Diego Godín

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Diego Godín
Diego Godín
Godín atuando pela Seleção Uruguaia em 2018
Informações pessoais
Nome completo Diego Roberto Godín Leal
Data de nasc. 16 de fevereiro de 1986 (36 anos)
Local de nasc. Rosario, Uruguai
Nacionalidade uruguaio
espanhol
Altura 1,87 m
destro
Apelido El Faraón
Informações profissionais
Clube atual Vélez Sarsfield
Posição Zagueiro
Clubes de juventude

2000–2003
Estudiantes El Colla
Defensor Sporting
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2003–2006
2006–2007
2007–2010
2010–2019
2019–2020
2020–2021
2022
2022–
Cerro
Nacional
Villarreal
Atlético de Madrid
Internazionale
Cagliari
Atlético Mineiro
Vélez Sarsfield
0064 0000(6)
0046 0000(2)
0116 0000(4)
0389 000(27)
0036 0000(2)
0040 0000(1)
0009 0000(1)
0000 0000(0)
Seleção nacional3
2005– Uruguai 0159 0000(8)


2 Partidas e gols totais pelos
clubes, atualizadas até 20 de junho de 2022.
3 Partidas e gols pela seleção nacional estão atualizadas
até 20 de junho de 2022.

Diego Roberto Godín Leal (Rosario, 16 de fevereiro de 1986) é um futebolista uruguaio que atua como zagueiro. Atualmente, joga pelo Vélez Sarsfield e é capitão da Seleção Uruguaia.

Com passagens prévias por Cerro, Nacional e Villarreal, Godín viveu seu auge pelo Atlético de Madrid, onde atuou por nove temporadas e conquistou oito títulos. Passou ainda por um período na Itália, com Internazionale e Cagliari, antes de retornar ao futebol sul-americano e passar por Atlético Mineiro e Vélez Sarsfield.

Jogador da Seleção Uruguaia desde 2005, Godín é atualmente o capitão e detentor do recorde de jogos disputados pela equipe. Atuou em três edições da Copa do Mundo e em seis da Copa América, vencendo o torneio continental em 2011.

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Nascido em Rosario, Godín deu seus primeiros passos no clube local Estudiantes El Colla. Aos 14 anos de idade, se transferiu para o Defensor Sporting, de Montevidéu, onde concluiu sua formação de base.[1]

Em 2003, aos 17 anos, Godín acertou com o Cerro, clube pelo qual estreou profissionalmente. Despontou na temporada 2005–06, quando marcou cinco gols em 30 partidas e recebeu sua primeira convocação para a seleção do Uruguai. Ao fim daquela temporada, se juntou ao gigante Nacional.[1]

Em sua única temporada no Bolso, Godín se afirmou como um dos melhores jogadores da liga uruguaia, e, apesar de pouca idade, chegou a atuar como capitão da equipe em algumas partidas.[1]

Em agosto de 2007, Godín se transferiu para o Villarreal, da Espanha.[2] Participou em 24 partidas da campanha do vice-campeonato da La Liga de 2007–08, a melhor da história do clube até então. Consolidou sua titularidade nas temporadas subsequentes, formando dupla de zaga com o argentino Gonzalo Rodríguez.[3][4] Ao longo de três anos, atuou em 116 partidas e marcou quatro gols pelo Submarino Amarelo.

Atlético de Madrid[editar | editar código-fonte]

Em 4 de agosto de 2010, Godín assinou um contrato de cinco anos com o Atlético de Madrid por um valor estimado em 8 milhões de euros.[5] Estreou pelos Colchoneros no dia 27, na vitória por 2–0 sobre a Internazionale pela Supercopa da UEFA, o primeiro título de sua carreira.[6]

Nas temporadas seguintes, Godín participou das conquistas da Liga Europa de 2011–12, da Supercopa da UEFA de 2012 e da Copa do Rei de 2012–13.

Godín em ação pelo Atlético em 2018

Godín atuou em 34 partidas e marcou quatro gols na vitoriosa campanha da La Liga de 2013–14. Na última rodada, a partida que decidiu o campeonato contra o Barcelona, o Atlético perdia por 1–0 quando Godín marcou um gol de cabeça após cobrança de escanteio; o empate em 1–1 assegurou o título da liga para os Colchoneros, o primeiro desde 1996.[7] Na semana seguinte, voltou a marcar, abrindo o placar da Final da Liga dos Campeões da UEFA de 2013–14 diante do Real Madrid; deste confronto, porém, o Atlético saiu derrotado por 4–1 na prorrogação.[8]

