mascote da Copa do Mundo de 2018». Globoesporte.com. 21 de outubro de 2016. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  30. «Fifa apresenta Zabivaka, mascote da Copa do Mundo de 2018». UOL. 21 de outubro de 2016. Consultado em 21 de outubro de 2016 
  31. a b c «FIFA Executive Committee agrees major governance reforms & Ethics structure». FIFA. 30 de março de 2012. Consultado em 15 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de abril de 2012 
  32. a b Cushnan, David (8 de junho de 2014). «BBC, ITV, ARD and ZDF sign World Cup TV deals». SportsPro. Consultado em 15 de julho de 2014 
  33. a b Connoly, Eoin (2 de abril de 2012). «ARD and ZDF get rights to 2018 World Cup». SportsPro. Consultado em 15 de julho de 2014 
  34. a b c «Al Jazeera Sport buys broadcast rights to 2018 and 2022 FIFA World Cups™». FIFA. 26 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de julho de 2014 
  35. Hassett, Sebastian (28 de outubro de 2011). «SBS locks in two more World Cups». Brisbane Times. Consultado em 15 de julho de 2014 
  36. a b «FIFA awards further TV rights for 2015–2022». FIFA. 27 de outubro de 2011. Consultado em 15 de julho de 2014 
  37. «Globo buys broadcast rights to 2018 and 2022 FIFA World Cups™». FIFA. 28 de fevereiro de 2012. Consultado em 15 de julho de 2014 
  38. «Bell Media lands deal for FIFA soccer from 2015 through 2022». The Sports Network. 27 de outubro 2011. Consultado em 15 de julho 2014 
  39. «FIFA Women's World Cup Canada 2015 Media Rights Licensees» (PDF). Consultado em 21 de junho de 2015 
  40. Longman, Jeré (21 de outubro de 2011). «Fox Sports and Telemundo Win U.S. Rights to World Cups». The New York Times. Consultado em 15 de julho de 2014 
  41. «FIFA awards US TV Rights for 2015–2022». FIFA. 21 de outubro de 2011. Consultado em 15 de julho de 2014 
  42. RTÉ secures Euro 2016 & World Cup 2018 rights, RTÉ Commercial Enterprises Ltd, 10 de abril de 2013 .
  43. «Sony Six scores World Cup rights deal». Sportbusiness.com. 15 de janeiro de 2014. Consultado em 15 de julho de 2014 
  44. Shah, Gouri (15 de janeiro de 2014). «Sony SIX wins broadcast rights for FIFA World Cup 2014 and 2018». Mint. Consultado em 15 de julho de 2014 
  45. «Sony Six bags exclusive rights for FIFA till 2018». exchange4media.com. 15 de janeiro de 2014. Consultado em 15 de julho de 2014 
  46. «RTP e Seleção Nacional até 2018». Rádio e Televisão de Portugal. 10 de abril de 2013. Consultado em 15 de julho de 2014 
  47. Connoly, Eoin (24 de abril de 2012). «SRG secures Swiss World Cup rights until 2022». SportsPro. Consultado em 15 de julho de 2014 
  48. Cushnan, David (18 de dezembro de 2014). «DirecTV picks up Fifa rights package in Caribbean». SportsPro. Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  49. «EBU in European media rights deal with FIFA for 2018 and 2022 FIFA World Cups™». European Broadcasting Union. 30 de março de 2012. Consultado em 15 de junho de 2014 
  50. Connolly, Eoin (26 de janeiro de 2011). «Al Jazeera secures first 2018/2022 rights package». SportsPro. Consultado em 15 de julho de 2014 
  51. «Al Jazeera Sport rebranded beIN SPORTS». Al Arabiya. 31 de dezembro de 2013. Consultado em 15 de julho de 2014 
  52. Syal, Rajeev (3 de dezembro de 2010). «World Cup 2018 win raises Russian racism fears». The Guardian. Consultado em 20 de agosto de 2011 
  53. «Yaya Toure: Black players may boycott 2018 Russia World Cup». BBC Sport. 25 de outubro de 2013 
  54. J.P. McCormick (25 de março de 2014). «Campaigns demand FIFA bans Russia from hosting 2018 World Cup due to anti-gay law». Pink News 
  55. J. Lavin (28 de fevereiro de 2014). «Why FIFA Needs to Move the World Cup». advocate.com 
  56. «Fifa urged to rethink staging 2018 World Cup in Russia». Bbc.com. 21 de março de 2014. Consultado em 17 de abril de 2014 
  57. Winter, Stuart (23 de março de 2014). «US calls for Fifa to drop Russia from hosting World Cup in 2018». Express.co.uk. Consultado em 17 de abril de 2014 
  58. «Sepp Blatter: Russia will host 2018 World Cup despite Crimea». BBC Sport. 21 de março de 2014. Consultado em 17 de abril de 2014 
  59. «Russia Orders $560-Million Cuts on World Cup 2018 Spending». Consultado em 10 de janeiro de 2017 
  60. Ornstein, David (17 de novembro de 2014). «World Cup: Former FA chief David Bernstein calls for boycott». BBC Sport. Consultado em 17 de novembro de 2014 
  61. Dunbar, Graham. «FIFA under fire after report on Qatar, Russia». Associated Press. Consultado em 14 de novembro de 2014. Arquivado do original em 16 de novembro de 2014 
  62. Roan, Dan (17 de novembro de 2014). «Greg Dyke: FA demands full report findings into World Cup corruption». BBC Sport. Consultado em 17 de novembro de 2014 
  63. Conway, Richard. «FIFA corruption report: Who is to blame and what happens now?». BBC Sport. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  64. «Michael Garcia: FIFA investigator resigns in World Cup report row». BBC. 17 de dezembro de 2014 
  65. «Ben Rumsby, "Fifa in crisis: FBI extends investigation to Russia 2018 and Qatar 2022 World Cup bids", The Telegraph». 4 de junho de 2015. Consultado em 4 de junho de 2015 
  66. «James Riach "FBI investigating Fifa's awarding of 2018 and 2022 World Cups – report", The Guardian». 3 de junho de 2015. Consultado em 4 de junho de 2015 
  67. «'Russia & Qatar may lose World Cups' - Fifa official». BBC News. 7 de junho de 2015 
  68. Owen Gibson (7 de junho de 2015). «Russia and Qatar may lose World Cups if evidence of bribery is found». The Guardian 
  69. a b Gorka Pérez (14 de junho de 2017). El País, ed. «Organização de Direitos Humanos acusa a Fifa de permitir exploração trabalhista na Rússia». Consultado em 16 de junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Copa do Mundo FIFA de 2018