Sichuan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sichuan
四川路 - Sìchuān Shěng
China Sichuan.svg
Abreviatura (四川 (Sìchuān)
Capital Chengdu
Área 485 000 km²
População (2005) 87 250 000 hab.
Densidade 180,00 hab/km²
Províncias da República Popular da China Flag of the People's Republic of China.svg

Sichuan, Sujuão[1] ou Setsuan (em chinês tradicional: 四川; em chinês simplificado: 四川; pinyin: Loudspeaker.svg? Sìchuān; romanização postal chinesa: Szechwan ou Szechuan) é uma província da República Popular da China, situada na parte ocidental da China, cuja capital é Chengdu. Sua população é de cerca de 4,6 milhões de habitantes.

O nome atual da província, 四川 (Sìchuān), é uma abreviação de 四川路 (Sì Chuānlù), ou "Quatro circuitos de rios", que por sua vez é uma abreviação de 川峡四路 (Chuānxiá Sìlù), ou "Quatro circuitos de rios e desfiladeiros", nome dado em referência à divisão do circuito existente em quatro outros circuitos, durante a dinastia Song.[2]

Em 12 de Maio de 2008, foi afetado por um forte terramoto (terremoto).

História[editar | editar código-fonte]

A província e a sua vizinhança foram o berço de civilizações locais únicas, que datam pelo menos do século XV a.C. (coincidindo com os últimos anos da dinastia Shang). No século IX a.C., os reinos de Shu (atual Chengdu) e Ba (atual Chongqing) emergiram como centros culturais e administrativos rivais.

A existência do reino de Shu era desconhecida até uma descoberta arqueológica feita em 1986, numa pequena aldeia chamada Sanxingdui (三星堆, Sān Xīng Duī), no condado de Guanghan. Escavações indicaram que aquela foi uma importante cidade do reino.

Embora a dinastia Chin tenha destruído as civilizações de Shu e Ba, suas culturas foram preservadas e herdadas pelos povos de Sichuan até os dias de hoje.[carece de fontes?] O governo de Chin acelerou os avanços tecnológicos e agriculturais de Sichuan, para trazer a província ao mesmo nível de desenvolvimento dos povos do vale do rio Amarelo. O Sistema de Irrigação de Dujiangyan, construído no século III a.C. sob as ordens de Li Bing, foi o símbolo da modernização ocorrida no período. Composto de uma série de represas, o sistema direcionava o fluxo do rio Minjiang, afluente do Yangtzé, para os campos, aliviando o dano das enchentes sazonais. A construção, aliada a diversos outros projetos, aumentou enormemente a produção agricultural da área, que passou a ser a principal fornecedora de provisões e homens necessários para a unificação da China realizada pelos Chin.

Diversos minérios eram disponíveis, o que aumentava a importância da região. A área também se localizava nas rotas comerciais que iam do vale do rio Amarelo até os países localizados ao sudoeste, especialmente a Índia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A área da província está na bacia de Sichuan, cercada pelo Himalaia (喜玛拉雅山脉)a Oeste, a cordilheira de Qinling (秦岭) a Norte, e as áreas montanhosas de Yunnan ao Sul. O rio Yangtzé cruza a região da bacia hidrográfica, irrigando áreas da China oriental. O rio Minjiang, no centro de Sichuan, é um afluente do alto Yangtzé, ao qual ele se une em Yibin. O movimento de placas tectónicas formou a Failha de Longmenshan, que prossegue até as regiões montanhosas do nordeste, onde ocorreu o terremoto de 2008.

O clima varia imensamente. A bacia de Sichuan (incluindo Chengdu), na metade oriental da província, apresenta um clima subtropical de monções, com verões longos, húmidos e quentes, e invernos frios, curtos e nublados, com algumas das temperaturas mais baixas de toda a China. Já as áreas ocidentais apresentam um clima montanhoso, caracterizado por invernos muito frios e verões suaves e ensolarados. A parte sul da província, incluindo Panjihua, apresenta um clima subtropical, com invernos muito pouco rigorosos e verões quentes.

As províncias que cercam Sichuan são Chongqing, Tibete, Qinghai, Gansu, Shaanxi, Guizhou e Yunnan.

Política[editar | editar código-fonte]

A política de Sichuan está estruturada através dum sistema de bipartidarismo, como em todas as instituições governamentais da China continental.

O Governador de Sichuan é a autoridade mais alta do Governo Popular do Sichuan. No entanto, de acordo com o sistema de governo bipartidário da província, o governador tem menos poder que o Secretário do Comitê do Partido Comunista da China da província de Sichuan.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Tibetanos formam a principal minoria étnica em Sichuan.

A maioria da população pertence à etnia han, e estão espalhados uniformemente pela província. Minorias significativas de tibetanos, yi, qiang e naxi residem na parte ocidental da província. Sichuan era a província mais populosa da China até que Chongqing fosse separada, o que fez de Henan a mais populosa atualmente (no entanto, com a inclusão dos imigrantes, Guangdong tem a maior população total).

Sichuan foi a terceira entidade sub-nacional mais populosa do mundo, depois de Uttar Pradesh, na Índia, e da República Socialista Federativa Soviética da Rússia, assim como uma das quatro únicas a atingir a marca de mais de 100 milhões de habitantes. Atualmente ocupa o sexto lugar na lista de subdivisões de país pela população.

Matriarcado[editar | editar código-fonte]

Na fronteira entre as províncias de Yunnan e Sichuan, existe um lago de água doce, o lago Lugu, aonde se encontra uma das mais antigas sociedades matriarcais ainda remanescentes. Além do comando feminino, o povoado desta região destaca-se pela ausência de criminalidade.[3]

No livro Matriarchat in Südchina: Eine Forschungsreise zu den Mosuo (Taschenbuch), a autora, Heide Göttner-Abendroth, revela a raiz comum entre da palavra Ama cujo significado é mãe, na língua local dos mosos; a palavra ainda encontra a mesma raiz no norte da África, aonde também o matriarcado exitiu e os quais se auto denominavam amazigh. Por esta razão, a antiga palavra Ama tem o significado de Mãe em seu sentido mais estrito; no sentido figurativo denomina cultura matriarcal.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Estados irmãos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dicionário Enciclopédico Luso-Bresileiro Lello Universal, Lello & Irmão Editores, Porto, 2002
  2. Origem dos nomes das províncias chinesas, People's Daily Online. (em chinês)
  3. Lopez, Laura Ancona; "Saiba quem são mosos, um povo chinês que vive numa das últimas sociedades matriarcais do mundo" - Revista Elle
  4. The Amazons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia da República Popular da China é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.