Roman Abramovich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Roman Abramovich
Рома́н Арка́дьевич Абрамо́вич
Roman Abramovich
Nome completo Roman Arkadyevich Abramovich
Nascimento 24 de outubro de 1966 (54 anos)
Saratov, RSFS da Rússia
 União Soviética
Nacionalidade russo
israelense
Fortuna US$ 14.4 bilhões (2018)
Ocupação empresário e investidor, Dono do Chelsea

Roman Arkadyevich Abramovich (em russo: Рома́н Арка́дьевич Абрамо́вич,pronunciado [rɐˈman ɐrˈkadʲjɪvʲɪtɕ ɐbrɐˈmovʲɪtɕ]; em hebraico:  : רומן אברמוביץ'; Saratov, 24 de outubro de 1966) é um bilionário russo, dono do clube inglês de futebol Chelsea. Abramovich ocupa, atualmente, a 137° posição no ranking das pessoas mais ricas do planeta, segundo a Revista Forbes[1] com 13 bilhões de dólares. É proprietário também de um iate de 120 metros e de um Boeing 767-300 ER (prefixo P4-MES). Também é dono, através de uma de suas empresas, do time inglês Chelsea.

Acusações[editar | editar código-fonte]

Abramovich é acusado na Justiça russa de desvio de centenas de milhões de rublos em impostos. Não sofreu o destino de Berezovski, entre outras coisas por gozar de imunidade, na qualidade de ex-governador de Chukotka - um distrito gelado da Rússia - embora a Câmara de Auditoria, órgão do governo russo, o acuse de desvios de dinheiro durante seu mandato.

Abramovich confessou ter pago bilhões de dólares por favores políticos e proteções honorárias em troca do controle da riqueza mineral no processo de privatização do Estado soviético. Ele subornou os velhos oligarcas em troca de uma grande quota do petróleo da Rússia e ativos de alumínio.[2]

Abramovich foi acusado pelo jornal francês Le Monde de estar envolvido no contrabando de diamantes de Angola. E o jornal inglês The Times revelou que parte do empréstimo de 4,8 bilhões de dólares do FMI à Rússia, durante a crise financeira de 1998, foi desviada pelo então presidente Ieltsin para a Suíça, onde ficou sob o controle da Runicom, empresa de Abramovich que este ano passou a ser cobrada judicialmente pelo Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento por uma dívida de 14 milhões de dólares.[3]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Família [editar | editar código-fonte]

A família de Abramovich é judia.

A sua mãe - Irina Vasilievna Abramovich (nome de solteira - Mikhailenko) - era professora de música. Morreu quando Roman tinha 1 ano de idade. O seu pai - Aron (Arkady) Abramovich Leibovich (1937 a 1969) - trabalhou no conselho econômico da República Autônoma de Komi[4].

Os avós maternos de Roman foram Vasily Mikhailenko e Faina Borisovna Grutman, ambos nascidos na Ucrânia. Foi em Saratov, nos primeiros dias da Segunda Guerra Mundial, que a avó materna de Roman, Faina Borisovna Grutman, fugiu da Ucrânia. Irina tinha então três anos[5].

Os avós paternos de Roman - Nachman Leibovich e Toybe (Tatyana) Stepanovna Abramovich - eram judeus bielorrussos[6] com apelidos de origem sefardita[7]. Viveram na Bielorrússia e após a revolução mudaram-se para Tauragė, na vizinha Lituânia[8][9][10], com a grafia lituana do nome de família sendo Abramavičius.

Em 1940, o poder soviético chegou à Lituânia. Pouco antes do início da guerra nos territórios fronteiriços ocidentais da URSS, os soviéticos “eliminaram o elemento anti-soviético, criminoso e socialmente perigoso”. Famílias foram enviadas para a Sibéria. Os avós de Abramovich foram separados quando deportados. O pai, a mãe e os filhos - Leib, Abram e Aron (Arkady) - foram em carros diferentes. Muitos dos deportados morreram nos campos. Entre eles estava o avô de Abramovich. Nachman Leibovich morreu em 1942 no campo do NKVD no assentamento de Resheti, Território de Krasnoyarsk[11].

Tendo perdido ambos os pais antes dos 4 anos de idade[12], Abramovich foi criado por parentes e passou grande parte de sua juventude na República de Komi, no norte da Rússia. Abramovich é o presidente da Federação das Comunidades Judaicas da Rússia, mandatário do Museu Judaico de Moscovo[13] e é benemérito do movimento Chabad[14].

