Premier League

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
FA Premier League
Premierleaguelogo.jpg
Dados gerais
Organização FA
Edições 21
Outros nomes English Premier League
Local de disputa  Inglaterra
 País de Gales
Número de equipes 20
Sistema Pontos corridos
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

Premier League (também conhecida como Barclays Premier League por questões de patrocínio) é uma liga profissional de futebol da Inglaterra e está no topo do sistema de ligas do futebol inglês, sendo a principal competição de futebol do país.

É disputada por vinte clubes no sistema de pontos corridos, em que no final de cada temporada os quatro melhores colocados participam da Liga dos Campeões da UEFA, e os três piores são rebaixados para a Football League Championship, dando lugar aos três melhores desta competição.

Cada temporada decorre entre agosto e maio, tendo 38 rodadas com dez partidas cada, totalizando 380 partidas em toda a temporada. A maioria dos jogos são disputados durante o período da tarde nos sábados e domingos e algumas vezes durante a noite no meio da semana.

A competição foi formada como FA Premier League em 20 de fevereiro de 1992, após a decisão dos clubes da Football League First Division de romperem com a Football League, originalmente fundada em 1888, para aumentarem suas receitas provenientes de direitos de televisão, que atualmente rendem um bilhão de libras por ano para transmissões domésticas, com a BSkyB e BT Group.

A Premier League é a liga de futebol mais assistida do mundo, transmitida em 212 territórios e em mais de seiscentos milhões de lares.[1]

Na temporada 2012–13 a média de público da competição foi de 35 921, sendo a segunda mais alta em ligas de futebol profissional, atrás apenas da Bundesliga.[2]

A Premier League está em segundo lugar nos coeficientes de ligas da UEFA, baseados nos desempenhos em competições europeias ao longo dos últimos cinco anos.[3]

Desde 1888, um total de 23 clubes foram coroados campeões do sistema de futebol inglês.

Um total de 45 clubes já estiveram na Premier League, dos quais cinco venceram o título: Manchester United (13 títulos), o Arsenal (3) - único clube a conquistar a Premier League de forma invicta - , Chelsea (3), Blackburn Rovers (1) e Manchester City (1).

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Apesar do significativo sucesso europeu durante a década de 1970 e início da década seguinte, o final dos anos 80 marcou uma decadência no futebol inglês. Os estádios estavam se deteriorando, com instalações precárias e grande vandalismo. Além disso, os clubes ingleses foram banidos das competições europeias durante cinco anos após a Tragédia de Heysel, em 1985.[4] A Football League First Division estava bem atrás de ligas como a Serie A e a La Liga em termos de público e receita, e vários jogadores de alto nível foram jogar em outros países.[5]

No entanto, na virada da década de 1990, a tendência de queda estava começando a se reverter, com a Inglaterra fazendo uma boa campanha no Mundial de 1990, chegando até às semi-finais. A UEFA, entidade máxima do futebol europeu, retirou a proibição dos clubes ingleses de disputarem competições europeias em 1990 (com isso o Manchester United venceu a Recopa Europeia em 1991). Além disso, o Relatório Taylor, sobre as normas de segurança em estádios, que propôs atualizações dispendiosas para criar todos os lugares dos estádios em rescaldo ao Desastre de Hillsborough, foi publicado em janeiro desse ano.[6]

O dinheiro televisivo havia se tornado muito mais importante; a Football League recebeu 6,3 milhões de libras esterlinas por um contrato de dois anos em 1986, mas quando o acordo foi renovado em 1988, o preço subiu para 44 milhões de libras estabelecidas por um acordo de quatro anos.[7] As negociações de 1988 foram os primeiros sinais de uma liga separatista; dez clubes ameaçaram sair e formar uma "super liga", mas foram convencidos a ficar.

No entanto, como os estádios melhoraram e a média de público subiu junto com as arrecadações, as maiores equipes do país novamente consideraram deixar a Football League, a fim de capitalizar o crescente fluxo de dinheiro que estava sendo investido no esporte.[8]

Fundação[editar | editar código-fonte]

Temporada Campeão
1992–93 Manchester United
1993–94 Manchester United
1994–95 Blackburn Rovers
1995–96 Manchester United
1996–97 Manchester United
1997–98 Arsenal
1998–99 Manchester United
1999–2000 Manchester United
2000–01 Manchester United
2001–02 Arsenal
2002–03 Manchester United
2003–04 Arsenal
2004–05 Chelsea
2005–06 Chelsea
2006–07 Manchester United
2007–08 Manchester United
2008–09 Manchester United
2009–10 Chelsea
2010–11 Manchester United
2011–12 Manchester City
2012–13 Manchester United
Mais informação:
Campeões do futebol inglês

No final da temporada 1990–91, uma proposta para a criação de uma nova liga foi entregue, com a promessa de que traria mais dinheiro para os clubes. O acordo dos membros fundadores foi assinado em 17 de julho de 1991 e estabeleceu os princípios básicos para a criação da FA Premier League.[9]

A divisão recém-formada teria independência comercial da Football Association e da Football League, dando a FA Premier League licença para negociar a sua própria transmissão e contratos de patrocínio. O argumento dado na época foi que a renda extra permitiria que os clubes ingleses competissem com equipes de toda a Europa.[5]

Em 1992, os clubes da Primeira Divisão renunciaram da Football League e, em 27 de maio de 1992, a FA Premier League foi formada como uma empresa limitada, passando a operar na então sede da Football Association em Lancaster Gate.[5] Isto significou um rompimento de 104 anos com a Football League, que tinha operado até então com quatro divisões; a partir de então a Premier League passou a operar com uma única divisão e a Football League com três.

Não houve alteração no formato da competição, o mesmo número de equipes competiram na primeira divisão, e a promoção e rebaixamento entre a Premier League e a nova Primeira Divisão permaneceu da mesma forma que antes, com três times rebaixados e três promovidos.[8]

O campeonato teve a sua primeira temporada em 1992–93 e foi originalmente composto por 22 clubes. O primeiro gol da Premier League foi marcado por Brian Deane, do Sheffield United na vitória por 2 a 1 contra o Manchester United.[10] Os 22 membros inaugurais da nova liga foram: Arsenal, Aston Villa, Blackburn Rovers, Chelsea, Coventry City, Crystal Palace, Everton, Ipswich Town, Leeds United, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Middlesbrough, Norwich City, Nottingham Forest, Oldham Athletic, Queens Park Rangers, Sheffield United, Sheffield Wednesday, Southampton, Tottenham Hotspur e Wimbledon. Luton Town, Notts County e West Ham United foram os três times rebaixados da antiga primeira divisão no final da temporada 1991–92 e não participaram da temporada inaugural da Premier League.[11]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Devido à insistência da FIFA de que os campeonatos nacionais deveriam reduzir a quantidade de jogos disputados, o número de clubes foi reduzido para vinte em 1995, quando quatro equipes foram rebaixadas e apenas duas foram promovidas.

Em 8 de junho de 2006, a FIFA solicitou que todos os principais campeonatos europeus, incluindo a Serie A italiana e a La Liga da Espanha reduzissem para 18 o número de equipes no início da temporada 2007–08. A Premier League respondeu anunciando a sua intenção de resistir a tal redução.[12]

Em última análise, a temporada 2007–08 começou novamente com vinte equipes. O campeonato mudou seu nome de FA Premier League para simplesmente Premier League em 2007.[13] O clube galês Swansea City foi promovido à Premier League para a temporada 2011–12, sendo o primeiro de fora da Inglaterra a disputar a competição.

