Catar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Qatar)
Ir para: navegação, pesquisa
دولة قطر
Dawlat Qaṭar

Estado do Catar
Flag of Qatar.svg
Emblem of Qatar.svg
Bandeira Brasão de armas
Hino nacional: As Salam al Amiri
Gentílico: catarense; catari; catariano

Localização de {{{nome_pt}}}

Capital Doha
Cidade mais populosa Doha
Língua oficial árabe
Governo Monarquia absoluta
 - Emir Tamim bin Hamad al-Thani
 - Primeiro-ministro Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani
Independência do Reino Unido 
 - Data 3 de setembro de 1971 
Área  
 - Total 11 437 km² (159.º)
 Fronteira Arábia Saudita
População  
 - Estimativa para 2013 1,903,447[1] hab. 
 - Censo 2016 2,545,603[2] hab. 
 - Densidade 146 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 323,191 bilhões *[3] 
 - Per capita US$ 144 426[3] 
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 212,013 bilhões *[3] 
 - Per capita US$ 94 743[3] 
IDH (2014) 0,850 (32.º) – muito elevado[4]
Moeda Rial (QAR)
Fuso horário AST (UTC+3)
 - Verão (DST) (não observado) (UTC+3)
Cód. Internet .qa, قطر.
Cód. telef. +974

Mapa de {{{nome_pt}}}

Catar[5] ou Qatar[6][7][8] (ver secção de etimologia) (pronunciado em português europeu [kaˈtaɾ][nota 1]; pronunciado em português brasileiro [kaˈtaʁ]; em árabe: قطر‎, transcr.: Qatar, pronunciado em árabe: [ˈqɑtˤɑr], pronunciado coloquialmente: [ɡɪtˤɑr]) é um país árabe, conhecido oficialmente como um emirado do Oriente Médio, ocupando a pequena Península do Catar na costa nordeste da Península Arábica. Faz fronteira com a Arábia Saudita ao sul, e o Golfo Pérsico envolve o resto do país. Um estreito do Golfo Pérsico separa o Catar da nação insular vizinha, o Bahrein.

O Catar é um emirado absolutista e hereditário comandado pela Casa de Thani desde meados do século XIX. As posições mais importantes no país são ocupadas por membros ou grupos próximos da família al-Thani. Em 1995, o xeque Hamad bin Khalifa Al Thani tornou-se emir após depor seu pai, Khalifa bin Hamad al Thani, em um golpe de Estado​​.[9]

Foi um protetorado britânico até ganhar a independência em 1971. Desde então, tornou-se um dos estados mais ricos da região, devido às receitas oriundas do petróleo e do gás natural (possui a terceira maior reserva mundial de gás)[10][11]. Antes da descoberta do petróleo, sua economia era baseada principalmente para a extração de pérolas e comércio marítimo. Atualmente, lidera a lista dos países mais ricos do mundo pela revista Forbes[10] e de países com maior desenvolvimento humano no mundo árabe.[12] Desde a primeira Guerra do Golfo, tem sido um importante aliado militar dos Estados Unidos da América e atualmente abriga a sede do Comando Central da superpotência na região.[13]

Com uma população estimada em 1,9 milhões de habitantes, apenas 250 mil são nativos catarianos. Os demais são trabalhadores estrangeiros,[14] especialmente de outras nações árabes (13%), Subcontinente indiano (Índia 24%, Nepal 16%, Bangladesh 5%, Paquistão 4%, Sri Lanka 2%), Sudeste Asiático (Filipinas 11%) e demais países (7%).[15] Também é um dos poucos países do mundo em que seus cidadãos não pagam impostos.[16]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Catar deriva de Qatara, que se acredita referir à antiga cidade de Zubarah, um importante porto comercial e cidade da região. A palavra "Qatara" aparece pela primeira vez num mapa do mundo árabe de Ptolomeu.

Em língua portuguesa o uso oscila entre a transcrição internacional Qatar e o aportuguesamento Catar (que se pronuncia exatamente da mesma forma, i.e., com tónica na última sílaba — oxítona — e com o "a" aberto na primeira: [kaˈtaɾ] em português europeu e [kaˈtaʁ] em português brasileiro).

Em árabe padrão o nome قطر‎ é pronunciado [ˈqɑtˤɑr], enquanto que localmente se pronuncia [ɡɪtˤɑr].

Os gentílicos do Catar são catarense e catariano.[nota 2] Existe também a alternativa catari, registada no Vocabulário da Academia Brasileira de Letras e no Dicionário Priberam (a par dos anteriores). Formas como qatarense, qatariano ou qatari não se encontram atestadas nas fontes, sendo o seu uso respeitante a questões de coerência com o uso da forma internacional "Qatar".

História[editar | editar código-fonte]

Pré-história e domínio islâmico[editar | editar código-fonte]

A habitação humana do Catar remonta há 50 mil anos.[17] Assentamentos e ferramentas que remontam à Idade da Pedra foram descobertos na península.[17] Artefatos da Mesopotâmia originários do período de al-Ubaid (ca. 6500-3 800 a.C.) foram descobertos em assentamentos costeiros abandonados.[18]

O Catar era descrito como um famoso centro de criação de cavalos e camelos durante o período do Califado Omíada.[19] No século VIII, a região começou a ser beneficiada por sua posição comercial estratégica no Golfo Pérsico e tornar-se-ia um centro de negociação de pérolas.[20][21] O desenvolvimento substancial na indústria de pérolas em torno da península do Catar ocorreu durante a era do Califado Abássida.[19] Navios viajando de Baçorá para Índia e China faziam escalas nos portos do Catar durante este período. Peças de porcelana chinesa, moedas da África Ocidental e artefatos de Tailândia foram descobertas no Catar.[22]

Grande parte da Arábia Oriental era controlada pelos usfuridas em 1253, mas o domínio da região foi conquistado pelo príncipe de Ormuz em 1320.[23] As pérolas do Catar forneciam ao reino uma das suas principais fontes de renda.[24] Em 1515, Manuel I de Portugal tornou o Reino de Ormuz um Estado vassalo. O Reino de Portugal passou a controlar uma parcela significativa da Arábia Oriental em 1521.[24][25] Em 1550, os habitantes de al-Hasa se colocaram voluntariamente sob domínio do Império Otomano, preferindo-o em relação ao Império Português.[26] Depois de ter mantido um presença militar insignificante na área, os otomanos foram expulsos pela tribo Bani Khalid em 1670.[27]

Domínio otomano e britânico[editar | editar código-fonte]

Forte Zubara
Pescadores de pérolas no Golfo Pérsico no início do século XX

Sob pressão militar e política do governador do otomano Midate Paxá, o governante tribal al-Thani submeteu-se ao domínio otomano em 1871.[28] O governo otomano impôs medidas reformistas (Tanzimat) em matéria de impostos e de registro de terras para integrar plenamente estas áreas ao império.[28] Apesar da desaprovação de tribos locais, al-Thani continuou apoiando o domínio otomano. No entanto, as relações catari-otomanas estagnaram e em 1882 ela sofreu novos retrocessos quando os otomanos se recusaram a ajudar al-Thani em sua expedição para Al Khor, então ocupado por Abu Dhabi. Além disso, os otomanos apoiavam Mohammed bin Abdul Waha, que tentou suplantar al-Thani como o caimacã do Catar em 1888.[29] Isto conduziu al-Thani a se rebelar contra os otomanos, a quem ele acreditava que tentavam usurpar o controle do península. Ele renunciou ao cargo de caimacã e parou de pagar impostos ao império em agosto de 1892.[30]

