Usain Bolt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Usain Bolt
campeão olímpico
Atletismo
Nome completo Usain St. Leo Bolt
Modalidade 100 m, 200 m
Nascimento 21 de agosto de 1986 (29 anos)
Trelawny, Jamaica
Nacionalidade Jamaica jamaicano
Compleição Peso: 86 kg Altura: 1,96 m [1]
Recorde mundial 100 m: 9,58s (2009)
200 m: 19,19s (2009)
4x100 m: 36,84s (2012)
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Londres 2012 100 m
Ouro Londres 2012 200 m
Ouro Londres 2012 4x100 m
Ouro Pequim 2008 100 m
Ouro Pequim 2008 200 m
Ouro Pequim 2008 4x100 m
Campeonatos Mundiais
Ouro Moscou 2013 4x100 m
Ouro Pequim 2015 100 m
Ouro Pequim 2015 200 m
Ouro Pequim 2015 4x100 m
Ouro Moscou 2013 100 m
Ouro Moscou 2013 200 m
Ouro Daegu 2011 200 m
Ouro Daegu 2011 4x100 m
Ouro Berlim 2009 100 m
Ouro Berlim 2009 200 m
Ouro Berlim 2009 4x100 m
Prata Osaka 2007 200 m
Prata Osaka 2007 4x100 m

Usain St. Leo Bolt OJ, OD (Trelawny, 21 de agosto de 1986) é um velocista jamaicano, multicampeão olímpico e mundial, recordista mundial dos 100 e 200 metros rasos, além do revezamento 4 x 100 metros como integrante da equipe da Jamaica. É o único atleta na história do atletismo a se tornar bicampeão em todas as três modalidades em Jogos Olímpicos de forma consecutiva e a conquistar seis medalhas de ouro em provas de velocidade, sendo onze vezes campeão mundial.

Suas conquistas no atletismo o fizeram ser chamado de Lightning Bolt (relâmpago, raio) pela imprensa internacional e entre os muitos prêmios que já recebeu tem como mais expressivos os de Atleta do Ano da IAAF e o Laureus World Sportsman of the Year, que recebeu por três vezes. Entre as honrarias que recebeu fora do atletismo estão a Ordem da Jamaica (OJ) e a Ordem de Distinção (OD), outorgadas pelo governo de seu país.

O mais bem pago atleta da história do atletismo,[2] ele é considerado por Jacques Rogge, ex-presidente do Comitê Olímpico Internacional, por especialistas e por ex-atletas, como uma lenda viva e o maior velocista de todos os tempos.[3] [4] [5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Nascido numa pequena cidade da Jamaica, seus pais Wellesley e Jennifer Bolt tinham um pequeno mercado na área rural onde ele passava o tempo na rua jogando críquete e futebol com seu irmão Sadiki – ele também tem uma irmã, Shirine. Ainda criança, cursou a escola primária Waldensia, onde começou a demonstrar seu potencial para a velocidade e aos 12 anos era o mais rápido aluno nos 100 m rasos. Depois de entrar na escola secundária, passou a praticar outros esportes mas seu técnico de críquete notou a velocidade do garoto no campo de jogo e insistiu que ele se dedicasse ao atletismo. A escola já tinha um histórico de sucesso com estudantes anteriores e Bolt passou a ser treinado por um ex-velocista olímpico jamaicano, Pablo McNeil. Ele ganhou sua primeira medalha no campeonato interescolar em 2001, aos 15 anos, uma prata nos 200 m rasos, com um tempo de 22s04.[6] Mc Neil se tornou seu primeiro técnico efetivo e a dupla fez uma boa parceria, apesar das reclamações do técnico com a falta de dedicação de Bolt aos treinamentos e sua propensão para brincadeiras quando elas eram indevidas.[7]

Neste mesmo ano de 2001 ele disputou sua primeira competição internacional pela Jamaica, ganhando duas medalhas de prata nos 200 m e nos 400 m da categoria sub-17 dos CARIFTA Games, uma competição regional no Caribe, realizados em Bridgetown, Barbados; nestes Jogos, com 16 anos, marcou 21s81 para os 200 m, a que seria sua prova favorita;[8] ele ainda não levava o atletismo nem a si próprio muito a sério e levou essa incorreção a novas alturas quando se escondeu na traseira de uma van quando deveria estar se preparando para as finais dos 200 m; Bolt foi detido pela polícia pela brincadeira e a comunidade local culpou McNeil pelo incidente.

