Leeds United Football Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Leeds United
Leeds United Logo.png
Nome Leeds United Football Club
Alcunhas The Whites, The Peacocks
Mascote Lucas The Kop Cat
Principal rival Manchester United
Millwall
Sheffield United[1]
Fundação 17 de outubro de 1919 (101 anos)
Estádio Elland Road
Capacidade 37.890
Localização Leeds, West Yorkshire, Inglaterra
Presidente Andrea Radrizzani
Treinador Marcelo Bielsa
Patrocinador SBOTOP
Material (d)esportivo Adidas
Competição Premier League
Copa da Inglaterra
Copa da Liga Inglesa
Website leedsunited.com
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Leeds United Football Club ou simplesmente Leeds United, é um clube de futebol inglês, com sede em Leeds, na região de Yorkshire.[2]

O Leeds foi fundado em 1919, e manda seus jogos no estádio Elland Road. Já venceu a Liga Inglesa três vezes, além de ter terminado como vice outras cinco, venceu a FA Cup e a Copa da Liga Inglesa por uma vez cada uma, tendo como maior destaque internacional o vice-campeonato da Liga dos Campeões da UEFA em 1975, além de duas conquistas da Taça das Cidades com Feiras.

Seu uniforme principal é na cor branca, e seu escudo conta com a "White Rose of York", adotada como símbolo de Yorkshire.

Nos anos 2000 acabou entrando em crise financeira. Rebaixado em 2004, chegou a cair para a Terceira Divisão Inglesa, na qual permaneceu até 2010, quando conseguiu subir para segunda divisão, e, finalmente a partir de 2020 voltou a disputar a Premier League, após ter conquistado o título de campeão da Segunda Divisão da Temporada 2019-20.[3][4]

Apesar das dificuldades enfrentadas, no Século XXI ainda é o vigésimo clube com mais pontos conquistados na História da Primeira Divisão do Campeonato Inglês, com a Temporada 2020-21 sendo a sua 51ª na elite.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Era pré Leeds United[editar | editar código-fonte]

Herbert Chapman

A equipe antecessora do Leeds United, Leeds City, foi formada em 1904 e eleita como membro da Liga em 1905. No início foi difícil atrair grandes multidões para Elland Road, mas o clube cresceu graças a chegada de Herbert Chapman, que em 1914 chegou a dizer que: "Esta cidade foi construída para apoiar o futebol de primeira linha" . O crescimento do Leeds City ia bem até 1919, quando foi forçado a se desfazer, vendendo todos os seus atletas, como punição a alegações de pagamentos ilegais a jogadores durante a Primeira Guerra Mundial. Ainda em 1919, o Leeds City foi recriado, agora como Leeds United, tendo sido convidado a entrar para a Midland League a partir de 31 de outubro, ocupando o lugar vago deixado pelas reservas da cidade de Leeds. Após a dissolução do Leeds City, o Yorkshire Amateurs comprou o estádio Elland Road e se ofereceu para dar lugar à nova equipe, sob a administração do ex-jogador Dick Ray

O presidente da cidade de Huddersfield, Hilton Crowther[6], emprestou ao Leeds United £ 35.000, para ser reembolsado quando o Leeds United fosse promovido à primeira divisão. Ele também trouxe o gerente de Barnsley, Arthur Fairclough, que assumiu a administração em 1920, tendo Dick Ray como seu assistente.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Leeds United 1920-21.

Em 31 de maio de 1920, o Leeds United começa a disputar o Campeonato Inglês. Obtendo ao longo dos anos seguintes uma posição na Segunda Divisão, até que em 1924, após a conquista do título foi promovido para a Primeira Divisão. Na temporada 1946-1947, depois da guerra, o Leeds foi rebaixado novamente com o registro de pior campeonato da sua história.

A equipe permaneceu na Segunda Divisão, até 1955-1956, quando mais uma vez ganhou a promoção para a primeira divisão, graças ao talentoso John Charles, que posteriormente seria vendido a Juventus, o que resultaria em novo rebaixamento em 1959-1960.