O Império Otomano caiu em desordem depois de perder batalhas em diferentes frentes no teatro de operações do Oriente Médio da Primeira Guerra Mundial. O Catar também participou da Revolta Árabe contra os otomanos. A revolta foi bem sucedida e o domínio otomano no país diminuiu ainda mais. O Reino Unido e o Império Otomano reconheceram o xeique Abdulá ibne Jassim al-Thani e o direito de seus sucessores de governar sobre toda a Península do Catar. Os otomanos renunciaram a todos os seus direitos sobre a região e, após a eclosão da Primeira Guerra Mundial, al-Thani (que era pró-britânico) obrigou-os a abandonar Doha em 1915.[31]

Como resultado da divisão do Império Otomano, o Catar tornou-se um protetorado britânico em 3 de novembro de 1916. Nesse dia, o Reino Unido assinou um tratado com onde o xeique al-Thani concordava em não criar quaisquer relações com qualquer outra potência sem o consentimento prévio do governo britânico. Em troca, o Império Britânico garantiria a proteção do Qatar de toda a agressão por mar.[31] Em 5 de maio de 1935, al-Thani assinou outro tratado com o governo britânico que concedeu a proteção Qatar contra ameaças internas e externas.[31] As reservas de petróleo foram descobertas pela primeira vez em 1939. No entanto, a exploração foi adiada pela Segunda Guerra Mundial.[31]

A esfera de influência dos britânicos começou a diminuir após a Segunda Guerra Mundial, particularmente após a independência da Índia e do Paquistão, em 1947. Na década de 1950, o petróleo começou a substituir as pérolas e a pesca como a principal fonte de receita do Catar. Os lucros do petróleo começaram a financiar a expansão e a modernização da infraestrutura local. A pressão para uma retirada britânica dos emirados árabes no Golfo Pérsico aumentaram durante os anos 1950. Quando o Reino Unido anunciou oficialmente, em 1968, que em três anos deixaria de controlar politicamente o Golfo Pérsico, o Catar juntou-se ao Bahrein e sete outros Estados em uma federação. Disputas regionais, no entanto, rapidamente compeliram o país a declarar a independência da coalizão, que acabaria por evoluir para os Emirados Árabes Unidos.

Independência[editar | editar código-fonte]

Em 3 de setembro de 1971, o Catar conquistou oficialmente a sua independência do Reino Unido e se tornou um Estado soberano.[32] O governo então decidiu voltar ao realizar o abastecimento de armas para os franceses; essa ligação seria reforçada ao longo do tempo e os franceses se tornariam seu maior fornecedor no novo milênio.[33] Em 1972, o califa bin Hamad al-Thani tomou o poder em um golpe palaciano durante um período de discórdia na família governante. Em 1974, a Qatar Geral Petroleum Corporation assumiu o controle de todas as operações de petróleo no país e o Catar rapidamente cresceu em riqueza.[34] O depósito de gás natural do Campo Norte, então a maior do mundo, foi descoberto por volta de 1976[33] e o país foi um dos primeiros a ter embarcações de gás natural liquefeito.[35]

Em 1991, o Catar desempenhou um papel significativo na Guerra do Golfo, particularmente durante a batalha de Khafji na qual os tanques do país prestarão apoio para unidades da Guarda Nacional da Arábia Saudita, que estava enfrentando o exército iraquiano. O Catar permitiu tropas do Canadá, que eram parte da coalizão internacional, usassem o país como uma base aérea e também permitiu que forças aéreas dos Estados Unidos e da França operassem em seus territórios.[17]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A península do Catar se projeta por 160 quilômetros no Golfo Pérsico, ao norte da Arábia Saudita. Encontra-se entre as latitudes 24° e 27°N e longitudes 50° e 52°E. A maioria do país é composta por uma planície árida baixa e coberta de areia. A sudeste encontra-se o Khor al Adaid ("mar interior"), uma área de dunas de areia que cercam uma entrada do Golfo. Há invernos amenos e verões muito quentes e úmidos.

O ponto mais alto no Qatar é Qurayn Abu al Bawl, com 103 metros de altura. No Jebel Dukhan, a oeste, há uma série de afloramentos baixos de calcário no sentido norte-sul a partir Zikrit, através de Umm Bab. A área de Jebel Dukhan também contém as principais jazidas terrestres de petróleo do país, enquanto os campos de gás natural se encontram no mar, a noroeste da península.[36]

Biodiversidade e meio ambiente[editar | editar código-fonte]

O Catar assinou a Convenção sobre Diversidade Biológica, em 11 de junho de 1992, e tornou-se parte da Convenção em 21 de agosto de 1996.[37] O país posteriormente produziu um Plano Nacional de Estratégia para a Biodiversidade e Ação, que foi recebido pela convenção sobre 18 de maio de 2005.[38] Um total de 142 espécies de fungos foram registrados no Catar.[39] Um livro recentemente produzido pelo Ministério do Meio Ambiente documenta os lagartos conhecidos do Catar, com base em pesquisas realizadas por uma equipe internacional de cientistas e outros colaboradores.[40]

Por duas décadas, o Catar teve as mais altas emissões de dióxido de carbono per capita do mundo, com 49,1 toneladas por pessoa em 2008.[41] Os residentes do país são também alguns dos maiores consumidores de água per capita, utilizando cerca de 400 litros por dia.[42]

Em 2008, o país lançou sua Visão Nacional 2030, que destaca o desenvolvimento ambiental como um dos quatro objetivos principais do Catar durante as próximas duas décadas. A Visão Nacional se compromete a desenvolver alternativas sustentáveis ​​para energia à base de petróleo para preservar o meio ambiente local e global.[43]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população do Catar varia consideravelmente dependendo da época, uma vez que o país depende fortemente de trabalho migrante. Em 2013, a população total do Qatar era de 1,8 milhões, dos quais 278.000 eram cidadãos do Catar (13%) e 1,5 milhões eram estrangeiros.[44] Os estrangeiros não-árabes constituem a grande maioria da população de Qatar; os indianos são a maior comunidade, em número de 545.000 em 2013,[44] seguido por 341.000 nepaleses, 185.000 filipinos, 137.000 bengalis, 100.000 cingaleses e 90.000 paquistaneses entre muitas outras nacionalidades.[44]

Os primeiros registros demográficos do Catar datam de 1892 e foram conduzidos pelos governadores otomanos da região. Com base neste censo, que inclui apenas os residentes das cidades, a população total em 1892 era de 9.830.[45]

O censo de 2010 registrou uma população total de 1.699.435.[46] Em janeiro de 2013, a Autoridade de Estatísticas do Catar estimou a população do país em 1.903.447, dos quais 1.405.164 eram homens e 498.283 mulheres.[1] Na época do primeiro censo, realizado em 1970, a população era de 111.133 habitantes.[47] A população triplicou na década de 2000, a partir de pouco mais de 600.000 pessoas em 2001, deixando os nativos do Qatar como menos do que 15% da população total.[48] O afluxo de trabalhadores do sexo masculino fato desequilibrou o equilíbrio entre os sexos e as mulheres são agora apenas um quarto da população.