Em 20 de agosto de 2011, a Premier League teve seu primeiro jogo fora da Inglaterra, que foi entre Swansea City e Wigan Athletic no Liberty Stadium, em Swansea, País de Gales.[14] Em 2013 outro clube galês, o Cardiff City, conseguiu a promoção para a Premier League, sendo a primeira vez que dois clubes galeses disputavam a primeira divisão inglesa em uma mesma temporada.[15]

Estrutura corporativa[editar | editar código-fonte]

A Premier League é operada como uma corporação e pertence aos vinte clubes participantes. Cada clube é um acionista com direito a voto em questões como mudanças de regras e contratos. Os clubes elegem um presidente, um diretor executivo e um conselho de administração para a supervisão das operações diárias da liga.[16]

O atual presidente é Anthony Fry, nomeado em 2013, que substituiu Sir Dave Richards, que estava no cargo desde 1999,[17] e o diretor executivo é Richard Scudamore, nomeado em novembro de 1999.[18] O ex-presidente e o ex-diretor executivo, John Quinton e Peter Leaver, foram forçados a renunciarem em março de 1999 após adjudicação de contratos de consultoria para executivos da Sky.[19] A Football Association não está diretamente envolvida nas operações do dia a dia da Premier League, mas tem poder de veto como acionista especial durante a eleição de presidente e diretor executivo e quando novas regras são aprovadas para o campeonato.[20]

A Premier League envia representantes para a Associação de Clubes da Europa. A quantidade de clubes e os próprios clubes são escolhidos de acordo com os coeficientes da UEFA. Para a temporada 2012–13, a Premier League teve dez representantes na Associação: Arsenal, Aston Villa, Chelsea, Everton, Fulham, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Newcastle United e Tottenham Hotspur.[21] A Associação de Clubes da Europa é responsável por eleger três membros para o Comitê de Competições de Clubes da UEFA, que está envolvido nas operações de competições da UEFA, como a Liga dos Campeões e a Liga Europa.[22]

Formato da competição[editar | editar código-fonte]

Competição[editar | editar código-fonte]

Vinte clubes participam da Premier League. Durante o decorrer da temporada (de agosto a maio), cada clube joga duas vezes contra os outros (em um sistema de pontos corridos), uma vez em seu estádio e a outra no de seu adversário, em um total de 38 jogos. As equipes recebem três pontos por vitória e um ponto por empate. Não são atribuídos pontos para derrotas. As equipes são classificadas pelo total de pontos, depois pelo saldo de gols e, em seguida, pelos gols marcados.

No final de cada temporada, o clube com mais pontos é coroado campeão. Se a pontuação for igual nos três critérios, as equipes ocuparão a mesma posição. Se houver um empate para o campeão, para o rebaixamento ou na qualificação para outras competições, um jogo em campo neutro decide a classificação.[23] As três últimas equipes na tabela são rebaixadas para a Football League Championship e as duas melhores equipes desse campeonato, juntamente com o vencedor dos play-offs envolvendo os clubes da terceira a sexta posição no torneio, são promovidas.[24]

Qualificação para as competições europeias[editar | editar código-fonte]

A partir da temporada 2009–10, a qualificação para a UEFA Champions League mudou, e os quatro melhores times da Premier League se qualificam para a competição, com os três melhores times entrando diretamente na fase de grupos. Anteriormente, apenas as duas melhores equipes eram qualificadas automaticamente. O quarto colocado entra na Liga dos Campeões na rodada de play-off de não campeões e deve ganhar um confronto de ida e volta para entrar na fase de grupos.[25]

A equipe que ficou em quinto na Premier League se qualifica automaticamente para a UEFA Europa League e as equipes em sexto e sétimo lugar também podem se qualificar, dependendo dos vencedores e dos vice-campeões das duas copas nacionais. Dois lugares na Europa League estão reservados para o vencedor de cada uma das copas nacionais; se o vencedor da Copa da Inglaterra se qualifica para a Liga dos Campeões, esse lugar vai para o vice-campeão e se o vice-campeão também já está qualificado, esse lugar vai para o melhor colocado na Premier League. Se o vencedor da Copa da Liga já está qualificado, aquele lugar vai para a próxima equipe melhor colocada no campeonato.[26] [27]

Ainda há um lugar na UEFA Europa League disponível através da iniciativa do fair play. Se a Premier League tiver uma equipe entre as três primeiras no ranking de fair play da Europa, o time que estiver melhor colocado e que não tenha se qualificado para alguma competição continental será automaticamente qualificado para a Liga Europa da UEFA na fase pré-eliminatória.[28]

Uma exceção ao sistema usual de qualificação europeu aconteceu em 2005, depois de o Liverpool ter ganho a Liga dos Campeões no ano anterior, mas não ter terminado em um lugar de qualificação da Liga dos Campeões na Premier League nessa temporada. A UEFA deu dispensa especial para o clube entrar na competição, permitindo que a Inglaterra tivesse cinco classificados.[29]

A UEFA posteriormente decidiu que o atual campeão se qualificaria para a competição no ano seguinte, independentemente de sua colocação no campeonato nacional. No entanto, para as ligas com quatro participantes na Liga dos Campeões, isso significava que, se o vencedor dela terminasse fora dos quatro primeiros em sua liga nacional, ela iria se classificar à custa da equipe que foi quarta colocada no campeonato. Nenhuma associação pode ter mais de quatro participantes na Liga dos Campeões. Isso ocorreu em 2012, quando o Chelsea, que havia vencido o torneio anterior, terminou em sexto no campeonato, classificou-se para a Liga dos Campeões no lugar do Tottenham Hotspur, quarto colocado, que foi para a Liga Europa.[30] Com a decisão da Uefa de que os campeões da Liga Europa terão automaticamente vaga na Champions League da temporada seguinte a partir de 2014/2015, passará a ser cinco o número de equipes de um mesmo país permitidas na Champions.[31]

Em 2007, a Premier League tornou-se o maior campeonato no ranking europeu, com base nos desempenhos dos times ingleses nas competições europeias ao longo de um período de cinco anos. Isso quebrou o domínio de oito anos do campeonato espanhol, La Liga.[32] As três principais ligas da Europa estão autorizadas a terem quatro equipes na Liga dos Campeões. Michel Platini, presidente da UEFA, propôs tomar um lugar das três principais ligas e colocá-lo para os vencedores das copas nacionais. Esta proposta foi rejeitada em uma votação numa reunião do Conselho Estratégico da UEFA.[33]

Troféu[editar | editar código-fonte]

Troféu da Premier League com Vincent Kompany, capitão do Manchester City.

O atual troféu da Premier League foi criado pela joalheria real Asprey de Londres. Sua parte principal é de prata esterlina sólida e prata dourada, enquanto o pedestal é feito de malaquita, uma pedra semipreciosa. O plinto tem uma parte de prata em torno de sua circunferência, em que os nomes dos clubes vencedores do título são listados. A cor verde da malaquita também representa o campo de jogo.

O design do troféu é baseado na heráldica dos "três leões" que estão associados ao futebol inglês. Dois dos leões são encontrados acima das alças de cada lado do troféu — o terceiro é simbolizado pelo capitão do título da equipe vencedora quando ele levanta o troféu, e sua coroa de ouro, acima de sua cabeça no final da temporada.[34]

Em 2004, uma versão especial de ouro do troféu foi encomendada para comemorar o título invicto do Arsenal.[35]

Patrocinadores[editar | editar código-fonte]

A Premier League é patrocinada desde 1993. O patrocinador pode determinar o nome de patrocínio da liga. Houve três patrocinadores desde a formação da liga.[36]

  • 1993–2001: Carling (FA Carling Premiership)[5]
  • 2001–2004: Barclaycard (Barclaycard Premiership)[5]
  • 2004–presente: Barclays (Barclays Premiership até 2007 e depois Barclays Premier League)[5] [37]

Além do patrocínio para o campeonato em si, a Premier League tem outros parceiros oficiais e fornecedores de material esportivo.[38] O fornecedor da bola oficial para a liga é a Nike, que tem contrato desde a temporada 2000–01, quando assumiu o lugar da Mitre.[39]

Finanças[editar | editar código-fonte]

A receita dos clubes da Premier League foi de 2,5 bilhões de libras em 2010–11, mais do que qualquer outro campeonato de futebol do mundo.[40] Em 2010, a Premier League foi premiada com a Queen's Awards for Enterprise na categoria de Comércio Internacional por Sua Majestade Rainha Elizabeth II.

