Puma SE

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Puma AG)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Puma SE
Tipo Societas Europaea (SE)
Indústria Têxtil e Produção
Fundação 1948 (67 anos)
Fundador(es) Rudolf Dassler
Sede Alemanha Herzogenaurach, Alemanha
Áreas servidas Mundial
Presidente Franz Koch (diretor geral)
Empregados 9.650[1]
Produtos Calçados, equipamentos e materiais (d)esportivos.
Lucro 128,2 milhões (2009)[1]
Faturamento 2.461 bilhões (2009)[1]
Sítio oficial Puma

Puma SE é uma empresa alemã de equipamentos esportivos, fundada em 1948 pelo empresário alemão Rudolf Dassler, com sede em Herzogenaurach, Alemanha.

A empresa surgiu através da separação da Gebrüder Dassler Schuhfabrik, uma antiga fábrica de calçados de pano criada por Rudolf e seu irmão Adolf Dassler (fundador da também alemã Adidas) em 1924.[2] No ano de 1924 dois irmãos, Adolf (apelido Adi) e Rudolf (apelido Rudi) Dassler, criaram uma pequena empresa de calçados de pano, a Gebrüder Dassler Schuhfabrik. Aos poucos a produção começou a crescer e fornecer sapatos para atletas olímpicos. O atleta Jesse Owens, nas Olimpíadas de Berlim, 1936, começou a mostrar o trabalho dos irmãos alemães ao mundo.

Uma Loja da Puma em São Francisco (Califórnia).

A empresa mostrava um desenvolvimento rápido, numa velocidade que fez com que os irmãos buscassem seus próprios lucros, ou seja, se separaram. No ano de 1948, Adi Dassler fundou a Adidas enquanto Rudolf criou a Puma Fábrica de Sapatos Rudolf Dassler. Um ano após a divisão da empresa, Rudolf mudou a sede da empresa para Herzogenaurach, cidade próxima do grande centro Nuremberg.

As chuteiras Puma, que calçavam Pelé, fizeram grande sucesso nas Copas do Mundo das décadas de 60 e 70, fazendo com que a empresa entrasse de vez no mercado de fornecedores de materiais de desporto. Para mudar sua política monetária e obter lucros mais altos, a marca tornou-se umaalmente em países do continente Europeu, Asiático e Oceânico. A abertura da empresa para o mercado global foi boa, mas não mostrava segurança financeira. O que não se esperava com essa expansão global era uma crise, que estourou logo no ano de 1993. Nike e Adidas melhoravam cada vez mais seus produtos e ganhavam de vez o consumidor, enquanto a Puma enfrentava uma forte desvalorização de seus produtos que não acompanhavam a novas tendências. Em menos de três anos,1991 a 1993, três presidentes foram embora. A empresa teve de demitir 50% de seu pessoal na Alemanha, enquanto mais 36% perdiam seu emprego ao redor do mundo. A marca conseguiu dar a volta por cima com o presidente Jochen Zeitz, que exigiu uma melhora no design e qualidade de seus produtos. O Ano de 1994 talvez seja o mais importante para fábrica, já que foi o primeiro em que teve um saldo positivo desde sua entrada no Mercado de Ações: lucro de 25 milhões de Euros. Em 1997 uma fornecedora cinematográfica estadunidense Monarchy Regency Enterprises adquiriu 25% da Puma, e se tornando o maior acionista da empresa. Dessa forma a Puma atingia a América e conseguindo o direito da National Football League, NFL, passou a distribuir o uniforme para 13 equipes do esporte mais popular dos Estados Unidos, o Futebol Americano. Não demorou muito para conseguir a liberação da NBA, e fornece uniformes para nove equipes de outro desporto conhecido na terra do Tio Sam, o basquete.

Desde o ano de 2004, a logo marca encontra na África um novo investimento. A maioria das delegações africanas são patrocinadas pela Puma. Isso faz com que a Puma S.A. atinja os cinco continentes.