As projeções divulgadas pelo governo indicam que a população total do país poderia chegar a 2,8 milhões até 2020. A Estratégia de Desenvolvimento Nacional do Catar (2011-16) tinha estimado que a população do país chegaria a 1,78 milhão em 2013, 1.81m em 2014, 1,84 milhão em 2015 e 1,86 milhão em 2016, sendo a taxa de crescimento anual de apenas 2,1%. Mas a população do país subiu para 1,83 milhões até o final de 2012, mostrando um crescimento de 7,5% sobre o ano anterior.[49] A população total do Catar bateu um recorde de 2,46 milhões em novembro de 2015, um aumento de 8,5% em relação ao ano anterior, excedendo em muito as projeções oficiais.[50]

Religião[editar | editar código-fonte]



Circle frame.svg

Religião no Catar (2010)[51][52]

  Islã (67.7%)
  Hinduísmo (13.8%)
  Cristianismo (13.8%)
  Budismo (3.1%)
  Sem religião (0.9%)
  Outro (0.7%)

O islã sunita é a religião predominante e oficial do Catar.[53] A maioria dos cidadãos pertencem ao movimento salafista do islã sunita,[54][55][56] Com cerca de 5% por cento de seguidores do islã xiita.[57] De acordo o censo de 2004, 71,5% da população são muçulmanos sunitas e cerca de 5% são muçulmanos xiitas, 8,5% são estrangeiros cristãos e 10% são "outras" religiões estrangeiras.[36][58][59] A lei xaria é a principal fonte da legislação do Catar de acordo com a Constituição.[60][61]

Em 2010, a afiliação religiosa no país foi estimada pelo Pew Research Center como 67,7% de muçulmanos, 13,8% de cristãos, 13,8% hindus e 3,1% budistas. Outras religiões e pessoas sem afiliação religiosa representaram os restantes 1,6%.[62]

A população cristã é composta quase inteiramente por estrangeiros; um estudo de 2015 estima que cerca de 200 muçulmanos foram convertidos ao cristianismo.[63] Desde 2008, os cristãos foram autorizados a construir igrejas em terrenos doados pelo governo,[64] mas a atividade missionária estrangeira é desencorajada oficialmente.[65] As igrejas ativas incluem Mar Thoma, Igreja Ortodoxa Siríaca Malankara, Igreja Católica de Nossa Senhora do Rosário e a Igreja Anglicana da Epifania.[66][67][68]

Há também duas alas mórmons.[69][70][71] Apesar de hospedagem populações significativas hindus e budistas, mas nenhum grupo religioso tem um lugar oficial de culto.

Idiomas[editar | editar código-fonte]

O árabe é a língua oficial do Catar, sendo que o árabe qatari é o dialeto local. A Língua de Sinais do Catar é a língua da comunidade surda. O inglês é comumente usada como uma segunda língua[72] e é uma língua franca ascensão, especialmente no comércio, mas medidas estão sendo tomadas para tentar preservar o árabe da invasão anglófona.[73] O inglês é particularmente útil para a comunicação no Catar para comunicação com a grande comunidade de expatriados. Em 2012, a Catar entrou para Organização Internacional da Francofonia como um membro associado,[74] justificando a sua inscrição pelo consequente número de falantes de francês no país (10% da população do Catar seria francófona).[75][76] Como reflexo da composição multicultural do país, muitas outras línguas também são faladas, como balúchi, hindi, malaiala, urdu, pachto, tâmil, telugo, nepali, cingalês, bengali e tagalog.[77]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Tamim bin Hamad al-Thani, o atual emir do Catar

Sob a liderança da família Al Thani, cuja origem pode ser rastreada até a tribo Banu Tamim, o Catar têm sido governado desde que a Casa de Thani foi estabelecida, em 1825. Não há legislatura independente, e os partidos políticos são proibidos. As eleições parlamentares, que foram originalmente prometidas para 2005, acabaram adiadas indefinidamente.

O oitavo Emir do Qatar é Tamim bin Hamad al-Thani, cujo pai Hamad bin Khalifa Al Thani entregou o poder a ele em 25 junho de 2013. O chanceler supremo possui o poder exclusivo de nomear e destituir o primeiro-ministro e ministros, que, juntos, compõem o Conselho de Ministros, que é a autoridade executiva suprema no país. O Conselho de Ministros também inicia a legislação. As leis e decretos propostas pelo Conselho de Ministros, são encaminhadas ao Conselho Consultivo (Majlis al-Shura) para discussões, sendo posteriormente submetidas ao Emir para ratificação.

A Assembleia Consultiva, ou Majlis al-Shura, tem autoridade legislativa limitada para elaborar e aprovar leis, mas o Emir possui a palavra final em todas as questões. Nenhuma eleição legislativa tem sido realizada desde 1970, quando ocorreram eleições parciais para o corpo. As eleições para o Majlis al-Shura foram anunciadas, e depois adiadas por diversas vezes. Em 2011, o sétimo Emir anunciou que as eleições para o conselho seriam realizadas no segundo semestre de 2013.

Em 2003, o Catar adotou uma nova constituição, que previa a eleição direta de 30 dos 45 membros do Conselho Consultivo.[78] Desde 2012, o conselho é composto inteiramente por membros nomeados pelo Emir. Os 29 membros eleitos do Conselho Central Municipal (CMC) têm autoridade consultiva limitada, destinada a melhorar os serviços municipais. O CMC faz recomendações ao Ministério dos Negócios Municipais e Agricultura. As discordâncias entre o CMC e o Ministério podem ser levadas ao Conselho de Ministros para resolução. As eleições municipais estão marcadas para cada quatro anos. As eleições mais recentes para o Conselho ocorreram em maio de 2011. Antes de 1999, os membros do CMC eram nomeados pelo governo.

Charia[editar | editar código-fonte]

A charia é a principal fonte da legislação do país de acordo com a Constituição do Qatar.[60][61] Na prática, o sistema legal é uma mistura do direito civil e do direito islâmico.[79][80] A lei charia é aplicada em casos relativos ao direito de família, herança e vários atos criminosos (como adultério, roubo e assassinato). Em alguns casos tribunais de família com base na charia consideram que o testemunho de uma mulher vale metade do de um homem.[81] O direito de família codificado foi introduzido em 2006. A poligamia islâmica é permitido no país para os homens.[33]

A primeira Igreja Católica do país não pôde colocar símbolos cristãos no exterior do edifício.