Sua primeira aparição no cenário global foi disputando o Campeonato Mundial Juvenil de Atletismo de 2001, na Hungria, onde não se classificou para a final dos 200 metros mas mesmo assim abaixou sua melhor marca pessoal para 21s73; em 2002, continuou quebrando recordes pessoais vencendo os 100 e os 200 m do Campeonato Júnior de Atletismo do Caribe e América Central em 2002.[9] Foi neste ano que ele começou a ganhar proeminência, ao vencer os 200 m no Campeonato Mundial Juvenil de Atletismo realizado em Kingston, na Jamaica. Com 15 anos e 1,96 m, muito mais alto que seus adversários, venceu em 20s61, o mais jovem medalha de ouro num campeonato júnior de atletismo.[10] A expectativa da multidão no estádio com seu jovem atleta o deixou tão nervoso que ele colocou as sapatilhas de corrida nos pés trocados; esta experiência, porém, foi reveladora para Bolt que jurou que nunca mais se deixaria afetar por tensões pré-corrida.[11]

2003-2008[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, Bolt continuou a ganhar medalhas no CARIFTA, sendo considerado o atleta do torneio depois de ganhar quatro medalhas de ouro e ganhou outra nos 200 m do Campeonato Mundial Juvenil de Atletismo de 2003, marcando 20s40.[12] Seu foco passou a ser apenas esta prova e no mesmo ano igualou o recorde mundial júnior para a distância, marcando 20s13 no Campeonato Pan-americano Júnior de 2003, em Barbados. Esta performance atraiu a atenção da imprensa especializada e suas marcas ,tanto nos 200 quanto nos 400 m, o fizeram ser apontado como um possível sucessor de Michael Johnson; aos 16 anos, seus tempos nestas provas eram superiores aos de Johnson antes dos 20 anos e a marca dos 200 m era melhor que a do velocista americano Maurice Greene, campeão olímpico dos 100 m em Sydney 2000, naquele ano.[13]

Sua popularidade começou a aumentar em seu país, a ponto do Defensor Público da Jamaica, Howard Hamilton, pressionar a Federação Jamaicana para nutri-lo e evitar o desgaste prematuro, chamando-o de "o mais fenomenal velocista que esta ilha já produziu". [13] A popularidade crescente e as atrações da cidade grande – ele havia se mudado da pequena Trelawny para a capital, Kingston – começaram a fazer efeito sobre o corredor ainda adolescente. Cada vez mais ele perdia a concentração no atletismo e preferia comer fast-food, jogar basquetebol e ir a festas na cidade. Na ausência de um estilo de vida disciplinado, ele se tornou cada vez mais dependente de sua habilidade natural ao invés dos treinamentos para bater seus concorrentes na pista.[14] Mesmo sendo ainda um atleta júnior, foi escalado para disputar o Campeonato Mundial de Atletismo de 2003, em Paris, mas uma conjuntivite no período anterior ao campeonato arruinou seus treinos e a Federação jamaicana o proibiu de participar.[6]

Em 2004, aos 17 anos, Bolt virou profissional e se tornou o primeiro velocista júnior a quebrar os 20s para os 200 m rasos, fazendo 19s93 nas Bermudas. Sua primeira participação olímpica, Atenas 2004, foi, entretanto, arruinada por uma contusão no tendão que o impediu de avançar além das eliminatórias. Universidades americanas lhe ofereceram diversas bolsas de estudo mas Bolt recusou todas preferindo ficar em sua Jamaica natal. Em 2005, trabalhando com novo técnico, Glen Mills, que lhe fez ter uma atitude mais comprometida e profissional com a carreira, fez sua melhor marca da temporada nos 200 m em Crystal Palace, Londres, 19s99.[15] Em 2005, Bolt começou a enfrentar lesões mais constantemente, tendo apenas 18 anos, e que o impediu de realizar o treinamento planejado em sua totalidade. No Campeonato Mundial de Atletismo de Helsinque naquele ano, foi o último na final dos 200 m, sentindo uma contusão durante a prova; mesmo assim, era então o mais novo atleta a correr uma final num Mundial.[16] Passou os anos de 2005 e 2006 melhorando suas marcas e lutando com contusões. Uma destas, na panturrilha, o deixou fora dos Jogos da Commonwealth de 2006. Depois de sua recuperação, sempre focado nos 200 m e recusando os pedidos de seu técnico de que passasse também a tentar os 400 m, começou novamente a vencer, batendo o recorde anterior de Justin Gatlin do meeting de Ostrava, na República Tcheca, e marcando 19s88, recorde pessoal, em Lausanne, na Suíça, numa prova em que chegou em terceiro atrás de Xavier Carter e Tyson Gay.[17]

No pódio do Mundial de Osaka 2007, com sua medalha de prata ao lado de Tyson Gay, o campeão mundial dos 200 m, e Wallace Spearmon.

Nesta época, Bolt insistia com seu técnico para correr também os 100 m rasos, com o que Mills não concordava, o achando mais adequado para os sprinters mais longos, 200 e 400 m, mas diante da insistência prometeu que o deixaria disputar os 100 m em provas de nível internacional se ele quebrasse o recorde nacional da Jamaica nos 200 metros – 19s86 – que pertencia a Donald Quarrie desde 1971. Quarrie era o ídolo de Bolt e o campeão olímpico dos 200 m em Montreal 1976. No campeonato nacional jamaicano de atletismo de 2007, Bolt venceu os 200 m em 19s75, quebrando o recorde de 36 anos de Quarrie em 0.11s.[6] Mills cumpriu a promessa e o inscreveu nos 100 m de um meeting em Creta; Bolt venceu em 10s03, derrotando os americanos Leroy Dickson e Wallace Spearmon, e aumentou o entusiasmo pela distância.[18]

