Ensino secundário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Escola secundária)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O ensino secundário ou educação secundária constitui o ensino ministrado aos adolescentes, com idades que podem ir dos 10 aos 18 anos, conforme o país e o seu sistema educativo. Carateriza-se por constituir uma transição do ensino primário (tipicamente obrigatório, genérico e ministrado às crianças) para o ensino terciário (tipicamente opcional, especializado e ministrado a adultos).

Segundo a Classificação Internacional Normalizada da Educação, o ensino secundário corresponde ao nível de educação 3, podendo em alguns sistemas educativos também incluir o nível 2.

Normalmente o ensino secundário é o estágio que se segue ao ensino básico ou primário. Frequentemente, constitui a etapa final da escolaridade obrigatória. Contudo, em muitos países, o ensino secundário já não é obrigatório ou então inclui etapas obrigatórias e outras não obrigatórias. Normalmente, o estágio que se segue é o ensino superior.

Conforme o sistema educativo, o ensino secundário pode ser ministrado em estabelecimentos com diversas designações. As mais frequentes são "escola secundária", "liceu", "ginásio" e "colégio".

Educação secundária no mundo[editar | editar código-fonte]

Em muitos países não é obrigatória e as idades variam muito de uma nação para outra, porém o comum é que cubra a etapa da criança pré-adolescente, em geral começa-se com 12 ou 13 anos e termina-se entre os 16 ou 17 anos.

Segundo a Classificação Internacional Normalizada da Educação, o ensino secundário corresponde ao nível de educação 3, podendo em alguns sistemas educativos também incluir o nível 2.

Conforme o sistema educativo, o ensino secundário pode ser ministrado em estabelecimentos com diversas designações. As mais frequentes são "escola secundária", "liceu", "ginásio" e "colégio".

Angola[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Educação em Angola
Out of date clock icon.svg
Esta secção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Escola de Ensino Secundário Mutu Ya Kevela em Luanda (antigo Liceu Nacional Salvador Correia).

O ensino secundário de Angola encontra-se em fase de reformulação, na sequência da Lei n.º 13/01 de 31 de dezembro de 2001, que prevê a implementação de um novo sistema de educação em substituição do sistema de 1978.[1]

No sistema de educação em implementação, o ensino secundário é o estágio seguinte ao ensino primário, correspondendo internacionalmente aos níveis 2 e 3 da Classificação Internacional Normalizada da Educação (ISCED).[1]

Organiza-se em dois ciclos sequenciais, com a duração total de seis ou sete anos. O 1º ciclo divide-se em ensino geral e em formação profissional, compreendendo as 7ª, 8ª e 9ª classes, cada qual correspondendo a um ano escolar. O 2º ciclo divide-se em ensino geral que compreende as 10ª, 11ª e 12ª classes, em formação média normal e em formação média técnica, estas últimas compreendendo as 10ª, 11ª, 12ª e 13ª classes.[1]

O 1ª ciclo do ensino secundário em implementação corresponde aproximadamente aos anteriores 2º e 3º níveis do ensino de base e aos anteriores 1º e 2º ciclos da formação profissional. O 2º ciclo em implementação corresponde aproximadamente aos anteriores ensino pré-universitário, ensino médio normal e ensino médio técnico.[1]

Até pouco depois da sua independência em 1975, vigorou em Angola o antigo sistema de ensino secundário português constituído pelos ramos de ensino liceal e de ensino técnico. Em Luanda, funcionava uma das mais prestigiadas instituições de ensino secundário de todo o Império Português, o Liceu Nacional Salvador Correia.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Educação no Brasil

No Brasil, historicamente era chamado "ensino secundário" o que hoje corresponde à segunda metade do ensino fundamental (a partir do sexto ano) e ao ensino médio.

Cabo Verde[editar | editar código-fonte]

No sistema educativo de Cabo Verde, o ensino secundário constitui o estágio da educação escolar que se segue ao ensino básico, sendo ministrado normalmente aos jovens com idades compreendidas entre os 12 e os 18 anos. Encontra-se organizado em três ciclos, cada qual com dois anos de duração. Inclui a variante de ensino secundário técnico, destinada a proporcionar uma alternativa para a vida ativa.

Internacionalmente, o ensino secundário de Cabo Verde corresponde aos níveis 2 e 3 do ISCED.

O ensino secundário é ministrado em escolas secundárias, existentes em todos os concelhos do país.

Espanha[editar | editar código-fonte]

Estudantes espanhóis do Bacharelato, o segundo ciclo da educação secundária em Espanha.