A flagelação é usada no país como um castigo para o consumo de álcool ou para relações sexuais ilícitas.[82] O artigo 88 do código penal do Catar declara a punição que o adultério é punido com 100 chicotadas. [94] Em 2006, uma mulher filipina foi condenado a 100 chibatadas por adultério.[83] Em 2010, pelo menos 18 pessoas (na sua maioria estrangeiros) foram condenados a flagelação (entre 40 e 100 chibatadas) por infrações relacionadas com "relações sexuais ilícitas" ou consumo de álcool.[83] Em 2011, pelo menos 21 pessoas (também na maior parte estrangeiros) foram condenadas a flagelação (30 e 100 chibatadas) por infrações relacionadas aos mesmos crimes.[84] Em 2012, seis estrangeiros foram sentenciados ao açoitamentos de 40 ou 100 chibatadas.[82] Apenas muçulmanos considerados clinicamente aptos são susceptíveis a tais sentenças. Não se sabe se as sentenças chegaram a ser implementadas aos condenados.[85] Em abril de 2013, um expatriado muçulmano foi condenado a 40 chicotadas por consumo de álcool.[86][87][88] Em junho de 2014, um expatriado muçulmano também foi condenado a 40 chibatadas por consumo de álcool e por dirigir embriagado.[89] A punição corporal judicial é comum no Qatar devido ao hanbalismo.

A lapidação também é uma punição legal no Catar.[90] A apostasia é um crime punível com a pena de morte no Catar.[91] A blasfêmia é punida com até sete anos de prisão, enquanto que proselitismo pode ser punido com até 10 anos de prisão.[91] Relações homossexuais também são punidas com a pena de morte.[92]

O consumo de álcool é parcialmente legal no Catar; alguns hotéis de luxo de cinco estrelas estão autorizados a vender álcool para os seus clientes não-muçulmanos.[93][94] Os muçulmanos não estão autorizados a consumir álcool no Catar e os que forem pegos durante tal ato estão susceptíveis a flagelação ou deportação. Expatriados não-muçulmanos podem obter uma autorização para comprar álcool para consumo pessoal. A empresa de distribuição do Catar (uma subsidiária da Qatar Airways) está autorizada a importar álcool e carne de porco. Ela opera a primeira e única loja de bebidas no país, que também vende carne de porco aos que detém licenças de bebidas.[95][96] O governo local também tem demonstrado disposição a permitir que o álcool nas "fan zones" durante a Copa do Mundo FIFA de 2022.[97]

Até recentemente, os restaurantes na Pearl-Qatar (uma ilha artificial perto de Doha) eram autorizados a servir bebidas alcoólicas.[105] [106] Em dezembro de 2011, no entanto, restaurantes do local foram orientados a parar de vender bebidas alcoólicas.[93][98] Nenhuma explicação foi dada para a proibição.[93][94] A especulação sobre a razão inclui o desejo do governo de projetar uma imagem mais piedosa antes da primeira eleição do país de um órgão consultivo real e de rumores de uma disputa financeira entre o governo e os desenvolvedores do resort.[98]

Em 2014, o Catar lançou uma campanha para lembrar os turistas do código de vestimenta modesta.[99] As turistas mulheres são aconselhadas a não usar leggings, minissaias, vestidos sem mangas e roupas curtas ou apertadas em público. Os homens são desaconselhados a vestir apenas bermudas e camisolas interiores.[100]

Direitos humanos[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Departamento de Estado dos Estados Unidos, trabalhadores expatriados de países de toda a Ásia e de partes da África migram voluntariamente para o Catar como mão-de-obra pouco qualificada ou como empregados domésticos, mas alguns chegam posteriormente a condições de servidão involuntária. Entre algumas das violações mais comuns dos direitos trabalhistas no país estão espancamentos, retenção de pagamento, cobrança de trabalhadores de benefícios pelos quais o empregador é responsável, restrições à liberdade de movimento (tais como o confisco de passaportes, de documentos de viagem, ou da autorização de saída), detenção arbitrária, ameaças de ações legais e agressão sexual.[101] Muitos trabalhadores migrantes que chegam para trabalhar no Catar pagam taxas exorbitantes para recrutadores em seus países de origem.[101]

Manifestação de apoio ao poeta Mohammed al-Ajami em frente a embaixada do Catar em Washington, DC

Em 2014, algumas disposições do Código Penal do país permitiam que punições como a flagelação e a lapidação fossem impostas como sanções penais. O Comitê da ONU contra a Tortura constatou que estas práticas constituem uma violação das obrigações impostas pela Convenção das Nações Unidas contra a Tortura.[102][103] O Catar aplica a pena de morte, principalmente para "ameaças contra a segurança nacional". O uso da pena de morte é raro e nenhuma execução estatal acontece no país desde 2003.[104]

De acordo com as disposições legais do sistema de "patrocinadores de mão-de-obra estrangeira" do país, os empregadores têm o poder unilateral de cancelar as autorizações de residência dos seus trabalhadores, de lhes negar a possibilidade de mudar de emprego, de relatar um trabalhador como "foragido" para as autoridades policiais e de negar a permissão para que eles deixem o país.[101] Como resultado, os patrões podem restringir os movimentos de seus empregados, que podem ter medo de denunciar abusos ou de reivindicar os seus direitos.[101] De acordo com a Confederação Sindical Internacional, o sistema permite a imposição de trabalho forçado, o que faz com que seja difícil para um trabalhador migrante deixar um empregador abusivo ou viajar para o exterior sem permissão.[105] O Catar também não mantém padrões salariais para seus trabalhadores imigrantes. O governo do país encomendou um relatório sobre o sistema de trabalho imigrante para o escritório internacional de advocacia DLA Piper. Em maio 2014, o DLA Piper fez mais de 60 recomendações para reformar o sistema trabalhista local, incluindo a abolição de vistos de saída e a introdução de um salário mínimo, o que o Catar se comprometeu a implementar.[106]

Em maio de 2012, as autoridades do país declararam sua intenção de permitir o estabelecimento de um sindicato independente.[107] O governo também anunciou que iria suspender seu sistema de patrocinador para mão-de-obra estrangeira, que exige que todos os trabalhadores estrangeiros sejam patrocinados por empregadores locais.[107] Outras alterações às leis laborais incluíam uma disposição garantindo que os salários de todos os trabalhadores sejam pagos diretamente em suas contas bancárias e de novas restrições ao trabalhar ao ar livre nas horas mais quentes durante o verão.[108] O novo projeto de lei anunciado no início de 2015 determina que as empresas que não pagarem os salários dos seus trabalhadores podem perder temporariamente a sua capacidade de contratar mais funcionários.[109]

Em outubro 2015, o Emir do Qatar assinou a lei com as novas reformas do sistema de patrocínio do país, sendo que a nova legislação iria entrar em vigor no prazo de um ano.[110] Os críticos afirmam que as mudanças deixaram de abordar algumas questões relativas aos direitos trabalhistas.[111][112][113]

Relações Estrangeiras[editar | editar código-fonte]

Como um pequeno país com grandes vizinhos, o governo do Catar tenta projetar influência e proteger seu Estado e dinastia reinante.[114] A história de alianças do Catar explica a sua base da sua política. Entre 1760 e 1971, o Catar procurou proteção formal de grande potências transitórias, como os otomanos, britânicos, do Bahrein, dos árabes e dos wahabitas da Arábia Saudita.[115] A influência internacional crescente do Catar e o papel ativo do país em assuntos internacionais fez com que alguns analistas o identificassem como uma potência média. O Catar foi um dos primeiros membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e um dos membros fundadores do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC). É também um membro da Liga Árabe. O país não aceitou a competência obrigatória da Corte Internacional de Justiça.[36]