1961-1975: Era Don Revie[editar | editar código-fonte]

Estátua do capitão Billy Bremner, fora do Elland Road.
Estátua de Don Revie, fora do Elland Road

Em março de 1961, o clube nomeou o ex-jogador Don Revie como gerente, na sequência da demissão de Jack Taylor. Sua administração começou em circunstâncias adversas; com o clube novamente em dificuldades financeiras, só escapou de ser novamente rebaixado para a terceira divisão na temporada 1961-1962, graças a única vitória, no último jogo da temporada. Revie implementou uma política de reestruturação, inclusive com uma mudança na cor do uniforme, todo branco no estilo do Real Madrid, trazendo o clube novamente a promoção para a primeira divisão em 1963-1964.

Em seus 13 anos no comando, Revie guiou o Leeds a dois títulos do campeonato de futebol da Primeira Divisão, uma Taça de Inglaterra, uma Taça da Liga, Duas Taças da cidade, um título Football League Second Division e um Charity Shield, chegando a finais e semifinais de muitos outros torneios importantes, como a Champions League.

1975–1988: Era pós Revie[editar | editar código-fonte]

Após a temporada de 1973-1974, Revie deixa o Leeds em 1974, para gerenciar a Seleção da Inglaterra. Brian Clough foi apontado como o sucessor de Revie, o que foi uma surpresa, pois Clough tinha sido um crítico ferrenho de Revie e das táticas da equipe. O comando de Clough como treinador começou mal, com derrota na Supertaça, jogo contra o Liverpool, em que Billy Bremner e Kevin Keegan foram ambos expulsos por brigarem. Após uma sucessão de partidas fracas Clough depois de apenas 44 dias acabou demitido.

Clough acabou sendo substituído pelo ex-capitão da seleção inglesa Jimmy Armfield, que após retomar as táticas antigas de Revie levou a equipe para a final da Taça dos Campeões Europeus 1974-75, quando foi derrotada pelo Bayern de Munique, em circunstâncias controversas. O técnico reconstruiu a equipe de Revie que, embora já não mais dominasse o futebol Inglês, manteve-se entre os dez primeiros nas temporadas seguintes. No entanto, impaciente com a demora para o sucesso da equipe, Armfield foi demitido, iniciando uma sequência de contratações, Stein, Adamson, Clarke, Gray e Bremner, todas sem sucesso, tendo a equipe retornado, mais uma vez, para a Segunda Divisão.

1988-1996: Era Howard Wilkinson[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 1988, com o time na 21 º colocação na Segunda Divisão, Bremner foi demitido para dar lugar a Howard Wilkinson, que levou a equipe de volta a Primeira Divisão em 1989-90. Sob o comando de Wilkinson o Leeds terminou em 4 º em 1990-1991 e em 1991-1992 venceu o título. No entanto, na temporada 1992-93 o Leeds saiu da Liga dos Campeões na fase inicial, terminando em 17º na Liga, conseguindo evitar o rebaixamento por muito pouco.

Wilkinson ficou até a temporada 1996-1997, quando foi demitido após uma derrota para o Manchester United. Wilkinson deixou um legado fantástico, incluindo as categorias de base do clube que até hoje tem fornecido grandes jogadores a equipe.

1997-2001: Graham e O'Leary[editar | editar código-fonte]

O Leeds nomeou George Graham como o sucessor de Wilkinson. Esta nomeação foi controversa, pois Graham já havia recebido uma suspensão de um ano pela Football Association por recebimento de pagamentos ilegais a partir de um agente de futebol. George Graham levou o Leeds até a final dos anos 1997-1998, classificando-o para a Copa da UEFA na sequência da temporada. Em outubro de 1998, Graham deixou o clube para se tornar comandante do Tottenham Hotspur, fazendo com que o Leeds nomeasse o seu assistente, David O'Leary.

Sob o comando de O'Leary, o Leeds United nunca terminou fora do top 5 na Premier League, e garantiu a qualificação, tanto para a Taça UEFA e a UEFA Champions League. No entanto, durante o mesmo período, a imagem da equipe foi manchada quando os jogadores Jonathan Woodgate e Lee Bowyer foram envolvidos em um incidente, que deixou uma estudante asiática no hospital com ferimentos graves. O processo judicial resultante levou quase dois anos para resolver; Lee Bowyer foi inocentado, e Jonathan Woodgate condenado a serviço comunitário. Além disso, na semifinal da Taça UEFA contra o Galatasaray em Istambul, dois torcedores foram esfaqueados até a morte antes do jogo.

2001–2007: implosão financeira e rebaixamentos.[editar | editar código-fonte]

Championship Play-off final 2006 (Leeds vs Watford).
Desempenho do Leeds na Liga Inglesa.