Em Espanha abarca desde os 12 até aos 16 anos. Uma etapa chamada Educação Secundária Obrigatória (ESO), onde se distinguem 4 cursos, divididos em dois ciclos, o primeiro 1.º e 2.º da ESO e o segundo 3.º e 4.º da ESO.[2] Podem-se repetir dois anos, pelo que se pode chegar a permanecer nesta etapa até aos 18 anos. Se a esta idade não se haja terminado a Secundária nos Institutos Ordinários pode-se cursar os chamados Centros de Educação de Adultos.

  • 1.º da E.S.O. (12-13 anos): Matemáticas, Língua Castelhana e Literatura, Ciências Sociais, Ciências Naturais, Plástica, Educação Física, Inglês, Segunda Língua Estrangeira: Francês, Alemão, Português ou Italiano, depende do instituto, opcional).
  • 2.º da E.S.O. (13-14 anos): Matemáticas, Língua Castelhana e Literatura, Ciências Sociais, Física e Química, Educação para a Cidadania, Música, Educação Física, Inglês, Segunda Língua Estrangeira: Francês, Alemão, Português ou Italiano (é opcional).
  • 3.º da E.S.O. (14-15 anos): Matemáticas, Língua Castelhana e Literatura, Geografia, Física e Química, Biologia e Geologia, Música, Plástica, Tecnologia, Educação Física, Inglês, Segunda Língua Estrangeira: Francês, Alemão... (é opcional).
  • 4.º da E.S.O. (15-16 anos): Aqui os alunos decidem a modalidade do 4.º da ESO. As matérias comuns independentemente da modalidade escolhida são: Matemáticas A (focada para as letras)/Matemáticas B (focada para as ciências), Língua Castelhana e Literatura, História, Educação Ético-Cívica, Inglês, Segunda Língua Estrangeira: Francês, Alemão... (é opcional). As disciplinas da modalidade escolhida são (dependendo do centro podem variar):
  1. Ciências e Tecnologia: Matemáticas B, Física e Química, Biologia e Geologia, Tecnologia. Optativas de modalidade (escolher uma): Laboratório de Física, Química e Biologia/Literatura Universal/Economia/Informática.
  2. Letras: Matemáticas A/B, Latim, Música, Cultura Clássica. Optativas de modalidade (escolher uma): Literatura Universal/Economia/Informática.
  3. Artes: Matemáticas A/B, Música, Plástica, Teatro. Optativas de modalidade (escolher uma): Literatura Universal/Economia/Informática.

Nas comunidades autónomas com língua própria, em todos os anos da Educação Secundária Obrigatória à parte destas matérias se leciona o ensino da sua respetiva língua e literatura.

O Bacharelato espanhol é um ensino pós-obrigatório, lecionado normalmente desde que o aluno tem 16 anos, após ter obtido a ESO (Educação Secundária Obrigatória), de carácter pré-universitário e de dois anos de duração. Após ter superado o Bacharelato pode-se ingressar nos Ciclos Formativos de Grau Superior, ou na universidade, após superar as Provas de Acesso à Universidade.

Os Ciclos Formativos de Grau Médio são também ensino secundário pós-obrigatório. Se acede após haver obtido a ESO (Educação Secundária Obrigatória), do mesmo modo que para aceder ao Bacharelato, e se frequentam desde que o aluno tem 16 anos. Têm uma duração de dois anos académicos inteiros, incluindo a etapa de formação em centros de trabalho (trabalhar numa empresa), que em horas são aproximadamente 2000 horas, ou ainda um ano académico completo e outro ano somente de formação em centros de trabalho. Ao finalizá-lo, obtém-se o título de "técnico de grau médio de...". Existem um total de 26 famílias profissionais na atualidade (contando o sistema LOE e o anterior LOGSE, embora não extinto de todo), podendo estudar desde gestão administrativa, sistemas micro-informáticos e redes, instalações de telecomunicações, estética e beleza, auxiliar de enfermagem, e um largo et cetera de cursos. Diferentemente do Bacharelato' a superação destes cursos não dá acesso direto nem a Ciclos Formativos de Grau Superior (considerados educação superior) nem à universidade, após superar as provas de acesso, somente dá acesso a realizar uma prova de acesso para ciclos formativos de grau superior com matérias do bacharelato ou ainda ao bacharelato (confirmando algumas disciplinas em alguns casos).