O Catar também tem relações bilaterais com várias potências estrangeiras. O país hospeda a Base Aérea Al Udeid, uma base militar conjunta entre Estados Unidos e Reino Unido, que atua como o hub para todas as operações aéreas norte-americanas e britânicas no Golfo Pérsico.[116] Isso tem permitido forças estadunidenses e britânicas usem a base aérea para enviar suprimentos para o Iraque e o Afeganistão.[117] Apesar de acolher esta instalação militar estratégica, o país não é sempre um forte aliado do Ocidente. O Catar permitiu que o Taleban afegão criasse um cargo político no interior do país e tem laços estreitos com o Irã, incluindo um campo de gás natural compartilhado.[118] De acordo com documentos que vazaram e que foram publicados no The New York Times, os esforços de combate ao terrorismo islâmico do Catar eram os "piores na região".[119] De acordo com os documentos, o serviço de segurança do Catar foi "hesitante em agir contra terroristas conhecidos devido a preocupação de parecer estar alinhado com os Estados Unidos e de provocar represálias".[119]

O Catar tem relações mistas com os seus vizinhos na região do Golfo Pérsico. O país assinou um acordo de cooperação de defesa com a Arábia Saudita,[120] com quem partilha o maior campo de gás único do mundo. Também foi a segunda nação, sendo o primeiro a França, a ter anunciado publicamente o seu reconhecimento do Conselho Nacional de Transição da oposição da Líbia como o governo legítimo do país em meio à Guerra Civil Líbia.[121]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

Caça Dassault Mirage 2000 da Força Aérea do Catar sobrevoando a Líbia

As Forças Armadas do Catar são as forças militares do país. O país mantém uma força militar modesta de cerca de 11.800 homens, incluindo um exército (8500), marinha (1800) e da força aérea (1.500). Os gastos com a defesa do Catar responderam por aproximadamente 4,2% do produto interno bruto do país em 1993. O Catar assinou recentemente pactos de defesa com os Estados Unidos e Reino Unido, bem como com a França, no início de 1994. O país desempenha um papel ativo nos esforços de defesa coletiva dos Conselho de Cooperação do Golfo; os outros cinco membros são Arábia Saudita, Kuwait, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Omã. A presença de uma grande base aérea do Catar, operado pelos Estados Unidos e por vários outros países da ONU, fornece uma fonte garantida de defesa e de segurança nacional. Em 2008, o Catar gastou 2,355 bilhões de dólares em gastos militares, ou 2,3% do PIB.[122] As forças especiais do Qatar foram treinadas pela França e por outros países ocidentais e acredita-se que possuam uma habilidade considerável.[123] Elas também ajudaram a rebeldes líbios durante a Segunda batalha de Trípoli em 2011.[123]

O Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI), constatou que entre 2010 e 2014, o Catar foi o 46º maior importador de armas do mundo. No entanto, o SIPRI descreve a aceleração dos planos do país para transformar e ampliar significativamente as suas forças armadas. Encomendas feitas em 2013 incluíram 62 tanques e 24 canhões autopropulsados ​​da Alemanha, foram seguidas em 2014 por uma série de outros contratos, como 24 helicópteros de combate e três aeronaves AEW dos Estados Unidos, além de dois aviões-tanque da Espanha.[124]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Subdivisões do Catar

O Catar está dividido em 10 municípios (muhafazat; singular: muhafazah):

  1. Ad Dawhah
  2. Al Ghuwariyah
  3. Al Jumaliyah
  4. Al Khawr
  5. Al Wakrah
  6. Ar Rayyan
  7. Jariyan al Batnah
  8. Madinat ash Shamal
  9. Umm Salal
  10. Mesaieed
Municipalities of Qatar.svg

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia do Catar
Gráfico das principais exportações do Catar (em inglês)
Doha, a capital e centro financeiro do país

O Catar tem experimentado um rápido crescimento econômico ao longo dos últimos anos graças aos elevados preços do petróleo e em 2008 publicou seu oitavo superávit orçamentário consecutivo. A política econômica é focada no desenvolvimento não associado às reservas de gás natural e em aumentar o investimento privado e estrangeiro em setores não-energéticos, mas o petróleo e o gás ainda representam mais de 50% do PIB do país, cerca de 85% das receitas de exportação e 70% das receitas do governo.

O petróleo e o gás deixaram o país com a segunda maior renda per capita — a seguir ao Liechtenstein — e com um dos mais rápidos crescimentos econômicos do mundo. As reservas descobertas de petróleo, estimadas em 15 bilhões * de barris (2,4 km³), deverá permitir a continuação da produção nos níveis atuais por mais 37 anos. As reservas descobertas de gás natural do Catar são de cerca de 26 trilhões de metros cúbicos, cerca de 14% das reservas totais do mundo e a terceira maior reserva do planeta.

Antes da descoberta do petróleo, a economia da região do Catar era centrada na pesca e na extração de pérolas. Após a introdução da pérola japonesa cultivada no mercado mundial em 1920 e 1930, a indústria de pérolas do Catar entrou em declínio. No entanto, a descoberta de petróleo, no início dos anos 1940, transformou completamente a economia do Estado. Agora, o país tem um alto padrão de vida, com muitos serviços sociais oferecidos aos seus cidadãos e todas as comodidades de qualquer Estado moderno.

O rendimento nacional do Catar deriva principalmente das exportações de petróleo e gás natural. O país tem vastas reservas de petróleo,enquanto as reservas de gás da gigante do Campo Norte, que fica na fronteira com o Irã e é quase tão grande quanto a própria península onde se localiza o país, são estimados entre 2 300 km³ e 23 000 km³ (que equivale a cerca de 80 milhões de barris [13 milhões m³] de petróleo. O Catar é muitas vezes referido como a Arábia Saudita do gás natural. A riqueza e o padrão de vida do Catar se comparam com os dos Estados da Europa Ocidental, tendo o país o maior PIB per capita no mundo árabe de acordo com o Fundo Monetário Internacional (2006)[125] e o maior PIB per capita (com base na paridade do poder de compra) no mundo segundo o CIA World Factbook. Com nenhum imposto de renda, Catar, juntamente com o Bahrein, é um dos países com as menores taxas de impostos do mundo.

Enquanto o petróleo e o gás permanecerão, provavelmente por algum tempo ainda, como sendo a espinha dorsal da economia do Catar, o país pretende estimular o setor privado e desenvolver uma "economia baseada no conhecimento". Em 2004, o governo estabeleceu o "Parque Científico e Tecnológico do Catar" para atrair e manter empresas de base tecnológica e empresários do exterior no Catar. O país também criou a "Cidade da Educação", que consiste em campi de universidades internacionais. Para os 15º Jogos Asiáticos em Doha, foi construída a "Cidade dos Esportes de Doha", que consiste no estádio Khalifa, no ASPIRE Dome, centros aquáticos, centros de exposições e de muitos outros esportes e centros de edifícios relacionados. Após o sucesso dos Jogos Asiáticos, Doha foi postulante a candidata para os Jogos Olímpicos de Verão de 2016,mas foi eliminada em agosto de 2008.[126] Catar também planos para construir uma "cidade do entretenimento" no futuro.