No Campeonato Mundial de Atletismo de 2007, em Osaka, Japão, Bolt não disputou os 100 m; competiu nos 200 m e ficou com a medalha de prata, perdendo para Tyson Gay, em seu auge, que também venceu os 100 m; o então maior nome da Jamaica nos 100 m e recordista mundial, Asafa Powell, ficou apenas com o bronze nos 100 m.[19] Bolt não ganhou nenhum grande torneio em 2007 mas seu técnico Mills achou que sua técnica de corrida teve um grande desenvolvimento, com um melhor equilíbrio nas curvas dos 200 m e um aumento na frequência das suas passadas, resultando num maior poder de condução do corpo na pista.

Primeiro recorde mundial[editar | editar código-fonte]

A medalha de prata em Osaka despertou em Bolt um maior desejo pela corrida e ele continuou fixado na ideia de correr os 100 m, treinando cada vez mais na distância; em maio de 2008, seu técnico o inscreveu nos 100 m do Kingstown Invitational, na capital jamaicana, e correndo apenas pela segunda vez a distância num torneio profissional ele marcou 9s76, a segunda melhor marca do mundo, atrás apenas do recorde mundial de Powell. Michael Johnson, que acompanhou o torneio, observou como ele tinha melhorado tão rapidamente nos 100 m; menos de um mês depois, no Reebok Grand Prix de Atletismo de Nova York, com uma enorme torcida de jamaicanos empunhando bandeirinhas do país, ele estabeleceu novo recorde mundial para os 100m – 9s72 – sendo essa apenas sua quinta competição oficial na distância;[20] em junho, abaixou seu tempo pessoal nos 200 m para 19.67, novo recorde jamaicano, em Atenas, Grécia.[21]

Apesar de Mills preferir que Bolt corresse os sprints mais longos – ainda insistia nos 400 m o que atleta recusava – a determinação de Bolt em correr os 100 m e a aquiescência do técnico quanto a isso, acabou funcionando a contento para os dois; Bolt ficou mais focado nas corridas e um planejamento de treinos para aumentar sua velocidade e sua estamina, em preparação para os Jogos Olímpicos, acabou funcionando para as duas distâncias, 100 e 200 m.[22] A confiança de Bolt em si mesmo crescia e ele acreditava que faria um bom papel em Pequim 2008.[21]

Pequim 2008[editar | editar código-fonte]

Bolt vencendo os 100 m em Pequim com larga vantagem sobre os adversários e novo recorde mundial.

Bolt anunciou que disputaria aos 100 e os 200 m em Pequim e se tornou o favorito da imprensa especializada para vencer ambos. Michael Johnson, o recordista mundial dos 200 e dos 400 m apoiou a decisão, dizendo não acreditar que a falta de experiência do jamaicano o prejudicasse.[23] Bolt se qualificou para a final dos 100 m fazendo 9.85 na semifinal e venceu a prova com novo recorde mundial, 9.69, primeiro homem abaixo de 9.7, segurando na chegada e batendo no peito, com o cordão da sapatilha desamarrado, muito à frente dos adversários.[24] Seu técnico depois afirmou que, baseado na velocidade de Bolt nos primeiros 60 m, ele poderia ter feito 9.52 para a distância.[25]

Comentários surgiram logo depois de que o gesto de Bolt ao cruzar a chegada, como um desafio, tinham lhe custado um tempo ainda melhor e soaram como desrespeitoso aos demais atletas. Jacques Rogge, o presidente do COI, também achou o gesto desrespeitoso e fora do espírito olímpico.[26] O jamaicano negou as acusações e disse "eu não estava me vangloriando. Quando vi que ninguém me alcançou, eu estava apenas feliz".[27] O presidente da IAAF, Lamine Diack, apoiou Bolt e disse que a celebração era apropriada dada as circunstâncias da vitória. O ministro jamaicano Edmund Bartlett também defendeu seu compatriota:"temos que analisar isto na glória daquele momento dele e dar-lhe isto; ele é um jovem e devemos permitir que ele expresse a sua personalidade jovem".[28]

Bolt quebra o recorde mundial dos 200 m no Ninho do Pássaro, Pequim 2008.

Depois da vitória nos 100 m, Bolt se concentrou em conquistar a medalha de ouro nos 200 m, para igualar a vitória dupla nos sprints de Carl Lewis em Los Angeles 1984.[29] Antes da prova Michael Johnson previu que ele ganharia facilmente mas que seu próprio recorde mundial de Atlanta 1996, 19.32, não seria batido por Bolt já ter corrido os 100 metros.[30] Bolt se classificou com facilidade para a final, trotando no fim de suas provas nas eliminatórias e na semifinal. Don Quarrie, o ídolo de Bolt e ex-campeão olímpico da Jamaica, disse estar confiante em que ele quebraria o recorde dos 200 m.