Portugal[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Ensino em Portugal Em Portugal - segundo a Lei de Bases do Sistema Educativo - o ensino secundário constitui o estágio seguinte ao ensino básico, no âmbito da educação escolar. É ministrado normalmente a jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos, correspondendo internacionalmente, ao nível 3 do ISCED.[3]

O ensino secundário organiza-se segundo formas diferenciadas, contemplando tanto cursos orientados para a vida ativa, como cursos orientados para o prosseguimento de estudos. Os cursos têm a duração de três anos, compreendendo o 10.º, o 11.º e o 12.º anos de escolaridade.[3]

O acesso ao ensino secundário é feito depois de completo com sucesso o ensino básico. Até 2009, o ensino secundário era facultativo. A partir de então, na sequência da Lei n.º 85/2009 de 27 de agosto, tornou-se universal, gratuito e obrigatório.[4]

Os estabelecimentos públicos onde é ministrado o ensino secundário têm a designação genérica de "escola secundária".[5]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Constituem objetivos genéricos do ensino secundário:

  1. Assegurar o desenvolvimento do raciocínio, da reflexão e da curiosidade científica e o aprofundamento dos elementos fundamentais de uma cultura humanística, artística, científica e técnica;
  2. Facultar conhecimentos necessários à compreensão das manifestações estéticas e culturais e possibilitar o aperfeiçoamento da expressão artística;
  3. Fomentar a aquisição e a aplicação de um saber cada vez mais aprofundado;
  4. Formar jovens interessados na resolução dos problemas do País e sensibilizados para os problemas da comunidade internacional;
  5. Facultar contactos e experiências com o mundo do trabalho;
  6. Favorecer a orientação e formação profissional;
  7. Criar hábitos de trabalho individual e em grupo.[3]

História[editar | editar código-fonte]

O que é hoje chamado de ensino secundário, tem origem no ensino das "artes" ministrado, desde o século XVI, em diversos mosteiros e colégios, a maioria dos quais geridos por ordens religiosas. As "artes" incluíam matérias como gramática, latim, português, grego, história, geografia, matemática, retórica, humanidades e filosofia. Surgem colégios célebres como o Real Colégio das Artes e Humanidades, fundado pelo Rei D. João III em Coimbra, cuja frequência passa a ser obrigatória para acesso à Universidade de Coimbra em 1561. No final do século XVIII, por impulso do Marquês de Pombal, o ensino é estatizado, uniformizado e secularizado, sendo encerrados muitos dos estabelecimentos escolares controlados pelos Jesuítas.[6]

Depois do estabelecimento do Liberalismo em Portugal, em 1836 é criado o ensino liceal, com o primeiro liceu a abrir em 1839. O curso liceal tem a duração de quatro anos. A partir de 1872, o curso nos liceus de 1ª classe passa ter seis anos, mantendo-se em quatro anos nos liceus de 2ª classe. Em 1880, o curso liceal passa a ter uniformemente seis anos, sendo que os dois últimos passam a estar divididos em dois ramos, o das letras e o das ciências.[6]

Em 1895 dá-se uma grande reforma no ensino, liderada por João Franco e Jaime Moniz. A organização do ensino liceal saída desta reforma ainda é a base do atual ensino secundário, bem como da parte final do ensino básico. O ensino liceal passa a estar dividido em dois cursos sequenciais. O curso geral dura cinco anos, seguindo-se o curso complementar com dois anos. Em 1905, o curso geral é dividido no 1º e no 2º segundo ciclos e consagra-se a divisão do curso complementar em duas vias de ensino, a de letras e a de ciências. Paralelamente ao ensino liceal, vocacionado para preparar os alunos para a frequência do ensino superior, desenvolve-se o ensino técnico de caráter mais prático e vocacional.[6]

Em 1948, dá-se uma nova reforma do ensino, sendo publicados os novos estatutos do ensino liceal e técnico, que passam a ser globalmente referidos como ensino secundário. Os dois ciclos do ensino liceal passam a ser etapas separadas, passando aquele a compreender o 1º ciclo com dois anos, o curso geral com três anos e o curso complementar com dois anos. O ensino técnico passou a compreender duas etapas, o 1º grau ou ciclo preparatório com dois anos e o 2º grau com até quatro anos, com cursos nas áreas dos serviços, formação feminina, indústria e artes.[7]

A nova reforma no ensino, ocorrida em 1967, funde o 1º ciclo do ensino liceal com o ciclo preparatório do ensino técnico, dando origem ao ciclo preparatório do ensino secundário, comum aos dois ramos de ensino. Paralelamente, o ensino técnico é reorganizado segundo o modelo do ensino liceal, passando a compreender um curso geral de três anos e um curso complementar de dois anos.[6][7]