No início da década de 2000 o Leeds passou a fazer grandes empréstimos, não tendo verba suficiente para pagá-los, tendo como primeira indicação de que o clube estava com problemas financeiros a venda de Rio Ferdinand para o Manchester United por cerca de £ 30.000.000. A crise acabou piorando quando o Leeds United demitiu O'Leary e contratou Terry Venables, quando a equipe começou jogar mal e ainda vendeu alguns de seus mais importantes jogadores como Jonathan Woodgate, além de outros jogadores que o presidente havia prometido ao treinador que não seriam liberados.

Após essas polemicas e baixos resultados, os dois saíram de seus cargos, deixando a equipe em zona de perigo, conseguindo ápos a chegada Peter Reid, permanecer na primeira divisão. Um começo sem sucesso na temporada 2003-04 viu Peter Reid demitido, e Eddie Cinza assumiu como técnico interino até o final da temporada. Um especialista em insolvência, Gerald Krasner, liderou um consórcio de empresários locais, que assumiu Leeds e supervisionou a venda de ativos dos clubes, incluindo altos e emergentes jovens jogadores de qualquer valor. Leeds foi rebaixado durante a temporada 2003-04. Após o rebaixamento para a Championship, e Kevin Blackwell foi nomeado gerente. A maioria dos jogadores restantes foram vendidos ou liberados para reduzir ainda mais os altos salários; Blackwell foi forçado a reconstruir quase todo o plantel através de transferências livres, e o Leeds United foi obrigados a vender tanto o seu campo de treinamento e estádio, no Outono de 2004.

Com a equipe com um mau desempenho, o contrato de Blackwell foi encerrado, e a equipe contratou John Carver como técnico interino, mas a aposta não foi um sucesso e ele foi demitido das suas funções com Dennis Wise anunciado como seu substituto. Sensato ele era incapaz de tirar a equipe da zona de rebaixamento durante grande parte da temporada, apesar de trazer uma série de jogadores experientes e de empréstimos gratuitos em negócios de curto prazo. Com o rebaixamento praticamente assegurado, o Leeds United ainda perdeu pontos no campeonato levando a mais um rebaixamento, agora para a Terceira Divisão.

2007–2010: League One[editar | editar código-fonte]

Após uma sucessão de problemas de administração e na negociação de jogadores, a equipe conseguiu disputar a terceira divisão, iniciando o campeonato com 15 pontos negativos, o que não impediu que a equipe chegasse aos play-offs, sob o comando de Dennis Wise que saiu antes do fim do campeonato para o Newcastle United, foi substituído pelo ex-capitão do clube Gary McAllister. Chegou até a final mas acabou sendo derrotada pelo Doncaster Rovers.

Na temporada seguinte viu uma série de maus resultados, e McAllister foi demitido depois de uma corrida de 5 derrotas consecutivas. McAllister foi substituído por Simon Grayson, que pediu demissão de seu cargo no Blackpool para assumir a posição no Leeds United. O time fez os play-offs, mais uma vez, e foram derrotados nas semifinais pelo Millwall.

Na temporada 2009-10 Leeds assegurou o melhor início de temporada, e causou uma grande surpresa na terceira rodada da Copa da Inglaterra ao derrotar o Manchester United em Old Trafford. Após a campanha impressionante na FA Cup, a equipe sofreu, com o time obtendo apenas 7 pontos de 24 possíveis.

No entanto, a equipe se superou e acabou por conquistar o acesso.

2010–2019: retorno a segunda divisão[editar | editar código-fonte]

Em sua volta a Segunda Divisão, passou grande parte da temporada na zona de classificação aos play-offs, mas acabou terminando uma posição abaixo disto.

Em maio de 2011 foi anunciado que o presidente Ken Bates tinha comprado o clube e se tornado o proprietário do Leeds United antes da partida contra o Middlesbrough.

A torcida acabou por protestar, e o presidente rebatou as críticas, insultando os torcedores. Em 2012 o clube foi vendido para uma empresa do Oriente Médio, a GFH, que venderia novamente a equipe em 2014 para o grupo Eleonora Sport Ltda, do mesmo dono da equipe italiana Cagliari Calcio, que é representado por Massimo Cellino.

