Método Montessori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Método Montessori é o resultado de pesquisas científicas e empíricas desenvolvidos pela médica e pedagoga Maria Montessori.

É caracterizado por uma ênfase na autonomia, liberdade com limites e respeito pelo desenvolvimento natural das habilidades físicas, sociais e psicológicas da criança.

De acordo com sua criadora, o ponto mais importante do método é, não tanto seu material ou sua prática, mas a possibilidade criada pela utilização deste, de se libertar a verdadeira natureza do indivíduo, para que esta possa ser observada, compreendida, e para que a educação se desenvolva com base na evolução da criança[1]. A criança é o centro do método montessoriano e o professor tem o papel de acompanhador do processo de aprendizado. Ele guia, aconselha, mas não dita e nem impõe o que vai ser aprendido pela criança.

A pedagogia Montessoriana insere-se no movimento das Escolas Novas. Tal como a pedagogia Waldorf, o método João de Deus, o método velaverde, Jena Plan ou a Escola Moderna, o método Montessori opõe-se aos métodos tradicionais que não respeitem as necessidades e os mecanismos evolutivos do desenvolvimento da criança. Ocupa um papel de destaque neste movimento pelas novas técnicas que apresentou para os jardins de infância e para o ensino fundamental do ensino tradicional.

O material criado por Montessori tem papel preponderante no seu trabalho educativo partindo do concreto (o material didático) para o pensamento abstrato. A criança literalmente vê e sente através do material didático preparado, o tema a ser aprendido. A criança deixa de usar o material didático quando a abstração para o tema aprendido já é completa. O meio preparado e o material didático tem como função, estimular e desenvolver na criança um impulso interior que se manifesta no trabalho espontâneo do intelecto.

Características de uma Escola Montessoriana[editar | editar código-fonte]

A Association Montessori Internationale (AMI) cita os seguintes elementos como essenciais a uma escola montessoriana[2]:

  1. O ambiente é organizado e atraente.
  2. O ambiente é composto por materiais didáticos e utensílios da vida cotidiana (para fins didáticos)
  3. As classes são agrupamentos de alunos com diferentes idades.
  4. O professor atua como guia, acompanhante do processo de aprendizado e interfere só o necessário.
  5. Material multi sensorial e aprender fazendo são hábitos de aprendizagem.
  6. Cada aluno tem oportunidade de escolher o trabalho (a atividade) que mais lhe interesse.
  7. A ênfase é na aprendizagem ativa e no desenvolvimento social em lugar de memorização, regras e busca de informação para uma única pergunta específica.
  8. O aluno pode trabalhar o tempo que necessite num assunto que lhe interesse, sem que alguém ou uma campainha o interrompa.
  9. O aluno tem o direito de escolher um lugar para trabalhar em vez de um lugar fixo.
  10. A criança tem o direito de escolher se vai trabalhar só ou em grupo e com quem vai trabalhar.
  11. Os alunos são estimulados a ensinarem, colaborarem e ajudarem uns aos outros.
  12. Os alunos têm oportunidade de trabalharem com outros de diferentes idades.
  13. Os alunos demonstram respeito aos professores e ao ambiente.
  14. Todos os adultos demonstram respeito pelo aluno.
  15. A escola encoraja a autodisciplina.
  16. Aprender é o maior prêmio; não existe motivação através de prêmios e reconhecimentos exteriores. Sem exageros, usando sempre o bom-senso
  17. Os alunos tendem a ser calmos, concentrados, felizes (equilibrados). Para isso deve contribuir a postura do educador.

Materiais de Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Na pedagogia montessoriana, utilizam-se objetos desenvolvidos para "auxiliar a criança a no por ordem em seu espírito e facilitar-lhe a compreensão das inúmeras coisas que a envolvem"[3]

O materal didático é dividido em cinco áreas:
  • Exercícios de Vida Prática
  • Material Sensorial
  • Material de Linguagem
  • Material de Matemática
  • Material de Conhecimento de Mundo "Cosmo" (História, Ciências e Geografia)

Estes materiais são constituídos por peças sólidas de diversos tamanhos, formas e espessuras diferentes; coleções de superfícies de diferentes texturas e diferentes sons. Tudo visando o prazer absoluto do aluno e atendendo as capacidades e necessidades da criança.

O trabalho com o material montessoriano pode ser feito individualmente ou em grupo, de acordo com a vontade da criança. A criança não está presa a um lugar fixo na sala de aula, portanto ela pode trabalhar com o material em uma mesa de forma tradicional, ou em um tapete no chão. Com a prévia autorização da professora ela também pode trabalhar em outra sala da escola.

No trabalho com esses materiais a concentração é um fator importante. As tarefas são precedidas por uma intensa preparação, e, quando terminam, a criança se solta, feliz com sua concentração, comunicando então com seus semelhantes num processo de socialização.

A livre escolha das atividades pela criança é outro aspecto fundamental para que exista a concentração e para que a atividade seja formadora e imaginativa. Essa escolha realiza-se com ordem, disciplina e com um relativo silêncio em consideração à perturbação dos professores.

O silêncio também desempenha papel preponderante. A criança equilibrada emocionalmente pelo próprio método, aprende a expressar-se de modo natural e adequado à situação. O professor também expressa-se de forma natural, em tom adequado. Como o professor não atua de forma frontal com sua classe, mas como orientador individual ou de pequenos grupos, este não tem necessidade de trabalhar com tom de voz elevado.

Pés e mãos tem grande destaque nos exercícios sensoriais (não se restringem apenas aos sentidos), fornecendo oportunidade às crianças de manipular os objetos, sendo que a coordenação se desenvolve com o manuseio dos citados instrumentos.