Em 1973, é publicada a primeira Lei de Bases do Sistema Educativo que prevê a fusão do ensino liceal e técnico. Na sequência do 25 de abril de 1974, é implementada a fusão dos dois ramos de ensino. Logo em 1974, os liceus e escolas técnicas começam a ser transformadas em escolas secundárias. Em 1975, o ensino técnico é extinto, e em 1976 começa a entrar em funcionamento o ensino secundário unificado, cuja implementação irá durar até 1981. O ensino secundário unificado é constituído pelo curso geral - compreendendo o 7º, 8º e 9º anos - e pelo curso complementar - compreendendo o 10º e o 11º anos. Entretanto - como medida para limitar o acesso ao ensino superior - em 1975 é criado o serviço cívico com a duração de um ano, entre o ensino secundário e o superior. O serviço cívico é substituído pelo ano propedêutico em 1977, o qual é transformado no 12º ano em 1981.[6]

Em 1986 é publicada a atual Lei de Bases do Sistema Educativo que reorganiza o ensino. O anterior curso geral do ensino secundário passa a fazer parte do novo ensino básico, como seu 3º ciclo. O antigo curso complementar mais o 12º ano passam a constituir o novo ensino secundário. Na década de 1990, o ensino secundário é massificado, abrangendo, no final da década, mais de 70 % dos jovens com idades entre os 15 e os 18. Em 2009, o ensino secundário passa a ser obrigatório.[3]

Modalidades do ensino secundário[editar | editar código-fonte]

O ensino secundário é realizado em cursos com diversas modalidades. Atualmente, existem as seguintes:

  1. Cursos artísticos especializados - destinam-se a proporcionar formação nas áreas das artes visuais, audiovisuais, dança e música. São cursos de nível secundário com a duração de três anos letivos, correspondentes aos 10.º, 11.º e 12.º anos de escolaridade. Os cursos de artes visuais e audiovisuais estão orientados numa dupla perspetiva: o prosseguimento de estudos em cursos de especialização tecnológica ou de ensino superior e a inserção no mundo do trabalho.
  2. Cursos científico-humanísticos - são vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico, têm a duração de 3 anos lectivos correspondentes aos 10.º, 11.º e 12.º anos de escolaridade.
  3. Cursos de Aprendizagem - são cursos de formação profissional inicial, em alternância, dirigidos a jovens, privilegiando a sua inserção no mercado de trabalho e permitindo o prosseguimento de estudos.
  4. Cursos de educação e formação (CEF) - são uma oportunidade para frequência ou conclusão da escolaridade de seis, nove ou 12 anos e, simultaneamente, para preparação da entrada no mercado de trabalho com qualificação escolar e profissional. Os CEF integram quatro componentes de formação: sociocultural, científica, tecnológica e prática.
  5. Cursos profissionais - são uma modalidade de educação, inserida no ensino secundário, que se carateriza por uma forte ligação com o mundo profissional. A aprendizagem valoriza o desenvolvimento de competências para o exercício de uma profissão, em articulação com o sector empresarial local.
  6. Cursos tecnológicos - são cursos profissionalmente qualificantes e estão orientados numa dupla perspectiva: a inserção no mundo do trabalho e o prosseguimento de estudos para os cursos pós-secundários de especialização tecnológica e para o ensino superior.
  7. Cursos das escolas de hotelaria e turismo - os cursos de formação profissional das escolas de hotelaria e turismo: de Cozinha, de Pastelaria, de Restaurante de Bar e de Hotelaria e Turismo, inserem-se num sistema setorial de formação (tutela do Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento). Esta formação específica para o sector do Turismo é desenvolvida pela rede nacional de escolas de hotelaria e turismo, do Turismo de Portugal, I. P..

Ensino recorrente[editar | editar código-fonte]

É uma modalidade da educação de adultos, que proporciona uma segunda oportunidade de formação que permita conciliar os estudos com o exercício de uma actividade profissional. Funciona em sistema de módulos (cursos científico-humanísticos, cursos tecnológicos e cursos artísticos especializados) e de unidades capitalizáveis (cada disciplina está organizada por unidades, quando o aluno completa uma unidade, realiza uma prova de avaliação visando capitalizar a unidade e passar a frequentar a unidade seguinte, deste modo um aluno que interrompa os estudos, poderá retornar para a unidade imediatamente a seguir à última que capitalizou).[8]

Formação pós-secundária não-superior[editar | editar código-fonte]

Os cursos de especialização tecnológica, embora possam ser ministrados em escolas secundárias já não se situam no nível do ensino secundário.

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

No Reino Unido o ensino secundário é aquele subsequente à educação primária. A escola secundária atende alunos na faixa compreendida entre os 11 e os 16 anos.