A Premier League foi reconhecida por sua contribuição para o comércio internacional e pelo valor que traz para o futebol inglês e para a indústria de radiodifusão do Reino Unido. A receita bruta da Premier League é a quarta maior em todas as ligas esportivas de todo o mundo, atrás apenas das receitas anuais das três principais ligas esportivas da América do Norte (a National Football League, Major League Baseball e a National Basketball Association).[41]

Em termos de futebol mundial, os clubes da Premier League são alguns dos mais ricos do mundo. A Deloitte, que anualmente divulga os números sobre as receitas dos clubes por meio de sua "Football Money League", listou sete clubes da Premier League (Manchester United, Chelsea, Arsenal, Manchester City, Liverpool, Tottenham Hotspur e Newcastle United) entre os vinte primeiros na temporada 2011–12, mais que qualquer outro país. Segundo a pesquisa, com os novos contratos de televisão, a liga poderá ter no minimo dez clubes na lista nos próximos anos.[42]

Apesar das grandes receitas, a dívida dos vintes clubes em 2011 foi de 2,4 bilhões de libras. Desses, 1,5 provém de "empréstimos suaves" dos proprietários, com a maior parte desse valor (£819m) do Chelsea. [43]

No fim de 2012, o Arsenal, Manchester United, Tottenham e Liverpool enviaram uma carta para o presidente da liga, Richard Scudamore, com o intuito de diminuir os gastos feitos principalmente pelo Chelsea (que tem como proprietário o bilionário russo Roman Abramovich) e Manchester City (cujo dono é sheik Mansour). A carta dizia que sete clubes da liga já estavam sob o regulamento financeiro da Uefa, mas que os outros clubes controlados por milionários precisavam entrar na mesma regulamentação e que as regras de controle deviam "incluir medidas significativas para restringir esse tipo de situação".[44]

Em fevereiro de 2013 os vinte clubes assinaram um acordo para limitar seus déficits e cortar as verbas salariais, novas normas cujo descumprimento poderá causar perda de pontos no torneio. A partir de julho do mesmo ano, os clubes não podem acumular perdas de mais de 105 milhões de libras (gastos com estádio e CTs estarão isentos) em um período de três anos. No mesmo período, os clubes cujo total de gastos em salário for de mais de 52 milhões só serão autorizados a subir esse valor em quatro milhões.

Caso excedam esse limite, os clubes serão obrigados a responder perante uma comissão disciplinar e prestar contas com informação financeira detalhada, na qual os donos do time deverão custear a dívida pendente.[45]

O ministro do esporte disse: "Estou satisfeito que os clubes da Premier League concordaram com os regulamentos financeiros que ajudarão a garantir que eles funcionem em uma base mais sustentável." "O Governo tem sido claro que queremos que os clubes estejam seguros financeiramente para a saúde a longo prazo do jogo. Esta é uma medida bem-vinda e positiva." Apesar das medidas, o regulamento da Premier League é muito menos rigoroso do que o estabelecido pela Uefa para competições europeias, que só permitem uma perda de aproximadamente quarenta milhões ao longo de três anos.[45]

Transmissão televisiva[editar | editar código-fonte]

Reino Unido e Irlanda[editar | editar código-fonte]

Temporadas BskyB Emissora 2 Total Valor (£)[46]
1992–1997 60 60 304 mi
1997–2001 60 60 670 mi
2001–2004 110 110 1,2 bi
2004–2007 138 138 1.024 bi
2007–2010 96 42 (Setanta) 138 1.706 bi
2010–2013 115 23 (ESPN) 138 1.782 bi
2013–2016 116 38 (BT) 154 3,018 bi

A televisão tem desempenhado um papel importante na história da Premier League. O dinheiro dos direitos de transmissão tem sido vital para ajudar no desenvolvimento do torneio. A decisão da liga de vender os direitos de transmissão para a BSkyB, uma rede fechada de televisão, em 1992, foi uma decisão radical, por ser a primeira vez em que se estava cobrando dos fãs para que pudessem assistir futebol pela televisão.

No entanto, a estratégia televisiva e o interesse do público por futebol fizeram o valor dos direitos da Premier League aumentarem.[7]

A Premier League vende os seus direitos de televisão em uma base coletiva. Isso está em contraste com alguns outros campeonatos europeus, incluindo a La Liga, em que cada clube vende seus direitos individualmente, colocando uma parcela muito maior da renda em apenas alguns clubes.[47] O dinheiro é dividido em três partes: metade é dividida igualmente entre os clubes; um quarto é distribuído de acordo com a posição final do clube na liga, em que o primeiro colocado recebe vinte vezes o valor do último; e o resto é distribuído de acordo com a audiência e número de jogos transmitidos, com um mínimo de dez jogos por clube.[48] A renda de direitos no exterior é dividida igualmente entre os vinte clubes.[49]

A primeira venda de direitos de transmissão para a Sky foi por 304 milhões de libras e valia por cinco temporadas.[50] O contrato seguinte, que seria válido a partir da temporada 1997–98, teve seu preço aumentado para 670 milhões e durou por quatro temporadas.[50] O terceiro contrato foi um negócio de 1,024 bilhão de libras com a BSkyB para três temporadas, de 2001–02 a 2003–04. O campeonato conseguiu 320 milhões com a venda de seus direitos internacionais por um período de três anos, de 2004–05 a 2006–07. Os direitos foram vendidos de território a território.[51]

O monopólio da Sky foi quebrado a partir de agosto de 2006, quando a Setanta Sports recebeu os direitos de exibir dois dos seis pacotes de jogos disponíveis. Isso ocorreu após uma insistência por parte da Comissão Europeia de que os direitos exclusivos não devem ser vendidos para uma única empresa de televisão. Sky e Setanta pagaram um total de 1,7 bilhão de libras, um aumento de dois terços. A Setanta também tem direito a um jogo ao vivo às quinze horas exclusivamente para os telespectadores irlandeses.

A BBC manteve os direitos para mostrar os melhores momentos das mesmas três temporadas (em Match of the Day) por 171,6 milhões, um aumento de 63% sobre os 105 milhões de libras que pagava no período de três anos anterior.[52] Raidió Teilifís Éireann transmite o pacote de melhores momentos na Irlanda. Os direitos de televisão para o exterior foram vendidos por 625 milhões, quase o dobro do contrato anterior.[53] O total arrecadado a partir desses acordos foi de mais de 2,7 bilhões de libras, dando aos clubes da Premier League uma renda média de cerca de quarenta milhões por ano entre 2007 e 2010.[54]

Partida entre Arsenal e Chelsea em 2012.

Os contratos de direitos televisivos entre a Premier League e a Sky têm enfrentado acusações de ser um cartel e vários processos judiciais surgiram como resultado disso.[55] Uma investigação da Office of Fair Trading, em 2002, estabeleceu a BSkyB como dominante no mercado de esportes da TV paga, mas concluiu que não havia motivos suficientes para a alegação de que a empresa tinha abusado da sua posição dominante.

Em julho de 1999, o método da Premier League de venda de direitos coletivamente para todos os clubes membros foi investigado pelo Tribunal de Práticas Restritivas do Reino Unido, mas foi concluído que o acordo não era contrário ao interesse público.[56] O pacote da BBC de melhores momentos em noites de sábado e domingo será exibido até 2016.[57]

Direitos de televisão só para o período de 2010 a 2013 foram comprados por 1,782 bilhão de libras. Em 22 de junho de 2009, devido a problemas encontrados pelo Setanta Sports, depois de não conseguir cumprir o prazo final de pagamento de 30 milhões de libras para a Premier League, a ESPN foi premiada com dois pacotes de direitos do Reino Unido, contendo um total de 46 partidas que estavam disponíveis para a temporada de 2009–10, bem como um pacote de 23 jogos por temporada, de 2010–11 a 2012–13.[58]

Em 13 de junho de 2012, a Premier League anunciou que a BT tinha adquirido 38 jogos por temporada de 2013–14 a 2015–16 por 246 milhões por ano. Os 116 jogos restantes foram retidos pela BSkyB, desembolsando um total de 760 milhões de libras por ano. Os direitos para transmissões domésticas do período entre 2013 e 2016 subiram para 3,018 bilhões de libras, ou um bilhão de libras por ano, um aumento de 70,2% em relação aos direitos do triênio anterior.[59] [60]

Mundialmente[editar | editar código-fonte]