Na metade de 2015, Godín rejeitou uma proposta do Manchester City, então treinado por seu ex-técnico no Villarreal Manuel Pellegrini.[9] Ao fim de 2016, após temporada em que o Atlético mais uma vez alcançou o vice-campeonato europeu, Godín foi nomeado entre os 30 finalistas da Ballon d'Or.[10]

Em 28 de outubro de 2017, após empate em 1–1 com o Villarreal, Godín se tornou o estrangeiro com mais jogos disputados pelo Atlético, ultrapassando a marca de 314 jogos de seu ex-companheiro colombiano Luis Amaranto Perea.[11] Ao fim da temporada de 2017–18, Godín conquistou seu segundo título de Liga Europa.[12]

No início da temporada de 2018–19, com a saída de Gabi da equipe, Godín se tornou o capitão do Atlético oficialmente.[13] Em 15 de agosto, ergueu o troféu da Supercopa da UEFA de 2018, seu terceiro da competição e oitavo título geral pelos Colchoneros.[14] Em 7 de maio de 2019, com o fim de seu contrato, Godín anunciou a sua decisão de deixar o clube após nove temporadas, com 389 partidas disputadas e 27 gols marcados.[15]

Internazionale e Cagliari[editar | editar código-fonte]

Em 1º de julho de 2019, Godín assinou um contrato de três anos com a Internazionale.[16] Participou de 36 partidas na temporada que terminou com os vice-campeonatos da Serie A e da Liga Europa para os Nerazzurri, marcando dois gols; um deles na final continental diante do Sevilla.[17]

Em 24 de setembro de 2020, foi anunciada a transferência sem custos de Godín para o Cagliari.[18] Como um dos motivos da escolha, Godín citou a proximidade com a família de sua esposa, que é natural da cidade.[19] No início de 2022, rescindiu amigavelmente com o clube, após disputar 40 jogos e marcar um gol.[20]

Atlético Mineiro[editar | editar código-fonte]

Em 12 de janeiro de 2022, Godín se transferiu para o Atlético Mineiro, assinando contrato de uma temporada.[20] Estreou em 6 de fevereiro, marcando um gol de cabeça que fechou o placar da vitória por 3–0 sobre o Patrocinense, pelo Campeonato Mineiro.[21] Em 20 de fevereiro, atuou como titular no jogo do título da Supercopa do Brasil de 2022 diante do Flamengo.[22]

Suas atuações no Campeonato Brasileiro e na Copa Libertadores, porém, foram consideradas abaixo das expectativas. Suas participações em lances nos empates em 1–1 com o América Mineiro, pela Libertadores, e em 2–2 com o Coritiba, pelo Campeonato Brasileiro (após o Atlético abrir 2–0 no placar), foram consideradas falhas decisivas.[23][24][25] Analistas avaliaram que a atual capacidade física de Godín não era favorecida pelo estilo de jogo do Atlético, com a utilização do bloco de marcação avançado.[26][27][25] Sua adaptação ao time foi ainda mais dificultada pela volta do zagueiro Junior Alonso ao clube, quem Godín inicialmente havia sido contratado para substituir.[28]

Com poucos minutos em campo e a ambição de disputar a Copa do Mundo no final do ano, Godín e Atlético acertaram a rescisão de seu contrato em 20 de junho.[29] Ao todo, ele atuou em nove partidas pelo Galo, marcando um gol.[30]

Vélez Sarsfield[editar | editar código-fonte]

Em 21 de junho de 2022, o Vélez Sarsfield anunciou a contratação de Godín até o fim de 2023.[31]

Seleção Uruguaia[editar | editar código-fonte]

Godín fez sua estreia pela Seleção Uruguaia em 28 de outubro de 2005, em um amistoso perdido por 3–1 para o México.[32] Marcou seu primeiro gol em outro amistoso, empatado em 1–1 com Sérvia e Montenegro, em 27 de maio de 2006.[33] Sua estreia em torneios de seleções ocorreu na Copa América de 2007; embora na condição de reserva da dupla Diego Lugano e Andrés Scotti, participou de três partidas na campanha de quarto lugar do Uruguai.

