Monção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Monção (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: "Monções" redireciona para este artigo. Para o município paulista, veja Monções (São Paulo).
Céu nublado durante a monção nas montanhas de Vindhya, Índia central.
Distribuição mundial dos climas: a região colorida com cor mais ciano-esverdeada designa as regiões de monções.
Regiões com clima do tipo Am.

Monção (do árabe: موسم [mausim], estação) é a designação dada aos ventos sazonais, em geral associados à alternância entre a estação das chuvas e a estação seca, que ocorrem em grandes áreas das regiões costeiras tropicais e subtropicais. A palavra tem a sua origem na monção do oceano Índico e sudeste da Ásia, onde o fenómeno é particularmente intenso. A palavra também é usada como nome da estação climática na qual os ventos sopram de sudoeste na Índia e países próximos e que é caracterizada por chuva intensa. Embora também existam monções em regiões subtropicais, por extensão, a designação de climas de monção ou climas monçónicos (tipo Am na classificação climática de Köppen-Geiger), é utilizada para designar o clima das regiões tropicais onde o regime de pluviosidade, e a consequente alternância entre estações seca e chuvosa, é governado pela monção.

História[editar | editar código-fonte]

O fortalecimento da Monção Asiática tem sido associada ao soerguimento do Planalto do Tibete depois da colisão do Subcontinente indiano e da Ásia por volta de há 50 milhões de anos. Através de estudos de registros do Mar da Arábia e de poeira do Planalto de Loess na China, muitos geólogos acreditam que as monções se fortaleceram há cerca de 8 milhões de anos. Mais recentemente, estudos de fosseis de plantas na China e de registros de novos sedimentos de longa duração do Mar da China Meridional, determinaram que as monções começaram entre 15-20 milhões de anos e as associando ao soerguimento tibetano[1].

A monção tem variado significantemente em força ao longo do tempo, associada as mudanças climáticas globais, especialmente no ciclo glaciais do Pleistoceno. Um estudo de plankton marinho sugeriu que a Monção Indiana se fortaleceu por volta de há 5 milhões de anos. Depois, durante os períodos glaciais, o nível do mar baixava e a passagem marítima indonésia se fechava. Quando isso acontecia, as águas frias do oceano Pacífico eram impedidas de entrar pelo oceano Índico. Acredita-se que o aumento das temperaturas da superfície do mar no oceano Índico aumentou a intensidade das monções[2].

Origem do termo[editar | editar código-fonte]

A palavra monção teve a sua origem na designação dada pelos antigos marinheiros árabes do noroeste do oceano Índico e do mar Arábico às periódicas mudanças de direcção do vento que ocorrem ao largo das costas do subcontinente indiano e da Península Arábica, especialmente no mar Arábico, no golfo Pérsico e no noroeste do Índico, onde o vento sopra desde o sudoeste uma metade do ano e desde o nordeste durante a outra metade. A partir da designação árabe de موسم (mausim), a palavra foi-se estendendo pelos povos marítimos da região até ser incorporada na língua portuguesa a partir da qual se expandiu pelos diversos idiomas europeus, onde o fenómeno é designado por termos com esta etimologia.

Causa das monções[editar | editar código-fonte]

O efeito de monção é causado pelo aparecimento sazonal de grandes diferenças térmicas entre os mares e as regiões continentais adjacentes nas zonas próximas dos bordos externos da célula de Hadley. A diferença de temperaturas gera-se devido à muito menor capacidade térmica das superfícies emersas face às regiões marítimas. Na realidade, os materiais geológicos que constituem os solos têm uma capacidade térmica relativamente baixa quando comparada com a da água, a que acresce o facto da variação de temperatura em geral não se propagar em cada estação do ano para além do 1 a 1,5 m abaixo da superfície. Esta realidade contrasta com a superfície dos mares, onde à muito maior capacidade térmica da água acresce a existência de convecção e de vorticidade induzida pelos ventos e chuvas que levam ao aparecimento de uma camada de mistura, de temperatura relativamente homogênea, que em geral ronda os 50 m de espessura.