No dia seguinte ele venceu a prova com nova marca mundial de 19.30, com um vento contra de 0.9m/s;[31] a vitória o transformou no primeiro velocista a ter o recorde mundial dos 100 e 200 m simultaneamente desde Quarrie, o primeiro a fazer isto na era da cronometragem eletrônica e o primeiro a fazer isto numa mesma Olimpíada.[32] Depois da corrida, o sistema de som do Estádio Olímpico de Londres começou a tocar "Parabéns pra você", em homenagem a Bolt que a partir da meia-noite fazia 22 anos.[33]

No último dia do atletismo ele correu a terceira "perna" do revezamento 4x100 m junto com Asafa Powell, Nesta Carter e Michael Frater, e ganhou a terceira medalha de ouro com mais um recorde mundial – 37.10 – que pertencia aos norte-americanos desde Barcelona 1992. Depois das vitórias, ele doou US$50.000 dólares para as crianças de província de Sichuan, que haviam sofrido os efeitos do terremoto de Sichuan, ocorrido em maio de 2008.[34]

A sensacional participação de Usain Bolt em Pequim levantou diversas questões sobre o limite de seu potencial e jornalistas saudaram seus feitos como o começo de uma nova era no atletismo, que sofria há anos com escândalos de dopagem. Os anos anteriores a Pequim viram o desenvolvimento do caso BALCO, nos Estados Unidos, com velocistas como Justin Gatlin e Tim Montgomery sendo banidos do esporte e Marion Jones tendo que devolver todas suas medalhas ganhas em Sydney 2000.[35]

Neste ponto, alguns comentaristas esportivos e pessoas envolvidas em casos anteriores de doping levantaram suspeitas sobre as performances de Bolt, o que foi enfaticamente negado pelo técnico Gleen Mills e por Herb Elliot, o médico da equipe de atletismo da Jamaica e ele mesmo um membro um membro da comissão antidoping da Federação Internacional, que desafiou todos a testarem Bolt em qualquer hora ou dia, sem aviso, em qualquer lugar e em qualquer parte do corpo quando quisessem: "ele não gosta de tomar nem vitaminas!"[36]

"Eu estava diminuindo a velocidade bem antes da linha de chegada e não estava realmente cansado. Eu poderia voltar ao começo e correr tudo de novo".
Bolt sobre os 100m rasos em Pequim, publicado em sua autobiografia Usain Bolt 9.58 [37]

Ciclo olímpico 2008-2012[editar | editar código-fonte]

Berlim 2009 e novos recordes mundiais[editar | editar código-fonte]

Depois de competir na Golden League nos meses seguintes aos Jogos Olímpicos, derrotando Asafa Powell nos 100 m e fazendo sua segunda melhor marca nos 200 m – 19.63 – em Lausanne, Suiça, Bolt iniciou o ano de 2009 competindo nos 400 m na Jamaica para aprimorar sua velocidade e venceu duas corridas marcando 45.54 numa competição em Kingston. Em abril ele sofreu pequenas contusões num acidente de automóvel mas recuperou-se rapidamente após sofrer uma pequena cirurgia. Em maio competiu numa prova especial de 150 metros em Manchester, na Inglaterra, e venceu em 14.35, o tempo mais rápido já cronometrado para esta distância. Mesmo sem estar com 100% da forma recuperada, ainda foi campeão nacional da Jamaica nos 100 e 200 m, com 9.86 e 20.25 respectivamente; com isso se classificou para disputar o Campeonato Mundial de Atletismo em Berlim, em agosto.

Bolt bate Tyson Gay em Berlim 2009 com novo recorde mundial para os 100 m rasos.

Nas semanas anteriores ao Mundial, seu rival americano Tyson Gay, que vinha fazendo grandes tempos na temporada, declarou que o recorde de Bolt estava ao seu alcance, mas o jamaicano não rebateu preferindo se preocupar apenas com a recuperação do compatriota Asafa Powell, que estava lesionado. Em julho, no tradicional meeting Athletissima na Suiça, ele correu os 200 m em 19.59, o quarto melhor tempo do mundo para a distância e a um centésimo do melhor tempo de Tyson naquele ano.

A final dos 100 m rasos em Berlim foi o primeiro encontro entre Bolt e Gay em 2009 e Bolt venceu a corrida quebrando seu recorde de Pequim com a marca de 9.58; Tyson, em segundo, teve o consolo de estabelecer novo recorde norte-americano para a distância, 9.71; o americano não participou dos 200 m mas pode assistir ao jamaicano quebrar novamente seu recorde, fazendo 19.19 para a distância, 0.11 mais rápido que o recorde anterior e repetindo o feito de dois recordes mundiais num mesmo evento. Sua vitória nos 200 m foi a de maior margem para o segundo colocado, mesmo com outros três adversários correndo em menos de 19.90, algo inédito nesta prova. Mesmo seus adversários diretos ficaram impressionados com Bolt que recebeu cumprimentos na pista de um dos derrotados, Wallace Spearmon, e de atletas de gerações anteriores como Mike Powell, o recordista mundial do salto em distância – 8,95 m em 1991, que declarou ser Bolt o principal candidato a ser o primeiro homem a saltar acima dos nove metros se treinasse a modalidade, dizendo ser o salto em distância um esporte perfeito para o jamaicano pela altura, porte físico e velocidade.

