Jim Hines

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jim Hines
campeão olímpico
Atletismo
Modalidade 100 m
Nascimento 10 de setembro de 1946 (72 anos)
Dumas, Estados Unidos
Nacionalidade norte-americano
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Cidade do México 1968 100 m
Ouro Cidade do México 1968 4x100 m

James "Jim" Ray Hines (Dumas, 10 de setembro de 1946) é um ex-velocista, jogador de futebol americano e campeão olímpico norte-americano, o primeiro homem a correr oficialmente os 100 m rasos em menos de 10s em cronometragem eletrônica – 9s95 – o que fez na altitude da Cidade do México em 1968.

Jogador de beisebol na adolescência, foi descoberto pelo técnico de atletismo Bobby Morrow – campeão olímpico dos 100 e 200 m em Melbourne 1956[1] – impressionado com sua velocidade e tornou-se um velocista. No campeonato americano de atletismo realizado em Sacramento, Califórnia, em 1968, ele quebrou a barreira dos 10s para os 100 m em cronometragem manual – 9s9 – e marcou 10s3 na cronometragem automática.[1]

Poucos meses depois, nos Jogos Olímpicos da Cidade do México 1968, Hines, um atleta negro, se viu no meio de uma situação tensa, com distúrbios raciais acontecendo nos Estados Unidos e ameaças de boicote pelos integrantes negros da delegação americana, indignados com a ideia de se permitir a oficialmente racista África do Sul de participar dos Jogos e com revelações ligando o então presidente do Comitê Olímpico Internacional Avery Brundage a um clube de golfe racista e antissemita.[2]

Hines disputou a final dos 100 m rasos e venceu com o tempo de 9s89 aparecendo na tela do estádio, depois corrigido para 9s95; o primeiro tempo foi obtido através de um feixe de luz na linha de chegada e o segundo através do processo oficial de fotografia, com filme Polaroid, e divulgado minutos depois. Houve alguma controvérsia de como seu tempo (9s95) na marca eletrônica poderia ser comparada com a cronometragem manual (9s9, sem centésimos). Tempos automáticos disparam instantaneamente com o tiro de largada, enquanto a cronometragem manual depende da reação do ser humano com o cronômetro. Demorou até 1977 para que a cronometragem automática passasse a ser oficialmente exigida para a oficialização de um recorde mundial. Com a mais rápida marca eletrônica até aquele momento no atletismo, o tempo de Hines foi reconhecido como novo recorde mundial.[3] Esta prova dos 100 m na Cidade do México também é significativa por ter sido a primeira na história olímpica em que as medalhas foram todas conquistadas por atletas negros. Dias depois, Hines ajudou a quebrar outro recorde mundial, integrando, com Charles Greene, Mel Pender e Ronnie Ray Smith, o revezamento medalha de ouro dos 4x100 metros, sendo o último com o bastão, que recebeu em terceiro lugar.[1]

Depois de abandonar as pistas, sua velocidade o fez alvo de times de futebol americano e jogou pelo Miami Dolphins e pelo Kansas City Chiefs. Entretanto, apesar de veloz, nunca teve o talento necessário para o esporte como wide receiver, sendo absolutamente medíocre na recepção de passes em velocidade. É considerado pelo site especializado em esportes Deadspin um dos dez piores jogadores da NFL de todos os tempos.[4]

Sua marca para os 100 m permaneceu imbatível por 15 anos, até julho de 1983, quando foi quebrada, também na altitude, pelo também norte-americano Calvin Smith – 9s93.[3]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Jim Hines». Sportsreference. Consultado em 14 de agosto de 2015. 
  2. «Avery Brundage and Racism» (PDF). la84.org. Consultado em 14 de agosto de 2015. 
  3. a b «Berlin 2009 Past Results» (PDF). IAAF. Consultado em 14 de agosto de 2015. 
  4. «The Bottom 100: The Worst Players In NFL History (Part 2)». Deadspin. Consultado em 14 de agosto de 2015.