Longe dos relvados e quadras, a Puma não deixa a desejar. No atletismo diversos atletas testam seus limites com acessórios da marca, mas a grande aposta da empresa é a Fórmula 1, já que as grandes equipes, como Ferrari, BMW, Williams e Renault, também aderem a linha.

Contratos com estilistas renomeados foram assinados, e cada vez mais a empresa cresce. Coleções esportivas agora dividiam espaço com coleções mais casuais, atingindo do público mais jovem ao mais velho.

Hoje, a Puma se solidifica no mercado e cada vez mais aumenta o número de admiradores da marca. Ano após ano, a fábrica consegue fazer seus lucros chegarem a casa dos bilhões.

Fornecimento e patrocínio no atletismo[editar | editar código-fonte]

A Puma fornece material e patrocínio ao recordista mundial nos 100, 200 e revezamento 4x100 metros Usain Bolt, contrato este no valor de 1,5 milhão de dolares.

Fornecimento e patrocínio no futebol[editar | editar código-fonte]

Há muitos anos a Puma começou investir no mercado futebolístico.

Foi a empresa que distribuiu uniformes para o maior número de seleções da Copa do Mundo de 2006: Itália, Suíça, Polônia, República Tcheca, Tunísia, Costa do Marfim, Gana, Angola, Togo, Arábia Saudita e Irã.

O primeiro jogador a ser patrocinado pela equipe foi Edson Arantes do Nascimento, Pelé, considerado pela FIFA e por muitos o melhor jogador de todos os tempos.

Em uma partida pelo Santos, o gênio brasileiro pediu para que o árbitro paralisasse o jogo. Com o pedido realizado Pelé amarrou suas novas chuteiras da Puma que chamou a atenção de todo o mundo.

As antigas estrelas Diego Maradona, Eusébio, Johan Cruijff, Enzo Francescoli, Lothar Matthäus, Kenny Dalglish, Didier Deschamps, Hristo Stoichkov, Rudi Völler e Paul Gascoigne usaram igualmente chuteiras da Puma.

Atualmente a empresa patrocina jogadores, em sua maioria, desconhecidos. Suas grandes apostas são o atacante da Seleção de Camarões, Samuel Eto'o, o goleiro tetracampeão pela seleção da Itália, Gianluigi Buffon, o zagueiro Nemanja Vidić, os meio-campos Michael Carrick, Marco Reus e Pablo Aimar e os atacantes Anelka e Mario Gómez.

Quando se fala em seleções a história muda. Hoje, a Puma é fornecedora da campeã do mundo de 2006, a seleção italiana. Suíça, República Tcheca, Uruguai, Costa do Marfim e Camarões são outros exemplos de fortes seleções que levam o felino estampado no peito.

Ainda no futebol, fornece material para grandes clubes do Mundo, na Europa para clubes como o Arsenal, Borussia Dortmund, Stuttgart, Olympiakos e Bordeaux, na America do Sul para clubes como Peñarol, Club Atlético Independiente, Botafogo, Paysandu Sport Club, Esporte Clube Vitória e Clube Atlético Mineiro.

Clubes Patrocinados[editar | editar código-fonte]

Argentina[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Bolivia[editar | editar código-fonte]

Colombia[editar | editar código-fonte]

Paraquai[editar | editar código-fonte]

Uruguai[editar | editar código-fonte]

Venezuela[editar | editar código-fonte]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

Grécia[editar | editar código-fonte]

Inglaterra[editar | editar código-fonte]

Suécia[editar | editar código-fonte]

Japão[editar | editar código-fonte]

Seleções Patrocinadas[editar | editar código-fonte]

Jogadores e ex-jogadores[editar | editar código-fonte]

[3]

Equipes de automobilismo e motociclismo[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Relatório anual 2009 (PDF) ir2.flife.de.
  2. Puma: a marca que nasceu com muita força Viledesign.com.br.
  3. Athletes PUMA eu.puma.com. Visitado em 12 de janeiro de 2015.
  4. Teams PUMA Motorsport Pt.puma.com. Visitado em 7 de janeiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.