No último dia do Mundial, Bolt e seus companheiros venceram o revezamento 4x100 m com ele acumulando sua terceira medalha mundial de ouro; mesmo não batendo o recorde mundial de Pequim no ano anterior, a marca de 37.31 foi a segunda melhor do mundo e o recorde do campeonato. Neste último dia em Berlim, numa pequena cerimônia, também recebeu do prefeito da cidade, Klaus Wowereit, um pedaço do Muro de Berlim pintado com sua efígie, dizendo que ele tinha mostrado que "as pessoas podem derrubar muros que antes eram considerados intransponíveis"; a peça, de quase três metros de comprimento e duas toneladas, foi enviada para a Jamaica para ser instalada no centro de treinamento de Bolt em Kingston.[38]

"Sempre há limites. Eu não conheço os meus".
Bolt após vencer e quebrar seus próprios recordes mundiais em Berlim 2009.[39]

Daegu 2011[editar | editar código-fonte]

Em 2010, depois de duas vitórias no circuito internacional de atletismo, Bolt fez uma tentativa de quebrar a melhor marca mundial de Michael Johnson na pouca disputada distância dos 300 metros, em Ostrava; a tentativa não deu certo, pois além de não quebrar a marca do americano – 30.85, Bolt fez 30.97 debaixo de chuva – ainda desenvolveu uma lesão no tendão de Aquiles. Recuperado um mês depois, derrotou Asafa Powell no Meeting Areva em Paris e foi derrotado por Tyson Gay nos 100 m da etapa da Diamond League em Estocolmo, a segunda derrota em toda sua carreira, no mesmo estádio onde havia perdido para Powell dois anos antes.[40]

Bolt participou do Campeonato Mundial de Atletismo de 2011, em Daegu, na Coreia do Sul, onde deu ao público presente um dos mais frustantes momentos do atletismo, quando queimou a largada da muito esperada final dos 100 m rasos;[41] sem ele, a prova foi vencida por Yohan Blake. Venceu os 200 m em 19.40 e conquistou uma segunda medalha de ouro e quinta em mundiais, integrando o 4x100 m que quebrou o próprio recorde mundial em 37.04.[42] [43]

Londres 2012[editar | editar código-fonte]

Antes dos Jogos Olímpicos de Londres, Bolt ficou apenas em segundo lugar nas seletivas jamaicanas, perdendo os 100 e os 200 m para a nova sensação dos sprinters jamaicanos, Yohan Blake, de 21 anos, que também havia feito o melhor tempo do mundo para os 200 m depois de Bolt, 19.26, em 2011 em Bruxelas.[44] Chegou a Londres com sua capacidade de repetir as vitórias de Pequim quatro anos antes posta em duvida pelos analistas. Na final dos 100 m, porém, venceu novamente em 9.63, um tempo melhor que o de Pequim, deixando Blake com a medalha de prata; e repetiu a vitória nos 200 m, com a marca de 19.32, com Blake novamente em segundo e um pódio totalmente jamaicano com Warren Weir em terceiro.

Bolt na largada da final dos 100 m em Londres 2012.

Depois da prova dos 100 m, o velocista trinitino Richard Thompson, sétimo colocado na corrida, declarou que "não havia dúvida de que Bolt era o maior velocista de todos os tempos". O jornal USA Today o comparou a "o herói nacional da Jamaica", observando que sua vitória veio horas antes do início das celebrações do 50 anos da independência da Jamaica do Reino Unido. Com esta vitória, ele se tornou o primeiro atleta bicampeão olímpico dos 100 m rasos desde Carl Lewis em Seul 1988.[45]

Perguntado após suas vitórias sobre sua grandeza como velocista, Bolt colocou-se numa categoria de exceção, ao lado de Muhammad Ali e Michael Jordan em seus respectivos esportes.[46] Jacques Rogge, presidente do COI, disse que ainda era cedo para considerar Bolt uma lenda, seria necessário esperar pelo fim de sua carreira, mas concordou mais tarde com o adjetivo e com ser ele o maior velocista de todos os tempos.[47]

No último dia do atletismo, Bolt integrou o revezamento 4x100 m jamaicano, com Yohan Blake, Michael Frater e Nesta Carter, conquistando sua terceira medalha de ouro nos Jogos, repetindo Pequim, que quebrou o próprio recorde mundial em 36.84, o primeiro revezamento dos 100 m abaixo dos 37 segundos. Depois da prova, comemorou fazendo o "Mobot", a comemoração típica do campeão olímpico britânico dos 5000 e 10000 m Mo Farah, em contraponto a seu "raio".[48]

"Eu hoje sou uma lenda. E também sou o maior atleta vivo."
Bolt após suas vitórias em Londres 2012.[49]

Ciclo olímpico 2012-2016[editar | editar código-fonte]

Depois de uma derrota para Justin Gatlin no Golden Gala de Roma em junho de 2013, Bolt competiu no 2013 London Anniversary Games, evento em Londres em comemoração a um ano dos Jogos e venceu os 100 m em 9.85; no Campeonato Mundial de Atletismo de 2013, em Moscou, recuperou o título de homem mais rápido do mundo derrotando Gatlin nos 100 m em 9.77;[50] no mesmo Mundial ganhou também os 200 m em 19.66 [51] e o 4x100 m com a equipe jamaicana, o que fez dele o mais bem sucedido atleta nos 30 anos do Campeonato Mundial.[52] No fim do ano, foi escolhido Atleta Masculino do Ano da IAAF pela sexta vez.

