Gol contra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Gol Contra (português brasileiro) ou Autogolo (português europeu) é um lance do futebol no qual um jogador faz a bola entrar no gol de sua própria equipe, resultando em gol para a equipe adversária. O gol contra normalmente estigmatiza o seu marcador, em função do prejuízo à sua equipe.

Duas das formas mais comuns de marcar um gol contra são quando se tenta cortar um cruzamento ou passe do adversário e acaba-se por jogar a bola contra o próprio patrimônio, e quando se tenta recuar a bola para o goleiro.

Marcar um gol contra também tornou-se uma metáfora para qualquer ação que prejudique o seu autor.

No Futebol e suas Variantes (Futsal, Futebol de Salão, Futebol de Areia, Showbol)[editar | editar código-fonte]

Critérios Oficiais para um Gol ser considerado um Gol Contra[editar | editar código-fonte]

Em 2006, um grupo de estudo técnico da FIFA, aprovou os critérios exatos que definem um gol-contra. Os critérios são[1]:

  • Se um chute rumo ao gol acidentalmente toca em um jogador adversário, o gol será dado ao atacante que deu o chute.
  • Se um disparo a gol for desviado intencionalmente na direção da meta adversária, o gol será atribuído ao jogador que causou a mudança de direção.
  • Se um chute termina desviado em direção ao gol por um membro do time adversário ou do time responsável pelo chute, o gol é atribuído a quem quer que tenha causado o desvio.

De forma mais didática, Andy Roxburgh, diretor técnico da Fifa, deu a seguinte explicação: "Se a bola bate em um jogador do time que chutou ou em um adversário e entra no gol, o tento é anotado para o jogador que deu o chute. Se tiver acontecido uma mudança clara de direção, será um gol contra, ou um gol atribuído ao último jogador a tocar na bola pelo time que chutou".[2]

Marcação de Escanteio ao invés de Gol Contra[editar | editar código-fonte]

A maioria dos métodos de reiniciar a partida não permite a marcação de um gol contra, mesmo que a bola entre diretamente no próprio gol, devendo ser marcado, ao invés disso, um escanteio para a equipe adversária. Estão incluídos nesta regra o pontapé inicial, o tiro de meta, a cobrança de lateral, a própria cobrança de escanteio, e a cobrança de falta (seja ela indireta ou direta). Ou seja, caso um jogador que vá bater a cobrança de escanteio dê um chute para sua defesa e a bola entre diretamente no gol defendido por sua equipe, sem ter tocado em ninguém, o gol contra não poderá ser assinalado, mas sim um escanteio para a equipe adversária.

Tais incidentes são extremamente raros e, em alguns casos, exigem circunstâncias incomuns ou extraordinárias para ocorrer, mas exemplos já ocorreram, conforme relatados abaixo:

Em um jogo da terceira divisão da ocorrido na temporada 1983/84, o jogador Wally Downes, do Millwall Football Club, cobrou um lateral em direção ao seu goleiro, Dave Beasant, que viu a bola entrar diretamente em sua baliza, sem tocar em nenhum jogador. Neste caso, ao contrário do assinalado pelo árbitro da partida, o Millwall Football Club deveria ter sido punido com uma cobrança de escanteio contra.[3][4] Um exemplo similar aconteceu em um jogo da Premier League em 2002–03, quando o o goleiro Peter Enckelman, do Aston Villa Football Club, não conseguiu dominar a bola que veio diretamente de uma cobrança de lateral de sua equipe, e entrou em sua meta.[5][6][7]

Gols contra célebres[editar | editar código-fonte]

  • 2015
    • O lateral-esquerdo Geferson Teles marca um gol contra encobrindo o goleiro com a canela esquerda na tentativa de recuar com o pé, eliminando o Internacional da Libertadores pelo placar agregado de 4-3.
  • 2018
    • O volante brasileiro Fernandinho marca o primeiro gol da partida e da Bélgica nas quartas da Copa do Mundo de 2018, que terminou em 2-1 para a equipe europeia, resultando na eliminação do Brasil.
    • O croata Luka Modrić marcou o primeiro gol contra em finais de Copa, o primeiro daquele jogo, que terminou em 4 x 2 para a França, tendo o atacante também marcado depois a favor, o segundo de sua equipe e último da partida, sendo a segunda vez na história da competição que um jogador marcou prol e anti sua seleção na mesma partida.

Mais de 1 gol contra do mesmo jogador num mesmo jogo[editar | editar código-fonte]

Alguns jogadores ficaram marcados por anotarem mais de 1 gol contra no mesmo jogo. São eles:

  • 1976
    • Irlanda do Norte Chris Nicholl - o norte-irlandês marcou os 4 gols do empate em 2 x 2 do seu time, o Aston Villa, contra o Leicester.[10]
  • 2009
    • Geórgia Kakhaber Kaladze - o georgiano Kaladze marcou 2 gols contra na partida entre a seleção da Georgia e a Italia, válida pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.[11]
  • 2011
    • Brasil Goeber, da Cabofriense - O zagueiro chamou a atenção ao marcar dois gols contra num intervalo de quatro minutos, aos 27 e 31 do primeiro tempo, em disputa contra o Botafogo, que no fim venceu por 5 a 0.[12]
  • 2013
    • República da Irlanda Jonathan Walters - Quando atuava pelo Stoke City, ele conseguiu uma proeza ainda pior. Além de ter marcado dois gols contra, o primeiro logo antes do intervalo e o segundo aos 17 minutos da etapa complementar, numa tentativa de se redimir, Walters assumiu a responsabilidade de cobrar um pênalti sofrido por sua equipe poucos minutos depois e chutou pra fora.[13]
  • 2017
    • Coreia do Sul Kim Joo-Young - Num amistoso de sua seleção contra a Rússia, ele marcou 2 gols contra em menos de 2 minutos. O primeiro foi marcado apos um cruzamento para a área, que resvalou nele e entrou. Menos de 2 minutos depois, ele tentou cortar o passe, após de uma grande jogada de Zhirkov e matou o goleiro Kim Seung-Gyu.[16]

Gols contra propositais[editar | editar código-fonte]

  • 1994 - Partida entre Barbados e Granada, válida pela Copa do Caribe, em 1994 - Devido ao regulamento, que favorecia o gol na prorrogação (o gol na prorrogação valia 2), a equipe de Barbados, precisando vencer por 2 gols de diferença, fez um gol contra ao final do jogo para empatá-lo em 2x2 e levar o mesmo para a prorrogação. Este gol contra acabou valendo a pena, já que na prorrogação esta equipe marcou um gol logo aos 7 minutos da prorrogação. Pelo regulamento do campeonato, este gol valeu por 2, e culminou com a classificação da equipe para a Segunda Fase.[17][18]
  • 1998 - Tailândia 3–2 Indonésia (Tiger Cup de 1998): um jogador indonésio fez o terceiro gol tailandês, para evitar um confronto contra o Vietnã, na semi-final da competição.[19]
  • 2002 — Em 31 de outubro, um recorde de gols contra ganhou as manchetes mundiais em Madagáscar. SOE Antananarivo e AS Adema protagonizaram um jogo fora do comum, pois o time de Antananarivo marcou 149 gols - todos a favor do Adema. O ato foi um protesto dos jogadores do SOE em relação às arbitragens que prejudicariam a equipe, que pagou pela atitude: foi suspensa de qualquer competição a partir daquela data.

Outros Casos Curiosos de Gols Contra[editar | editar código-fonte]

  • Em 2009, o zagueiro Emerson Nunes, então jogador do Botafogo, ganhou notoriedade por ter feito dois gols contras em duas partidas de final seguidas, sendo um na final Taça Rio e outro na partida seguinte, na primeira decisão do Campeonato Carioca, ambos contra o Flamengo.[20]
  • Nas oitavas-de-final da Taça de Inglaterra de 2012, o Liverpool goleou o Brighton por 6 x 1, tendo o time perdedor feito três gols contra, sendo o último, de Lewis Dunk, com direito a domínio no peito e embaixadinha antes da bola balançar a rede.

Em Outros Esportes[editar | editar código-fonte]

Hóquei no Gelo[editar | editar código-fonte]

No Hóquei no Gelo, o crédito o gol contra vai para o último jogador do outro time que tocou por último o puck; isso ocorre porque os próprios gols no hóquei são tipicamente casos em que o jogador assim creditado teve o chute desviado, mas essa convenção é usada mesmo quando não é esse o caso. Ocasionalmente, também é creditado ao jogador mais próximo do gol da outra equipe se ele estiver determinado a fazer com que o jogador adversário lance a bola para a rede errada. Assistências não são concedidas em um gol contra, porque a equipe defensora tem a posse do disco entre qualquer passe e o próprio gol. Ocasionalmente na NHL, os jogadores têm direcionado o disco para sua própria rede vazia, seja no final do jogo ou por causa de uma chamada de penalidade atrasada. Esta foi a situação que resultou em Billy Smith dos New York Islanders se tornar o primeiro goleiro a receber crédito por um gol na NHL.

Hóquei no Campo[editar | editar código-fonte]

O tratamento dos "gols contra" no hóquei em campo variou nos últimos anos. Em 2013, a Federação Internacional de Hóquei (FIH) implementou uma "experiência obrigatória" de tal forma que um desvio de um tiro de fora do círculo de tiro de um defensor seria equivalente a um toque de um atacante, e assim se o tiro continuasse no gol pontuação seria contada. Isso se mostrou impopular e a mudança foi revertida.[21]

Atualmente a regra 8.1 afirma que "Um gol é marcado quando a bola é jogada dentro do círculo por um atacante e não viaja para fora do círculo antes de passar completamente sobre a linha do gol e sob a trave." Esclarecimento adicional: "A bola pode ser jogada por um defensor ou tocar seu corpo antes ou depois de ser jogada no círculo por um atacante."[22] Assim, um "gol contra" pode ocorrer, mas em tais situações o gol provavelmente ser creditado ao atacante cuja jogada inicial no círculo foi necessária para o gol ficar em pé.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. noticias.uol.com.br/ Fifa divulga os critérios precisos do gol-contra
  2. esportes.terra.com.br/ Fifa usa computação para resolver dilema do gol contra
  3. Simpson, Paul; Hesse, Uli (7 de novembro de 2013). «Why can'y you score an own goal from a direct free kick?». Who Invented the Stepover?: and other crucial football conundrums. [S.l.]: Profile Books. p. 78. ISBN 9781847658425. Consultado em 16 de agosto de 2017 
  4. Ward, Andrew (12 de fevereiro de 2016). «Referee who Forgot the Rules». Football's Strangest Matches: Extraordinary but true stories from over a century of football. [S.l.]: Pavilion Books. p. 148. ISBN 9781911042280. Consultado em 16 de agosto de 2017 
  5. «Freak goal stuns Taylor». BBC Sport. 17 de setembro de 2002 
  6. Parish, Steve (novembro de 2002). «Wrong side of the laws». When Saturday Comes (189). Consultado em 16 de agosto de 2017 
  7. «Enckelman: I knew the rules». TheGuardian.com. 17 de setembro de 2002. Consultado em 16 de agosto de 2017 
  8. esporte.uol.com.br/ Autor do primeiro gol da história é identificado após 125 anos
  9. esportes.terra.com.br/ Benzema marca dois, tecnologia da linha de gol é usada e França vence na estreia
  10. todofutebol.com/ O zagueiro que marcou quatro gols no mesmo jogo (e dois foram contra)
  11. esportes.estadao.com.br/ Itália vence Geórgia com dois gols contra de zagueiro do Milan
  12. «Gols contra de Goeber ajudam Botafogo a golear Cabofriense». gazetaesportiva.net. 23 de janeiro de 2011 
  13. «Stoke 0-4 Chelsea» (em inglês). bbc.co.uk. 12 de janeiro de 2013 
  14. uolesporte.blogosfera.uol.com.br/ Brasileiro faz dois gols contra no mesmo jogo e seu time, é óbvio, perde
  15. uolesporte.blogosfera.uol.com.br/ Dois gols contra do mesmo jogador, gol perdido surreal... Este é o Galês
  16. msn.com/ Zagueiro faz dois gols contra em menos de 2 minutos
  17. «Who are the greatest runners up?». The Guardian. 24 de maio de 2011. Consultado em 22 de março de 2012 
  18. Gardiner, Simon (2005). Sports Law. London: Routledge Cavendish. pp. 73–74. ISBN 1-85941-894-5 
  19. healthcare.reachinformation.com/
  20. globoesporte.globo.com/ Sem ressentimento: marcado por gols contra, Emerson revê o Botafogo
  21. Bone, Ross (27 de novembro de 2013). «Talking Hockey: own goal rule wiped out creativity, though umpires likely to disagree». Telegraph. Consultado em 15 de agosto de 2016 
  22. «Rules of Hockey» (PDF). FIH. 2015. Consultado em 15 de agosto de 2016