A340 da Qatar Airways. A empresa conecta mais 100 lugares ao redor do mundo ao seu hub, em Doha

O Catar pretende se tornar um modelo em transformação econômica e social na região. O investimento em larga escala em todos os setores sociais e econômicos também levam ao desenvolvimento de um mercado financeiro forte. O "Centro Financeiro do Catar" (CRC) oferece às instituições financeiras com os serviços de classe mundial em investimento, margem e empréstimos sem juros, e apoio ao capital. Estas plataformas estão situados em uma economia baseada no desenvolvimento de seus recursos de hidrocarbonetos, mais especificamente a sua exportação de petróleo. Ela foi criada com uma perspectiva de longo prazo para apoiar o desenvolvimento do Catar e da região, desenvolvendo os mercados locais e regionais e reforçando os laços entre as economias baseadas em energia e entre os mercados financeiros globais.

Além do Catar em si, que precisa levantar capital para financiar projetos de mais de US$ 130 bilhões, o CRC também oferece um canal para as instituições financeiras para o acesso de quase US$ um trilhão * de investimentos que se estendem ao longo do GCC (Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo) como um todo durante a próxima década.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Mídia e comunicação[editar | editar código-fonte]

Redação do canal de notícias catariano Al Jazeera

Críticas ao emir na mídia é ilegal: de acordo com o artigo 46 da Lei de Imprensa do país, "O emir do Estado do Qatar não deve ser criticado e nenhuma declaração pode ser atribuída a ele a não ser sob uma permissão por escrito do gerente de seu escritório."[127] Para a Freedom House, a imprensa do Catar "não é livre".[128]

Em 1996, o governo lançou a rede de televisão Al Jazeera, com sede principal em Doha, no Catar. Inicialmente com um canal de notícias em árabe, desde então se expandiu para vários canais de televisão especializados, tornando a rede mundialmente famosa.

A mídia impressa tem se expandido, com mais de três jornais em língua inglesa e títulos em língua árabe. O grupo Oryx Advertising é a maior editora do Catar, responsável pelas publicações das revistas Qatar Today (única revista mensal de negócios em inglês),Qatar Al Youm (a única revista mensal de negócios em árabe), Woman Today (única revista para trabalhadores do sexo feminino) e GLAM (primeira revista internacional de moda no país).[129][130] Com o advento das mídias sociais, portais de notícias on-line como Gulf Times Online e Qatar Chronicle ganharam popularidade entre o público no Catar.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2010 o país foi escolhido como sede da Copa do Mundo FIFA de futebol em 2022 e no ano seguinte sediou a Copa da Ásia de Futebol masculino pela segunda vez em sua história.[131]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Pronúncia errónea: [kɐˈtaɾ].
  2. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, remete de catarense para catariano, depreendendo-se uma preferência pelo segundo. De forma contrária, o Dicionário Priberam, remete de catariano para catarense.