Bolt e sua famosa pose de raio após as vitórias.

Em março de 2014 ele sofreu uma contusão muscular que o impediu de treinar por nove semanas, após sofrer uma pequena cirurgia; parcialmente recuperado, competiu nos Jogos da Comunidade Britânica em Glasgow, Escócia, apenas no 4x100 m, em ""consideração aos fãs, e que eles esperassem dele grandes feitos nos anos seguintes".[53] A equipe jamaicana venceu a prova com novo recorde da Commonwealth em 37.58.[54] Em agosto, ele quebrou extra-oficialmente o recorde mundial dos 100 m indoor, marcando 9.98 em Varsóvia na Polônia,[55] e encerrou sua temporada para se preparar melhor fisicamente para o ano seguinte. Num ano marcado por lesões que impediram resultados consistentes, sua única outra competição foi no Rio de Janeiro, disputando o Mano a Mano na Praia de Copacabana, que mais uma vez venceu em 10.06.[56]

Em 2015 voltou para seu sexto Campeonato Mundial de Atletismo, em Pequim, China, no mesmo Ninho do Pássaro onde tinha aparecido para o mundo sete anos antes; repetindo os feitos de Berlim 2009 e Moscou 2013, ganhou três medalhas de ouro nos 100 m e 200 m (novamente derrotando o norte-americano Justin Gatlin, que era o favorito pelos tempos conseguidos ao longo do ano) e 4x100 m – em Daegu 2011 deixou de ganhar apenas nos 100 m por ter queimado a largada na final – somando um total geral de 11 medalhas de ouro, o maior campeão mundial de atletismo da história.[57]

Poucos dias depois do campeonato, deu por encerrada sua temporada de 2015 ainda em setembro, desistindo de disputar a prova dos 200 m na etapa belga da Diamond League, preferindo descansar e começar a se preparar para defender seus títulos olímpicos na Rio 2016.[58]

Melhores marcas pessoais[editar | editar código-fonte]

Prova
Marca
Local
Data
Recorde
Nota
100 metros 9.58 Berlim, Alemanha 16 agosto 2009
Recorde mundial
100 m indoor 9.98 Varsóvia, Polônia 23 agosto 2014 melhor marca mundial extra-oficial. A IAAF só reconhece recordes mundiais indoor para os 60 m.
150 metros 14.35 Manchester, Reino Unido 17 maio 2009 melhor marca extra-oficial. A IAAF não reconhece recordes nesta distância.
200 metros 19.19 Berlim, Alemanha 20 agosto 2009
Recorde mundial
300 metros 30.97 Ostrava, República Tcheca 27 maio 2010 Segunda melhor marca do mundo na distância, atrás apenas dos 30.85 de Michael Johnson. A IAAF não reconhece recordes nesta distância.
400 metros 45.28 Kingston, Jamaica 5 maio 2007
4x100 metros 36.84 Londres, Reino Unido 11 agosto 2012
Recorde mundial
Junto com Yohan Blake, Michael Frater e Nesta Carter.

Principais resultados[editar | editar código-fonte]

2015
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 100 m – Pequim
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 200 m – Pequim
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 4x100 m – Pequim
2014
Gold medal icon.svgJogos da Commonwealth – 4x100 m – Glasgow
2013
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 100 m – Moscou
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 200 m – Moscou
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 4x100 m – Moscou
2012
Gold medal icon.svgJogos Olímpicos – 100 m – Londres
Gold medal icon.svgJogos Olímpicos – 200 m – Londres
Gold medal icon.svgJogos Olímpicos – 4x100 m – Londres OR icon.PNGSport records icon WR.svg
Gold medal icon.svgDiamond League – 100 m – venceu as etapas de Roma, Oslo e Bruxelas
2011
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 200 m – Daegu
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 4x100 m – Daegu Sport records icon WR.svg
2009
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 100 m – Berlim Sport records icon WR.svg
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 200 m – Berlim Sport records icon WR.svg
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 4x100 m – Berlim
2008
Gold medal icon.svgJogos Olímpicos – 100 m – Pequim OR icon.PNGSport records icon WR.svg
Gold medal icon.svgJogos Olímpicos – 200 m – Pequim OR icon.PNGSport records icon WR.svg
Gold medal icon.svgJogos Olímpicos – 4x100 m – Pequim OR icon.PNGSport records icon WR.svg
Gold medal icon.svg – Reebok Grand Prix de Atletismo – 100 m – Nova York Sport records icon WR.svg
2007
Silver medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 200 m – Osaka
Silver medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo – 4x100 m – Osaka
2005
Gold medal icon.svg – Campeonato de Atletismo da América Central e Caraíbas-CAC – 200 m – Nassau
2003
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial Juvenil de Atletismo – 200 m – Sherbrooke
2002
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial Júnior de Atletismo – 200 m – Kingston
Silver medal icon.svgCampeonato Mundial Júnior de Atletismo – 4x100 m – Kingston NJR icon.png
Silver medal icon.svgCampeonato Mundial Júnior de Atletismo – 4x400 m – Kingston NJR icon.png