Abramovich foi casado e divorciado três vezes. Em dezembro de 1987, após uma breve passagem pelo exército soviético, casou-se com Olga Yurevna Lysova[15]; de quem se divorciou em 1990. Em outubro de 1991, casou-se com uma hospedeira de bordo da Aeroflot, Irina Malandina[16]. Tiveram cinco filhos; Ilya, Arina, Sofia, Arkadiy e Anna[17]. O casal divorciou-se em 2007[18]. Em 15 de outubro de 2006, o News of the World noticiou que Irina havia contratado dois importantes advogados de divórcio no Reino Unido, após relatos sobre o relacionamento próximo de Abramovich com Dasha Zhukova, então com 25 anos, filha de um proeminente oligarca russo, Alexander Zhukov. Especulou-se que um futuro acordo de divórcio (totalizando uma estimativa de 5,5 mil milhões de libras (6,5 mil milhões de euros)) poderia ser o maior já registrado. Os Abramovich responderam que nenhum dos dois havia consultado advogados até aquele momento. No entanto, acabaram por se divorciar na Rússia em março de 2007, com um acordo de 300 milhões de dólares (213 milhões de euros)[19][20]. Abramovich casou-se com Zhukova em 2008, com quem teve dois filhos, Aaron Alexander e Leah Lou. [20] Em agosto de 2017, o casal anunciou que se separaria[21]; e o seu divórcio foi finalizado em 2018.

Riqueza[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Forbes, em março de 2011, ele tinha um patrimônio líquido de US $ 13,4 bilhões acima dos US $ 11,2 bilhões no ano anterior, classificando-o como a pessoa mais rica 53 no mundo. Antes da crise financeira, ele foi considerado para ser a segunda pessoa mais rica que vive no Reino Unido.  No início de 2009, The Times estimou que, devido à crise econômica global que perdeu £ 3 bilhões de seu £ 11.7 bilhões de sua riqueza. Em março de 2015 sua fortuna foi avaliada em US$ 7.9 bilhões pela Revista Forbes.

Chelsea F. C.[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2003, Abramovich tornou-se o proprietário das empresas que controlam o Chelsea Football Club no oeste de Londres. O antigo dono do clube era Ken Bates, que passou a comprar o Leeds United. O Chelsea embarcou imediatamente num ambicioso programa de desenvolvimento comercial, com o objetivo de torná-lo uma marca mundial a par de dinastias do futebol como Manchester United e Real Madrid, e também anunciou planos para construir um novo complexo de treino de última geração em Cobham, Surrey.

Desde a aquisição, o clube conquistou 17 troféus importantes - a UEFA Champions League duas vezes, a UEFA Europa League duas vezes, a Premier League cinco vezes, a FA Cup cinco vezes (com 2010 proporcionando a primeira liga do clube e uma dobradinha da FA Cup), e a Copa da Liga três vezes, fazendo do Chelsea o clube inglês com mais sucesso durante sua gestão, igual ao Manchester United (que também conquistou 17 troféus importantes no mesmo período). A sua gestão também foi marcada por uma rápida rotatividade de gerentes, que podem ser demitidos se não trouxerem sucesso imediato e o mantiverem.

Em 8 de junho de 2021, o relatório da Liga Anti-Difamação intitulado "Anti-semitismo no futebol europeu está em crescendo" diz que "A experiência do proprietário judeu do Chelsea FC, Roman Abramovich, destaca o fenômeno. Ele tem sido repetidamente alvo do Twitter com conteúdos anti-semitas, com tweets como:

- “Roman Abramovich é judeu, pare de apoiar o Chelsea”

- “Os judeus realmente governam o mundo. Fiquei surpreso ao saber que Roman Abramovich é um.”

- “@premierleague manipula resultados para o judeu Abramovich”

- “[O técnico do Chelsea, Thomas] Tuchel não vai receber apoio no verão. Ele é alemão e Abramovich é um judeu.”

- “Garanto que [o jogador do Chelsea Timo] Werner faria 30 golos nesta temporada se não soubesse que Roman Abramovich era judeu”

De acordo com a ADL, "Abramovich é dono do Chelsea FC há 18 anos e o Chelsea FC tem sido uma voz de liderança no futebol europeu contra o anti-semitismo, tendo executado grandes programas educativos para os seus adeptos e para uma rede de escolas que o Chelsea FC adotou para promover sua agenda anti-racismo."[22]

As doações de caridade[editar | editar código-fonte]

Abramovich doa mais dinheiro para a caridade do que qualquer outro russo. Desde 1999, Abramovich já doou mais de US $ 2,5 bilhões para construir escolas, hospitais e infra-estrutura em Chukotka. Além disso, a Evraz Plc (EVR), a siderúrgica em parte propriedade de Abramovich, doou $ 164.000.000 para projetos sociais, entre 2010 até 2012, um montante que não é contado na de Abramovich $ 310 milhões de doações durante este período.