Godín atuando pelo Uruguai em 2010

Nos anos seguintes, Godín se estabeleceu como titular da Seleção, atuando em 14 partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 e nos dois confrontos de repescagem contra a Costa Rica, vencida pelo Uruguai. No torneio da África do Sul, formou a dupla de zaga titular com Lugano e ajudou a levar a Celeste ao quarto lugar, sua melhor participação em mundiais desde 1970.[34]

Convocado para a disputa da Copa América de 2011, Godín teve sua participação no torneio limitada a apenas três minutos na final contra o Paraguai, vencida por 3–0 pelo Uruguai, devido a uma lesão.[35]

No caminho até a Copa do Mundo de 2014, ajudou o Uruguai a conquistar a vaga através da repescagem contra a Jordânia, e o quarto lugar na Copa das Confederações de 2013. No mundial do Brasil, atuou como capitão durante a fase de grupos devido a uma lesão de Lugano, marcando um gol decisivo contra a Itália que garantiu a passagem do Uruguai para as oitavas-de-final.[36]

Após a aposentadoria de Lugano da Seleção em 2014, Godín foi oficializado como capitão pelo técnico Óscar Tabárez.[37] Liderou o Uruguai nas campanhas da Copa América de 2015 e Centenário, atingindo a marca de cem jogos durante o torneio nos Estados Unidos.

Godín atuou em todas as partidas da Copa do Mundo de 2018, até à eliminação nas quartas-de-final pela eventual campeã França. Foi eleito na seleção do torneio por voto popular.[38]

Em 2018 e 2019, Godín ergueu por duas vezes consecutivas o troféu da China Cup, torneio amistoso disputado no país asiático. Durante a edição de 2019, se tornou o jogador com mais partidas na história da Seleção Uruguaia, ultrapassando o recorde de 125 jogos previamente estabelecido por Maxi Pereira.[39]

Nas disputas da Copa América de 2019 e de 2021, ambas realizadas no Brasil, Godín liderou o Uruguai, em ambas sofrendo eliminações por disputa de pênaltis nas quartas-de-final.

Estilo de jogo[editar | editar código-fonte]

Em seus anos com o Atlético de Madrid, Godín foi amplamente considerado por analistas como um dos melhores zagueiros em atividade.[40][41][42][43][44] Durante a Copa do Mundo de 2018, Jack Watson do The Independent o elegeu como "o melhor defensor central do mundo".[45]

Embora não fosse dotado de velocidade ou grande atleticismo, Godín era reconhecido por sua inteligência, liderança e bom posicionamento, qualidades que se refletiam em sua leitura de jogo, organização da linha defensiva e antecipação de lances. Também era notado por sua tenacidade nas divididas, capacidade de carregar a bola da defesa com tranquilidade e iniciar jogadas, além da qualidade no jogo aéreo, que o rendeu gols importantes de bolas paradas ao longo da carreira.[43][46][47][44][48][49]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Godín é casado desde 2018 com Sofia, filha de José Óscar Herrera, ex-jogador de Peñarol, Cagliari e Seleção Uruguaia, entre outros.[19] É padrinho de Mia, filha de seu ex-companheiro de Atlético de Madrid Antoine Griezmann, com quem cultiva forte amizade. Durante a partida de quartas-de-final da Copa do Mundo de 2018 entre Uruguai e França, Griezmann não comemorou seu gol em respeito a Godín e José Giménez.[50]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 30 de maio de 2022.[51][52][53]

Clube Temporada Liga Copa Continental Outros Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
Cerro 2003 2 0 0 0 2 0
2004 14 0 1 0 15 0
2005 17 1 0 0 17 1
2005–06 30 5 0 0 30 5
Total 63 6 1 0 64 6
Nacional 2006–07 26 0 4 0 16[a] 2 46 2
Villarreal 2007–08 24 1 3 0 7[b] 0 34 1
2008–09 31 0 0 0 7[c] 0 38 0
2009–10 36 3 2 0 6[d] 0 44 3
Total 91 4 5 0 20 0 116 4
Atlético de Madrid 2010–11 25 0 1 1 3[d] 1 1[e] 0 30 2
2011–12 27 2 1 0 13[d] 1 41 3
2012–13 35 1 5 0 1[d] 0 1[e] 0 42 1
2013–14 34 4 5 2 10[c] 2 2[f] 0 51 8
2014–15 34 3 3 0 9[c] 1 2[f] 0 48 4
2015–16 31 1 3 0 12[c] 0 46 1
2016–17 31 3 5 0 11[c] 0 47 3
2017–18 30 0 3 1 12[g] 0 45 1
2018–19 30 3 2 0 6[c] 1 1[e] 0 39 4
Total 277 17 28 4 77 6 7 0 389 27
Internazionale 2019–20 23 1 2 0 11[h] 1 36 2
Cagliari 2020–21 28 1 0 0 28 1
2021–22 11 0 1 0 12 0
Total 39 1 1 0 40 1
Atlético Mineiro 2022 1 0 1 0 2[i] 0 5[j] 1 9 1
Vélez Sarsfield 2022 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Total na carreira 520 29 42 4 126 9 12 1 700 43
  1. Dez jogos e dois gols de Copa Libertadores, seis jogos de Copa Sul-Americana
  2. Jogo(s) de Copa da UEFA
  3. a b c d e f Jogo(s) de Liga dos Campeões da UEFA
  4. a b c d Jogo(s) de Liga Europa da UEFA
  5. a b c Jogo de Supercopa da UEFA
  6. a b Jogo(s) de Supercopa da Espanha
  7. Quatro jogos de Liga dos Campeões da UEFA, oito jogos de Liga Europa da UEFA
  8. Cinco jogos de Liga dos Campeões da UEFA, seis jogos e um gol de Liga Europa da UEFA
  9. Jogo(s) de Copa Libertadores
  10. Quatro jogos e um gol de Campeonato Mineiro, um jogo de Supercopa do Brasil