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Honrarias[editar | editar código-fonte]

  • Em outubro de 2008, recebeu do governo jamaicano a condecoração Ordem de Distinção, no grau de Comandante, o que lhe outorga o direito de usar as iniciais OD em seguida a seu nome.[63]
  • Em 2009, aos 23 anos de idade, Bolt foi o mais jovem cidadão jamaicano a ser condecorado com a Ordem da Jamaica, uma das maiores distinções de seu país. A medalha lhe foi conferida por "excelentes serviços no campo do atletismo a nível internacional". No sistema de honrarias da Jamaica, a comenda equivale ao grau de Cavaleiro no sistema honorífico britânico e lhe confere o direito de usar o título "O Honorável" à frente de seu nome e as iniciais OJ em seguida de seu nome.[63]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IAAF Perfil Usain Bolt
  2. Badenhausen, Kurt. «How Usain Bolt Earns $20 Million A Year». Forbes. Consultado em 26 August 2015. 
  3. «IOC chief: Usain Bolt, indeed, an icon». ESPN. Consultado em 19/01/2014. 
  4. «Usain Bolt: Unprecedented Double-Double Leaves No Doubt He's Best Sprinter Ever». Bleacher Report. Consultado em 19/01/2014. 
  5. «Usain Bolt is the best of all time says Michael Johnson». BBC Sports. Consultado em 19/01/2014. 
  6. a b c «Usain Bolt». IAAF. Consultado em 26 August 2015. 
  7. «Jamaicans hail sprint king Bolt». BBC Sport. Consultado em 26 August 2015. 
  8. «results - boys under 17 200 meters-dash». 30TH CARIFTA GAMES 2001. Consultado em 26 August 2015. 
  9. «CENTRAL AMERICAN AND CARIBBEAN JUNIOR CHAMPIONSHIPS (UNDER 17)». gbrathtletics. Consultado em 26 August 2015. 
  10. «Usain Bolt». biography.com. Consultado em 26 August 2015. 
  11. «Usain Bolt: Fast and loose». The Guardian. Consultado em 26 August 2015. 
  12. «3rd IAAF World Youth Championships > 200 Metres - Boys». IAAF. Consultado em 26 August 2015. 
  13. a b Turnbull, Simon. «Athletics: The boy they call Lightning is frightening». The Independent on Sunday (London [s.n.]). Consultado em 25 August 2008. 
  14. «Olympics: Jamaican speed freak». The Guardian. Consultado em 26 August 2015. 
  15. «progression». IAAF. Consultado em 26 August 2015. 
  16. «Statistics» (PDF). IAAF. Consultado em 26 August 2015. 
  17. «Liu eclipses Jackson with 110m hurdles record». The Guardian. Consultado em 26 August 2015. 
  18. «23rd Vardinoyiannia > 100 Metres - men». IAAF. Consultado em 26 August 2015. 
  19. «100 METRES MEN». IAAF. Consultado em 27 August 2015. 
  20. «BOLT 9.72 IN NEW YORK! – WORLD 100M RECORD – IAAF WORLD ATHLETICS TOUR». IAAF. Consultado em 27 August 2015. 
  21. a b «BOLT RUNS 200M IN 19.67SEC IN ATHENS – IAAF WORLD ATHLETICS TOUR». IAAF. Consultado em 27 August 2015. 
  22. «Usain Bolt and Glen Mills: Long, winding journey to a world record». Sports Jamaica. Consultado em 27 August 2015. 
  23. Broadbent, Rick (14 August 2008). «Michael Johnson backs Usain Bolt to win sprint duel». The Times (UK [s.n.]). Consultado em 18 August 2008. 
  24. Mills, Doug. «Bolt Is World’s Fastest — by a Mile». The New York Times. Consultado em 30 August 2015. 
  25. «Usain Bolt: 'Mission accomplished' in Beijing, next stop Zürich» (PDF). Weltklasse Zürich. September 2013. Consultado em 26 August 2008. 
  26. Broadbent, Rick (21 August 2008). «Deluded Jacques Rogge fails to see the champion in Usain Bolt». The Times (UK [s.n.]). Consultado em 21 August 2008. 
  27. Landells, Steve (16 August 2008). «"It was crazy, phenomenal" – Bolt's 9.69 100 metres stuns the Bird's Nest». IAAF. Consultado em 28 November 2013. 
  28. «AAF sides with Bolt on Rogge comments». Team USA. Consultado em 30 August 2015. 
  29. Philips, Mitch (18 August 2008). «Bolt's bid for double safely under way» [S.l.: s.n.] Reuters. Consultado em 23 July 2011. 
  30. Johnson, Michael (20 August 2008). «Michael Johnson: I think my Olympic 200metres world record is safe from Usain Bolt – for now». The Daily Telegraph (UK [s.n.]). Consultado em 20 August 2008. 