2014-2017: O período Mássimo Cellino[editar | editar código-fonte]

Após a aquisição da Eleonora Sport Ltda, o clube seguiu no ostracismo. Embora não tenha corrido riscos de rebaixamento, o Leeds não empolgava em nada, sempre figurando do meia para baixo da tabela.

Pra piorar, o majoritário, o Italiano Massimo Cellino foi punido pela Football League após ele ter sido punido nos tribunais Italianos por sonegação de impostos, sendo obrigado a ficar longe da administração do clube até abril de 2015.

Em 4 de janeiro de 2017, o empresário italiano Andrea Radrizzani comprou uma participação de 50% no clube de Massimo Cellino. Nesta temporada, o Leeds esteve nas posições Playoffs durante a maior parte da temporada. Porém, o time caiu de rendimento nas últimas rodadas e acabou ficando em sétimo, fora da zona de classificação aos playoffs. Além disso, o Leeds havia sido eliminado na quarta rodada da F.A Cup pelo Sutton United, time da quinta divisão.

2017-2018: a Era Radrizzani e a recuperação do Elland Road[editar | editar código-fonte]

Em 23 de maio de 2017, Radrizzani anunciou a compra de 100% das ações do Leeds United, comprando os 50% restantes do co-proprietário anterior Massimo Cellino, assumindo assim, a propriedade integral do clube. O treinador Garry Monk renunciou ao cargo de treinador, após uma temporada no clube em que os guiou para o sétimo lugar. Em junho de 2017, o ex-jogador da seleção Espanhola Thomas Christiansen foi anunciado como o novo treinador do Leeds. Também em junho, Radrizzani concluiu a compra da Elland Road, devolvendo o estádio ao clube que não possuía desde 2004, devido aos problemas financeiros. Em 4 de fevereiro de 2018, Thomas Christiansen foi demitido após uma série de jogos ruins, deixando a equipe em 10º lugar na Champioship. Em 6 de fevereiro, Paul Heckingbottom foi confirmado como substituto de Christiansen.

Em 24 de maio de 2018, o Leeds anunciou que a 49ers Enterprises (empresa que administra o time de futebol americano San Francisco 49ers) havia comprado ações do clube para se tornar um investidor minoritário. Em 1 de junho de 2018, Heckingbottom foi demitido pelo Leeds, durando apenas quatro meses no cargo. Para o seu lugar, no dia 15 de junho o Leeds anuncia a contratação do técnico argentino Marcelo Bielsa, assinando um contrato de dois anos com a opção de um terceiro ano, tornando-se o treinador mais bem pago na história do Leeds United.

2018–presente: a era Bielsa e o retorno de um gigante, a volta do Leeds à Premier League.[editar | editar código-fonte]

É inegável que a ida de Bielsa ao Leeds foi uma das coisas mais aleatórias que poderia acontecer, afinal, um técnico brilhante, revolucionário, mas com pouca sorte estava indo para a segunda divisão, mesmo sabendo que tinha mercado nas primeiras divisões de outras ligas. Mas o argentino comprou a ideia, fez as suas requisições e o clube prontamente o atendeu. A ambição do Leeds era surpreendente. A torcida acreditou no projeto e depois de muitos anos, a cidade do norte da Inglaterra voltava a respirar o futebol. O argentino resgatou o futebol da cidade e a esperança dos seus torcedores.

Na primeira temporada o Leeds apresentava o melhor futebol da Champioship, quiçá de toda a Inglaterra, era o trabalho de Marcelo Bielsa sendo colocado em prática. O time esteve durante quase todo o campeonato alternando entre a liderança e o segundo lugar, ocasiões em que garantia o retorno direto a primeira divisão. No entanto, o Leeds perdeu forças na reta final e acabou ficando na terceira posição, tendo que disputar os playoffs. Ao chegar na fase decisiva, no primeiro jogo, vitória sobre o Derby County. A vantagem construída fora de casa fez com que o Leeds precisasse apenas de um empate no Elland Road, mas acabou amargando uma dura derrota por 4-2 diante de seus torcedores e adiando, mais uma vez, o sonho de retornar à Premier League.