Referências

  1. a b «Population structure». Qatar Statistics Authority. 31 January 2013. 
  2. «Population structure». Qatar Statistics Authority. 7 de julho de 2016. 
  3. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), : (Outubro de 2014). «World Economic Outlook Database». Consultado em 29 de outubro de 2014. 
  4. «Human Development Report 2015» (PDF) (em inglês). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 14 de dezembro de 2015. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  5. Dicionários e vocabulários ortográficos:
  6. Tratado de Proibição Completa dos Testes Nucleares.
  7. Declaração Conjunta do Presidente da República Federativa do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Presidente da República do Chile, Michelle Bachelet Jeria
  8. «Qatar 1995 Coup». UNHCR. Consultado em 23 March 2011. 
  9. a b Beth Greenfield (18 April 2012). «World's Richest Countries». Forbes. Consultado em 2013-01-22. 
  10. Qatar - Gas Exporting Countries Forum
  11. «Indices & Data | Human Development Reports». United Nations Development Programme. 2013-03-14. Consultado em 2013-06-27. 
  12. A política externa do Catar é sustentável? - Epoch Times, 14 de julho de 2012
  13. «World Report 2012». Human Rights Watch. 2010-12-02. Consultado em 2013-06-27. 
  14. «US State Department Qatar Page». US State Department. 
  15. «General Taxes of Qatar». Consultado em 01 de junho de 2014. 
  16. a b c Toth, Anthony. "Qatar: Historical Background." A Country Study: Qatar (Helen Chapin Metz, editor). Library of Congress Federal Research Division (January 1993). This article incorporates text from this source, which is in the public domain.
  17. Khalifa, Haya; Rice, Michael (1986). Bahrain Through the Ages: The Archaeology Routledge [S.l.] pp. 79, 215. ISBN 978-0710301123. 
  18. a b Rahman, Habibur (2006). The Emergence Of Qatar Routledge [S.l.] p. 34. ISBN 978-0710312136. 
  19. A political chronology of the Middle East Routledge / Europa Publications [S.l.] 2001. p. 192. ISBN 978-1857431155. 
  20. Page, Kogan (2004). Middle East Review 2003-04: The Economic and Business Report Kogan Page Ltd [S.l.] p. 169. ISBN 978-0749440664. 
  21. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome fromherz
  22. Larsen, Curtis (1984). Life and Land Use on the Bahrain Islands: The Geoarchaeology of an Ancient Society (Prehistoric Archeology and Ecology series) University of Chicago Press [S.l.] p. 54. ISBN 978-0226469065. 
  23. a b Althani, Mohamed (2013). Jassim the Leader: Founder of Qatar Profile Books [S.l.] p. 16. ISBN 978-1781250709. 
  24. Gillespie, Carol Ann (2002). Bahrain (Modern World Nations) Chelsea House Publications [S.l.] p. 31. ISBN 978-0791067796. 
  25. Anscombe, Frederick (1997). The Ottoman Gulf: The Creation of Kuwait, Saudia Arabia, and Qatar Columbia University Press [S.l.] p. 12. ISBN 978-0231108393. 
  26. Potter, Lawrence (2010). The Persian Gulf in History Palgrave Macmillan [S.l.] p. 262. ISBN 978-0230612822. 
  27. a b Rogan, Eugene; Murphey, Rhoads; Masalha, Nur; Durac, Vincent; Hinnebusch, Raymond (November 1999). «Review of The Ottoman Gulf: The Creation of Kuwait, Saudi Arabia and Qatar by Frederick F. Anscombe; The Blood-Red Arab Flag: An Investigation into Qasimi Piracy, 1797–1820 by Charles E. Davies; The Politics of Regional Trade in Iraq, Arabia and the Gulf, 1745–1900 by Hala Fattah». British Journal of Middle Eastern Studies [S.l.: s.n.] 26 (2): 339–342. doi:10.1080/13530199908705688. JSTOR 195948. 
  28. Habibur Rahman, pgs.143–144
  29. Habibur Rahman, pgs.150–151
  30. a b c d «Amiri Diwan – Shaikh Abdullah Bin Jassim Al Thani». Diwan.gov.qa. Arquivado desde o original em 10 February 2012. Consultado em 28 de outubro de 2012. 
  31. «History of Qatar». Diwan.gov.qa. Arquivado desde o original em 2 de maio de 2010. Consultado em 28 March 2010. 
  32. a b c nouvelobs.com: "Qatar : "S'ils pouvaient, ils achèteraient la Tour Eiffel", 7 de abril de 2013
  33. «History of Qatar». Fanar: Qatar Islamic Cultural Center. Consultado em 2 de julho de 2013. 
  34. fdesouche.com: "Ils ont livré la France au Qatar", 13 de janeiro de 2013
  35. a b c «Qatar». CIA World Factbook. Central Intelligence Agency. 8 de fevereiro de 2012. Consultado em 4 de março de 2012. 
  36. «List of Parties». Convention on Biological Diversity. Consultado em 8 de dezembro de 2012. 
  37. «National Biodiversity Strategy and Action Plan. State of Qatar» (PDF). Convention on Biological Diversity. Consultado em 9 de dezembro de 2012. 
  38. A. H. Moubasher (1993). Soil Fungi in Qatar and Other Arab Countries Centre for Scientific and Applied Research, University of Qatar [S.l.] p. i–xvi, 570 pp., 86 plates. ISBN 978-99921-21-02-3. 
  39. The Lizards Living in Qatar. 2014. First edition, Published in Doha (Qatar), 2014, 5 June (World Environment Day). 570 pages. Arquivado em 08-07-2014 no Wayback Machine
  40. «CO2 emissions (metric tons per capita)». Data.worldbank.org. Consultado em 7 de janeiro de 2013. 
  41. Pearce, Fred (14 de janeiro de 2010). «Qatar to use biofuels? What about the country's energy consumption?». The Guardian (Londres [s.n.]). 
  42. «Qatar National Vision 2030». Ministry of Development Planning and Statistics. 
  43. a b c Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome pop
  44. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Fromhertz2012
  45. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome census10
  46. «History of Census in Qatar». Qatar Statistics Authority. Consultado em 16 de junho de 2013. 
  47. «Qatar's delicate balancing act» BBC News [S.l.] 16 de janeiro de 2013. Consultado em 23 de maio de 2013. 
  48. Pandit, Mobin (5 de janeiro de 2013). «Population rise will push up rents». The Peninsula Qatar. Arquivado desde o original em 12 de março de 2015. 
  49. Kovessy, Peter. «Though many leave Qatar, there are more people here than ever». Doha News. Consultado em 17 de janeiro de 2016.  |website= e |publisher= redundantes (Ajuda)
  50. Global Religious Landscape. Pew Forum.
  51. «Population By Religion, Gender And Municipality March 2004». Qatar Statistics Authority. 
  52. «Report on International Religious Freedom – Qatar». US Department of State. «The official state religion follows the conservative Wahhabi tradition of the Hanbali school of Islam» 
  53. «Tiny Qatar's growing global clout». BBC. 30 de abril de 2011. Consultado em 12 de março de 2015. 
  54. «Qatar's modern future rubs up against conservative traditions» Reuters [S.l.] 27 de setembro de 2012. 
  55. «Rising power Qatar stirs unease among some Mideast neighbors» Reuters [S.l.] 12 de fevereiro de 2013. Consultado em 13 de junho de 2013. 
  56. «2011 Report on International Religious Freedom – Qatar». US Department of State. 
  57. «Population By Religion, Gender And Municipality March 2004». Qatar Statistics Authority. 
  58. «Mapping the Global Muslim Population: A Report on the Size and Distribution of the World's Muslim Population». Pew Research Center. 7 de outubro de 2009. Arquivado desde o original em 31 de março de 2011. Consultado em 26 de março de 2011. 
  59. a b «The Permanent Constitution of the State of Qatar». Government of Qatar. 
  60. a b «Constitution of Qatar». «According to Article 1: Qatar is an independent Arab country. Islam is its religion and Sharia law is the main source of its legislation.» 
  61. «Religious Composition by Country» (PDF). Global Religious Landscape. Pew Forum. Consultado em 9 de julho de 2013. 
  62. Johnstone, Patrick; Miller, Duane Alexander (2015). «Believers in Christ from a Muslim Background: A Global Census». Interdisciplinary Journal of Research on Religion [S.l.: s.n.] 11: 17. Consultado em 28 de outubro de 2015. 
  63. «Christians to Welcome Qatar's First Christian Church». Christianpost.com. 24 de fevereiro de 2008. Consultado em 22 de janeiro de 2013. 
  64. «CIA The World Fact Book». State.gov. 29 de junho de 2006. Consultado em 28 de março de 2010. 
  65. «Report on Qatar». Cumorah Project. Consultado em 12 de março de 2015. 