Seleção[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 20 de junho de 2022.[54][55]

Uruguai
Ano Jogos Gols
2005 1 0
2006 9 3
2007 8 0
2008 9 0
2009 9 0
2010 7 0
2011 9 0
2012 9 0
2013 14 0
2014 11 1
2015 11 3
2016 9 1
2017 7 0
2018 11 0
2019 11 0
2020 4 0
2021 14 0
2022 6 0
Total 159 8

Títulos[editar | editar código-fonte]

Atlético de Madrid
Atlético Mineiro
Seleção Uruguaia

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Diego Godín, el capitán uruguayo que se salvó de la muerte y costó 37 dólares» (em espanhol). El Comercio. 8 de maio de 2019 
  2. «Villarreal put faith in Godín» (em inglês). UEFA. 2 de agosto de 2007 
  3. «La pareja de moda» (em espanhol). El Periódico Mediterráneo. 5 de março de 2008 
  4. «Old Trafford doctora a la pareja Gonzalo-Godín» (em espanhol). As. 19 de setembro de 2008 
  5. «Atlético get Godín from Villarreal» (em inglês). UEFA. 4 de agosto de 2010 
  6. «El súper Atlético baja al Inter del pedestal» (em espanhol). El Mundo. 27 de agosto de 2010 
  7. «Heroico, Atlético de Madri empata com o Barcelona, cala Camp Nou e é campeão». ESPN. 17 de maio de 2014 
  8. «Real Madrid-Atlético 2014 História». UEFA. 24 de maio de 2014 
  9. «Diego Godin confirms Man City interest in signing him» (em inglês). Manchester Evening News. 18 de abril de 2017 
  10. «Cristiano Ronaldo wins Ballon d'Or for the fourth time» (em inglês). The Guardian. 12 de dezembro de 2016 
  11. «Godín se torna estrangeiro com mais jogos pelo Atlético de Madrid». ESPN. 28 de outubro de 2017 
  12. «Marseille-Atlético 2018 História». UEFA. 16 de maio de 2018 
  13. «Griezmann named Atlético's third captain, Godín replaces Gabi» (em inglês). As. 14 de agosto de 2018 
  14. «Com grande atuação de Diego Costa, Atlético quebra tabu contra o Real e conquista a Supercopa da Europa». GE. 15 de agosto de 2018 
  15. «Godin chora e anuncia que sairá do Atlético de Madrid: 'sou mais um torcedor'». Goal.com. 7 de maio de 2019 
  16. «Internazionale anuncia contratação de zagueiro Diego Godín». Lance!. 1º de julho de 2019 
  17. «Sevilla-Inter 2020 História». UEFA. 21 de agosto de 2020 
  18. «Cagliari anuncia a contratação de Diego Godín, da Inter de Milão». TNT Sports. 24 de setembro de 2020 
  19. a b «Su esposa llevó a Diego Godín al Cagliari» (em espanhol). La República. 6 de outubro de 2020 
  20. a b «Após rescisão com o Cagliari, Diego Godín é anunciado como novo reforço do Atlético-MG para 2022». GE. 12 de janeiro de 2022 
  21. «Hulk e Diego Godín marcam, Atlético-MG vence Patrocinense e reassume a ponta do Campeonato Mineiro». GE. 6 de fevereiro de 2022 
  22. «Atlético-MG vence Flamengo nos pênaltis e conquista a Supercopa do Brasil». CNN Brasil. 20 de fevereiro 2022 
  23. «Atuações do Atlético-MG: Godín tem falha (quase) decisiva; Ademir aplica lei do ex contra o América-MG». GE. 13 de abril de 2022 
  24. «Atlético-MG repudia ofensas a Godín nas redes após falha: "Não combina com a verdadeira Massa"». GE. 14 de abril de 2022 
  25. a b «Atuações ENM: Atlético-MG faz tempos distintos e termina com empate amargo contra o Coritiba». UOL. 23 de abril de 2022 
  26. «Atlético: Marra diz ter dúvida se Godín será substituto à altura de Alonso». Super Esportes. 31 de janeiro de 2022 
  27. «"Acho importante ter a consciência"; Bertozzi não vai na pilha e cita presente grego do Atlético-MG para 'El Turco'». Bolavip. 13 de janeiro de 2022 