Gráfico climático para Bombaim
JFMAMJJASOND
 
 
0
 
29
19
 
 
0
 
29
20
 
 
0
 
31
22
 
 
2
 
32
25
 
 
12
 
33
27
 
 
592
 
32
26
 
 
681
 
30
25
 
 
488
 
29
24
 
 
307
 
30
24
 
 
61
 
32
24
 
 
23
 
33
23
 
 
2
 
31
21
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

Fonte: Canal do tempo

Logo, a quantidade de calor que em cada estação quente é absorvida e acumulada nas águas do mar e é incomparavelmente maior do que a que acumulada em terra. Como consequência, as zonas terrestres aquecem com muito maior rapidez durante a estação quente, mas também arrefecem com ainda maior rapidez durante a estação fria.

Em resultado destas diferentes dinâmicas, durante o Verão a terra está mais quente que a água do mar, pelo que o ar quente sobre a terra tende a subir, criando uma área de baixa pressão atmosférica sobre a região, a qual contrasta com o ar mais fresco situado sobre o mar onde se forma uma região anticiclónica. Por sua vez, esta diferença de pressão atmosférica cria um vento constante no sentido do mar para terra, transportando para sobre o continente ar marítimo rico em humidade. Este ar, ao ser elevado pelo efeito convectivo, particularmente quando está presente sobre a região a Zona de Convergência Intertropical ou pelo efeito da presença de montanhas, esfria, o que provoca condensação e as consequentes chuvas.

Durante o Inverno a situação inverte-se: as regiões continentais arrefecem rapidamente enquanto os mares adjacentes se conservam quentes. Em resultado, forma-se anticiclones sobre as regiões terrestres e baixas pressões sobre os mares adjacentes, passando os ventos a soprar de terra para o mar, em geral muito secos e frios.

Este efeito contrastante é tanto maior quanto maior for o contraste entre terra e mar, intensificando-se com a dimensão da região continental e com a temperatura do oceano. É essa a razão que leva a que o monção asiática seja a mais intensa, resultado da dimensão da Ásia e do contraste térmico existente entre as planícies da Ásia Central e da Sibéria face às águas tépidas do Oceano Índico e do Oceano Pacífico Ocidental. Naquela região, os ventos da monção asiática sopram, no Verão, do mar para o continente (monção marítima) e no Inverno o sentido é do continente para o mar (monção continental), quando a terra esfria rapidamente, mas os oceanos retêm o calor mais tempo.

Existem mais sistemas de monções, como a monção norte-americana, sentida entre julho e setembro no Arizona, Novo México, Nevada, Utah, Colorado, Texas e Califórnia. Também se referencia a monção do nordeste asiático, sentida entre dezembro e o início de março.

No subcontinente indiano, onde a presença da cordilheira dos Himalaia cria condições excelentes para a formação da monção, esta começa pelo sudoeste, na costa de Kerala, na Índia, geralmente na primeira quinzena de Junho. A monção de noroeste em Tamil Nadu começa habitualmente em Outubro.

À medida que se compreendeu melhor as monções, a sua definição foi-se ampliando de forma a incluir quase todos os fenómenos associados com o ciclo meteorológico anual verificado nos territórios tropicais e subtropicais dos continentes da Ásia, Austrália e África junto com os seus mares e oceanos adjacentes. Nestas regiões ocorrem as mudanças climáticas sazonais mais dramáticas da Terra.

Num sentido mais amplo, no passado geológico, sistemas monçónicos têm acompanhado sempre a formação de supercontinentes, como a Pangeia, com os seus climas continentais extremos.

Trovoadas durante a monção norte-americana vistas de El Cajon, Califórnia. As trovoadas geradas pela monção raramente ultrapassam as colinas das Peninsular Ranges, deixando os céus limpos sobre a faixa costeira.

Referências

  1. P. D. Clift, M. K. Clark, and L. H. Royden. (2003). «Erosional Record of the Tibetan Plateau Uplift and Monsoon Strengthening in the Asian Marginal Seas.» (PDF) 
  2. Srinivasan, M. S.; Sinha, D. K. (2000). «Ocean circulation in the tropical Indo-Pacific during early Pliocene (5.6–4.2 Ma): Paleobiogeographic and isotopic evidence». Proc Indian Acad Sci (Earth Planet Sci.): 315-328. Consultado em 22 de dezembro de 2020 

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: As monções da Ásia forçam milhões a procurar refúgio