  31. «Bolt claims 200m gold with record» BBC Sport [S.l.] 20 August 2008. Consultado em 20 August 2008. 
  32. «Bolt earns sprint double, breaks world record» Canadian Broadcasting Corporation [S.l.] 20 August 2008. Arquivado desde o original em 22 August 2008. Consultado em 20 August 2008. 
  33. «Bolt cements greatness, sets world record in 200 with 19.30». Sports Illustrated [S.l.: s.n.] 20 August 2008. Consultado em 21 August 2008. 
  34. «"Lightning" Bolt donates for children in China's quake zone». China Daily. 23 August 2008. Consultado em 25 August 2008. 
  35. «The THG scandal explained». BBC Sports. Consultado em 30 August 2015. 
  36. Flynn, LeVaughn (3 June 2008). «Usain Bolt and Glen Mills: Long, winding journey to a world record». Jamaica Gleaner. Consultado em 27 August 2008. 
  37. Bolt, Usain (2010). Usain Bolt 9.58 (London: HarperCollins). p. 127. ISBN 978-0-00-737139-6. 
  38. «Bolt given 3-ton piece of Berlin Wall». ESPN. Consultado em 30 August 2015. 
  39. «Bolt personaliza camisa e leva mais um ouro com recorde mundial em Berlim». globoesporte. Consultado em 30 August 2015. 
  40. «STOCKHOLM PACKS IN TIGHT TO SEE GAY FINISH WELL CLEAR OF BOLT, 9.84-9.97 - REPORT – SAMSUNG DIAMOND LEAGUE». IAAF. Consultado em 2 September 2015. 
  41. «Usain Bolt false starts, eliminated in final». ESPN. Consultado em 2 September 2015. 
  42. «Bolt claims 200m gold in Daegu with dominant run». CNN. Consultado em 2 September 2015. 
  43. «RELAY HEARTBREAK». Daily Express. Consultado em 2 September 2015. 
  44. «Diamond League: Yohan Blake and Usain Bolt star in Brussels». BBC Sport. Consultado em 2 September 2015. 
  45. «Usain Bolt takes 100m Olympic gold – this time even faster». The Guardian. Consultado em 2 September 2015. 
  46. «Usain Bolt has 'lost all respect for' Carl Lewis». USA Today. Consultado em 2 September 2015. 
  47. «OC chief: Bolt is ‘active performance legend’». Inquirer. Consultado em 2 September 2015. 
  48. «London 2012: Mo Farah honoured by Usain Bolt 'Mobot' tribute». The Guardian. Consultado em 2 September 2015. 
  49. «THE BEST FUNNY QUOTES SURROUNDING THE OLYMPIC GAMES». The Independent. Consultado em 2 September 2015. 
  50. Atleta-Digital (11/08/2013). «Usain Bolt recuperou o trono». 
  51. Atleta-Digital (17/08/2013). «Rússia a tentar fazer história». 
  52. «Usain Bolt vence os 100m no Mundial de Moscou» O Globo [S.l.] 11 de Agosto de 2013. Consultado em 15 de Agosto de 2013. 
  53. Ralston, Gary. «Glasgow 2014: Usain Bolt set for Commonwealth Games debut in Scotland & admits he couldn't disappoint his fans». Daily Record. Consultado em 3 September 2015. 
  54. «results». glasgow2014.com. Consultado em 3 September 2015. 
  55. Smith, Cory. «Usain Bolt Sets World Indoor 100-Meter Record in Warsaw National Stadium». bleacherreport.com. Consultado em 3 September 2015. 
  56. «Usain Bolt ends his season by withdrawing from Zurich competition». The Guardian. Consultado em 3 September 2015. 
  57. «Usain Bolt's 17 gold medals in Olympics, World Championships by event, times». cleveland.com. Consultado em 3 September 2015. 
  58. «Bolt diz que não vai mais correr em 2015 e já pensa na Rio-2016». Folha de S Paulo. Consultado em 7 September 2015. 
  59. «IAF Athletes of the Year». IAAF. Consultado em 3 September 2015. 
  60. «About the Laureus World Sports Awards». laurel.com. Consultado em 3 September 2015. 
  61. «L’Équipe World Champion of Champions». L'Équipe. Consultado em 3 September 2015. 
  62. «WINNERS». RJR Sports Foundation. Consultado em 3 September 2015. 
  63. a b «Dr. the Honourable Ambassador Usain St. Leo Bolt, OJ». jis.gov.jm. Consultado em 3 September 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Usain Bolt
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Usain Bolt