  28. «Godín sai para o Vélez ou fica no Atlético-MG? Rodrigo Caetano esbanja sinceridade e abre o jogo sobre situação do zagueiro». ESPN Brasil. 13 de junho de 2022 
  29. «Atlético acerta rescisão com Godín». Clube Atlético Mineiro. 20 de junho de 2022 
  30. «Atlético-MG e Diego Godín acertam rescisão contratual; zagueiro está a caminho do Vélez Sarsfield». GE. 20 de junho de 2022 
  31. «Bienvenido Faraón» (em espanhol). Club Atlético Vélez Sarsfield. 21 de junho de 2022 
  32. «Amistoso - México vs Uruguay» (em espanhol). AUF. 28 de outubro de 2005 
  33. «Serbia y Montenegro vs Uruguay» (em espanhol). AUF. 28 de outubro de 2005 
  34. «Alemanha vence o Uruguai por 3 a 2 e termina em terceiro lugar na Copa do Mundo». O Globo. 10 de julho de 2010 
  35. «Em dia de Forlán e Suárez, Uruguai bate Paraguai e acaba com jejum». GE. 24 de julho de 2011 
  36. «Fantasma vive: Uruguai abocanha a vaga e elimina a Itália do Mundial». GE. 24 de junho de 2014 
  37. «Lugano y Godín, dos centrales que se hicieron capitanes ante Inglaterra» (em espanhol). ESPN. 22 de maio de 2020 
  38. «Thiago Silva, Marcelo e Coutinho entram em seleção da Copa eleita por fãs na Fifa». GE. 18 de julho de 2018 
  39. «Godín ultrapassa Maxi Pereira e torna-se o mais internacional pelo Uruguai». Diário de Notícias. 25 de março de 2019 
  40. «Ballon d'Or 2018: contenders for football's global honour revealed» (em inglês). The Guardian. 8 de outubro de 2018 
  41. «Diego Godín: la roccia della difesa dell'Atlético» (em italiano). UEFA. 11 de março de 2019 
  42. «Ranked! The 101 greatest football players of the last 25 years: full list» (em italiano). FourFourTwo. 26 de julho de 2019 
  43. a b «I migliori difensori nell'uno contro uno (2000-2020)» (em italiano). l'Ultimo Uomo. 29 de abril de 2020 
  44. a b «Move over Ramos, Uruguay hardman Godin is the best defender in the world» (em inglês). Goal.com. 30 de junho de 2018 
  45. «Uruguay vs Portugal: Diego Godin proves why he remains one of the world's best - scouting report» (em inglês). The Independent. 30 de junho de 2018 
  46. «Fearless Godin a throwback to Milanesque defending» (em inglês). The Independent. 15 de junho de 2018 
  47. «Contraerea Diego Godin» (em italiano). l'Ultimo Uomo. 28 de maio de 2016 
  48. «Why Diego Godin was a cast-iron defender who single-handedly defied the trends of modern football» (em inglês). The Independent. 15 de outubro de 2019 
  49. «Ball-winning as the best form of defence is becoming a dying art in our game - Danny Higginbotham» (em inglês). The Independent. 5 de fevereiro de 2016 
  50. «Antoine Griezmann explains his lack of celebration vs. Uruguay 'friends'» (em inglês). ESPN. 6 de julho de 2018 
  51. «Perfil de Diego Godín». no Soccerway 
  52. «Godín: Diego Roberto Godín Leal» (em inglês). BDFutbol. Consultado em 17 de janeiro de 2022 
  53. «Diego Godín» (em espanhol). Footballdatabase. Consultado em 17 de janeiro de 2022 
  54. «Diego Roberto Godín - Century of International Appearances» (em inglês). RSSSF. Consultado em 17 de janeiro de 2022 
  55. Diego Godín em National-Football-Teams.com
  56. «The 100 best footballers in the world 2016 – interactive» (em inglês). The Guardian 
  57. «Diego Godín» (em espanhol). Marca 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]