Marion Jones

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marion Jones
Atletismo
Modalidade 100 m, 200 m, salto em distância
Nascimento 12 de outubro de 1975 (41 anos)
Los Angeles, Estados Unidos
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americana
Medalhas
Jogos Olímpicos
DSQ Sydney 2000 100 m
DSQ Sydney 2000 200 m
DSQ Sydney 2000 4x100 m
DSQ Sydney 2000 4x400 m
DSQ Sydney 2000 salto em distância
Campeonatos Mundiais
DSQ Edmonton 2001 100 m
DSQ Edmonton 2001 4x100 m
Ouro Atenas 1997 100 m
Ouro Atenas 1997 4x100 m
Ouro Sevilha 1999 100 m
Bronze Sevilha 1999 salto em distância

Marion Jones (Los Angeles, 12 de outubro de 1975) é uma atleta norte-americana, especializada em saltos e provas de velocidade. Depois de se tornar um dos grandes nomes internacionais do atletismo na virada do século XXI, ao conquistar cinco medalhas em Jogos Olímpicos – três delas de ouro – e sete medalhas em Campeonatos Mundiais de Atletismo, confessou o uso de anabolizantes na carreira, teve quase todas as suas medalhas cassadas e foi banida do atletismo, num dos mais rumorosos caso do esporte.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Jones tornou-se o grande nome do atletismo feminino nos Jogos de Sydney 2000 ao conquistar três medalhas de ouro nos 100 metros rasos, 200 metros rasos e revezamento 4x100m, além de duas medalhas de bronze no salto em distância e no revezamento 4x400m.

Em outubro de 2007 confessou ter participado daqueles Jogos sob o efeito de esteróides anabolizantes[1] e devolveu nessa data todas as medalhas olímpicas ao Comitê Olímpico Internacional.[2]

Na entrevista coletiva em que admitiu o uso de anabolizantes, após prestar depoimento a uma corte federal em outubro de 2007, ela aceitou a pena de dois anos de suspensão que lhe foi imposta pelo Comitê Olímpico dos Estados Unidos (USOC), devolveu as medalhas conquistadas em Sydney ao COI e anunciou o encerramento de sua carreira.

Em reunião de 12 de dezembro de 2007, o COI retirou oficialmente as cinco medalhas de Marion Jones e baniu a atleta de competir nos Jogos de 2008 em Pequim, além de retirar o quinto lugar conquistado na prova de salto em altura dos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004.[3]

O presidente da IAAF (Federação Internacional de Atletismo), Lamine Diak, fez um comunicado afirmando que "Marion Jones será sempre lembrada com uma das maiores fraudes da história do esporte".[4]

A 11 de Janeiro de 2008 um tribunal de Nova Iorque condenou a velocista a seis meses numa prisão, por ter cometido dois delitos de falso testemunho, em duas investigações federais, a uma rede de tráfico e administração de doping e a um esquema de fraude bancária.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Marion assume doping e pode perder ouros». Globo.com. Globoesporte.globo.com. 4 de outubro de 2007. 
  2. «Marion Jones devolve medalhas de Sydney». Globo.com. Globoesporte.globo.com. 8 de outubro de 2007. 
  3. «COI retira oficialmente as medalhas de Marion Jones». UOL Esporte. Esporte.uol.com.br. 12 de dezembro de 2007. 
  4. «CNN Special on Marion Jones fraud» (em inglês). CNN.