  66. «The Anglican Centre in Qatar». Epiphany-qatar.org. Arquivado desde o original em 16 de janeiro de 2013. Consultado em 22 January 2013. 
  67. David B. Barrett; George Thomas Kurian; Todd M. Johnson (2001). World Christian encyclopedia: a comparative survey of churches and religions in the modern world 1 Oxford University Press [S.l.] p. 617. ISBN 978-0-19-510318-2. 
  68. «Report on Qatar». Cumorah Project. Consultado em 12 de março de 2015. 
  69. «The Anglican Centre in Qatar». Epiphany-qatar.org. Arquivado desde o original em 16 January 2013. Consultado em 22 de janeiro de 2013. 
  70. David B. Barrett; George Thomas Kurian; Todd M. Johnson (2001). World Christian encyclopedia: a comparative survey of churches and religions in the modern world 1 Oxford University Press [S.l.] p. 617. ISBN 978-0-19-510318-2. 
  71. Baker, Colin; Jones, Sylvia Prys (1998). Encyclopedia of Bilingualism and Bilingual Education Multilingual Matters [S.l.] p. 429. ISBN 978-1853593628. 
  72. Guttenplan, D. D. (11 de junho de 2012). «Battling to Preserve Arabic From English's Onslaught». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 24 de novembro de 2013. 
  73. EurActiv.com (29 de outubro de 2012). «OIF defends Qatar's admission to French-speaking club». EurActiv. Consultado em 11 de abril de 2014. 
  74. «900 millions de personnes célèbrent la francophonie» (em French). Radio France International. 16 de março de 2013. Consultado em 12 de março de 2015. 
  75. «OIF defends Qatar's admission to French-speaking club». EurActiv. 29 de outubro de 2012. Consultado em 12 de março de 2015. 
  76. «Qatar Facts». First Qatar Orthodontic Conference. 
  77. http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/2005/06/09/ult1808u42754.jhtm
  78. «The World Factbook». U.S. Central Intelligence Agency. 
  79. «Qatar» (PDF). US Department of State. 
  80. «Qatar Gender Equality Profile» (PDF). UNICEF. 
  81. a b «Amnesty International Annual Report 2012 – Qatar». Amnesty International. Consultado em 19 de março de 2014. 
  82. a b «Filipino woman gets 100 lashes for giving birth in Qatar». 
  83. «Qatar». Amnesty International. 
  84. «Annual Report». Amnesty International [S.l.: s.n.] 2014-10-23. 
  85. «Qatar sentences man to 40 lashes for drinking alcohol». Arabian Business. 
  86. «Qatar sentences man to lashes for drinking alcohol». Al Akhbar. 
  87. «Qatar court orders lashing of Muslim barber over drinking alcohol». Al Arabiya. 
  88. «Indian expat sentenced to 40 lashes in Qatar for drink-driving». Arabian Business. 
  89. «Special report: The punishment was death by stoning. The crime? Having a mobile phone». 
  90. a b Jenifer Fenton. «Religious law, prison for "blasphemy", severe sexual inequalilty: Qatar's human rights review» [S.l.: s.n.] 
  91. «What are the worst countries in the world to be gay?». 
  92. a b c Alex Delmar-Morgan (7 de janeiro de 2012). «Qatar, Unveiling Tensions, Suspends Sale of Alcohol». Wall Street Journal [S.l.: s.n.] Consultado em 17 de janeiro de 2012. 
  93. a b Jenifer Fenton (16 de janeiro de 2012). «Qatar's Impromptu Alcohol Ban» The Arabist [S.l.] Consultado em 17 de janeiro de 2012. 
  94. «Qatar Distribution Company». Qatar Loving. 
  95. «Purchasing Alcohol in Qatar». Qatar Visitor. 2 de junho de 2007. Consultado em 1 de maio de 2011. 
  96. Walid, Tamara (11 de novembro de 2009). «Qatar would 'welcome' Israel in 2022». The National [S.l.: s.n.] Consultado em 10 de agosto de 2013. 
  97. a b James M. Dorsey (17 de janeiro de 2012). «Debate Questions Emir's Powers To Shape Qatar's Positioning As Sports Hub And Sponsor of Revolts – Analysis» The Eurasia Review [S.l.] Consultado em 17 de janeiro de 2012. 
  98. Elgot, Jessica (28 May 2014). «'Leggings Are Not Pants' Qatar's New Modesty Campaign Aimed At Westerners'». Huffington Post [S.l.: s.n.] 
  99. Aningtias Jatmika (29 de maio de 2014). «Qatar Bans Tourists from Wearing Leggings in Public». 
  100. a b c d «Country Narratives». Human Trafficking Report 2011 Office to Monitor and Combat Trafficking in Persons, United States Department of State [S.l.] Junho de 2011. Consultado em 2012-01-21. 
  101. Kelly, Tobias (2009). «The UN Committee against Torture: Human Rights Monitoring and the Legal Recognition of Cruelty». Human Rights Quarterly [S.l.: s.n.] 313 (3): 777–800. doi:10.1353/hrq.0.0094. 
  102. Conclusions and Recommendations: Qatar (Relatório). UN Committee Against Torture. 25 July 2006. U.N. Doc. CAT/C/QAT/CO/1. Consultado em 9 de janeiro de 2012.  Parâmetro desconhecido |docket= ignorado (|expediente=) (Ajuda)
  103. «Death penalties in the world -Qatar». 2014. 
  104. «International unions warn Qatar's work visa system allows employers to use forced labour». ITUC-CSI-IGB. 
  105. Owen Gibson (14 de maio de 2014). «Qatar government admits almost 1,000 fatalities among migrants». 
  106. a b «Qatar to allow trade union, scrap 'sponsor' system». Al Arabiya. 1 de maio de 2012. Consultado em 12 de março de 2015. 
  107. Wilson, Nigel (21 de julho de 2014). «Qatar Announces New Labour Law Reforms Amid Workers' Rights Outcry». International Business Times. Consultado em 12 de março de 2015. 
  108. Walker, Lesley (15 de janeiro de 2015). «Firms in Qatar who fail to pay workers on time could face suspensions». Doha News. Consultado em 12 de março de 2015. 
  109. Peter Kovessy (2015-10-27). «Qatar’s Emir signs into law kafala changes (updated)». Doha News. 
  110. «Qatar’s inaction on labor reform a 'human rights disaster', Amnesty». RT. Russia Today. 1 de dezembro de 2015. 
  111. «Qatar: New reforms Won't Protect Migrant Workers». Human Rights Watch. 2015-11-08. 
  112. Chris Arsenault (28 de outubro de 2015). «Qatar complicit in 'modern slavery' despite reforms – unions». Reuters. 
  113. Boghardt, Lori Plotkin (6 de outubro de 2014). «Qatar Is a U.S. Ally. They Also Knowingly Abet Terrorism. What's Going On?». New Republic [S.l.: s.n.] Consultado em 7 de outubro de 2014. 
  114. H Rahman (2005). The Emergence of Qatar Routledge [S.l.] ISBN 978-0-7103-1213-6. Consultado em 26 June 2013. 
  115. «Qatar relies on US base amid Gulf tensions». FT.com. Consultado em 16 de junho de 2013. 
  116. Zacharia, Janine (4 de março de 2008). «For Qatar, relations with West are a balancing act». New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 30 de janeiro de 2011. 
  117. Siegel, Robert (23 de dezembro de 2013). «How Tiny Qatar 'Punches Above Its Weight'». NPR [S.l.: s.n.] Consultado em 5 de junho de 2015. 
  118. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome nyt20130630
  119. «Qatar and Saudi Arabia sign defense agreement». Tehrantimes.com. 25 de fevereiro de 2010. Consultado em 2 de outubro de 2010. 
  120. «Qatar recognizes Libyan rebels after oil deal» Al Jazeera [S.l.] 28 de março de 2011. Consultado em 29 de março de 2011. 
  121. «The SIPRI Military Expenditure Database». Stockholm International Peace Research Institute. Consultado em 29 de outubro de 2011. 
  122. a b «The Strange Power of Qatar by Hugh Eakin». The New York Review of Books. Consultado em 16 de junho de 2013. 
  123. «Trends in International Arms Transfer, 2014». Stockholm International Peace Research Institute. Consultado em 18 de março de 2015.  |website= e |publisher= redundantes (Ajuda)
  124. Fundo Monetário Internacional, World Economic Outlook Database, October 2007, for the year 2006: Countries
  125. «Doha 2016 bid brings wind of change». aljazeera.net (Doha: Al Jazeera). 2007-10-26. Consultado em 2008-03-25. 
  126. «Awaiting a Modern Press Law in Qatar» NYTimes.com [S.l.] Consultado em 16 June 2013. 
  127. «Qatar». Freedom House. Consultado em 09 de abril de 2015. 
  128. «Oryx Publishing launches GLAM». Ameinfo.com. 21 November 2007. Consultado em 2 October 2010. 
  129. «T Qatar launched». Ameinfo.com. Consultado em 2 October 2010. 
  130. «Japão bate Austrália na prorrogação e se isola como maior campeão da Copa da Ásia». UOL Esporte. 29 de janeiro de 2011. Consultado em 29 de janeiro de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Catar