O trágico fim da temporada 2018-2019 fez muita gente pensar: "será que o Bielsa fica?" Para a alegria de todos os torcedores, Marcelo Bielsa anunciou que permaneceria no Leeds. A temporada 2019-2020 começa, o Leeds novamente larga bem, conseguindo figurar entre os dois primeiros colocados em novembro pra nunca mais sair. Mesmo com uma queda no período do boxing day (o que é uma tradição do time), o Leeds voltou a ter sequências de vitórias e assumindo a liderança da Champioship até a parada pelo coronavírus

Após o retorno em 21 de junho de 2020, o Leeds continuava com aquele futebol envolvente e atraente, bem no estilo Bielsa, mas acabou sendo derrotado pelo Cardiff. Isso não abalou, o time se reergueu e venceu o difícil time do Fulham por 3-0 e se manteve firme rumo ao sonho. No dia 17 de julho de 2020, a história é contada. Após a derrota do West Brom para o Huddersfield, o Leeds United estava oficialmente classificado para a Premier League, após longínquos 16 anos. No dia seguinte a festa foi ainda maior. Com a derrota do Brentford para o Stoke City por 1-0, o Leeds além de voltar a primeira divisão, ainda conquistava o título da EFL Champioship pela 4ª vez em sua história, sem precisar entrar em campo.[7][8]

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Mapa de West Yorkshire e seus clubes.

A maior rivalidade do Leeds é com o Manchester United, clássico intitulado como ""Guerra das Flores"", devido à rivalidade tradicional entre os condados de Lancashire e Yorkshire. Millwall e Sheffield United são apontados como o segundo e o terceiro maior rival pela torcida do Leeds.[9]

Outra rivalidade do Leeds é com clube turco Galatasaray, depois que dois fãs do Leeds foram assassinados por partidários do Galatasaray antes de um jogo da Taça UEFA em abril de 2000.[10] Quando o ex-jogador do Leeds, Harry Kewell, mudou-se para o Galatasaray em 2008, causou tumulto com torcedores Leeds.[11][12][13]

Também existem rivalidades históricas com os seus vizinhos regionais.

Estádio[editar | editar código-fonte]

O estádio Elland Road.

A equipe manda seus jogos no estádio Elland Road, próprio, situado na cidade de Leeds, que tem capacidade de 37.890 pessoas.

O recorde de público é de 57.892 torcedores em 15 de março de 1967 pela Copa da Inglaterra contra o Sunderland. Após as adequações de modernização e segurança do estádio ao Relatório Taylor, o recorde é de 40.287 pela Premiership contra o Newcastle United em 22 de dezembro de 2001.[14]

Foi um dos estádios usados na Eurocopa de 1996, e já recebeu vários concertos de bandas como U2, Kaiser Chiefs e Queen.

O estádio foi construído em 1887 e remodelado mais cinco vezes, em 1920, 1953, 1971, 1994 e 2006.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Continentais
Competição Títulos Temporadas
UEFA - Inter-Cities Fairs Cup.svg Taça das Cidades com Feiras 2 1967-68 e 1970-71
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
Premier.png Campeonato Inglês 3 1968-69, 1973-74 e 1991-92
FA Cup.png
Copa da Inglaterra 1 1971-72
Carling.png Copa da Liga Inglesa 1 1967-68
CommunityShield.png
Supercopa da Inglaterra 2 1969 e 1992
Football league championship cup.svg
Campeonato Inglês - 2ª Divisão 4 1923-24, 1963-64, 1989-90 e 2019-20

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Continentais
Competição Posição Temporadas
Coppacampioni.png Liga dos Campeões da UEFA Vice-campeão 1974-75
UEFA - Inter-Cities Fairs Cup.svg Taça das Cidades com Feiras Vice-campeão 1966-67
Coppacoppe.png Recopa Europeia Vice-campeão 1972-73
Nacionais
Competição Posição Temporadas
Premier.png Campeonato Inglês Vice-campeão 1964-65, 1965-66, 1969-70, 1970-71, 1971-72
FA Cup.png
Copa da Inglaterra Vice-campeão 1964-65, 1969-70, 1972-73
Carling.png Copa da Liga Inglesa Vice-campeão 1995-96
CommunityShield.png
Supercopa da Inglaterra Vice-campeão 1974
Football league championship cup.svg
Campeonato Inglês - 2ª Divisão Vice-campeão 1927-28, 1931-32, 1955-56
Football league championship cup.svg
Campeonato Inglês - 3ª Divisão Vice-campeão 2009-10

Jogadores notáveis[editar | editar código-fonte]

Patrocinadores/material esportivo[editar | editar código-fonte]