São Tomé e Príncipe[editar | editar código-fonte]

Em São Tomé e Príncipe, o ensino secundário é o estágio que se segue ao ensino básico, correspondendo aos níveis 2 e 3 do ISCED.

Organiza-se em dois ciclos, com a duração total de cinco ou seis anos. O 1º ciclo compreendendo as 7º, 8º e 9º classes. O 2º ciclo, divide-se em vertente geral e em vertente profissionalizante. A primeira vertente compreende as 10ª e 11ª classes e a segunda vertente compreende as 10ª, 11ª e 12ª classes.

Encontra-se em implementação um novo modelo de ensino secundário cujo segundo ciclo seguirá de perto as caraterísticas do atual ensino secundário português, passando a existir um 12º ano em todas as vertentes de ensino.[9]

O ensino secundário é realizado no Liceu Nacional, na cidade de São Tomé.

Outros países[editar | editar código-fonte]

Em outros países, o ensino secundário assume as seguintes designações:

  • Alemanha: Gymnasium, Gesamtschule, Realschule, Hauptschule e Fachoberschule,
  • Argentina: Secundaria ou Polimodal,
  • Austrália: High school ou Secondary college,
  • Áustria: Gymnasium (Oberstufe e Unterstufe), Hauptschule, Höhere Bundeslehranstalt e Höhere Technische Lehranstalt,
  • Azerbaijão: Orta Məktəb (ensino secundário),
  • Bahamas: Junior High (7º-9º anos) e Senior High (10º-12º anos),
  • Bolívia: Educación Primaria Superior (6º-8º anos) e Educación Secundaria (9º-12º anos)
  • Bósnia e Herzegovina: srednja škola e gimnazija,
  • Bulgária: Гимназия (ginásio) e Лицей (liceu),
  • Chile: Enseñanza Media,
  • China: Zhong xue (中学: escola média),
  • Canadá: High School, Secondary School, École secondaire, Lycée ou Collegiate Institute,
  • Colômbia: Bachillerato ou Segunda Enseñanza,
  • Croácia: Srednja škola (escola média) e Gimnazija (ginásio),
  • Chipre: Γυμνάσιο (ginásio) e Ενιαίο Λύκειο (liceu),
  • Checa (República): Střední škola (escola média), Gymnázium (ginásio) e Střední odborné učiliště (instituto profissional),
  • Dinamarca: Gymnasium,
  • Eslovénia: Gimnazija (ginásio) e srednja šola (escola média)
  • Espanha: Educación Secundaria composta por dois ciclos: Educación Secundaria Obligatoria (7º-10º anos) e Bachillerato (não obrigatório, incluindo os 11º e 12º anos);
  • Estados Unidos: High School subdividido ocasionalmente em Junior High School ou Middle School e Senior High School,
  • Estónia: Gymnasium e Lyceum
  • Finlândia: Lukio ou Gymnasium,
  • França: Collège e Lycée,
  • Grécia: Γυμνάσιο (ginásio) e Λύκειο (liceu),
  • Hungria: Gimnázium (ginásio), Középiskola (escola média), Szakközépiskola (escola média vocacional),
  • Islândia: Menntaskóli e Framhaldskóli,
  • Índia: Secondary School,
  • Indonésia: Sekolah Menengah Atas (escola média superior), Sekolah Menengah Pertama (escola média primária), Sekolah Menengah Kejuruan (escola média vocacional),
  • Itália: Scuola Secondaria di Primo Grado e Scuola Secondaria di Secondo Grado,
  • Japão: Chūgakkō (中学校: escola média), Kōtōgakkō (高等学校: escola alta) e Chūtōkyōikugakkō (中等教育学校: escola secundária),
  • Liechtenstein: Gymnasium,
  • Lituânia: Vidurinė Mokykla (escola média) e Gimnazija (ginásio),
  • Malásia: Sekolah Menengah (escola secundária),
  • Malta: Skola Sekondarja ou Secondary School,
  • México: Educación Secundaria y Preparatoria,
  • Noruega: Videregående,
  • Países Baixos: Middelbare school (escola média) ou Voortgezet Onderwijs (ensino secundário),
  • Paraguai: Bachillerato
  • Peru: Educación Secundaria,
  • Polónia: Gimnazjum (7º-9º anos) e Liceum (10º-12º anos),
  • Roménia: Gimnaziu (5º-8º anos) e Liceu (9º-12º anos),
  • Rússia: среднее образование (sredneye obrazovaniye: ensino secundário),
  • Suécia: Gymnasium
  • Suíça: Gymnasium,
  • Turquia: Lise (liceu),
  • Uruguai: Liceo.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Portal A Wikipédia possui o portal: