Alf-Inge Håland

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alf-Inge Håland
Informações pessoais
Nome completo Alf-Inge Rasdal Håland
Data de nasc. 23 de novembro de 1972 (48 anos)
Local de nasc. Stavanger, Noruega
Altura 1,86 m
destro
Apelido Alfie
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Volante ou lateral-direito
Clubes profissionais
Anos Clubes
1990–1993
1993–1997
1997–2000
2000–2003
2009–2011
2011–2012
Bryne
Nottingham Forest
Leeds United
Manchester City
Bryne
Rosseland
Seleção nacional
1994–2001 Noruega

Alf-Inge Rasdal Håland (Stavanger, 23 de novembro de 1972) é um ex-futebolista norueguês que atuava como volante ou lateral-direito.

Seu filho, Erling Håland, é atacante e atualmente defende o Borussia Dortmund.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início, atuações por Forest e Leeds e a rixa com Roy Keane[editar | editar código-fonte]

Começou no modesto Bryne, time da Segunda Divisão Norueguesa, em 1990. Em 1993, foi jogar no futebol inglês, pelo tradicional Nottingham Forest. Após quatro temporadas e 93 partidas pelos vermelhos, em 1997, foi para o ascendente Leeds United. Acabaria ficando famoso pela rixa que iniciou com Roy Keane, astro do Manchester United, ainda naquele ano. No jogo entre as duas equipes, o irlandês deu um carrinho em Håland, mas acabou levando a pior, machucando os ligamentos do joelho. Alfie ironizou-o, criticando-o por sua jogada e declarando que este estava se aproveitando da lesão para escapar de punições. Keane teria de ficar de fora pelo resto da temporada e seu time perdeu o título para o Arsenal.

Ida para o City e a vingança de Keane[editar | editar código-fonte]

Em 2000, Håland transferiu-se para o Manchester City, rival do time de Keane. Com ambos sendo os capitães de seus respectivos clubes, costumavam trocar insultos e pontapés nos dérbis.[2] No ano seguinte, Keane resolveu ter a sua vingança: ao final de mais um clássico, no que ficaria como uma das faltas mais desleais já feitas na Inglaterra[2], acertou em cheio seu pé no joelho do norueguês, que caiu de mau jeito - a queda, ironicamente, foi o que rompeu seus ligamentos.[2]

Keane recebeu uma suspensão de cinco partidas e multa de 150.000 libras, mas não se arrependeu, afirmando em sua autobiografia que para ele "é olho por olho" e que o nórdico "teve o que merecia".[2][3] A vingança do irlandês terminaria completa: Håland teve de encerrar a carreira[2][4], o City terminou rebaixado e o United, campeão.

Um dos seis jogadores a ser convocado pela Seleção Norueguesa sem jamais ter disputado a primeira divisão local, Håland foi chamado para a Copa do Mundo de 1994, a única de sua carreira - não foi lembrado para disputar a Copa de 1998 e a Eurocopa de 2000. Pela Seleção, foram 34 jogos disputados.[5]

A volta aos gramados[editar | editar código-fonte]

Aos 36 anos, Håland surpreendeu ao anunciar que estava voltando a jogar profissionalmente. Ele resolveu "voltar às origens" e defendeu o Bryne, clube onde iniciou a carreira, durante três temporadas (dez partidas e três gols marcados).

Em agosto de 2011, deixou novamente os Jærens superlag e assinou contrato com o Rosseland, equipe que disputava, na época, a Terceira Divisão nacional. Encerrou definitivamente a carreira de jogador no ano seguinte, aos 40 anos.

Referências

  1. «Molde starlet Erling Braut Haland wants to follow father Alf-Inge and play for Leeds United». talkSPORT. 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 3 de janeiro de 2018 
  2. a b c d e "Reflexão pós-trauma", Carlos Eduardo Freitas e Ubiratan Leal, Trivela número 25, março de 2008, Trivela Comunicações, págs. 30-35
  3. «Keane revela que tentou quebrar rival». Estadão Esportes. 19 de agosto de 2002 
  4. «Lesão faz meia norueguês abandonar o futebol». UOL Esporte. 21 de agosto de 2003 
  5. «Elenco NOR 1994». Consultado em 3 de setembro de 2016