Ano Material Esportivo Patrocinador Principal Patrocinador Secundário
1972–73 Umbro
1973–81 Admiral
1981–83 Umbro
1983–84 Systime
1984–85 WKG
1985–86 Lion Cabinets
1986–89 Burton
1989–91 Top Man
1991–92 Evening Post
1992–93 Admiral Admiral
1993–96 Asics Thistle Hotels
1996–00 Puma Packard Bell
2000–03 Nike Strongbow
2003–04 Whyte & MacKay
2004–05 Diadora Rhodar
2005–06 Admiral
2006–07 Bet 24 Empire Direct
2007–08 Red Kite OHS
2008–11 Macron NetFlights.com
2011–14 Enterprise Insurance
Help-Link
2014-20 Kappa
2020-25 Adidas 32Red

Elenco[editar | editar código-fonte]

Legenda
  • Capitão: Capitão
  • Lesionado: Lesão


Goleiros
N.º Jogador
1 França Illan Meslier
25 Itália Elia Caprile
Defensores
N.º Jogador Pos.
5 Alemanha Robin Koch Z
6 Escócia Liam Cooper Capitão Z
14 Espanha Diego Llorente Z
21 Países Baixos Pascal Struijk Z
2 Inglaterra Luke Ayling LD
15 Irlanda do Norte Stuart Dallas LD
3 Espanha Junior Firpo LE
24 Inglaterra Leif Davis LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
23 Inglaterra Kalvin Phillips V
36 Inglaterra Robbie Gotts V
46 Inglaterra Jamie Shackleton V
48 Inglaterra Jordan Stevens V
4 Inglaterra Adam Forshaw M
22 Inglaterra Jack Harrison M
43 Polónia Mateusz Klich M
Atacantes
N.º Jogador
7 Colômbia Ian Poveda
9 Inglaterra Patrick Bamford
10 Brasil Raphinha
11 País de Gales Tyler Roberts
17 Portugal Hélder Costa
20 Espanha Rodrigo
30 Inglaterra Joe Gelhardt
Comissão técnica
Nome Pos.
Argentina Marcelo Bielsa T

Uniformes[editar | editar código-fonte]

1º Uniforme[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2019–2020
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2018–2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2017–2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2016–2017
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2015–2016

2º Uniforme[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2019–2020
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2018–2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2017–2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2016–2017
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2015–2016

3º Uniforme[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2019–2020
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2018–2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2017–2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2016–2017

Referências

  1. Site Friends of Fulham - Football Rivalry Census 2012 (with Poll), página editada em 24 de setembro de 2012 e disponível em 21 de setembro de 2018.
  2. «BOLA N@ ÁREA - Campeonato Inglês». www.bolanaarea.com. Consultado em 12 de setembro de 2020 
  3. PARRELA, Leonardo (17 de julho de 2020). «Leeds United volta à Premier League em grande campanha com Bielsa.». Premier League Brasil. Consultado em 17 de julho de 2020 
  4. RECORD, Equipe do site (18 de julho de 2020). «Leeds United sagra-se campeão do Championship.». Record.pt. Consultado em 18 de julho de 2020 
  5. «England - First Level All-Time Tables 1888/89-2018/19». RSSSF. 25 de julho de 2019. Consultado em 18 de julho de 2020 
  6. «Hilton Crowther». Wikipedia (em inglês). 21 de junho de 2020 
  7. PARRELA, Leonardo (17 de julho de 2020). «Leeds United volta à Premier League em grande campanha com Bielsa.». Premier League Brasil. Consultado em 17 de julho de 2020 
  8. RECORD, Equipe do site (18 de julho de 2020). «Leeds United sagra-se campeão do Championship.». Record.pt. Consultado em 18 de julho de 2020 
  9. Site Friends of Fulham - Football Rivalry Census 2012 (with Poll), página editada em 24 de setembro de 2012 e disponível em 21 de setembro de 2018.
  10. http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/703283.stm
  11. http://news.bbc.co.uk/sport2/hi/football/teams/l/leeds_united/7493885.stm
  12. http://www.dailymail.co.uk/sport/football/article-1032234/Kewell-defends-Galatasaray-deal-Its-time-tells-Leeds-fans.html
  13. http://www.wsc.co.uk/content/view/961/76/
  14. «Leeds United» (em inglês). footballgroundguide.co.uk. 6 de setembro de 2007. Consultado em 11 de maio de 2013. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]