Promovido como "O Maior Espetáculo da Terra",[61] [62] a Premier League é transmitida para mais de 600 milhões de pessoas em mais de duzentos países em todo o mundo,[63] muitas vezes em redes de propriedade e/ou controlado pela 21st Century Fox, que detém cerca de 39,1% da BSkyB. Nos Estados Unidos, a cobertura é dividida entre Fox Soccer/Fox Soccer Plus (que são também de propriedade da 21st Century Fox) e a ESPN.[64] A NBC Sports substituiu a ESPN e a Fox Soccer como a emissora exclusiva do campeonato nos EUA (em inglês e espanhol), com início na temporada 2013–14, em um acordo de 250 milhões de dólares americanos com a liga.[59]

No Canadá, a Sportsnet detinha os direitos da Premier League até a temporada 2012–13. Jogos selecionados (particularmente aqueles exibidos pela ESPN) são sub-licenciados pela TSN.[65]

Na Austrália, a Fox Sports exibe os jogos.[66]

Na América do Sul, a ESPN e a Fox Sports Latinoamérica tem os direitos, desembolsando cinquenta milhões de dólares. No Brasil, os jogos são divididos entre a Fox Sports Brasil e ESPN Brasil.[59]

Em Portugal, até à temporada 2012-13, a Sport TV transmitia os jogos da Premier League em exclusivo. Entretanto, no dia do 109º aniversário do Benfica, a Benfica TV anunciou a compra dos direitos televisivos da competição até 2016.[67]

A Premier League é bastante popular na Ásia, onde é o programa de esportes mais amplamente distribuído. Na Índia, os jogos são transmitidos ao vivo na ESPN e na Star Sports.[68] Devido à sua popularidade na Ásia, o campeonato realizou quatro torneios de pré-temporada lá, o único torneio da Premier realizado fora da Inglaterra. O Troféu Premier League Ásia foi disputado na Malásia, Tailândia, Hong Kong e China e envolve três clubes da Premier League jogando contra uma equipe local do país anfitrião.[69]

Os direitos totais, incluindo para o próprio país e internacionalmente, renderão para o triênio 2013–2016 um total de cinco bilhões de libras, cerca de 1,6 bilhão por ano.[59]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Domínio dos Big Four[editar | editar código-fonte]

A maior crítica em relação à Premier League foi o surgimento dos chamados "quatro grandes" (Arsenal, Chelsea, Liverpool e Manchester United).[70] [71] Em suas vinte primeiras edições, apenas cinco clubes ganharam a competição: Manchester United (doze títulos), Arsenal e Chelsea (três títulos cada), Blackburn Rovers e Manchester City (um título cada). Além disso, o Manchester United não ficou fora dos três primeiros desde a formação da Premier League.

A partir da temporada 1996–1997, os Big Four têm dominado os quatro primeiros lugares e, assim, lugares na UEFA Champions League (a qualificação foi de um clube nas quatro primeiras temporadas, aumentou para dois clubes em 1997, três em 1999 e quatro em 2002). Com os benefícios da qualificação, a receita aumentou para esses times, elevando também a diferença entre os "quatro grandes" clubes e o restante da Premier League.[71]

Em maio de 2008, o então treinador do Newcastle United, Kevin Keegan, disse que o domínio dos Big Four tem ameaçado a divisão, dizendo: "Esta liga está em perigo de se tornar uma das mais chatas grandes ligas no mundo."[72] Na sequência dos comentários de Keegan, o diretor executivo da Premier League, Richard Scudamore, defendeu a liga, dizendo: "Há um monte de brigas diferentes que acontecem na Premier League, tanto se você estiver no topo, no meio ou na parte inferior, o que a torna interessante."[73]

O domínio de Chelsea e Manchester United levou alguns a acreditarem que o Big Four diminuiu para um Big Two; nenhum outro clube além desses dois havia vencido a Premier League de 2005 a 2011, além de 21 dos últimos 28 principais troféus nacionais terem ido para Stamford Bridge ou Old Trafford.[74]

Depois de 2009, ocorreram mudanças na estrutura do Big Four, com dois novos clubes, Tottenham e Manchester City, disputando os quatro primeiros lugares para garantir vaga na Champions League. Na temporada 2009–10, o Tottenham passou o Manchester City e terminou em quarto, tornando-se a primeira equipe a entrar entre os quatro primeiros desde o Everton em 2005, ainda com o Manchester City e Aston Villa terminando acima do Liverpool, um dos "quatro grandes".

Em 2010–11, o Manchester City terminou em terceiro lugar – a primeira vez que uma outra equipe ficou entre os três primeiros desde o Newcastle na temporada 2002–03. Este continuou na temporada 2011–12, com o Manchester City vencendo o título pela primeira vez desde 1968, o primeiro time fora do Big Four a ganhá-lo desde 1994–95. Além disso, o Chelsea terminou fora dos quatro primeiros, pela primeira vez desde 2001–02, assim como o Liverpool fora pela terceira temporada consecutiva.[75]

No entanto, a crítica da distância entre um grupo de elite de "super-clubes" e a maioria da Premier League continua, devido à sua crescente capacidade de gastar mais do que os outros clubes.[76]

Abismo com as ligas inferiores[editar | editar código-fonte]

Uma das principais críticas feitas à Premier League é o abismo crescente entre a Premier League e a Football League. Desde a sua separação da Football League, muitos clubes estabelecidos na Premier League conseguiram distanciar-se dos clubes de ligas inferiores. Em grande parte devido à disparidade na receita dos direitos de televisão entre as ligas,[77] muitas equipes recém-promovidas têm encontrado dificuldades de evitar o rebaixamento em sua primeira temporada na Premier League.

Em cada temporada, exceto 2001–02 (Blackburn Rovers, Bolton Wanderers e Fulham FC) e 2011–12 (Queens Park Rangers, Swansea City e Norwich City), pelo menos um recém-chegado à Premier League tem sido relegado de volta para a divisão inferior. Em 1997–98 os três clubes promovidos foram rebaixados ao final da temporada.[78]

A Premier League distribui uma pequena parte de sua receita de televisão para os clubes que são rebaixados da liga. Começando na temporada 2006–07, esses pagamentos são no valor de 6,5 milhões de libras para um clube em suas duas primeiras temporadas em ligas inferiores, embora isso tenha subido para 11,2 milhões por ano em 2007–2008[77] e, a partir de 2013, para 23 milhões no primeiro ano, 18 no segundo e 9 no terceiro.[79]

Criado para ajudar as equipes a se ajustarem na perda de receitas de televisão (a média por equipe na Premier League é de 45 milhões, enquanto a média na Football League Championship é de um milhão), críticos afirmam que os pagamentos aumentam o abismo entre as equipes que atingiram a Premier League e as que não, levando em conta a ocorrência comum de equipes que voltam logo após o rebaixamento. Alguns clubes, incluindo Burnley, Leeds United, Charlton Athletic, Coventry City, Derby County, Nottingham Forest, Oldham Athletic, Sheffield Wednesday, Bradford City, Leicester City, Queens Park Rangers, Southampton, Wimbledon e Portsmouth, que não conseguiram ganhar a promoção imediata de volta à Premier League, sofreram com problemas financeiros, incluindo, em alguns casos, o fechamento do clube.[80] [81]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Um total de 45 clubes já disputaram a Premier League desde a sua criação em 1992 até a temporada 2011–12. Sete clubes nunca foram rebaixados da Premier League desde a sua criação. Este grupo é composto por Arsenal, Aston Villa, Chelsea, Everton, Liverpool, Manchester United e Tottenham Hotspur.[82]

A seguir estão os vinte clubes que estão competindo a Premier League na temporada Premier League 2013-14.