Roman investiu em doze startups israelenses ultimamente, incluindo, a marca de baterias de recarga rápida Storedot.[23]. Em 2018, doou 70 milhões de novos shekels israelenses para o hospital Sheba em Tel HaShomer para pesquisas de medicina nuclear.[24]

Outros interesses e atividades[editar | editar código-fonte]

Arte[editar | editar código-fonte]

Roman Abramovich patrocinou uma exposição de fotografias de Uzbequistão pelo renomado fotógrafo Soviético Max Penson (1893-1959), que abriu em 29 de novembro de 2006 na Coleção Gilbert na Somerset House, em Londres. Anteriormente, ele financiou a exposição "Quiet Resistance: Fotografia Pictorial russo 1900s-1930s" na mesma galeria em 2005. Ambas as exposições foram organizadas pela Câmara de Moscovo de Fotografia.

Em maio de 2008, Abramovich surgiu como um grande comprador no mercado internacional de leilões de arte. Ele comprou Francis Bacon's Triptych 1976 para 61.400.000 € (US $ 86.300.000) (um preço recorde para uma obra do pós-guerra da arte) e Lucian Freud' s Benefícios Supervisor de dormir para € 23.900.000 (US $ 33,6 milhões) (um recorde preço para uma obra de um artista vivo).

Seu parceiro Dasha Zhukova está a gerir um Centro de Cultura Contemporânea de garagem | galeria de arte contemporânea em Moscovo, que ocupa um histórico Bakhmetevsky Bus Garage feito por Konstantin Melnikov. O edifício, negligenciado por décadas e parcialmente desmontado por inquilinos anteriores, foi restaurada em 2007-2008 e reaberto ao público em setembro de 2008. As despesas de restauração são creditadas ao patrocínio de Abramovich.

Iates[editar | editar código-fonte]

Um dos Iates de Abramovich

Abramovich se tornou maior gastador do mundo em iates de luxo, e que tinha sido ligado a cinco iates no que a mídia tem chamado de "Marinha de Abramovich": 

  • Eclipse 162,5 metros (533 pés) - design ultramoderno por Hermidas Atabeyki. Semelhante a Pelorus com linhas ainda mais agressivas e um esquema tricolor, também com o interior feito por Terence Disdale.  Criada na Alemanha por Blohm + Voss, ela foi lançada em setembro de 2009. Abramovich foi ter a devida entrega do iate em dezembro de 2009, que foi adiada por quase um ano depois de testes no mar. Acredita-se ter custado algo em torno US $ 400 milhões, sendo o maior iate privado até então feito, superando em 180 metros (590 pés) o iate Azzam, em 2013.[25]  A embarcação inclui ao menos: duas piscinas, um cinema, dois heliportos de embarque e desembarquie, várias cabinas de bordo e um submarino com capacidade de submergir a 160 pés. Ela tem sido relatada a ter um "anti-paparazzi sistema foto-protetor" instalado. 
  • Titan 78 metros (256 pés) - construídas por Abeking & Rasmussen em 2010, com tanto exterior, bem como design de interiores criados por Reymond & Langton. 
  • "Sussurro" 49,5 metros (162 pés) - construído por Feadship em 1998

Ex barcos:

  • Pelorus de 115 metros (377 pés) - Construído em 2003 por Lurssen para outro cliente que recebeu seis propostas de venda antes de ela sequer ser concluída, em 2004, aceitando aí a oferta da Abramovich. O interior contemporâneo foi projetado por Terence Disdale. Pelorus foi reaparelhado por Blohm + Voss em 2005 adicionando um novo heliporto em frente e estabilizadores de velocidade zero. Ela foi parcialmente reformado uma vez por Blohm + Voss em 2007-2008. Na maioria das vezes encontrada cruzando o Mediterrâneo Ocidental, Abramovich levou-a anualmente para o Caribe para comemorar a véspera de Ano Novo em St Bart. Dada a Irina em 2009 como parte do acordo de divórcio, ela foi comprado por David Geffen nome 's pelo corretor Merle Wood, com Geffen pagar US $ 300 milhões para tomar posse em 2011.
  • Le Grand Bleu 112 metros (367 pés) de expedição do iate) - anteriormente propriedade de John McCaw, Abramovich comprou para ele em 2002 e teve seu interior completamente remodelados, incluindo um 16 pés (4,9 m) nadar plataforma e esportes dock. Ele apresentou-a a seu sócio e amigo Eugene Shvidlerem em Junho de 2006.
  • Ecstasea 85 metros (279 pés) - A maior Feadship construídos até à data. Ela tem uma turbina a gás ao lado dos motores diesel convencionais, que dá sua alta velocidade de cruzeiro. Abramovich vendeu o barco para a família Al Nayhan em 2009.
  • Luna 115 metros (377 pés) - fornecidos a Roman Abramovich, o maior iate de expedição do mundo. Vendido para seu amigo azeri, bilionário da Farkhad Akhmedov em abril de 2014 por $ 360M USD. Possui um tanque de combustível 1000000 litros, 7 motores outputting 15.000 hp impulsionando Luna para uma velocidade máxima de 25 nós, 8 propostas, 15 centímetros de classe gelo casco de aço e 10 VIP Cabins.

Aeronaves[editar | editar código-fonte]

O Boeing de Abramovich

Ele é dono de uma aeronave privada Boeing 767-33A, registrada em Aruba como P4-MES. Ele é conhecido como "The Bandit", devido à sua detalhe na pintura do cockpit. Originalmente, a aeronave foi ordenada pela Hawaiian Airlines, mas a ordem foi cancelada e Abramovich comprou da Boeing e a remodelou para suas próprias necessidades. Ele também é dono de uma Dassault Falcon 7X com registro LX-MES. É chamado de 'Mini bandit".

Referências

  1. Lista de bilionários da Forbes (em inglês)
  2. «The Times & The Sunday Times» (em inglês). Consultado em 29 de junho de 2018 
  3. Caros Amigos, ed.108 Amizades perigosas
  4. «Roman Abramovich. Biography. Abramovich, Roman Arkadievich - biography Who is Abramovich and what does he do». ezoteriker.ru. Consultado em 8 de junho de 2021 
  5. «Roman Abramovich - biography of a wealthy man». vk-spy.ru. Consultado em 8 de junho de 2021 
  6. «Roman Abramovich - biography of a wealthy man». vk-spy.ru. Consultado em 9 de junho de 2021 
  7. ELIAB, ELIAB (4 de novembro de 2005). «A Large Selection of Sephardic Jewish Surnames». www.ancestry.com. ELIAB. Consultado em 23 de maio de 2008 
  8. «Roman Abramovich: the orphan who came in from the cold». www.telegraph.co.uk. Consultado em 8 de junho de 2021 
  9. hermes (14 de dezembro de 2015). «Beneath the cold 'death mask' of Abramovich». The Straits Times (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2021 
  10. «Billionaire Roman Abramovich helps brings ill Israeli kids to the World Cup». Jewish Telegraphic Agency (em inglês). 21 de junho de 2018. Consultado em 8 de junho de 2021 
  11. «Roman Abramovich - biography of a wealthy man». vk-spy.ru. Consultado em 8 de junho de 2021 
  12. «Roman Abramovich: the orphan who came in from the cold». www.telegraph.co.uk. Consultado em 8 de junho de 2021 
  13. «Board of Trustees». www.jewish-museum.ru. Consultado em 8 de junho de 2021 
  14. Goldman, Marshall I. (2003). The piratization of Russia : Russian reform goes awry. Library Genesis. [S.l.]: London ; New York : Routledge 
  15. «Roman Abramovich is no longer Chukotka's governor». kp.ru (em russo). 3 de julho de 2008. Consultado em 8 de junho de 2021 
  16. «Abbandonata dal marito, Galina Berezovskij si consola con 227 milioni di euro». ilGiornale.it (em italiano). 24 de julho de 2011. Consultado em 8 de junho de 2021 
  17. «Abbandonata dal marito, Galina Berezovskij si consola con 227 milioni di euro». ilGiornale.it (em italiano). 24 de julho de 2011. Consultado em 8 de junho de 2021 
  18. «Roman Abramovich is no longer Chukotka's governor». kp.ru (em russo). 3 de julho de 2008. Consultado em 8 de junho de 2021 
  19. «Abbandonata dal marito, Galina Berezovskij si consola con 227 milioni di euro». ilGiornale.it (em italiano). 24 de julho de 2011. Consultado em 8 de junho de 2021 
  20. «Goodnight Irina: Abramovich settles for mere £155m». the Guardian (em inglês). 16 de março de 2007. Consultado em 8 de junho de 2021 
  21. «Chelsea owner Roman Abramovich splits from wife». BBC News (em inglês). 7 de agosto de 2017. Consultado em 8 de junho de 2021 
  22. «Antisemitism in European soccer on the rise». adl. 8 de junho de 2021. Consultado em 10 de junho de 2021 
  23. «Roman Abramovich to take out Israeli citizenship - report - Globes». Globes (em hebraico). Consultado em 29 de junho de 2018 
  24. «www.thejc.com/news/uk-news/chelsea-owner-roman-abramovich-gives-over-14m-to-israeli-hospital-for-nuclear-medicine-research-1.459985». www.thejc.com. Consultado em 29 de junho de 2018 
  25. «Russian Billionaire Installs Anti-Photo Shield on Giant Yacht». WIRED (em inglês) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Roman Abramovich
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.