Material para Matemática:

"Material Dourado" é um dos materiais mais conhecidos criado por Maria Montessori. Este material baseia-se nas regras do sistema decimal, inclusive para o trabalho com múltiplos. Pode ser composto por: cubos, placas, barras e cubinhos. O cubo é formado por dez placas, a placa por dez barras e a barra por dez cubinhos. Conhecido originalmente como material de pérolas douradas (daí o nome "material dourado"). O cubo, as placas, as barrinhas e as unidades são formados por pérolas douradas. Este material é de grande importância na numeração, e facilita a aprendizagem dos algoritmos da adição, da subtração, da multiplicação e da divisão.

O "Material Dourado" desperta no aluno a concentração, o interesse, além de desenvolver sua inteligência e imaginação criadora, pois a criança, está sempre predisposta ao jogo. Além disso, permite o estabelecimento de relações de graduação e de proporções, e finalmente, ajuda a contar e a calcular.

hastes numéricas, números de lixa, números e chips, escada de pérolas coloridas, a tabela de Según, colar de pérolas pequeno, colar de pérolas grandes, brinquedo das plaquinhas, brinquedo dos pontos, ábaco montessoriano (grande e pequeno e horizontal), material de hierarquia dos números, xadrez montessoriano, brinquedo de banco, grande divisão também conhecido como farmácia, cobrinha para a adição e subtração e números negativos, placa de adição, tabela de adição, placa de para a subtração, tabela de subtração, barras de pérolas para a multiplicação, placa pequena para a multiplicação, tabelas para a multiplicação, placa para a divisão, tabelas para a divisão, estante de pérolas para potência e raíz quadrada, material para fração

Material de linguagem

Os mais conhecidos são o alfabeto móvel e as letras de lixa

Material Sensorial

As hastes vermelhas, a escada marrom, cilindros, caixa de cores, tubinhos de cheiro, tubinhos de sons, placas do tato, caixa de panos (com panos de diferentes texturas), corpos geométricos, a torre rosa e muitos outros

Exercícios da vida prática

Para os exercícios da vida prática são usados todos os utensílios da vida prática normal, tentando levar em consideração o tamanho da criança. Exemplo: jarras pequenas para se aprender a servir água, sapatos infantis para se aprender a amarrar e engraxar sapatos, etc. Deste método pedagógico vem a idéia de que os móveis no jardim de infância devem ser adequados ao tamanho da criança, conceito este que usamos hoje no nosso ensino tradicional.

Pilares da Educação Montessori[editar | editar código-fonte]

Segundo proponentes desta perspectiva pedagógica, o método Montessori contaria com seis princípios responsáveis por formar a base da teoria e prática desta pedagogia. Seriam eles:

  1. Autoeducação seria a capacidade inata da criança para querer aprender. Por compreender que a criança deseja absorver e compreender a realidade que a circunda, e que por isso a criança a explora, investiga e pesquisa, o método Montessori proporcionaria um ambiente adequado e materiais interessantes para que a criança possa se desenvolver por seus próprios esforços, no seu ritmo e seguindo seus interesses.
  2. Educação Cósmica é uma maneira de organizar o conhecimento. De acordo com este princípio, o educador deve levar o conhecimento à criança de forma organizada – cosmos significa ordem, em oposição a caos -, estimulando sua imaginação e evidenciando que tudo no universo tem sua tarefa e que o ser humano deve ser consciente de seu papel na manutenção e melhora do mundo.
  3. Educação como Ciência é a maneira de compreender a criança e o fenômeno educativo de acordo com Montessori, e defendida pela ciência de hoje. Em Montessori, o professor utiliza o método científico de observações, hipóteses e teorias para entender a melhor forma de ensinar cada criança e para verificar a eficácia de seu trabalho no dia a dia.
  4. Ambiente Preparado é o local onde a criança desenvolve sua autonomia e compreende sua liberdade em escolas e lares montessorianos. O ambiente preparado é construído para a criança, atendendo às suas necessidades biológicas e psicológicas. Em ambientes preparados encontram-se mobília de tamanho adequado e materiais de desenvolvimento para a livre utilização da criança.
  5. Adulto Preparado é o nome que se dá, em Montessori, para o profissional que auxilia a criança em seu desenvolvimento completo. Esse adulto deve conhecer cientificamente as fases do desenvolvimento infantil e, por meio da observação e do domínio de ferramentas educativas de eficiência comprovada, guiar a criança em seu desabrochar, de forma que este se dê nas melhores condições possíveis.
  6. Professor acompanhador O papel do professor na escola montessoriana é de guia e acompanhador de desenvolvimento infantil e não o que impõe ou dita o que e como deve ser aprendido.
  7. Criança Equilibrada é qualquer criança em seu desenvolvimento natural. Por meio da utilização correta do ambiente e da ajuda do adulto preparado, as crianças expressam características que lhes são inatas. Entre outras, encontram-se o amor pelo silêncio, pelo trabalho e pela ordem. Todas as crianças nascem com estas características e as desenvolvem melhor entre zero e seis anos.[4]

Referências

  1. O Método, Lar Montessori
  2. «Características de uma escola Montessori > OMB». omb.org.br. Consultado em 2016-01-11. 
  3. {{citar livro|nome = Maria|sobrenome = MONTESSORI|título = Pedagogia Científica: A Descoberta da Criança|ano = 1965|página = 107}
  4. «O Método». Lar Montessori. Consultado em 2016-01-11. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

método Montessori