Clube Posição
em 2012–13
Primeira temporada
na primeira divisão
N° de temporadas
na primeira divisão
N° de temporadas
na Premier League
Primeira
divisão
desde
Títulos
Último título
da primeira divisão
Arsenala, b 0044 1904–05 97 22 1919–20 13 2003–04
Aston Villaa, b, c 01515 1888–89 103 22 1988–89 7 1980–81
Cardiff City 0181 na Championship 1921–22 16 1 2013–14 0 n/a
Chelseaa, b 0033 1907–08 79 22 1989–90 4 2009–10
Crystal Palacea 0205 na Championship 1969–70 14 5 2013–14 0 n/a
Evertona, b, c 0076 1888–89 111 22 1954–55 9 1986–87
Fulhamb 01212 1949–50 25 13 2001–02 0 n/a
Hull City 0192 na Championship 2008–09 9 9 2013–14 0 n/a
Liverpoola, b 0087 1894–95 99 22 1962–63 18 1989–90
Manchester Citya 0022 1899–1900 85 17 2002–03 3 2011–12
Manchester Uniteda, b 0011 1892–93 89 22 1975–76 20 2012–13
Newcastle United 01616 1898–99 83 20 2010–11 4 1926–27
Norwich Citya 01111 1972–73 24 7 2011–12 0 n/a
Southamptona 01414 1966–67 37 15 2012–13 0 n/a
Stoke Cityb, c 01313 1888–89 58 6 2008–09 0 n/a
Sunderland 01414 1890–91 83 13 2007–08 6 1935–36
Swansea Cityb 0099 1981–82 5 3 2011–12 0 n/a
Tottenham Hotspura, b 0055 1909–10 79 22 1978–79 2 1960–61
West Bromwich Albionc 0088 1888–89 77 8 2010–11 1 1919–20
West Ham United 01010 1923–24 56 18 2012–13 0 n/a

a: Membro fundador da Premier League
b:Nunca rebaixados da Premier League
c: Um dos 12 fundadores da Football League

Estádios[editar | editar código-fonte]

A Premier League foi disputada em 50 estádios desde a sua formação em 1992. O desastre de Hillsborough em 1989 e o subsequente Relatório Taylor sugeriram uma recomendação para que os antigos modelos de estádios fossem abolidos; como resultado, todos os estádios da Premier League têm assentos.[83] [84]

Desde a formação da liga, os campos de futebol na Inglaterra têm sofrido melhorias constantes na capacidade e nas instalações, com alguns clubes se mudando para novos estádios.[85] Nove estádios de futebol onde ocorreram jogos da Premier League já foram demolidos. A capacidade combinada total da Premier League na temporada 2010–11 foi de 770.477, com uma capacidade média de 38.523.[86]

O público nos estádios é uma importante fonte de receita para os clubes da Premier League. Na temporada de 2012–13, a média foi de 35 921 espectadores e um público total de 13 649 868, o que representa um aumento de 14 795 face à média de público de 21 126 registrados na primeira temporada da liga (1992–93).[2]

No entanto, durante a temporada de 1992–93 as capacidades da maioria dos estádios foram reduzidas, com os clubes substituindo arquibancadas por bancos, a fim de atender ao Relatório Taylor.[6] A média recorde da Premier League foi de 36 144 em 2007–08.[87]

Em 2013, dezesseis dos vinte clubes da Premier League estavam entre os cem com maior média de público do mundo, segundo a Pluri Consultoria. [88]

Apesar de as mudanças terem aumentado a média de público do futebol inglês e torná-lo também o mais visto no mundo, as mudanças estruturais são criticadas, devido a uma elitização do público nos estádios, fazendo com que as classes mais baixas tenham pouco acesso aos estádios porque o preço dos ingressos tornou-se caro demais para boa parte da população.

Uma pesquisa feita pelo The Guardian mostrou que os ingressos da Premier League são os mais caros entre as quatro principais ligas de futebol do mundo (junto com La Liga, Bundesliga e Serie A). O estudo mostrou que o preço médio do ingresso mais barato na primeira divisão inglesa custa cerca de £28,30 e o ticket anual £467,95, mais que o dobro da Bundesliga, que apresentou os menores preços (£10,33 e £207,22, respectivamente).[89] [90]

Segundo o The Guardian, existe um perigo real de "gerações futuras serem perdidas" do futebol, em vista de os torcedores entre 18 e 30 anos estarem sendo deixados de fora dos estádios. Mas segundo Richard Scudamore, diretor da Premier League: "Os torcedores claramente aproveitam o ambiente onde assistem as partidas da Premier League e o futebol que oferecem, com taxas de ocupação nos estádios de 95% nesta temporada e acima dos 90% nos últimos 15 anos".[91]

Essa situação se reflete no aspecto dos jogos de futebol do país, que também e criticada, devido aos torcedores não contribuírem com uma melhor atmosfera com cânticos ou incentivos, fazendo com que os estádios se parecem mais com teatros, pois os fãs "são substituídos por clientes que esperam ser entretidos pelo dinheiro que estão pagando".[92]

A seguir estão os estádios da Premier League em 2013-2014:[93]

Rank Nome Inaugurado Mandante Cidade Capacidade Média
(2012/13)
Ocupação (%)
1 Old Trafford 1909 Manchester United Manchester 75.765 75.530 99.6%
2 Emirates Stadium 2006 Arsenal Londres 60.362 60.079 99.4%
3 St James' Park 1892 Newcastle United Newcastle upon Tyne 52,405 50.517 96.4%
4 Stadium of Light 1997 Sunderland Sunderland 49.000 40.544 82.7%
5 Etihad Stadium 2002 Manchester City Manchester 47.826 46.974 97.8%
6 Anfield 1884 Liverpool Liverpool 45.276 44.749 98.6%
7 Villa Park 1897 Aston Villa Birmingham 42.785 35.060 82.3%
8 Stamford Bridge 1877 Chelsea Londres 41,798 41.462 98.5%
9 Goodison Park 1892 Everton Liverpool 40.157 36.356 90.5%
10 White Hart Lane 1899 Tottenham Hotspur Londres 36.240 36.030 99.4%
11 Boleyn Ground 1904 West Ham Londres 35.016 34.720 97.3%
12 St Mary's Stadium 2000 Southampton Southampton 32.689 30.874 94.4%
13 Britannia Stadium 1997 Stoke City Stoke-on-Trent 27.740 26.722 96.3%
14
Carrow Road 1935 Norwich Norwich 27.224 26.672 98%
15 Cardiff City Stadium 2009 Cardiff City Cardiff, País de Gales 26.828
16 Selhurst Park 1924 Crystal Palace Londres 26.309
17 The Hawthorns 1900 West Bromwich West Bromwich 26.484 25.255 95.3%
18 Craven Cottage 1896 Fulham Londres 25.700 25.394 98.8%
19 KC Stadium 2002 Hull City Kingston upon Hull 25.586
20 Liberty Stadium 2005 Swansea City Swansea, País de Gales 20.750 20.370 99.3%
  • "—" times que estavam na segunda divisão em 2012-2013.

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Na Premier League, os treinadores estão envolvidos no dia a dia do clube, incluindo a formação e escalação da equipe e aquisição de jogadores. Sua influência varia de clube para clube e está relacionada com a presidência do clube e o relacionamento do técnico com os torcedores.[94] Os treinadores são obrigados a terem uma licença da UEFA.[95] A UEFA Pro Licence é exigida por cada pessoa que deseje gerir um clube da Premier League de forma permanente (ou seja, mais de doze semanas – a quantidade de tempo que um treinador interino não qualificado está autorizado a assumir o controle permanente). Treinadores interinos são aqueles que preenchem a lacuna entre a saída de um treinador e a entrada de outro.[96]

Sir Alex Ferguson é o treinador que mais tempo ficou em um time da primeira divisão inglesa, quando comandou o Manchester United de 1986 a 2013. Ele foi substituído pelo então treinador do Everton David Moyes, que era o terceiro há mais tempo no cargo. Arsène Wenger está no comando do Arsenal na Premier League desde 1996 e é o treinador que há mais tempo está em seu clube.

Nenhum técnico inglês ganhou a Premier League; os ganhadores do título compreendem dois escoceses, Sir Alex Ferguson (Manchester United, treze títulos) e Kenny Dalglish (Blackburn Rovers, um título), um francês (Arsène Wenger, do Arsenal, três títulos), um português (José Mourinho, do Chelsea, dois títulos) e dois italianos (Carlo Ancelotti, do Chelsea, e Roberto Mancini, do Manchester City, um título cada).[97] Os atuais managers da Premier League são:[98]

Jogadores[editar | editar código-fonte]

Jogadores estrangeiros e regulamentos de transferência[editar | editar código-fonte]

O galês Giggs é o único jogador que disputou e marcou gols em todas edições da Premier League.[99]

No início da Premier League, em 1992–93, apenas onze jogadores que eram titulares em suas equipes na primeira rodada tinham vindo de fora do Reino Unido ou da República da Irlanda.[100] Em 2000–01, o número de jogadores estrangeiros que participam da Premier League era de 36% do total. Na temporada 2004–05, o número tinha aumentado para 45%.

Em 26 de dezembro de 1999, Chelsea tornou-se o primeiro clube da Premier League a entrar em campo somente com jogadores estrangeiros e,[101] em 14 de fevereiro de 2005, o Arsenal foi o primeiro a convocar uma equipe completa de dezesseis estrangeiros para uma partida.[102]

Em 2009, a Premier League teve uma média de treze jogadores estrangeiros por clube, com menos de 40% de jogadores ingleses.[103] O grande número de jogadores estrangeiros teve efeito na seleção inglesa e tem sido objeto de debate de longa data, com José Luis Astiazarán, presidente da La Liga da Espanha, sugerindo que o elevado número de jovens jogadores estrangeiros é a razão por trás da falta de sucesso da Inglaterra em torneios internacionais.[103] Vicente del Bosque, treinador da seleção espanhola, discorda afirmando que "Não acho que é prejudicial para o futebol inglês ter pessoas de fora."[104]

Em resposta às preocupações de que os clubes estavam formando cada vez menos jovens jogadores britânicos para contratar jogadores estrangeiros mais baratos, em 1999 o Ministério do Interior tornou as regras para a concessão de vistos de trabalho mais rígidas para os jogadores de países de fora da União Europeia (UE).[105]

Atualmente, um jogador de fora da UE só pode ter o visto se tiver jogado por seu país em pelo menos 75% dos jogos de sua seleção nos quais ele estava disponível durante os dois anos anteriores, e se seu país tenha estado pelo menos em uma colocação média de número setenta no ranking mundial da FIFA nos últimos dois anos. Se um jogador não atender a esses critérios, o clube que deseja contratá-lo pode apelar se acreditar que é um talento especial e "capaz de contribuir significativamente para o desenvolvimento do jogo de mais alto nível no Reino Unido."[106]

Os jogadores só podem ser transferidos durante as janelas de transferência que são definidas pela Football Association. As duas janelas de transferências atuais são iniciadas a partir do último dia da temporada até 31 de agosto, e de 31 dezembro a 31 janeiro. As inscrições não podem ser trocadas fora destes intervalos, exceto sob licença específica da FA, geralmente em regime de urgência.[107]

A partir da temporada 2010–11, a Premier League introduziu novas regras determinando que cada clube deve registrar um plantel de no máximo 25 jogadores com idades acima de 21, com o plantel só podendo ser alterado na janela de transferência ou em circunstâncias excepcionais.[108] [109] Isso foi feito para permitir que a "regra caseira" seja imposta, em que cada clube da liga, desde 2010, necessita que pelo menos oito homens do plantel sejam "jogadores caseiros", definido como um jogador que: "Independentemente da sua nacionalidade ou idade, foi registrado com qualquer clube filiado a Associação de Futebol ou a Associação de Futebol do País de Gales por um período, contínuo ou não, de três temporadas inteiras ou 36 meses antes de seu aniversário de 21 anos."[108]

Salários e recordes de transferência[editar | editar código-fonte]

Não há tetos salariais na Premier League. Após a formação da liga, os salários dos jogadores aumentaram muito como resultado da maior venda dos direitos televisivos. Na primeira temporada, a média salarial de um jogador da Premier League era de 75 mil libras por ano,[110] mas depois subiu uma média de 20% ao ano durante uma década,[111] 409 mil em 2000–01, 676 mil em 2003–04,[112] subindo para 1,1 milhão de libras na temporada 2008–09.[113]

A taxa de transferência recorde na Premier League foi quebrada várias vezes durante os primeiros anos da competição. Antes do início da primeira temporada da Premier League, Alan Shearer se tornou o primeiro jogador britânico a merecer uma taxa de transferência de mais de três milhões de libras.[114] Os recordes aumentaram constantemente nos primeiros anos da liga até Alan Shearer quebrar um novo recorde, quando se transferiu por quinze milhões de libras para o Newcastle United em 1996.[114] Este valor se manteve como recorde por quatro anos, até que foi ultrapassado pelos dezoito milhões pagos pelo Leeds por Rio Ferdinand ao West Ham. Manchester United posteriormente quebrou o recorde três vezes pelas contratações de Ruud van Nistelrooy, Juan Sebastián Verón e Rio Ferdinand.[115] Chelsea quebrou o recorde em maio de 2006, quando assinou com Andriy Shevchenko, do Milan. O número exato da taxa de transferência não foi revelado, mas foi relatado como sendo de cerca de trinta milhões.[116]

Este foi superada pelo Manchester City, pela compra de Robinho, do Real Madrid, em 1º de setembro de 2008 por 32,5 milhões de libras.[117] Esta taxa foi então ultrapassada duas vezes em janeiro de 2011, primeiro pela transferência de Andy Carroll por 35 milhões do Newcastle para o Liverpool.[118] Este recorde foi então batido quando Fernando Torres saiu do Liverpool para jogar no Chelsea por cinquenta milhões.[119] A transferência de Torres continua a ser o recorde pago por um jogador na Inglaterra.

Os dois maiores recordes de transferências na história tiveram clubes da Premier League como vendedores. O Manchester United vendeu por oitenta milhões de libras Cristiano Ronaldo para o Real Madrid em 2009.[120] Em 2013 o Tottenham Hotspur vendeu Gareth Bale também para o Real Madrid por 85 milhões de libras (100 milhões de euros).[121]

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Lampard é o meia com mais gols na Premier League.

Os jogadores da Premier League competem pela Chuteira de Ouro, concedido ao artilheiro no final de cada temporada. Alan Shearer, ex-atacante do Blackburn Rovers e do Newcastle United, detém o recorde de maior número de gols na Premier League, com 260. Shearer terminou entre os dez maiores marcadores em dez de suas catorze temporadas na Premier League e conquistou o título de artilheiro três vezes. Durante a temporada de 1995–96 ele se tornou o primeiro jogador a marcar cem gols na Premier League. Desde então, 21 jogadores atingiram essa marca.[122]

Desde a primeira temporada da Premier League em 1992–93, catorze jogadores diferentes de dez clubes já ganharam ou compartilharam o título de artilheiro.[123] Thierry Henry ganhou seu título pelo terceiro ano consecutivo, e quarto no geral, marcando 27 gols na temporada 2005–06. Esta marca superou os três títulos de Shearer, quando ganhou consecutivamente entre 1994–95 e 1996–97. Os outros que venceram mais de uma vez foram Michael Owen, Jimmy Floyd Hasselbaink e Didier Drogba, que ganharam duas vezes cada. Andrew Cole e Alan Shearer detêm o recorde de maior número de gols em uma temporada (34) - no Newcastle e Blackburn, respectivamente. O recorde de Cole veio na temporada 1993–94 e o de Shearer em 1994–95, e ambos fizeram 42 jogos na temporada.[124] A marca de Shearer de 31 gols em uma temporada de 38 jogos em 1995–96 foi igualada em 2007–08 por Cristiano Ronaldo.[125] O feito de marcar cinco gols em uma partida foi realizado apenas por quatro jogadores: Andy Cole, Alan Shearer, Jermain Defoe e Dimitar Berbatov.[126]

O Manchester United foi o primeiro time a ter marcado 1 000 gols na liga, depois de Cristiano Ronaldo ter marcado na derrota por 4 a 1 diante do Middlesbrough na temporada 2005-06.[127] O maior número de gols em uma única partida ocorreu em 29 de setembro de 2007, quando o Portsmouth derrotou o Reading por 7 a 4.[128] As maiores goleadas foram Tottenham 9 a 1 Wigan em 2009-2010 e o Chelsea 8 a 0 do Aston Villa em 2012-2013.[129]

Prêmios de jogadores e treinadores[editar | editar código-fonte]

Além de troféu e medalha de vencedor, a Premier League também premia Treinador e Jogador do Mês, Jogador da Temporada, Treinador da Temporada, Chuteira de Ouro e Luva de Ouro.[130]

Prêmio de dez temporadas[editar | editar código-fonte]

Em 2003, a Premier League comemorou sua primeira década de existência, premiando os melhores das dez temporadas da liga:[131]

Prêmio de vinte temporadas[editar | editar código-fonte]

Em 2012, a Premier League comemorou sua segunda década, fazendo um prêmio com os melhores das vinte temporadas da liga:[132]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. What We Do The World's Most Watched League (em inglês). Premier League (16 de novembro de 2011). Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  2. a b Barclays Premier League Stats - 2011-12 (em inglês). Soccernet. Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  3. Rankings do país 2012/13. UEFA.com. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  4. 1985: English teams banned after Heysel (em inglês). BBC (31 de maio de 2005). Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  5. a b c d e f History of the Premier League (em inglês). Premier League. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  6. a b Billy Adams. The Taylor Report and its Effect on Football (em inglês). worldinsport. Página visitada em 15 de janeiro de 2013.
  7. a b Crawford, Gerry. Fact Sheet 8: British Football on Television (em inglês). Centre for the Sociology of Sport, University of Leicester. Arquivado do original em 6 de junho de 2011. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  8. a b The History Of The Football League (em inglês). Football League. Arquivado do original em 11 de abril de 2008. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  9. In the matter of an agreement between the Football Association Premier League Limited and the Football Association Limited and the Football League Limited and their respective member clubs (em inglês). HM Courts Service. Arquivado do original em 27 de setembro de 2007. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  10. Shaw, Phil (17 de agosto de 1992). The Premier Kick-Off: Ferguson's false start (em inglês). The Independent. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  11. "Final 1992/1993 English Premier Table (em inglês). Soccerbase. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  12. Fifa wants 18-team Premier League (em inglês). BBC Sport (8 de junho de 2006). Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  13. Premier League and Barclays Announce Competition Name Change (em inglês). Premier League. Arquivado do original em 4 de março de 2009. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  14. Herbert, Ian (21 de agosto de 2011). Vorm is man in form to save Swans (em inglês). The Independent. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  15. Leandro Stein (17 de abril de 2013). Galeses invadem a Premier League. E o futebol toma Gales (em Português). Trivela. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  16. Our relationship with the clubs (em inglês). Premier League. Arquivado do original em 14 de novembro de 2006. Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  17. Owen Gibson (26 de abril de 2013). Premier League chooses Anthony Fry to succeed Sir Dave Richards as chairman (em inglês). The Guardian. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  18. Nakrani, Sachin (10 de junho de 2008). Premier League v England time-line (em inglês). The Guardian. Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  19. Timeline: a history of TV football rights (em inglês). The Guardian (25 de fevereiro de 2003). Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  20. The Premier League and Other Football Bodies (em inglês). Premier League. Arquivado do original em 18 de março de 2006. Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  21. ECA Members (em inglês). European Club Association. Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  22. European Club Association: General Presentation (em inglês). European Club Association. Arquivado do original em 9 de agosto de 2010. Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  23. Barclays Premier League (em inglês). Sporting Life. 365 Media Group. Página visitada em 20 de novembro de 2007.
  24. Huge Stakes For Championship Play-Off Contenders. Goal. MSNBC. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2007. Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  25. UEFA Executive Committee approves changes to UEFA club competitions (PDF) (em inglês). UEFA (30 de novembro de 2007). Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  26. Regulations of the UEFA Europa League (PDF) (em inglês). Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  27. Who qualifies to play in Europe? (em inglês). Premier League. Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  28. Norway lead Respect Fair Play league (em inglês). UEFA (26 de janeiro de 2009). Página visitada em 20 de novembro de 2012.
  29. Liverpool get in Champions League (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (10 de junho de 2005). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  30. Uefa may reconsider Champions League rule that saw Chelsea qualify instead of Tottenham (em inglês). Independent (23 de maio de 2012). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  31. Uefa may reconsider Champions League rule that saw Chelsea qualify instead of Tottenham (em inglês). Independent (23 de maio de 2012). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  32. Kassies, Bert (2010). UEFA European Cup Coefficients Database (em inglês). Bert Kassies. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  33. Uefa 'imita' Conmebol, e campeão da Liga Europa terá vaga na Champions (em português). ESPN Brasil (24/05/2013). Página visitada em 25 de junho de 2013.
  34. What makes the Barclays Premier League Trophy so special? (em inglês). Barclays. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  35. Arsenal v Middlesbrough (em inglês). Getty Images (22 de agosto de 2004). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  36. Barclays nets Premier League deal (em inglês). BBC News. BBC (27 de setembro de 2006). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  37. Barclays renews Premier sponsorship (em inglês). Premier League (23 de outubro de 2009). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  38. Partners (em inglês). Premier League. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  39. Northcroft, Jonathan (4 de outubro de 2009). The Premier League's goal rush (em inglês). The Sunday Times. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  40. Campeonato Inglês é o que gera mais receitas na Europa, aponta estudo. Fox Sports (31/5/2012). Página visitada em 27 de janeiro de 2013.
  41. Vrooman (2009). Theory of the Perfect Game: Competitive Balance in Monopoly Sports Leagues (em inglês) pp. 5–44. DOI:10.1007/s11151-009-9202-7.
  42. Top 20 clubs Deloitte Football Money League 2012 (em inglês). Página visitada em 27 de janeiro de 2013.
  43. Highlights (PDF) (em inglês). Página visitada em 08 de fevereiro de 2013.
  44. Rivais ingleses se unem contra gastos elevados de Chelsea e City. Globo. Globoesporte.com (14 de janeiro de 2013). Página visitada em 16 de janeiro de 2013.
  45. a b Premier League agrees new financial regulations. BBC (08 de fevereiro de 2013). Página visitada em 08 de fevereiro de 2013.
  46. £1.78bn: Record Premier League TV deal defies economic slump (em inglês). The Independent. Página visitada em 28 de junho de 2013.
  47. Blythe, Nils (2 de março de 2010). Why TV is the key to Real success (em inglês). BBC News. BBC. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  48. Frequently asked questions about the F.A. Premier League, (How are television revenues distributed to Premier League clubs?) (em inglês). Premier League. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  49. Harris, Nick (23 de março de 2010). Premier League nets £1.4bn TV rights bonanza (em inglês). The Independent. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  50. a b BSkyB Timeline (em inglês). BSkyB. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  51. David Harbord (11 de dezembro de 2003). The Rights and Wrongs of FA Premier League Broadcasting (em inglês). SportBusiness. market-analysis. Página visitada em 27 de junho de 2013.
  52. BBC keeps Premiership highlights (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (8 de junho de 2006). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  53. Premiership in new £625m TV deal (em inglês). BBC News. BBC (18 de janeiro de 2007). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  54. Premier League clubs benefit from new overseas TV deal (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (30 de março de 2010). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  55. Harris, Nick (12 de janeiro de 1999). Football: High Court countdown: Battle begins for football's future (em inglês). The Independent. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  56. Sport and European Competition Policy (PDF) (em inglês). European Commission Directorate-General IV – Competition (1999). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  57. BBC renews Match of the Day deal (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (25 de maio de 2012). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  58. ESPN win Premier League rights (em inglês). Premier League (22 de junho de 2009). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  59. a b c d Direitos de transmissão da Premier League chegarão a R$ 16 bilhões (em português). Lance! (14 de novembro de 2012). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  60. Gibson, Owen (13 de junho de 2012). Premier League lands £3bn TV rights bonanza from Sky and BT (em inglês). The Guardian. Página visitada em 16 de novembro de 2012.
  61. Wales lines up for identity parade (em inglês). BBC Wales. BBC (19 de maio de 2010). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  62. Who is the Premier League's best? (em inglês). FIFA (11 de dezembro de 2007). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  63. Wilson, Jeremy (6 de novembro de 2007). Premier League is world's favourite league (em inglês). The Daily Telegraph. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  64. Bidders line up for U.S. rights to Premiership (em inglês). Sports Business Journal. Street & Smith's Sports Group (26 de janeiro de 2009). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  65. EPL returns to Sportsnet (em inglês). Sportsnet. Rogers Digital Media (4 de dezembro de 2009). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  66. Never Miss An EPL Moment... (em inglês). Australian Four Four Two. Haymarket Media (10 de agosto de 2007). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  67. A Benfica TV vai ter o exclusivo da Premier League (em português). Público (28 de fevereiro de 2013). Página visitada em 5 de agosto de 2013.
  68. ESPN-Star extends pact with FA Premier League (em inglês). Business Line (21 de março de 2004). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  69. Simpson, Peter (10 de junho de 2009). English Premier League stars to shine in Beijing (em inglês). The Global Times. Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  70. Northcroft, Jonathan (11 de maio de 2008). Breaking up the Premier League's Big Four (em inglês). The Sunday Times. Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  71. a b The best of the rest (em inglês). Soccernet. ESPN (29 de janeiro de 2007). Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  72. Power of top four concerns Keegan (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (6 de maio de 2008). Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  73. Scudamore defends 'boring' League (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (7 de maio de 2008). Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  74. Has the Premier League Big Four become a Big Two? (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (13 de agosto de 2010). Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  75. Premier League .:. List of winners. World Footbal. Página visitada em 16 de janeiro de 2013.
  76. Alex McLeish says Aston Villa struggle to compete with top clubs. BBC Sport. British Broadcasting Corporation (8 de setembro de 2011). Página visitada em 21 de novembro de 2012.
  77. a b Conn, David. Rich clubs forced to give up a sliver of the TV pie (em inglês). The Guardian. Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  78. Brewin, John (4 de julho de 2005). 1997/98 – Season Review (em inglês). Soccernet. ESPN. Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  79. 1997/98 – Season Review (em inglês). ESPNFC. ESPN (18 de abril de 2013). Página visitada em 25 de junho de 2013.
  80. "Premier League casualties – clubs that have struggled since relegation", Daily Mail & General Trust, 19 March 2009. Página visitada em 7 April 2009.
  81. Down again: Leicester's relegation horror. The Daily Telegraph (5 de maio de 2008). Página visitada em 27 de janeiro de 2013.
  82. It's official – Tottenham have the worst defence in Premier League history (em inglês). Daily Mail (14 de novembro de 2007). Página visitada em 23 de novembro de 2012.
  83. Fox, Norman (18 de abril de 1999). Football: Fayed's race against time (em inglês). The Independent.
  84. Slater, Matt (14 de março de 2007). Call grows for return of terraces (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  85. Whyatt, Chris (3 de janeiro de 2008). Match-going mood killers? (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  86. Premier League Handbook: Season 2010/11 (PDF) (em inglês) p. 454. Premier League (2010). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  87. United Kingdom: Deloitte Annual Review Of Football Finance Highlights (em inglês). Deloitte Sports Business Group. Mondaq (4 de junho de 2008). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  88. Corinthians é o brasileiro com maior média de público do mundo. Fox Sports Brasil (2013). Página visitada em 02 de setembro de 2013.
  89. How do ticket prices for the Premier League compare with Europe? (em inglês). The Guardian (19 de janeiro de 2013). Página visitada em 24 de junho de 2013.
  90. Premier League ticket prices: which clubs charge the most? (em inglês). The Guardian (19 de junho de 2013). Página visitada em 24 de junho de 2013.
  91. High ticket prices risk excluding a generation from English football (em inglês). The Guardian (17 de janeiro de 2013). Página visitada em 24 de junho de 2013.
  92. Where's the Premier League atmosphere gone? (em inglês). Telegraph (2008). Página visitada em 24 de junho de 2013.
  93. Premier League 2012/2013: Attendance (em inglês). World Football. Página visitada em 24 de junho de 2013.
  94. (2010) "Managers, directors and trust in professional football" 13: 489–502. DOI:10.1080/17430431003588150.
  95. Duncan, White (5 de dezembro de 2005). The Knowledge (em inglês). The Daily Telegraph. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  96. Avram Grant's job under threat from lack of Uefa licence (em inglês). The Times (22 de setembro de 2007). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  97. Who won what (em inglês). League Managers Association. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  98. MANAGER INDEX (em inglês). Premier League. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  99. Player Profile – Ryan Giggs – Career History (em inglês). Premier League. Página visitada em 9 de fevereiro de 2013.
  100. Atkinson, Ron (23 de agosto de 2002). England need to stem the foreign tide (em inglês). The Guardian. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  101. Ingle, Sean (12 de junho de 2001). Phil Neal: King of Europe? (em inglês). The Guardian. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  102. Wenger backs non-English line-up (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (14 de fevereiro de 2005). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  103. a b Jackson, Jamie (8 de julho de 2010). World Cup 2010: England are 'paying price of foreign Premier League' (em inglês). The Guardian. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  104. Rothwell, Eliot (22 de setembro de 2010). Spain Coach Vicente Del Bosque Insists Foreign Premier League Players Are Not Damaging The English National Team (em inglês). Goal.com. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  105. New Work Permit Criteria for Football Players Announced (em inglês). Department for Education and Employment. HM Government (2 d julho de 1999). Arquivado do original em 30 de setembro de 2007. Página visitada em 05 de novembro de 2012.
  106. Work permit arrangements for football players (em inglês). Home Office. HM Government. Arquivado do original em 26 de setembro de 2006. Página visitada em 05 de novembro de 2012.
  107. Premier League rules (PDF) (em inglês) p. 150. Premier League (2010). Página visitada em 5 de novembro de 2012.
  108. a b Home Grown Player rules (em inglês). Premier League (16 de julho de 2010). Página visitada em 5 de novembro de 2012.
  109. New Premier League squad rules explained (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (27 de julho de 2010). Página visitada em 5 de novembro de 2012.
  110. Forty factors fuelling football inflation (em inglês). The Guardian (31 de julho de 2003). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  111. Wages fall, but Premier League still spend big (em inglês). Soccernet. ESPN (1 de junho de 2006). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  112. O'Connor, Ashling (8 de junho de 2005). Título não preenchido, favor adicionar (em inglês). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  113. Williamson, Laura (8 de junho de 2010). Premier League falls behind German Bundesliga as Europe most profitable football league (em inglês). Daily Mail. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  114. a b From £250,000 to £29.1m (em inglês). The Observer (5 de março de 2006). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  115. Leeds sell Rio for £30 million (em inglês). The Daily Telegraph (21 de julho de 2002). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  116. Chelsea complete Shevchenko deal (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (31 de maio de 2006). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  117. Man City beat Chelsea to Robinho (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (1 de setembro de 2008). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  118. Liverpool sign Carroll from Newcastle for record £35m (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (31 de janeiro de 2011). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  119. Blues wrap up Torres deal (em inglês). Sky Sports. Sky (31 de janeiro de 2011). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  120. Man Utd accept £80m Ronaldo bid (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (12 de junho 2009). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  121. Gareth Bale joins Real Madrid from Spurs in £85m world record deal (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (01 de setembro de 2013). Página visitada em 02de setembro de 2013.
  122. Statistics > All seasons > Top scorers. Premier League.
  123. Premier League .:. Top scorers' list (em inglês). World Football. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  124. Premier League records (em inglês). football.co.uk. DigitalSportsGroup (24 de março de 2008). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  125. Premier League .:. Top scorers' list (em inglês). World Footbal. Página visitada em 28 de junho de 2013.
  126. Tottenham 9–1 Wigan (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation (22 de novembro de 2009). Arquivado do original em 23 de novembro de 2009. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  127. Middlesbrough 4–1 Man Utd (em inglês). BBC Sport. British Broadcasting Corporation. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  128. Premier League .:. Statistics .:. highest-scoring matches (em inglês). World Footbal (29 de setembro de 2007). Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  129. Premier League .:. Statistics .:. Highest wins (em inglês). Página visitada em 28 de junho de 2013.
  130. Rooney named Barclays Player of the Season (em inglês). The Independent (10 de maio de 2010). Página visitada em 09 de fevereiro de 2013.
  131. 10 Seasons Awards Winners (em inglês). Premier League. Arquivado do original em 17 de abril de 2003. Página visitada em 09 de fevereiro de 2013.
  132. 20 Seasons Awards: The Winners (em inglês). premierleague.com. Premier League (15 de maio de 2012). Página visitada em 09 de fevereiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações